domingo, agosto 09, 2009

Treta da semana: casar é para ter filhos.

O Tribunal Constitucional (TC) decidiu, com dois votos contra e três a favor, que proibir o casamento entre pessoas do mesmo sexo não é inconstitucional. Isto levou vários jornais a anunciar a inconstitucionalidade do casamento homossexual. Como notaram no Pente Fino, declarar constitucional a lei que temos não torna inconstitucional todas as alternativas. «O CM diz TC chumba casamento gay, o Público diz Tribunal Constitucional diz não ao casamento entre pessoas do mesmo sexo, o Diário Económico diz Tribunal Constitucional chumba casamento entre homossexuais, etc. Tudo disparates» (1). Mas essa é a treta do costume na comunicação social. Este post é sobre a decisão.

Foi posta em causa a constitucionalidade do artigo 1577º do Código Civil (CC), «Casamento é o contrato celebrado entre duas pessoas de sexo diferente que pretendem constituir família mediante uma plena comunhão de vida», fundamentando-se no número 2 do artigo 13º da Constituição (CRP), «Ninguém pode ser privilegiado, beneficiado, prejudicado, privado de qualquer direito ou isento de qualquer dever em razão de ascendência, sexo, raça, língua, território de origem, religião, convicções políticas ou ideológicas, instrução, situação económica, condição social ou orientação sexual», e no número 1 do artigo 36º, «Todos têm o direito de constituir família e de contrair casamento em condições de plena igualdade».

Um dos fundamentos para a decisão do TC é que «nada obsta a que as recorrentes, mesmo sem a celebração jurídica do casamento, pudessem ou possam constituir "família".»(2) As aspas varrem o essencial para debaixo do tapete, pois é pelo casamento que duas pessoas constituem uma família. O problema da Teresa Pires e da Helena Paixão é ser-lhes vedado o reconhecimento legal da família que elas, as duas, querem constituir. O que não é meramente simbólico. Assim que casei, a minha esposa passou a ser o meu familiar mais próximo, uma relação reconhecida formalmente e legalmente em muitos contextos como direitos de visita no hospital, heranças, decisões médicas se eu estiver incapacitado e assim por diante. Ao contrário do que o TC afirmou, a lei vigente obsta a que ás recorrentes seja reconhecida essa relação.

O outro argumento do TC é a tradição, social e jurídica, do casamento como sendo entre sexos diferentes. Mais uma deflexão, pois o que está em causa é precisamente a constitucionalidade de legislar de acordo com essa tradição. Uma das funções da CRP é proteger-nos de tradições ou outras tendências que violem os nossos direitos fundamentais. E, nisto, o acordão do TC até se contradiz. Por um lado justifica a sua decisão dizendo que o legislador optou por «entender o casamento como uma instituição social […] enquanto união entre homem e mulher, designadamente assente na função que lhe cabe na reprodução da sociedade». Mas isto poucos parágrafos depois de reconhecer como «inaceitável à luz da Constituição, que o estabelecimento de uma qualquer conexão entre o casamento e a procriação passasse pela imposição desta última aos cônjuges.» Se admitem ser inconstitucional que a lei exija uma “função reprodutora” deviam também reconhecer ser inconstitucional que a lei exija a diferença de sexo como um fantoche dessa função à qual a lei devia ser alheia.

Há que reconhecer que esta treta só veio de três dos cinco membros do TC. As declarações de voto dos dois vencidos são bastante menos demagógicas e mais consistentes. Mas é triste que os outros três tenham conseguido impor à leitura da Constituição os seus preconceitos pessoais. E é preocupante que subordinem a Constituição às tradições viciadas da nossa sociedade, quando o papel principal da Constituição é proteger-nos daquele mal que se faz com a desculpa que sempre assim se fez.

1- A Pente Fino, P implica Q não é a mesma coisa que não-P implica não-Q. Obrigado ao Mário Miguel pelo link.
2- O Advogado do Diabo, O Acórdão do Tribunal Constitucional

142 comentários:

  1. Sinceramente estou surpreendida por esta treta só vir de três em cinco! Há esperança!

    Costumo dizer que a questão do casamento homossexual não é muito importante face aos muitos problemas que temos (sendo o maior deles uma justiça que não funciona). Mas mostra abertura de espírito. E a abertura de espírito é importante para se resolver uma série de problemas complicados. E depois, nada (seguramente não a tradição) justifica negar direitos a pessoas com ideias e orientações sociais diferentes.

    Já agora, como exercício, como justificarias se um grupo tentasse defender poligamia? Muçulmanos ou mórmones, por exemplo?

    ResponderEliminar
  2. Julgo que os jornais, como de costume, exageraram nos títulos. Esta decisão do TC não invalida que, mais tarde, se aprove uma lei permitindo o casamento entre homossexuais. A exactidão não vende jornais ao que parece.

    ResponderEliminar
  3. Abobrinha,

    Não vejo nada de fundamentalmente errado com a poligamia. Apenas os problemas práticos de aumentar tensões sociais (homens sem mulher são, em média, mais perigosos para a soociedade) e de agravar a situação das mulheres se estas já etiverem socialmente desfavorecidas.

    Mas a proibição da poligamia seria fundamentalmente diferente da proibição do casamento homossexual. Porque iria restringir esse contrato de casamento pelo numero de contratuantes, o que não me parece ser uma discriminação de excluir à partida, em vez de o proibir de acordo com o sexo dos contratuantes -- essa sim uma discriminação daquelas que não podemos tolerar que a lei faça.

    ResponderEliminar
  4. "tentasse defender poligamia? Muçulmanos ou mórmones, por exemplo?"


    E tipo Heinleiniana com contratos de casamento coletivos e discriminados individualemente?

    Vivemos em democracia. É preciso aceitar a vontade da maioria. Tal como neste caso. Mas em termos de opinião, acho o tema interessante como exercicio de pensamento. Ei votaria a favor mas com a idade do casamento elevada aos 22 anos. Acho que para esse tipo de complexidade é preciso mais maturidade.

    Quanto à familia. É preciso redefinir o que ela significa, mas acho que a democracia devia proteger as minorias inofensivas e que só dão diversidade à sociedade.

    Espero que o Ludwig aceite o desafia da experiencia de pensamento porque é complexa nos termos do libertarianismo responsavel. O adulterio é proibido e é um fundamento do equilibrio das familas. e a familia é a unidade basica da sociedade.

    ResponderEliminar
  5. Ludwig:

    Respondi ao mesmo tempo que tu. acontece. Portanto não li que ja tinhas rspondido.

    ResponderEliminar
  6. o adulterio implica sonegação de informação e não consentimento, algo que não existe na poligamia (versão muçulmana, por ex), poliamoria, etc..

    ResponderEliminar
  7. Caro João:

    O problema está exactamente na 'vontade da maioria'. Se formos a respeitar tal vontade nunca (ou muito dificilmente)vamos ter o casamento entre pessoas entre o mesmo sexo.
    Quanto á poligamia como se trata de um relacionamento consentido por todas as partes interessadas estou obviamente se acordo.
    Concordo com o Kyriu acerca do adultério. No meu entender o adultério só existe devido á mentalidade retrograda das pessoas. Com as alternativas tais como swing, poli-amor etc só recorre ao adultério quem não ama verdadeiramente a pessoa com quem está casada e apenas quer manter as aparências.

    ResponderEliminar
  8. Kyriu:

    Posso estar enganado, mas legalmente poligamia não é sempre adulterio?

    O problema é que a democracia não é um sistema perfeito. É apenas o melhor possivel. Em meu ver. Estas coisas tem de ser discutidas, e derrotadas na praça publica antes de haver uma lei. Para que se vede o casamento aos homosexuais tem de haver uma razão essencial para que eles não possam constituir um contrato de proteção mutua. Por um lado. Por outro lado eles tem de provar que carecem desse contrato, e que isso lhes prejudica a vida. Em resumo, por mim, é as pessoas perceberem isto.

    ResponderEliminar
  9. Kyrio:

    penso que sim, que tinha razão. Mas desconsiderando o adultério quando ha conhecimentoe consentimento mutuo, é dificil avaliar a estabilidade proporcionada por um sistema poligamico no longo prazo. Em vista aos nossos costumes e educação social considero insustentavel. Mas no norte da Europa com uma educação e sociedades diferentes a questão é completamente diferente.

    Não sei como os portugueses e as portuguesas iriam gerir a questão dos ciumes, posse, equilibrio de tarefas dos membros, responsabilidade com os filhos, etc.

    Na Irlanda segundo me disseram, a herança viking esta no seu melhor e nada disto é um assunto problematico.

    ResponderEliminar
  10. «E é preocupante que subordinem a Constituição às tradições viciadas da nossa sociedade, quando o papel principal da Constituição é proteger-nos daquele mal que se faz com a desculpa que sempre assim se fez.»

    Pronto. Agora sim. És um pionés com a cor "esquerda radical" no mapa da judiciária.

    ResponderEliminar
  11. Faz-me lembrar publicidade.

    Argumentum ad antiquitatem.

    ResponderEliminar
  12. bem, gostaria de vos dizer que o casamento homosexual é tão natural como injectar butox nos colhões para eles ficarem lisinhos como a casca do ovo.

    Atenciosamente,

    farto do vómito cultural marxista

    ResponderEliminar
  13. Anónimo, eu já encontrei uns cães a porem botox nos colhões.

    * 1
    * 2
    3
    * 4
    * 5
    * 6
    * 7

    "Out In Nature: Homosexual Behaviour in the Animal Kingdom"

    Seu veado!

    Argumentum ad Naturam.

    O Ludwig já escreveu sobre isso aqui.

    ResponderEliminar
  14. Ah, anónimo - eu sou anti-comunista. O "vómito cultural marxista" não resulta comigo, para além de Marx ter sido homofóbico:
    * Gay victims of Communism
    * Wikipedia : Communism and homosexuality
    * What is the communist view on gay marriage?

    E agora vêm os ad hominems, se houver alguma resposta.

    ResponderEliminar
  15. Acho q tal como esses cães, a contaminação pelos cães trotkistas do BE da nossa sociedade, tem como objectivo ultimo o cantar de amanhãs cheios de "felicidade" marciana, em que os seres humanos serão "outro", sendo para isso imperativo o adulterar, o retorcer, o achincalhar a família natural.

    Cada vez q um de vocês não critica essa tentativa de destruir a base da nossa sociedade, a família homem-mulher e o seu DEVER, não obrigação, de ter filhos, está a ajudar a essa mesma destruição.

    Essa destruição tem um ícon: os gays, não os homosexuais, é preciso falar da diferença de postura e de realismo,que separa uns para a palhaçada e q são usados pelos "politiqueiros" esquerdistas radicais, urbano-depressivos, que apoiados no conforto dados pelos papás e que acham q fazer crescer o cabelo, ser eternamente estudantes aos 40 e freaks, já não chega para chatear a família. Depois existem os homosexuais que não exigem nada da sociedade, que sabem que os 3% que têm uma postura diferente não devem "impôr" aos outros 97% a sua cartilha moral, e principalmente não estão interessados em servir de bandeira a esses excrementos politicos da extrema esquerda.

    E depois admiram-se que a nova heroína do absurdo moral-social, miguel vale almeida, já esteja a entrar no PS e nos "lugares dedecisão".

    não esquecer q a homosexualidade apenas deixou de fazer parte da lista de doenças mentais da APA (Associação Americana de Psiquiatria) em 1973. Isso não seria muito grave se essa mesma associação tb já não tivesse excluido a bestialidade (sexo com animais) e a necrofilia (sexo com pessoas mortas) no DSM IV TR de 2000 como um distúrbio mental, logo colocando homosexualidade, necrofilia e bestialidade no mesmo patamar.

    A pergunta é esta, queremos nós viver numa sociedade onde estes "valores" são aceites? porque estamos no meio de uma guerra moral/social dos anti-tudo, contra a família/espiritualidade...

    a seguir, e como um grupo extrema esquerda gayzista holandês já propõe, vamos despenalizar a pedofilia...espero q quem lê este blog não tenha crianças...

    ResponderEliminar
  16. Pronto, já sei quem é o anónimo: é o Zeca Portuga.

    ResponderEliminar
  17. Anonimo Homofobico.

    A mim nenhum gay me tentou impor a sua postura diferente. Que eu saiba a moral deles é a mesma. Ate conhecia alguns. Têm sangue vermelho, braços e pernas, e tal como os ateus não tem cauda. Às vezes são um bocado retorcidos mas numa sociedade como esta ha que dar o desconto.

    Tal como o dou a si.

    ResponderEliminar
  18. agradeço que não insulte a inteligência de todos os que nos leêm, ao me apelidar de homofóbico. Se tiver um pingo de honestidade intelectual e souber juntar as letrinha, verá q nenhum comentário homofóbico foi escrito.

    embora todas as amigas precisam de um "mauzinho da fita", não é?

    Atenciosamente,

    Ass: Exit ONLY

    ResponderEliminar
  19. Vou organizar o argumento do anónimo:
    1) os que apoiam que pessoas do mesmo sexo casem são do BE ou trotskistas;
    2) há um dever da família homem-mulher terem filhos;
    3) os que apoiam o casamento de pessoas do mesmo sexo estão a destruir a sociedade;
    4) os gays representam 3);
    5) os gays e os homossexuais são diferentes;
    6) a esquerda radical que vive dos pais, tem o cabelo comprido e são estudantes ao 40 usam os gays;
    7) os homossexuais são os que não exigem da sociedade, sabem que são a minoria, não impõem a sua moral à maioria e não se deixam servir à esquerda radical;
    8) Miguel Vale de Almeida a servir de exemplo;
    9) a homossexualidade só deixou de ser considerada uma doença pela APA em 1973;
    10) 9) não seria grave se a bestialidade e necrofilia também não fossem consideradas doenças mentais;
    11) pergunta se queremos viver numa sociedade com esses valores, porque estamos numa guerra cultural;
    12) qualquer dia a extrema esquerda da Holanda vai despenalizar a pedofilia;
    13) espera que quem lê o blog não tenha filhos para não serem abusadas quando 12) acontecer;

    Eu acrescento duas imagens: 1 e 2. Aposto que o anónimo é o Zeca Portuga. Tem a mesma doutrina, a mesma postura, como alguém com Tourette catalogando os outros como partidários de extremos políticos, que destroem a família, os valores familiares e culturais, separa os homossexuais dos gays e faz menção de artigos de medicina. Ou então existem dois Zecas.

    ResponderEliminar
  20. Zeca Portuga, por que é que achas que a homossexualidade é uma doença mental?

    ResponderEliminar
  21. caros amigos,

    não fui que disse q a homosexualidade é (era...) uma doença mental, foi a APA. Essa organização é q mudou esse parecer. Até adivinho que foi um lobby que "flatelou" a sua razão dos lados de são francisco, começando por se infiltrar na vida académica e tornando a sua razão em doutrina socialmente aceite...indo até mais longe e conseguindo inventar palavras para classificar, catalogar quem ouse ir contra a "nova doutrina", como a palavra homófobo.

    O coito anaral deve ter estar formatado pela lavagem cerebral cultural marxista pós-25 de abril, muito ao estilo jornaleiro 24Horas e distorce o q eu disse em alguns dos pontos q exaustivamente se deu ao trabalhado de dissecar, o que muito me reforça o ego e razão da nossa luta...nossa, não dos 2 zecas Portugas, mas dos 2 000 000 de zecas Portugas votantes e em crescendo.

    Não tenho nada contra os homosexuais, mas contra este ataque dos gayzistas de serviço aos politiqueiros anacletos louças, com cara de santos, isso tenho e muito. Tenho o direito de não querer na sociedade que faço parte esses valores, ou tb isso deixará de ser um direito de todos e passará a ser um direito exclusivo da parte da sociedade que defende a homifilia gayzista?

    tb nós os Zecas Portugas nos organizaremos, nos infiltraremos no mundo da opinião, tb projectaremos opinadores de serviço, tb nós entraremos nas redações dos jornaleiros, no parlamento, nas universidades maçonicas.

    Cuidado com essas nalgas!!

    Ass: Exit Only

    ResponderEliminar
  22. Zeca Portuga, não me respondeu à pergunta. Volto a perguntar: por que acha que a homossexualidade é uma doença?

    Eu não quero saber o que a APA dizia ou o que os cientistas diziam sobre o éter nos finais do século XIX. O que quero é ler as suas razões.

    ResponderEliminar
  23. caro,

    não lhe respondo porque, tavez como V. Exa. não me cabe a mim, por não ter habilitações académicas para o fazer, nem responsabilidades do foro médico/psiquiátrico de estabelecer o que é: 1º Doença, 2º doença mental.

    Apelando a quem sabe e tem tido ao longo da história, curta, da psiquiatria, responsabilidades de estabelecer o que é o quê, dizer-lhe que para mim, tal como para a APA a homosexualidade está ao nível da bestalidade e da necrofilia, comportamentos anormais que na minha modesta e IGUAL á de qq cidadão, não pode ser mostrada como "normal, pq não o é.

    Não é pq o lobby gayzista conseguiu desde os anos 60 penetrar nos opinadores e nas universidades, que a lógica natural poderá ser distorcida...compreende? claro que não.


    Respeitosamente,

    Ass: Exit Only.

    ResponderEliminar
  24. Então:
    1) não tens qualquer razão para defender a ideia de que a homossexualidade é uma doença - aliás, nem sabes o que é uma doença;
    2) apoias-te apenas na autoridade da APA dos anos 60 ou 70;
    3) dei o exemplo da crença na existência do éter - segundo o seu argumento, então devemos defender que o éter existe;
    4) a APA diz que a homossexualidade não é uma doença - o contradiria o apoio nela sem a ideia de que um lobby penetrou na universidades;

    Não perguntei se a homossexualidade é normal ou não. Normal é ser a norma, a maioria. Alguém genial não é normal. Alguém capaz de correr mais do que qualquer ser-humano não é normal. Tal como quem gosta de gelado com ketchup e mostarda não é normal - mas também não é doente.

    Perguntei se é uma doença, e deste a entender que se for tem implicações na questão do casamento entre pessoas do mesmo sexo. Portanto, não tens qualquer razão a dar para a tua proposição?

    ResponderEliminar
  25. Caro Pedro,

    Mais uma vez distorces tudo o q eu escrevo. Agradeço que não faças este uso do lápis azul/lilás virtual para dissecares e interpretares o q escrevo, de uma maneira muito pouco honesta intelectualmente.

    Sinceramente, e talvez devido á hora, escreveste de tal modo que não compreendo a tua análise...

    Misturas comer gelados, acto isolado e sem repercussões sociais, com a questão. Mas usando o gelado de ketchup, o q o lobby gayzista pretende é que se olhe para o gelado de ketchup como algo perfeitamente "certo" e não uma excepção de poucos, criando uma nova norma social, mesmo que vomites essa porcaria e as tuas pupilas gustativas, se falassem, te mandassem á merda- vulgo anti-natura. Ora mesmo q as pupilas gustativas te mandassem á merda e existissem 3% da população que comesse gelado de ketchup todos os dias, esses 3% conseguiriam atravéz dos desconstrutivistas sociais, impôr culturalmente nas escolas, no senso-comum, na sociedade que comer gelado de ketchup é normal e quem diz que comer essa bosta é nojento, deve ser socialmente condenado, inventando de certeza algo como o ketchófobo.

    O objectivo desses srs. é obviamente garantir a destruição do paladar natural, de séculos de gelados de baunilha e outros, de modo a impôr a sua agenda retorcida, uma nova ordem gustativa. Para isso têm de tentar destruir o paladar comum.

    Claro que a seguir e esticando um pouco a linha natural de modo a destruir um pouco mais a sociedade como ela é, vamos ter gelados de merda, com molho de escarro.

    O q é q isso tem a ver com o casamento homosexual? tudo! gelado pode ter os sabores que durante séculos foram depurados pela natureza, através das pupilas gostativas. Dizer que gelado de ketchup é bom e com isso colocá-lo na mesma ementa e ao lado do gelado de chocolate, é no minimo dar mau nome á casa.

    Mas claro, que quem quiser comer gelado de merda com molho de escarro, que o faça, mas não ofereça, por favor!

    Respeitosamente,

    Ass: Exit Only

    ResponderEliminar
  26. Louco o Pedro Amaral Couto pela paciência e perseverança em responder (e bem) as essas coisas a que chamam comentários do anónimo que não é homofóbico mas até parece.

    Ao anónimo:

    Diz que não tem conhecimentos académicos para concluir sobre a possibilidade da homossexualidade ser uma doença. Contudo, contradiz tudo o que os agentes competentes dizem (psiquiatras e outros, basta consultar alguma bibliografia) ao afirmar que como se pensava que a homossexualidade era uma doença há umas décadas agora também o será. Dou-lhe uma dica: O conhecimento evolui.

    Não acha possível uma determinada área do conhecimento evoluir simplesmente porque a nossa percepção da realidade se vai tornando mais refinada? Suponho que ainda acredite que a Terra seja plana e que a alteração que se deu no pensamento se deva a uma qualquer conspiração geométrica.

    Posso ter a ousadia de lhe pedir argumentos?! Ou será demasiado interpretativo? Dê argumentos para atestar a homossexualidade como doença. Em alternativa, pare com essa verborreia pouco informada e claramente distorcida.

    ResponderEliminar
  27. Louco o Pedro Amaral Couto pela paciência e perseverança em responder (e bem) as essas coisas a que chamam comentários do anónimo que não é homofóbico mas até parece.

    Ao anónimo:

    Diz que não tem conhecimentos académicos para concluir sobre a possibilidade da homossexualidade ser uma doença. Contudo, contradiz tudo o que os agentes competentes dizem (psiquiatras e outros, basta consultar alguma bibliografia) ao afirmar que como se pensava que a homossexualidade era uma doença há umas décadas agora também o será. Dou-lhe uma dica: O conhecimento evolui.

    Não acha possível uma determinada área do conhecimento evoluir simplesmente porque a nossa percepção da realidade se vai tornando mais refinada? Suponho que ainda acredite que a Terra seja plana e que a alteração que se deu no pensamento se deva a uma qualquer conspiração geométrica.

    Posso ter a ousadia de lhe pedir argumentos?! Ou será demasiado interpretativo? Dê argumentos para atestar a homossexualidade como doença. Em alternativa, pare com essa verborreia pouco informada e claramente distorcida.

    ResponderEliminar
  28. como pessoa EDUCADA que sou, o primeiro e mais valioso conselho que lhe dou, é que qd argumentar com alguém, nunca diga que a outra pessoa disse "verborreia pouco informada e claramente distorcida", VERBORREIA é deselegante, é parolo, é do pior provincianismo e francamente desilude.

    Não sou homófobo, sou talvez Gaysistófobo mas principalmente detesto malcriados.

    Não sei pq baseia o mérito do casamento gay, na minha opinião se a homosexualidade é ou não uma doença... pq então preciso da sua opinião se a necrofila e a bestialidade devem fazer parte da aulas de educação sexual nas escolas de qq país, como uma opção a apresentar no cardápio de comportamentos sexuais de qq cidadão?

    como adivinho que não quer que o seu filho/a um dia chegue a casa a vangloriar-se que teve uma "experiência nova" com o avô na morgue ou que o são bernardo da vizinha foi-lhe ao traseiro, o conhecimento refina-se sem duvida, não se reinventa a gravidade, nem que o ovo sai do traseiro da galinha na forma de um cubo.

    Sei que a Terra é plana e que a alteração que se deu no pensamento não se deveu a uma qualquer conspiração geométrica, porque é um facto inegável. mas mais umavez está a confundir os planos, uma táctica recorrente.

    EU, pessoalmente acho q é um comportamento que existe, que não deve ser condenado como não deve ser incentivado, elevando-o, repito elevando-o á categoria de casamento, pois este tem uma função social, histórica e carrega em si a figura social da continuidade. Algo que só pessoas de sexo diferente têm a capacidade de fazer...mesmo q a ciência possa fazer acontecer...

    Querem inventar o ovo cúbico, façam-no em silêncio, mas chamem-lhe e atribuam-lhe valor q pode ser qq, desde q seja diferente de casamento.

    Compreendo a estratégia desconstrutivista, predatória, vingativa mesmo, mas lutarei para a sua eliminação, como se fosse um quisto, um cancro.

    Mas não posso ter opinião?

    Atenciosamente,

    Ass: Exit Only.

    ResponderEliminar
  29. Anónimo,

    «bem, gostaria de vos dizer que o casamento homosexual é tão natural como injectar butox nos colhões para eles ficarem lisinhos como a casca do ovo.»

    A questão não é se é natural ou não. É simplesmente se deve ser algo que se proiba por lei.

    Eu sei que isto custa a algumas pessoas que gostam de regulamentar tudo nas leis mas, eventualmente, devem resistir à tentação de mandar nos colhões dos outros.

    ResponderEliminar
  30. "Não sou homófobo, sou talvez Gaysistófobo "

    Isto fica melhor a cada momento.

    Se não és o Zeca Portuga deves ser um fã dele.

    Já agora, tambem és criacionista?

    ResponderEliminar
  31. Anónimo
    -------
    "não esquecer q a homosexualidade apenas deixou de fazer parte da lista de doenças mentais da APA (Associação Americana de Psiquiatria) em 1973."

    E depois ? ???LOLLLLLL
    A sexualidade humana é muito variada, mas a homofobia militante é mau sinal. Sabe, existe uma correlação com causa efeito entre a homossexualidade reprimida e os ódios homofóbicos. Se quiser posso indicar-lhe excelente literatura Peer review, se souber ler inglês...

    ResponderEliminar
  32. Zeca
    ----
    Anónimo
    É pena as pessoas não registarem os seus nicks, eu não tenho o meu nome próprio, sendo que há pessoas aqui que o sabem. Odeio anónimos , porque não sei se o anterior é o mesmo que o seguinte, enfim..
    A APA mudou de opinião com o aumento do conhecimento e estudos, é normal e é o resultado de ter havido uma discriminação na sociedade. Qual a dúvida ? tb os negros na América tiveram o mesmo processo difícil. So what ?

    A sexualidade humana é muito variada, não existe um certo e um errado, um bem e um mal. Claro que para se usufruir desta maravilha da natureza não se pode imaginar que existe um deus barbudo a olhar para cada cambalhota que damos LOLLL
    Enfim, olhe tenha juízo anda de certeza a perder muita diversão.
    Nota: para o confundir mais, existe uma diferença muito subtil entre apaixonarmo-nos por alguém do mesmo sexo e ter prazer com alguém do mesmo sexo. Consegue perceber isso ?

    ResponderEliminar
  33. "Querem inventar o ovo cúbico, façam-no em silêncio, mas chamem-lhe e atribuam-lhe valor q pode ser qq, desde q seja diferente de casamento."

    Aí é que se engana, vai ser falado, discutido, votado, terá efeitos na lei civil e é o futuro.
    Vai ter de respeitar no mesmo plano de igualdade os dois tipos de casamento.

    É também para acabar com a homofobia , ou melhor para deixar de haver justificação para tal.

    agora vá para o canto dizer mal do mundo, olhe reze uns padres nossos, ainda vai ver no seu tempo de vida casais gays a sairem de igrejas. Não católicas, mas e depois ?

    Acho que teria feito muito bem a muitos padres pedófilos terem casado ou com mulheres ou com homens. O gosto pela carne tenra é que se dispensava , naõ acha ?

    ResponderEliminar
  34. O problema do ovo cúbico é ferir a cloaca da galinha com as arestas. Mas sem isso em consideração, não me importava de ter um ovo cúbico. Aliás, poderia até ganhar algum com a notícia e poderia arrumar os ovos uns por cima dos outros. Nem a comida que colocamos na mesa é natural. E são os tais trotskistas e bloquistas de esquerda que são contra a manipulação dos alimentos. Falácias naturalistas não são convincentes.

    Se um cão gosta de montar alguém que gosta disso, o que tenho a ver com isso? Se uma rapariga a colocar manteiga de amendoim nos genitais para um cão lamber, é com ela e com o cão. No caso da necrofilia, para além de se tratar do uso de um corpo de alguém que não consentiria tais actos, há a questão da profanação de sepulcros (componente anti-social) e o mesmo problema da cropofagia - falta de higiene que pode provocar mazelas. Nesse caso, é um problema.

    Mesmo se o homossexualismo fosse uma doença, eu próprio tenho uma doença crónica, mas não me parece que seja impedido de casar por causa disso. E homossexuais podem ter filhos. Se todas as pessoas de todo o mundo fossem homossexuais, podiam ter relações sexuais com pessoas de outro sexo com uma postura pragmática ou usar barrigas de aluguer. Com a fertilização in vitro não seria natural, mas tomar medicamentos e usar roupa também não são, tal como as bananas domésticas (as que comemos) são fruto de selecção artificial e clonagem. Mas é ridículo discutir se podemos comer bananas.

    ResponderEliminar
  35. Anónimo

    "como pessoa EDUCADA que sou, o primeiro e mais valioso conselho que lhe dou, é que qd argumentar com alguém, nunca diga que a outra pessoa disse "verborreia pouco informada e claramente distorcida", VERBORREIA é deselegante, é parolo, é do pior provincianismo e francamente desilude."

    Na boa onda dos conselhos, fica aqui um para si. Se pretende dar destaque a uma palavra, use o itálico (tag >i<), é para isso que serve. Palavras em caixa alta no corpo do texto são parolas e deselegantes.

    ResponderEliminar
  36. Para quem se possa importar com os dados médicos do comportamento homosexual.

    "Mas é triste que os outros três tenham conseguido impor à leitura da Constituição os seus preconceitos pessoais.

    Isto vindo de alguém que quer impôr à sociedade os seus preconceitos pessoais naturalistas.

    "Uma lei para ti e outra para mim"


    E é preocupante que subordinem a Constituição às tradições viciadas da nossa sociedade, quando o papel principal da Constituição é proteger-nos daquele mal que se faz com a desculpa que sempre assim se fez.

    Mas a crença de que se proteger o casamento contra a agende homosexual é "um mal" é uma crença pessoal tua. A medicina, a sociologia, a anatomia, e principalmente, a Palavra do Criador mitigam contra a tua posição.

    Mas quem precisa de evidências quando se tem o ateísmo, certo?

    ResponderEliminar
  37. Para aas pessoas conservadoras, fica aqui uma nota sobre os casamentos gay: tirando questões moralistas, qual a justificação para estes casamentos não existirem ? LOL

    ResponderEliminar
  38. Além disso, se Deus não existe e a moralidade é relativa, não há problemas nenhuns em ser-se contra a homosexualidade. Uns aprovam a homosexualidade e outros não.

    Como não há forma absoluta de se saber o que é o bem e o mal, ambas posições são igualmente válidas.

    ResponderEliminar
  39. Nuvens de Fumo,
    Para aas pessoas conservadoras, fica aqui uma nota sobre os casamentos gay: tirando questões moralistas, qual a justificação para estes casamentos não existirem ?


    Boa "lógica", Nuvens de Fumo.

    Vamos usar a mesma lógica para outro comportamento sexual:

    Tirando as questões moralistas, qual é a justificação para a pedofilia não ser aceite?

    Seu pedofobico! ;-)

    Podes usar a mesma pergunta para qualquer comportamento, e depois vêr que, a meu vêr, a tua pergunta não tem nexo.

    Mas tudo bem.............

    ResponderEliminar
  40. Se houvesse um tirano que tortura homossexuais durante o maior tempo possível, passava a ser uma questão a ter em consideração. É como o mito de que a masturbação pode cegar - aí seria um problema para os masturbadores, mas na realidade pode previnir câncro da próstata.

    Mas a questão aqui colocada é se pessoas do mesmo sexo têm direito a casarem. Não é se nós somos homossexuais, se têm nojo de homossexuais, se a homossexualidade é uma doença, se Deus não gosta de homossexuais, se vocês não gostam de homossexuais.

    ResponderEliminar
  41. Mats.
    ----

    Deus não existe,
    a homossexualidade está Disseminada em toda a natureza, faz parte da evolução natural. Os macacos bonobos quecam com todos , e divertem-se bastante. Lá porque a ICAR e o sexo nunca se deram muito bem, não quer isso dizer que este seja mau ou tenha regras.
    Nunca li um manual das posições permitidas pela ICAr, mas imaginar o papa a imaginar sexo, tira-me a vontade logo : ))

    Mas porque raio haveria um criador perfeito, e bom , criar nas pessoas sentimentos como a homossexualidade? Ou será o demo ?
    Ou Baco ? sei lá , estes deuses andam doidos , e os gregos lidavam com esta situação muito melhor que nós. Mas como foi antes de cristo, não sabiam o que faziam.
    A guarda sagrada era toda composta por homens que tinham nessa mesma guarda os pares, namorados, maridos, como queira chamar.
    Era uma divisão temida na antiguidade e só foi ultrapassada pela falange de Alexandre, que deverá admitir ter sido muito másculo, mas também pervertido aos gostos de outros homens LOLLL

    Olhe , já pensou que dos muitos males que há no mundo, gostar de outrsa pessoas não há de ser um deles.

    ResponderEliminar
  42. Mats, já disseste que o SPAM é pecado segundo a Bíblia (implicitamente). E até posso citar-te. O tema é o casamento entre homossexuais, não é a prática das igrejas. Introduzir uma questão completamente alheia ao assunto discutido é SPAM, para além de ser uma táctica para não responder ao problema e espera-se que os comentários discutem o tema.

    Decidi escrever sobre ética em slow-motion, para gente lenta aqui e com um teaser aqui. Com o tempo falo sobre os pedófilos, o SPAM, o sadomasoquismo, a bestialidade, a moralidade com base no autoritarismo e a moralidade com base na consideração pelos outros, com imagens a ilustrar, incluíndo diagramas e cartoons feitos por mim, e exemplos tirados dos teus comentários e do teu blog para servirem de exemplo. Mas como deves compreender, este artigo não é o apropriado para a tua obcessão.

    ResponderEliminar
  43. Mats
    ----

    primeiro, sexo entre adultos é uma coisa, com menores é outra, até do ponto de vista da capacidade de decisão.
    Não tem nada que ver com a homossexualidade.
    Porque raios, sempre que se fala de homossexualidade aparece:
    necrofilia
    pedofilia
    outra qualquer parafilia.

    Metam na cabeça uma coisa, homossexualidade não é uma parafilia. A ignorância é triste.
    Porque a pedofilia é uma parafilia , é procurar nas imensas publicações sobre o tema.

    Agora , e porque não o casamento homo ? continuo sem uma resposta .

    ResponderEliminar
  44. CONTRA A CORRENTE

    Não haja dúvidas nenhumas, não me incomoda nada o casamento homo visto como um acto isolado e sem impacto MATERIAL no resto da sociedade.

    Porém tem de se ver as coisas como são e não como a gente gostava que fossem.

    Peguem nos imensos textos a defender o casamento homo mudem uma palavra aqui e ali e aí está um manifesto a defender o possibilidade de casamento, de quem já é casado, com outra pessoa.

    Incomoda-me isso? Mesmo nada. Aliás neste caso há precedentes legais por todo o lado e por todo o mundo, e por todas as épocas.

    Portanto até é compreensível que alguém (eu não) defenda "ser mais natural que o casamento homo, que tem muito pouco precedentes".

    Mas vejamos as consequências.

    Na lei. Se A é casado com B e B casado com C, A será casado com C? Imaginem o direito de sucessão visto à lei deste novo dilema.

    Se A é velhote e espera uma importante pensão para a viúva, porque não casar com os 30 ou 40 amigos mais próximos?

    Quando me explicarem )e muitas outras do mesmo tipo) como se resolve estas confusões eu até concordo com o casamento de homo.

    Até lá, reconheço que é injusto, mas é um assunto de pouca relevância pessoal e há coisas muito mais importantes e urgentes para atacar.

    José Simões

    ResponderEliminar
  45. jose Simões
    -----------

    A poligamia não está em discussão , apenas o casamento entre duas pessoas, que calham de ser :

    1) adultas
    2) não relacionadas
    3) estão na posse das suas capacidades mentais
    4) são do mesmo sexo

    Mais nada está em causa.

    ResponderEliminar
  46. José Simões, mostraste o problema de alguém casar com mais do que uma pessoa: «Imaginem o direito de sucessão visto à lei deste novo dilema». Pois bem, quais são as consequências nefastas de casamento homo?

    ResponderEliminar
  47. caros,

    Quanto aos colhões de cada um, mais uma vez repito, com butox ou com qq outra coisa, eu nada tenho a opinar. O que se passa hoje em dia é que querem me fazer acreditar que tal alisamento testicular é o futuro, é o que está ai para ser visto como tão normal como eles enrugados. Ora isso iria antes de mais criar alguns problemas, como por exemplo ter que se ter um saco especial nas calças e andar de perna aberta para não amarrotar os ditos cujos...e eu nada tenho a ver com isso, se 3% da população quer ter um ferro de engomar a esticar as peles, mas tal não de ver vendido aos outros 97% como normal. É um pouco como tornar normal e em pé de igualdade e quererem que eu aceite cada vez que abro a carta dos gelados, a existência de um gelado de merda com molho de escarro. Chamem-lhe outra coisa que não gelado, criem cartas próprias em lugares escondidinhos, mas não me digam q tem a mesma elevação que o gelado de chocolate, pq não tem.

    Mais uma vez gostaria de vos ensinar, que não ser homolatra ( adorador da homosexualidade) não quer dizer obrigatóriamente que se é homofobo...Compreendem? existe muita literatura em polaco, alemão e italiano, se é que sabem ler algo mais do que o simples Inglês...

    Nuvens de fumo, tem ainda de passar a escola primária lá do bairro operário para me confundir. Tb já reparei que na sua caminhada tem de ter ódios, muitos e variados, até pelos anónimos. A sua cultura de revista côr-de-rosa e estilistas amaricados leva-lhe a não ter respeito por nada nem por ninguem ( estas palavras levam-lhe ao tempo em q o pápá percebeu , certo?) e rezar é um acto de tal modo elevado que uma mentezinha como a sua não coompreende, não espero que tenha a humildade de dar o benefício da duvida, por isso, tenho pena de si.

    Quanto á carne tenra é predada por "padres" homosexuais e logo pedófilos.


    Pedro, não sei pq continuam a central esta discussão, na questão de ser doença ou não. ERA considerado doença e deixou de ser considerado doença, ponto. Tal como a necrofilia e a bestialidade. ponto. Daqui eu concluo que esta instituição é q tem uma doença e grave, ou não, talvez ponha as coisas no patamar certo: homosexualidade, bestialidade e necrofilia são tudo sintomas de uma sociedade muito doente. Ora tendo em conta a hora de consulta dos psiquiatras e terapeutas, até convém existirem muitos twisted por esse mundo fora. Tb eu se tivesse um franchising para vender SHIT ICECREAM, apoiaria esta causa...

    Creep Meister, curioso que alguém que defende a homosexualidade como algo que só diz respeito ao traseiro de cada um, me queira impôr um modo de escrever? Esse seu relativismo existencial é muito falso, não acha? ou está perdido e agarra-se ao primeiro falso profeta que encontra numa qq esquina do Bairro Alto? Lembrando o palma: "Frágil, esta noite estou tão Frágil..." á pessoas que serão frágeis toda a vida...tudo bem desde q não a tornem norma.

    Se tudo é relativo, então para que precisam os homosexuais desse "direito"? mas isso é relativo, pq se calhar não é um direito é uma parvoíce da pequena burguesia, mas como é relativo se calhar só quero insistir nisso para chatear e destruir essa maldita igreja, ou não se calhar, todos os homo é que estão certos... é relativo.

    Eu sou contra. Alguns de vocês a favor. Mas não me imponham isso como uma conquista da evolução social, para mim é um retrocesso, como a bestialidade, a pedofilia e
    a necrofila.
    Atenciosamente,

    Ass: Exit Only

    ResponderEliminar
  48. Anónimo
    -------
    "mas como é relativo se calhar só quero insistir nisso para chatear e destruir essa maldita igreja, ou não se calhar, todos os homo é que estão certo

    é mesmo isso, uma conspiração entre os ateus e os homo, contra a ICAR. descobriu-nos, e com as calças na mão : )))

    Olhe tome os comprimidos anti-psicoticos que vai ver que o mundo parecerá um local melhor.

    ResponderEliminar
  49. NOta:
    Houve um tempo, no início do século passado, em que os negros eram colocados em Zoos.
    Houve um tempo em que se argumentava que a escravatura era natural.
    houve um tempo em que as mulheres não podiam votar, e até houve estudos que pretendiam que estas eram menos inteligentes que os homens.

    os direitos cívicos foram sempre uma luta entre o preconceito e a tolerância.

    o direito à afirmação pessoal, ao desenvolvimento da personalidade, dos afectos, da individualidade fazem parte dos direitos do homem.
    Sejam os direitos das mulheres, dos transexuais , homossexuais, negros, ou de qualquer ser humano.

    Os ignorantes como o KKK, os racistas, os esclavagistas, os que eram contra o sufrágio, estão sempre contra corrente.
    Não quer dizer que não possam regressar, mas são excelentes para nos lembrar, a todos os que são tolerantes, que a luta pelos direitos humanos é travada todos os dias, contra a ignorância, a pequenez, a tirania dos complexados, a arrogância dos broncos.

    Enfim, haja pachorra

    ResponderEliminar
  50. Sinais de Flatulência,

    para si e para a sua "superioridade" só esta notícia:
    http://www.ionline.pt/conteudo/16878-pela-sua-saude-tenha-o-melhor-coito-vaginal-possivel

    está a precisar para o aliviar desse seu problema.

    Butox não conheço nenhum fornecedor.

    Respeitosamente,

    Ass: Exi Only.

    ResponderEliminar
  51. Ao anónimo:

    "farto do vómito cultural marxista" parece-lhe educado? Respondi-lhe com a mesma delicadeza intelectual com que respondeu primeiramente ao tópico. Dados os seus escritos, "verborreia pouco informada e claramente distorcida" é a classificação mais leve que me surge. Peço desculpa pelo parolismo...

    Quanto a argumentos (se é que se pode falar em algum, mas deixe-se passar esta), você crê que podem existir evidências em termos matemáticos e físicos para uma mudança no paradigma sobre que forma geométrica tem a Terra mas, não acredita em evidências psiquiátricas (e sociais) que levem a uma mudança na classificação de homossexualidade como doença? Em que ficamos? As evidências apenas servem para as ciências "duras"?

    Quanto ao facto de sustentar a minha opinião sobre o mérito do casamento na sua visão sobre a homossexualidade... esteja descansado, eu prefiro basear-me em académicos qualificados cuja opinião é: A homossexualidade não é uma doença.

    PS: Quanto ao facto do casamento incentivar a homossexualidade... posso perguntar se tem dados sobre isso?! Ou os dados só servem, novamente, para as ciências duras?

    ResponderEliminar
  52. Nuvens de Flatulência,

    para si e para a sua "superioridade" só esta notícia:
    http://www.ionline.pt/conteudo/16878-pela-sua-saude-tenha-o-melhor-coito-vaginal-possivel

    está a precisar para o aliviar desse seu problema.

    Butox não conheço nenhum fornecedor.

    Respeitosamente,

    Ass: Exi Only.

    ResponderEliminar
  53. anónimo aka zeca
    ----------------
    Olhe, os estudos que menciona , são de um idiota que é um negacionista da transmissão do HIV por coito vaginal.
    É uma criatura que afirma que em África a propagação do HIV é causada por agulhas e material médico, uma vez que por coito vaginal não pode ser. (segundo ele e apenas ele na comunidade médica internacional)

    é o tipo de pseudo - ciencia que sei que irá adorar. Mas é isso, pseudo.

    Se tiver dúvidas e quiser tirar a limpo a questão, pode sempre recorrer ao sexo pago ali no intendente, fazer um pouco de coito vaginal com as senhoras.

    Pergunte se tem HIV e tomam retrovirais.
    Se não tomarem, teste a teoria desse senhor, vai ver que com a graça do senhor, apenas apanhará uma a duas estirpes do HIV. Nada que deva temer, afinal no fim, irá para os braços do creador : )))

    E deixe de citar estudos , não é definitivamente a sua área. Continue no insulto, vejo-o mais à vontade nesse campo árido mas intenso.

    ResponderEliminar
  54. Nuvens de faltulência,

    Quanto ao campo árido mas intenso do insulto, estou a aprender bastante consigo.

    Claro que estes estudos não lhe dizem nada e o investigador é um ser retrógado...não têm o selo da ILGA,logo não foram aprovados.

    Para o ajudar no campo da ignorância, acrescento que criador escreve-se com i, não com e, mas possívelmente essa incapacidade deve-se ás estirpes de HIV que os retrovirais ainda não acalmaram...e garanto-lhe que não lhe perguntarei nada sobre este tema quando me deslocar ao técnico e o procurar, pois nunca frequentei essa zona de Lisboa e nem sou de Lisboa. Nunca frequentei prostitutas, sempre amei e fui amado.

    Respeitosamente,

    Ass: Exit Only.

    ResponderEliminar
  55. É interessante que o problema dos que têm problemas com os homossexuais dizem para os outros não os imporem ideias como "uma conquista da evolução social". A questão é se existe alguma razão para proibir o casamento entre pessoas do mesmo sexo, porque pelos vistos o Zeca e o Mats têm o direito de acharem e escreverem o que pensam - portanto, a questão não é o que vos impõem a vós, mas o que proibem aos outros, sem qualquer razão.

    Os negros eram considerados atrasados mentais comparados com bois e burros. E nós temos a palavra "mongolóide" para designar os que sofrem de trissonomia 21 porque achava-se que os mongolóides (os amarelos) eram inferiores aos brancos e uma doença. Podia dar vários exemplos que mostram como o argumento do "antes era considerado doença" é falacioso. O que interessa é as razões por detrás das ideias. Eu já apresentei a minha opinião sobre bestialidade e necrofilia, por isso a insistência não vale a pena. Ponto.

    De que côr pinto as paredes da minha casa. Supostamente isso é só um problema meu, uma questão subjectiva que não interfere com a vida dos outros. Se quiser pintar de castanho e a maioria achar que é feio, isso não implica que tudo seja subjectivo (ou "relativista"). Quem faz questão que não seja castanho, como se as paredes fossem suas ou vivessem nessa casa, são uns chatos moralistas que se não existissem o mundo seria muito melhor. Se eu for a casa de outra pessoa para pintar as paredes de castanho, sem consentimento do proprietário, aí é que há um problema. Tal como, no exemplo do ketchup e da mostarda no gelado. Para nós é nojento, mas o que interessa é para quem come. Haveria problema é se metessem ketchup e mostarda nos nossos gelados. Se forem ao vosso cuzinho, aí há um problema. Mas não é esse o caso.

    ResponderEliminar
  56. Anónimo
    --------

    Fico feliz por ver que sabe ler e corrigir textos, da total incapacidade já lhe encontro uma utilidade: a de corrector ortográfico.

    ResponderEliminar
  57. E enganei-me ao deixar "problema dos". Infelizmente, pelos vistos, as gralhas destroem argumentos.

    ResponderEliminar
  58. * «Nuvens de faltulência»
    Escreve-se "flatulência".

    * «criador escreve-se com i, não com e, mas possívelmente essa incapacidade deve-se ás estirpes de HIV que os retrovirais ainda não acalmaram»
    "Criador", o "i" e o "e" devem estar entre aspas ou em itálico.
    "Possivelmente" não tem um acento no "i".
    "Às" não tem acento grave.

    Tinha já encontrado um artigo do NewScientist que defende que a masturbação pode previnir o câncro da próstata - http://www.newscientist.com/article/dn3942-masturbating-may-protect-against-prostate-cancer.html -, contradizendo o tal urologista.

    Nos comentários do artigo que o Zeca apresentou: «Gostava sinceramente de ter acesso ao paper completo para verificar o artigo quanto à metodologia(que em muitas áreas incluindo esta muitas vezes por falta de conhecimento cientifico adequado não é a melhor). Isto porque: a boca contem mucosas e as mesmas substâncias poderiam ser digeridas, os intestinos também têm como função a absorção durante a digestão, portanto não vejo porque seria a vaginal preferível às outras em termos de absorção.»
    «Fico mais tranquilo, quando observo que o universo de pessoas inquiridas são 210 ...»
    «No que toca às pessoas homossexuais, supondo que estas são 5% da população, estamos a falar de umas 11 pessoas. Será uma amostra significativa?»

    Se o Nuvens diz a verdade em relação ao tal urologista, o Zeca sabe bem escolher os especialistas...

    ResponderEliminar
  59. "sempre amei e fui amado".

    enfim, parece que há gostos para tudo.

    Cristy

    ResponderEliminar
  60. Pedro Amaral Couto

    è pior que isso, basta ler, deixo os links.
    O livro sex at risk onde se podem ler pérolas :

    http://books.google.pt/books?id=kXeUfMXAm0wC&pg=PA121&lpg=PA121&dq=%22Stuart+Brody%22+HIv+denial&source=bl&ots=pQxmUaQnQs&sig=HnfkesMGeCWdADOf-lL6YmzXeK8&hl=pt-PT&ei=4v56SqmnJ9Tn-QaQvOxR&sa=X&oi=book_result&ct=result&resnum=2#v=onepage&q=&f=false

    Um resumo do trabalho
    http://www.rethinkingaids.com/Portals/0/RaArchive/1997/RA9709SexLiesAndBrody.html

    onde se pode constatar:

    "I'm not saying that it is impossible for unprotected vaginal intercourse to transmit HIV from a positive to a healthy adult negative partner," Brody told RA in a telephone interview from his Los Angeles-area home. "Anything's possible. It's possible to be struck by lightning. But the two risks share an analogous probability, effectively zero. If healthy, HIV-negative Americans want to worry about unprotected vaginal intercourse, they should worry about the drive over to their encounters. If their partners have never injected drugs or received rectal intercourse or blood therapy, they are more likely to be killed in an automobile accident on the ride over than they are to become HIV-positive."

    .......

    He offers a better explanation for high African HIV rates: the widespread use in underdeveloped regions of unsterile hypodermic equipment to provide vaccinations and blood transfusions.

    ResponderEliminar
  61. E o homem é psiquiatra ou psicólogo, enfim...

    ResponderEliminar
  62. Cristy,

    Invejar as relações dos outros é triste e baixo até para si. Fique lá no armário a sonhar com uma depilação completa e a data da próxima parade, pode ser q algum olhe para o seu cólon.

    Pedro, tinha em consideração a sua honestidade intelectual...já não tenho mais.

    Já agora, para um futuro saudável, leiam atenciosamente. Eu sei q no final será apelidado de urologista parolo, mas pode ser que ao juntar as letrinhas ajude : http://www.traditionalvalues.org/pdf_files/GayReport.pdf

    Atenciosamente,

    Ass: Exit Only.

    ResponderEliminar
  63. Anónimo
    --------
    o gay report é uma peça de museu. Deve estar na vitrina ao lado do seu frasco de formol.

    ResponderEliminar
  64. Mário Miguel10/08/09, 16:02

    Nuvens de fumo,

    Colocaste tantas ligações aqui, que dava jeito que estivessem em formato de
    hiperligação.

    Para colocares um endereço em formato de hiperligação, nestas caixas de comentários, por exemplo, com o nome Clix para o sítio http://www.clix.pt, escreve o seguinte: <a href="http://www.clix.pt">Clix</a> e o resultado é este:Clix

    Mais informações aqui

    ResponderEliminar
  65. Mário Miguel10/08/09, 16:10

    Exit Only,

    «Pedro, tinha em consideração a sua honestidade intelectual...já não tenho mais.»


    Caso sejas o Zeca Portuga, e só nesse caso (o que pela amostra é altamente provável), o que se dirá da tua """honestidade""" *"*"*"intelectual*"*"*" presente na tua cópia insultuosa do Random Precision?

    ResponderEliminar
  66. Zeca, não sei porque é que escreveste: «Pedro, tinha em consideração a sua honestidade intelectual...já não tenho mais.»

    Se foi por causa da enumeração de erros de português, fi-lo apenas para mostrar que servir-se disso como argumento é intelectualmente desonesto. É normal cometermos gralhas e em geral ninguém liga a elas.

    Se foi por causa da citação dos comentários do artigo, fi-lo para mostrar que é intelectualmente desonesto servir-nos de um indivíduo como autoridade só porque nos convém. Se procurarmos por informação sobre The Flat Earth Society verificamos que até existem cientistas que abraçam a ideia de que a Terra é plana. Partilhei um link com um artigo sobre a masturbação para um artigo que tinha publicado ontem, que contradiz parte do artigo que indicaste. E se forem mencionados imensos urologistas que digam que o que é dito no artigo é ridículo? O que interessa é as razões.

    Para mim é importante que digam por que é que dizem as coisas.

    ResponderEliminar
  67. Mats,

    Como tambem não tens maneira de provar que Deus existe e que não quer homosexuais, apesar de os ter assim feito de nascença, tambem não tens uma referencia absoluta.

    É preciso comparar argumentos para saber o que está certo e errado. No caso da pedofili aé facil, a fragilidade das crianças e as sequelas que isso pode deixar são suficientes para estarmos todos de acordo que a pedofilia é um crime.

    No entanto, parece que algo que se passa entre adultos, por escolha livre, e sem prejuizo para a sociedade, pode ser um problema. Eu acho que se deve provar o prejuizo para a sociedade antes de mais nada. E em termos relativistas, na ausencia de prova, dar o beneficio da duvida.

    ResponderEliminar
  68. João,

    A pedofilia, e qualquer parafilia são muito ao gosto dos homofobicos por um motivo: remetem a conversa para a "normalidade" que é o local onde esta gente gosta de falar. Porque se existir uma normalidade os que não estão lá não são normais. Quando muito deficientes ou doentes. Enfim…

    No entanto esquecem-se , como ignorantes que são, que a história da psiquiatria, evoluiu das definições estanques de normalidade para as definições mais esbatidas. O que os confunde é que quando se afirma que não há uma normalidade isso não quer dizer que não existam comportamentos patológicos , apenas quer dizer que a patologia se define não contra a norma como antigamente acontecia.

    A variedade da sexualidade permite muitas combinações e cabe apenas a cada um saber qual a que mais lhe interessa.

    O que é profundamente pobre é a forma simplista como algumas pessoas vêem a vida afectiva. O maior problema não é terem essa visão da vida, o problema é que a querem impor aos outros. Mais alucinante é acharem que disponibilizar um contrato civil como forma de mitigar injustiças que não são defensáveis , é impor o casamento gay. Não conheço ninguém que proponha o casamento obrigatório, e por definição é um contrato livre LOLLL
    A definição que temos de família deriva de instituições pagãs , muito anteriores ao cristianismo. Mas também tiveram formas homo em vários locais do mundo, e não podemos apenas pegar nas formas pagãs que mais gostamos, ou são todas válidas, ou então vão dar banho ao cão : )

    Enfim, a alucinação dos fanáticos, seja em nome de kali, de Cristo, de Jeová ahlá etc, é sempre para forçar os outros a adorarem a nossa posição que é precisamente o contrário de disponibilizar escolhas livres para os cidadãos, adultos e que podem muito bem decidir por eles o que mais lhes convém.
    Em último lugar, o casamento gay irá legitimar este tipo de relações, diminuindo um estigma que só pode encontrar razão na mais profunda e grotesca ignorância e preconceito.

    Não quer isto dizer que as pessoas tenham de passar a adorar os gays, quer isto dizer que com o tempo, a normalidade desta situação fará com que no futuro as pessoas se interroguem : como foi possível…a escravatura, a ditadura, a segregação, etc

    ResponderEliminar
  69. Ass,

    "Creep Meister, curioso que alguém que defende a homosexualidade como algo que só diz respeito ao traseiro de cada um, me queira impôr um modo de escrever?"

    Aparentemente é disso mesmo que precisa. Se o que escreveu é uma pergunta, está mal construída. Se é uma afirmação, tem um ponto de interrogação a mais. Mas enfim, vou supor que é uma afirmação porque sendo o Ass um homem iluminado pela fé, tem com certeza muito poucas dúvidas em relação a seja o que fôr.

    Não foi imposição, foi um conselho. Uma melhor prática tipográfica, nada mais. Impôr seria se o ameaçasse de arder para sempre no inferno se não usasse o itálico.

    ResponderEliminar
  70. Em termos medicos, o que se verifica é que se não ha prejuizo direto para a saude, um desvio da normalidade tende a não ser considerado patologico. Parece-me que a psiquitria enveredou pelo mesmo caminho. Uma coisa boa do relativismo sociel. Do qual a sua forma mais radical - a realidade muda de acordo com o observador - é o sustento das ditas alternativas. E deploravel. Mas isso é outra historia.

    Curioso o facto de não haver homosexuais a ler o K treta. SEria interessante houvir a defesa na primeira pessoa.

    Eu considero que não é moralemebte sustentavel que uma minoria inofensiva deva ser oprimida pela maioria precisamente pela razão de ser apenas uma minoria. SE não são normais só porque são menos, não causam danos na sociedade, não vejo como não devem ser protegidas.

    Tal como a diversidade de opiniões, etc.

    Da Vinci se calhar era Gay - e eu não acredito em invenções deste genero mas quando li o diario dele havia alturas em que tinha a sensação de ser escrito por uma mulher. Muitos musicos e artistas de alto nivel são gays. Godel era gay, Turing era gay, etc etc. Deram ou não grandes contributos à humanidade? Inclusive ter ajudado a descodificar o codigo usado pelos Nazis, no caso do Turing. A quem obrigaram a injectar-se com hormonas. Foi justo?

    ResponderEliminar
  71. João

    Ser-se homossexual heterossexual ou bissexual é irrelevante para a questão.
    A questão do casamento gay, deve ser colocada onde pertence: nos direitos cívicos.
    Duas pessoas que se amam, independentemente do sexo, devem poder casar ou não ?
    A minha resposta é sim, devem.

    Porque ? porque não consigo imaginar nada , sem ser do foro moral, para impedir as questões práticas do casamento : a partilha de bens, a pertença a uma família etc.

    Pode ser união de facto?
    Na minha experiência com pessoas gay e bissexuais, e entendendo um pouco os seus dramas, não pode. Porque ? porque o casamento é, como muito bem apontou aqui o homofobico de serviço, uma instituição que tem peso, e reconhecer o casamento a pessoas do mesmo sexo permitirá que estas fiquem longe de verdadeiros infernos de chantagem, pressões etc.
    Notar que no caso de adopções e filhos, uma das partes ficava sem direitos nenhuns. Conheço casos de pessoas que perderam o/a filha porque mesmo tendo sido companheiros/as na altura da separação não há gays e heteros, as pessoas são todas iguais e magoam-se brutalmente. Os filhos , infelizmente são usados aqui como nos outros casos , como armas de arremesso.

    Podem adoptar crianças ?

    Essa é a mais complexa das questões. Eu sei que podem, e li já vários estudos comparativos entre casais tradicionais e casais alternativos. O problema vai ser o corpo legal de suporte a esta alteração. Sei que irá demorar muito tempo até estarem reunidas as condições.
    Na minha opinião, conheço casais gay que tem muito melhores condições económicas e de estabilidade de vida que a maioria dos casais tradicionais. No entanto, olhando para a jurisprudência nacional na matéria de adopções é de prever o pior. Acho que se prefere ter as crianças institucionalizadas a serem adoptadas. Ao menos em Espanha permitem ir ao estrangeiro arranjar crianças. Cá não deixam adoptar as nacionais e as estrangeiras tb não. É o reino da perfeição horrível, enfim.

    fica aqui a minha opinião do que conheço.

    Já agora , pergunta , o que é um gay ?
    Essa questão que parece tão óbvia é complexa. Eu conheci pessoas que viveram com pessoas do mesmo sexo e não são gays, tiveram fases de dúvida. Conheço pessoas que viveram a vida toda com pessoas do sexo oposto e são.
    Assim do pé para a mão, essa coisa da sexualidade servida em caixinhas herméticas é mais do departamento ali dos inquisidores de serviço. Claro que depois devem-se fustigar secretamente : )))

    ResponderEliminar
  72. Mats,

    «Isto vindo de alguém que quer impôr à sociedade os seus preconceitos pessoais naturalistas.»

    Não quero impor isso a ninguém. Se quiseres acreditar que a Lua é feita de queijo mágico eu defendo que estás no teu direito.

    Só reivindico o meu direito de apontar os dispartes no que tu afirmas. De resto, não quero que a lei te proiba nem de crer neles nem sequer de os afirmares.


    «Mas a crença de que se proteger o casamento contra a agende homosexual [...]»

    Eu sou casado. Explica-me, por favor, em que é que deixar a Teresa e a Helena casarem-se uma com a outra ia ameaçar o meu casamento. Nunca percebi essa da ameaça...

    ResponderEliminar
  73. José Simões,

    O problema fundamental aqui é se vamos aceitar que a lei, em contradição com a constituiição, imponha restrições aos cidadãos em função do seu sexo.

    Se a lei disser que ninguém pode celebrar dois contractos do tipo X ao mesmo tempo, isso não é problema. Por exemplo, eu tenho um contracto com a minha faculdade em regime de exclusividade. Por isso, segundo diz a lei, não posso celebrar outro contracto do mesmo tipo com outra instituição. Isso não é um problema de discriminação, não é contrário aos meus direitos fundamentais, e o contracto de casamento pode também ser considerado um contracto que exclui outros do mesmo tipo.

    Agora se houvesse uma lei a dizer que eu só poderia trabalhar numa faculdade se fosse de sexo diferente do director, isso sim era inaceitável. É por isso que acho que a lei de casamento que temos deve ser alterada.

    E é a lei que deve ser alterada. Não quero alterar o conceito de casamento que cada pessoa tenha. Se alguém aqui achar que só se podem casar pessoas de sexos diferentes, pois tem todo o direito de nunca aceitar casar com alguém do seu sexo. A única coisa que defendo é que essa decisão compete a cada um e não ao juíz ou ao funcionário do cartório.

    ResponderEliminar
  74. Nuvens,

    «A questão do casamento gay, deve ser colocada onde pertence: nos direitos cívicos.
    Duas pessoas que se amam, independentemente do sexo, devem poder casar ou não ?»


    Eu acho que a questão deve ser colocada de outra forma. O que devemos perguntar é se o sistema jurídico tem alguma coisa a ver com o sexo dos contractuantes.

    ResponderEliminar
  75. Creep,

    Ass é a abreviatura de assinatura e depois é q vem Exit Only. A sua "stora" era parva e a parvoíce dela contaminou, mas poupe-nos a estas observações ridículas.

    Tem razão, tem um ponto de interrogação a mais.

    Sinceramente estou saturado desta vossa pereseguição a tudo a q não seja apoiante da nova ordem, uma ordem construida nas costas dos cidadãos, por um punhado de intelectualóides infelizes.

    Porque não fazem um referendo? referendou-se a morte de bébés que não se podiam sequer defender, pq não referendar esta imitação de sociedade que querem incentivar, não penalizando? aliás façam várias alíneas:

    A- concorda com o casamento entre homosexuais?
    B- concorda com a adopção de crianças por homosexuais?
    C- Concorda com a necrofilia, desde que pedido autorização ao defunto e partindo do príncipio que quem cala consente?
    D- Concorda com a pedófilia, desde que a criança quando chegar a casa não o denuncie?
    E- Concorda com a bestialidade, desde que o animal não lhe coma nenhuma parte sensível essencial?

    Enfim poderíamos continuar para uma nova sociedade evoluida in a very twisted way, mas sei que não querem ver...acantonaram-se nessa "luta" e acham q a sociedade depende dela para "evoluir"...

    Se soubessem o desprezo nacional por estas "causas", escondiam-se. O problema é q o TUGA, por omissão, vai deixando estas propostas "inovadoras" passar.

    Repito mais uma vez, para q a velha táctica Nazi e Estalinista não vença, repetindo uma mentira até ela parecer verdade: eu não sou homofobo!! tanto qt alguns aqui são adoradores de Homosexuais, só pq acham q os estão a defender...já algum de vocês falou realmente com gays sobre este assunto? eu já tive esse abrolhos e garanto-vos que acham esta disputa ridicula e não deles, talvez de um punhado de revoltadinhos incentivados pelos anacletos louçãs deste país...

    Simplesmente não quero que esta sociedade iguale o que naturalmente, socialmente, históricamente, psicologicamente, sociologicamente, espiritualmente édiferente.

    Parem de contar essa mentira, parem de querer forçar a realidade para uma twisted reality. Existem valores que são o fio condutor de toda a existência do ser humano.

    Nada tenho contra os homosexuais, são livres de o ser, mas não igualem o que é diferente...inventem outro nome, outra noção, mas não usem palavras como casamento nem família, são instituições já fragilizadas suficientemente para serem atacadas assim...CHAMAM-LHE OUTRA COISA!!

    Até um dia,

    Ass: Exit Only.

    ResponderEliminar
  76. Anónimo,

    Acha que devemos proibír as missas com receio que se volte aos sacrifícios humanos?

    ResponderEliminar
  77. Anonimo Ass:Exit only:

    "Simplesmente não quero que esta sociedade iguale o que naturalmente, socialmente, históricamente, psicologicamente, sociologicamente, espiritualmente édiferente."

    Entre todos os equivocos morais em que o teu discernimento se encavaca, este é simbolico da tua homofobia, e se interpretado à luz da extensão dos conceitos que invoca, é um verdadeiro convite à discriminão por causa de afectos.

    Como demonstrar o ridiculo da tua questão em termos biologicos, sociais e historicos podia ser maçudo, pergunto apenas:

    Queres obriga-los a andar com a cara pintada de verde ou de azul? E uma sirene na cabeça, também?

    PS: Eu nem tenho amigos gays, mas ja conheci uns quantos. Ha uns parvos, outros simpaticos, outros espertos, outros estupidos. E não têm cauda nem chifres. Mas se a sociedade não proteger as minorias so tem a perder.

    ResponderEliminar
  78. Ludwig:

    "Acha que devemos proibír as missas com receio que se volte aos sacrifícios humanos?"

    Houve, não fales disso nem a brincar. O Mats continua a insistir na Moral Absoluta para justificar tudo e mais alguma coisa.

    Do totalitarismo moral ao sacrificio é uma distancia mais curta que daqui até aí.

    ResponderEliminar
  79. Mário Miguel11/08/09, 00:25

    Exit only (Zeca Portuga?),

    Uma má (em tese) e outra boa notícia para ti:)

    “Não lembra ao diabo” *


    Vídeo do hastear da bandeira monárquica na Câmara de Lisboa

    ResponderEliminar
  80. Ass,

    "Ass é a abreviatura de assinatura e depois é q vem Exit Only."

    A sério? Quem diria...

    Até é fofinho que tenhas sentido a necessidade de explicar a piadinha. De certeza que não estás no armário?

    Vá, vá, estou a brincar. Não te zangues. Eu prometo que te aviso da próxima vez que estiveres a ser gozado.

    ResponderEliminar
  81. Ludwig Krippahl

    -->Do sexo dos nubentes <--
    //*
    Não sei se percebi o teu ponto de vista, mas parece que é uma argumentação mais liberal, do género quanto menos o estado interferir nos contratos, etc...

    É isso ?
    *//

    ResponderEliminar
  82. Núvens,

    É mais específico que isso. O que defendo é que o estado não deve discriminar ninguém pelo seu sexo. É o que vem na Constituição, por isso não devia ser preciso defendê-lo (infelizmente, a Constituição é só um papel com coisas escritas...).

    Isto porque nem a pessoa tem a culpa do sexo com que nasceu, pelo que não é justo restringir as suas opções legais por causa disso, e porque o sexo de cada um é algo pessoal e fora do âmbito daquilo que pode ser regulado pelo estado.

    Por isso o que defendo é que, independentemente do que as pessoas acham que deve ou não deve ser um casamento, a lei não pode excluir casais pela combinação de sexos. Que o faça por contratos em conflicto, parentesco, número ou outras coisas, tudo bem. Se for preciso. Mas discriminar pessoas pelo sexo, orientação sexual, crenças ou outros aspectos pessoais é inadmissível porque essa esfera não está no domínio legítimo do estado.

    ResponderEliminar
  83. mas não usem palavras como casamento nem família, são instituições já fragilizadas suficientemente para serem atacadas assim...CHAMAM-LHE OUTRA COISA!!

    Cas-Gay ? União-gay-equiparada-aquela-palavra-que-não-pode-ser-mencionada?

    O poder da palavra, há algo de mágico nestas idiotices.

    Aliás o casamento de pessoas do mesmo sexo para já será apenas equiparado ao casamento, não terá , como já referi, as questões da adopção.

    Por falar nisso, e só para se relativizar o tema, estive a ver um programa sobre pessoas com deficiência mental que têm filhos, são casadas e felizes. No programa sobre a SS francesa, faz-se o acompanhamento de vários casais, que dentro das suas limitações conseguem criar as crianças até á idade em que estas ultrapassam a inteligência dos pais. Aí entra a ajuda social de forma a evitar a institucionalização.

    Acho sempre interessante ver as coisas de múltiplos pontos de vista, não obrigatoriamente relacionados, para se ter uma perspectiva sobre esta coisa do casamento mais alargada.
    Em vez de fragilizar o casamento, estas uniões de pessoas com problemas muito específicos, dignifica a sociedade civil mostrando que se pode levar a felicidade a pessoas que apenas há umas décadas seriam consideradas inúteis, despejadas em lares e morriam sós. Aqui tem famílias, tem filhos , são integrados.
    Nunca se perde por uma instituição ser alargada, esse tipo de medos são disparatados e o medo junto com a ignorância são os maiores males do mundo.

    ResponderEliminar
  84. LK

    Certíssimo, não tinha percebido.

    ResponderEliminar
  85. "mas não usem palavras como casamento nem família, são instituições já fragilizadas suficientemente para serem atacadas assim...CHAMAM-LHE OUTRA COISA!!"

    Eu proponho Gaysamento e Fufamília.

    ResponderEliminar
  86. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  87. Quanto às adopções, admito que, se os factos o justificarem, os casais homossexuais tenham uma penalização em relação aos heterossexuais. Pode ser que seja melhor para as crianças terem um pais e uma mãe em vez de dois pais e duas mães e, se for esse o caso, isso deve ser levado em conta.

    Mas isso não justifica que a lei exclua os casais homossexuais. Por um lado porque não é coisa que se deva permitir legislar e, por outro, não é razoável assumir que não haja um único casal homossexual que seja melhor para a criança do que ficar no orfanato.

    Um caso análogo é o da doação de sangue. Se estatisticamente os homens homossexuais têm uma taxa de infecção pelo HIV muito superior à média, justifica-se levar isso em conta na triagem dos dadores. Mas não seria admissível um decreto lei a proibir os homossexais de dar sangue.

    ResponderEliminar
  88. Onde está

    «um pais e uma mãe em vez de dois pais e duas mães »

    Devia estar

    «um pai e uma mãe em vez de dois pais ou duas mães»

    ResponderEliminar
  89. Ludwig Krippahl

    Os casais gay que eu conheço que tiveram filhos, foram exclusivamente mulheres. No caso foram filhos por inseminação e como casal funcionam exactamente como outro qualquer, tem os mesmos problemas, as mesma dúvidas, as mesmas felicidades.
    Nunca assisti a qualquer tipo de diferença significativa, afinal o quotidiano é por definição muito semelhante : )) e as crianças se inicialmente ficam desorientadas por haver duas mães, demoram muito pouco a tempo a habituarem-se a essa situação. Importante é neste e em todos os outros casos, o apoio da família, e dar ás crianças o afecto que necessitam.
    A orientação sexual das crianças não é determinada obviamente pela dos pais, senão de pais hetero só haveria filhos hetero.
    Quando muito, e na minha opinião, nascer numa família mais variada pode ser um factor de coesão e permitir ter-se uma visão mais aberta e tolerante do mundo e dos outros.
    Obviamente, que em Portugal não se poder adoptar crianças estrangeiras é uma parvoíce , coisa que em Espanha resolveu há muito as necessidades dos casais, muito antes de sequer poderem casar. Por cá nem sequer os nacionais hetero devem adoptar, podem perder as crianças e como podemos ver os tribunais não conseguem decidir de forma justa. Se eu adoptasse uma criança nunca seria através do sistema português, para depois aparecer um pai ou uma mãe a reclamar a “propriedade” sua. Para mim a paternidade é um dever e não um direito, mas isso é outra história. Eu acho uma injustiça para todos o sistema actual, mas é a vida.
    Resumindo, do que conheço não vejo nenhum motivo para a adopção não ser permitida.

    ResponderEliminar
  90. Por exemplo neste Estudo podemos ler:

    “Between 1 million and 6 million children in the U.S. are being reared by committed lesbian or gay couples, she says.”
    O que me parece ser uma amostragem significativa, e segue como eu dizia:
    "The vast consensus of all the studies shows that children of same-sex parents do as well as children whose parents are heterosexual in every way," she tells WebMD. "In some ways children of same-sex parents actually may have advantages over other family structures."

    Reparar a nota na vantagem sobre famílias clássicas. Curioso não é .: ))
    Uma coisa curiosa também, é que a lei tem de mudar nas licenças parentais, no caso de dois homens que adoptem uma criança .

    A própria noção de família está a mudar e isto muito mais depressa que a noção de casamento, o que os reaças de serviço não percebem é que se o casamento não acompanhar as mudanças sociais, desaparece e será substituído por outras instituições.

    ResponderEliminar
  91. Nuvens,

    Eu também não conheço razões para considerar o sexo do casal como factor relevante, por si só. Mas não excluo a possibilidade de haver correlações que se deva considerar. São questões complexas e sobre matérias de facto. Não podem ser resolvidas nem por princípios ideológicos nem porque se conhece dois ou tres casos em que tudo corre como normalmente.

    Mas a questão do âmbito legítimo da lei é uma questão de valor. Essa sim deve ser guiada por principios ideológicos e não é sensível a dados estatísticos. A grande maioria dos crimes violentos é cometida por homens, mas isso não justifica que o código penal tenha uma lei de homicídio para homens e outra para mulheres.

    Por isso o que defendo é que, haja ou não diferenças no caso da adopção, não compete à lei codificar normas diferentes para combinações diferentes de sexos. No máximo, isso será remetido para os critérios de selecção que deverão estar de acordo com os dados disponíveis.

    ResponderEliminar
  92. Nuvens,

    O meu último cruzou-se com o teu :)

    Só para acrescentar: se for verdade que, por exemplo, ter duas mães é estatisticamente melhor para as crianças que ter um pai e uma mãe, isso deve também ser considerado nos critérios de selecção. Por isso, se os dados o justificarem, também sou a favor de dar prioridade aos casais homossexuais se isso for tendencialmente melhor para as crianças adoptadas.

    E, da mesma forma, mesmo que se demonstre que os casais homossexuais são muitos melhores a cuidar de crianças que os heterossexuais, ainda assim seria contra a lei restringir a adopção apenas aos casais homossexuais.

    ResponderEliminar
  93. Por exemplo neste Estudo podemos ver que para além das crianças, os adolescentes também são igualmente normais e não tem de seguir a orientação dos pais.
    Não há nenhum dado cientificamente válido que demonstre o contrário, a família ideal é a que fornece afecto, educação, estabilidade. Não a que oferece o ken e a barbie : ))

    ResponderEliminar
  94. Segundo o que ouvi num 'Prós e Contras' na RTP sobre o assunto do casamento homossexual é perfeitamente normal e legal uma pessoa gay adoptar uma criança em Portugal como pai singular. Obviamente que como casal já não é possível porque a lei não reconhece essa 'coisa' do casal homossexual...

    ResponderEliminar
  95. A argumentação exposta no Acordão é ridícula, e ao contrário dos homofóbicos de serviço que não têm noção da estpidez atroz dos seus argumentos, acredito que os juízes tinham bem noção do disparate que se sentiram obrigados a escrever.

    O objectivo do casamento é tornar aquele que se pretende (em geral porque se ama) no familiar mais próximo. Formalmente é, como o Ludwig diz, uma descriminação de género. Mas efectivamente é uma descriminação segundo a orientação sexual.
    Uma lei que obrigasse todos os cidadãos a dizer de manhã que o benfica é o melhor clube do mundo seria igual para todos, mas ainda assim seria uma descriminação efectiva aos sportinguistas, e menbros de outros clubes que não o benfica.

    Seja pelos aspectos formais, seja pelos efectivos - qualquer que fosse o critério adoptado - era impossível não encarar a lei em questão como fazendo uma descriminação explicitamente proibida pela constituição.
    Os juízes sabiam disso, e quando li o texto do Luis Grave Rodrigues que tornava tudo isso muito claro pensei "como é que os Juízes vão descalçar esta bota?". Teriam de escrever algo que não fosse evidentemente disparatado, para transmitir uma ideia que sabiam ser evidentemente disparatada - que o LGR não tinha razão nas suas pretenções.

    Por isso é curiosa a forma como adopatram um estilo menos claro que o LRG ou que aqueles juizes que redigiram o voto de vencido. Nestes últimos textos o disparate do acordão é apresentado "a nu". É obviamente ridículo considerar que a lei fundamental deva ter a procriação como o objectivo do casamento. Ainda assim haveria uma descriminação efectiva e formal dos homossexuais face aos casais estéreis (casais em que ambos os elementos têm mais que 60 anos, por exemplo) ao permiir a uns ainda assim casarem-se e não a outros.

    Na verdade os juizes foram "obrigados" a rejeitar as justas pretensões de LGR, mas acredito que não tenha sido por homofobia ou preconceito. Acredito que tenha sido por razões pragamáticas alheias à ética jurídica "pura".

    Acredito que tenham sido da opinião que uma alteração destas não pode ser imposta pelo TC sob pena de não ter aceitação popular e causar conflitos sociais significativos; e que a bem da paz social deva ser o parlamento a aprovar explicitamente o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

    Na verdade eu próprio até preferia que essa mudança nascesse do parlamento e não do TC. Mas acho indecente que faça pouco da justiça, redigindo este Acordão vergonhoso com esse objectivo. Uma vez que o LGR expôs o seu caso de forma tão clara a lúcida - acredito eu - a única saída que restava aos juizes era empatar o acordão até que o casamento entre pessoas do mesmo sexo fosse aprovado na assembleia da república. E se isso fosse impossível, então teriam mesmo de dar razão a LGR - e sem votos de vencido.

    ResponderEliminar
  96. Quem passa por elas é q sabe, claro q quem vive no chiqueiro, acha que a merda é normal.

    Santiago Chiva, Granada disse...
    O casamento homossexual vai afetar a nossas famílias. Os fatos demonstram que tudo muda quando o casamento homossexual é legal. Se é legalizado, deve ser ensinado como normal, aceitável e moral, em cada escola pública.
    Nas primeiras escolas públicas, inclusive em Infantil, devem ensinar a seus filhos a aceitar que o casamento homossexual é mais uma opção moral. E isto confunde as crianças. Isso já aconteceu em Massachusetts
    O testimônio da família Parker comoveu a sociedade americana donde todos os referendos ratificam que o casamento é algo entre homem e mulher: “Solicitamos à escola que nos avisassem quando fossem tratar esses temas para termos a opção de que nosso filho não assistisse a este doutrinamento. Os professores, ao negar a opção de eximir ao nosso filho de assistir essas aulas estavam imiscuindo-se em nosso direito a formá-lo.”
    Parker foi a juízo e perdeu. A sentença deu razão ao Estado. Ao ser legal o matrimônio entre pessoas do mesmo sexo, grupos gay poderiam impartir oficinas de sexualidade a crianças de 5 anos sem permissão dos pais.


    Santiago Chiva, Granada, Espanha

    ResponderEliminar
  97. LK

    Existe extensa literatura de profissionais de referência na área.
    Mas penso que deve haver um debate aberto na sociedade para evitar confusões. Estes temas quando devidamente apresentados não deixam margem Para dúvida. A questão é como sempre o preconceito.

    Volto a dizer, os casos que conheci são provas acabadas de como este tipo de casal funciona perfeitamente bem . A questão está na ignorância e numa certa distância que existe entre as pessoas ditas normais e o quotidiano destas pessoas gay. Trabalham, chegam a casa e preparam o jantar dos filhos, etc etc, é a mesma coisa, sem tirar nem por. LOLL que diferença haveria de haver ?
    A imagem de instabilidade amorosa e de múltiplos parceiros, nasce , a meu ver do facto de ainda hoje em dia as pessoas saírem muito tarde “do armário”. Resultado, o que deveriam ter feito com 14 , 15 anos fazem com 38, 40.
    Ora isso é como tudo, as pessoas que se divorciam nessa idade também andam atrás de mulheres como se estivessem com cio LOLLLL passa-se o mesmo com as pessoas que se assumem mais tarde.
    Dá isto a ideia que é sempre assim, mas a questão é que estas como as outras pessoas aspiram à estabilidade.
    A sério penso que é tudo igual. Acrescentar que existem muitas pessoas bi que apenas mais tarde tem a maturidade de experimentar novas situações. O sexo é uma aprendizagem, há quem não saia da aldeia onde nasceu, há quem se aventure mais além e há quem nunca deixe de procurar novas sensações. Isto é válido para todas as orientações, todas as formas de sentir. Nenhuma é melhor que a outra, nem mais nem menos válida.
    Por isso acho muito pobre e árida a visão homofobica. Não por escolher uma direcção , mas por nem sequer perceber a multiplicidade e riqueza dos afectos.

    enfim..

    ResponderEliminar
  98. Anónimo
    -------

    e um pouco de sentido ? qual é o seu ponto de vista mesmo ?

    ResponderEliminar
  99. Santiago Chiva:

    Entendi. Permitir o casamento homossexual é mau porque:

    ao ser permitido vai levar as crianças a pensarem que não é mau. O que é falso, visto que é mau.


    Chama-se a esse disparate "petição de princípio". Está a concluir A a partir de um raciocínio que assume A. A falácia é tão evidente que até revelaria alguma incapacidade cognitiva. Duvido que seja o caso, acho que é mesmo o preconceito que lhe está a toldar o racicínio, e que se o assunto fosse outro o Santiago aperceber-se-ia do disparate que escreveu sem qualquer dificuldade.

    A frase que escreveu antes de se identificar também se aplica ao preconceito...

    ResponderEliminar
  100. João Vasco

    Tenho de tirar um curso em hermenêutica do disparate ...

    ResponderEliminar
  101. Nas primeiras escolas públicas, inclusive em Infantil, devem ensinar a seus filhos a aceitar que o casamento homossexual é mais uma opção moral.

    E não é porque ?

    ResponderEliminar
  102. Mas nada como a mentira

    "US Supreme Court turns down David Parker's appeal. Validates state's right to teach homosexuality to young children over parents' objections!


    Ora tungas

    ResponderEliminar
  103. Ninguém pegou na minha citação do Saramago :(

    Sendo assim vou apagar a pequena violação de copyright...

    ResponderEliminar
  104. Bruce,

    A citação é perfeitamente adequada ao tema em causa, e descreve bem o problema. O mesmo já disse antes Jacques Brel, em Les Bourgeois. Lê a letra até ao fim, e vê se a última parte não reflete a mesma ideia. Em português também se diz "quanto mais velho mais burro", ou algo do género.

    ResponderEliminar
  105. Nuno Coelho,

    Por acaso conhecia. Ouvi muito Jaques Brel em miúdo por causa de uma irmã mais velha absolutamente devota :)

    Apesar de uma ou outra diferença que noto entre esses dois casos, fico espantado é com as semelhanças com o meu: também gosto de chamar os bois pelos nomes, e estou a juntar pesetas para fugir deste país para uma ilha qualquer.

    ResponderEliminar
  106. O(s) CUzinheiro(s) preferido(s) do Exit Only, que também é Enter Only, dependendo do dia da semana.

    ResponderEliminar
  107. The real sodo plan:

    Se a união “conjugal” de um casal gay é assim anormal, então por que os militantes homossexuais lutam tanto para conquistar um direito ao casamento? Dois ativistas gays, mencionados na página 39 de meu livro O Movimento Homossexual, respondem:

    “…lutar a favor do casamento de pessoas do mesmo sexo e seus benefícios e depois, quando essa meta for alcançada, alterar completamente o significado da instituição do matrimônio. E exigir também o direito de se casar não como um meio de apoiar os princípios morais da sociedade, mas, pelo contrário, para acabar com um mito e alterar radicalmente uma instituição arcaica… A ação mais subversiva que as lésbicas e os gays podem empreender — é transformar totalmente a noção de ‘família””.

    “[A luta para legalizar o casamento entre pessoas do mesmo sexo] é o mais importante instrumento com o qual poderemos demolir todas as leis contra a sodomia, introduzir nas escolas públicas a educação sobre o homossexualismo e sobre a AIDS e provocar inúmeras mudanças no modo como a sociedade nos vê e nos trata”.

    ResponderEliminar
  108. Especialista holandês que trata casos de homoxesuais:

    "…os padrões de comportamento comprovam a improbabilidade de que a orientação sexual tenha uma origem genética. Sabe-se, por exemplo, que até mesmo em pessoas com cromossomos anormais a orientação sexual depende principalmente do papel sexual em que a criança foi criada. Sem mencionar os tratamentos psicoterapêuticos que têm tido sucesso em mudar radicalmente a orientação de indivíduos homossexuais. Será que esses tratamentos então causam mudanças genéticas nas pessoas? Isso é improvável.[7]

    …os padrões de comportamento comprovam a improbabilidade de que a orientação sexual tenha uma origem genética. Sabe-se, por exemplo, que até mesmo em pessoas com cromossomos anormais a orientação sexual depende principalmente do papel sexual em que a criança foi criada. Sem mencionar os tratamentos psicoterapêuticos que têm tido sucesso em mudar radicalmente a orientação de indivíduos homossexuais. Será que esses tratamentos então causam mudanças genéticas nas pessoas? Isso é improvável.

    A questão mais séria é que os activistas gays estão, de uma forma ou de outra, por trás das pesquisas que “provam” que a homossexualidade tem origem genética. Quem diz isso é o Dr. Vern L. Bullough, defensor do movimento homossexual e da pedofilia. Ele afirma:

    A política e a ciência andam de mãos dadas. No final é o activismo gay que determina o que os pesquisadores dizem sobre os gays.

    No entanto, ainda que conseguissem provar algum dia que a homossexualidade é causado por algum factor na natureza, isso não quer dizer que somos obrigados a aceitá-lo.

    Certamente, as pessoas não escolhem desenvolver sentimentos homossexuais. Mas isso não significa que quando alguém nasce ele já está pré-programado para ser homossexual para sempre. Não somos robôs biológicos. E não podemos ignorar as influências ambientais e nossa reação a essas influências. Ainda que em certos casos alguns indivíduos se tornassem homossexuais como “produto” da natureza, isso quer dizer que poderíamos desejar a homossexualidade e considerá-la normal? A natureza produz muitas condições por influência biológica, tais com depressão, desordens obsessivas, diabetes… mas não consideramos esses problemas “normais” só porque ocorrem “naturalmente”. Então por que é que a homossexualidade é colocado numa categoria diferente? Vale a pena mencionar que há alguns estudiosos sugerindo que a atração sexual de um adulto por crianças poderia ser também produto de alguma influência biológica inerente. Se conseguirem provar isso, então teremos que aprovar a relação sexual entre adultos e crianças?… Por exemplo, alguns cientistas crêem que há pessoas que nascem com influências biológicas para com o alcoolismo, vício de drogas, comportamento criminoso e até mesmo o divórcio. Mas isso significa que tais pessoas são obrigadas a se tornarem e permanecerem viciadas e criminosas? A biologia pode influenciar, mas não justifica automaticamente a possível consequência de todo comportamento. E também não elimina nossa responsabilidade pessoal, vontade, consciência ou nossa capacidade de escolher controlarmos ou ser controlados por nossas fraquezas.

    Nem mesmo o famoso Kinsey, que os activistas gays não se cansam de citar para apoiar suas práticas sexuais, parecia acreditar que a homossexualidade tem causas genéticas. Ele disse: “Eu mesmo cheguei à conclusão de que a homossexualidade é em grande parte uma questão de condicionamento.”

    Vamos todos comer gelado de merda com molho de escarro, ok? Ouçam o q vos digo e os media influênciados pelo loby do novo paladar: É BOM!!

    ResponderEliminar
  109. Anónimo,

    Esqueça , não percebe nada de coisa nenhuma, é um simples.

    ResponderEliminar
  110. O psiquiatra e sexólogo Julio Machado vaz, num dos seus programas colocou uma vez um das mais curiosas perguntas: porque é que alguém é heterossexual ?
    Isto para demonstrar que nós nem sequer sabemos responder a esse porque. Tentar perceber se existe condicionamento cultural, ou biológico, os dois e destes qual o maior é um grande desafio e algo que é fascinante. Achei interessante deixar essa linha de pensamento, tipo pensar “fora da caixa “.

    ResponderEliminar
  111. A organização gay NAMBLA (North American Man-Boy Love Association) declara: “A Associação Norte Americana de Amor entre Homens e Meninos (NAMBLA) é uma organização fundada em resposta à extrema opressão que sofrem homens e os meninos envolvidos em relacionamentos sexuais consensuais e outros relacionamentos uns com os outros. A NAMBLA aceita como membros todos os indivíduos simpatizantes da liberdade sexual em geral, mas principalmente do amor entre homens e meninos. A NAMBLA se opõe fortemente às leis de consentimento sexual e outras restrições que impedem os adultos e os jovens de ter pleno prazer físico e controle sobre suas vidas. A meta da NAMBLA é acabar com a antiga opressão contra os homens e meninos envolvidos em relacionamentos mutuamente consensuais”

    Outros activistas gays declararam:

    “Nos casos em que crianças têm relações sexuais com um irmão mais velho que é homossexual… minha opinião é que muitas vezes é a própria criança que deseja essa relação, e talvez a peça, por curiosidade natural… ou porque ela é homossexual e instintivamente sabe disso… Diferente de casos de meninas e mulheres estupradas à força e traumatizadas, a maioria dos gays tem boas lembranças de seus primeiros encontros sexuais quando eram crianças.”

    “Os amantes de meninos e as lésbicas que têm amantes mais jovens são as únicas pessoas que estão se oferecendo para ajudar os jovens… Eles não são estupradores de crianças. Os estupradores de crianças são os padres, os professores, os terapeutas, os policiais e os pais que forçam os jovens, que estão sob sua responsabilidade, a aceitar sua moralidade fora de moda. Em vez de condenar os pedófilos por seu envolvimento com jovens gays e lésbicas, devíamos apoiá-los.”

    Claro que estando fora de moda esta moralidade, até os podíamos queimar...

    “Na minha opinião, a pederastia devia receber o selo de aprovação. Acho que é verdade que os amantes de meninos [os pederastas] são muito melhores para as crianças do que os pais…”

    UAU...incrível...renasci para o cólon!

    “Sexo entre jovens e adultos é uma das questões mais difíceis no movimento gay. Quando é que um jovem tem o direito e a autoridade de fazer suas próprias decisões sexuais? De que modo as leis contra sexo entre adultos e crianças são usadas especificamente para atingir os gays?”

    “Se eu fosse examinar o caso de um menino de 10 ou 11 anos que sente intensa atração por um homem de 20 ou 30 anos, se o relacionamento é totalmente mútuo e o amor é totalmente mútuo, então eu não chamaria isso de doentio de forma alguma… Quando os ativistas gays começaram suas campanhas políticas, não havia suficientes informações científicas com que basear sua luta para promover os direitos gays. Mas não se precisa de informações cientificas essenciais a fim de se trabalhar ativamente para promover uma ideologia específica, enquanto se está preparado para ir para a cadeia. Não é desse jeito realmente que sempre ocorrem as mudanças sociais?

    desculpem, mas vou ali vomitar e já venho...

    Já agora reflitam no verdadeiro propósito destes seres...

    ResponderEliminar
  112. Anónimo

    Já colocou uma notícia que não era verdadeira, agora coloca mais disparates.
    Olhe um conselho, existe medicação no mercado que controla as psicoses. Consulte um médico, pode ainda vir a ter uma vida normal.

    Quanto à dita organização, é repudiada pela ILGA, e por a esmagadora maioria das organizações da sociedade civil Americana.
    Praticamente já nem existe, e seria importante perceber o contexto em que surge.

    More recently, media reports have suggested that for practical purposes the group no longer exists and that it consists only of a web site maintained by a few enthusiasts

    A sua argumentação é um lixo

    ResponderEliminar
  113. Zeca, andas a misturar pedofilia com homossexualismo, sendo selectivo nas amostras para os teus propósito - isso é uma falácia de indução. Eu também posso concluir que o cristianismo devia ser proibido citando o "friendly christian" KKK (pesquisa lá no Google), e grupos do género, tal como, por exemplo, o Mats no seu blog usou uma citação de um homossexual a dizer que não queria casar como argumento contra o casamento de pessoas do mesmo sexo.

    ResponderEliminar
  114. Zeca, é esse o livro a que te referes?

    O Movimento Homossexual, de Júlio Severo, publicado pela Editora Betânia.

    «Traz também um alerta para que os cristãos e a igreja não se calem, mas ofereçam respostas claras e bíblicas para todas as pessoas que desejam conhecer e fazer a vontade de Deus num mundo que está cada vez mais se corrompendo.» (...) «Adquira nas livrarias evangélicas ou ligue grátis para a Editora Betânia nos seguintes telefones»

    ResponderEliminar
  115. Nuvens fofinhas,

    A podridão dessa organização, NAMBLA, é apenas a ponta de um icebergue sujo que ecludiu pós a queda do muro de berlin e no seguimento das "conquistas libertárias" dos anos 60, onde uma orde de proscritos, até então, se uniu aos restos comunas, aos media vendedores de vouyerismo sórdido que alimenta as dona de csa frustadas, os extremas esquerdas ubano-depressivos, as comunolésbicas e afins, radicais de todos os quadrantes,etc,etc...

    Claro que a ILGA é inteligente o suficiente para que na sua caminhada estratégica não dê apoio, por enquanto, a esses maluquinhos e extremistas...e perversidade inteligente é uma característica q eu não subvalorizo.

    A mim não me enganam e se alguém preciso de tratamento rápido e profundo é V. Excrecência.

    Já reparou que todos os argumentos são desvalorizados por vocês, independentemente, da origem e valor?

    porque não é honesto(a) consigo e com os outros e declara simplesmente que independentemente do que lhe digam, quer um mundo gay? e para isso tem de matar as instituições normais, clássicas e naturais, de modo a que a nova ordem possa aparecer sem obstáculos e a equiparação a casamento é o primeiro passo?

    seja honesto(a)!!

    "Contudo, não é só a realidade que comprova que a pederastia tem ligação forte com a homossexualidade.

    "Mas mesmo quando não há estupro físico, o trauma ainda é uma realidade para crianças próximas a homossexuais. Na TV, as imagens de gays se casando chamaram a atenção de Bronagh Cassidy. Ela disse sobre esses casais: “Eles pareciam tão orgulhosos de si mesmos. E então eles tinham criancinhas consigo”. Cassidy, que tem 27 anos, casada e mãe de dois filhos, suspira: “Algo dentro de mim quer se levantar para ajudar essas crianças, pois sei que elas vão ter problemas”.

    Cassidy fala por experiência: Ela foi criada por um casal de lésbicas. Em 1976, a mãe de Cassidy participou de uma cerimônia religiosa em que se uniu com uma mulher chamada Pat. Para realizar a concepção de Cassidy, elas fizeram inseminação artificial em casa, misturando o esperma de dois amigos gays “para garantir que ninguém viesse a saber quem é o pai”, diz Cassidy. “Quando era menina, eu sempre sentia que havia algo de anormal”, disse Cassidy. “Sentia como se eu não devesse ter existido. Diariamente, eu tinha tal conflito"

    Mas não dando atenção a casos assim, um ideólogo gay, Gwercman, tenta de todas maneiras defender o casamento e adopção gay, alegando que em nossa época muitas coisas são diferentes. Ele cita uma psiquiatra feminista: “Quando subvertemos o papel da mulher e ela deixou de cuidar dos filhos em casa para trabalhar, muita coisa mudou”.

    Provavelmente, essa é a única afirmação coerente no artigo de Gwercman. As feministas vêm subvertendo radicalmente a ordem familiar e social, tentando criar a imagem da mulher “durona”, desligada do lar e dos filhos, enquanto impõem que os homens sejam treinados para serem “sensíveis”. Sua meta é a inversão de papéis.

    Embora o comportamento homossexual esteja ganhando adeptos entre homens e mulheres, é só no meio dos homens que seu crescimento tem sido explosivo. Mas as feministas não se importam com isso, contanto que a masculinidade normal desapareça. Para elas, pelo menos homens homossexualizados não representam “ameaça”, já que eles não têm a capacidade de se casar com mulheres e mantê-las na “vergonhosa, opressiva e desprezível condição de esposa submissa e dona de casa.” Seria de estranhar então o motivo por que elas dão tanto apoio aos activistas gays?

    No entanto, quem virou homossexual ou foi condicionado a pensar que nasceu desse jeito não é obrigado a permanecer a vida inteira nesse estilo de vida. É difícil um viciado em drogas se libertar de sua opressão, porém não é impossível...

    Quantos mais argumentos e evidências querem? ou tb as vão desvalorizar e dizer q não contam?

    ResponderEliminar
  116. qual o problema Pedro?

    ResponderEliminar
  117. Zeca, digamos que é como um livro de Testemunhas de Jeová sobre transfusões de sangue. Pode apresentar, por exemplo, sites de activistas gays que digam algo semelhante, em vez de um evangélico a escolher frases?

    ResponderEliminar
  118. isso seria o mesmo que encontrar no site do bloco de esquerda uma posição séria, moderna e da boca de um operário...

    ResponderEliminar
  119. E como não tenho o comunismo e o bloco de esquerda em boa conta, nunca tendo votado nos partidos em questão, tendo já citado várias vezes obras de George Orwell e até comparo o Francisco Louçã a um padreco moralista, a questão do BE é irrelevante, servindo apenas para ad hominems, revelando falta de honestidade intelectual.

    Então existem fontes entre os tais activistas, ou só temos evangélicos e pedófilos?

    ResponderEliminar
  120. Caro anónimo,

    Não gosta de homossexuais, não coma. Olhe eu também não gosto de espadarte fumado. Pensei em responder extensamente mas desisti. Experimente LSD, Ecstasy , nem sei , qualquer droga que o faça sentir mais feliz.
    Há por aí muito departamento psiquiátrico que o vai adorar tratar, a minha especialidade é muito diferente(felizmente)
    Os seus argumentos são uma alucinação completa, percebe-se que não conhece nada da realidade a não ser através desses sites evangélicos escritos por dementoides.
    Enfim, deitar pérolas a porcos, cansa e aborrece os porcos. E estou a falar de si para que não tenha de interpretar.

    Sendo a sua fonte os sites evangélicos que quer que lhe diga.

    ResponderEliminar
  121. seja honesto(a)!!

    "Contudo, não é só a realidade que comprova que a pederastia tem ligação forte com a homossexualidade.


    eu assumidamente não tenho sexo ;) sucubos ou incubos a escolha é minha :))

    quanto à pedofilia :

    o estudo que relaciona pedofilia com homossexualidade ? humm
    sem ser um daqueles evangélicos histéricos.

    ResponderEliminar
  122. Sobre identidade , com piada e a ler.

    This means that we are not a place: we are a process.
    deste artigo

    Isto deve-nos sempre lembrar que somos muito mais ricos e variados do que podemos imaginar.

    Tirando aqueles que já conhecem tudo : )))

    ResponderEliminar
  123. porca histérica é a srª sua mãe q o(a) devia ter abortado(a)...

    Estudos independentes, aqui vamos nós:

    - Num estudo publicado por Blanchard, Barbareee, Bogaert, Dicky, Klassen, Kuban e Zucker, em 2000, os autores, a maioria do departamento de psiquiatria da Universidade de Toronto, concluíram que apenas 2% a 4% dos homens que se sentiam atraídos por adultos preferiam outros homens (ou seja, 2% a 4 % da população masculina seria homossexual), no entanto, o mesmo estudo conclui que entre 25% a 40% dos homens que se sentiam sexualmente atraídos por menores preferiam crianças do sexo masculino, em consequência a taxa de incidência da homossexualidade é, de acordo com o estudo, entre 6 a 20 vezes superior entre os pedófilos.


    - A Dr. Judith Reisman, investigadora da "American University", em dois estudos, “Crafting 'Gay' Children: An Inquiry into the Abuse of Vulnerable Youth Via Establishment Media and the School Room" e "Partner Solicitation Language as a Reflection of Male Sexual Orientation", referentes ao seu trabalho sobre os relatórios do Instituto Kinsey, “Kinsey: Crimes & Consequences”, chegou às seguintes conclusões baseada em estatísticas do governo dos EUA referentes ao ano de 1992; de cerca de 86 a 88 milhões de homens heterossexuais, 8 milhões abusaram de raparigas menores de idade, o que constitui 25% do total de raparigas, e uma percentagem incerta de uma população homossexual estimada de cerca de 2 milhões abusaram de 6 a 8 milhões de rapazes menores de idade, constituindo entre 17% a 24% do total de rapazes, logo, considerando os números agregados, 3 a 4 rapazes são sexualmente molestados por cada adulto homossexual do sexo masculino e “apenas” 0.19 raparigas são sexualmente molestadas por cada adulto heterossexual do sexo masculino. As conclusões são evidentes.

    - O Dr. Stephen Rubin da "Whitman College" conduziu em 1987 um estudo em 10 Estados americanos sobre o abuso sexual de menores envolvendo professores. Considerou 199 casos - a dimensão da amostra -, desses casos 122 referiam-se a professores que haviam molestado raparigas e 14 a professoras que haviam abusado de rapazes e 59 casos a professores que molestaram rapazes e 4 a professoras que molestaram raparigas. Ou seja, cerca de 32% dos casos de abuso sexual de menores haviam sido perpetrados por homossexuais que, segundo o “Journal of Sex Research”, constituíam 1% a 2% da população total, isto é, cerca de 1/3 dos casos de abuso sexual de menores foram levados a cabo por homossexuais que, enquanto grupo, não ultrapassam os 2% do total da população do país considerado.

    - O “Los Angeles Times” conduziu em 1985 um estudo que incidiu sobre 2628 adultos espalhados pelos EUA, desses, 27% das mulheres e 16% dos homens haviam sido sexualmente abusados, 7% das mulheres e 93% dos homens foram molestados enquanto menores por adultos do mesmo sexo, o que significa que 40% dos casos de pedofilia foram levados a cabo por homossexuais (não esquecer que estamos a falar de um grupo que não ultrapassa os 2% do total da população).

    - O Dr. Freund e o Dr.Heasman do “Clark Institute of Psychiatry in Toronto” levaram a cabo dois estudos sobre abuso de menores e concluíram que cerca de 34% dos ofensores eram homossexuais (novamente lembro que estes resultados devem ser sempre comparados com a percentagem estimada de homossexuais no total da população, entre 1% e 2%.


    - O Dr. Adrian Copeland, psiquiatra do “Peters Institute” de Philadelphia, que trabalha com predadores sexuais, afirmou que com base na sua experiência profissional os pedófilos tendem a ser homossexuais e que 40% a 45% dos violadores de menores tiveram “significativas experiências homossexuais” (na linguagem do médico é o mesmo que dizer que são de facto homossexuais, não imagino um heterossexual a ter significativas experiências homossexuais).


    Mais??

    a compilar!

    ResponderEliminar
  124. - O Dr. Paul Cameron, em 1993, definiu 3 tipos de evidência científica para retirar conclusões sobre a proporcionalidade da incidência de casos de abusos sexuais por parte de homossexuais: 1. relatórios dos casos de abuso sexual entre a população em geral; 2. relatórios dos que foram julgados e condenados por abuso sexual; 3. o que os homossexuais responderam em inquéritos realizados sobre as suas práticas sexuais.

    Com base nestes três critérios Paul Cameron concluiu que, numa população homossexual estimada de 1% a 3%, 1/5 a 1/3 dos abusos sexuais sobre menores foram levados a cabo por homossexuais, confirmando os dados fornecidos por todos os estudos atrás enumerados. De acordo com os critérios definidos chegou aos seguintes resultados, em maior detalhe: 1/3 dos casos de abuso sexual sobre menores denunciados pela população em geral foram cometidos por homossexuais, entre 1/5 e 1/3 dos julgados e/ou condenados por abuso sexual de menores eram homossexuais, entre 1/5 e 1/3 dos homossexuais admitiu ter molestado sexualmente menores.

    Cameron conclui que uma população homossexual que rondará os 2% é responsável pela prática de 20% a 40% dos casos de pedofilia e que o risco de uma criança ser molestada por um homossexual é 10 a 20 vezes superior ao de sofrer esses abusos por parte de um heterossexual. Será preciso acrescentar algo mais?

    Todos estes estudos revelam que constituindo cerca de 2% da população total os homossexuais representam cerca de 1/3 do total de violadores de menores!

    ResponderEliminar
  125. Wikipedia: «Gregory M. Herek, a psychologist specialising in prejudice against sexual minorities, charges that Cameron misrepresented the literature he had reviewed and cited to support his claims, such as a Groth and Birnbaum (1978) study in which none of the participating child molestors actually identified as homosexuals, and none of those who were bisexual claimed to prefer men over women. Furthermore, while Cameron assumed all the same-sex molestations were perpetrated by homosexuals, he did not assume all the opposite-sex molestations were perpetrated by heterosexuals; he included a "bisexual correction" only for opposite-sex molestations that effectively increased the number of perpetrators described as "homosexual" without changing the number described as "heterosexual".»
    Facts About Homosexuality and Child Molestation

    ResponderEliminar
  126. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  127. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  128. Ao longo do tempo o número de pessoas que não tem medo de se assumir como sendo livre de ter a orientação que entende tem, felizmente aumentado. Basta sair á noite, em certos locais, para se perceber que esta juventude é muito mais aberta à diferença.
    Esta diferença passa também por em locais sem ser gay friendly, ser hoje em dia normal, encontrar casais de mulheres ( mais frequentemente) que se beijam, ou muito raramente, homens. ainda há um grande preconceito, mas vai acontecendo. No tempo do anónimo isso seria impossível, motivo pelo qual muitos da sua geração passaram a ser uns rancorosos com tiques de histeria feminina.

    Seja como for, a escolha da orientação , que não é uma escolha mas sim um descoberta, nada tem que ver com qualquer parafilia. Não necessitamos de tirar um curso de psiquiatria para perceber a diferença. A pedofilia é uma deficiente formação da sexualidade , não é uma variante, nem uma diferença, é uma falha. Porque ? a resposta infelizmente não é simples, mas o facto de se tratar de um relacionamento nem sempre com sexo envolvido, sempre desequilibrado, onde uma parte completamente controla a outra, é a prova de que não se trata de um relacionamento, mas sim de uma anomalia no tecido afectivo.
    Reparar que o pedófilo não quer ter uma relação afectiva, mas sim satisfazer o ser desejo que só pode ser concretizado através de processos próprios.
    Confundir isto com uma relação homossexual é pura saloiice. Mais nada.

    Em alguns indivíduos, as fantasias ou estímulos parafílicos são obrigatórios para a excitação erótica e sempre incluídos na atividade sexual. Em outros casos, as preferências parafílicas ocorrem apenas episodicamente (por ex., talvez durante períodos de estresse), ao passo que em outros momentos o indivíduo é capaz de funcionar sexualmente sem fantasias ou estímulos parafílicos. O comportamento, os anseios sexuais ou as fantasias causam sofrimento clinicamente significativo ou prejuízo no funcionamento social, profissional ou em outras áreas importantes da vida do indivíduo.
    por exemplo aqui
    Ou aqui
    wiki

    ResponderEliminar
  129. "... irmã mais velha absolutamente devota :)"

    Bruce,
    a carapuça também a enfio, mas já tenho a minha conta de irmãos mais novos :-) Cumprimentos à sua irmã com excelente gosto.

    Anónimo,
    é a serio? Custa-me acreditar. A não ser que seja mesmo o Zéquinha, nesse caso escusa de responder, está tudo dito.
    Cristy

    ResponderEliminar
  130. o zeca fica sempre excitado com estes temas, porque será ?

    ResponderEliminar
  131. João Vasco,

    Concordo contigo mas tenho de implicar com isto:

    «Formalmente é, como o Ludwig diz, uma descriminação de género.»

    Eu sei que se está gradualmente a transformar a palavra, mas incomoda-me porque se está a perder uma distinção importante. Género é uma categoria linguística. As palavras "cancela" e "cadela" são do género feminino, "caixão" e "cão" são do género masculino.

    Mas nem a cancela, o caixão, o cão ou a cadela têm género. E o que os últimos têm é sexo.

    Por isso a discriminação não é pelo género -- até porque se fosse pouco me importava, os linguistas que se amanhassem, que isso só discriminava palavras e não pessoas. O problema é que discriminam o sexo.

    Mas, como eu disse, isto é só mesmo para implicar :)

    ResponderEliminar
  132. Mário Miguel13/08/09, 12:36

    Devia dar uma boa treta da semana...

    Só esta parte (depois de investigada):

    Selmes é uma pequena freguesia do concelho da Vidigueira. A sua população é muito devotada aos mistérios do Além e ao espírito errante do morgado da Rabadoa, desaparecido de forma dramática nos primeiros anos do século XX e cuja alma, garantem, andará a cirandar na busca do infortúnio de quem circula numa qualquer curva da estrada que liga a povoação ao mundo real. Pois bem, é nesta terra que trata tu cá, tu lá as almas do outro mundo»

    Ver aqui.

    ResponderEliminar
  133. Eh!Eh!

    Curiosamente apercebi-me desse lapso logo depois de ter escrito, mas não me dei ao trabalho de corrigir.

    (Nota: género não é apenas uma categoria linguística, mas também uma categoria sociológica resultante de uma construção cultural, de acordo com alguns autores - segundo os quais geralmente os homens têm género masculino e as mulheres feminino, mas nem sempre. Mas mesmo nesse caso a palavra estaria mal usada, pois as leis devem ser alheias a esses fenómenos culturais)

    Assim fizeste tu a correcção :p.

    ResponderEliminar
  134. O comentário anterior é relativo ao último comentário escrito pelo Ludwig. Por engano não vi o comentário que se seguia a esse.

    ResponderEliminar
  135. Mário Miguel,

    Só mesmo essa parte, que o resto da notícia teria de ser para a tragédia da semana....

    ResponderEliminar
  136. João Vasco,

    Sim, há pessoal a defender o género como construção social e assim. Mas julgo que isso vem da crítica literária, feminismo e assim. Pessoal de línguas, basicamente, que, com o livro à frente, não notam que a diferença entre um pénis e uma vagina é mais que meramente cultural :)

    ResponderEliminar
  137. Se bem que medicamente um homem, XY ,possa não responder á testosterona e desenvolver uma vagina.
    Ou desenvolver os dois sexos. E claro , que mesmo sendo um homem que é uma mulher pode ser gay e só gostar de homens : agora até eu me baralhei.
    Mas assim pareceria menos mal : )))

    ResponderEliminar
  138. Ludwig:

    Essa crítica tem bastante de verdadeiro infelizmente. Creio que a forma como vêm os efeitos da "cultura" na formação da personalidade e no comportamento face à importância dos aspectos biológicos é claramente exagerado.

    Mas, por si, a definição de "género" como distinto de (mesmo que relacionado com) "sexo" não tem essa implicacção.

    Basicamente uma coisa é objectiva - quem tem XX é mulher, quem tem XY é homem.
    Outra coisa são os comportamentos geralmente associados ao homem ou à mulher. Estes é que alegadamente definem "género". Um homem que se sente mulher, prefere usar roupa de senhora, etc... seria assim um homem de género feminino, pois teria adoptado os comportamentos associados às mulheres.
    Por si uma definição não corresponde a uma afirmação, resta saber se ela é útil, prática. Quanto a isso não sei, pois precisaria de conhecer melhor as discussões em que surge para ter noção de até que ponto pode lançar mais luz sobre o assunto, ou ofuscar o essencial.

    ResponderEliminar

Se quiser filtrar algum ou alguns comentadores consulte este post.