domingo, agosto 14, 2022

O género.

Eu não sou do género masculino. Eu sinto-me do género masculino como eu o concebo, e sinto como enquadro os outros nas minhas categorias de género. Mas não existem géneros objectivos. Os géneros são algo que cada um sente acerca de si, acerca dos outros e acerca de como se relaciona com os outros. Sendo subjectivos, variam muito de pessoa para pessoa. Por exemplo, eu sinto-me do género masculino porque nasci com pénis e testículos, e sinto que quem nasceu com vulva e ovários é do género feminino. Isto é apenas uma descrição grosseira porque eu não defini nada disto de forma explícita e deliberada. Estou a tentar exprimir o que sinto. E é óbvio que outras pessoas poderão sentir isto de forma diferente. Por exemplo, em 2020 a actriz Ellen Page declarou ser do género masculino e mudou de nome para Elliot. Claramente, Page tem uma concepção dos géneros diferente da minha, tal como as outras pessoas terão as suas.

Não devia ser necessário mencionar isto, mas o fervor ideológico em torno deste tema obriga-me a deixar explícito que não desejo mal algum a pessoas transgénero. Defendo incondicionalmente a liberdade de viverem, de se exprimirem e de se relacionarem com os outros de acordo com as categorias de género que sentem. E condeno sem reservas quem as coagir, ameaçar ou agredir só porque discorda dessas categorias de género. Mas isto não é apenas para pessoas trans. É um direito humano. Ninguém deve ser obrigado a fingir categorias de género diferentes daquilo que sente ou a exprimir-se e relacionar-se com os outros de forma que não lhe seja natural.

Infelizmente, a subjectividade das categorias de género choca com os objectivos políticos de quem quer impor umas aos outros. Uma vez mencionei esta subjectividade num grupo de Facebook e a administradora acusou-me de “violência simbólica”. Para me castigar, decidiu referir-se a mim com pronomes femininos para eu sentir o terrível sofrimento que a minha tese estaria a causar. Não teve o efeito desejado. Mas vamos supor que em vez desta infantilidade alguém sinceramente me categorizava no género feminino. Nem seria muito descabido. Eu não sei conduzir, não ligo ao futebol, não cumpri o serviço militar e não sei caçar. Por outro lado, tenho muita experiência a mudar fraldas, a dar banho a bebés, a cantar para adormecerem e a coser peluches lesionados. Quem conceber os géneros em função destes estereótipos em vez dos genitais pode bem achar que eu sou mais mulher que homem. É-me indiferente. Estou satisfeito com o que sou e não me ralo com as categorias dos outros. E esta talvez seja a maior diferença entre pessoas como eu e pessoas como Page, porque alguém que se submete a cirurgias e tratamentos hormonais para alterar o aspecto do seu corpo provavelmente nem está bem consigo nem é indiferente ao que os outros pensam.

É aqui que surge o argumento da empatia: as pessoas transgénero sofrem tanto que temos o dever de fingir que pensamos nelas no género que elas preferem. Mas ter empatia e pena não implica o dever de ser hipócrita. Elliot Page tem todo o direito de dizer-se a si e a mim no género masculino e colocar Ellen Page no género feminino, de acordo com os géneros como Page os concebe. Mas eu tenho o mesmo direito de sentir que Elliot e Ellen estão ambas no género feminino, como eu o concebo, e que é diferente do masculino em que me categorizo, e ambos diferentes dos que Page concebe. Lamento que Page não se sinta bem com o seu corpo mas isso nada tem que ver com a liberdade de termos categorias de género diferentes. Além disso, esta abordagem da “empatia” é prejudicial porque não distingue entre o normal e o patológico. Que uma pessoa de um sexo sinta que o seu género é outro não é doença nem merece pena. É um sentimento subjectivo. Mas amputar partes saudáveis do corpo, tomar hormonas só para mudar a aparência e viver obcecado com os pronomes que os outros usam são sintomas de patologia. É um erro grave fingir que isto é tudo normal e saudável, ao ponto de se dar hormonas a crianças para impedir a puberdade. Isto não é empatia e até devia ser crime.

À direita, os mais conservadores querem impor categorias de género baseadas no sexo alegando que o sexo é objectivo. Se bem que as características sexuais sejam objectivas, é subjectivo se as usamos para conceber os géneros. Eu uso, mas é legítimo não o fazer. E à esquerda querem dar a certas pessoas o poder de ditar aos outros como categorizar os géneros. Assumem que uma pessoa é objectivamente de um género se disser que é desse género. Mas quando Page diz ser do género masculino está a referir-se a esse género como Page o concebe. Isso não tem nada que ver com o meu conceito de género masculino, que é diferente do de Page. Cada pessoa sente estas coisas de forma diferente e ninguém consegue definir objectivamente o que é ser masculino ou feminino. Portanto, se alguém se referir a mim como “a Ludwig” não está a dizer nada acerca do meu género como eu o concebo. Está apenas a exprimir-se de acordo com as suas categorias de género, que nada têm que ver com as minhas. Não há por isso qualquer justificação para ser eu a ditar-lhe que pronomes pode usar ou como me deve categorizar.

Se admitirmos que as categorias de género são subjectivas todos os problemas parvos que se tem inventado desaparecem. Quando é necessário objectividade, ignora-se o género. Exames à próstata são para quem tem próstata, seja de que género for. No desporto, tal como as categorias de peso dependem do que está na balança e não do atleta se sentir esbelto ou rechonchudo, também as provas femininas devem ser para atletas do sexo feminino seja qual for o seu género. Resta o problema real de quem sofre demasiado com o seu corpo e com que os outros pensam, mas esse é um problema de saúde para os médicos resolverem. Nós temos é de resistir a qualquer tentativa de nos impor conceitos de género ou restringir como os exprimimos. O que cada um sente é consigo e mais ninguém tem legitimidade para mandar nisso.

sexta-feira, agosto 12, 2022

É moeda, só que não.

Hugo Ramos é um guru português da Bitcoin. É o autor do price to time model, segundo o qual cada Bitcoin iria valer $200000 no final de 2021 (1), e de vários canais no YouTube intitulados «F U Money»(2). Em Maio, Ramos reagiu a uma conversa sobre cripto-activos entre Mariana Mortágua e Adolfo Mesquita Nunes (3). O estilo do discurso torna o vídeo doloroso de assistir mas Ramos revela aspectos do evangelismo da Bitcoin que é importante conhecer, especialmente se alguém pensa meter-se nisto. Antes de mais, devo declarar que até há uns anos fui entusiasta desta tecnologia e talvez volte a ser se alguma coisa sobrar depois dos reguladores acabarem com as aldrabices. Mas por agora só estou fascinado a ver o camião do lixo a arder.

Ramos começa por contradizer Mortágua afirmando que a Bitcoin é uma moeda e não um activo financeiro, e explica que só não é moeda porque legalmente não é reconhecida como tal. O que é estranho porque uma moeda distingue-se de um activo precisamente pelo seu estatuto legal. Depois diz que é moeda em El Salvador. Realmente, lá o governo obriga os comerciantes a aceitar Bitcoin e tentou que a população adoptasse a Bitcoin como moeda. Não teve sucesso (4) mas, legalmente, em El Salvador Bitcoin devia funcionar como moeda. No entanto, quando Mortágua apontou que tinham perdido dinheiro por comprar Bitcoin mais cara do que está agora, Ramos disse que não porque só se perde dinheiro com um activo financeiro quando se vende esse activo e, além disso, muitos ganharam porque compraram quando o preço estava inferior ao que está agora. Para quem estiver na dúvida acerca do que é a Bitcoin, é simples: é o que der mais jeito, moeda quando sobe para contar logo o ganho e activo quando desce porque nesse caso só conta como perda se venderem. O importante é que comprem sempre.

Acerca do uso ilegal de activos criptográficos, Ramos aponta que há mais uso criminoso de dólares do que de Bitcoin. Mas isto diz pouco. Não só porque há muito mais valor em dólares do que em activos criptográficos mas, e especialmente, porque o mercado destes activos não é regulado e muito que seria crime em dólares não foi ainda declarado ilegal com Bitcoin. Por exemplo, as transacções de activos criptográficos parecem ser maioritariamente falsas (wash trading), sendo o vendedor também o comprador (5). Isto serve para manipular preços ou dar uma ideia falsa de liquidez e é crime em mercados regulados. Como este mercado não tem regulação legal, ninguém foi preso por isto. Este mercado é regulado apenas pela decência natural que sabemos caracterizar quem quer ganhar dinheiro seja por que meios for.

Outro aspecto interessante da apologia da Bitcoin é uma ideologia libertária que Mortágua descreve como infantil mas que eu julgo ser demasiado hipócrita para tal benevolência. Por exemplo, Ramos defende que o princípio fundamental que justifica a Bitcoin é a liberdade das pessoas criarem o seu dinheiro e não serem oprimidas pelo Estado. Mas ao mesmo tempo Ramos opõe todos os activos criptográficos que não sejam Bitcoin, aos quais chama shitcoins, e aplaude a decisão do governo de El Salvador de obrigar os comerciantes a aceitar Bitcoin quer queiram quer não. A retórica de Ramos acerca da economia também é confusa e contraditória. Insurge-se repetidamente contra o que chama “economia Keynesiana”, ser ser claro o que quer dizer, e protesta contra a inflação apontando que imprimir dinheiro tira valor ao dinheiro que as pessoas têm. Mas depois pergunta porque é que o Estado cobra impostos se pode imprimir dinheiro. Pois é precisamente para mitigar a inflação que de outra forma resultaria ao pagar polícias, professores, médicos e assim por diante. Neste contexto, Ramos alega que a Bitcoin é a forma mais segura de guardar valor porque é impossível de roubar ou confiscar e não depende do Estado. Mas basta aos meliantes uma corda e um barrote para em poucos minutos persuadir Ramos a dar-lhes as chaves criptográficas e assim roubar-lhe irreversivelmente as Bitcoin. Ramos precisa de um Estado que o proteja destas coisas, mais ainda do que se tivesse o dinheiro no banco. A ideologia supostamente libertária que Ramos apregoa parece ser só demagogia para disfarçar o problema da utilidade prática da Bitcoin ter morrido afogada em especulação.

Se se conseguir resolver os problemas de escala, consumo de energia, e regulação, esta tecnologia de transacções distribuídas pode ter alguma utilidade. Mas o valor económico desta aplicação será talvez uma milésima do que alegam ser agora o valor total dos activos criptográficos. O preço de uma Bitcoin multiplicado pelo total em circulação dá quase quinhentos mil milhões de euros. Só que isto nem corresponde ao dinheiro disponível para comprar Bitcoin nem deriva de qualquer negócio que justifique os 23 mil euros por Bitcoin. O preço cai sempre que ao volume regular de transacções fictícias se junta uma fracção a trocar Bitcoin por dinheiro porque para isso é preciso gente disposta a meter dinheiro no sistema. É essa necessidade de aguentar a pirâmide que orienta o discurso dos cripto-evangelistas, as “mãos de diamante” e os olhos de laser.

Eu não tenho qualificações para dar conselhos sobre investimento financeiro. Mas se alguém estiver interessado em investir nestes activos recomendo o esforço de ver o vídeo de Ramos (3). Oiçam Ramos tendo em mente que quem investiu nisto só lucra se outros a seguir investirem mais ainda.

1- YouTube, P2T Model (Bitcoin) Revealed for the First Time on Tone Vays Channel - 3rd Jan 2021
2- Ver mais em fyoumoneypod.com
3- YouTube, F You Money! [#12] Hugo Responde à Amiga Mariana Mortágua Sobre a Bitcoin - Take #2
4- Investing, NBER: El Salvador’s Bitcoin Legal Tender Adoption Failed To Take-Off
5- Pennec et al., Wash trading at cryptocurrency exchanges

sábado, julho 02, 2022

Consciência, Inteligência Artificial, e porque é que estamos tramados.

Um engenheiro da Google, entretanto despedido, alegou que o LaMDA, um modelo linguístico dessa empresa, se tinha tornado consciente (1). Muitas pessoas apontaram que é disparate mas as justificações que tenho visto não me deixaram satisfeito. Uns alegam que LaMDA não pode ser consciente porque apenas calcula probabilidades de frases e palavras. Além de isto subestimar a complexidade destes modelos, muito mais complexos do que aquilo que um ser humano consegue conscientemente fazer, mesmo tarefas simples podem ser feitas com consciência. Contar pelos dedos, por exemplo. Portanto, não é por "apenas" estimar probabilidades que não pode ser consciente. Outra justificação é que as palavras produzidas por LaMDA não têm intencionalidade, aquela propriedade de ser acerca de algo. Quando uma pessoa diz que subir ao monte Evereste é um grande feito, sabemos que diz essas palavras referindo aquele monte e conceito. Quando LaMDA dá essa resposta (2), são apenas palavras. Só na mente do leitor é que referem alguma coisa. Isto é verdade mas só diz que LaMDA não é consciente porque não é consciente. Neste contexto, intencionalidade e consciência acabam por ser o mesmo.

Eu proponho que o problema está na forma como o algoritmo é materializado. Um algoritmo é uma sequência abstracta de instruções que podem ser executadas de forma automática. Por exemplo, para calcular a área do triângulo somamos o comprimento dos lados, dividimos por dois, subtraímos a esse valor cada um dos lados, multiplicamos esses quatro valores (o total e as diferenças) e calculamos a raiz quadrada desse produto. Isto em abstracto. Em concreto, o melhor é arranjar algum suporte material e convencionar uma correspondência com estes passos. Marcas num papel ou a posição das contas de um ábaco, por exemplo. Ou, melhor ainda, cargas e tensão num circuito electrónico. Aí corre tudo automaticamente e no final só temos de interpretar o resultado. É assim que LaMDA funciona. Em abstracto, uma frase como "porque é que as pessoas sobem ao monte Evereste?" é mapeada numa tabela de números, esses números são multiplicados e somados a outros números, dá uma tabela ainda maior de números, faz-se isso várias vezes com muitos milhões de números e várias funções e no fim saem números indicando a probabilidade de cada palavra que pode vir a seguir*. Mas isso é o algoritmo em abstracto. Em concreto não vamos lidar com números mas sim com cargas e tensões num circuito que, para nós, representam esses números e essas operações. No final aparece uma mancha no ecrã que interpretamos como sendo uma resposta à nossa pergunta.

O que eu proponho é que a consciência não vem do algoritmo, que é abstracto, mas depende do suporte físico em que este for materializado. Um algoritmo simples materializado num cérebro humano é executado de forma consciente. Se o humano usar um ábaco ou um lápis, a consciência continua no humano e não no ábaco ou no lápis. E se materializar o algoritmo num circuito electrónico, também não é o circuito que fica consciente. Se LaMDA for consciente, então todos os aparelhos electrónicos serão conscientes também, o que não é plausível.

Isto não presume nada de sobrenatural ou imaterial acerca da consciência. É um problema mais genérico. Por exemplo, podemos pensar num algoritmo para construir um muro de tijolos, com todos os cálculos para posicionar os tijolos e colocar a argamassa em função das dimensões do muro e dos tijolos. E podemos materializar esse algoritmo fazendo as contas de cabeça, usando papel e lápis ou um computador sem que nada disso produza um muro de tijolos. Apenas vai produzir alguma representação do muro. Para termos mesmo um muro de tijolos o algoritmo terá de ser materializado num sistema físico que assente mesmo os tijolos e ponha a argamassa. Tal como assentar tijolo, a consciência também deve ser uma actividade específica que não surge automaticamente em qualquer materialização de algoritmos. Exactamente como a poderemos obter não sei, mas o que me parece é que não é empurrando electrões de um lado para o outro num circuito para representar operações algébricas. Deve ser preciso algo mais do que isso.

Se isto for verdade, então nem LaMDA é consciente nem qualquer rede neuronal ou programa de IA que se implemente neste tipo de computadores será consciente. Enquanto estivermos a materializar os algoritmos nestes ábacos electrónicos, por muito rápidos os ábacos e complexos os algoritmos, nem vão assentar tijolo nem gerar consciência. O que me preocupa é a capacidade destes modelos parecerem humanos aliada à sua capacidade sobre-humana de ter milhões de conversas personalizadas ao mesmo tempo. LaMDA é mais sofisticado do que apenas um modelo linguístico, porque a Google incluiu métricas como relevância, correcção factual, "segurança" (i.e. ser politicamente correcto) e afins (2). Mas os objectivos podiam ser outros. Podiam ser o de persuadir as pessoas a votar num candidato ou de as convencer que a democracia é uma experiência falhada e precisamos é de um ditador, por exemplo.

Um sistema sofisticado destes, capaz de criar conversas aparentemente inteligentes, gerar imagens falsas, criar artigos automaticamente e o que mais for preciso para persuadir pode ter um impacto enorme na nossa sociedade. E em vez de prepararmos as pessoas para resistir a isto andamos a fazer o contrário. Ensinamos os jovens que as palavras "ferem" e que por isso se deve evitar o que é desagradável ou nos contradiz. Proibimos que se divulguem factos que possam ofender alguém. Treinamos as pessoas a criar bolhas onde só entra o que lhes agrada. Exigimos que sejam os outros a verificar se o que vemos é verdade, para nem termos de pensar no assunto. Soltar sistemas como LaMDA neste meio vai ser uma razia. O meu medo não é que a inteligência artificial se torne consciente. O que me preocupa é a consciência natural estar cada vez menos inteligente, precisamente na altura em que isso é mais perigoso.

* O grande poder desta abordagem, de aprendizagem profunda, é que podemos começar com estes números todos ao acaso e depois, cada vez que o resultado não for o que queremos, ajeitamos os valores para reduzir um pouco o erro. Fazendo isso milhões de vezes conseguimos encontrar um algoritmo, que será aquela sequência de operações com aqueles números, que dá os resultados desejados. Mesmo sem sabermos como. Esta abordagem permite pôr o computador a resolver problemas que nós não sabemos como resolver. Por exemplo, o de calcular a probabilidade das palavras de uma resposta dada uma pergunta qualquer.

1- Washington Post, The Google engineer who thinks the company’s AI has come to life.
2- ResearchGate, LaMDA: Language Models for Dialog Applications.

sábado, julho 31, 2021

Crianças de alta competição.

Um post de Joana Amaral Dias chama atenção para o problema de Leonor Baptista, uma ginasta de 11 anos, pelas minhas contas (1), que «foi campeã nacional este ano, [...] Tem declaração da federação atestando “atleta de elevado potencial desportivo" [e] treina cinco horas por dia» (2). Por isso, defende Dias, devia ter um lugar na escola Filipa de Lencastre, que fica perto de sua casa. Dias lamenta também que o Estado não apoie a Leonor, que «o desporto que deveria estar no nervo da educação, que é tão importante para a coesão nacional, é assim tratado. As crianças, que são o nosso futuro, desprezadas. Portugal mata o sonho e a realização dos mais novos, desportistas ou não» e assim por diante. Eu acho que todas as crianças deviam ir para escolas próximas de suas casas, dentro do possível, mas discordo que o Estado discrimine crianças pelo "potencial desportivo" ou incentive que as treinem para alta competição.

A prática moderada de desporto é saudável mas o treino de alta competição não visa a saúde dos praticantes. Visa maximizar o desempenho dos atletas na competição. É para ganhar medalhas. Isto não é apropriado para crianças, cujo desenvolvimento pode ser prejudicado pelo treino excessivo e demasiado especializado. Além disso, o dever do Estado é incentivar todas as crianças à prática saudável de desporto e não o treino intensivo de algumas seleccionadas por clubes ou federações pelo seu potencial para ganhar. É uma falácia justificar o treino de alta competição de algumas crianças invocando que o desporto traz saúde a todos.

A competição cria conflitos de interesse entre o atleta e pessoas e instituições envolvidas na sua formação. Se bem que isto seja mais notório nas competições de topo, que geralmente (mas nem sempre) envolvem adultos, seria ingénuo assumir que as crianças que participam em torneios nacionais ou internacionais não estão sob pressão para ganhar. Ou que os treinadores e clubes não estão sob pressão para maximizar o número de troféus que os atletas conquistam*.

Isto é evidente nos argumentos pelos incentivos ao treino de alta competição. Não defendem o desporto pela saúde das crianças. Isso seria exigir aulas de natação para crianças com peso a mais, por exemplo. O que exigem é o treino de crianças com "potencial desportivo" para glória do clube, federação e país. É para "ganharmos" medalhas. Esta instrumentalização dos atletas é admissível com a Patrícia Mamona ou o Jorge Fonseca porque são adultos e sabem no que se estão a meter. Se querem ganhar medalhas e os portugueses querem sentir vicariamente que também ganham, todos beneficiam se o Estado ajudar. Mas com crianças é diferente.

O fabrico de ganhadores é muito ineficiente e as crianças não só são incapazes de avaliar adequadamente o custo de dedicarem anos a treinar cinco horas por dia como não conseguem perceber quão improvável é terem os benefícios com os quais são aliciadas. Se lhes mostram o exemplo da Sunisa Lee vão ficar maravilhadas com o seu percurso e motivadas a imitá-la no esforço e dedicação. Se lhes elogiarem o talento vão ficar convencidas de que podem chegar onde Lee chegou. Mas não vão perceber que por cada Sunisa Lee há centenas de crianças que sacrificaram o mesmo mas nunca chegaram às medalhas. Ou até sacrificaram mais em lesões e outros problemas. Não podemos assumir que uma criança que entra aos sete ou oito anos neste processo o faz de forma voluntária e consciente. Pelo contrário. O mais provável é que vá ao engano, com ilusões irrealistas acerca do seu percurso e empurrada por interesses que não são necessariamente os seus. Sem garantia que o sacrifício é voluntário e consciente não é aceitável que o Estado incentive a transformação de crianças em ganhadores de medalhas.

Esta minha posição tem beneficiado de algumas críticas que me fizeram. Uma é a de ser paternalista. Admito que sim mas proponho que o paternalismo é inteiramente justificado em questões com impacto na vida de crianças tão jovens. Outra é que a alta competição incentiva crianças a praticar desporto, o que é saudável. A essa crítica contraponho que a alta competição não incentiva as crianças a praticar desporto de forma saudável. Será melhor usar outros incentivos. Finalmente, há o testemunho seleccionado de pessoas que devem o seu sucesso ao treino de alta competição ou que competiram e correu tudo bem. O problema desses exemplos é o enviesamento. O enviesamento na amostragem, por seleccionar em retrospectiva os casos mais convenientes, e o enviesamento pessoal análogo a quem defende o direito de dar palmadas aos filhos porque também levou e não lhe fez mal nenhum. Se uma criança treina cinco horas por dias dos 8 aos 18 anos e mais tarde perguntarmos se valeu a pena, é de esperar alguma resistência à conclusão que mais valia ter dado prioridade à brincadeira e outras coisas. Estas críticas não resolvem o problema fundamental: enquanto é de louvar a dedicação extrema do medalhado adulto, o mesmo sacrifício vindo de uma criança de 8 anos, ou 11, ou 15, deixa a dúvida se será realmente voluntário ou se a criança está a ser manipulada contra os seus interesses por quem quer medalhas e glória. Esse risco é suficiente para justificar a mesma prudência com que lidamos em geral com tudo o que afecta as crianças.

Se uma criança quer passar cinco horas por dia a fazer ginástica, defendo que seja livre de o fazer. Se a querem treinar para ganhar medalhas, seria bom mitigar o risco da criança se sacrificar por interesses de terceiros e em detrimento dos seus mas não sei como regular esta forma de trabalho infantil. O que me parece claro é que o Estado não deve incentivar que façam isto às crianças com "elevado potencial desportivo". Não só porque o incentivo à prática de desporto devia ser para todos, e para que praticassem desporto de forma saudável, como também porque incentivos ao treino de competição iriam agravam riscos já significativos para crianças, que por serem especialmente vulneráveis são quem o Estado tem maior obrigação de proteger.

* Os meus filhos mais velhos participaram em competições quando eram pequenos. Não era alta competição. Nem perto disso. Mas mesmo assim a pressão de pais e treinadores sobre as crianças era tão grande, tão ridiculamente grande, que eu disse aos meus filhos que o importante no desporto não é vencer mas sim humilhar completamente o adversário. Os meus perceberam que era piada mas temo que para muitos era a sério...

1- Venceu na categoria de infantis em 2018 e na de iniciados em 2019, GCP, campeões
2- No Facebook

quinta-feira, julho 29, 2021

A ciência não prova.

Em países como o nosso, os crentes religiosos resolvem a contradição entre as suas crenças e a ciência apontando que a ciência não pode provar que não existem deuses, que não há alma e essas coisas*. É uma solução modesta. Acreditar só por não se provar o contrário é pouco exigente. E se bem que isto esteja superficialmente correcto, porque a ciência não pode provar o que quer que seja, no fundamental é uma confusão acerca da prova e do que a ciência faz.

Conseguimos provar que 4 é um número par porque tudo o que é relevante para esta afirmação está sob o nosso controlo. Definimos nós o que são números inteiros, o que é a divisão, o que é um múltiplo de 2 e assim por diante, por isso 4 ser número par não depende de qualquer hipótese acerca da qual haja incertezas. Esta é uma condição necessária para se poder provar algo**. Já agora, aplica-se o mesmo a provar que 4 não é um número ímpar. Se alguém alegar que não pode provar uma negativa, está enganado. Isso não é problema nenhum. O problema é a incerteza inevitável quando lidamos com a realidade. Fora do domínio controlado da lógica e da matemática falta-nos as certezas necessárias à prova. Por exemplo, não podemos provar que a Lua existe porque pode ser uma ilusão criada por extraterrestres, podemos estar a viver numa simulação e assim por diante. Sem controlo absoluto sobre as premissas não se pode provar nada. Portanto, a ciência não pode provar a inexistência de deuses pela razão trivial de não se poder provar seja o que for acerca da realidade. Provar é só para conceitos abstractos.

Sendo fútil tentar provar hipóteses isoladas acerca da realidade, o que a ciência faz é avaliar comparativamente as alternativas em função do que contribuem para as melhores explicações. Esta inferência à melhor explicação lida sem problemas com elementos sobrenaturais, negativas e o que mais calhar. Marcha tudo. Consideremos, por exemplo, o mito grego das estações do ano. Perséfone, filha de Deméter, tem de passar metade do ano com Hades porque comeu sementes de romã quando lá esteve. Isso faz Deméter ficar triste e, como é a deusa da fertilidade, temos o Outono e o Inverno. Quando Perséfone volta a casa Deméter fica feliz e vem a Primavera e o Verão. A ciência não pode provar que esta hipótese é falsa. Tem elementos sobrenaturais, seria provar uma negativa, mas nada disso é o problema. O problema é que não se pode provar nada acerca da realidade. No entanto, a ciência pode comparar esta hipótese com a explicação alternativa de que as estações do ano são consequência do ângulo de 23.5º entre o eixo de rotação da Terra e a perpendicular ao seu plano orbital. E esta explicação é bem melhor.

O ângulo do eixo de rotação pode ser medido de forma independente do seu papel na explicação das estações do ano. Deméter, Perséfone e companhia são postuladas ad hoc para servir a explicação. O ângulo tem de ser mesmo 23.5º para encaixar na duração do dia e da noite ao longo do ano, em cada latitude, e o percurso aparente do Sol no céu. A rábula da Perséfone, Deméter e Hades pode ser adaptada de muitas maneiras. Deméter é a esposa de Hades e Perséfone é amante ou Perséfone fugiu com Hades e a mãe está zangada com ela, por exemplo. Porque entre a narrativa e os dados há uma folga enorme. A orientação do eixo da Terra explica porque é que as estações não são simultâneas nos dois hemisférios. O mito grego pode ser adaptado para explicar isso. Se calhar Deméter tem uma casa na Áustria e outra na Austrália. Mas é outra coisa que tem de ser inventada ad hoc sem confirmação independente. Por estas razões, a orientação do eixo da Terra é uma explicação melhor para as estações do ano. E é assim que a ciência nos permite rejeitar o mito grego. Não por provar que é falso, porque isso seria impossível, mas por mostrar que há explicações melhores.

É teoricamente possível que fumar faça bem à saúde e que todos os indícios em contrário resultem de uma enorme conspiração. Mas o mais plausível é que faça mal. Não podemos provar que a bruxaria não funciona mas a melhor explicação para a ineficácia observada de feitiços e previsões com búzios e cartas é que é tudo treta. É este o problema que a ciência cria aos dogmas religiosos. É um método de comparação de hipóteses que não favorece o que os religiosos gostariam que favorecesse. Por exemplo, a hipótese de termos uma alma imortal e indestrutível não só postula esta entidade sem justificação como exige muitas explicações ad hoc para o efeito observado de lesões cerebrais, que nos podem privar de memórias, impedir raciocínio, tirar vontade e agência e até alterar a personalidade. O cristianismo alega que o criador deste universo se revelou a uma pequena tribo na idade do bronze e encarnou, mais tarde, como fundador de uma seita minoritária dessa tribo. A melhor explicação para o cristianismo é que resulta do mesmo tipo de acidentes sociais e políticos que popularizaram o islão, o hinduísmo, o budismo e por aí fora, que obviamente não podem ser todas a única e verdadeira religião.

As religiões são incompatíveis com a ciência. Não se pode conciliar a procura pelas melhores explicações com a abordagem dogmática de presumir verdades. E este problema não desaparece alegando que são domínios diferentes ou que é impossível provar uma negativa porque a função da ciência não é produzir provas dedutivas. A função da ciência é explicar, que é algo muito mais abrangente e poderoso. É graças a isso que, por exemplo, agora tratamos a epilepsia com medicação em vez de exorcismos. Não por ter ficado provado que demónios não existem mas porque se encontrou explicações melhores para esta patologia.

* Em países como o Irão e a Arábia Saudita ainda recorrem a soluções medievais.
** Mas, como Gödel demonstrou, não é condição suficiente.

sábado, julho 10, 2021

O vestido.

Depois de apreciar o tronco nu do Renato Saches e criticar o vestido da Lenka da Silva, Fernanda Câncio justificou-se como quem quer sair de um buraco escavando o fundo. Explicou que o problema não é o vestido da Lenka mas «O princípio constitucional [...] da igualdade de género [e] "a prossecução de políticas ativas de igualdade entre mulheres e homens" como "dever inequívoco de qualquer governo e uma obrigação de todos aqueles e aquelas que asseguram o serviço público em geral"». É por isto que Câncio quer que o Estado combata os tais «estereótipos de género» regulando o que as mulheres vestem na TV. Mas só as mulheres. Os homens até podem aparecer em tronco nu, que Câncio aprecia, porque «os estereótipos de género não objetificam nem sexualizam os homens» (1). Estranha igualdade.

A igualdade de género que faz sentido é a igualdade perante a lei. Mas para isso bastava fazer como a igualdade de direitos em função da beleza ou da inteligência: omitir da lei qualquer referência a esses atributos. É claro que isto não impede as pessoas de discriminar feios e belos ou burros e inteligentes. Mas isso compete a cada um decidir, bem como se valoriza estas coisas mais numas pessoas que noutras. Câncio parece querer o contrário. Quer regulação intrusiva e discriminatória para combater a «visão diferenciada do que é suposto valorizar-se nas mulheres e nos homens». Que não lhe compete nem a ela nem ao Estado decidir pelos outros. Eu dou mais importância à beleza nas mulheres do que nos homens, reivindico o direito de o fazer e não reconheço ao Estado legitimidade para me regular estes valores. O papel do Estado é garantir direitos. Não é manipular preferências. Se Câncio quer igualdade nisto, então que dê ela mais importância à beleza nos homens. Eles não se vão queixar e evita usar o Estado para forçar as pessoas a terem todas os mesmos gostos que ela.

Além do abuso do poder do Estado, é fútil regular os vestidos na RTP para alterar estereótipos de género. Mesmo que Lenka vá para o Preço Certo de fato de treino e gola alta, continua a ter página no Instagram, as mulheres continuam a vestir-se como querem na rua e há partes da Internet cheias de estereótipos de género em várias posições, combinações e número de participantes. E nem adiantava censurar tudo isso, como evidencia a persistência de estereótipos de género em países onde as mulheres são obrigadas a disfarçarem-se de saco preto. A razão da futilidade está na origem destes estereótipos, que não são causados pelo vestido da Lenka mas sim por milhões de anos de evolução que criaram na nossa espécie dois sexos especializados em aspectos diferentes da reprodução, com estratégias diferentes, preferências diferentes na selecção de parceiros e comportamentos diferentes.

É por isso que não se consegue igualdade de género declarando que não há géneros. Seria o mais prático. Acabava de uma vez a desigualdade, a discriminação e essas coisas todas. Mas não funciona porque os géneros são consequência dos sexos. É algo tão profundo no ser humano, e tão resistente a propaganda e programas de televisão, que há pessoas que recorrem a tratamentos drásticos ou se suicidam por o seu corpo não corresponder ao que concebem ser o seu género. Na verdade, combater estereótipos de género é combater a identidade de género. Cada pessoa tem de conceber e generalizar características que distinguem os géneros para se categorizar e para se relacionar com os outros. Mas essa generalização conceptual exige estereótipos. O que é ser homem ou ser mulher, por exemplo. Câncio quer usar o Estado para alterar a forma como certas pessoas concebem os géneros, violando o dever de respeitar a autonomia de cada um nestas matérias.

Esta ideologia woke é inconsistente, demagógica e até hipócrita. Diz ser pela igualdade e justiça mas a igualdade que defende é injusta. Em vez de ser igualdade nas liberdades quer forçar igualdade de preferências e escolhas, que ninguém deve ser obrigado a ter igual aos outros. Combate estereótipos sem reconhecer que os estereótipos fazem parte de como cada um pensa acerca de si e dos outros. Daquela identidade que dizem defender e que não deve ser alvo de regulação governamental. Combate a sexualização das mulheres de forma claramente discriminatória (o tronco nu do homem não tem problema) e sem perceber que as competições desportivas sexualizam os homens como os vestidos curtos sexualizam as mulheres.

A "objectificação" é mais uma treta. Objectificar uma pessoa é tratá-la como um objecto, em oposição a tratá-la como um ser humano. Mas se bem que quando apreciamos a apresentadora de mini saia ou o futebolista de tronco nu não os estamos a valorizar em toda a sua dimensão humana, a atracção sexual é caracteristicamente humana. Muito mais objectificado é quem recolhe o lixo, desentope sarjetas ou desempenha tantas outras profissões nas quais as pessoas, principalmente homens, fazem papel de coisa e até seriam substituídas por máquinas se ficasse mais barato. E raramente conhecemos alguém com tal intimidade que o possamos apreciar plenamente como ser humano. É o vizinho, o colega, a professora, todos objectificados em maior ou menor grau em função da relação que tenhamos com cada um. O termo "objectificação" como Câncio o usa apenas disfarça o puritanismo desigual com que encara a sexualidade, segundo o qual ser sexualmente atraente é bom para homens mas desumanizador para as mulheres.

Esta esquerda evangélica abandonou a luta por liberdades e direitos e está fixada em usar o Estado para doutrinar. O combate aos estereótipos, a exigência de igualdade em valores e opções e a demagogia envolvente visam politizar opiniões pessoais para justificar restringi-las àquilo que declaram ser correcto. Quem preze a democracia, mesmo que se considere de esquerda, deve opor esta tentativa de eliminar a fronteira entre o Estado e a opinião de cada um.

1- DN, O preço (errado) de uma polémica

sábado, julho 03, 2021

Os ciclos.

Com o aumento de novos casos aumenta também a acusação de falsos positivos. Independentemente do aumento nos internamentos, cuidados intensivos ou óbitos, é tudo falsos positivos porque a um bom conspiracionista os factos não metem medo. Uma variante sofisticada desta alegação é a dos ciclos de amplificação nos testes de PCR. Reza a conspiração que "eles" aumentam o número de ciclos para dar falsos positivos porque o PCR não é fiável acima dos 35 ciclos. É uma boa conspiração porque não só tem os tais "eles" que nos andam a enganar como permite ao conspiracionista passar por entendido sem o trabalho de entender seja o que for. Noutras circunstâncias, esta coisa dos ciclos até teria graça.

O muco que vem na zaragatoa tem células da pessoa testada, bactérias diversas, vários vírus e sabe-se lá mais o quê. Uma forma de testar se a pessoa está infectada com SARS-CoV-2 é usar moléculas que se ligam especificamente a certas proteínas desse vírus. É o que se usa no teste rápido, que assim fica com uma marca visível apenas se a amostra contém essas proteínas do vírus. O problema dos testes rápidos é que a marca só é visível se houver proteína suficiente e, por isso, só são fiáveis num período curto após o início dos sintomas, quando a carga viral é mais alta. Para detectar infecções antes dos sintomas é preciso usar PCR, que aproveita as propriedades do ADN* para conseguir detectar o vírus mesmo em quantidades pequenas.

As moléculas de ADN são longas cadeias formadas pela ligação sequencial de quatro tipos de nucleótidos, as tais letras A, C, G, e T **. Na cadeia de ADN, estes nucleótidos ficam com umas caudas espetadas e há uma forte afinidade entre a cauda de A e a de T, e entre e a cauda de C e a de G. Uma consequência disto é a forte tendência das moléculas de ADN se colarem a moléculas complementares. Se uma tem ACTGAC... vai ficar presa a outra que tenha TGACTG... como um fecho de correr. A outra consequência desta afinidade específica é permitir que enzimas sintetizem uma cadeia de ADN a partir de uma cadeia mãe e um trecho inicial ligando pela ordem certa os nucleótidos complementares. Estas enzimas são as polimerases, o P em PCR.

A ligação entre duas moléculas complementares de ADN é forte mas não tão forte como as ligações covalentes dentro de cada molécula. Por isso, se as aquecermos conseguimos que a agitação as separe sem degradar as moléculas. E quando arrefecem ficam novamente coladas aos pares complementares, porque a afinidade das sequências de nucleótidos é muito específica. Ou seja, podemos separar e juntar os pares sempre que quisermos, bastando aquecer e arrefecer a solução com o ADN. E com isto temos praticamente tudo para o PCR. Faltam só os primers.

O propósito do processo PCR é amplificar trechos específicos de ADN se estes existirem. Dessa forma, mesmo que haja pouco vírus na amostra, com PCR conseguimos aumentar a concentração do ADN correspondente até ser detectável. Para isso vamos juntar à amostra uma quantidade grande de pedaços de ADN, sintetizados artificialmente, cuja sequência encaixa especificamente em partes do ADN viral. Quando aquecemos e arrefecemos a amostra, as moléculas de ADN vão emparelhar e, se houver lá ADN do vírus, vai ficar com esses primers agarrados. Pomos a polimerase a trabalhar e todos os primers que encontraram parceiro vão ser aumentados pela polimerase, sintetizando a partir deles cópias do ADN do vírus. Agora aquecemos e arrefecemos de novo e vamos repetindo o processo. A cada ciclo a quantidade de ADN do vírus duplica, aproximadamente, porque estamos a criar cópias, e cópias de cópias, e assim por diante.

Tipicamente, se a pessoa está infectada com este vírus, ao fim de uns vinte ciclos já há tanto ADN que se nota o sinal de fluorescência no aparelho. Nesse caso o teste deu positivo. Se não houver vírus na amostra, então não acontece nada e ao fim de quarenta ciclos acaba o teste, que nesse caso deu negativo. O tal problema dos 35 ciclos ocorre se o sinal de fluorescência surgir acima deste número de ciclos. Isso é um problema porque sugere que há vírus na amostra mas para o sinal só surgir depois dos 35 ciclos é porque alguma coisa correu mal ou a quantidade inicial de vírus era tão pequena que pode ter sido contaminação. A zaragatoa pode ter tocado onde não devia, alguém espirrou lá perto ou coisa do género. Por isso, nesses casos, manda a DGS que o teste seja repetido do início, incluindo meter outra vez a zaragatoa no nariz do desgraçado que, sem culpa nenhuma, teve um teste inconclusivo.

Em conclusão, se bem que seja verdade que acima de 35 ciclos o resultado positivo não é de fiar, é ridícula a ideia de que "eles" andam a aumentar os ciclos para dar falsos positivos. O número de ciclos depende da amostra. Se não tem nada o teste pára aos 40 ciclos e é negativo. Se houver sinal é no ciclo que calhar. Normalmente é abaixo de 35 e é positivo, mas se calhar acima repete-se. Não há um botão no aparelho para aumentar a taxa de falsos positivos.

* Em rigor, este vírus tem ARN em vez de ADN. Mas o que se faz é usar enzimas que copiam o ARN do vírus para o ADN correspondente, pelo que isto acaba por ser um detalhe irrelevante.
** Adenina, Citosina, Guanina e Timina, mas esta parte não vem para o teste.