terça-feira, agosto 21, 2007

Treta da Semana: Remédios Naturais

O meu post de Maio sobre o Kevin Trudeau (1) motivou alguma discussão sobre o mérito dos remédios naturais. Saliento o comentário do leitor Fernando Lima, que os defendeu assim:

«Parece-me que existe neste blog, algumas pessoas male informadas.. ou com conflitos de interesse... ou incompetentes [...]
O viagra tambem pode matar. o Pau de cabinda tambem pode matar se tu bateres com o Pau na cabeça durante varias horas....
quando o FDA substitui um produto NATURAL por um quimico .. imagina os milhoes e bilhoes de euros em patentes ... em quanto se comeres o Pau de cabinda nao tens de pagar nada...
o que sabemos é: limpa o teu corpo de TOXINAS() E repoem as vitaminas, que teras vida longa sem doenças.
Para finalizar ... as nossas escolas de medicina deviam estudar o metodo de tratar a causa da doença e nao superar o efeito da dor. [...]
Em suma voces devem comentar depois de terem aprendido alguma coisa ... parecem as forças de bloqueio na assambleia...»


Vou tentar satisfazer o critério rigoroso e exigente do Fernando tomando como exemplo a aspirina (2). No século V a.C. já Hipócrates tinha descrito as virtudes terapêuticas da casca e folhas do salgueiro. Infusões desta planta foram um remédio tradicional para dores e febres em várias partes do mundo. Mas o uso terapêutico de uma planta não tem nada de natural. A função natural das substâncias na planta é contribuir para a fisiologia da planta, defendê-la de animais que a querem comer, e assim por diante. Se distinguimos o natural do artificial temos que pôr a infusão e o comprimido do mesmo lado. Como toda a medicina, são ambos fruto do artifício humano. Especialmente hoje em dia, quando se prepara a mezinha com água da torneira num púcaro de aço inoxidável sobre um fogão a gás.

Em 1828 Henry Leroux identificou a substância activa na casca do salgueiro. Chamou-lhe salicina, mas hoje tem o nome oficial de 2 - (hidroximetil) fenil β - D - glucopiranosídeo. Como nem a planta nem a natureza se preocupam com a nossa dor de cabeça, é por puro acaso que a salicina tem alguns efeitos benéficos para nós, mesmo apesar de ser tóxica. Mas da salicina pode-se produzir o ácido salicílico, usado em cosméticos e como anti-séptico. Ou o ácido acetil-salicílico, a aspirina, que tem os efeitos benéficos da salicina sem a sua toxicidade. Segunda lição: se vamos usar os nossos conhecimentos para transformar uma planta em remédio, mais vale usar todos os conhecimentos e transformá-la no melhor remédio que conseguimos. Ficar a meio só para dizer que é mais «natural» é disparate. Vende, e engana muita gente, mas é disparate.

Outro problema é que a composição da planta varia com a sua maturidade, o solo onde cresceu, a parte da planta que é usada e inúmeros outros factores. Isto faz variar muito a quantidade de substância activa nas infusões ou outros remédios caseiros. É como tomar, aleatoriamente, entre um e vinte comprimidos de cada vez. Além disso, a planta contém milhares de compostos diferentes, todos em quantidades variáveis. É por isto que a síntese química de medicamentos é muito importante. O ácido salicílico sintetizado em laboratório é igual ao da planta. A molécula é exactamente a mesma. Mas sintetizando-o de origem sabemos exactamente a quantidade, o grau de pureza, e que outros compostos são produzidos no processo. Assim controla-se rigorosamente a preparação, o que é impossível com o cházinho «natural». Também a aprovação do medicamento requer um processo exigente, e é restrita ao uso para o qual o medicamento deu provas de eficácia e segurança. A recomendação da avó, por mais sincera que seja, fica aquém do ensaio clínico com dupla ocultação, controlo rigoroso e confirmação independente.

A ideia que os produtos naturais não têm efeitos secundários também é uma bela treta. Até um amendoim pode matar quem é alérgico, quanto mais a tisana da ervanária. Se faz efeito pode fazer mal. A diferença é que as empresas farmacêuticas são obrigadas a mencionar todas as complicações observadas, mesmo que só ocorram num caso em cem mil. A ervanária tem tanta obrigação legal como o empregado de mesa a quem perguntam se a comida é boa. Sim, sim, e o peixe é fresquíssimo...

Eu não confio em vendedores. Mas as empresas farmacêuticas submetem-se a um sistema rigoroso de aprovação, controlo de produção, responsabilização legal da empresa e do médico que receita o medicamento e até ao impedimento legal deste lucrar com a venda. Isto inspira mais confiança que a mezinha que alguém diz que é boa, que é feita sabe-se lá como, e que é vendida na loja de quem a receita.

1- 28-5-07, Treta da Semana: Kevin Trudeau
2- Wikpedia, Aspirin

19 comentários:

  1. Bestial! Estás de volta e a bater na charlatanice!

    Concordo plenamente com tudo o que dizes, e lembro-me uma personagem que conheço que diz que o objectivo da medicina moderna é só disfarçar sintomas, e que as mezinhas é que tratavam mesmo! Tudo não é mais que uma artimanha dos médicos para garantirem a existencia de doentes, em vez de os tratarem mesmo. :-) E milhões deles ao longo dos anos mativeram a conspiração, sem um único se desviar do complot. :-) LOL

    ResponderEliminar
  2. Interessante! Eu combato os dos "é tudo substâncias naturais, não faz mal nenhum" com o seguinte argumento: a cicuta é uma planta e mata!

    Isto faz parte de uma série mais longa de teorias da conspiração! É a indústria farmacêutica que "esconde verdades", é o NOSSO governo que "ao contrário de outros governos não promove métodos terapêuticos alternativos como o Reiki, acupunctura e cenas holísticas, que têm efeitos estudados cientificamente" e pessoas (como nós, obviamente) que não estão informadas.

    As teorias da conspiração são excelentes porque não assentam em factos comprovados (um pouco como certa arte, mas não se guiem pelos meus posts porque não percebo nada de arte e sou um bocado javarda)! Ou seja, qualquer coisa que se diga é verdade... ou pelo menos pode ser! E se se repetir vezes suficientes passa MESMO a ser uma verdade indiscutível!

    Depois há as misteriosas substâncias que o corpo produz. Tudo coisas com que fui contractando ao longo da vida em nome de uma certa abertura de espírito... para acabar por usar o título deste blogue: que treta!!!

    Voltarei à antena a este respeito porque tenho coisas para partilhar, que me vão vindo à memória aos poucos.

    ResponderEliminar
  3. Ola Ludwig,

    De volta ao trabalho blogistico!


    Ó a aspirina é fixe mas eu sou alergica ao dito acido acetil-salicílico.....
    Mas eu também sou alergica a uma porradinha de coisas muito naturais, senão vejamos, pelo de gato, pó da palha, esporos de plantinhas, enfim...

    Desde que me lembro os antibioticos tratam infecções não a disfarçam.

    BJS

    ResponderEliminar
  4. Olá a todos,

    Cheguei ontem à noite, agora estou a pôr o blog em dia. Aproveito para dar as boas vindas à abobrinha, e os parabéns à joaninha pelo novo look :)

    Eu até concordo com a ideia que as empresas farmaceuticas não são de confiar. Como qualquer negócio, é para ganhar dinheiro, e há que estar de olho neles. O problema dos defensores das alternativas é que se esquecem de aplicar o mesmo critério aos outros. Aqui ao pé de mim há uma loja de «remédios naturais» que tem uma «doutora» a dar consultas de uma data de coisas, de bio-psicologia a nutricionismo, e o pessoal nem acha estranho que dêm consultas na loja onde vendem estas coisas...

    Joaninha: o nosso sistema imunitário cria anticorpos ao acaso, por isso as alergias é uma lotaria. E estou a ver que a ti saiu-te a sorte grande ;)

    ResponderEliminar
  5. Ana Rodrigues21/08/07, 23:12

    Caro Ludwig,

    Por falar em tretas, a Astrologia anda a ficar muito sofisticada.
    A um ramo que diz que não há influencia dos planetas, mas sim um sincronismo no qual se
    pode inferir uma tendência, mas nunca está implicada uma causalidade... Livra, eles não brincam em serviço, estão a dar um "nó cego" para não se poder desatar. Mas mais recentemente, baseiam-se em Ervin Laszlo, para sustentar as suas tretas baseadas em consciência-cósmica energia, etc...
    Gostaria muito que tu falasses disso, se estiveres disponível, e em especial do Ervin Laszlo.

    ResponderEliminar
  6. Cara Ana,

    A «sincronicidade» (?) é um conceito já antiguinho, do tempo do Jung.

    Tal como muita coisa do Jung, não faz sentido nenhum :)

    Mas vou dar uma olhada nas coisas do Laszlo. Obrigado pela sugestão.

    ResponderEliminar
  7. Ana Rodrigues21/08/07, 23:55

    Caro Ludwig,

    Sim, do Carl Jung eu sei, mas de Ervin Laszlo, não sei, e não tenho literacia suficiente, como o Ludwig, para assimilar o que dalí emana.
    Não sei se o que Ervin Laszlo diz é
    uma parvoíce, nem sei se a formação dele é do tipo do nosso primeiro-ministro, ou se simplesmente os astrólogos é que se aproveitam do bom (???) trabalho de Ervin Laszlo.
    Mas uma coisa eu sei: os Astrólogos estão a ficar sofisticados ao ponto de ser cada vez mais difícil desmascarar as suas patranhas, e a difusão da Astrologia a ganhar mais força, e tem que haver alguém
    que os desmascare... Estaremos nós a voltar à idade média?

    Agradeço desde já a disponibilidade :)

    ResponderEliminar
  8. Ludwig e restantes comentadores deste post

    Proponho uma ida à FNAC à secção de espiritualidades. Vejam a ENORMIDADE de coisas que lá tem!!! Reiki, chakras, almas gémeas, astrologia... na era da Ciência e do conhecimento!

    Como digo, hei-de postar umas coisas acerca da minha descoberta pessoal destas tretas, mas eu mesma fiquei assustada com a quantidade de títulos disponíveis.

    Na FNAC do Gaia Shopping a secção de divulgação científica é, paradoxalmente, quase do lado oposto (e comprei lá o último do Jorge Buescu). E garanto que a diversidade de títulos é menor! Não deveríamos nós, os "mal informados", os "com conflitos de interesses", os "incompetentes" (acho que nunca usei esta palavra com tanto prazer, dado o contexto em que esse teu comentador a usou) tentar lutar contra esse estado de coisas?

    O povo é crédulo. Porque não obrigar as televisões a banir os astrólogos e outros "bruxos" de programas em horário nobre e para públicos influenciáveis?

    Bora lá pôr a Maya no desemprego???

    ResponderEliminar
  9. Concordo plenamente com a Abobrinha na necessidade de combater a enormidade que é a televisão pública financiar programas de astrologia. É algo de completamente impensável em qualquer país europeu que se preze de ser civilizado. Como vivo no estrangeiro, não estou em boa posição para lançar um movimento de oposição à aplicação das taxas pagas pelo contribuinte português (como se não bastassem os restantes programas que a RTP se diverte a produzir com o único objectivo de chamar estúpidos aos telespectadores, a começar pelo «soi-disant» noticiário), mas adiro a qualquer um e apoio no que for preciso.
    Cristy

    ResponderEliminar
  10. Olá Ludwig!

    Tá liindo o meu blog, ehehhe!!!

    É um triste facto que me saiu a sorte grande no que toca a alergias, não que eu faça grande caso delas. Era alergica ao pelo de quase todos os animais, resolvi o problema tirando o curso de produção animal em que estava em constante contacto com eles. Resultado hoje em dia sou moderadamente alergica ao pelo do cavalo e da vaca. Da ovelha, do cão já não tenho reacção. O único que me continua a desencadear reacções mais fortes é o pelo do gato.

    Mas a alergia aos medicamentos é diferente, porque ao contrario do pelo e pó, que desencadeiam crises de rinite alergica. Os medicamentos provocam reacções mais fortes e mais perigosas, por isso não posso mesmo fazer nada!

    ResponderEliminar
  11. Cristy

    Estupidificar, entreter é naquela: não gosto, mas são defensáveis! É preciso vender! Economia de mercado e yada yada yada... tretas! Cada qual come do que gosta e a mais não é obrigado.

    Ora isso é uma coisa e isso de televisão pública tem muito que se lhe diga! Outra coisa inteiramente diferente (e para veres como eu sou vegetariana mas tenho mau feitio) é televisões públicas e privadas DESINFORMAREM os fregueses com a insinuação de que Astrologia e outras que tais são Ciências. Isso é mentira quer no canal público quer nos outros! E "desinformados" como nós das coisas da treta não podem permitir que passem por verdades em canal nenhum, jornal ou revista. Porque é mentira!

    Sobretudo porque a maioria da população não é tão "desinformada" como nós e entende que na televisão não passam mentiras! Se a Astrologia é apresentada como Ciência e diz isso na televisão, então é porque é verdade! Lá iam mentir na televisão? Se mentissem alguém ia reclamar... ou não?

    Quanto ao ser este país, uma vez sem exemplo gostaria de dizer que somos uns atrasados e que devíamos seguir os exemplos dos outros... mas se nos insurgirmos de maneira a fazer barulho e ser ouvidos... vamos ser os primeiros! Há um tempo, numa sondagem em França, 60% das pessoas disse que a Astrologia era uma Ciência... não sei se em Portugal o número seria sequer tão elevado!

    ResponderEliminar
  12. Abobrinha,
    Entreter sim, estupidificar não. E repara que nem sequer falo das televisões privadas. Essas, a meu ver,têm o direito de fazer o que quiserem, porque não o estão a fazer com o dinheiro que obrigam o contribuinte a pagar. A televisão pública é inteiramente diferente: não tem o direito de tratar os espectadores como atrasados mentais, nem mesmo quando eles gostam ;-)
    Quanto ao resto, mais uma vez: plenamente de acordo. Insisto, no entanto, que os portugueses deviam começar a protestar mais e a encolher menos os ombros e suspirar "é a vida". Na Alemanha, e não há comparação possível com o serviço público português, existem já associações que mobilizam as pessoas para combater contra o que consideram ser «derrapagens» da televisão pública. E estamos a falar de uma das televisões públicas mais sérias e mais sóbrias da Europa. Se essa gente passasse umas horas a ver RTP, apanhava ataques cardíacos em massa.
    Beijos
    Cristy

    ResponderEliminar
  13. Olá Cristy!

    Então não gosta da Maia???!!!!

    Estou chocada!!!!!

    ehehehehe

    Estou de acordo com a cristy, custa mais quando essas porcarias desses programinhas são pagos com o dinheirinho que sai do nosso bolso!!

    ResponderEliminar
  14. Eu até gosto muita da Maya, mas a do Espaço 1999. A extraterrestre que mudava de forma.

    É impossível desempregar a Maya porque, à boa maneira do jet-set poruguês, o trabalho da Maya é ser a Maya. Não interessa as babosiras que diga.

    ResponderEliminar
  15. Herr Krippmeister

    Ser a Maya tudo bem: cada qual anda com o botox que quiser.

    Mas é possível fechar-lhe a matraca! E merecidinho!

    ResponderEliminar
  16. Olá Joaninha,
    eu, pelo contrário, estou deliciada com o teu novo visual! :-)
    Beijos
    Cristy

    ResponderEliminar
  17. Este blog, assim como o seu autor e seguidores estão de parabens, mas por favor não exagerem no cepticismo...

    Entender a ciencia humana como se de um ambiente fechado ao planeta Terra se tratasse, pode ser muito limitador.
    Lá por que haja charlatoes em muitas "ciencias", tal não significa a certeza da "charlatisse" da ciencia.
    Vejam a astrologia por exemplo, se as próprias marés são influenciadas pela lua, por que não admitir que outros astros possam ter qualquer influencia sobre a vida na Terra.
    Ver a Terra como um elemento estanque é um erro inumeras vezes repetido sob várias formas na história da humanidade.
    Isso será normal porque por vezes fechamos os horizontes á nossa propria percepção do que nos rodeia porque nos parece mais plausivel...
    Lembrem-se de factos como pensar-se que o sol girava á volta da terra, que o Sócrates iria cumprir o que prometeu antes das eleiçoes, etc..
    Enfim, mantenham-se cépticos, mas não "fechados" sobre as vossas próprias crenças.

    ResponderEliminar

Se quiser filtrar algum ou alguns comentadores consulte este post.