quarta-feira, março 19, 2008

XX Jornadas Teológicas

Vou estar em Braga a 23 de Abril para um debate com o Jónatas Machado. O título é estranho, «Razão da Criação ou Fé na Evolução». É como razão da bruxaria ou fé no antibiótico. Mas deve ser um debate interessante.

Cartaz Jornadas

30 comentários:

  1. - com - dá +19/03/08, 10:53

    Diria que, pelo título, já começa enviesado.
    Boa sorte

    ResponderEliminar
  2. Ludwig

    Desculpa lá, mas o título é bem fixe e faz sentido (não estou a dizer que o conceito faça, mas o título faz).

    Mmmm... uma quarta-feira... mmm... depende do preço do gasóleo...

    ResponderEliminar
  3. Dá-lhes que ainda mexem!
    Cristy

    ResponderEliminar
  4. grande aramadilha...

    ResponderEliminar
  5. Pena não ser ao fim de semana.
    Se eu trabalhasse mais a norte dava um pulo até Braga...

    ResponderEliminar
  6. Ludwig et al.,

    Ontem andei à procura de um vídeo com um motard em excesso de velocidade para ilustrar o post da Palmira sobre a deriva psicológica achocolatada. Dei logo com um bom exemplo e escolhi-o. Mas como eu próprio fiquei algo impressionado, abri outro vídeo, outro, e outro, e vejo-me agora a braços com uma dúvida inultrapassável. Algum dos presentes me explica o que é que vai na cabeça, por exemplo, deste primata?

    (há um ponto comum entre esta questão, a tua ida à Faculdade de Teologia e a pergunta do Kripp: levas um cartão da Funerária Armindo?)

    ResponderEliminar
  7. pedro romano19/03/08, 17:32

    Boa. No dia 23 estou lá.

    ResponderEliminar
  8. Ludwig,

    Arranja alguem que grave isso para nós podermos assistir também, vá lá, please....sim? Boa!

    Gracias

    Bj

    ResponderEliminar
  9. Ludwig

    Estive a ler de novo o título e parece-me fazer ainda mais sentido que inicialmente. Vou fazer as coisas pela negativa: imagina que o título era "fé na criação ou razão na criação"... não faz sentido! E o que é que não faz sentido? É o "ou".

    Se escreveres (a fazer sentido) "fé na criação e razão na criação" tens uma constatação de um facto. Ou seja, mataste ao tema à partida porque já deste a resposta. Ora o objectivo é fazer pensar e não induzir uma conclusão. Eu não daria este título ao debate, por uma questão de marketing. De provocação.

    Digo eu que o título é meramente provocatório. É o título que um criacionista daria a um debate... mas não creio que vás encontrar mais criacionistas que o Jónatas Machado!

    O que podes encontrar é pessoas para quem alguma Ciência é tão estranha que parece quase uma questão de fé. O tal deslubramento perante a Natureza, sendo que não se compreende parte dela.

    O ponto de vista que tens que defender é precisamente de que não há nada de misterioso e esotérico na Ciência que tenta explicar a evolução, mas apenas factos extremamente complexos, que estão constantemente a ser postos em causa.

    Estou a considerar seriamente ir, mas depois vejo. Tenho curiosidade em ver um debate destes ao vivo e a cores. Deve ser mais interessante do que uma outra actividade que ando a acompanhar.

    ResponderEliminar
  10. Bruce

    Estaria a fazer muito fraca figura se perguntasse o que tem a funerária Armindo? De qualquer modo, se estiver a fazer fraca figura tenho uma pedra para atirar: a Palmira respondeu-me, no DRN... ... rói-te!!!

    ResponderEliminar
  11. Abobrinha,

    A Palmira não me responde pela simples razão de ter um fraquinho por mim. Isto tornou-se claro dado o método e a elegância com que sugere ignorar-me, parece-me até um pouco constrangedor que toda a gente já o tenha percebido. Os comentários que lhe tenho dedicado ultimamente vão no sentido de disfarçar a auspiciosa realidade.

    Quanto à funerária Armindo, passo a publicidade, veio por exclusão de partes pois para já não conheço outra (é um avistamento frequente para quem anda no trânsito na zona de Lisboa). De qualquer modo acresento que já vivi em Braga e estou certo de que o Ludwig encontrará boa e abundante oferta, até com descontos para grupos.

    ResponderEliminar
  12. Bruce

    Claro que é amor! As gajas são lixadas e usam estes expedientes para não darem a entender o óbvio!

    Isso da funerária Armindo só seria problema se as letras fossem em Comic Sans (private joke do Herr K). De qualquer modo, acho que vocês estão a pensar erradamente que o Ludwig vai encontrar não sei quantos criacionistas clones do Jónatas Machado.

    O meu palpite é que a abertura de espírito é maior que a que pensam. Claro que a ignorância em relação a detalhes científicos ou às perguntas certas a fazer será naturalmente maior que se fosse uma plateia da Faculdade de Ciências... ... e daí.. bem... depois do que eu ouvi nas conferências a que assisti em Serralves...

    ResponderEliminar
  13. Caros todos,

    A Igreja Católica não costuma ser muito criacionista, por isso acho que o moderador vai mesmo ser moderado. É claro que o meio termo entre o criacionismo e a ciência moderna não é um sítio muito bom, mas acho que não tenho que me preocupar com extremismos.

    A Abobrinha tem razão que a maior dificuldade vai ser mostrar o fundamento de uma teoria complexa a quem a desconhece por completo.

    Joaninha,

    Acho que gravar não será possível. Teria, no mínimo, que pedir autorização ao Jónatas Machado, e se nem o nome ele quer dar aqui quanto mais o vídeo do debate...

    ResponderEliminar
  14. "É claro que o meio termo entre o criacionismo e a ciência moderna não é um sítio muito bom, mas acho que não tenho que me preocupar com extremismos."

    O "meio termo" não é entre a criação e a "ciência moderna" mas entre a criação e o evolucionismo. Não confundas os termos, por favor.

    Sim, tu acreditas que o evolucionismo é "ciência", mas esse é o ponto em questão. Será ciência?

    *Mats*

    ResponderEliminar
  15. Mats,

    Não sei o que é o evolucionismo. Isso para mim faz tanto sentido como gravitacionismo ou o terra-redondismo.

    Se te estás a referir a algum movimento ideológico que desconheço não posso dizer com certeza o que seja.

    Se queres referir algo como electromagnetismo, ou seja um conjunto de modelos científicos que descrevem observações, então chama-lhe teoria da evolução para ser mais claro. E nesse caso posso-te garantir que faz parte da ciência moderna.

    ResponderEliminar
  16. Ludwig

    Eu era crente no terra-redondismo, mas depois as evidências fizeram-me converter ao terra-redondo-achatado-no-polismo. Como terra-redondo-achatado-no-polista crente e praticante tenho como obrigação divulgar o assunto na rua (jovem, aceita a revista "o achatado"?) e promover a verdade.

    Não imaginas como é complicado distribuir "o achatado" com a concorrência dos distribuidores de jornais gratuitos. O único argumento é que "o achatado" não tem publicidade e uma foto de página 3 tipo os tablóides ingleses. Mas acho que a mensagem nem sempre passa...

    ResponderEliminar
  17. António Parente20/03/08, 17:21

    Mesmo sem ver, simplesmente baseado no pensamento quântico, acho que o Jónatas Machado vai ganhar o debate. O que não significa que tenha razão na defesa da Bíblia como manual de hermenêutica bricolágica.

    ResponderEliminar
  18. Ludwig:

    Sê gentil enquanto o massacras, eh!eh!eh!

    ResponderEliminar
  19. António Parente

    Estou curiosa: como é o pensamento quântico?

    Outra coisa: como é que se ganha o debate? É por pontos, por almas conquistadas ou outro critério? É por ter razão ou fé? Explique, que eu estou interessada.

    ResponderEliminar
  20. Exactamente, ó Abóbora-menina! :)

    O título da conferência está óptimo e é mais do que elucidativo... diálogo vivo! :D

    Embora me pareça diminuto o interesse destes debates demasiado centrados numa perspectiva religiosa particular, têm pelo menos a virtude de pôr em confronto as duas concepções filosóficas básicas sobre a origem e natureza do universo.

    A doutrina materialista, que sustenta a primazia da matéria sobre a consciência, e a concepção idealista que afirma o contrário, ou seja, é através da consciência que tudo surge.

    As diversas religiões têm em comum o facto de sustentarem a visão idealista ou espiritual, centrado no conceito de Deus que designa essa Consciência Universal. Nas formas mais primitivas ou populares, esse Deus é pessoal ou, de certa forma, antropomórfico. Já na formulação filosófica ou metafísica fala-se de um Deus impessoal, como Força omnipresente e criadora, de que é exemplo o belíssimo conceito do Tao, ou o estado primordial para além do "ser" e não-ser".

    Nesta última acepção, o termo "O Absoluto" ou ainda o inglês "The Ultimate" são sem dúvida de mais fácil aceitação do que a concepção tradicional de Deus veiculada pelas diversas tradições religiosas.

    Assim, em termos metafísicos não existe contradição entre as ideias aparentemente opostas de criação e evolução, já que elas não são mutuamente exclusivas mas apenas complementares. A única diferença significativa para com o evolucionismo científico reside afinal no mui fluido conceito de "acaso". Ou seja, um idealista sustenta que em todo o processo evolutivo ou criativo, e logo desde a origem do universo material e o espaço-tempo, existe uma força propulsora ou um desígnio consciente. Neste sentido, a teoria do "design inteligente" aproxima-se de facto dessa visão, o que é lógico, pois ambas são concepções espirituais e opostas ao materialismo muito redutor que continua a enfermar a ciência actual.

    Não por muito tempo, espera-se, já que à medida que o estudo, tanto da realidade material como da consciência humana, forem progredindo, o realismo materialista se irá tornando insustentável, tantas são as brechas que se vão abrindo nesse edifício demasiado inseguro e construído no frágil alicerce da sempre tão limitada razão humana.

    Esse est percipi e essa última Realidade pode ser directamente apercebida, pois se é dela que nos vem a Vida! :)

    Logo, tempos muito mais interessantes hão-de vir em que estes debates terão como pano de fundo a evolução e a consciência... ou a força da criação tão para além da ciência!!!


    Form is voidness and voidness is itself form; voidness is not different from form, and form is not different from voidness; that which is form is voidness, and that which is voidness is form.

    Prajnaparamitra ou a Perfeição da Sabedoria

    ResponderEliminar
  21. Caro Leprechaun
    a tal voidness, português: vacuidade, infelizmente parece que não se encontra apenas na forma ...
    Cristy

    ResponderEliminar
  22. Mário Miguel21/03/08, 18:04

    Ludwig,

    Seria uma boa ideia colocar o vídeo da "XX Jornadas Teológicas", ou as várias partes, no YouTube, e a respectiva ligação aqui.

    Se a conferência é pública, ficar mais pública não fará grande diferença.

    De certeza que todos os teus 450 visitantes diários aplaudiriam... Como diria o Desidério =). Com tanta gente que diariamente te lê, quase que tens a "obrigação" de colocar aqui o vídeo do debate.

    ResponderEliminar
  23. Qual vacuidade qual quê, ó "amante do tenente inglês"!!! :)

    Vazio, isso sim, o Infinito Nada que é em Mim!!! :D

    No fundo, esse Sutra budista é perfeitamente conforme à afirmação do "Tao Te Ching":

    All things are born of being.
    Being is born of non-being.

    (Todas as coisas nascem a partir do que existe
    E o que existe nasce do que não existe.)


    Ah! e vai já simultaneamente na versão portuguesa para assim não haver mais problemas de tradução, se bem que os possa haver sempre de interpretação, porque tudo isto de que aqui se fala não é mero objecto de especulação teórica e filosófica, mas sim vivência pessoal e íntima ou o conhecimento directo e intuitivo para além do raciocínio primitivo!

    Reasoning can be and often is faulty and incomplete. But the true knowledge of Being is wholy and truly sweet! :)

    Cause what you do feel...

    Rui leprechaun

    (...is always the most real! :))


    O Tao é vazio inesgotável
    E a fonte do profundo silêncio
    Que o uso jamais desgasta.
    Ele é o vazio eterno
    Repleto de um potencial infinito
    E origem de toda a plenitude do mundo.


    Tao Te Ching, 4

    ResponderEliminar
  24. António Parente22/03/08, 15:42

    Abobrinha

    Pensamento quântico é um modelo probabilistico de estruturação mental baseado na distribuição de Taleb.

    Em relação à segunda pergunta, o Ludwig fará um relato da ocorrência no dia 24 de Abril... Aguardemos.

    ResponderEliminar
  25. pedro romano22/03/08, 20:12

    Bom, eu tenho câmara. Se os dois presentes e moderador concordarem, posso pôr a gravar. Vou tentar apanhar uma boa «perspectiva» do Dr. Jónatas Machado :)

    ResponderEliminar
  26. Eu concordo que gravem o que quiserem, e já perguntei à organização se estão a pensar fazer isso, ou se o permitem. Mas ainda não tenho resposta.

    Seja como for acho que não há problema de gravar o audio com os slides da minha apresentação, penso que a isso ninguém se irá opor.

    ResponderEliminar
  27. António Parente24/03/08, 00:12

    Parece-me que se está a exagerar a importância do debate. A agitação na caixa de comentários leva-me a pensar que vamos assistir a um combate para disputa do título de campeão mundial de boxe.

    Haja bom senso. Não é o debate de uma vida. Nos próximos milénios a discussão vai continuar.

    ResponderEliminar
  28. António Parente

    Não creio que o pessoal esteja a considerar o debate assim tão importante nem decisivo. Mesmo porque ele está a decorrer em permanência aqui, sem vencedores nem vencidos mas com muita troca de informação e civismo.

    Simplesmente o pessoal está curioso por ver o debate ao vivo e a cores. Eu estou curiosíssima por ver o Dr. Jónatas Machado a dizer que gaivotas dão gaivotas e moscas dão moscas.

    ResponderEliminar
  29. António Parente24/03/08, 04:25

    Abobrinha

    Discordo dos termos "troca de informação" e "civismo". Parece-me que existe mais ruído e paixão, mas é só uma opinião.

    Quanto ao debate nas jornadas teológicas, compartilho da curiosidade mas não da excitação.

    ResponderEliminar

Se quiser filtrar algum ou alguns comentadores consulte este post.