segunda-feira, janeiro 11, 2010

Lá vou passar a comprar jornais.

A minha sogra queria um cão. A minha mulher foi ao Portal Adoptar e contactou uma senhora que tinha salvo uma ninhada de ser envenenada. Foi buscar esta cachorra e passou por cá com ela para fazer uma surpresa aos miúdos. Que ficaram todos contentes, deram-lhe o nome e fizeram uma grande festa. Agora a minha sogra continua sem cão que esta daqui já não sai.

Nina

Se alguém quiser saber a raça, é cão puro. Não é daquelas experiências que se faz por aí de cruzar primos e irmãos para acumular duplos recessivos.

Fica a fazer companhia aos quatro porquinhos da índia. Há dois anos a minha mulher comprou duas fêmeas, mas alguém na loja deu o convexo por côncavo. O que com estes bichos até se desculpa, que a diferença é pequena. Mas agora, mesmo depois do pai morrer, ainda temos a mãe, duas filhas e um filho.

30 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  2. Se precisares de conselhos manda-me um mail. Mas é para ir já ao vet.

    ResponderEliminar
  3. Parabens é muito gira. (tive de emendar o comentario anterior para não ofender ninguem) :)

    ResponderEliminar
  4. Tão fofinha. Tá com ar de quem arreou um calhau em cima da tua colecção de Skeptical Enquirer...

    ResponderEliminar
  5. João,

    Obrigado pela oferta. Ela já foi à veterinária, mas agora está de quarentena uns dias a ver se tem alguma coisa antes de levar as vacinas.

    Krippmeister,

    Isso ainda não, que esses estão no armário. Mas já me roeu uns cantinhos de livros mais à mão... Enfim, desde que não chegue ao texto não há grande problema.

    ResponderEliminar
  6. LK
    Parabéns o cachorro é lindo : )
    eu no início tinha muito cuidado com as porcarias que trazia da rua nos sapatos, porque quando estava no porto morava num local com muitos cães e a porcaria do vírus da esgana não perdoa.
    Tirando essa preocupação que é real, nada como um cachorro a roer tudo numa casa, a lista de destruição foi:
    uma cadeira de verga trabalhada à mão, 2 colchas, 2 tapetes, as pernas de uma cama de madeira, os beirais do quarto do pc, a porta do quarto, partes dos beirais da sala :D
    Mas o defeito dos cães é que com aquele ar terno e a capacidade infinita de nos aturarem mesmo mal dispostos (nós) acabamos só por nos lembrar das coisas boas.

    Maldita cachrrada : ))

    ResponderEliminar
  7. Nuvens,

    "Beirais" quer dizer rodapés, ou esse cão tinha molas atrás (como o meu)?

    ResponderEliminar
  8. Nuvens:

    Toda a gente sabe que a probabilidade de um cão roer algo é diretamente proporcional ao valor dessa coisa.

    E há mais um problema. É que têm a crença inabalavel que se cabe na boca é porque se deve engolir.

    ResponderEliminar
  9. "E há mais um problema. É que têm a crença inabalavel que se cabe na boca é porque se deve engolir."

    Pois... Até nos animais as crenças são nefastas...

    ResponderEliminar
  10. ... a sogra... assim como quem não quer a coisa... antes de levar o cãozinho para casa... passou em TUA casa com o bicho... Ludwig, lamento informar-te, mas foste levado! Isso foi claramente um complot de larga escala envolvendo a tua mulher, a tua sogra, os teus putos e mais alguém que te quer ver com os nervos em frangalhos (isso ou os jornais).

    Quanto à marca cão, apoio. Mas sou mais uma mulher de gatos. E para esse também prefiro rafeirex da Silva: têm mais piada!

    ResponderEliminar
  11. abobrinha

    A única vantagem de um cão de raça é sabermos o que contar em termo de tamanho.
    No meu caso fui buscar sem encargos, um cão de água português, muito antes desta moda Obama :)
    Agora ando seduzido pelos gatos, mas esses podem vir de qualquer forma, são todos do mesmo tamanho. : )
    São melhores que os cães em termos de os podermos deixar uns dias sem stresses, com muita água , brinquedos e comida, arranjam-se na perfeição.

    ResponderEliminar
  12. Um cão que tive morreu com pouco mais de um ano com um cancro muito agressivo. Foi tão rápido e letal que o veterinário pediu para o estudar depois de o abatermos. Também tinha displasia da anca, como muitos cães de raça. Depois disso comecei a olhar com outros olhos para a mania dos pedrigrees... É preciso ter muito cuidado a criar cães, se é que gostamos mesmo deles.

    Por isso aconselho sempre rafeiros a toda a gente, de preferência fora do circuito comercial - ninhadas de amigos, conhecidos, pessoas que não podem ficar com os cães todos. Com os cães de canil é preciso ter cuidado porque alguns podem ser agressivos. É sempre ideal criar um cão desde novo e um cão adulto já pode ter sofrido às mãos de um dono sem muitos escrúpulos.

    Parabéns ao Ludwig pelo novo membro da família!

    ResponderEliminar
  13. Abobrinha,

    «... a sogra... assim como quem não quer a coisa... antes de levar o cãozinho para casa... passou em TUA casa com o bicho.»

    Não. Apesar do estereótipo, não posso culpar a sogra porque foi a minha mulher que trouxe cá o cão primeiro.

    ResponderEliminar
  14. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  15. Cuidado, se tens porquinhos-da-índia machos junto de fêmeas, ao fim de n anos terás
        2 + 2^2 + 2^3 + ... + 2^n
    porquinhos-da-índia. Ou algo do género. De qualquer modo, percebes a ideia.

    ResponderEliminar
  16. jaime

    ao fim de algum tempo terás o problema da taxa de mortalidade, alimento disponível etc.
    aqui começa o início de uma bela história: o mapa (problema) logístico

    A população P no tempo x é descrita da seguinte forma:

    P(t+1)= R × P(t) × (1-P(t))

    Onde R é um inteiro que representa a relação entre a reprodução e morte.

    Curiosidades ?

    Ver aqui a complexidade que surge com uma função super simples aquando da escolha de R.

    ResponderEliminar
  17. Ludwig:

    E vais educa-lo como um bom católico?

    ResponderEliminar
  18. João

    Com um bom anti-parasítico, não há carraça que agarre : ))))

    ResponderEliminar
  19. Ludwig

    A tua mulher é que passou lá com o bicho primeiro... ainda não viste que a tua mulher te tramou, pois não? O amor é lindo! ;-)

    ResponderEliminar
  20. Francisco

    Tiveste, nitidamente, um Grand Danois: a minha irmã teve um desses. Mesmo sem problemas eles não vivem muito tempo... é uma pena! A parte chata de se ter bichos é essa.

    ResponderEliminar
  21. Altocumulus

    O tamanho vê-se mais ou menos pelo tamanho das patas. Digo eu, que gosto muito de cães... em casa dos outros, que é onde eles ficam bem e não chateiam! Os cães de água parecem-me giríssimos. E sou completamente uma mulher de gatos, sendo que estou a tentar resistir à tentação de ter um em casa. Isto porque os gatos são independentes, mas também gostam de atenção e eu estou muito tempo fora de casa. Ou seja, quando arranjar um (é questão de tempo), tenho que lhe arranjar um companheiro.

    Outro motivo para eu não ter um gato é o trauma com o meu anterior: o sacana tinha instintos suicidas! Ou, pelo menos, era "um bocadinho" estouvado, o que acabou por o matar!

    ResponderEliminar
  22. Cara Abobrinha,

    Era um Labrador. Não me lembro se tinha pedigree mas sei que havia alguns cruzamentos entre irmãos na família. Depois desse tive outro Labrador, que viveu 11 anos. Tinha pedigree e também morreu com cancro. Agora tenho dois mas um já é 75% perdigueiro e 25% vizla. E 100% louco: acabei de chegar de comprar um comando novo.

    ResponderEliminar
  23. E eu a pensar que os jornais já não serviam para nada... (agora que tenho RSS feeds no telemóvel nem na casa de banho preciso de leitura em papel :)). Mas afinal ainda têm algumas utilidades. :)

    PS: É mt gira a cadela (apesar de tal como a Abobrinha preferir gatos).

    ResponderEliminar
  24. O melhor nome para dar a bicharada peluda é Piruças. Dá para macho ou fêmea e serve pra gato, cão, toupeira, búfalo, entre outros. Também há quem diga que os rafeiros são mais espertos mas não sei se existe informação de qualidade sobre o assunto.

    ResponderEliminar
  25. Coooisa tão querida!

    Parabéns.

    beijos

    ResponderEliminar
  26. Hugo:

    Mas tens sempre de pensar que nome queres andar a gritar na rua volta sim, volta não, como se tivesses a vender jornais.

    Eu acho que o Ludwig vai chamar Javé ao cão.

    :P

    ResponderEliminar
  27. shantilly,

    Não tem raça definida, nem sei bem de que raças seriam os pais. Talvez rafeiros também...

    ResponderEliminar

Se quiser filtrar algum ou alguns comentadores consulte este post.