segunda-feira, abril 21, 2008

Mitos, erros e evolução

A New Scientist tem uma série porreira de artigos sobre mal-entendidos acerca da teoria da evolução e alguns mitos criacionistas:

Evolution: 24 myths and misconceptions

Via Sandwalk

22 comentários:

  1. Viva LK :)

    Aqui fica uma "excelente" reportagem da RTP sobre ... Terapia Quântica ...

    http://ww1.rtp.pt/noticias/index.php?headline=98&visual=25&article=337021&tema=37&pagina=8&palavra=&ver=1

    (Sorry, não está directamente relacionado com este post ...)

    ResponderEliminar
  2. muito sem etica nao tem nada aver com evolucionismo

    ResponderEliminar
  3. Caro autor do "Que Treta"! Diz VExcia que o seu blogue é o espaço onde despeja aquilo que o chateia. Devido a isso, está perdoado. Mas seria melhor suicidar-se tal o número de chatices de que se queixa.
    É óbvio que é um crente das suas próprias crenças, nomeadamente aquela que o leva a insistir em parecer um cronista multifacetado, dissertando sobre tudo o que há no Universo conhecido e desconhecido.
    Vem tudo isto a propósito da capacidade de argumentação e dispersão que VExcia demonstra falando de tudo e mais alguma coisa, muito para lá da sua especialidade e dos seus saberes. Está no direito de o fazer, é claro. Tal como está no direito de se tornar ridículo.
    Ora, como seu colega de especialidade, permita-me o desabafo: dispense-se de ser o cronista social do tipo que frequenta "As tardes da Júlia" ou quejandos e ganhar-se-ia um cientista mais atento à sua própria função.

    ResponderEliminar
  4. Anónimo,

    «Caro autor do "Que Treta"! Diz VExcia que o seu blogue é o espaço onde despeja aquilo que o chateia. Devido a isso, está perdoado. Mas seria melhor suicidar-se tal o número de chatices de que se queixa.»

    Dispenso o seu perdão. Mal estaríamos se criticar ou desabafar fosse pecado. E lamento quem considere suicidar-se só por ter algo de que se queixar...

    «É óbvio que é um crente das suas próprias crenças,»

    Antes isso que crente das crenças dos outros. Mas admito. Quando olho para o relógio acredito que me diz a hora certa, e quando vejo que discorda dos outros acredito que o devo acertar.

    «Ora, como seu colega de especialidade, permita-me o desabafo: dispense-se de ser o cronista social do tipo que frequenta "As tardes da Júlia" ou quejandos e ganhar-se-ia um cientista mais atento à sua própria função.»

    Desabafe à vontade. E anonimamente para não ter que dar a cara ao desabafo.

    Mas um cientista que não considera a sociedade que o rodeia pode ser mais atento a umas coisas mas estará menos atento a outras. E que coisas merecem a nossa atenção penso que ainda compete a cada um decidir por si.

    Por isso, a menos que o meu estimado colega de especialidade tenha alguma queixa fundamentada acerca do meu desempenho profissional ou alguma razão legítima para se pronuciar acerca do uso que dou ao meu tempo livre, sugiro que não se incomode com as sugestões nem se preocupe com a minha vida para não perder tempo a desabafar. Poderá assim dar mais atenção à nossa especialidade e, quem sabe, colmatar dessa forma os meus defeitos.

    ResponderEliminar
  5. Ludwig

    Não te queixes muito: ao menos o teu anónimo insulta-te clara, objectivamente e com pontuação. O(s) meu(s) nem isso! Claro que cada qual tem os anónimos que merece!

    ResponderEliminar
  6. As especialidades deste «colega da especialidade» são óbvias e muito portuguesas: cobardia e inveja. Mas que g'anda dor de co...tovelo
    Cristy

    ResponderEliminar
  7. Do link:
    "It will soon be 200 years since the birth of Charles Darwin and 150 years since the publication of On the Origin of Species, arguably the most important book ever written."

    O livro mais importante alguma vez escrito?!
    Importante em que aspecto? Não pode ser científico, porque muitas das coisas que o Tio Darwin disse foram refutadas pela ciência.
    Só pode ser importante para certas pesssoas com uma certa predisposição filosófica (naturalismo/ateísmo/materialismo).

    Mats

    ResponderEliminar
  8. Mats:

    Não consigo comentar no teu blogue. Aconteceu alguyma coisa?

    ResponderEliminar
  9. Mats,

    'arguably' diz-te alguma coisa? Há quem ache que sim, há quem ache que não.

    O facto de o Darwin não ter acertado nos detalhes, não implica que as conclusões a que chegou não são extremamente importantes.

    O que se pensava sobre os átomos (nomeadamente a parte de serem atómicos, indivisíveis) também já foi refutado há muito, e não implica que a Física Atómica seja uma treta.

    João, isso é que é perseguição, hein?

    Se calhar o Mats tem medo dos teus comentários, e simplesmente censurou-os... É mais ou menos o que a China tenta fazer da Net: há partes da Net que não lhe agradam, portanto são filtradas. Tu és para o Mats, o que a Liberdade é para a China -- um conceito perigoso.

    Ricardo Silva

    ResponderEliminar
  10. Mats,

    «Importante em que aspecto?»

    A Origem das Espécies foi muito importante para a ciência, principalmente, porque mostrou as espécies como grupos de populações e libertou a biologia da ideia de espécie como uma forma ou arquétipo fixo. Isto foi fundamental para o que se seguiu.

    Foi também importante por explicar o mecanismo pelo qual as populações evoluem, mas o fundamental aí foi mostrar que a natureza, sem plano ou inteligência, pode fazer aquilo que os agricultores e criadores de gado já faziam há muito tempo. Seleccionar umas variantes em detrimento de outras.

    Para a religião Cristã foi um livro muito importante porque destronou a teologia como raínha das ciências. O reinado já estava tremido, mas Darwin deu-lhe um golpe forte do qual nunca se recuperou. E com o acumular das evidências que as explicações naturalistas são superiores às ideologias religiosas a separação entre fé e ciência foi aumentando até ao abismo de hoje.

    Não digo que seja o livro mais importante de sempre. E se não fosse Darwin a escrever este tinha sido Wallace a escrever outro, ou Huxley mais tarde. Era inevitável que se descobrisse isto.

    Mas, como as coisas correram, Darwin foi um ponto fulcral na sequência de acontecimentos que levou os criacionistas hoje em dia a fazer a figura que fazem :)

    ResponderEliminar
  11. Ludwig,
    A Origem das Espécies foi muito importante para a ciência,

    Com é que isso é possivel, se há cientistas que dizem não necessitar das filosofias de Darwin no seu dia a dia? Estamos a falar da mesma "ciência"?

    principalmente, porque mostrou as espécies como grupos de populações e libertou a biologia da ideia de espécie como uma forma ou arquétipo fixo.

    Curiosamente, a crença de arquétipo, se não me engano, foi ideia de Carl Lineus, o fundador da taxonomia. O seu "Sistema Naturae" é, sim, um importante marco para o avanço da sistematização da ciência.
    O Dr Michael Denton no seu livro "Evolution: A Theory in Crisis" diz que as descobertas científicas feitas desde Lineus têm confirmado a sua sistematização, e refutado Darwin.
    Simplificando, os dados empíricos confirmam a noção de arquétipo, e refutam a crença num fuil natural das formas de vida de uma forma para outra totalmente destinta.

    Ludwig, os evolucionistas mais actualizados já não tentam atacar a noção de arquétipo: eles tentam desesperadamente incluir no darwinismo o "Sitema Naturae" de Lineus.

    Foi também importante por explicar o mecanismo pelo qual as populações evoluem,


    hmmm... cheira-me a pensamento circular no meio disto tudo.

    mas o fundamental aí foi mostrar que a natureza, sem plano ou inteligência, pode fazer aquilo que os agricultores e criadores de gado já faziam há muito tempo.

    Mas não há evidências que a natureza, "sem plano e sem inteligência", consegue fazer aquilo que seres inteligentes conseguem fazer.

    Seleccionar umas variantes em detrimento de outras.


    Interessante. Deixa-me fazer-te uma pergunta:
    * Os agricultores escolhem, selecionam, e excluim os traços que não querem. No fim, há alguma coisa nova criada, ou há apenas o predomínio daquilo que foi escolhido DENTRO DAQUILO QUE JÁ EXISTIA ?
    Impressionante como os darwinistas não se apercebem da falaciosidade da sua arguementação.

    Para a religião Cristã foi um livro muito importante porque destronou a teologia como raínha das ciências.

    A "descoberta" de que as formas de vida criaram-se a si próprias "destronou" a Teologia como a rainha das ciências?

    O reinado já estava tremido, mas Darwin deu-lhe um golpe forte do qual nunca se recuperou.

    Se isso fosse verdade, não haveria uma crescente onda anti-darwinista no meio dis circulos cristãos, e mesmo dentro dos circulos científicos. Parece-me que nos encontramso no ocaso de Darwin, finalmente.


    E com o acumular das evidências que as explicações naturalistas são superiores às ideologias religiosas a separação entre fé e ciência foi aumentando até ao abismo de hoje.


    No entanto, não há evidência nenhuma que as "explicaçõs naturalistas" são "superiores" no que toca à origem das espécies. As múltiplas, e muitas vezes, contraditórias explicações naturalistas sobre a origem das formas de vida são uma espada que paira sobre o naturalismo.


    Não digo que seja o livro mais importante de sempre.


    Ainda bem que não dizes, porque isso é demonstradamente falso.

    E se não fosse Darwin a escrever este tinha sido Wallace a escrever outro, ou Huxley mais tarde. Era inevitável que se descobrisse isto.


    Sim, era inevitável que os ateus, mais cedo ou mais tarde, fossem contra a realidade dos factos, e começassem a dizer que as formas de vida criaram-se a si próprias, coisa que vai contra os dados empíricos.


    Mas, como as coisas correram, Darwin foi um ponto fulcral na sequência de acontecimentos que levou os criacionistas hoje em dia a fazer a figura que fazem :)


    Infelizmente, não são só os criacionistas que "fazem a figura que fazem" ao apontarem para os inúmeros problemas que a teoria do Tio Darwin enfrenta.

    Mats

    ResponderEliminar
  12. ...o fundamental aí foi mostrar que a natureza, sem plano ou inteligência, pode fazer aquilo que os agricultores e criadores de gado já faziam há muito tempo. Seleccionar umas variantes em detrimento de outras.


    A divinização da "mítica" natureza, ou a physis pré-socrática, ainda que desprovida de inteligência, é de facto uma interessante consequência do monismo materialista de uma certa ciência, imensamente afastada da reflexão filosófica última acerca das suas próprias descobertas.

    Na verdade, o evolucionismo visto como a tal força cega e não dirigida é apenas o pólo oposto do criacionismo que implica um intervenção sobrenatural na physis ou natureza material.

    Tão mais simples e natural é regressarmos de facto à primitiva concepção da Natureza, afinal, vista simultaneamente como "nascimento" e "crescimento", no significado etimológico dos termos latino e grego, respectivamente. Ou seja, evolução, sim, um conceito que é eminentemente espiritual... tal e qual! :)

    Já agora, e prosseguindo na etimologia, a distinção fundamental entre a ciência física ou "physis" e a metafísica ou "meta + physys" - para além da física - não tem nada a ver com sobrenatural nem transcendental!

    No fundo, sempre existiu uma relação entre ambas que só a moderna ciência parece desconhecer ou querer ignorar, o que não parece nadinha inteligente, diga-se. A metafísica simplesmente se ocupa com a explicação da natureza da realidade física, a tal "physis", nada mais. Daí que exista uma natural e desejável complementaridade entre estes dois ramos do saber e não oposição alguma, como uma certa ciência enfatuada parece pretender!

    Metafísica e Filosofia serão sempre reflexões sobre o conhecimento e o processo de conhecer e, mais ainda, o próprio conhecedor, que é ele o interrogador!

    Num sentido muito mais simples, aquilo que existe para além da "physis" material é tudo que o possui um carácter imaterial, como as ideias ou conceitos abstractos, os quais são seres não-físicos mas existentes, claro! E não apenas na consciência individual, mas ainda na própria organização social ou na simples relação entre todos os seres.

    Ora este campo já está, por simples definição, para além da ciência física, a qual é pois um ramo muito específico do conhecimento humano que não pode ser separado do todo mais vasto em que se integra.

    Infelizmente, a este respeito a moderna ciência demonstra uma ignorância confrangedora das suas origens, melhor dizendo, continua a ignorar o "pai" espiritual.

    Mas não faz mal, em breve teremos a tal "mother and child reunion"... soon will come that loving union!!! :D


    Um espírito encontra-se em todas as coisas e não existe corpo, por mais pequeno que seja, que não contenha em si uma parcela da substância divina que o anima.

    Giordano Bruno

    ResponderEliminar
  13. "Ludwig, os evolucionistas mais actualizados já não tentam atacar a noção de arquétipo: eles tentam desesperadamente incluir no darwinismo o "Sitema Naturae" de Lineus."

    Mats, procura por "phylocode" no google, e vais ver que o que os "evolucionistas modernos" defendem é precisamente o contrário.Cada vez mais se defende um afastamento da taxonomia lineana para uma taxonomia mais, digamos, darwiniana (embora não seja inteiramente correcto usar-se esse termo). Já agora, sabias que Lineu no fim da sua carreira deu em "evolucionista"? E sabes que foram as experiências que ele fez em cruzamentos de plantas que iniciaram o pensamento evolutivo? É incrível a ignorância que algumas pessoas demonstram sobre o assunto. Quando a arrogância se alia à ignorância...

    Leprecão, ninguém aqui falou da physis e da meta+physis nem do diabo a quatro, não percebo porquê esse comentário. Mas aqui uma diferença, é que neste blog pode-se comentar à vontade porque maus argumentos combatem-se com bons argumentos. Já num dos teus blogs preferidos (o do amigo dracolino) bons argumentos parecem combater-se com... censura! É essa a diferença entre "ciência" e religião. Por aqui discutem-se as coisas, por lá censura-se aquilo que não se quer que se saiba.

    ResponderEliminar
  14. caro Mats,

    deixei no teu blog, no meu computador do emprego, dois comentários sobre o tema "A Divida de Hitler..." que entretanto constatei que desapareceram aqui no meu computador de casa. Mas o que é que se passa com o seu blog? Já o João Vasco se queixa do mesmo.

    ResponderEliminar
  15. Mats,

    Vou ter que reler o teu lençol mais tarde, que agora tenho pouco tempo.

    Só dá para isto:

    «Os agricultores escolhem, selecionam, e excluim os traços que não querem. No fim, há alguma coisa nova criada, ou há apenas o predomínio daquilo que foi escolhido DENTRO DAQUILO QUE JÁ EXISTIA ?»

    A selecção só filtra o que já lá está, mas fá-lo de uma forma tendenciosa que empurra a população para características mais vantajosas no ambiente em que se encontra.

    A criação de características novas vem da recombinação e mutação do material genético, que gera novas combinações de genes e genes inteiramente novos. Este processo é aleatório e cego, mas alimenta constantemente a selecção natural.

    Além disso há também troca genética entre espécies diferentes, deriva, alterações "empurradas" por características moleculares e outros efeitos.

    Isto tudo junto dá o que se conhece hoje por evolução.

    Obviamente, se considerares apenas uma pequena parte e insistires em ignorar o resto não faz sentido nenhum.

    ResponderEliminar
  16. Sgt. Hartman,
    Se és o Rui Almeida, então os teus posts já foram aceites. Como era a primeira vez, ele pde sempre aprovação.


    Ludwig,
    "A selecção só filtra o que já lá está, mas fá-lo de uma forma tendenciosa que empurra a população para características mais vantajosas no ambiente em que se encontra.

    Exactamante. A selecção seleciona o que já existe; ela não cria nada de novo a nível informacional. Portanto, a selecção artificial, para além de não ser um exemplo realista no que toca À teoria da evolução, não é uma força criativa, mas sim uma força eliminadora de traços que não conferem sobrevivência.

    Mats

    ResponderEliminar
  17. Mats,

    Estás a gozar ou é só para eu perder tempo?

    Vou pôr primeiro a outra parte a ver se não desligas pelo caminho.

    As mutações e recombinações criam combinações novas de genes e genes novos. Podem duplicar trechos de ADN, alterá-los e baralhar os pedaços. Esta é a força criadora.

    A selecção pega nisto tudo e elimina o que não interessa, guardando para a próxima geração as variantes que sairam melhor.

    OK?

    ResponderEliminar
  18. Força criadora? A selecção elimina? Isto é design inteligente, porra!

    ResponderEliminar
  19. Prof. Krippahl

    Pode ser que isto interesse. Depois de consultar pode apagar isto se assim o entender.
    Desculpe o anonimato.

    ResponderEliminar
  20. Há tretas que acho fantásticas :')

    As citações no blog apontadas pelo anónimo anterior são minhas, retiradas de vários pontos de uma conversa em várias mensagens. Assumo-as e assumo as imprecisões e abusos de linguagem - e faço-o sem problema.

    Já dos "citadores", ao que nos é dado a ver, não se pode dizer o mesmo. O resto da conversa ficou de fora tanto da citação no blog como da chamada de atenção de alguém que, logo a seguir, "pede desculpa pelo anonimato".

    Há tretas que acho fantásticas :')

    Tenho peninha, até porque não se estava a discutir "criacionismo VS evolucionismo", mas sim aquilo que me tem interessado cada vez mais e de que já falei por aqui relativamente à intervenção do padre jesuíta.

    ResponderEliminar
  21. Pois, eu segui o link a ver se me interessava. Mas rapidamente vi que, sem contexto, as citações não me diziam muito. E incomodou-me que o/a citador/a tivesse omitido as ligações ao original.

    Quanto ao outro assunto, a ver se tenho um tempinho hoje para escrever qualquer coisa e pôr a bola a rolar.

    ResponderEliminar

Se quiser filtrar algum ou alguns comentadores consulte este post.