quarta-feira, janeiro 10, 2007

Ciência e Religião.

O professor Dom Mário Neto volta a contribuir para este blog, após o texto que aqui publicou anonimamente Introdução à Blinologia. No texto que se segue, Dom Mário Neto aprofunda alguns aspectos da Blinologia e disserta sobre o aparente conflito entre a ciência e o revelatum Blínico.

A filosofia natural e o estudo do Sagrado foram inseparáveis durante quase toda a história da humanidade. O conhecimento prático da natureza auxiliava o ritual religioso, desde o cálculo do calendário e dos dias de celebração à construção dos templos. E apesar da filosofia especulativa apresentar algumas hipóteses contrárias ao cânon religioso, até recentemente não eram suportadas por evidências concretas, pelo que os doutos blinólogos tinham liberdade de escolher as doutrinas filosóficas de acordo com as Escrituras. O mérito de filósofos como Platão, Epicuro, Aristóteles ou São Jacinto da Carrasqueira era medido pela concordância com a Palavra dos Blin, ou mesmo com a Frase e o Parágrafo.

No período áureo da escolástica blínica, esta visão de uma relação intima entre Natureza e Escritura levou mesmo à formulação duma noção basilar da blinologia: «A verdade não contradiz a verdade». Alguns críticos acusam-na de ser trivial e inútil, mas esta ideia rapidamente se espalhou pela cultura Europeia, sendo até adoptada por outra religião em voga nessa altura. E, no estudo do Sagrado, muitas vezes o que parece óbvio é profundamente misterioso, como atestam as famosas palavras do imperador Jin Tai aos missionários: «Se essa bolacha é Deus eu sou o rei da China».

Mas nos últimos séculos a experiência prática gradualmente se fundiu com a filosofia especulativa, gerando o que conhecemos hoje como ciência, o que levantou problemas à ideia de uma Revelação única de todos os aspectos da Criação. O relato da origem do mundo na Blínia Sagrada, «No início os Blin criaram a papa de aveia e a Terra», era interpretado literalmente, e a cosmologia blínica descrevia a Terra como flutuando num imenso mar de papa de aveia. Mas, no século XII, Barnabé da Eritreia relatou experiências, com vários tipos de rocha e receitas de papa, que demonstravam a impossibilidade física de tal interpretação. Foi executado em 1198 por heresia, e o Barnabismo foi perseguido com alguma violência, mas a Igreja Blínica sempre foi célere em admitir os seus erros. Mal passados oito séculos e Barnabé foi perdoado e, em parte por estar extinto mas em parte pelo progresso doutrinal da Igreja, o Barnabismo já não é um culto perseguido.

O trabalho de grandes cientistas, de Barnabé a Heisenberg e Einstein, mostrou à Igreja Blínica que temos que considerar verdades a níveis diferentes, se bem que a verdade nunca contradiga a verdade, mesmo que se contradigam. Parte do revelatum blínico está contido no universo em si. Treze mil e quinhentos milhões de anos, incontáveis estrelas e planetas, uma imensidão inimaginável de processos todos organizados de acordo com princípios regulares. Sem ambiguidades, sem margem para interpretações subjectivas, e onde tudo é desvendado objectivamente, sem considerar credo, raça, ou cultura. A compreensão deste universo duplicou a esperança média de vida, permite-nos comunicar instantaneamente com qualquer pessoa e mesmo explorar outros planetas.

No entanto, este universo comporta-se como se não existissem Blins, como se não tivesse sido criado por uma inteligência superior. Pior ainda, toda a ciência moderna indica que o universo não pode ter sido criado, que surgiu por um acontecimento quântico que não pode ter causa. Como sabemos que a verdade não contradiz a verdade, e como sabemos que os Blins criaram o universo, é evidente que o estudo do universo em si não pode revelar toda a verdade. Temos por isso que separar dois tipos diferentes de verdade. Isto é revelado a todos os que estudam o Sagrado, mesmo os que desconhecem o verdadeiro caminho dos Blins e seguem outras religiões. Dou aqui como exemplo as palavras de Joseph Ratzinger(1), líder religioso de um culto semi-monoteísta (os três deuses principais vivem como um só numa espécie de simbiose metafísica):

«One answer was already worked out some time ago, as the scientific view of the world was gradually crystallizing[...]. It says that the Bible is not a natural science textbook, nor does it intend to be such. It is a religious book, and consequently one cannot obtain information about the natural sciences from it.»

Evidentemente, isto não pode ser tudo. Como reconhece o próprio Ratzinger, e todas as religiões em geral, não basta separar o conhecimento da natureza do conhecimento espiritual. Há que juntá-los de novo numa síntese que abarque quer a nossa natureza física quer o aspecto blínico da nossa existência. Temos assim que considerar uma hierarquia de verdades. No nível inferior temos todo o universo, milhares de milhões de anos de imensidão, e toda a ciência e tecnologia que permite a nossa vida e sociedade moderna. No nível superior, a Blínia Sagrada, compilação da tradição oral de uma tribo do deserto e que, ao contrário de outras compilações de tradições orais de outras tribos do deserto, nos mostra a Verdade e todo o mistério do Sagrado.

1 - Joseph Ratzinger, "In the Beginning...." A Catholic Understanding of the Story of Creation and the Fall

28 comentários:

  1. O meu contributo para explicar a obsessão religiosa com a «hierarquia dos saberes»:

    http://www.ateismo.net/diario/2006/10/hierarquia-dos-saberes-segundo-os.php

    ResponderEliminar
  2. Caro Ludwig

    "toda a ciência moderna indica que o universo não pode ter sido criado, que surgiu por um acontecimento quântico que não pode ter causa".

    o que o Ludwig afirma é uma coisa muito simples: nós, cientistas, não percebemos como tudo isto aconteceu, porque estamos e o que fazemos aqui. Invetamos umas teorias meio tontas, vendemo-las aos grande público embrulhadas numas fórmulas que só meia dúzia de eleitos percebem e dizemos-lhes: atenção, o universo foi criado por nós cientistas e somos nós que temos o direito, conferido a nós mesmos por nós mesmos, de vos dizer como governarmos a vossa vida. Nós somos os sacerdotes do novo século. Só esperemos que o aquecimento global não rebente com a porra do planeta nem a bomba atómica e todo o armamento de destruição maciça que nós inventámos para vosso benefícío não nos impeça, um dia, de conquistar o poder e dizer-vos a vós, pobres humanos, como devem viver.

    Por isso o Ludwig respondeu-me há dias noutro comentário a uma peregunta com um "é, ponto final". Com certeza inspirou-se na Bíblia quando Deus disse a Moisés: "Eu sou aquele que sou".

    ResponderEliminar
  3. Caro António,

    Tem razão que a alusão ao É era mesmo essa. Os crentes teistas não têm problema em admitir que algo simplesmente é, sem causa nem porquê, desde que esse algo seja um deus consciente, pensador, com vontade e acção. Não deviam ter problema em aceitar o mesmo de algo infinitamente mais simples que um deus: uma particula virtual minuscula que apareceu sem causa, despoletou o desenrolamento desta bolha de espaço-tempo, e imediatamente desapareceu, deixando o universo a desenrolar-se sozinho.

    Quanto à causa, o problema não é não conhecermos. É mais forte que isso. Einstein tinha proposto essa hipótese, que a aparente ausência de causas na mecânica quântica era ignorância nossa e não acausalidade. Einstein, Podolsky, Rosen e Bohm conceberam uma experiência conceptual para testar essa hipótese. Mais tarde Bell formalizou alguns aspectos, e Freedman e Aspect testaram-na em 1972 e 1982.

    (veja http://en.wikipedia.org/wiki/Bell_test_experiments )

    Não pode haver variáveis escondidas (causas) que respeitem a relatividade e dêm estes resultados. Por isso ou a relatividade está errada ou este tipo de acontecimentos quânticos não tem causa. Isto não é mera filosofia ou presunção. É tão fundamentado como o GPS e os computadores.

    Uma técnica de espectroscopia baseia-se no efeito de tunel, segundo o qual uma partícula (um electrão neste caso) pode "atravessar" uma barreira energética mesmo sem ter energia suficiente em virtude de não ter uma posição definida e, por isso, ter uma probabilidade de, em cada instante, estar do outro lado da barreira.

    Podemos medir a distância duma agulha extremamente afiada (poucos àtomos na ponta) a uma amostra a analisar com uma precisão enorme pela frequência com que electrões "saltam" de uma para outra por este efeito. Mas cada "salto" não tem causa. Não podemos fazer o electrão "saltar", porque o efeito é apenas consequência da probabilidade do electrão ser detectado do lado de lá.

    Como o Ricardo mencionou, a "faísca" que fez rebentar o big bang surgiu de forma semelhante. Havia uma probabilidade de acontecer, e eventualmente aconteceu. Apareceu e desapareceu rapidamente, com uma massa/energia minúscula. E a energia total do universo que se formou é precisamente zero -- o acréscimo de energia pela formação de todas as partículas do universo equilibra precisamente o decréscimo devido à atração gravitacional entre elas.

    Não é preciso ser eleito, nem a graça divina, nem ter fé, para perceber estas fórmulas. Basta saber ler, ter paciência e vontade de aprender. E é preciso muito pouco para ver que são mais que teorias meio tontas. O computador onde está a ler isto não foi feito pela fé, nem por rezas, nem sequer por tentativa e erro, mas pela aplicação directa dessas teorias.

    E, como disse Asimov, apesar do conhecimento criar problemas, nunca é pela ignorância que os resolvemos.

    ResponderEliminar
  4. Caro Ludwig

    Parabéns. Gostei da sua resposta e das suas explicações. Dê-me algum tempo para ler, pensar e aprender. Penso responder-lhe hoje, nos próximos dias ou nas próximas semanas, dependendo da minha capacidade intelectual para absorver assuntos de tal complexidade. Também não sei se lhe responderei aqui ou em forma de post no meu blogue.

    Tem aí algumas ideias interessantes do campo sub-atómico que podem ser exploradas a nível macro-atómico.

    Essa ideia de uma particula elementar aparecer sem causa é o equivalente a eu, uma partícula atómica macro pesada, aparecer de repente na sala ao lado da minha onde 4 belíssimas jovens mestres em estatistica calculam modelos complicadissimos sobre risco de crédito. E eu aparecer-lhes ali, vindo do nada, provocar-lhes-ia um susto enorme, alguns pequenos gritos, mas eu explicar-lhes-ia calmamente que estavam a assistir a um fenómeno macro da teoria quântica e que eu era eu, uma partícula macro pesada, um elemento fundamental da formação do Universo e que poderia passar ao estado gasoso em qualquer momento.

    Bom, por outro lado, as suas explicações reforçam as minhas certezas sobre ´vários aspectos da doutrina católica.

    Mais tarde, daqui a umas horas, dias ou semanas, responder-lhe-ei em termos científicos, depois de conversar calmamente com o meu consultor para assuntos de Física Quãntica e ler alguns livros sobre o assunto. Penso ler nos próximos dias "sensibilidade e ciência", "Deus e a nova física", "Pode um evolucionista ser cristão?" (este em inglês), "Universo Elegante" e o "Tecido do Cosmos". Conversaremos depois disso. Tudo depende da minha velocidade de leitura e da minha capacidade de absorção de conhecimentos. Sei que não sou muito inteligente, por isso tenha paciência com este pobre cristão, por favor.

    ResponderEliminar
  5. No fundo, é exactamente aqui que reside o problema (grande novidade, mas alguém tem que chamar a atenção para ele).

    Ao cientista, é-lhe exigido estudo.

    Ao crente,é-lhe exigida obediência (a fé não é mensurável, a obediência sim).

    O que dá mais trabalho, estudo ou obediência?

    Por isso é que muitos crentes, dos quais o comentador anterior é um óptimo representante, revelam tanto ódio em relação á ciência e aos cientistas.

    E isto apesar de utilizarem medicamentos, roupas sintéticas, aquecimentos, carros, telemóveis, televisão, internet, computadores, máquinas fotográficas, frigoríficos, aviões, e tudo o mais para o qual os cientistas (e não os padres) contribuiram.

    ResponderEliminar
  6. Caro Ludwig

    Este texto que publico a seguir foi escrito pelo meu consultor em Física Quântica, ao qual eu agradeço em particular, pois ele prefere manter-se incógnito.

    É bem conhecido em Mecânica Quântica (MQ) que um sistema só pode encontrar-se num determinado estado depois de o observarmos. A parábola mais famosa apresentada em quase todos os livros de divulgação científica em Física é a do gato de Schrodinger:

    Imaginemos que colocamos um gato dentro de uma caixa fechada a sete chaves. Ao accionarmos um botão exterior é libertado um fotão (partícula fundamental de um raio luminoso) que pode ter dois tipos de polarização (tipo um pião pode rodar para a esquerda ou direita): D (direita) e E (esquerda). Se o fotão D for libertado é accionado um mecanismo que lança um gás venenoso e o gato morre; caso seja o fotão E o gato sobrevive. Em mecânica quântica o gato, antes de ser aberta a caixa, está num estado vivo -morto definido por:

    |Gato>=1/sqrt(2)(|vivo>+|morto>)

    (a notação |> usa-se para definir um estado. Aqui o estado |gato> é combinação linear do estado |vivo> e |morto>. O termo 1/sqrt(2) é a raiz quadrada da probabilidade de encontrar o gato num estado vivo ou morto)

    Reforço a ideia de que só depois de ser observado é que podemos encontrá-lo num estado |vivo> ou |morto>. Entretanto sem observação o estado dele é de vivo-morto (consultar Quantum mechanics,Lifchitz, editora MIR). Este é um exemplo simples mas aplica-se a todos os sistemas.

    Consideremos agora um sistema que reúne todo o conjunto de realidades existentes e inexistentes possíveis. Este sistema sem ser observado é definido pela combinação linear:
    |>=|existência>+|inexistência>

    Se nós acreditamos que existimos ou inexistimos é porque um observador exterior ao sistema, fora do tempo fora do espaço, realiza uma observação no nosso estado |> tendo observado o estado existência, aquele em que acreditamos que nos encontramos. Este observador ao existir obriga à existência de um segundo e assim sucessivamente ad infinitum. É no ad infinitum que se encontra o observador infinito observa para além do espaço, observa para além do tempo … o observador. Este é Aquele que É. Este é por definição DEUS.

    ResponderEliminar
  7. Caro Senhor Miguel Krippall

    Em primeiro lugar, o senhor não me conhece, especula sobre o meu pretenso ódio à ciência e obediência. Por isso, desculpo-o.

    Um grande abraço do António Parente

    ResponderEliminar
  8. Caro Ludwig

    A beleza da demonstração do meu colega é que Deus existe mesmo sem nós, ou o Universo, existirmos. Ele Aquele que É. O Infinito bíblico, o Infinito científico.

    q.e.d

    Um abraço

    ResponderEliminar
  9. Caro António,

    é muito mais interessante le-lo quando não entra na ironia.

    ResponderEliminar
  10. Caro António,

    Há um erro nessa aplicação simplificada de interpretação de Copenhaga. O que determina o colapso dessa combinação linear não é um observador externo mas sim a decoerência quântica resultante da interacção das partículas no sistema.

    O fotão isolado está numa combinação de dois estados, mas assim que interage com o detector, este com o gas venenoso, e o último com o gato temos um número tão grande de partículas que esta coerência inevitavelmente desaparece. O sistema como um todo nunca ficará numa combinação de estados, mas sim num dos dois (Gato morto ou vivo). E é isto que se entende por "observação" na interpretação de Copenhaga.

    Pode ler mais aqui:

    http://en.wikipedia.org/wiki/Schrödinger's_cat


    O resultado é que não precisamos assumir um observador externo (esse deus) para colapsar a combinação de estados para o universo. Mais, o "observador" tem que interagir com o sistema como parte do sistema para poder colapsar os vários estados num só, e por isso o tal deus teria que ser feito de particulas e matéria como todos nós para isso funcionar assim.

    Não sou perito em mecânica quântica, mas parece-me que tentar misturá-la com teologia é asneira.

    ResponderEliminar
  11. Caro António,

    Não me pronuncio quanto á beleza da demonstração, pois questões estéticas são subjectivas, e esses gostos não se discutem.

    Mas do ponto de vista epistemológico penso que deixa muito a desejar.

    ResponderEliminar
  12. O que éramos nós sem a wikipedia...

    ResponderEliminar
  13. Caro Ludwig

    1) A Wilkipédia não é fonte fiável para nada; qualquer um pode lá escrever o que quiser, até eu, um ser inculto e insignificante, inimigo da ciência, da máquina de lavar loiça, do aspirador e do ferro de engomar, conquistas preciosas da ciência moderna;

    2) Fico feliz em vê-lo escrever "Não sou perito em mecânica quântica, mas parece-me que tentar misturá-la com teologia é asneira"; finalmente reconhece que tem cometido sucessivas asneiras ao partir de teorias científicas para negar a existência de Deus; ou só eu é que não posso fazer a mistura mas o Ludwig e os seus amigos podem? Espero vê-lo a partir de agora vê-lo discutir ciência se a misturar com teologia; ficarei atento.

    3)Claro que não apreciou a beleza da demonstração porque seria negar todas as seus crenças; aí tem a minha absoluta compreensão.

    Quanto aos pretensos erros do texto publicado, o meu consultor em Física Quântica diz que não tem erros e que se tiver tempo escreverá outro pequeno texto a mostrar onde não existem os erros.

    ResponderEliminar
  14. Caro António,

    Referi a wikipedia por ser tão acessivel. Não proponho que aceite o seu conteudo por fé. No entanto, precisamente pelo sistema aberto á critica é das fontes mais fiáveis da internet, e referi esse artigo porque me pareceu estar de acordo com o que obtive de outras fontes. Mas se quiser investir num livro sobre o assunto, ainda melhor.

    Quanto ao segundo ponto, a teologia é o estudo do teos, assume por isso à partida que ele existe (curiosamente, assume também que é ele e não ela...). É isso que não se deve misturar com a ciência. A hipótese da existência de um ou mais deuses ou deusas não é do âmbito da teologia, e essa sim pode ser abordada como qualquer outra hipótese.

    Terei todo o gosto em ver como o seu consultor propõe manter a coerência quântica de um sistema como o do gato com o gás venenoso. É possível mantê-la em sistemas macroscópicos (os lasers e os supercondutores são exemplos disso), mas se o seu consultor tem uma forma de o fazer com um gato penso que não serei eu o único interessado em saber mais sobre isso.

    ResponderEliminar
  15. "Não proponho que aceite o seu conteudo por fé"

    Já temos a frase do dia...

    ResponderEliminar
  16. Mas esta polémica foi a pedido do Luis Pestana, não foi? ;-)

    Eu não percebo nada de física quântica ou não quântica... Mas de uma coisa tenho a certeza: se por qualquer outro processo se vier a provar a existência de Deus a maioria dos cientistas reverão a sua posição em relação a essa matéria. Se, por outro lado, de alguma forma se provar a inexistência de Deus (esta afirmação é, para mim, contraditória, uma vez que não considero lógico ter de provar a inexistência seja do que for per si) a maioria dos crentes não reverão a sua posição em relação à mesma matéria.

    Um abraço a todos.

    ResponderEliminar
  17. Oi Helder,

    Provar a inexistência pode ser fácil. Por exemplo, que não existem solteiros casados (por ser uma contradição). E se provar for no sentido de testar, também está provado que o Pai Natal não existe.

    Parece-me que não é nada dificil obter provas (no sentido de evidências, indicios, etc) da inexistência de um ser hipotético.

    ResponderEliminar
  18. A questão, para mim, não é ser fácil ou difícil; no caso da inexistência de um deus considero perfeitamente inútil e perdido o tempo usado para provar a sua inexistência. Por isso é que no meu parênteses terminei com "per si".

    Existem outras situações, nomeadamente na pesquisa cientifica, em que a eliminação de hipóteses poderá passar exactamente pela prova da inexistência.

    ResponderEliminar
  19. Mas eu acho que a existência ou inexistência de deuses é uma questão científica importante. E sempre o foi. Até ao sec XVIII era uma premissa básica de todos os modelos científicos. Mais tarde foi sendo revista por não encaixar com a realidade, e hoje em dia os melhores modelos assumem que não há ninguém a puxar os cordelinhos. Mas é uma hipótese que faz uma grande diferença na forma como modelamos a realidade.

    Está muito na moda agora dizer que são "magisteria" separados mas isso é treta. É apenas uma forma dos crentes continuarem a alegar certezas sem que se lhes exija fundamento.

    ResponderEliminar
  20. Bom dia Ludwig

    No intervalo para café, eu e o meu consultor para assuntos quânticos falámos sobre o Ludwig e sobre o blog e chegámos a uma conclusão perturbante: o Ludwig não é ateu.

    O Ludwig procura desesperadamente Deus e não sabe como O encontrar.

    Só assim se justifica que escreva sobre um Deus que considera inexsitente.

    O meu consultor só terá tempo disponível no fim-de-semana para preparar mais uma pequena e brilhante intervenção nesta caixa de comentários.

    Tenha um excelente dia.

    Um abraço amigo do António Parente

    ResponderEliminar
  21. Caro António,

    Muito me alegra saber que já só tópico de conversa de café. E, pela amostra que tenho tido do seu método investigativo, pouco me surpreende a conclusão a que chegou.

    Mais uma vez quase que acerta. Só que eu não escrevo sobre um deus em particular, mas sobre a pergunta: será que existem deuses? Essa é compreensivelmente interessante quer para crentes quer para ateus. Ou talvez mais para ateus, pois estes não precisam temer a resposta...

    ResponderEliminar
  22. Caro Ludwig,

    Tens que admitir que qualquer café é um excelente local para este tipo de discussões.

    Em relação à prova cientifica da inexistência de deus(es) sou muito pragmático. A ciência não deve ser refém de qualquer tipo de ilusões. Dizes, e bem, que no passado tal acontecia; felizmente, as coisas mudaram e não compreendo a necessidade de procurar encaixar modelos ultrapassados na discussão cientifica actual.

    Um abraço.

    P.S. (completamente off-topic) - Posso protestar com o facto de só se poder assinar os comentários com uma conta Blogger? ;-)

    ResponderEliminar
  23. Helder,

    Penso que concordamos em quase tudo. Estou inteiramente de acordo que não compete à ciência provar que um ser não existe sempre que alguém se lembra de inventar tal possibilidade. Entre Pais Natal, Superhomens, deuses e chaleiras a orbitar plutão não se fazia outra coisa.

    Só queria salientar que existência dos deuses (e do Pai Natal, do Superhomem, e eventuais chaleiras a orbitar plutão) serão sempre de âmbito científico se incluidos em hipóteses concretas. E mesmo do ponto de vista pragmático devem ser consideradas a sério. A hipótese de não haver intervenção divina é muito importante na ciência moderna.

    Quanto a essa coisa da conta do blogger, acho que já está resolvido. Substitui a restrição a membros registados pelas letrinhas irritantes, deve chegar para não vir cá spam.

    ResponderEliminar
  24. Nao tires as letrinhas irritantes...nunca...é poesia...ja chega de coisas logicas em todo o lado que olhamos!

    ResponderEliminar
  25. Caro Luís

    pmwwgjx
    blqrsfv

    E, já agora, sdfmcmw

    ResponderEliminar
  26. Lindo...excepto a parte

    "E, já agora"...

    parece que nao tem qualquer sentido...

    ResponderEliminar
  27. Então, estamos todos de acordo... Que chatice!

    Vamos lá estrear as letrinhas.

    ResponderEliminar

Se quiser filtrar algum ou alguns comentadores consulte este post.