sábado, dezembro 01, 2007

Treta da Semana: Acupunctura.

Espetar agulhas pode ter algum efeito e talvez haja uma maleita que se cure com isto. Mas ainda não se descobriu tal maleita. Se não tivesse ocorrido aos chineses espetar agulhas em ponto “especiais” (um para cada dia do ano) ninguém usava isto. Ninguém confiava na empresa farmacêutica que vendesse este tratamento alegando que «para além do corpo visível, dos órgãos e dos vários sistemas, existem canais subtis por onde circula a energia (o Chi) e que as perturbações na forma como o Chi circula são a causa primeira dos principais desequilíbrios a que chamamos doença.»(1). A popularidade da acupunctura deve-se ao fascínio prla superstição associada.

E esta associação é evidente entre os proponentes da acupunctura. A Associação Profissional de Acupunctura e Medicina Tradicional Chinesa (APAMTC) diz que «A Medicina Moderna Ocidental não consegue explicar como funciona a Acupunctura. A Acupunctura Tradicional baseia-se nas antigas teorias Chinesas acerca do fluxo de Qi (Energia) e Xue (Sangue), através de meridianos ou canais específicos que cobrem o corpo de forma semelhante aos nervos, veias e artérias.» (2). A Associação Portuguesa de Acupunctura e Disciplinas Associadas (APA-DA) explica que « Os pontos de Acupunctura são locais de poucos milímetros quadrados, ao longo dos meridianos, que através de determinada técnica de punctura podem influenciar o fluxo de energia no organismo, de acordo com o efeito terapêutico pretendido, resultado do diagnóstico energético.»(3).

E isto é uma grande treta. Hoje em dia sabemos mais acerca do funcionamento do corpo, sobre o que causa doenças e sobre a concepção e teste de terapias. E não há qualquer razão para julgar que «as perturbações patológicas são energéticas»(4). Alguns concordam em rejeitar o misticismo mas defendem que, mesmo assim, a acupunctura talvez funcione. “Talvez” não chega. Não se vai espetar agulhas num doente só porque “talvez” lhe cure a úlcera (5), e não há até agora demonstração da acupunctura como tratamento seguro e eficaz seja para o que for. Há indícios, suspeitas, resultados promissores ou afins, mas quando testados de forma controlada – da mesma forma que exigimos que se teste qualquer comprimido ou cirurgia – o efeito desaparece. Os defensores dizem que é por ser uma filosofia diferente, mas se é tratamento tem que tratar e passar nos mesmos testes por que passam os outros.

Um exemplo são estudos usando agulhas especiais que dão a ilusão de penetrar a pele (6). Em 2004, um teste à acupunctura como tratamento de náusea pós-operatória, uma das aplicações mais promissoras da acupunctura, revelou que não havia diferença entre o grupo que tinha recebido o tratamento real e o que recebera o tratamento com as agulhas falsas pela medida de eficácia preestabelecida, que combinava a incidência dos sintomas e o recurso a medicação para a náusea (7). Houve uma diferença significativa quando consideraram apenas os vómitos (p=0.03), mas para determinar com fiabilidade este efeito seria necessário outro estudo, pois o número de factores que se pode considerar a posteriori garante que se encontre diferenças significativas mesmo sem qualquer efeito.

No entanto, os defensores da acupunctura consideram-no um resultado a seu favor. Não são muito exigentes naquilo que consideram validar a banha da cobra que vendem. No site da APAMTC podemos ler que

«A Organização Mundial de Saúde estabeleceu que a Acupunctura é adequada para tratar as seguintes perturbações:
Ouvidos, Nariz a Garganta
Dores de dentes, dores pós extracções dentárias, dores de ouvidos, inflamações nos seios perinasais, inflamação ou secura nasal [...]»


Isto fundamenta-se num documento publicado pela OMS por ocasião de um seminário organizado em Pequim, em 1979, por praticantes de medicinas tradicionais. Deste encontro saiu uma lista provisória «based on clinical experience, and not necessarily on controlled clinical research: furthermore, the inclusion of specific diseases are not meant to indicate the extent of acupuncture's efficacy in treating them.»(8) Mas para vender, chega-lhes bem...

Para mais informação, incluindo alguns dos perigos de espetar agulhas pelo corpo, vejam este artigo do Stephen Barrett na QuackWatch:«Be Wary of Acupuncture, Qigong, and "Chinese Medicine"».

1- Escola Superior de Medicina Tradicional Chinesa Acupunctura e Moxabustão
2- APAMTC, Acupunctura

3- APA-DA, Acupunctura
4- APA-DA, Mecanismos de Acção da MTC
5- How to Use Acupuncture to Treat an Ulcer
6- Streitberger K, Kleinhenz J., Introducing a placebo needle into acupuncture research., Lancet. 1998 Sep 19;352(9132):992.
7- Streitberger K, Diefenbacher M, Bauer A, Conradi R, Bardenheuer H, Martin E, Schneider A, Unnebrink K.,Acupuncture compared to placebo-acupuncture for postoperative nausea and vomiting prophylaxis: a randomised placebo-controlled patient and observer blind trial.Anaesthesia. 2004 Jul;59(7):730; author reply 730-1.
8-The World Health Organization Viewpoint on Acupuncture

53 comentários:

  1. Eu acho que os chineses descobriram um método de enfiar agulhas nas pessoas, em determinados pontos que relaxavam musculatura, ou promoviam uma melhor circulação sanguínea... sei lá; mas que talvez desencadeasse um efeito analgésico.

    A mitologia deve ter vindo só mais tarde...

    ResponderEliminar
  2. Ou então também podemos ter simplesmente mais um bom efeito "placebo".

    As pessoas acreditam que lhes faz bem e como estão predispostas nesse sentido melhoram só porque sim.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mentecaptos...quando precisarem e tentarem vão ver como funciona e aí mudam o discurso...

      Eliminar
  3. Bruno,

    Isso é verdade em muitos casos de terapias tradicionais (ervas, por exemplo) que foram descobertas por tentativa e erro e tinham mesmo um efeito terapêutico. Muitas são hoje medicamentos.

    Mas a acupunctura pertence ao outro tipo, o das terapias que foram inventadas com base numa filosofia e especulação acerca de como o corpo funciona. Como a ideia de sangrar as pessoas para reequilibrar os humores, na medicina tradicional ocidental. A acupunctura vem da ideia que a respiração, o Chi, que é a alma, circula pelo corpo e que todas as doenças vêm de bloqueios. A partir disto, da teoria dos cinco elementos e da dominância de uns orgãos pelos outros, foram inventando pontos e meridianos.

    Por exemplo, inicialmente havia 365 pontos porque havia 365 dias...

    Laik,

    Efeito placebo tem, mas para placebo há coisas mais baratas e mais seguras. É que por muito esterilizadas que estejam as agulhas, a pele não está...

    ResponderEliminar
  4. Helder Sanches02/12/07, 06:58

    Ludwig,

    A malta quer é picar-se e o resto é conversa!

    Abraços.

    PS - Então, agora temos que assinar novamente com a conta do blogger?

    ResponderEliminar
  5. Helder,

    Estive a ver os settings, e está na mesma... permite todos os comentários, com word verification.

    Mas tenho notado algumas coisas estranhas. Por exemplo, por vezes fico sem os widgets de quick edit e assim. Acho que são só soluços do blogger, mas pelo sim pelo não vou alterar a password :)

    ResponderEliminar
  6. Se é reconhecido o benefício da acupunctura pela OMS em algumas situações, não verifico razões para colocar em dúvida a sua prática.
    Não se está a impor a prática da acupunctura a ninguém, as pessoas são livres na opção que pretendem.
    Têm sempre alternativas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Alguém diz alguma coisa de jeito!

      Eliminar
  7. A.J. Faria
    as pessoas também são livres de consultar o Professor Karamba, mas nem por isso se deve deixar de denunciar quem tenta enriquecer fraudulentamente à custa da miséria alheia.
    Cristy

    ResponderEliminar
  8. Joaquim Amado Lopes02/12/07, 18:02

    Ludwig,
    O Chi não é a alma. Para leigos na matéria (como é o seu caso, pelo que se depreende das suas palavras), a forma mais simples e rápida de transmitir o que é o Chi é estabelecendo um paralelo com a cultura popular.
    Já viu algum dos filmes da série "A Guerra das Estrelas"? O Chi é como a Força mas não tão "aditivada" quanto esta é apresentada nos filmes.

    Quanto à acupuntura, parece-me que alguns milhares de anos de prática devia pelo menos levá-lo a ser um bocadinho mais cuidadoso na "análise".
    É que, perceba-se ou não como realmente funciona, a verdade é que a acupuntura só continua a ser usada porque funciona. Nem que seja apenas em alguns casos.

    E o efeito placebo é talvez o melhor indicador de que há algo "dentro" de nós que pode provocar efeitos fisiológicos e, portanto, provocar o tipo de alterações a que se chama curar.
    Por que razão não há-de esse "algo" ser o Chi?

    ResponderEliminar
  9. Caro Ludwik Kriptonite

    A Cupuntura é uma siênsia com melhares danus. Como se sabe a mentira tãe perna curta e não se vai lonje. Puriço a idade da Cupuntura é um posto e deve, cumo tal, ser respeitada. Eu só não me faço a Cupuntura purque não percizo jáque sou uma peçoa sódável do corpo, do intleto e duspríto. Tamãe é verdade que tanho algum arreicei-o dagulhas desde que me desmaiei cuma injessão do cervisso mlitar. Mas a minha Umbelina questuma ir-se à Cupuntura cuando tá com ãexaquecas. Vai-se lá, o dôtor expetalhe umazagulhas e vãesse de lá cumo nova. Cinseramente acho um milágre pruque ela questuma ter umazãechaquecas muinto fortes nazalturas menos apupriadas. Mas sabe cumo são a melheres... Puriço eu não acho nada bãe tar a tentar dezaquerditar a Cupuntura que tantas provas tãe dado dificássia. A bãe dezer devria fazer parte do cervisso nassional de saúde e ter cãopartessipassão, já caté cerve pra curar a deperssão. O dôtor da Umbelina, dissemé-la, era um ómãe muinto depermido até incontrar a Cupuntura. Oije é um ómem fliz, póspero e rializado.
    Cuanto hás coizas estrainhas que tãe tado a sentir no seu bló, se o amigo Ludwik não se fôçe tão asséptico já se tinha apressebido quiéra a perzensa de Deus, que se sabe tudo e até as passuôrdes cajente tãe na cabêssa. Purvávelmente inda nos vamos a ter aqui um queize stâdi de intrevensão Devina pra purvar que o Deus cartólico é mais oprassional que o Deus ismalista. Lá nu Suduão é pressizo os querentes dárem uma mãozinha pra ca justissa Devina se fáça, incuanto aqui, Ele se haje por conta própia e sãe ajuda umana. A bãe da nassão.

    ResponderEliminar
  10. A.J.Faria,

    O que é reconhecido pela OMS é que há muitos praticantes que usam a acupunctura nessas situações. Mas a OMS deixa claro que isto não é indicativo da eficácia da terapia nem é resultado de testes controlados. É apenas um reconhecimento que há quem o faça assim. Note que isso é insuficiente para que se recomende uma terapia.

    Joaquim Lopes,

    «É que, perceba-se ou não como realmente funciona, a verdade é que a acupuntura só continua a ser usada porque funciona. Nem que seja apenas em alguns casos.»

    Um relógio parado está certo duas vezes por dia. No entanto, isto não justifica recomendar que se pare os relógios.

    O problema é que funcionar em alguns casos pode ser o mesmo que não funcionar. Suponha que 50% das pessoas que usam acupunctura curam-se em 3 dias, e 50% das que não usam acupunctura curam-se em três dias. Daqui deve-se inferir que a acupunctura não funciona. É errado inferir que funciona em 50% dos casos.

    Mas continuam a usá-la porque continua a haver gente disposta a comprar banha da cobra e porque há muitas pessoas que não percebem, ou fingem não perceber, a utilidade de testes controlados.

    ResponderEliminar
  11. jakim,

    Pelo que percebi do seu comentário (dá um bocado de trabalho a ler), acha que a acupunctura é um bom tratamento para as enxaquecas.

    Eu concordo que ficar deitado num sitio sossegado, fechar os olhos e permanecer quieto por uma hora ou duas é um bom tratamento para a enxaqueca. Eu tenho-as de vez em quando, e sempre que posso ou é isso ou ibuprofeno.

    Mas espetar agulhas é desnecessário.

    ResponderEliminar
  12. Caro, Anónimo!

    "as pessoas também são livres de consultar o Professor Karamba"

    Pois claro.
    Alguém disse o contrário?
    Quanto a denúncias sobre fraudes, estamos de acordo, só com uma ligeira diferença, não as fundamentar através da ignorância, mas sim através de factos concretos.
    Não que eu tenha algo contra o Professor Karamba, mas se a OMS reconhece o benefício da acupunctura em algumas situações, lógicamente que me proporciona outra credibilidade.

    ResponderEliminar
  13. Joaquim Amado Lopes02/12/07, 21:58

    Ludwig:
    Mas continuam a usá-la porque continua a haver gente disposta a comprar banha da cobra e porque há muitas pessoas que não percebem, ou fingem não perceber, a utilidade de testes controlados.
    Meu caro, pelo que se verifica dos seus posts sobre esta matéria e outras, tudo o que o Ludwig não tenha experimentado pessoalmente ou não caiba no seu mundo estreito de "experimentação científica" é "banha da cobra".

    Faz-me recordar uma cena do filme "O Clube dos Poetas Mortos", em que é lido o prefácio de um livro de poesia onde é descrito como deve ser avaliado o valor(?) de um poema: através de um gráfico.

    Também me faz lembrar a personagem Scully, dos X-Files, que (pelo menos nas primeiras séries) decidia primeiro que explicações é que não eram "cientificamente aceitáveis" para depois inventar "possíveis explicações científicas" completamente fantasiosas e inverosímeis, tomando em consideração as evidências.

    Enfim, todos temos vistas estreitas para com aquilo que não entendemos ou não queremos entender.
    E não deixei de reparar que não respondeu à questão do Chi.

    ResponderEliminar
  14. jakim
    eu acho muita graça aos seus comentários. Mas mesmo assim pedia que explicasse o porquê do português. Não entenda isto como crítica, é mera curiosidade.
    Cristy

    ResponderEliminar
  15. Joaquim,

    «tudo o que o Ludwig não tenha experimentado pessoalmente ou não caiba no seu mundo estreito de "experimentação científica" é "banha da cobra".»

    O que eu experimento pessoalmente é irrelevante. Uma amostra de 1 é, estatisticamente, pouco significativa.

    E o mundo de experimentação científica (não percebi a razão das as aspas) não é assim tão estreito. Entre outras coisas, foi o que duplicou a esperança média de vida...

    «Faz-me recordar uma cena do filme "O Clube dos Poetas Mortos", em que é lido o prefácio de um livro de poesia onde é descrito como deve ser avaliado o valor(?) de um poema: através de um gráfico.»

    Acha que é assim que devemos avaliar os medicamentos da Bayer, da Roche e afins? Como poesia? Se não, então porquê fazê-lo com a acupunctura?

    «E não deixei de reparar que não respondeu à questão do Chi.»

    A unica questão que me pôs nesse contexto foi «Já viu algum dos filmes da série "A Guerra das Estrelas"?». Julguei que fosse uma pergunta retórica, por ser tão pouco relevante. Mas, se adianta, a resposta é sim. Vi todos até.

    Mas não percebo o que é que isso abona em favor da acupunctura...

    ResponderEliminar
  16. Caro A.J. Faria
    como o dono do blogue já elucidou a sua dúvida, resta-me garantir-lhe que não sou anónima, assino todos os meus comentários e estou identificada q.b.
    Cristy

    ResponderEliminar
  17. Ludwig Krippahl,
    «A unica questão que me pôs nesse contexto foi «Já viu algum dos filmes da série "A Guerra das Estrelas"?». Julguei que fosse uma pergunta retórica, por ser tão pouco relevante. Mas, se adianta, a resposta é sim. Vi todos até.

    Mas não percebo o que é que isso abona em favor da acupunctura...
    »

    Procura no YouTube por "Ki Master", e vais ver a força em acção. LOL Talvez possa servir para um "post" em resposta à "Guerra das Estrelas".
    Acho que foi só uma explicação sobre o que é o Chi (ou Ki).

    ResponderEliminar
  18. Joaquim,

    O Chi é a respiração, usado metaforicamente como a energia vital. Tal como o pneuma dos gregos. Mas o termo «energia» é recente, e o significado original destas palavras era aquela coisa que (julgavam) os seres animados têm dentro que os faz viver e respirar. Penso que a tradução mais correcta para a terminologia moderna será alma (não no sentido cristão, que é só dos humanos, mas no sentido mais antigo de vida animal). É assim que se traduz o pneuma dos Gregos, não há razão para dar um termo diferente ao Chi dos Chineses.

    ResponderEliminar
  19. Joaquim Amado Lopes03/12/07, 13:53

    Ludwig,
    O que eu experimento pessoalmente é irrelevante. Uma amostra de 1 é, estatisticamente, pouco significativa.
    Excepto para o próprio.

    O Chi é a respiração, usado metaforicamente como a energia vital.
    O Chi não é a respiração. A respiração é um mecanismo que é usado para concentrar e focar o Chi.
    Ao estudar e praticar certas técnicas de respiração, aprendemos a dominar a energia do Chi e a poder utilizá-la para, entre outras coisas, provocar efeitos fisiológicos em nós próprios e nos outros.

    ResponderEliminar
  20. Joaquim Amado Lopes03/12/07, 13:57

    Ludwig:
    É assim que se traduz o pneuma dos Gregos, não há razão para dar um termo diferente ao Chi dos Chineses.
    Só quando não se percebe a diferença do contexto nem o significado dos termos em cada uma das culturas.

    E creio que percebi finalmente a fonte da sua confusão: baseou-se em textos antigos gregos para perceber o significado de um termo chinês.
    É uma abordagem... "original" e só podia dar no que deu.

    ResponderEliminar
  21. Joaquim,

    O termo «estatisticamente significativo» não se aplica de forma diferente ao próprio e a outro. É um critério objectivo, predefinido. Tipicamente, quando a probabilidade de um certo desvio ao valor esperado pela hipótese nula é inferior a 5%.

    Quanto ao Chi, ainda não me explicou nada, pelo que continuo a achar que «alma» é uma tradução muito melhor que «energia» para uma palavra que, originalmente, tinha um sentido muito mais misterioso e mítico que científico.

    ResponderEliminar
  22. Joaquim Amado Lopes03/12/07, 19:39

    Ludwig,
    O que eu experimento pessoalmente é muito mais significativo para mim do que o que experimentam outras pessoas, sejam elas quantas forem.

    Se eu tiver uma dôr de dentes e esta me passar ao espetar uma agulha num determinado ponto do meu corpo ou ao massajar um determinado ponto do meu pé, é para mim absolutamente irrelevante quantas pessoas me digam que isso não funciona.

    Pretender que o que o Ludwig experimenta pessoalmente tem tanto valor para si quanto o que qualquer outra pessoa lhe diga que experimentou é treta.

    Aquilo a que se chama Chi (a energia vital produzida/concentrada pelo nosso corpor e que pode ser canalizada através da meditação e determinados exercícios) já foi demonstrado em condições controladas. Já muitos mestres de Chi Kung demonstraram a capacidade para transmitir calor através das palmas das suas mãos acima dos valores considerados possível pela "ciência ocidental", tornar o seu corpo impenetrável a objectos aguçados, reduzir as suas funções vitais a valores abaixo do considerado mínimo para sustentar a vida humana e quebrar objectos cuja rigidez e resistência estão além do que se pode quebrar com mera força, velocidade e/ou técnica.

    O próprio efeito de placebo, amplamente demonstrado nos "seus" testes controlados, indicam de forma cabal que o corpo se pode curar (com limites) se o paciente acreditar que se está a curar, mesmo sem qualquer intervenção que justifique a cura.
    Se isso acontece involuntariamente, não faz sentido que essa capacidade possa ser ainda mais poderosa se devidamente compreendida e treinada/desenvolvida?

    ResponderEliminar
  23. Joaquim,

    «O que eu experimento pessoalmente é muito mais significativo para mim do que o que experimentam outras pessoas,»

    Para si, até pode ser. Mas para determinar a eficácia de um tratamento não é.

    « Já muitos mestres de Chi Kung demonstraram a capacidade para transmitir calor através das palmas das suas mãos acima dos valores considerados possível pela "ciência ocidental", tornar o seu corpo impenetrável a objectos aguçados, reduzir as suas funções vitais a valores abaixo do considerado mínimo para sustentar a vida humana e quebrar objectos cuja rigidez e resistência estão além do que se pode quebrar com mera força, velocidade e/ou técnica.»

    Ah, nesse caso retiro tudo o que disse. Não.

    A sério... não está à espera que aceite isso assim só porque diz que é verdade, pois não? Até me parece que para a semana já tenho tema...

    «o corpo se pode curar (com limites) se o paciente acreditar que se está a curar, mesmo sem qualquer intervenção que justifique a cura.»

    É importante notar que o efeito placebo afecta principalmente os sintomas (o que o paciente diz sentir) e muito menos os sinais (o que se pode observar, como borbulhas, febre, inflamação, etc). Mas é evidente que o corpo tem uma grande capacidade de se curar -- senão tivesse não tinhamos sobrevivido até à invenção da medicina moderna.

    Mas a razão para os testes controlados não é apenas o efeito placebo. É indispensável que a avaliação do doente também seja feita por médicos que não sabem se o doente está a ser tratado com a terapia a ser avaliada ou com um placebo, porque é bem conhecido o efeito que esta informação tem nos resultados registados.

    ResponderEliminar
  24. Cara Cristy
    Intão é açim. Eu e o Dôtor Vasco Gárssa Môra sêmos os únicos neste paíz que estêmos contró acôrdo Ótogárfico. Assima de tudo eu defendo a língua pártria e puriço exforsome por espersarme curretamente. Não é fássil, recunhesso. É uma taréfa ércúlia. Machão as taréfas defisseis que mais me mutivão. Eu extudei icónumia e furmeime com chelentes notas, mazaminha sapiênsia linguístisca é toda dautodidática. Foi a curiuzidade que já mera lactente na minha infânsia que me levou a tar muinto atento há eispersão dos noços melhores uzantes da língua. Quizassorte queu não me gustasse muinto de ler e dediqueimei-me mais óh ódióvizual. Inda oije ivito ler purque, videntementemente aquilo que se pubíca ãe livro, óh revista, óh jurnal, já tá ultarpaçado nu mumento ãe que é impermido e maizainda cuando selê e não intréça nãe óh mnino Jezus, salvo seija. O ódióvizual, premite-nus tar ape tu deite ca infurmassão exclarsida e não nus ser-mos suprendidos com suprezas inexpradas. Nu ódóvizual cãotãtã-mos-nus cua eispersão mais jenuína da língua e cãocumitantemente cua queltura táliqual élaié. Mazumeu exfôrso tãe sido recãopensado. Fui numiado, á doizanos quaize, cumo aceçor prá queltura do Perufeçor e tanho sido muinto ilujiado plas minhas pérformanses. E tamãe fico contente cuando as peçoas recunhessãe a jenialidade do meu pensamento eistratéjico. Um dia destes eide pubicar a minha ótobiugarfia e imbora se fique logo dzataluizada áde supriender muinta jente quinda signóra das minhas atvidades empról danassão.

    ResponderEliminar
  25. Caro Jakim,
    fico devidamente elucidada ... acho. Mas desejo-lhe boa sorte no empreendimento e patrão mais tragável do que o VGM.
    E o Mia Couto também fez uma bela carreira nestes moldes, porque não o Jakim?
    Um abraço
    Cristy

    ResponderEliminar
  26. placebo? mas existe acupunctura veterinária, com grande sucesso em cães, gatos, cavalos...e tb se pode fazer em bebés, não com agulhas, mas com sementes aplicadas nas orelhas...sinceramente, não acredito que o meu cão saiba bem o que é efeito placebo

    ResponderEliminar
  27. Anónimo,

    Quem avalia o sucesso da «terapia» veterinária e decide se volta a pagar uma consulta dessas é o dono, não o animal. E o dono vê as melhorias de acordo com as suas expectativas.

    ResponderEliminar
  28. Mário Miguel04/12/07, 18:18

    Anónimo,

    «[...]mas com sementes aplicadas nas orelhas[...]»

    isto era piada ou era mesmo a sério?

    ResponderEliminar
  29. Mário,

    Quando se caminha por estas tretas chega-se a um ponto em que já não faz diferença. Ri-te. Pouco mais há a fazer :)

    ResponderEliminar
  30. Mário Miguel05/12/07, 12:56

    Ludwig,

    O mais famoso nesta área, em Portugal, é o #*"Dr."*# Pedro Choy. Tem uma lista de espera de meses, e leva balúrdios.

    Já foi à RTP, etc..

    http://www.clinicasdrpedrochoy.com/

    ResponderEliminar
  31. Mário Miguel05/12/07, 13:00

    Ludwig,

    Quando vi o comentário, e a respectiva frase, fiquei, numa fracção de segundo, na dúvida em que a "cena" das sementes seria uma piada, devido à dimensão do risível!

    Ri-me mesmo!

    ResponderEliminar
  32. Cruzei-me com o vosso blog quando procurava alguns artigos científicos sobre a acupuntura e o Chi-Kung. Sou investigador na área das ciências sociais e humanas e foi com algum interesse que verifiquei o extremar das vossas posições relativamente a este tipo de práticas. Pessoalmente acredito que a ciência é, actualmente, o único método válido que nos permite triar aquilo que funciona daquilo que não funciona. No entanto, por vezes, a utilização do método não segue as melhores práticas e é utilizado ao serviço de outros interesses (nomeadamente o dos investigadores desejosos de confirmar ou infirmar as suas hipóteses)- daí a necessidade de desenhar experiências onde os intervenientes não tenham conhecimento das hipóteses em estudo. Por outro lado, o método ciêntifico é extremamente limitado uma vez que exige um controlo absoluto de todas as variáveis que poderão influenciar um determinado fenómeno e tal controlo absoluto ou é impossível ou quando concretizado gera resultados (replicáveis apenas em laboratório) que dificilmente podem ser generalizados ou replicados num ambiente real e complexo. Isto tudo para dizer que as problemáticas sobre as quais se têm pronunciado têm sido estudadas pelos diferentes ramos da ciência, têm produzido resultados ambíguos, umas vezes a favor outras contra a eficácia das metodologias mencionadas, (mas isso também não é novidade em ciência basta atentar para os medicamentos que são retirados do mercado); o desafio passa por encontrar designs experimentais em que se possa verificar quais as variáveis que influenciam determinados fenómenos e como eles funcionam.
    Se funcionam ou não... uns cientistas dizem que sim, outros dizem que não. Nuns casos sim, noutros não. Uma vez que já trabalhei em hospitais com doentes oncológicos pude verificar que, apesar de toda a nossa necessidade de controlo e de certeza, o acto médico é mais artístico (pq implica a conjugação de uma série de variáveis e uma série de decisões que são mais intuitivas do que racionais) do que científico e isso não lhe tira o mérito nem o descaracteriza. Muito dele é baseado na fé, do médico e do doente, e na relação estabelecida entre os dois. O que é um acto médico e de quem deve ser a responsabilidade deste é uma discussão mantida e alimentada por interesses mais de ordem sindical/profissional do que por interesses humanitários.
    "Hoje, a ciência explica as grandes questões do mundo e procura conhecer os limites da matéria ou a origem do universo.(...) Ao tornar a nossa vida mais fácil, o desenvolvimento da ciência criou a ilusão de que o poder da ciência não tinha limites. Numa determinada época no Ocidente alguns pensadores atreveram-se a proclamar que Deus estava morto. Parecia que não restavam mais mistérios, nem fontes de deslumbramento neste mundo. Mas, hoje em dia, começamos a duvidar que a ciência seja todo-poderosa (...) Confrontados com a destruição do meio-ambiente em larga escala e com o desprezo pela humanidade, colocamos cada vez mais em causa a ideia segundo a qual a ciência pode ou deve conquistar a natureza.(...) Os novos conhecimentos são descobertos a partir de hipóteses formuladas com base na intuição. Chamo formular hipótese estruturantes ao processo de investigar o que não se sabe, desenvolvendo uma hipótese formulada com base numa ideia intuitiva plausível e depois testá-la, praticá-la e pedir aos outros que façam o mesmo. É uma aproximação muito básica ao conhecimento e frequentemente muito excitante."
    Se tiverem interesse sugiro Toshihiko Yayama (no campo da medicina) e Shuji Inomata (no campo da física) um é um médico oncologista (da medicina dita convencional) que desenvolveu um método de cura do cancro sendo eclético e integrando várias abordagens desde a medicina convencional à tradicional chinesa. O outro é um físico que busca a unificação das duas teorias major na física
    http://users.med.auth.gr/~karanik/english/articles/arch/arch.html

    ResponderEliminar
  33. Caro curioso,

    Obrigado pela sugestão. Quanto a isto:

    «Por outro lado, o método ciêntifico é extremamente limitado uma vez que exige um controlo absoluto de todas as variáveis que poderão influenciar um determinado fenómeno»

    penso que é um equívoco. Em primatologia, geologia, astronomia, climatologia e muitas outras disciplinas científicas raramente se tem um controlo absoluto, ou mesmo qualquer controlo, sobre as condições da experiência. O fundamental é reconhecer que há factores fora do controlo.

    E esse é que é o problema com estas alternativas. Note que os antibióticos, antipiréticos, anestésicos, vacinas e muitos outros medicamentos também são medicina, mas conseguiu-se evidências claras da sua eficácia. Quando se passam décadas a ainda não se sabe se as agulhas tratam alguma coisa e, se tratam, o quê, é de suspeitar que não são um método eficaz.

    ResponderEliminar
  34. Vejo que parte do princípio de que não existe fundamentação científica para a utilização das agulhas enquanto método terapéutico. A aplicação de agulhas, em determinados pontos do organismo, produz determinados efeitos neste (A Medicina Tradicional Chinesa alega ter mapeado os pontos e os efeitos que a estimulação destes produz – e que em alguma medida também foi constatado por um médico europeu no Sec. XVIII – salvo erro). Estes efeitos podem, em determinadas circunstâncias, ser terapéuticos. Existe um vasto conjunto de literatura que confirma a realidade destes efeitos no organismo, tanto que esta metodologia já é ensinada em algumas universidades da medicina dita convencional. A grande questão já não é se a imposição das agulhas produz efeitos no organismo, mas sim quais os mecanismos subjacentes a estes efeitos. É essa a questão que ainda tem iludido a ciência e para a qual ela tem demorado a encontrar resposta. será que existe de facto um sistema de meridianos? Terá este sistema uma correspondente física? Os efeitos das agulhas explicam-se unica e exclusivamente pela libertação de endorfinas nas zonas afectadas?
    As respostas a estas questões têm esbarrado com o problema básico da ciência que é a sua capacidade de medir. No entanto surgem algumas novas descobertas no campo da microanatomia (os ductos de Bonghan) que colocam novas hipóteses, ao mesmo tempo que surgem novas metodologias de medição (SQUID) que lançam um novo olhar sobre o nosso corpo.

    Deixo-lhe mais uma sugestão...
    http://www.qigonginstitute.org/html/papers.php

    ResponderEliminar
  35. Curioso,

    «Vejo que parte do princípio de que não existe fundamentação científica para a utilização das agulhas enquanto método terapéutico.»

    Sim, essa é a posição por omissão. Enquanto não for demonstrada tal fundamentação, não há. E tanto quanto sei as agulhas não passaram os testes rigorosos que se impõe a antibióticos, vacinas, e outras terapias.

    Pode-me indicar uma patologoa para a qual haja evidências sólidas que as agulhas são uma terapêutica fiável, segura e eficaz, e superior ao que já se usa?

    ResponderEliminar
  36. Antes de lhe indicar alguns artigos científicos que apontam para algum grau de eficácia em determinados casos permita-me devolver-lhe a sua questão consegue indicar-me algum agente terapéutico que seja 100% fiável, seguro e eficaz em todos os casos?
    Como já mencionei tive o privilégio de trabalhar com doentes oncológicos e em algumas terapéuticas, com alguns tipos de cancro, a taxa de sucesso dos protocolos de intervenção rondava uns (confortáveis) 20%!!! E estamos a falar de protocolos de intervenção com um grande impacto para a qualidade de vida do paciente. O que levava a que um paciente "caísse" nos 20% de sucesso ou nos 80% de insucesso era um mistério. Aliás se quer ter um vislumbre do que é eficaz e seguro, pegue em qualquer medicamento que tenha em casa e leia a respectiva bula. Se atentar que os respectivos ensaios clínicos que levaram à aprovação da maior parte dos medicamentos regem-se pelos critérios mínimos de rigor científico, quer em termos de número de sujeitos por grupo, quer em termos do valor convencionado segundo o qual se permite a rejeição da hipótese nula. E isto pq? Pq os investigadores hoje em dia estão comercialmente motivados: isto leva a que por exemplo investigadores omitam informação com relevância para a saúde pública relacionada com o medicamento Vioxx de forma a poderem publicar o artigo no New England Journal of Medicine e publicitar o fármaco. Apesar destes casos não devemos perder o sentido de equilíbrio. Mais uma vez repito continuo a achar que o método científico é o único que permite triar entre aquilo que funciona e o que não funciona, e em que condições. A pesquisa deve ser feita levando em consideração o doente e não a indústria. E é por isso que lhe deixo alguns artigos sobre a eficácia e não-eficácia da imposição de agulhas na pele. A leitura de alguns deles permitiu-me estar aberto a novas possibilidades e novos campos de investigação.

    Lewith GT et al. On the evaluation of the clinical effect of acupuncture. Pain, 1983, 16:111-127.

    Pomeranz B. Acupuncture analgesia for chronic pain: brief survey of clinical trials. In: Pomeranz B, Stux G, eds. Scientific bases of acupuncture. Berlin/Heidelberg, Springer-Verlag, 1989: 197-199.

    Richardson PH et al. Acupuncture for the treatment of pain-a review of evaluation research. Pain, 1986, 24:15-40.

    Man SC et al. Preliminary clinical study of acupuncture in rheumatoid arthritis. Journal of Rheumatology, 1974, 1:126-129.

    Ruchkin IN et al. [Auriculo-electropuncture in rheumatoid arthritis (a double-blind study).] Terapevticheskii Arkhiv, 1987, 59(12):26-30 [in Russian].

    Sun LQ et al. [Observation of the effect of acupuncture and moxibustion on rheumatoid arthritis in 434 cases.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1992, 12(1):9-11 [in Chinese].

    Zhang WR et al. [Clinical observation of acupuncture in treating kidney and ureter stones.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1992, 12(3):5-6 [in Chinese].

    Li KR. [Analysis on the effect of acupuncture treatment in 1383 adults with bacillary dysentery.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1990, 10(4):113-114 [in Chinese].

    Qiu ML et al. [A clinical study on acupuncture treatment of acute bacillary dysentery.] In: Zhang XT, ed. [Researches on acupuncture-moxibustion and acupuncture-anaesthesia.] Beijing, Science Press, 1986: 567-572 [in Chinese].

    Yu SZ et al. Clinical observation of 162 cases of acute bacillary dysentery treated by acupuncture. World Journal of Acupuncture-Moxibustion, 1992, 2(3):13-14.

    Zhang XP. [Researches on the mechanism of acupuncture and moxibustion.] Anhui, Anhui Science and Technology Press, 1983 [in Chinese.]

    Stux G, Pomeranz B. Acupuncture-textbook and atlas. Berlin: Springer-Verlag, 1987: 18-19.

    Lewith GT et al. On the evaluation of the clinical effects of acupuncture: a problem reassessed and a framework for future research. Journal of Alternative and Complementary Medicine, 1996, 2(1):79-90.

    14. Shen SJ. [Immediate analgesic effect of acupuncture at binao (LI 14) for pain due to subconjunctival injection.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1996, 16(2):71-72 [in Chinese].

    15. Lee CK et al. The effect of acupuncture on the incidence of postextubation laryngospasm in children. Anaesthesia, 1998, 53(9):917-920.

    16. Qiu L. [Acupuncture treatment of severe leg pain in 60 cases of thromboangitis obliterans.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1997, 17(11):677-678 [in Chinese].

    17. Ahonen E et al. Acupuncture and physiotherapy in the treatment of myogenic headache patients: pain relief and EMG activity. Advances in Pain Research and Therapy, 1983, 5:571-576.

    18. Chen XS et al. [Observation of penetrating acupuncture treatment of migraine in 45 cases.] Shanxi Journal of Traditional Chinese Medicine, 1997, 13(6):32-33 [in Chinese].

    19. Doerr-Proske H et al. [A muscle and vascular oriented relaxation program for the treatment of chronic migraine patients. A randomized clinical control groups study on the effectiveness of a biobehavioural treatment program]. Zeitschrift für Psychosomatische Medizin und Psychoanalyse, 1985, 31(3):247-266 [in German].

    20. Dowson DI et al. The effects of acupuncture versus placebo in the treatment of headache. Pain, 1985, 21:35-42.

    21. Kubiena G et al. Akupunktur bei Migräne. [Acupuncture treatment of migraine.] Deutsche Zeitschrift für Akunpunktur, 1992, 35(6):140-148 [in German].

    22. Liu AS et al. [“Three Scalp Needles” in the treatment of migraine.] New Tradiitional Chinese Medicine, 1997, 29(4) 25-26 [in Chinese].

    23. Loh L et al. Acupuncture versus medical treatment for migraine and muscle tension headaches. Journal of Neurology, Neurosurgery and Psychiatry, 1984, 47:333-337.

    24. Tavola T et al. Traditional Chinese acupuncture in the treatment of tension-type headache: a controlled study. Pain, 1992, 48:325-329.

    25. Vincent CA. A controlled trial of the treatment of migraine by acupuncture. Clinical Journal of Pain, 1989, 5:305-312.

    26. Weinschütz T et al. Zur neuroregulativen Wirkung der Akupunktur bei Kopfschmerzpatienten. [Neuroregulatory action of acupuncture in headache patients.] Deutsche Zeitschrift für Akunpunktur, 1994, 37(5):106-117 [in German].

    27. Xu Z et al. [Treatment of migraine by qi-manipulating acupuncture.] Shanghai Journal of Acupuncture and Moxibustion, 1993, 12(3):97-100 [in Chinese].

    28. Cai L. [Observation of therapeutic effects of intractable prosopodynia treated by retaining the filiform needle for long time.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1996, 16(4):190-191 [in Chinese].

    29. Hansen PE et al. Acupuncture treatment of chronic facial pain: a controlled crossover trial. Headache, 1983, 23:66-69.

    30. Johansson A et al. Acupuncture for the treatment of facial muscular pain. Acta Odontologica Scandinavica, 1991, 49:153-158.

    31. List T. Acupuncture in the treatment of patients with craniomandibular disorders: comparative, longitudinal and methodological studies. Swedish Dental Journal, 1992, 87(Suppl. 1):1-159.

    32. Pohjola RT et al. Rationale behind acupuncture treatment of temporomandibular joint dysfunction. Akupunktur Theorie und Praxis, 1986, 14(4):263.

    33. Birch S et al. Controlled trial of Japanese acupuncture for chronic myofascial neck pain: assessment of specific and nonspecific effects of treatment. Clinical Journal of Pain, 1998, 14(3):248-255.

    34. David J et al. Chronic neck pain: a comparison of acupuncture treatment and physiotherapy. British Journal of Rheumatology, 1998, 37(10):1118-1132.

    35. Coan R et al. The acupuncture treatment of neck pain: a randomized controlled study. American Journal of Chinese Medicine, 1982, 9:326-332.

    36. Loy TT. Treatment of cervical spondylosis: electro-acupuncture versus physiotherapy. Medical Journal of Australia, 1983, 2:32-34.

    37. Petrie JP et al. A controlled study of acupuncture in neck pain. British Journal of Rheumatology, 1986, 25:271-275.

    38. Kinoshita H. [Effect of specific treatment for periarthritis of shoulder.] Journal of the Japanese Acupuncture and Moxibustion Society, 1973, 22(1):23-28. [in Japanese].

    39. Shao CJ. [Treatment of 62 cases of periarthritis of shoulder by needling at LI 2.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1994, 14(5):247-248 [in Chinese].

    40. Deluze C et al. Electroacupuncture in fibromyalgia: result of a controlled trial. British Medical Journal, 1992, 305:1249-1252.

    41. Karen D et al. True acupuncture vs. sham acupuncture and conventional sports medicine therapy for plantar fasciitis pain: a controlled, double blind study. International Journal of Clinical Acupuncture, 1991, 2(3):247-253.

    42. Brattberg G. Acupuncture therapy for tennis elbow. Pain, 1983, 16:285-288.

    43. Haker E et al. Acupuncture treatment in epicondylalgia: a comparison study of two acupuncture techniques. Clinical Journal of Pain, 1990, 6:221-226.

    44. Molsberger A et al. The analgesic effect of acupuncture in chronic tennis elbow pain. British Journal of Rheumatology, 1994, 33(12):1162-1165.

    45. Coan R et al. The acupuncture treatment of low back pain: a randomized controlled treatment. American Journal of Chinese Medicine, 1980, 8:181-189.

    46. Gunn CC et al. Dry needling of muscle motor points for chronic low-back pain. Spine, 1980, 5(3):279-291.

    47. Lehmann TR et al. Efficacy of electroacupuncture and TENS in the rehabilitation of chronic low back pain patients. Pain, 1986, 26:277-290.

    48. MacDonald AJR et al. Superficial acupuncture in the relief of chronic low back pain. Annals of the Royal College of Surgeons of England, 1983, 65:44-46.

    49. Mendelson G et al. Acupuncture treatment of low back pain: a double-blind placebo-controlled trial. American Journal of Medicine, 1983, 74:49-55.

    50. Kinoshita H. [Clinical trials on reinforcing and reducing manipulations.] Journal of the Japanese Acupuncture and Moxibustion Society, 1971, 20(3):6-13 [in Japanese].

    51. Kinoshita H. [Clinical research in the use of paraneural acupuncture for sciatica.] Journal of the Japanese Acupuncture and Moxibustion Society, 1981, 30(1):4-13 [in Japanese].

    52. Li HY. [Controlled study of 170 cases of sciatica treated with acupuncture at the lower zhibian point.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1991, 11(5):17-18 [in Chinese].

    53. Shen GZ. [Treatment of 100 cases of sciatica by applying the long needle.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1987, 7(2):77 [in Chinese].

    54. Christensen BV et al. Acupuncture treatment of severe knee osteoarthrosis: a long-term study. Acta Anaesthesiologica Scandinavica, 1992, 36:519-25 (also iUgeskrift for Laeger, 1993, 155(49):4007-4011 [in Danish]).

    55. Junnila SYT. Acupuncture superior to piroxicam in the treatment of osteoarthritis. American Journal of Acupuncture, 1982, 10:341-345.

    56. Maruno A. [Comparative analysis of electrical acupuncture therapy for arthrosis of the knee.] Journal of the Japanese Acupuncture and Moxibustion Society, 1976, 25(3):52-54 [in Japanese].

    57. Kreczi T et al. A comparison of laser acupuncture versus placebo in radicular and pseudoradicular pain syndromes as recorded by subjective responses of patients. Acupunture and Electrotherapy Research, 1986, 11:207-216.

    58. Berman BM et al. A randomized trial of acupuncture as an adjunctive therapy in osteoarthritis of the knee. Rheumatology, 1999, 38(4):346-354.

    59. Xiao J et al. [Analysis of the therapeutic effect on 41 cases of rheumatoid arthritis treated by acupuncture and the influence on interleukin-2.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1992, 12(6):306-308 [in Chinese].

    60. Li ZW et al. [Controlled study of gouty arthritis treated with blood-pricking acupuncture.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1993, 13(4):179-182 [in Chinese].

    61. Pan HL. [Observation of 39 cases of gout treated with plum-blossom needling plus cupping.] Zhenjiu Linchuang Zazhi, 1997, 13(3):29 [in Chinese].

    62. Mo TW. [Observation of 70 cases of biliary ascariasis treated by acupuncture.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1987, 7(5):237-238 [in Chinese].

    63. Wu XL et al. Observation of acupuncture treatment of biliary colic in 142 cases. Journal of Acupuncture-Moxibustion, 1992, 8(6):8.

    64. Yang TG et al. [Clinical report of electro-acupuncture analgesia in the treatment of abdominal colics.] Jiangsu Journal of Traditional Chinese Medicine, 1990, 11(12):31 [in Chinese].

    65. Lee YH et al. Acupuncture in the treatment of renal colic. Journal of Urology, 1992, 147:16-18.

    66. Li JX et al. [Observation of the therapeutic effect of acupuncture treatment of renal colic.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1993, 13(2):65-66 [in Chinese].

    67. Shu X, et al. [Observation of acupuncture treatment of abdominal pain in acute gastroenteritis.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1997, 17(11):653-654 [in Chinese].

    68. Jiao Y. Acupuncture analgesia in treating sprain of limbs. Acupuncture Research, 1991, 11(3-4):253-254.

    69. Jin CL. [Clinical observation of 346 cases of acute lumbar sprain treated with hand-acupuncture.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1991, 11(3):30 [in Chinese].

    70. Zheng LM. [Hand acupuncture treatment of 100 cases of acute lumbar sprain.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1997, 17(4):201-202 [in Chinese].

    71. Chen L et al. The effect of location of transcutaneous electrical nerve stimulation of postoperative opioid analgesic requirement: acupoint versus nonacupoint stimulation. Anesthesia and Analgesia, 1998, 87(5):1129-1134.

    72. Christensen PA et al. Electroacupuncture and postoperative pain. British Journal of Anaesthesia, 1989, 62:258-262.

    73. Lao L et al. Evaluation of acupuncture for pain control after oral surgery: a placebo-controlled trial. Archives of Otolaryngology, Head and Neck Surgery, 1999, 125(5):567-572.

    74. Lü D et al. [Observation of the analgesic effect of acupuncture for pain after anal surgery.] Shanghai Journal of Acupuncture-Moxibustion, 1993, 12(2):72 [in Chinese].

    75. Tsibuliak VN et al. [Acupuncture analgesia and analgesic transcutaneous electroneurostimulation in the early postoperative period.] Anesteziologiia i Reanimatologiia, 1995, (2):93-97 [in Russian].

    76. Wang Q et al. [Acupuncture treatment of post-tonsillectomy pain in 33 cases.] Chinese Journal of Integrated Traditional and Western Medicine, 1990, 10(4):244-245 [in Chinese].

    77. Lao LX et al. Efficacy of Chinese acupuncture on postoperative oral surgery pain. Oral Surgery, Oral Medicine, Oral Pathology, Oral Radiology and Endodontics, 1995, 79(4):423-428.

    78. Sung YF et al. Comparison of the effects of acupuncture and codeine on postoperative dental pain. Anesthesia and Analgesia, 1977, 56:473-478.

    79. Zheng J et al. [Prevention and treatment of pain caused by pulp devitalisation with arsenical.] Journal of the Zhejiang College of Traditional Chinese Medicine, 1990, 14(6):6 [in Chinese].

    80. Sukandar SD et al. [Analgesic effect of acupuncture in acute periodontitis apicalis.] Cermin Dunia Kedokteran, 1995, (105):5-10 [in Indonesian]

    81. Rosted P. The use of acupuncture in dentistry: a systematic review. Acupuncture-Medicine, 1998, 16(1):43-48.

    82. Zhang YF et al. [Clinical observation of acupuncture painless labour in 150 cases.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1995, 15(4):182-183 [in Chinese].

    83. Qian XZ. [Achievements in scientific studies on acupuncture-moxibustion and acupuncture-anaesthesia in China.] In: Zhang XT, ed. [Researches on acupuncture-moxibustion and acupuncture-anaesthesia.] Beijing, Science Press, 1986: 1-13 [in Chinese].

    84. Xu BQ et al. [Experimental studies on acupuncture treatment of acute bacillary dysentery-the role of humoral immune mechanism.] In: Zhang XT, ed. [Researches on acupuncture-moxibustion and acupuncture-anaesthesia.]Beijing, Science Press, 1986: 573-578 [in Chinese].

    85. Wang XY et al. Acupuncture and moxibustion in the treatment of asymptomatic hepatitis B virus carriers by strengthening the body resistance to eliminate pathogenic factors: a clinical experimental study. International Journal of Clinical Acupuncture, 1991, 2(2):117-125.

    86. Song XG et al. The effect of moxibustion on the kidney function of the patients with epidemic haemorrhagic fever. World Journal of Acupuncture-Moxibustion, 1992, 2(1):17-19.

    87. Yao HH et al. [Clinical study on treatment of pertussis with acupuncture at baxie (EX:E9).] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1996, 16(11):604 [in Chinese].

    88. Bai XY et al. [A comparative study of acupuncture and Western medicine in the treatment of stroke]. Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1993, 13(1):1-4 [in Chinese].

    89. Chen DZ et al. [Evaluation of therapeutic effects of acupuncture in treating ischaemic cerebrovascular disease.] Chinese Journal of Integrated Traditional and Western Medicine, 1990, 10(9):526-528 [in Chinese].

    90. Jiang ZY et al. [Clinical study on needling jiaji (EX-B2) in the treatment of thalamic spontaneous pain induced by stroke.] Journal of Traditional Chinese Medicine, 1997, 38(10):599-601 [in Chinese].

    91. Liao SH. [Treatment of stroke with talon needling at LI10 and ST32.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1997, 17(8):479-480 [in Chinese].

    92. Liu YJ et al. Needling scalp points in treating cerebrovascular diseases: a report of 78 cases. International Journal of Clinical Acupuncture, 1997, 8(3):231-234.

    93. Si QM et al. Effects of electroacupuncture on acute cerebral infarction. Acupuncture and Electro-Therapeutics Research, 1998, 23(2):117-124.

    94. Hu HH et al. A randomized controlled trial on the treatment for acute partial ischemic stroke with acupuncture. Neuroepidemiology, 1993, 12:106-113.

    95. Johansson K et al. Can sensory stimulation improve the functional outcome in stroke patients? Neurology, 1993, 43:2189-2192.

    96. Gosman-Hedstrom G et al. Effects of acupuncture treatment on daily life activities and quality of life: a controlled, prospective, and randomized study of acute stroke patients. Stroke, 1998, 29(10):2100-2108.

    97. Kjendahl A et al. A one year follow-up study on the effects of acupuncture in the treatment of stroke patients in the subacute stage: a randomized, controlled study. Clinical Rehabilitation, 1997, 11(3):192-200.

    98. Wong AM et al. Clinical trial of electrical acupuncture on hemiplegic stroke patients. American Journal of Physical Medicine and Rehabilitation, 1999, 78(2):117-122.

    99. Jin R et al. [Clinical observation of temporal needling in the treatment of postapoplectic sequelae.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1993, 13(1):11-12. [in Chinese].

    100. Liang RA. Clinical observation and experimental studies on the treatment of sequelae of stroke by needling temporal points. International Journal of Clinical Acupuncture, 1993, 4(1):19-26.

    101. Xu B. [Effect of acupuncture on the convalescence of meningioma removal.] Zhongguo Zhongyiyao Xinxi Zazhi [News Letters of Chinese Medicine], 1998, 5(3):47 [in Chinese].

    102. Zhang LH et al. A control study of scalp acupuncture in treating aphasia after acute cerebrovascular disease. World Journal of Acupuncture-Moxibustion, 1994, 4(1):20-23.

    103. Lewith GT et al. Acupuncture compared with placebo in post-herpetic pain. Pain, 1983, 17:361-368.

    104. Sukandar SD et al. [Curing effect of acupuncture in post-herpetic neuralgia.] Majalah Kedokteran Indonesia [Journal of the Indonesian Medical Association], 1995, 45(8): 456-461 [in Indonesian].

    105. Lin L. Through puncture compared with traditional acupuncture in treating facial paralysis. International Journal of Clinical Acupuncture, 1997, 8(1):73-75.

    106. You FY et al. [Observation of the effect of picking-out (blood-letting) acupuncture in the treatment of Bell’s palsy.] Shanghai Journal of Acupuncture and Moxibustion, 1993, 12(2):74 [in Chinese].

    107. Liu XR. [Observation of therapeutic effects of 66 cases of facial spasm treated with wrist-ankle acupuncture and body-acupuncture.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1996, 16(4):192 [in Chinese].

    108. Frost EAM. Acupuncture for the comatose patient. American Journal of Acupuncture, 1976, 4(1):45-48.

    109. Luo ZP et al. [Clinical observation of ear-acupressure treatment of insomnia.] Heilongjiang Journal of Traditional Chinese Medicine, 1993, (1):45-48 [in Chinese].

    110. Zhang XF. [Ear acupressure in the treatment of insomnia]. Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1993, 13(6):297-298 [in Chinese].

    111. Chari P et al. Acupuncture therapy in allergic rhinitis. American Journal of Acupuncture, 1988, 16(2):143-147.

    112. Huang YQ. [Therapeutic effect of acupuncture treatment in 128 cases of hay fever.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1990, 10(6):296-297 [in Chinese].

    113. Jin R et al. [Clinical observation of 100 cases with allergic rhinitis treated by acupuncture.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1989, 9(4):185-186 [in Chinese].

    114. Liu DX. [Acupuncture at biqiu in the treatment of allergic rhinitis.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1995, 15(6):293 [in Chinese].

    115. Yu JL et al. [Effect of acupuncture treatment in 230 cases of allergic rhinitis.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1994, 14(5):241-242 [in Chinese].

    116. Williamson L et al. Hay fever treatment in general practice: a randomised controlled trial comparing standardised Western acupuncture with sham acupuncture. Acupuncture-Medicine, 1996, 14(1):6-10.

    117. Chen RH. [Acupuncture treatment of 220 cases of acute tonsillitis.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1987, 7(3):54 [in Chinese].

    118. Gunsberger M. Acupuncture in the treatment of sore throat symptomatology. American Journal of Chinese Medicine, 1973, 1:337-340.

    119. Fung KP et al. Attenuation of exercise-induced asthma by acupuncture. Lancet, 1986, 2:1419-1422.

    120. He YZ et al. [Clinical observation of CO2 laser acupuncture in the treatment of bronchial asthma.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1994, 14(1):13-16 [in Chinese].

    121. Tashkin DP et al. Comparison of real and simulated acupuncture and isoproterenol in methacholine-induced asthma. Annals of Allergy, 1977, 39:379-387.

    122. Xie JP et al. Observation of the specificity of points in electro-acupuncture treatment of asthma. Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1996, 16(2):84-86 [in Chinese].

    123. Yu DC et al. Effect of acupuncture on bronchial asthma. Clinical Science and Molecular Medicine, 1976, 51:503-509.

    124. Joshi YM. Acupuncture in bronchial asthma. Journal of the Association of Physicians of India, 1992, 40(5):327-331.

    125. Tandon MA et al. Comparison of real and placebo acupuncture in histamine-induced asthma: a double-blind crossover study. Chest, 1989, 96:102-105.

    126. Batra YK et al. Acupuncture in corticosteroid-dependent asthmatics. American Journal of Acupuncture, 1986, 14(3):261-264.

    127. Jobst K et al. Controlled trial of acupuncture for disabling breathlessness. Lancet, 1986, 2:1416-1419.

    128. Xu PC et al. Clinical observation of treatment of acute epigastralgia by puncturing liangqiu and weishu acupoints. International Journal of Clinical Acupuncture, 1991, 2(2):127-130.

    129. Yu YM. [Therapeutic effect and mechanism of needling ST36 in the treatment of epigastric pain.] Shanghai Journal of Acupuncture and Moxibustion, 1997, 16(3):10-11 [in Chinese].

    130. Shi XL et al. [Acupuncture treatment of gastrointestinal spasm.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1995, 15(4):192 [in Chinese].

    131. Zhang AL et al. Clinical effect of acupuncture in the treatment of gastrokinetic disturbance. World Journal of Acupuncture-Moxibustion, 1996, 6(1):3-8.

    132. Vickers AJ. Can acupuncture have specific effects on health? A systematic review of acupuncture antiemesis trials. Journal of the Royal Society of Medicine, 1996, 89(6): 303-311.

    133. Wu HG et al. Preliminary study on therapeutic effects and immunologic mechanisms of herbal-moxibustion treatment of irritable bowel syndrome. Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1996, 16(2):43-45 [in Chinese].

    134. Wu HG et al. [Therapeutic effect of herbal partition-moxibustion for chronic diarrhoea and its immunological mechanism.] Journal of Traditional Chinese Medicine, 1995, 36(1):25-27 [in Chinese].

    135. Wang HH et al. A study in the effectiveness of acupuncture analgesia for colonoscopic examination compared with conventional premedication. American Journal of Acupuncture, 1992, 20:217-221.

    136. Wang HH et al. A clinical study on physiological response in electroacupuncture analgesia and meperidine analgesia for colonoscopy. American Journal of Chinese Medicine, 1997, 25(1):13-20.

    137. Diehl DL. Acupuncture for gastrointestinal and hepatobiliary disorders. Journal of Alternative and Complementary Medicine, 1999, 5(1):27-45.

    138. Zhao SD et al. [Electro-acupuncture and magnesium sulphate in treatment of cholelithiasis-clinical observations on 522 cases and preliminary consideration of features.] Chinese Medical Journal, 1979, 59(12):716 [in Chinese].

    139. Gong CM et al. [Clinical study on regulatory action of combination of body acupuncture with auricular acupuncture on gallbladder motor function.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1996, 16(1):1-3 [in Chinese].

    140. Chen B et al. [Clinical observation of moxibustion treatment of leukopenia caused by chemotherapy.] Guo Yi Lun Tan [Forum of Traditional Chinese Medicine], 1990, 5(6):27-28 [in Chinese].

    141. Chen HL et al. [Observation of the treatment of chemotherapy-induced leucocytopenia with acupuncture and moxibustion.] Chinese Journal of Integrated Traditional and Western Medicine, 1991, 11(6):350-352 [in Chinese].

    142. Wang X. [Effect of moxibustion in the treatment of chemotherapy-induced leukopenia.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1997, 17(1):13-14 [in Chinese].

    143. Yin ZF et al. [Therapeutic effect of acupuncture in the treatment of leucopenia induced by benzene.] Jiangsu Journal of Traditional Chinese Medicine, 1990, 11(9)404-405 [in Chinese].

    144. Yin ZF et al. Clinical approach to treatment of benzene-induced leucopenia with acupuncture. World Journal of Acupuncture-Moxibustion, 1992, 2(3):15-18.

    145. He LY et al. [Observation of therapeutic effect on 30 cases of puerperal retention of urine treated by acupuncture.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1983, 3(5):196 [in Chinese]

    146. Pan XW et al. [Application of acupuncture therapy in traumatic urinary retention.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1996, 16(11):596-597 [in Chinese].

    147. Aydin S et al. Acupuncture and hypnotic suggestions in the treatment of non-organic male sexual dysfunction. Scandinavian Journal of Urology and Nephrology, 1997, 31(3):271-274.

    148. Shui HD. [Acupuncture treatment of defective ejaculation.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1986, 6(1):19 [in Chinese].

    149. Luo YN et al. Clinical research on treatment of chronic prostatitis with acupuncture. World Journal of Acupuncture-Moxibustion, 1994, 4(3):7-14.

    150. Wang SY et al. [The effect of acupuncture in lowering the urethral pressure of female urethral syndrome patients.] Shanghai Journal of Acupuncture and Moxibustion, 1997, 16(2):4-6 [in Chinese].

    151. Zheng HT et al. [Acupuncture treatment of female urethral syndrome.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1997, 17(12):719-721 [in Chinese].

    152. Aune A et al. Acupuncture in the prophylaxis of recurrent lower urinary tract infection in adult women. Scandinavian Journal of Primary Health Care, 1998, 16(1):37-39.

    153. Helms JM. Acupuncture for the management of primary dysmenorrhea. Obstetrics and Gynecology, 1987, 69:51-56.

    154. Shi XL et al. [Acupuncture at SP 6 in the treatment of primary dysmenorrhoea.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1994, 14(5):241-242 [in Chinese].

    155. Li J et al. [Treatment of 108 cases of premenstrual tension by head-acupuncture.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1992, 12(3):245-246 [in Chinese].

    156. Yu J et al. [Relationship of hand temperature and blood b-endorphin immunoreactive substance with electroacupuncture induction of ovulation.] Acupuncture Research, 1986, 11(2):86-90 [in Chinese].

    157. Chen BY. Acupuncture normalized dysfunction of hypothalamic-pituitary-ovarian axis. Acupuncture and Electro-Therapeutics Research, 1997, 22:97-108.

    158. Ji P et al. [Clinical study on acupuncture treatment of infertility due to inflammatory obstruction of fallopian tube.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1996, 16(9):469-470 [in Chinese].

    159. Lin PC et al. [Observation of the effect of acupuncture and oxytocin intravenous perfusion for expediting labour.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1992, 12(6):281-283 [in Chinese].

    160. Ma WZ et al. [Clinical observation of the influence of puncturing different points on the whole stage of labour.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1995, 15(3):130-131 [in Chinese].

    161. Yu XZ et al. [Observation of hastening of parturition and induction of labour with acupuncture.] Chinese Journal of Integrated Traditional and Western Medicine, 1981, 1(1):12-15 [in Chinese].

    162. Dundee JW et al. PC 6 acupressure reduces morning sickness. Journal of the Royal Society of Medicine, 1988, 81(8):456-457.

    163. Fan YJ. Observation of the therapeutic effect of moxibustion for treatment of pregnant vomiting. World Journal of Acupuncture-Moxibustion, 1995, 5(4):31-33.

    164. Cardini F et al. Moxibustion for correction of breech presentation: a randomized controlled trial. Journal of the American Medical Association, 1998, 280(18):1580-1584.

    165. Li GR et al. [Correction of abnormal foetal position by moxibustion in 74 cases.] Journal of.Acupuncture-Moxibustion, 1990, 30(3):11 [in Chinese].

    166. Li Q. Clinical observation of correcting malposition of fetus by electro-acupuncture. Journal of Traditional Chinese Medicine, 1996, 16(4):260-262.

    167. Qin GF et al. [Correction of abnormal foetal position by ear point pressure-a report of 413 cases.] China Journal of Traditional Chinese Medicine, 1989, 30(6):350-352 [in Chinese].

    168. Hu XC et al. [The influence of acupuncture on blood prolactin level in women with deficient lactation.] Shanghai Journal of Traditional Chinese Medicine, 1958, (12):557-558 [in Chinese].

    169. Chandra A et al. [The influences of acupuncture on breast feeding production.] Cermin Dunia Kedokteran, 1995, (105):33-37 [in Indonesian].

    170. Guo JS. [Clinical observation of 150 cases of primary hypotension treated by vaccaria seeds pressed on ear points.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1992, 12(6):295-296 [in Chinese].

    171. Yu L et al. [Treatment of 180 cases of hypotension with G20 needling.] Shanghai Journal of Acupuncture and Moxibustion, 1998, 17(4):8 [in Chinese].

    172. Dan Y. [Assessment of acupuncture treatment of hypertension by ambulatory blood pressure monitoring.] Chinese Journal of Integrated Traditional and Western Medicine, 1998, 18(1):26-27 [in Chinese].

    173. Iurenev AP et al. [Use of various non-pharmacological methods in the treatment of patients in the early stages of arterial hypertension.] Terapevticheskii Arkhiv, 1988, 60(1):123-126 [in Russian].

    174. Wu CX et al. Scalp acupuncture in treating hypertension in the elderly. International Journal of Clinical Acupuncture, 1997, 8(3):281-284.

    175. Yu P et al. Clinical study on auricular pressure treatment of primary hypertension. International Journal of Clinical Acupuncture, 1991, 2(1):37-40.

    176. Zhou RX et al. [The hypotensive effect of ear acupressure-an analysis of 274 cases.] China Journal of Traditional Chinese Medicine, 1990, 30(2):99-100 [in Chinese]

    177. Cai QC et al. [The regulatory effects of acupuncture on blood pressure and serum nitrogen monoxide levels in patients with hypertension.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1998, 18(1):9-11 [in Chinese].

    178. Zhou YM. [Observation of the therapeutic effect of 30 cases of cardiac neurosis treated with acupuncture at renying.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1992, 12(2):30-32 [in Chinese].

    179. Ballegaard S. Acupuncture and the cardiovascular system: a scientific challenge. Acupuncture-Medicine, 1998, 16(1):2-9.

    180. Ballegaard S et al. Acupuncture in severe, stable angina pectoris: a randomized trial. Acta Medica Scandinavica, 1986, 220(4):307-313.

    181. Ballegaard S et al. Effects of acupuncture in moderate, stable angina pectoris: a controlled study. Journal of Internal Medicine, 1990, 227(1):25-30.

    182. Dai JY et al. [Clinical observation of ear acupuncture at point heart in the treatment of coronary heart disease.] Journal of Traditional Chinese Medicine, 1995, 36(11):664-665 [in Chinese].

    183. Cheng BA. [Clinical observation of ear acupressure treatment in 50 cases of angina pectoris.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1995, 15(2):74-75 [in Chinese].

    184. Mao XR et al. Effects of acupuncture on angina pectoris, ECG and blood lipids of patients with coronary heart disease. World Journal of Acupuncture-Moxibustion, 1993, 3(4):15-19.

    185. Zhou XQ et al. [Influence of acupuncture on the calibre of coronary artery in coronary heart disease.] Journal of the Hunan College of Traditional Chinese Medicine, 1990, 10(3):166-167 [in Chinese].

    186. Xue SM et al. Effects of acupuncture on the left ventricular diastolic function in patients with coronary heart disease. World Journal of Acupuncture-Moxibustion, 1992, 2(2):10.

    187. Ho FM et al. Effect of acupuncture at nei-kuan on left ventricular function in patients with coronary artery disease. American Journal of Chinese Medicine, 1999, 27(2):149-156.

    188. Hu NK et al. [Acupuncture at neiguan causes haemorrheological improvement in patients with coronary heart disease.] Zhong Xi Yi Jiehe Shiyong Linchuang Jijiu [Clinical Emergency by Integrated Chinese and Western Medicine], 1997, 4(5):206-207 [in Chinese].

    189. Hou DF et al. [Clinical observation of therapeutic effect of baihui (GV20)-yintang (EX-HN3) electro-acupuncture in 30 cases of post-apoplectic depression.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1996, 16(8):432-433 [in Chinese].

    190. Li CD et al. Treating post-stroke depression with “antidepressive” acupuncture therapy: A clinical study of 21 cases. International Journal of Clinical Acupuncture, 1994, 5(4):389-393.

    191. Luo HC et al. Electro-acupuncture vs amitriptyline in the treatment of depressive states. Journal of Traditional Chinese Medicine, 1985, 5(1):3-8.

    192. Luo HC et al. [Clinical observation of electro-acupuncture on 133 patients with depression in comparison with tricyclic amytriptyline.] Chinese Journal of Integrated Traditional and Western Medicine, 1988, 8(2):77-80 [in Chinese].

    193. Yang X. Clinical observation of needling extrameridian points in treating mental depression. Journal of Traditional Chinese Medicine, 1994, 14:14-18.

    194. Zhang B et al. A control study of clinical therapeutic effects of laser-acupuncture on depressive neurosis. World Journal of Acupuncture-Moxibustion, 1996, 6(2):12-17.

    195. Jia YK et al. [Treatment of schizophrenia with helium-neon laser irradiation at acupoints.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1986, 6(1):19-21 [in Chinese].

    196. Que YT et al. [Observation of 111 cases of competition stress syndrome treated with auriculo-pressure therapy.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1986, 6(2):57 [in Chinese].

    197. Wen HL et al. Treatment of drug addiction by acupuncture and electrical stimulation. Asian Journal of Medicine, 1993, 9:138-141.

    198. Culliton RD et al. Overview of substance abuse acupuncture treatment research. Journal of Alternative and Complementary Medicine, 1996, 2(1):149-159.

    199. Bullock ML et al. Auricular acupuncture in the treatment of cocaine abuse: a study of efficacy and dosing. Journal of Substance Abuse Treatment, 1999, 16(1):31-38.

    200. Cai Z et al. [Acupuncture treatment in the late stage of addiction abstinence.] Jiangsu Journal of Traditional Chinese Medicine, 1998, 19(12):35 [in Chinese].

    201. Margolin A et al. Acupuncture for the treatment of cocaine dependence in methadone-maintained patients. American Journal of Addiction, 1993, 2(3):194-201.

    202. Washburn AM et al. Acupuncture heroin detoxification: a single-blind clinical trial. Journal of Substance Abuse Treatment, 1993, 10:345-351.

    203. Clavel F et al. [A study of various smoking cessation programs based on close to 1000 volunteers recruited from the general population: 1-month results.] Revue Epidemiologique de Santé Publique, 1990, 38(2):133-138 [in French].

    204. Fang YA. [Clinical study on giving up smoking with acupuncture.] Shanghai Journal of Acupuncture and Moxibustion, 1983, 2(2):30-31 [in Chinese].

    205. He D et al. Effects of acupuncture on smoking cessation or reduction for motivated smokers. Preventive Medicine, 1997, 26(2):208-214.

    206. Waite NR et al. A single-blind, placebo-controlled trial of a simple acupuncture treatment in the cessation of smoking. British Journal off General Practice, 1998, 48(433):1487-1490.

    207. White AR et al. Randomized trial of acupuncture for nicotine withdrawal symptoms. Archives of Internal Medicine, 1998, 158(20):2251-2255.

    208. White AR et al. [Smoking cessation with acupuncture? A ‘best evidence synthesis’]. Forschende Komplimentarmedizin, 1997, 4(2):102-105 [in German].

    209. Bullock ML et al. Controlled trial of acupuncture for severe recidivist alcoholism. Lancet, 1990, 335:20-21.

    210. Bullock ML et al. Acupuncture treatment of alcoholic recidivism: a pilot study. American Journal of Acupuncture, 1987, 15(4):313-320.

    211. Bullock ML et al. Controlled trial of acupuncture for severe recidivist alcoholism. Lancet, 1989, 1:1435-1439.

    212. Thorer H et al. Acupuncture after alcohol consumption: a sham controlled assessment. Acupuncture-Medicine, 1996, 14(2):63-67.

    213. Li YQ et al. Swift needling of zusanli and changqiang in treating infantile diarrhea. International Journal of Clinical Acupuncture, 1997, 8(2):187-189.

    214. Yang ZW. [Treatment of 100 cases of infantile diarrhoea by acupuncture.] Shanghai Journal of Acupuncture and Moxibustion, 1998, 17(6):11. [in Chinese].

    215. He JX et al. [Therapeutic effect of acupuncture at LI 4 in the treatment of infantile convulsion due to high fever.] Zhong Xi Yi Jiehe Shiyong Linchuang Jijiu [Clinical Emergency by Integrated Chinese and Western Medicine], 1997, 4(8):360-361 [in Chinese].

    216. Jin MZ. [Acupuncture plus auricular acupressure treatment of 30 cases of Gilles de la Tourette’s syndrome.] Guangming Traditional Chinese Medicine, 1998, 78(5):23-24 [in Chinese].

    217. Tian LD et al. [Observation of therapeutic effects of 68 cases of Gilles de la Tourette’s syndrome in children treated with acupuncture.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1996, 16(9):483-484 [in Chinese].

    218. Wang CH et al. [Clinical study on acupuncture treatment of sudden deafness.] Acupuncture Research, 1998, 23(1):5-7 [in Chinese].

    219. Zhang ZF et al. [Clinical study on acupuncture treatment of acute attack of Ménière’s syndrome.] Shanghai Journal of Acupuncture and Moxibustion, 1983, 2(4):28 [in Chinese].

    220. Jin XQ et al. [Clinical observation of 35 cases of subjective tinnitus treated with acupuncture.] Zhejiang Journal of Traditional Chinese Medicine, 1998, 33(3):118 [in Chinese].

    221. Vilholm OJ et al. Effect of traditional Chinese acupuncture on severe tinnitus: a double-blind, placebo-controlled clinical investigation with open therapeutic control. British Journal of Audiology, 1998, 32(3):197-204.

    222. Mekhamer A et al. Experience with unexplained otalgia. Pain, 1987, (Suppl.):361.

    223. Lang BX et al. [Clinical observation of the therapeutic effect of ear acupuncture in treating simple epistaxis.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1995, 15(2):76-77 [in Chinese].

    224. Luan YH et al. [Clinical observation of 60 cases of chloasma treated with auricular acupuncture and acupressure.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1996, 16(9):485-486 [in Chinese].

    225. Chen BZ et al. Comparative observation of the curative effects of herpes zoster treated by type JI He-Ne laser and polyinosinic acid. World Journal of Acupuncture-Moxibustion, 1994, 4(2):29-31.

    226. Lunderberg T et al. Effect of acupuncture on experimentally induced itch. British Journal of Dermatology, 1987, 17:771-777.

    227. Huang BS et al. [Treatment of 60 cases of neurodermatitis with three-step seven-star needling therapy.] Journal of Guiyang Chinese Medical College, 1998, 20(2):35-36 [in Chinese].

    228. Li HQ et al. [Acupuncture treatment in 42 cases of acne vulgaris.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1998, 18(3):166 [in Chinese].

    229. Wang J et al. [Auriculo-acupuncture treatment of 32 cases of facial acne vulgaris.] Shanghai Journal of Acupuncture and Moxibustion, 1997, 16(3):25 [in Chinese].

    230. Dang W et al. [Clinical study on acupuncture treatment of pain caused by stomach cancer.] Journal of Traditional Chinese Medicine, 1995, 36(5):277-280 [in Chinese].

    231. Dan Y et al. [Clinical study on analgesic effect of acupuncture on carcinomatous pain.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1998, 18(1):17-18 [in Chinese].

    232. Chen GP et al. [Observation of therapeutic effects of acupuncture in 44 cases with gastrointestinal reaction induced by radiotherapy and chemotherapy.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1996, 16(7):359-360 [in Chinese].

    233. Dundee JW et al. Acupuncture to prevent cisplatin-associated vomiting. Lancet, 1987, 1:1083.

    234. Li H et al. Clinical study on acupuncture treatment of side reactions of radiotherapy and chemotherapy for malignant tumour. World Journal of Acupuncture-Moxibustion, 1998, 8(2):8-12.

    235. Liu A et al. [Clinical research on attenuating chemotherapeutic toxicity by acupoint stimulation therapy.] Shanghai Journal of Acupuncture and Moxibustion, 1998, 17(6):8-9 [in Chinese].

    236. Wang SZ et al. [Clinical study on acupuncture control of gastrointestinal reactions to chemotherapy.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1997, 17(1):17-18 [in Chinese].

    237. Xia YQ et al. [Acupuncture treatment of reactions due to radiotherapy in patients with malignant tumour.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1984, 4(6):6-8 [in Chinese].

    238. Richards D et al. Stimulation of auricular acupuncture points in weight loss. Australian Family Physician, 1998, 27(S2):S73-77.

    239. Wang H. Clinical analysis on treatment of 40 cases of hyperlipemia with point-injection of radix salviae miltiorrhizae injection. World Journal of Acupuncture-Moxibustion, 1998, 8(4):20-22.

    240. Kang SY et al. [Clinical investigation of the treatment of diabetes mellitus with timing acupuncture.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1995, 15(1):6-8 [in Chinese].

    241. Latief R. The effect of san yin ciao point on hyperglycemia of non-insulin-dependent diabetes mellitus. Cermin Dumia Kedokteran, 1987, (44):20-23 [in Indonesian].

    242. Xiong DZ et al. [Observation of the therapeutic effect of acupuncture in the treatment of drug-induced sialorrhea.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1993, 13(3):137-138 [in Chinese].

    243. List T et al. The effect of acupuncture in the treatment of patients with primary Sjögren’s syndrome: a controlled study. Acta Odontologica Scandinavica, 1998, 56(2):95-99.

    244. Appiah R et al. Treatment of primary Raynaud’s syndrome with traditional Chinese acupuncture. Journal of Internal Medicine, 1997, 241(2):119-124.

    245. Ma RH et al. [Clinical observation of acupuncture treatment in polycystic ovary syndrome.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1996, 16(11):602-623 [in Chinese].

    246. Yang XT. [Observation of 108 cases of Tietze’s syndrome treated with short needling plus cupping.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1997, 17(7):435-436 [in Chinese].

    247. Wolkenstein E, Horak F. A statistical evaluation of the protective effect of acupuncture against allergen-provoked rhinitis. Deutsche Zeitschrift für Akupunktur, 1993, 36(6):132-137.

    248. Biernacki W et al. Acupuncture in treatment of stable asthma. Respiratory Medicine, 1998, 92(9):1143-1145.

    249. Ding ZS. [Observation of therapeutic effect of 120 cases of bulbar paralysis treated with acupuncture.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1996, 16(3):128-129 [in Chinese].

    250. Cai ZM. [The effect of acupuncture and auricular acupressure on colour discrimination.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1998, 18(9):521-522 [in Chinese].

    251. Ma RZ et al. Clinical observation and study of mechanisms of acupuncture treatment of coronary heart disease. World Journal of Acupuncture-Moxibustion, 1997, 7(1):3-8.

    252. Ding J et al. Comparative observation of curative effects of postoperative symptoms of the closed craniocerebral injury treated by acupuncture. World Journal of Acupuncture-Moxibustion, 1997, 7(3):26-28.

    253. Clavel F et al. Helping people to stop smoking: randomized comparison of groups being treated with acupuncture and nicotine gum with control group. British Medical Journal, 1985, 291:1538-1539.

    254. Luo H et al. Clinical research on the therapeutic effect of the electroacupuncture treatment in patients with depression. Psychiatry and Clinical Neurosciences, 1998, 52 (Suppl.): S338-S340.

    255. Liu ZS et al. [Clinical study on acupuncture treatment of dysphagia in pseudobulbar paralysis.] New Traditional Chinese Medicine, 1998, 30(3):24-25. [in Chinese].

    256. Ma RH et al. [Clinical observation of 56 cases of hypo-ovarianism treated with acupuncture.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1997, 17(7):395-396 [in Chinese].

    257. Tian LT et al. [Clinical observation of 100 children of hypophrenia treated mainly with acupuncture.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1996, 16(6):292-293 [in Chinese].

    258. De Aloysio D, Penacchioni P. Morning sickness control in early pregnancy by eiguan point acupressure. Obstetrics and Gynecology, 1992 80(5): 852-854.

    259. Bayreuther J, Lewith GT, Pickering R. A double-blind cross-over study to evaluate the effectiveness of acupressure at pericardium 6 (P6) in the treatment of early morning sickness (EMS). Complementary Therapies in Medicine, 1994, 2:70-76.

    260. Dundee JW et al. Traditional Chinese acupuncture: a potentially useful antiemetic? British Medical Journal, 1986, 293:383-384.

    261. Ghaly RG et al. A comparison of manual needling with electrical stimulation and commonly used antiemetics. Anaesthesia, 1987, 45:1108-1110.

    262. Weightman WM et al. Traditional Chinese acupuncture as an antiemetic. British Medical Journal, 1987, 295(6610):1379-1380.

    263. Dundee JW et al. Acupuncture prophylaxis of cancer chemotherapy-induced sickness. Journal of the Royal Society of Medicine, 1989, 82:268-271.

    264. Barsoum G et al. Postoperative nausea is relieved by acupressure. Journal of the Royal Society of Medicine, 1990, 83(2):86-89.

    265. Ho RT et al. Electro-acupuncture and postoperative emesis. Anaesthesia, 1990, 45:327-329.

    266. Ho CM et al. Effect of PC 6 acupressure on prevention of nausea and vomiting after epidural morphine for post-cesarean section pain relief. Acta Anaesthesiologica Scandinavica, 1996, 40(3):372-375.

    267. Andrzejowski J et al. Semi-permanent acupuncture needles in the prevention of postoperative nausea and vomiting. Acupuncture-Medicine, 1996, 14(2):68-70.

    268. McConaghy P et al. Acupuncture in the management of postoperative nausea and vomiting in patients receiving morphine via a patient-controlled analgesia system. Acupuncture-Medicine, 1996, 14(1):2-5.

    269. Schwager KL et al. Acupuncture and postoperative vomiting in day-stay paediatric patients. Anaesthesia and Intensive Care, 1996, 24(6):674-677.

    270. Liu SX et al. Magnetotherapy of neiguan in preventing vomiting induced by cisplatin. International Journal of Clinical Acupuncture, 1997, 8(1):39-41.

    271 Al-Sadi M et al. Acupuncture in the prevention of postoperative nausea and vomiting. Anaesthesia, 1997, 52(7):658-661.

    272. Stein DJ et al. Acupressure versus intravenous metoclopramide to prevent nausea and vomiting during spinal anesthesia for cesarean section. Anesthesia and Analgesia, 1997, 84(2):342-345.

    273. Schlager A et al. Laser stimulation of acupuncture point P6 reduces postoperative vomiting in children undergoing strabismus surgery. British Journal of Anaesthesia, 1998, 8(4):529-532.

    274. Chu YC et al. Effect of BL10 (tianzhu), BL11 (dazhu) and GB34 (yanglingquan) acuplaster for prevention of vomiting after strabismus surgery in children. Acta Anaesthesiologica Sinica, 1998, 36(1):11-16.

    275. Alkaissi A et al. Effect and placebo effect of acupressure (P6) on nausea and vomiting after outpatient gynaecological surgery. Acta Anaesthesiologica Scandinavica, 1999, 43(3):270-274.

    276. Shenkman Z et al. Acupressure-acupuncture antiemetic prophylaxis in children undergoing tonsillectomy. Anesthesiology, 1999, 90(5):1311-1316.

    277. Cheng PT et al. A therapeutic trial of acupuncture in neurogenic bladder of spinal cord injured patients-a preliminary report. Spinal Cord, 1998, 36(7):476-480.

    278. Felhendler D et al. Pressure on acupoints decreases postoperative pain. Clinical Journal of Pain, 1996, 12(4):326-329.

    279. Zou M et al. [Observation of therapeutic effects of combined treatment of ginger moxibustion and acupoint-injection in 30 cases of chronic pulmonary heart disease.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1998, 18(7):389-390 [in Chinese].

    280. Kho KH. The impact of acupuncture on pain in patients with reflex sympathetic dystrophy. Pain-Clinic, 1995, 8(1):59-61.

    281. Yu DF et al. [Acupuncture treatment in 86 cases of central serous retinopathy.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1997, 17(5):273-274 [in Chinese].

    282. Zhang B et al. [Controlled study of clinical effect of computer controlled electro-acupuncture in the treatment of schizophrenia.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1994, 14(1):17-20 [in Chinese].

    283. Yu CQ et al. [Treatment of simple obesity in children with photo-acupuncture.] Chinese Journal of Integrated Traditional and Western Medicine, 1998, 18(6):348-350 [in Chinese].

    284. Chen Y et al. Observation of the time-effect of acupuncture in improving small airway function. World Journal of Acupuncture-Moxibustion, 1997, 7(2):26-28.

    285. Santiesteban AJ. Comparison of electro-acupuncture and selected physical therapy for acute spine pain. American Journal of Acupuncture, 1984, 12(3):257-261.

    286. Wu QF. 100 cases of stiff neck treated by contralateral acupuncture. International Journal of Clinical Acupuncture, 1997, 8(4):427-429.

    287. Zou XC et al. [Comparative study of cerebral infarction with acupuncture on six acupoints of yang meridian and calan tablets.] Chinese Journal of Integrated Traditional and Western Medicine, 1990, 10(4):199-202 [in Chinese].

    288. Raustia AM et al. Acupuncture compared with stomatognathic treatment for temporomandibular joint dysfunction. Journal of Prosthetic Dentistry, 1986, 56(5):616-623.

    289. Ma S et al. [Observation of combined acupuncture and moxibustion treatment of 60 cases of ulcerative colitis.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1997, 17(5):275-276 [in Chinese].

    290. Lai XS. [Therapeutic effect of acupuncture in the treatment of senile vascular dementia.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1997, 17(4):201-202 [in Chinese].

    291. Liu J et al. [Clinical study on treatment of vascular dementia by electroacupuncture of scalp acupoints.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1998, 18(4):197-200 [in Chinese].

    292. Jiang GH et al. [Controlled observation of electro-acupuncture treatment of vascular dementia.] Bulletin of Gaungzhou Traditional Chinese Medicine University, 1998, 15(2):110-112 [in Chinese].

    293. Wang LQ. [A comparative study on acupuncture treatment of viral encephalitis in children.] Chinese Acupuncture and Moxibustion, 1998, 18(7):397-398 [in Chinese].

    ResponderEliminar
  37. Nada melhor que o Senhor da "Treta da Semana: Acupunctura" - ver para querer ...

    e experimentar ...

    ... se bem não lhe faz, mal também não!

    já agora, acrescento que, a acupunctura é apenas uma pequena parte da Mediciona tradicional chinesa, da qual fazem parte a Fitoterapia, a massagem Tuina, o Tai-chi, moxibustão,...
    Modo geral, a acupunctura é complemento de um tratamento de M.T.C., ou seja é prescrito em conjunto com outras técnicas de terapia.
    Como sabe a M.T.C. tem cerca de 4000 anos e é utilizada por uma grande parte da população mundial.

    fica a sugestão

    Ana

    ResponderEliminar
  38. "Quem avalia o sucesso da «terapia» veterinária e decide se volta a pagar uma consulta dessas é o dono, não o animal. E o dono vê as melhorias de acordo com as suas expectativas."

    Bom... Uma cadela (não me recordo o nome) do Paulo, meu amigo, perdeu a mobilidade das patas posteriores por causa de uma hérnia discal. Foi-lhe feita uma intervenção cirúrgica para remoção da hérnia. Seguiu-se a fisiotersapia. Mas a mobilidade continuou nula. Só andava com a patas dianteiras, arrastava as de trás. O Paulo, que já conhecia a acupunctura por tratamentos feitos em cavalos seus, quis ver se se conseguia melhorar a condição da sua cadela por essa via. Após um mês de tratamentos bi-semanais, a cadela já corria...

    Melhor, não a cadela não corria, era o dono que, pelas suas "expectactivas", conseguia ver a cadela a correr, apesar de na realidade, ela não estar a correr.

    Ou o caso de uma paciente que acompanhei no First Hospital em Nanjing, China, que padecia de afasia e cujo único tratamento que rerebeu foi ...acupunctura (Oh, não!!) e que, à frente dos meus olhos "expectantes" melhorava de dia pars dia... não, não, na realidade ela não melhorou, eu é que via melhorias onde elas não existiam, pois a minha expectactiva e a minha grande fé no Grande Espírito da Agulha Prateada é que me fizeram ver a mulher a falar...

    Ah, e o que dizer das dezenas de bebés que vi diariamente a serem tratados no First Afiliate Hospital ainda em Nanjing, de tosse, diarreia, blablabla, etc... e que pelo poder da expectactiva dos pais e da médica com quem eu estagiava, sei lá, melhoravam...

    O exército de médicos (de MTC) do sistema nacional de Saúde da China tiveram que ter um mínimo de 7 anos em Universidade Estatais para conseguirem serem Srs. Drs. em Expectatologia das agulhas...

    rísivel...

    ResponderEliminar
  39. "« Os pontos de Acupunctura são locais de poucos milímetros quadrados, ao longo dos meridianos, que através de determinada técnica de punctura podem influenciar o fluxo de energia no organismo, de acordo com o efeito terapêutico pretendido, resultado do diagnóstico energético.»

    E isto é uma grande treta."


    "Hoje em dia sabemos mais acerca do funcionamento do corpo, sobre o que causa doenças e sobre a concepção e teste de terapias.

    Meu amigo, se porventura você estudasse fisiologia, talvez percebesse, (com daqui por uns anos, que aquilo que nós já sabemos sobre o corpo humano não é assim tanto e está ainda em franca expansão...(e o mais certo é que assim esteja por muito tempo). É muito fácil tirar conclusões a partir do que investiga na internet. Mas não é na internet que a ciência realmente cresce.

    "E não há qualquer razão para julgar que «as perturbações patológicas são energéticas»"

    Porquê? Se E=mc^2 como é que não são energéticas? Com tanta electricidade a pulsar nos nossos sistemas nervosos, com tanto ferro presente em cada molécula de hemoglobina, como é que nós (e os animais e plantas) não somos uns belos electroímans? Se até um ser unicelular apresenta uma polaridade electromagnética com orientação espacial...

    Chi (Qi) não é mitologia... é linguagem; electromagnético não é uma realidade; é uma palavra decorrente da linguagem até então utilizada pelos humanos (que estudavam esses fenómenos) que tenta descrever o que já até agora foi compreendido do fenómeno electromagnético.

    Qi foi a palavra escolhida pelos chineses para designar um fenómeno . E até agora a palavra ocidental que melhor consegue descrever esse fenómeno é a nossa "energia" (que para os gregos queria dizer movimento).

    ResponderEliminar
  40. Acho fantástico que se questione. Tudo. Que se refaça o que carece de ser refeito. Que se desfaça o que existe sem sentido. Que se descubra o que ainda ninguém descobriu.

    Mas a atitude de criticar cegamente nasce da frustação... e isso não é saúde... é patologia do ser que critica.


    "«Vejo que parte do princípio de que não existe fundamentação científica para a utilização das agulhas enquanto método terapéutico.»

    Sim, essa é a posição por omissão. Enquanto não for demonstrada tal fundamentação, não há."

    A maioria dos académicos actuais, ocidentais, orientais, meridionais e setentrionais concorda consigo.

    Os chineses antigos tinham outra atitude em relação à ciência: Se um fenómeno acontece ou, no mínimo, parece acontecer perante os meus olhos, e se esse fenómeno puder ser utilizado de forma útil para mim e/ou para outros, então eu vou tentar utilizá-lo, independentemente de eu saber ou não saber como e porquê é que ele acontece.

    Perdão se lhe parecer confuso... contudo parece-me ser a atitude mais inteligente.

    "E tanto quanto sei as agulhas não passaram os testes rigorosos que se impõe a antibióticos, vacinas, e outras terapias."

    Impõem-se sim, mas pena que eles respondam a ditames comerciais...

    ResponderEliminar
  41. Druir,

    «Melhor, não a cadela não corria, era o dono que, pelas suas "expectactivas", conseguia ver a cadela a correr, apesar de na realidade, ela não estar a correr.»

    A espectativa não fez a cadela correr. Fez o dono inferir que a causa da melhoria foi a acupunctura e não os outros tratamentos que fez antes. Não será que essas semanas era o tempo necessário para terminar a recuperação? Será que só com a acupunctura tinha curado a hernia?

    ResponderEliminar
  42. Druir,

    «aquilo que nós já sabemos sobre o corpo humano não é assim tanto»

    Seja como for, a ignorância não justifica inventar meridianos e coisas desse género. Se não se sabe, não se sabe, e tanto quanto sabemos essas coisas dos meridianos energéticos são treta.

    ResponderEliminar
  43. Druir,

    «Os chineses antigos tinham outra atitude em relação à ciência: Se um fenómeno acontece ou, no mínimo, parece acontecer perante os meus olhos, e se esse fenómeno puder ser utilizado de forma útil para mim e/ou para outros, então eu vou tentar utilizá-lo, independentemente de eu saber ou não saber como e porquê é que ele acontece.»

    Compare então a esperança média de vida na China antiga com a esperança média de vida na Europa de hoje e verá a diferença entre esse "parece que funciona" e testar as coisas como deve ser...

    ResponderEliminar
  44. Como as suas palavras o traem! Pelo que li, não se preocupa em pesquisar, inferindo semelhanças não comprovadas através do que lê!
    Ora, esse pensamento analógico foi a corrente utilizada em MTC, inferindo semelhanças não comprovadas através de semelhanças já comprovadas. O dito micro-cosmos no macro-cosmos.
    Já ouviu falar de Fernão Mendes Pinto e as suas crónicas de viagem. Leia um pouco, e vai perceber os relatos da experança média de vida atingida pelos chineses por essa altura. Os portugueses morriam com 40 anos, e já havia chineses centenários! As suas palavras.
    O que me diz a efeitos paradoxais não descritos e experienciados a drogas experimentadas e autorizadas?!
    O que me diz de países sub-desenvolvidos como a França terem Acupunctura no seu Serviço Nacional de Saúde (o seu equivalente)?
    Espero sinceramente que encontre sempre resposta na fundamentação científica (na oncologia, como percebeu da análise do sociólogo com quem se picou (lá está a acupunctura humoral), e recebeu fundamentação científica como resposta). Sabe que também se morre disso? Da inacção e da falta de horizontes. Se não sei onde hei-de recorrer...

    ResponderEliminar
  45. Caro anónimo,

    Está a sugerir que a MTC é responsável pelo aumento da esperança média de vida? Isso é inconsistente com os dados que temos. Por exemplo aqui.

    Note que a esperança média de vida não pode ser correctamente avaliada pelos relatos de marinheiros que dizem ter encontrado anciões centenários. Primeiro pela dificuldade de averiguar a idade dos alegados anciões. E segundo porque a esperança média de vida inclui factores como mortalidade infantil e probabilidade de morrer de doença em adulto e não se mede pelo longevidade máxima. Essa tem-se mantido muito mais constante ao longo da história, porque mesmo sem cuidados médicos há quem consiga chegar a muito velho.

    A questão fundamental é saber quantos o conseguem, e nisso a MTC não parece ter ajudado nada. Ao contrário da medicina propriamente dita, que duplicou a esperança média de vida em pouco mais de um século.

    ResponderEliminar
  46. "Não será que essas semanas era o tempo necessário para terminar a recuperação? Será que só com a acupunctura tinha curado a hernia?"

    Pergunte ao dono, pergunte ao veterinário que o acompanhou e que fez a cirurgia, pergunte ao fisioterapeuta e em última instância, pergunte à cadela.

    Não será que você fala demasiado de cor? O que é que você pretende? Salvar a humanidade daquilo que você entende ser treta? Engraçado, era isso que fazia a Inquisição...

    O que é que você precisa de para saber que a acupunctura JÁ ESTÁ provada? Um beliscão? Um update do seu software?

    "Seja como for, a ignorância não justifica inventar meridianos e coisas desse género. Se não se sabe, não se sabe, e tanto quanto sabemos essas coisas dos meridianos energéticos são treta."

    Porquê? Porque você diz?
    "e tanto quanto sabemos ..."
    Isto de falar no plural é para grupos de indivíduos, coisa que nenhum de nós é.

    Colar a palavra treta ao seu discurso num comentário que apenas responde a uma pequena parte dos comentários por mim (e por outros deixados) é realmente muito fácil, principalmente se feitos atrás da cortina fria do seu laptop.

    Não se inventou nada senão os conceitos e as palavras que descreviam os fenómenos observados. Que é o que sempre se fez no campo da aventura humana do conhecimento, independentemente do paradigma de pensamento dominante.

    E o que é que você pretende demonstrar com a introdução do factor "esperança de vida"? Que a acupunctura, ou melhor, a MTC deveria tornar o povo chinês mais longevo? Bom, em primeiro lugar, a comparação, a ser feita entre a China e a Europa, seria no mesmo período e não entre a "China antiga" (termo muito vago) e a Europa do sec. XX. Em segundo lugar, mesmo feita, como é que esse factor poderia ser suficiente para justificar a eficiência de um sistema médico? Assim é fácil argumentar...

    ResponderEliminar
  47. Druir,

    «Pergunte ao dono, pergunte ao veterinário que o acompanhou e que fez a cirurgia, pergunte ao fisioterapeuta e em última instância, pergunte à cadela.»

    Recolher opiniões acerca de um acontecimento é pouco instrutivo. O mais importante era comparar 50 cães operados a hérnias que não tinham sido tratados com acupunctura com 50 cães nas mesmas condições que tinham sido tratados com acupunctura. É assim que se testam essas coisas.

    «E o que é que você pretende demonstrar com a introdução do factor "esperança de vida"?»

    Uma medida quantitativa, fiável e representativa da qualidade da medicina praticada.

    ResponderEliminar
  48. Chi e Xue a parte, já ouvistes falar em "Acupuntura Médica Contemporânea"? Seria a forma ocidental de explicar o funcionamento da acupuntura, através de mecanismos de estímulo endógeno e neurotransmissão, utilizando-se dermátomos, miótomos e esclerótomos para a prática de agulhamento, por vezes utilizando estímulo elétrico para intensificação do efeito. No que tange ao sistema musculo-esquelético, muitos pontos tradicionais de acupuntura, não por acaso, se relacionam a pontos gatilhos das cadeias musculares. E mesmo as patologias viscerais sofrem influência por estímulo neuro-endócrino em esclerótomos específicos. Então, seja qual for a explicação, é fato que em muitas situações a acupuntura funciona, o que tem sido demonstrada em vários estudos e meta-análises (me refiro àqueles com N significativo). Mas claro que não utilizaria acupuntura como unica forma de prática médica, pois não sou nenhum radicalista. Não me atreveria, por exemplo, a tratar uma pneumonia com acupuntura apenas. Já asma, obtém-se bons resultados. Cada prática tem seu lugar e valor. O que norteia é o bom senso.

    ResponderEliminar
  49. ENA ENA... SIM SENHOR!
    TODOS CULTOS ...PARECEM VERDADEIROS HOMENS A FALAR...
    AINDA N~~AO ESTAO CANSADOS DE VER OS DITOS MEDICOS A NAO CONSEGUIREM TRATAR NINGUEM VERDADEIRAMENTE?
    E SE A ACUPUNTURA NAO FUNCIONA REALMENTE, O QUE FAZEM MEDICOS DE MEDICINA CONVENCIONAL NAS AULAS DAS UNIVERSIDADES DE MTC ESPALHADAS PELO PAÍS ? HIPOCRISIA?
    PIOR DO QUE ISSO É O VERDADEIRO ATENTADO À PROPRIEDADE INTELECTUAL QUE ESSAS NOMEADAS ASSOCIACOES MEDICAS DE ACUPUNTURA QUE À LUZ DE UM INTERESSE HIPOCRITA E MESQUINHO APROPRIAM-SE DO CONHECIMENTO ALHEIO PARA SE AUTOPROMOVEREM E SOB A CAPA DA "CIENCIA" ABSORVEM A TERAPIA DESPOJANDO-A DO SEU REAL VALOR.
    AFINAL DE CONTAS QUEM É A TRETA DA SEMANA?
    P.S: PARA MIM PESSOALMENTE DEVES SER TU E ESTE BLOG.NUNCA SABES NADA E JULGAS QUE OPINAS SOBRE TUDO. ÉS UMA PÁLIDA IDEIA DE TI PRÓPRIO.

    ResponderEliminar
  50. Caro Adiemus,

    «AINDA N~~AO ESTAO CANSADOS DE VER OS DITOS MEDICOS A NAO CONSEGUIREM TRATAR NINGUEM VERDADEIRAMENTE?»

    Não sei onde é que o Adiemus vive, mas por cá os médicos até tratam bem. Um dos meus filhos teve uma pneumonia grave, e tratou-se graças aos antibióticos e aos médicos. Eu também já fui tratado várias vezes por médicos.

    Não conheço é ninguém que se tenha safo de uma infecção, curado de um fractura ou sido vacinado contra doenças graves com a acupunctura...

    Ah, já agora, experimente espetar umas agulhinhas no teclado a ver se cura o caps lock...

    ResponderEliminar
  51. John Chang shows the power of chi: http://www.youtube.com/watch?v=vQZg_DqkIWo

    ResponderEliminar

Se quiser filtrar algum ou alguns comentadores consulte este post.