domingo, julho 01, 2007

Ecumenismo Blínico.

Pelo Doutor Mário Neto, blinólogo.

Certas pessoas, relutantes em abraçar a sua riqueza espiritual, insistem apontar alegadas inconsistências e contradições entre a Verdade revelada e o nosso conhecimento do mundo material, ou entre diferentes variantes dessa revelação do Transcendente. Mas não há, de facto, qualquer contradição. Apenas revelam a limitação do método empírico com que compreendem o reino material.

Por exemplo, o relato Blínico da criação fala-nos da Papa de Aveia primordial de onde foi criada toda a Terra. Do leite que sobrou foi formado o Coalho, que os Blin, na Sua sabedoria, transformaram em Queijo Fresco, criando assim a Lua. De Galileu ao início do século XX isto era apontado por muitos como contradizendo o conhecimento científico, pois observava-se que a Lua seria composta por rocha e cinza mineral, não por queijo fresco.

Com o advento da mecânica quântica a ciência teve que recuar e admitir a viabilidade do relato Blínico. Sabemos agora que toda a matéria é composta por partículas sub-atómicas, e que a rocha e o queijo fresco são apenas arranjos diferentes dessas mesmas partículas. Deixa de haver contradição, pois a Lua é assim precisamente rocha e queijo fresco em simultâneo, num sentido quântico e metafísico transcendente. E alguns cientistas até admitem a incapacidade de provar categoricamente que o núcleo da Lua não contenha queijo fresco. Sendo que o relato Blínico não contradiz a ciência, justifica-se depositar nele a nossa fé absoluta. E justifica-se rejeitar a ciência caso seja novamente contrária a este relato metafísico revelado. Afinal, a ciência muda, mas o relato Blínico é sempre o mesmo.

Muito sucintamente, podemos dizer que a ciência não produz qualquer argumentação sólida e substanciada no sentido de refutar os alicerces fideísticos desta quadratura interpretativa que a Blinoligía e a revelação Blin nos fornecem. Os fósseis não são espécies extintas, mas sim as Formas criadas pelos Blin a partir das quais novas espécies surgirão no futuro. Os trilobites não são espécies do passado, mas espécies futuras, e a prova é que nenhum cientista jamais viu um trilobite vivo. E todas as formações geológicas atestam a sua origem na Papa de Aveia; não é razoável defender que montanhas e vales, oceanos e lagos, surgiram puramente ao acaso. A ciência não refuta a Revelação Blin. Pelo contrário, confirma-a.

Também no domínio do conhecimento mais elevado os detractores da espiritualidade tentam apontar inconsistências nos relatos das diferentes religiões. Mas também neste domínio a Blinologia dá um quadro interpretativo dentro do qual podemos harmonizar todas as forma humanas de venerar o Sagrado. Ao criar a Humanidade, os Blin compreendiam plenamente a diversidade de atitudes e capacidades espirituais dos seres humanos. Na Sua sabedoria, decidiram adaptar a revelação a estas diferenças. A alguns deram a Sagrada Blínia, o relato exacto e verdadeiro da criação. Aos outros deram versões adaptadas, para iniciá-los nos mistérios metafísicos da forma mais adequada às suas personalidades e culturas. Nem todos nascem preparados para aceitar a sua origem na Papa de Aveia primordial e na Palavra, Frase, e Parágrafo dos omniverdes Blin.

Por isso, do relato Blínico surgiram inúmeras adaptações. A criação em sete dias, o mundo eterno, múltiplos deuses, deuses que são três em um, e assim por diante. Mas segundo este quadro intepretativo podemos compreender todas as religiões humanas como sendo a veneração dos Blin. As diferenças devem-se apenas a diferentes graus de iniciação ao Mistério Revelado, consequência da imperfeição do ser humano.

Importa assim apelar para um espírito ecuménico, no verdadeiro sentido do oikoumene Grego, abarcando todo o mundo habitado pelo ser Humano. Porque todas as religiões, na sua diversidade a aparente contradição, não passam de formas particulares e culturalmente distintas da adoração Blínica. Até os ateus e materialistas, pela sua crença religiosa na ausência de deuses e pela veneração espiritual do mundo material, participam nesta comunidade de adoradores da Criação e dos Criadores. Todos sem excepção, e muitos sem o saber, adoram os Blin. Um mundo em que todos abrissem o coração ao amor dos Blin seria um mundo muito melhor, de partilha em vez de conflito, de abundância em vez de escassez, e de felicidade em vez de perdição.

26 comentários:

  1. Caro Ludwig:
    Não tenha cuidado, não, e ainda fazem de si Messias...

    ResponderEliminar
  2. Messias!!
    Aonde isto chegou, depois não digas que não te avisei. ;)

    ResponderEliminar
  3. vai lá vai02/07/07, 00:01

    Caro Ludwig:

    Sei que isto não tem nada a ver com o tema do post. contudo, tenho tido discussões bastante acesas com amigos à cerca da influência da fase da lua no crescimento do cabelo, no dia de nascimento dos bebés, nos crimes cometidos, etc.

    Pessoalmente, não me parece que o cabelo cresça mais rápido por o cortarmos em quarto crescente do que noutra fase da lua qualquer (penso que é só uma questão de quantidade de luz reflectida e que isso não influencia crescimento capilar...). Enfim, já tentei ver alguma coisa na net, mas a verdade é que já encontrei de tudo...

    Será que quer comentar?

    ResponderEliminar
  4. Valha-me o Santissimo Blin, que o homem perdeu a cabeça.
    Ainda aparece aqui algum anónimo blinvangélico a atacar a falta de fé no Blin.

    ResponderEliminar
  5. Estou convencido. Serei o primeiro crente. Candidato-me desde já a Sacerdote do Sumo ou da Sagrada Papa ou coisa assim. Claro que será necessário instituir um contributo voluntário mínimo a cada crente, sendo este canalizado para as Sagradas Obras através de mim. Até já sinto a força da Palavra estabelecendo eu assim uma ligação directa com a Suprema Força da Sagrada Papa.
    Espero não ter falhado nenhuma maiúscula...

    ResponderEliminar
  6. Caro Vai Lá Vai,

    É uma boa sugestão para uma das próximas tretas da semana :)

    Obrigado pela ideia.

    ResponderEliminar
  7. E ACUSAM O POBRE DO ESPANTALHO CRUCIFICADO ...

    O FUNDAMENTALISMO ISLÂMICO É UMA DAS VÁRIAS PESTILÊNCIAS QUE OS SEGUIDORES DO deus DE ABRAÃO TENTAM DISSEMINAR !

    MAS POR QUE RAZÃO NÃO APARECE deus E ACABA COM OS CRIMES DOS FANÁTICOS , COM A ESPLORAÇÃO OU COM AS DOENÇAS AINDA INCURÁVEIS ?

    To silence all the atheist, why doesn't God just appear once to all human like Bible time?

    http://in.answers.yahoo.com/question/index?qid=20070120200901AAmE4gD

    É PORVENTURA PROCURADO POR ALGUM CRIME ? EM QUE TENHA SIDO CÚMPLICE INTELECTUAL ...
    SE NECESSÁRIO, AUMENTA-SE O VALOR DAS ALVÍSSARAS A QUEM O ENCONTRAR VIVO OU MORTO !

    NOTA SOBRE O TÚMULO DE JESUS NA CACHEMIRA: É DO CONHECIMENTO GERAL E, QUEM MORRE, NÃO É deus QUE SE PREZE .

    http://www.jahmusic.com.br/rascultura/18032006cashmir.htm

    MAS APAREÇA, POR GENTILEZA, SE POSSÍVEL ATÉ ÀS 02H00 DE 2007/07/03.
    E PROVE A TODOS NÃO SER COMO AQUELE ESPANTALHO NUMA CRUZ, QUE POR VEZES APARECE NOS CAMPOS AGRÍCOLAS.

    O TAL QUE FAZ DE CONTA QUE ESPANTA OS TOLOS DOS PARDAIS ...

    OS PARDAIS SÃO APENAS ANIMAIS IRRACIONAIS E O ESPANTALHO, TRAVESTIDO DE CRUCIFICADO, NÃO PASSA DE UM TRISTE ARDIL POUCO EFICAZ.
    OS BRAÇOS DO CRUCIFICADO SERVEM ATÉ DE LOCAL DE SOCIALIZAÇÃO DAS ATEMORIZADAS AVES .

    ResponderEliminar
  8. CORRIGENDA : EXPLORAÇÃO

    ResponderEliminar
  9. E NÃO APARECEU !

    UMA VEZ MAIS SE COMPROVA QUE deus NÃO EXISTE!
    MAS ISSO JÁ SE SABE HÁ MILÉNIOS!

    ResponderEliminar
  10. E NÃO APARECEU !

    UMA VEZ MAIS SE COMPROVA QUE deus NÃO EXISTE!

    MAS ISSO JÁ SE SABE HÁ MILÉNIOS!

    ResponderEliminar
  11. Ludi,
    eu sei que queres convencer pelo bom senso e pelo argumento fundamentado, com uma pitada de bom humor. Mas já vês que são todos atributos perigosíssimos quando se lida com pessoas instáveis. Este aqui em cima agora passou-se completamente.
    Cristy

    ResponderEliminar
  12. Eh!Eh!Eh!

    Já comentei a ocorrência no Pipismo: http://pipismo.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  13. Cristy,

    Este camarada acima é apenas uma variante colorida do mundo em que vivemos. Ele opta por escrever com caps lock, para poder diminuir a letra ao escrever deus. No fundo ele é apenas uma variante irada e desiludida com o deus que não existe, e com todos os aldrabões que exploram a crença.
    Como eu o compreendo...

    :-)

    ResponderEliminar
  14. Tive de ir ver o que era esta coisa dos blin.
    Não entendo nada!!
    As coisas que este rapaz sabe!

    ResponderEliminar
  15. Joaninha,

    Está tudo explicado no blog. Basta clicar na tag de blinologia.

    E, por acaso, aqueles alfinetes em forma de joaninha têm um significado profundo na blinologia tradicional, por isso pode ser que esta religião te diga mais que a tua, he he he :)

    ResponderEliminar
  16. O ateísmo pode levar à loucura. Nesta caixa de comentários apareceu a primeira prova científico-empírica. A minha intuição estava correcta.

    No meu futuro blogue [ainda em construção, sem um único post, mas já com cento e tal visitas, provavelmente um record a nível mundial] falarei deste tema que muito me preocupa.

    ResponderEliminar
  17. Caro António Parente,

    Mesmo que nesta caixa de comentários houvesse prova de algum ateu ser louco, isso não seria prova que tinha sido o ateismo a causa da loucura. Correlação não é causalidade.

    ResponderEliminar
  18. Ópá Ludwig!!

    Mas que mau feitio que tem o mocinho!!:)

    Não tive tempo para ler, fui lá espreitar, mas foi atravessado porque estava um bocado aflita.
    Amanhã a ver se leio tudinho com atenção.
    Se bem que adorar Joaninhas parece-me sempre bem...Mesmo que seja em alfinetes de plástico :)

    ResponderEliminar
  19. Se cada crente exaltado que aparece na caixa de comentários fosse prova aceite que a religião causa loucura, então no DA eu teria provas para dar e vender...

    ResponderEliminar
  20. Caro Ludwig

    Estamos de acordo. Repare que eu falei na "primeira" prova científica. Há um trabalho imenso de investigação sobre o ateísmo. É um assunto absolutamente fascinante que vai ocupar a segunda metade da minha vida. Aos 50 anos, quando completar o meu curso de Estatística Aplicada de acordo com o processo de Bolonha, estarei apto a frequentar um mestrado e ingressar na senda da investigação científica.

    Aliás, já lancei hoje, na caixa de comentários do Diário Ateísta, a semente daquela que será a minha grande tese e que penso constituirá o cerne de todas as discussões na segunda década do século XXI: contraporei a teoria dos lélés em oposição à teoria dos mémés do Dawkins. E mais não digo porque ainda não registei a patente e ainda tenho umas meras pinceladas escritas em guardanapos de papel (comecei a pensar neste assunto ontem à noite no restaurante La Trattoria, ali na Rua Artilharia Um).

    ResponderEliminar
  21. Artilharia 1, esse sitio famoso por esse restaurante e outros pratos que se arranjam por lá!
    Isso não é obcessão? Eu não vivo a pensar na minha vida online, e se não me ligar à net durante dias, nem estou preocupado com o que aqui se passa.
    Efectivamente, alguém está no ponto de locura, mas, não sei se concordamos no sujeito. :-)

    ResponderEliminar
  22. Caro antónio

    Não é vida "online", é um projecto de investigação para perceber o mundo em que vivo. Antes de me tornar crente levei pelo menos uns 20 anos a pensar no assunto. Não cometerá a indelicadeza (nem eu) de afirmar que o nosso anfitrião é obcecado por religião ou que o Dawkins é meio louco, etc. Cada um é como é, antónio. "Não julgues para não seres julgado", lá diz a Bíblia.

    Obsessão seria eu chatear-me consigo ou com outra pessoa e ficar a "remoer" qualquer resentimento depois de desligar o computador. Seria uma situação emocionalmente negativa e possivelmente auto-destrutiva.

    Agora se eu me chateio consigo, com o Ludwig, com o João Vasco, com a Cristy, com o Florival (é doutro blogue), com o Daniel (outro blogue), com a Isabel (outro blogue), com o Paulo (outro blogue), com o Vitor (outro blogue), com o Pacheco (outro blogue), com o Golfinho (outro blogue), etc, etc, e não transporto essas zangas comigo então não há problema.

    É preciso aprender a controlar as nossas emoções. Viu? Insinuou que eu entrei em contradição com o que disse há uns dias e eu não me chateei (chateei-me de outras vezes). A isto chama-se "inteligência emocional". Hoje o Sol voltou, comi lagostins ao almoço, bebi um belíssimo vinho, estou feliz. Chatices para quê, antónio?

    Um grande abraço do seu amigo virtual,

    ResponderEliminar
  23. um dos pequeninos mistérios desta vida, é o que levará certas pessoas a crer que tudo o que têm a contar acerca de si próprias tem interesse para os outros, sobretudo quando nunca fazem outra coisa senão falar de si próprias. Enfim, presumo que fazê-lo em blogue alheio sai mais barato do que ir ao psiquiatra.
    Cristy

    ResponderEliminar
  24. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar

Se quiser filtrar algum ou alguns comentadores consulte este post.