quarta-feira, Agosto 17, 2011

Criacionismos.

Uma conversa recente com o Mats e o Miguel Panão ilustrou algumas semelhanças entre o criacionismo dos cristãos evangélicos e o dos católicos. Como é norma em tretologia, ambos se defendem como se, para justificar uma crença, bastasse não haver provas em contrário. O Mats diz que precisamos de «encontrar a força natural, não-inteligente, aleatória, que tenha a capacidade de criar um sistema como o da lingua do pica-pau»(1) ou, caso contrário, devemos crer que foi tudo criado pelo deus dele em seis dias, há cerca de dez mil anos. Encontrar esse deus, no entanto, parece ser desnecessário. O Miguel Panão vai mais longe, mas na mesma linha. «Criar em Deus consiste em conferir ser ao não-ser, não consiste neste ou naquele processo»(2). Como não se pode aferir se um deus “conferiu ser” a algo que não era, o Miguel não só dispensa evidências positivas a favor da sua hipótese como exclui até a possibilidade teórica de alguma coisa o contradizer. Mesmo que se descubra todas as reacções químicas que originaram a vida e as espécies modernas, o Miguel dirá sempre que foi o deus dele a “conferir ser”. O que quer que isso seja.

Esta forma de adoptar crenças obriga a inconsistências. Durante muito tempo, conveio a esta religião reivindicar desgraças como provindo do seu deus mas, hoje, à parte de alguns tele-evangelistas, preferem a apresentar os desastres como naturais e deixar ao deus só as coisas boas. No entanto, é tão difícil “encontrar a força” que faz tremer a Terra como a que faz as populações evoluírem. Em ambos os casos, só se pode inferir o processo como explicação para o que se observa. Se o Mats sujeitasse a hipótese da origem natural dos terremotos ao mesmo crivo com que rejeita a evolução das espécies, não conseguiria safar o seu deus de responsabilidade por estas coisas. O mesmo para o Miguel Panão. Se o deus deste “confere ser” ao que não é, independentemente do processo por que surge, então também terá “conferido ser” ao tsunami que matou duzentas mil pessoas em 2004, ou ao parasita da malária que mata um milhão por ano.

Além de ambos avaliarem a hipótese da criação divina de forma inconsistente com o que fazem na maioria dos casos, também erram na confiança que nela depositam e na importância que lhe dão. «Creio em um só Deus, Pai todo-poderoso, criador do céu e da terra, de todas as coisas visíveis e invisíveis.» Os crentes por vezes apontam que os ateus e cépticos também têm crenças. Claro que têm. Crer é aceitar proposições como verdadeiras, pelo que não crer em nada implica ou ignorar tudo ou ser inconsistente. Mas a crença dos cépticos é proporcional às evidências que suportam as hipóteses e, por isso, vem sempre depois da evidência e é sempre provisória. Ou seja, está integrada numa rede consistente e dinâmica de crenças onde todas são tratadas da mesma forma. A crença da fé é a crença da excepção, exigindo que um conjunto de hipóteses seja aceite em definitivo e antes de qualquer evidência. O que também leva à ignorância, porque o conhecimento exige justificação e capacidade de corrigir erros, e à inconsistência na forma de avaliar hipóteses.

Outro ponto comum é que ambos os criacionismos são inúteis, e até contraproducentes, para a nossa compreensão do universo. Não duvido que ajudem a manter a importância social das igrejas e dos profissionais da religião, mas o propósito cognitivo de um relato sobre a origem da vida ou do universo é esclarecer como surgiram. Para isso, não adianta a hipótese de ter sido tudo criado pelo milagre misterioso de alguém invisível.

O criacionismo evangélico e o criacionismo católico são diferentes nos detalhes, mas semelhantes no fundamento. Os criacionistas evangélicos tentam deturpar as descobertas cientificas e enganar o publico acerca dos factos. A idade da Terra, o Dilúvio, a treta da informação codificada e afins. Os católicos dizem que aceitam a ciência, mas acabam por deturpá-la também, enquanto método, ao defender que é igualmente legítimo saber coisas por magia. Chamam-lhe teologia, mas dá no mesmo. E se bem que em países como os EUA o criacionismo evangélico seja o mais prejudicial, por cá, onde muita gente sabe que os Flintsones não existiram de verdade, o criacionismo católico pode ser o mais nefasto. Não só pela falsa autoridade que confere aos “peritos” da teologia, como também pela forma insidiosa com que mina a ciência ao propagar a ideia de que investigar as coisas com rigor e atenção aos erros é muito bonito mas, para saber a Verdade, é acreditar no padre que o espírito santo depois logo inspira. Isto dá jeito à Igreja mas, para o resto da sociedade, é prejudicial.

1- Comentários em Treta da semana: “nephesh hayyah”
2- Comentários em Jornada fé e ciência (2008)

29 comentários:

  1. inb4 "não percebes nada de teologia Ludwig"

    ADENDA: aposto que o Ludwig também não percebe nada de Astrologia.

    ResponderEliminar
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  3. Além de conversarem (aparentemente em chat roulette ) têm opiniões antrophoclássicas o dito Lud Wig diz que (escreve que) o parasita da malária mata um milhão, em vez de dizer que em consequência do processo reprodutivo que origina biliões de merozoitos que em cada ser tem potencialmente 4 milhões x 4000 mililitros = 16 mil milhões de sandochas proteícas de cor vermelha que deus na sua bondade, pôs à disposição desses organismos extraordinários os mais mansos entre os mansos.

    Em consequência desse maná merozoítico (designação já velhota) uns milhões de macacos e doutros mamíferos sofrem processos de defesa interna por aumento desnaturante da temperatura, o que conduz ao fim de muitos destes merozoitos,

    Estes hospedeiros que dão fraca hospedagem, na sua ânsia pecadora de escaparem ao paraíso (ou ao lugar com aquecimento central), trucidam organismos aos triliões, organismos filosóficos que nunca se queixaram do holocausto que sofrem ano após ano.

    ResponderEliminar
  4. A parte do positivismo Bacoco, deve assentar numa contraparte negativista Babacilar ou Baespirilo Bicoco são dois cocos
    estreptococo são uma data deles, Bacoco deve ser um daqueles cocos bem gandes

    ResponderEliminar
  5. O Ludwig tenta empurrar as arcaicas hipóteses científicas evangélicas para perto do catolicismo. Perde tempo. O literalismo evangélico e o fundamentalismo ateísta anticlerical são filhos do mesmo pai: um positivismo bacoco determinista que tenta espetar a liberdade humana e o nosso destino na parede, através dum livro, num caso, ou dum nó de falácias banhadas em preconceito, no outro. Por isso, nasceram e cresceram juntinhos, nos EUA.

    ResponderEliminar
  6. Isto do anti-americanismo ou do anti-germanismo como lugar de procriação de teorias, é algo que tamém tiene histoira.
    Acho que além do positivismo e do materialismo dialético, houve tanta ideia que jorrou em matrizes conceptuais similes.
    Penso rápido (Hansaplast) de que...

    ResponderEliminar
  7. Sempre achei hilariantes os argumentos de autoridade do Panão a respeito da teologia e afins. Da tal "verdade revelada" e do "ser em ser em si mesmo" e o camandro.

    Lembra-me sempre as discussões que tinha e, confesso, por vezes ainda tenho sobre a natureza das teias do Homem-Aranha, da burocracia necessária para gerir o Império Galáctico e se alguma vez a Aliança Rebelde teria alguma hipótese ou como seria possivel recolher sangue para análises ao Super-Homem (resposta: é fácil, basta usar uma agulha impregnada com kryptonite).

    ResponderEliminar
  8. Nuno Gaspar,

    eu não estou a empurrar um criacionismo para outro. Estou a descrevê-los como mos descreveram a mim os seus aderentes.

    Tu também achas que o teu deus conferiu ser ao não-ser? E, se sim, também sabes isso pela via mágica da inspiração divina? É essa treta que critico. A questão de uns levarem à letra a parte da Bíblia que diz que a Terra e os bichos foram criados em seis dias e outros levarem à letra a parte que diz que Maria continuava virgem depois de dar à luz e o seu filho ressuscitou é pouco relevante. Ambos cometem os mesmos erros fundamentais.

    ResponderEliminar
  9. Ludwig:
    Interrogo-me frequentemente sobre o porquê de dedicares tanta energia a combater a atitude dogmática que as religiões fomentam sobre as pessoas. Poderei ler a resposta a esta pergunta no seguinte trecho?

    ...o criacionismo católico pode ser o mais nefasto. Não só pela falsa autoridade que confere aos “peritos” da teologia, como também pela forma insidiosa com que mina a ciência ao propagar a ideia de que investigar as coisas com rigor e atenção aos erros é muito bonito mas, para saber a Verdade, é acreditar no padre que o espírito santo depois logo inspira.

    Pessoalmente, tenho tendência para acreditar que o balanço das religiões sobre as sociedades é mais nefasto do que benéfico. No entanto, confesso que não tenho uma imagem clara do que seria um mundo sem religiões como o John Lenon cantava no seu "Imagine". Mesmo que tenhamos a certeza de que seria mais benéfico livrarmo-nos da herança cultural das religiões, como é que se faz?

    ResponderEliminar
  10. Diletante,

    «Mesmo que tenhamos a certeza de que seria mais benéfico livrarmo-nos da herança cultural das religiões, como é que se faz?»

    Eu não acho que tenhamos de nos livrar da herança cultural das religiões. Pelo contrário. Outro dia, estava a ouvir umas aulas sobre o novo testamento (que o troll aqui me recomendou, se bem me lembro) e os meus filhos perguntaram porque é que eu me interessava pela Bíblia. Disse-lhes que é uma obra culturalmente importante e que sem ter uma ideia do que lá está há muitas coisas na literatura, filmes, etc, que não se compreende.

    Também não sou contra as crenças em si. Aquilo em que cada um acredita é consigo, a menos que o queira defender em público, e nesse caso podemos ter uma animada discussão acerca de quem tem razão mas sempre respeitando a todos o direito de terem a opinião que quiserem.

    Aquilo que oponho nas religiões, e que considero irredimivelmente nefasto, é a falsa autoridade conferida às tretas que inventam em nome de revelações divinas e afins. Um teólogo não sabe mais do que qualquer outra pessoa acerca dos deuses. Só sabe mais sobre o que outros teólogos inventaram acerca de supostos deuses. Religião não é conhecimento, e não faz sentido levar essas especulações demasiado a sério.

    ResponderEliminar
  11. No fundo parece que toda a gente sabe que os deuses não existem. No entanto a vida para a imensa maioria das pessoas não é um mar de rosas. Falta de guita, de saúde, guerra, fome, sede, etc e etc.
    Durante as aflições eram bom que existissem uns seres bondosos a quem recorrer para nos garantir melhoras nesta vida. Se não for possível nesta, talvez por falta de tempo dos deuses, pelo menos na outra. Que aí sim é que vai ser e é por toda a eternidade.
    Ora estas são razões suficientes para tentar por todos os meios justifica a existência deles.

    Uma sociedade sem deuses não me parece possível.

    Em todas as sociedade há jogo e deuses.

    Dão a esperança ao desencorajado de ganhar o totoloto, no 21, na IURD, a cura da sida do marido, a vida eterna ou a mera vingança contra os inimigos.

    Sem bruxos, feiticeiros, adivinhos, curandeiros, pastores e padres o grau de insegurança das pessoas ia aumentar.

    A IURD cumpre uma função social. Dá esperança às pessoas, leva-as a pertencerem a um grupo de eleitos, entretém-nas e evita que caiam no desespero.

    No fundo as religiões acabam por ser mais ou menos inofensivas. Excepto alguns casos de policia que felizmente são relativamente raros.

    As religiões no ocidente vão se adaptando aos nichos de mercado. Sabendo que há bastantes homofóbicos e que é comum um forte sentimento de culpa após um aborto apanham este nicho de mercado. Outros nem falam do assunto porque não querem hostilizar possíveis clientes.

    Nem o Mats nem os criacionistas da terra jovem no Brasil querem que se estude ctj nas escolas. Polemizam com o ctj para fixarem um público mais radical.

    Uma igreja que queira ter lucros e manter-se no tempo deve ser conservadora. As pessoas que procuram segurança numa igreja serão muito sensíveis a mudanças na sociedade. Juntam esta estabilidade conservadora um autoridade moral que permite ao crente integra-se num grupo : nós os que sabemos verdades absolutas e intemporais e que pelo tanto vamos ser salvos, contra os outros que professam uma religião erradíssima ou que não acreditam.

    No fundo é um negócio como outro qualquer e o que penso fazer falta é regulamentar a actividade.

    Penso que bruxas, feiticeiros, padres e pastores estão isentos de impostos. As igrejas , santuários e similares também estão isentos. Não há qualquer controlo sobre o destino dado aos lucros nem sobre a atividade nomeadamente quando fazem diagnósticos e curas.

    Ora isto pode propiciar, como tem acontecido no Brasil, a uma promiscuidade entre narco tráfego e igrejas ou ao afastamento do sistema nacional de saúde de pessoas que poderiam ser curadas mas que por recorreram a benzeduras, orações, exorcismos e quejandos podem són ir ao hospital tarde de mais.

    Penso que medidas simples como a declaração das quantias recebidas e o seu destino (caridade, Ferraris, massagens, orfãos e viúvas). Já que agora obrigar a uma declaração pública de rendimentos como aos políticos. Obrigar a passar recibo de todos os bens ou dinheiro.

    Em valores elevados dar, como no time sharing, um tempo de reflexão durante o qual o cliente pode unilateralmente anular o negócio.

    As igrejas que pratiquem curas milagrosas deveriam ter em local bem visível crtazes a anunciar :

    A cura pela fé não tem base cientifica. Em caso de dúvida ou persistência dos sintomas consulte o seu médico.

    De todas as quantias ou bem entregues é obrigatória a emissão dum recibo.

    Isto penso que era bom para todos e evitava alguns abusos.

    Porque diabos um casino paga impostos e a IURD não ?

    ResponderEliminar
  12. Atão agora é casinos?

    Sempre é mai seguro que acções ou barras d'ouro falsificadas....

    é investir em latas de conserva e em pacotes de farinha branca de neve

    e óleo pra fazer as filhós

    ResponderEliminar
  13. Ficamos abaixo dos mínimos de 1995 (e foi ano de seca)

    180 mil toneladas de cereais d'Inverne...

    pode ser cu milho teja milhó

    crise de crédito crise de consumo crise alimentar

    felizmente Krippahl dá um maná de tretas para encher a barriga

    ResponderEliminar
  14. Ludwig,
    Os criacionistas evangélicos tentam deturpar as descobertas cientificas e enganar o publico acerca dos factos. A idade da Terra, o Dilúvio, a treta da informação codificada e afins.

    Uma escritora conservadora escreveu que nós podemos sempre saber o que os esquerdistas planeiam porque geralmente é isso que eles acusam os adversários de fazer.

    Os criacionistas não tentam deturpar as "descobertas científicas e enganar o público". Nós usamos a ciência que vocês dizem subscrever para mostrar como a vossa fé em Darwin é ridícula.

    Cinesina: exemplo de nano-tecnologia celular

    Golfinhos: modelo evolutivo impede avanço científico. Professor Ludwig Krippahl destroçado.

    Vocês é que estão do lado anti-científico ao imaginarem como animais terrestres evoluíram para baleias, como répteis evoluíram para colibris, ou, pior, como códigos de informação se escrevem a si mesmos (ADN). Como, não se sabe, mas "aconteceu" (talvez).

    Em relação à idade da Terra.

    ResponderEliminar
  15. Evangelicals Question The Existence Of Adam And Eve

    [...]

    But now some conservative scholars are saying publicly that they can no longer believe the Genesis account. Asked how likely it is that we all descended from Adam and Eve, Dennis Venema, a biologist at Trinity Western University, replies: "That would be against all the genomic evidence that we've assembled over the last 20 years, so not likely at all."

    Researching The Human Genome

    Venema says there is no way we can be traced back to a single couple. He says with the mapping of the human genome, it's clear that modern humans emerged from other primates as a large population — long before the Genesis time frame of a few thousand years ago. And given the genetic variation of people today, he says scientists can't get that population size below 10,000 people at any time in our evolutionary history.

    To get down to just two ancestors, Venema says, "You would have to postulate that there's been this absolutely astronomical mutation rate that has produced all these new variants in an incredibly short period of time. Those types of mutation rates are just not possible. It would mutate us out of existence."

    [...]

    http://www.npr.org/2011/08/09/138957812/evangelicals-question-the-existence-of-adam-and-eve

    ResponderEliminar
  16. a) (Êxodo 4:10, 11)
    - Quem faz as pessoas surdas ou mudas ?


    10 - Então, disse Moisés ao SENHOR: Ah! Senhor! Eu não sou homem eloquente, nem de ontem, nem de anteontem, nem ainda desde que tens falado ao teu servo; porque sou pesado de boca e pesado de língua.

    11 - E disse-lhe o SENHOR: Quem fez a boca do homem? Ou quem fez o mudo, ou o surdo, ou o que vê, ou o cego? Não sou eu, o SENHOR ?


    The Hebrew Bible in English according to the JPS 1917 Edition

    (Exodus 4:10,11)


    10 And Moses said unto the LORD: 'Oh Lord, I am not a man of words, neither heretofore, nor since Thou hast spoken unto Thy servant; for I am slow of speech, and of a slow tongue.'

    11 And the LORD said unto him: 'Who hath made man's mouth? or who maketh a man dumb, or deaf, or seeing, or blind? is it not I the LORD ?



    b) (Jeremias 10:10) - Quem faz tremer a terra ?


    10 - Mas o SENHOR Deus é a verdade; ele mesmo é o Deus vivo e o Rei eterno; do seu furor treme a terra, e as nações não podem suportar a sua indignação


    The Hebrew Bible in English according to the JPS 1917 Edition

    Jeremiah 10:10


    10 But the LORD God is the true God, He is the living God, and the everlasting King; at His wrath the earth trembleth, and the nations are not able to abide His indignation.

    ResponderEliminar
  17. Jesus and Mo - the Big Questions

    http://www.jesusandmo.net/2011/08/17/edge2/

    ResponderEliminar
  18. Fazeis bem em questionar-vos. Quanto a questionar os outros, não estou tão certo de que bem façais; depende das intenções, mais do que das questões. Mas não simplifiqueis a vossa sapiência e não vos dispenseis de ser inteligentes, podendo-o. Todos confiamos na ciência e dela muito esperamos, mais ainda do que ela tem conseguido. Mas a ciência tarda e tem muitas dificuldades em responder a questões simples, tais como «onde, quando e qual a origem da vida?», «onde, qual e quando a origem do universo?», «o que é a matéria?», «o que é o espírito?», «o que é a vida?», «onde, quando e como a origem das espécies?». Estas não são questões supérfluas, fantasiosas, sobre inexistências. A ciência reconhece factos e realidades para os quais não tem explicação plausível. Grande parte das vezes, é assim, ao deparar-se com realidades, o homem interroga-se e estuda até obter respostas satisfatórias.
    Enquanto isso, há para aí uns entusiastas do ateísmo que querem convencer (quem?) de que sabem as respostas a todas as perguntas que, desde tempos imemoriais, «logicamente» se colocam. O problema não está no perguntar, está no responder. Continuamos à espera que a ciência nos explique tanta coisa... Enquanto isso, uns tantos rejeitam Deus, mesmo antes de tentarem conhecer e aprofundar a experiência da sua presença na história. E brincam com o assunto, como se tivessem melhor fé, mas não a tendo, fazem-no superficial e irresponsavelmente, caindo no ridículo.

    ResponderEliminar
  19. Se os links que o "Mats esperma na vagina previne depressões" forem para o seu blog é pq são leituras de referência e que o próprio, de forma crítica, recomenda, após as ter lido cuidadosamente.

    ResponderEliminar
  20. LINK: Evangelicals question the existence of Adam and Eve

    sxzoeyjbrhg: artigo sobre tema polémico, monogénese versus poligénese .

    ResponderEliminar
  21. "ADÃO" E "EVA" SEPULTADOS NO TÚMULO DOS PATRIARCAS EM HEBRON ?

    Na Wikipédia em português, depara-se com este “prodígio” no texto sobre o Túmulo dos Patriarcas em Hebron :

    “De facto, segundo a tradição judaica, o túmulo esconde sepulturas duplas onde a tradição afirma que estariam enterrados quatro pares de casais bíblicos importante: (1) Adão e Eva; (2) Abraão e Sara; (3) Isaac e Rebeca; (4) Jacó e Lea.”

    Tal informação:

    - para além de ridícula;

    – é claramente contraditada pelas versões em inglês, francês ou espanhol;

    - e revela a desonestidade intelectual do crente responsável pelo referido “prodígio” .

    ResponderEliminar
  22. A interpretação da Biblia pode ser, penso eu de que, resumido assim:

    Para um céptico, ateu ou crente de qualquer outra religião é um texto como outro qualquer. Não é inspirado por deuses nenhuns. É como a Odisseia ou outro texto qualquer da antiguidade.

    Os Cristãos acreditam que é o texto fundamental da Revelação e que embora escrito por homens foi inspirado pelo Deus dos Cristãos.

    No que toca à interpretação é que a porca torce o rabo.

    Esquecendo momentaneamente as diversas traduções e os textos aceites como inspirados ou não temos duas grandes correntes:

    Os católicos romanos consideram a Bíblia inerrante em matéria de fé. Isto é tudo o que lá está escrito não tem erros doutrinais mas a parte cientifica ou histórica tem apenas um significado metafórico não sendo para levar a sério.
    A verdadeira interpretação é feita pela Igreja porque, de alguma forma que não é muito bem explicada, são os guardiões do contacto com os primeiros apóstolos -tenham sido eles quem foram - e, devido a esse conhecimento pessoal, sabem interpretar correctamente a palavra de Deus. Coisa que está vedada ao comum dos mortais sem a ajuda da Cúria e da infalibilidade Papal iluminada, está bom de ver, pelo Espirito Santo.

    Assim sabem, com uma certeza absoluta, o que Deus queria e não queria dizer, o que foi da lavra do cronista, quais os textos inspirados e os que foram rejeitados e por aí fora.


    Há por outro lado os Luteranos que dizem que não. Que a ICAR era um bando de sevandijas, adúlteros, fornicadores e outros mimos que tais. Que basta a leitura da Bíblia para se saber os desejos e nojos de Deus. Quanto à infalibilidade do Papa comparam-no geralmente ao anti-cristo.

    Ora a primeira interpretação parece-me ter mais pés e cabeça:
    - Nós temos um conhecimento especial que vem diretamente de Deus, pelo Espirito Santo, e da tradição vinda diretamente dos apóstolos. Logo mesmo que pareça que o texto da Biblia diga branco nós sabemos que onde diz branco se deve ler tinto e onde diz tinto se refere a rosé. Se dúvidas existissem o Papa pode pronunciar-se infalivelmente em matéria de fé porque é inspirado pelo Espirito Santo. O próprio Papa é eleito pela Cúria mas esta é manipulada pelo Espirito Santo para escolher o Papa correto. Isto aconteceu mesmo com o Bórgia pelo que é difícil imaginar como seria o resto da Cúria.

    Parecem-me argumentos sólidos. Tem apenas o pequeno problema de serem um pouco circulares.

    Os Sola Scriptura é que estão metidos num sarilho de todo o tamanho. Sem uma autoridade terrena que valide a interpretação correta e com a dificuldade por todos conhecidos, fora da ICAR é claro, na comunicação com Deus quanto mais com o Espírito Santo resta a interpretação de cada um. Uns leem e dizem que é tinto, outros branco, outros rosé, aqueloutro que é abafado e há mesmo que afirme que é cerveja. Todos, é claro, com certezas inabaláveis e argumentos ponderados e poderosos.

    Se esta visão dá uma maior liberdade ao crente: no fundo pode interpretar como quiser porque afinal somos todos humanos tem o defeito de gerar menos consenso.

    Ue francamente acho mais coerente a visão da ICAR. Não sei porquê lembra-me o fado : só nós dois é que sabemos....

    ResponderEliminar
  23. Carlos :

    O texto diz :

    "o túmulo esconde sepulturas duplas onde a tradição afirma que estariam enterrados quatro pares de ... "

    Ora isto é corretíssimo : há uma tradição que afirma exatamente isso.

    Tradição não quer dizer verdade.

    A tradição afirma que em Santiago de Compostela está enterrado o apóstolo Santiago. Uma tradição da minha família também afirma que somos aparentados - não diz de que maneira- com o dito Santiago. Razão pela qual quando vou a Santiago abraçá-lo pelas costas o trato cordialmente por primo. Como abraço é de costas é da tradição ele responder aos parentes masculinos:

    - Não te estiques que a cama é curta...

    Afirmar que o Santiago poderia estar enterrado em Santiago ou Adão e Eva lá é que era disparate.

    ResponderEliminar
  24. Sousa da Ponte :

    Não são 4 sepulturas duplas, mas sim apenas 3 sepulturas duplas !

    Para confirmar, basta comparar o texto em português com as versões em inglês, francês ou espanhol.

    ResponderEliminar
  25. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  26. TÚMULO DOS PATRIARCAS (Wikipédia): texto em espanhol,

    “El lugar se denomina Me-arat Hamachpelah (מערת המכפלה en hebreo), que significa «La cueva de las tumbas dobles». En efecto, según la tradición judía, el lugar oculta las tumbas gemelas donde están enterradas tres parejas bíblicas importantes: (1); Abraham y Sara; (2) Isaac y Rebeca; (3) Jacob y Lía.”

    ResponderEliminar
  27. TÚMULO DOS PATRIARCAS (Wikipédia): o texto em francês também foi contaminado pelo excesso de zelo de alguns crentes …

    “En effet, selon la tradition juive, le tombeau cache des tombes jumelles où sont enterrées quatre couples bibliques importants : (1) Adam et Ève ; (2) Abraham et Sarah ; (3) Isaac et Rebecca ; (4) Jacob et Léa. "



    De qualquer modo, o embuste é evidente !

    ResponderEliminar
  28. TÚMULO DOS PATRIARCAS (Wikipédia): texto em inglês,

    “The compound is the "second holiest site" for Jews after the Temple Mount in Jerusalem, and is also considered holy by Christians and Muslims, both of whom have traditions which maintain that the site is the burial place of three biblical couples: (1) Abraham and Sarah; (2) Isaac and Rebecca; (3) Jacob and Leah.”

    ResponderEliminar

Se quiser filtrar algum ou alguns comentadores consulte este post.