segunda-feira, fevereiro 16, 2009

Ooops...

Hassans

Muzzammil Hassan migrou do Paquistão para os EUA há 25 anos. Teve sucesso e tornou-se num próspero homem de negócios em Buffalo, NY. Em 2004 fundou a Bridges TV, uma estação de televisão com a qual queria realizar o desejo de todos os muçulmanos americanos de «praticar a sua religião em paz e mudar a imagem negativa que muitos americanos não-muçulmanos têm do Islão»(1).

Na passada sexta feira o plano sofreu um percalço quando Muzzammil Hassan decapitou a sua mulher por esta o ter acusado de violência doméstica e ter obtido uma ordem judicial de protecção contra o marido (2).

1- VoA News, 16-11-04, Muslims in America Reach Out
2- Chesler Chronicles, 13-2-09, Beheaded in Buffalo: The Honor Killing of Asiya Z. Hassan

A foto foi retirada do artigo HASSAN CHOP. A legenda original é «The couple in happier times, before Hassan removed his wife’s head».

54 comentários:

  1. Mário Miguel16/02/09, 23:35

    Como somos formatados inicialmente (não passo a redundância), é por demais importante. Fugir a isso é do mais difícil que pode haver. A selecção natural deve ter culpa nisto.

    ResponderEliminar
  2. Isso para as audiências deve ter sido fantástico. Como mensagem de paz é que já nem tanto.

    ResponderEliminar
  3. Não nos esqueçamos que há muito pouco tempo nós faziamos o mesmo.

    O nosso sentimento de superioridade sobre as pessoas que vivem sob o Islão é recente.

    Nós tivemos foi a sorte de. há muito pouco tempo, mudar de mentalidade.

    Basta ver um filme como o Chocolate, que é ficção eu sei, mas que poderia ser real na França de 1959.

    Nós é que, graças ou contra Deus (ou os Deuses. Bolas não vá eu ignorar Algum e perder a eternidade) evoluimos.

    Evoluimos mas há muito pouco tempo.

    Sem querer ofender nenhuma das Divindades parece-me, e reparem que digo parece-me, que isto teve a ver com alguma distanciação das Ditas e Aludidas Divindades (Todas com letra grande como convém)

    Agora a questão que se me coloca é a seguinte:

    Nietzsche e outros ateus e herejes que tais devem estar no inferno, e por toda a eternidade, por terem desafiado a vontade dos Deuses.

    No entanto esse desafio trouxe moral e ética melhores, logo um bem.

    Ora se fizeram o bem .... devem ir para cima...

    Valha-nos S.Cricalho, advogado, das obras do c......

    Ter uma prática e uma teoria mais ética que a dos Deuses dá direito à salvação ?

    E se sim o que acontece aos Deuses ?

    Vão lá para baixo ?

    Questões que só um teólogo encartado pode responder e a que eu digo, com toda a humildade, que ele há problemas do c......

    ResponderEliminar
  4. Os senhores aqui reunidos têm uma ideia da taxa de violência doméstica em Portugal? Dos números de mulheres portuguesas mortas pelos seus "homens" por muito menos do que um processo tribunal? Dos juizes portugueses que acham que usar uma minisaia e ir tomar café com as amigas é uma atenuante na hora de passar a sentença contra o assassino? Nestas coisas de maltratar a mulher não há ninguém, nem mesmo muçulmanos, que nos possa ensinar seja o que for.
    Cristy

    ResponderEliminar
  5. Cristy,

    Falas de um país católico, sim senhor, mas que busca a violência doméstica apenas na pureza da estupidez natural. Concede-nos (ainda assim) a riqueza interior de ter por objectivo condenar e prender os que em transe animal acabam com a vida a alguém.

    Outra coisa bem diferente é a decapitação como eloquência declarativa. Balcãs, Afeganistão, Paquistão, Iraque... Diria que este homem não matou a sua mulher, decapitou-a virtuosamente.

    O único ponto em comum deste caso com o a realidade nacional é que o inferno não está circunscrito à epopeia maometana da religião pelo sabre... Repara que também o imbecil do Perspectiva já várias vezes se mostrou convencido de que o pecado se paga com a morte (do próprio pecador ou mesmo de outros por ele). Este é o passo que nos separa da virtude literalista dos textos sagrados. Felizmente que se contam pelos dedos da mão os imbecis dispostos a dá-lo em Portugal.

    ResponderEliminar
  6. Cristy, como o Bruce diz, há uma diferença entre a brutalidade marialva do Tuga que bate na mulher porque é bêbado, infeliz e impotente, e então decide castigar quem é mais frágil e dele dependente, e alguém que pura e simplesmente decapita a mulher por esta cometer um crime aos olhos do Islão que é punido precisamente com a decapitação. Enquanto que o Marialva é desprezado na nossa sociedade, este homem fez aquilo que deve ser feito de acordo com a lei divina.

    E se a isto adicionarmos o facto que este imbecil tentou mostrar o quanto o Islão é afinal uma religião de paz e fantástica em geral, a ironia é cruel, negra, mas intensa. A hipocrisia a este nível mata apenas com o fedor.

    ResponderEliminar
  7. "Falas de um país católico, sim senhor, mas que busca a violência doméstica apenas na pureza da estupidez natural. Concede-nos (ainda assim) a riqueza interior de ter por objectivo condenar e prender os que em transe animal acabam com a vida a alguém"

    Bruce,
    e isso não se aplica aos estados Unidos da América?
    Cristy

    ResponderEliminar
  8. "Cristy, como o Bruce diz, há uma diferença entre a brutalidade marialva do Tuga que bate na mulher porque é bêbado, infeliz e impotente, e então decide castigar quem é mais frágil e dele dependente, e alguém que pura e simplesmente decapita a mulher por esta cometer um crime aos olhos do Islão que é punido precisamente com a decapitação. "

    Barba Rija,
    pois olha, fico muito contente pelas 31 mulheres (este é o número comprovado, o real é bem superior) portuguesas assassinadas pelos maridos e namorados só em 2008. Penso que lhes deve servir de imenso consolo não terem sido decapitadas, apenas esfaqueadas, baleadas, etc. Vive la petite différence.

    Cristy

    ResponderEliminar
  9. "E se a isto adicionarmos o facto que este imbecil tentou mostrar o quanto o Islão é afinal uma religião de paz e fantástica em geral, a ironia é cruel, negra, mas intensa. A hipocrisia a este nível mata apenas com o fedor."

    Barba Rija
    Excepção feito ao Zéquinha, e esse, já se sabe, está a soldo dos ateus, todos os católicos da praça estão fartos de nos bombardear com o deus é amor, e tal. E estou convencida que a maioria dos assassinos portugueses em causas - e juizes que lhes atenuam a pena - se consideram bons católicos e "sabem" que agiram com justa causa. A hipocrisia não é o apanágio dos muçulmanos. Mas por serem muçulmanos é que estes crimes são muito badalados na imprensa. Quando as mulheres são assassinadas por meros cristãos, a notícia (também nos EUA), é remetida ap canto esquerdo da décima página do jornal regional.

    Cristy

    ResponderEliminar
  10. Cristy,

    Não concluas do meu comentário que me parece menos execrável a violência doméstica de um benfiquista do que a de um islamista. Tenho-as em igual conta.

    Falei foi na diferença civilizacional fracturante entre descair para a estupidez selvagem e cometer crimes (que mal ou bem dão com os ossos no tribunal criminal) ou praticar actos em respeito por enviesamentos religiosos que, sendo ou não condenado pelo tribunal, ficarão sempre na consciência do perpetrador como a expressão de um dever. E isso é o fim da picada.

    ResponderEliminar
  11. Cristy, ainda não estás a ver a coisa. É óbvio que as 31 mulheres que são assassinadas pelos maridos energúmenos não merecem qualquer respeito a mais do que este indivíduo muçulmano.

    A diferença é que a ideologia "Marialva", se é que tal existe, não foi escrita por Deus, ou Alah, mas sim perpetuada socialmente por gente estúpida que ainda não percebeu os limites da sua liberdade. Esta gentinha não se põe a pavonear a sua ideologia aos outros como se fosse a única possível, como se fosse uma ideologia "de amor" (que aliás, é coisa pouco "d'Homem"), "pouco compreendida", e acusar a sociedade moderna actual de heresia, barbaridade, e contra-natura (vão todos parar ao inferno) com toda a força e aprovação tácita de um deus misógeno, mesquinho, sádico, assassino, genocida, etc.

    A diferença é que não conheço ninguém prálem do Zézé Camarinha a pavonear esse estilo de vida aos outros, e mesmo esse parece que não faz mal a uma mosca.

    A diferença é que este senhor era supostamente a encarnação desse islamismo "moderado" e de "amor", e que iria publicitar a ideia de que se trata de uma ideologia benigna.

    A diferença é que este indivíduo não mata por acesso de raiva, estupidez ou bestialidade. Mata porque está escrito num livro que assim se deve fazer com toda a mulher que foge do matrimónio e "desonra" o marido.

    É essa a diferença, e ela não faz com que este crime seja pior do que os 31 que se cometeram em Portugal. É igualmente horrível e nojento. Aquilo que faz é expor o horror que a ideologia muçulmana realmente é, ao contrário de muitos desculpabilistas que tentam disfarçar e assobiar para o lado em nome de um relativismo moral degradante (uso aqui o relativismo moral da mesma maneira que o João Vasco e o PAC).

    ResponderEliminar
  12. Ou pegando no que o Bruce disse, e citando já-não-sei-quem, não é preciso religião para uma pessoa boa praticar o bem, mas é necessário a religião para uma pessoa boa praticar o mal.

    O idiota pensa, apesar de ir para a prisão, que fez aquilo que é correcto, a vontade de Alah, e provavelmente vê-se a si próprio como um mártir de uma sociedade de valores decadentes. O idiota acredita que fez bem.

    É essa a diferença.

    ResponderEliminar
  13. É triste se bem qu eu ainda me ri...Estranho...Culpa do Ludi e do seu maldito titulo!

    Cristy,

    Infelizmente (e contra mim falo, que acredito em Deus, já sei que de uma maneira um bocadinho torta, mas acredito) é verdade o que dizes. A violência contra as mulheres não é apanágio dos muculmanos, muito bom católico (bom uma merda mas pronto, for argument) acha que bater na mulher é normal e moralmente aceitavel, já que segundo alguns suinos religiosos a mulher é inferior ao homem. Sei disto de uma das piores maneira possivel. E para quem não acredita, sim eles usam a religião como desculpa para o que fazem e elas aceitam a sua condição de inferioridade graças aos preceitos religiosos...Mas eu tb nunca disse que a religião era um poço de virtudes ;)

    Beijos

    ResponderEliminar
  14. Joaninha,
    penso que tens razão: mas eu não culpo apenas a religião pela violência doméstica em Portugal. Não é só a igreja que incute aos homens a noção de que são superiores às mulheres e que estas lhes devem obediência. A sociedade na forma de pais, escolas e chefes também o faz. Só que o mesmo se aplcia ao islamismo. Eles não batem nas mulheres porque são islâmicos, mas porque são bestas quadradas. Sejam ateus ou criacionistas.
    Beijos
    Cristy

    ResponderEliminar
  15. Barba Rija, Bruce

    embora não seja especialista no Corão, lembro-me de uma vez ter ouvido uma verdadeira especialista muçulmana dizer que o Corão nem sequer previa o uso de véu para as mulheres. Há muita coisa posteriormente «interpretada» pelos suspeitos do costume em seu favor. E estes suspeitos não incluem as mulheres. Tal como na igreja católica.
    O Islamismo é igualzinho ao catolicismo neste particular e não só: foi inventado por homens para oprimirem outros homens e todas as mulheres. Não vejo diferença. A igreja católica também apregoa o amor e a tolerância (haha). Diga-se em abono da verdade que nenhum deles defende a igualdade dos sexos.
    Não, não vejo diferença nenhuma. O energúmeno nos EUA foi detido e vai ser julgado como qualquer criminoso e ainda bem que assim é. Mas não vai dar metade do estardalhaço nos meios de comunicação que as restantes centenas de mulheres mortas em violência doméstica nesses mesmos EUA (acho - sem ter a certeza - que li que o recorde é detido pelos hispânicos). Porque será?

    Cristy

    ResponderEliminar
  16. Santo Deus que estupidez peregrina!!!

    O que tem a ver a religião com casos como este?

    Vejamos o mundo dos ciganos:
    de religiosos nada têm, e a sua cultura dá um papel inferior à mulher.

    A violencia doméstica nada tem a ver com a religião, tal como este casos. Mas tinha que vir alguém, peregrinamente néscio nestas questões, para aldrabar a situação.

    Curiosamente, aqueles que agora zurram contra o islão, recentemente condenaram as palavras de D. José Policarpo!

    Mas, tal violencia não é prática defendida pelo islão.

    O certo é que a javardice que os ateus tando defendem, pode degenerar em problemas sociais... Quem é o responsável?

    Quem quer vilipendiar as normas e as regras de conduta socio-cultural, claro!
    Os responsaveis por tais conflitos sociais são os ateistas sem regaras, que semeiam a desordem, a anarquia e a bandadlheria na sociedade. Depois cobardolas e trapaceiros como sempre, há que que culpar os outros antes que alguem se lembre dos verdadeiros culpados.

    ResponderEliminar
  17. Cristy,

    Pois o problema não é religioso, é cultural, é transversal a praticamente todas as religiões e incluiu quem não acredita em Deus, claro ;). Há bestas em todo o lado.

    Aquilo que eu estava a tentar focar é a tendência que existe da parte da parte do mundo critão em condenar a religião muculmana aproveitando-se destas baboseiras que por lá se advogam. Não somos, pelo menos religiosamente falando, muito melhor do que eles. Estamos é graças Deus ;), mais evoluidos em certos aspectos.

    A tentativa de desculpar certos comportamentos usando a religião é tão comum cá como é lá.

    Mas a causa do comportamento não é esta ou aquela religião, é mesmo a estupidez humana, aquela coisa que é mesmo, segundo os grandes fisicos, a única coisa que não tem limites ;)

    ResponderEliminar
  18. Cristy,

    Apesar de também não ser especialista no Alcorão(*), concordo contigo quando dizes que não são as religiões que emanam directa e intencionalmente a violência. Doméstica ou não. O problema como dizes começa e acaba nas bestas quadradas, e concordarás comigo que há mais bestas quadradas por metro cúbico de sauditas do que por metro cúbico de seminaristas. Mas a questão nem é essa.

    A questão é que o fundo religioso das pessoas pode propiciar um fenómeno perigoso, essa sensação de prestar serviço ao Bem contra o Mal. Não me parece xenófobo admitir que nesse sentido alguns formatos religiosos são mais fortes e propiciadores de quadratura do que outros.

    (*)gosto muito mais de fotografia e sigo o trabalho de alguns reporters temerários. Tenho quase a certeza de que já vi mais imagens de cabeças tombadas nas zonas muçulmanas do que em todo o Portugal e Algarves...

    ResponderEliminar
  19. Cristy, obviamente que não estou aqui a defender o Cristianismo do Islão. Aquilo que me é óbvio e a ti provavelmente ainda não, é que o Islão ainda está num ponto onde o Cristianismo já foi obrigado a deixar de ser desde os tempos da Idade Média.

    O Zéca fala em discordantes do que o Policarpo disse. Meu caro, não encontrarás muitos aqui. Os que discordaram dele são os Politicamente Correctos, os que não querem Levantar Problemas. São agnósticos ou cristãos leves, pessoas que acreditam num mundo belo onde a religião é amor e etc.

    A maioria, no fundo, que se está pouco lixando.

    A violência doméstica tem as suas raízes na cultura patriarcal, meu caro. E diga-me qual é a instituição mais patriarcal da nossa sociedade actual, hmm? Pense antes de disparar no seu próprio pé. A religião faz parte dessa cultura, e de facto, é de bom muçulmano decapitar a mulher que trai o marido. No Irão ou no Iraque, este homem não seria condenado, mas sim apoiado.

    Tal como no outro dia, onde uma mulher foi brutalmente assassinada, e a polícia interviu... a ajudar os assassinos.

    Tal como no ano passado, onde um britânico foi morto por ter deixado o Islão, tal como a Sharia prevê.

    Só não vê quem não quer. E o Islão é neste momento a maior ameaça cultural à nossa sociedade. Tenho dito.

    ResponderEliminar
  20. Aquilo que eu estava a tentar focar é a tendência que existe da parte da parte do mundo critão em condenar a religião muculmana aproveitando-se destas baboseiras que por lá se advogam.

    Isso não pega. O Islão é de facto uma religião pior do que o Cristianismo, e não aceito que me tentem pôr uma mordaça a impedir-me de dizer o óbvio. Se eu digo mal da ideologia Cristã, digo mil vezes pior da Islâmica. É ela própria, e a leitura do Alcorão atesta-o, um atentado à liberdade humana e sobretudo à liberdade feminina. Não há volta a dar, e só uma atitude ignorante, displicente, e relativista (no pior sentido) é que pode abanar a mão e dizer que "somos todos iguais". A verdade é que não somos, e o Islão é uma mancha negra na humanidade. Se não existe muita gente a dizer isto com todas as letras é porque são abafados, ameaçados. Tal como os políticos britânicos que recentemente tiveram de se demitir por terem proferido palavras menos abonatórias ao Islão.

    A própria palavra diz tudo, Islão, ou seja, Submissão.

    ResponderEliminar
  21. Barba rija meu caro,

    Não se enerve que não vale a pena.

    A questão não é quem é melhor ou pior que quem, a questão é que nós não somos nenhuns santos nem donos da verdade absoluta. Se calhar devíamos todos ter mais cuidado antes de nos fazermos de inocentes e condenar à forca todo e qualquer muçulmano que se nos atravesse à frente.
    Só porque um matou cem e outro mil não torna a morte dos 100 desculpável, entende?

    Tal como a Cristy não sou especialista no Alcorão, conheço pouco da religião, embora conheça muçulmanos, crentes da sua fé e que são tão normais como eu ou com o Barba Rija.

    "Não há volta a dar, e só uma atitude ignorante, displicente, e relativista (no pior sentido) é que pode abanar a mão e dizer que "somos todos iguais""

    Parece-me muito certo e convicto da sua opinião quanto aos ensinamentos da religião muculmana e quanto à cristã também, soponho portanto que leu e estudou o Alcorão.

    A verdade é que autenticas barbaridades foram cometidas à luz da ideologia Cristã.Todas elas já aqui focadas, as cruzadas, a inquisição, etc...E não há muito tempo uma mulher divorciada era maltratada e ostracizada pela comunidade católica. É uma questão de tempo. nós evoluímos mais depressa provavelmente.

    Não vou, como deve calcular, por uma questão de educação e de respeito pela privacidade dos outros expor-lhe aqui, aquilo que me foi "desculpado" à luz da religião católica.

    Acredite nisto, se há coisa que não sou, por força das circunstancias é relativista (nesse dito pior sentido) quanto à violência disfarçada e encoberta pela religião, especialmente no que toca à violência domestica, nem lhe admito tão pouco que faça tal afirmação partindo de um comentário. E digo encoberta e disfarçada porque muitas vezes se torce aquilo que é a ideologia base das religiões em proveito de interesses que pouco ou nada tem de religioso.

    ResponderEliminar
  22. Do ponto de vista bíblico, o senhor em causa pecou.

    A Bíblia diz que Deus criou o homem e a mulher à sua imagem.

    A Bíblia diz que o marido deve amar a sua mulher como Jesus Cristo amou a Igreja e deu a sua vida para a salvar.

    O senhor em causa, em vez de estar disposto a dar a vida pela mulher, agredia-a e tirou-lhe a vida.

    Ou seja, ele fez exactamente o contrário do que a Bíblia diz. Ele pecou, violando as leis de Deus, e incorre no castigo de Deus.

    A Bíblia ensina que quanto atentamos contra um ser humano, atentamos contra Deus, que o criou à Sua imagem.

    Esta é a perspectiva bíblica.

    A perspectiva ateísta e evolucionista é que o senhor e a senhora em causa são acidentes cósmicos, sem valor intrínseco.

    A vida de um e outro é um acidente, sem qualquer dignidade.

    Qualquer hipotética moralidade evolutiva é um mero acidente cósmico, sem qualquer força vinculativa objectiva.

    Daí que do ponto de vista evolutivo o que acontenceu é moralmente irrelevante, já que não existe nenhum padrão objectivo e absoluto de moralidade.

    No mundo evolutivo, cada um fará o que os seus impulsos animais lhe ditarem. Foi exactamente o que sucedeu.

    Do ponto de vista da teoria da evolução, a conduta do senhor é inatacável, já que o mais forte triunfou sobre o mais fraco.

    Ora, o subtítulo da Origem das Espécies de Darwin é, precisamente, o triunfo das raças mais favorecidas na luta pela vida.

    Do ponto de vista evolutivo, o senhor em causa limitou-se a trinfar sobre a mulher, seguindo os seus impulsos naturais.

    Sinceramente, prefiro a perspectiva bíblica.

    ResponderEliminar
  23. Já cá faltava a natural estupidez do Barbas.

    Pouco aqui importa, e ninguém tem nada com isso, mas posso dizer que, desde há uns tempos, estou a estudar árabe, com árabes de origem marroquina.

    Naturalmente, estudar uma língua exige que se penetre na sua cultura (assunto que não é novo para mim). E, daquilo que já conhecia e daquilo que vou conhecendo, posso dizer que as afirmações do Barbas são do mais imbecil que existe.

    Dentro da sua cultura, os árabes são muito mais coesos, unidos, participativos, solidários e respeitadores do que os restantes povos do mundo. Quem respeita a sua cultura, a sua religião e as suas tradições, é respeitado por eles (há, no mundo árabe, fundamentalistas do mesmo quilates dos ateus, entre ao quais os que estão ligados a Bin Laden, cujas intenções são as mesmas dos ateus).

    O Problema é que alguns ateístas passam a vida a semear a discórdia entre povos que sempre viveram em paz.

    Povos com características tão diferentes como uns marroquinos ou um sírio, vivem unidos por uma língua franca, por uma civilização e uma religião comum.

    Dentro da sua cultura e do seu espaço eles são acolhedores e respeitadores.

    Quando provocados reagem.
    Não são as diferenças e disputas religiosas (por exemplo com o mundo católico) que preocupavam os árabes. São os intolerantes, facciosos, sanguinários e perigosos ideias dos ateus e suas provocações/agressões.

    Grande parte das desavenças com o Ocidente têm a ver com as “cruzadas ateístas contra ao “Islâmicos”, e a muito má opinião que os ateus fazem passar não ocidente, para alem do combate a que estão sujeitos por parte dos ateístas europeus (na Alemanha, na França, na Holanda, nos países nórdicos, etc).
    Não é um problema com a Igreja católica, nem com os cristãos. È uma questão de reacção a uma ofensiva generalizada dos “anti-cultura religiosa”, do “bandoleirismo libertino” e completamente anarquista dos ateus.
    Esse é o principal problema.

    Paradoxalmente, o Islamismo (incluído o mau islamismo – fanático) tem crescido muito mais que o ateísmo, incluindo em países europeus.

    Daí o Esforço da ONU para que os Estados legislem no sentido de travar esta nova “guerra fria”, na qual o Ocidente tem muito mais a perder do que os árabes.

    ResponderEliminar
  24. Nos ultimos dias, a Joaninha está a dizer coisas com nexo. Estou Varadinho!

    ResponderEliminar
  25. Joaninha: «devíamos todos ter mais cuidado antes de nos fazermos de inocentes e condenar à forca todo e qualquer muçulmano que se nos atravesse à frente» (...) «conheça muçulmanos, crentes da sua fé e que são tão normais como eu ou com o Barba Rija»
    lnk

    Conheço uma muçulmana indiana que se chama Hamida, que ao falar com a minha mãe até fala do seu peso, e que quer fazer uma lipoaspiração. LOL Pelo que percebi, tem filhos cristãos e ateus. Nunca a vi usar véu. Veste-se normalmente (isto é, como a maioria) para uma ocidental. Nunca li o Corão todo - só partes na Web. Tenho é um livrinho sobre o Corão ("O Alcorão", de Michael Cook). Segundo ele, existem muçulmanos liberais que tiveram de fugir dos países muçulmanos.

    ResponderEliminar
  26. Joaninha,

    Não estou enervado, embora admita que não goste muito quando nem sequer compreendam o que escrevi. Os seus dois primeiros parágrafos são completamente irrelevantes em relação às questões que abarquei, e o seu terceiro e quarto já foram abordadas precisamente por mim.

    É claro que o Cristianismo no Ocidente evoluiu e o Islão no Médio Oriente não. E se vivêssemos em planetas diferentes, nem vejo bem qual o problema desta questão. O problema é que não vivemos em planetas diferentes, a Europa inteira tem um influxo de imigração muçulmana sem precedentes e vivemos cada vez mais, quer queiramos quer não, num mundo globalizado.

    Não quero, por outro lado, entrar na sua vida privada, e acredito piamente em si quando se refere a desculpabilizações. Eu também tenho testemunhado experiências atrozes neste respeito.

    Quanto ao seu último parágrafo, oferece-me o seguinte.

    Não a acusei de Relativismo. Acusei o seu raciocínio de relativismo e generalizei, ao referir-me a muita gente que assim pensa, para respeitar o Politicamente Correcto (PC). E explico porque é que as suas últimas palavras estão incorrectas, ou no mínimo, são nebulosas. É porque se pode ser verdade a existência desse "animal" machista por "debaixo" da religião, não é menos verdade que não se pode dizer que não tem "nada de religioso", quando a religião pretende precisamente através de rituais, regras, condutas e procedimentos "espirituais" ligar-se à ordem "natural" do Universo e do seu criador. Quando estas regras são inerente, transversal e verticalmente misógenas (e sim, o Cristianismo não é diferente), eu posso concluir que estas questões são sim religiosas, e que são perpetuadas não só por, mas sobretudo pela religião.

    Eu tentei sublinhar isto pela chamada de atenção à epistemologia da palavra Islão (Submissão). E é por não ver sob esta perspectiva que a sua análise falha. Quando diz "pouco ou nada tem de religioso", engana-se, pois estas questões são precisamente inerentes à religião.

    Dito ainda de outra maneira.

    Todos os avanços civilizacionais e anti-descriminatórios foram feitos contra o status quo, leia-se a Religião. Não é de esperar que seja diferente no Islão, mas o problema é que já não estamos no séc. XIII, mas sim no séc. XXI. E o governo inglês aprovou recentemente a utilização da Shariah como lei de resolução entre os muçulmanos a residirem na Grã-Bretanha. Se pensas que isto é problema alheio, acorda.


    Jónatas

    Ou seja, ele fez exactamente o contrário do que a Bíblia diz. Ele pecou, violando as leis de Deus, e incorre no castigo de Deus.


    Este senhor não é Cristão, por isso 2 coisas. Primeiro iria para o inferno na mesma, por isso não é por matar ou deixar de matar que ganharia grande coisa. Depois segundo a sua religião, ele fez exactamente o que Alah queria dele. Se o Jónatas fosse ecuménico, teria de o aguentar no Paraíso. Ah, a ironia!

    Zé:

    Dentro da sua cultura, os árabes são muito mais coesos, unidos, participativos, solidários e respeitadores do que os restantes povos do mundo.

    Também a máfia. E?

    Quem respeita a sua cultura, a sua religião e as suas tradições, é respeitado por eles

    Também a máfia. E?

    Quando provocados reagem.

    Especialmente quando um jornal holandês faz umas caricaturas do profeta. Aí até queimam bandeiras e perseguem pessoas. Mas é tudo uma cambada porreira.

    São os intolerantes, facciosos, sanguinários e perigosos ideias dos ateus e suas provocações/agressões.

    Sim, porque o Theo Van Gogh, esse era um sanguinário de primeira. Ou o Salman Rushdie. Tudo malta pior do que o Estaline. Em contraste, a tolerância e fraternidade muçulmana que tão bem os trataram.

    Grande parte das desavenças com o Ocidente têm a ver com as “cruzadas ateístas contra ao “Islâmicos”, e a muito má opinião que os ateus fazem passar não ocidente, para alem do combate a que estão sujeitos por parte dos ateístas europeus (na Alemanha, na França, na Holanda, nos países nórdicos, etc).

    Segundo sua excelência, os ateístas é que mandam os aviões bombardear Gaza, ou são presidentes de mega-potências que invadam países árabes, ou explodem como homens-bomba em lugares cheios de civis. De que "cruzadas" fala realmente? Que "combates" refere? Não fala decerto dos atentados em Madrid ou em Londres pois não?

    ResponderEliminar
  27. Mário Miguel18/02/09, 02:04

    Caro Jónatas Machado AKA Perspectiva

    Estão se afirma isto:

    «A Bíblia ensina que quanto atentamos contra um ser humano, atentamos contra Deus, que o criou à Sua imagem.»

    Explique-me isto:

    Levítico 21:9 - Ver aqui.

    «E quando a filha de um sacerdote começar a prostituir-se, profana a seu pai; com fogo será queimada.»

    Ou seja, é queimada porque profana a honra do Pai; então atentamos contra um ser humano como acima refere, baseado unicamente e tão somente na honra. o que é uma contradição a seu ver Jónatas.


    Levítico 20:9 - ver aqui.

    «Quando um homem amaldiçoar a seu pai ou a sua mãe, certamente morrerá; amaldiçoou a seu pai ou a sua mãe; o seu sangue será sobre ele.»


    Êxodo 21:17 - Ver aqui.

    «E quem amaldiçoar a seu pai ou a sua mãe, certamente será morto.»


    Retirado desta Bíblia.


    Certamente o Perspectiva estará nesta altura a esconder-se atrás dos calhamaços de direito, ocorre-me visão de um livro aberto na vertical e a cabecinha do Jónatas Machado a descer lentamente até o livro a tapar por completo para que ninguém o veja.


    Zeca Portuga,

    «O que tem a ver a religião com casos como este?»

    Vê explicitamente os casos acima da Bíblia e os casos seguintes do Corão, SIMPLESMENTE TEM TUDO A VER.

    4.15 - Ver aqui.

    «Quanto àquelas, dentre vossas mulheres, que tenham incorrido em adultério, apelai para quatro testemunhas, dentre os vossos e, se estas o confirmarem, confinai-as em suas casas, até que lhes chegue a morte ou que Deus lhes trace um novo destino.»


    24.2 - Ver aqui.

    «Quanto à adúltera e ao adúltero, vergastai-os com cem vergastadas, cada um; que a vossa compaixão não vos demova de cumprir a lei de Deus, se realmente credes em Deus e no Dia do Juízo Final. Que uma parte dos fiéis testemunhe o castigo.»


    17.32 Ver aqui.

    «Evitai a fornicação, porque é uma obscenidade e um péssimo exemplo!»


    33.33 - Ver aqui.

    «E permanecei tranqüilas em vossos lares, e não façais exibições, como as da época da idolatria; observai a oração, pagai o zakat , obedecei a Deus e ao seu Mensageiro, porque Deus só deseja afastar de vós a abominação, ó membros da Casa, bem como purificar-vos integralmente.»


    18.74 Ver aqui.

    «E ambos se puseram a andar, até que encontraram um jovem, o qual (o companheiro de Moisés) matou. Disse-lhe então Moisés: Acabas de matar um inocente, sem que tenha causado morte a ninguém! Eis que cometeste uma ação inusitada.» (ver 18.80 mais abaixo para entender).


    18.80 Ver aqui.

    «Quanto ao jovem, seus pais eram fiéis e temíamos que os induzisse à transgressão e à incredulidade.» (este foi o motivo para matar o jovem de 18.74, o simples temer que ele os induzisse à transgressão; o jovem ainda nada tinha feito).

    Retirado deste Alcorão.

    Mais coisas relacionadas com este post - crimes de honra:

    “Honor Killing” is Absolutely Islamic! Ver aqui.

    Honor Killing. Ver aqui.

    ResponderEliminar
  28. Mário Miguel18/02/09, 02:23

    Há casos da Bíblia e do Corão que eu acima referi que não são claramente explícitos quanto ao facto de implicarem crimes; referi-os na medida que os podem desencadear. Mas se isso faz impressão aos mais críticos, ignorem esses exemplos, pois eu referi igualmente os que são claramente explícitos. Fixem-se nesses.

    ResponderEliminar
  29. Bruce Lóse, Barba Rija,
    penso que estamos de acordo em tudo, menos em classificar o Islão de mais perigoso do que o Cristianismo. A maioria dos mil milhões de muçulmanos é perfeitamente pacífica. Pelas suas estruturas repressivas e patriarcais, ambas as religiões são igualmente nocivas na forma como influenciam a sociedade. Mas a dimensão que asume esta influência varia conforme as circunstâncias políticas e económicas, e aí é que a porca torce o rabo. Mas é uma discussão pela qual não vou entrar hoje (embora a considere bem interessante) por falta de tempo.
    Regresso à vaca fria (isto hoje parece um jardim zoológico) da violência doméstica: parece-me que as diferenças de atitude dos homens para as mulheres divide-se mais de Norte para Sul do que de Oeste para Leste e menos ao longo das fronteiras religiosas.
    Cristy

    ResponderEliminar
  30. "Aquilo que eu estava a tentar focar é a tendência que existe da parte da parte do mundo critão em condenar a religião muculmana aproveitando-se destas baboseiras que por lá se advogam."

    Joaninha,
    também vejo as coisas assim. É uma tendência que se acentuou desde que os muçulmanos tiveram que substituir os comunistas como os nossos inimigos a abater. É mais fácil assim do que perguntarmo-nos porque é que no século XXI de repente os «islanmistas» passaram a ser uma ameaça para o Ocidente. Podia-se chegar à conclusão de que a nossa parte da culpa é bastante maior do que é confortável admitir. Dá mais jeito dizer que é a mentalidade e a religião.

    Beijos
    Cristy

    ResponderEliminar
  31. Mário Miguel,

    Há um programinha giro para descobrir esse tipo de trampa também na Bíblia.

    Olha-me esta:
    «But those mine enemies, which would not that I should reign over them, bring hither, and slay them before me. - Luke 19:27»

    e esta:
    «Happy shall he be, that taketh and dasheth thy little ones against the stones. -
    Psalms 137:9
    » (...feliz aquele que agarrar e esmagar os teus pequenos filhos contra uma rocha???...nos Salmos?)

    e esta:
    «The Lord is a man of war. - Exodus 14:3» Há dúvidas?

    É só escolher.

    ResponderEliminar
  32. mama eu quero18/02/09, 11:18

    Muito triste esta história...

    :(

    ResponderEliminar
  33. Curiosidade
    Bruce Losé,
    o Êxodo 14:3 tem uma justificação histórica. Para os cananitas Baal e Iavé eram filhos do Deus Supremo El. Baal era o deus da tempestade e da agricultura, Iavé era o deus da guerra. Documentos em Ugarit têm detalhes sobre isso. Os baalitas fizeram Baal tomar o lugar de El, e os jeovitas fizeram o mesmo com Iavé. Daí que segundo as Escrituras Hebraicas Iavé é o maior dos deuses, o Senhor dos deuses, Iavé Elohim, no 3º capítulo de Génesis diz que o homem tornou-se como eles (capaz de distinguir o bem do mal), nos Salmos há referência ao concílio dos deuses (elohim) governado pelo Senhor (El). Como Iavé passou a ser El, e era o deus da guerra, é natural que existem referências a isso nas Escrituras.

    ResponderEliminar
  34. Mário Miguel18/02/09, 15:35

    Bruce Lóse,

    Onde podia correr isso está avariado à um mês ou mais. Os resultados que apresentaste foram recorrendo a essa ferramenta?

    Jónatas Machado AKA Perspectiva,

    Gostaria que comentasse o meu comentário anterior, em que a sua afirmação «A Bíblia ensina que quanto atentamos contra um ser humano, atentamos contra Deus, que o criou à Sua imagem.» parece cair na desgraça, mostrando que a sua Bíblia colide com o que você mesmo acha que deveria ser, assim, você terá que recriminar condenar o que considera como prefeito, alem de afirmar algo que é falso por ser invalidado pela própria Bíblia. Deverei esperar sentado pela sua resposta?

    E Zeca, como é? A religião nada tem a ver, tendo em conta as passagens da Bíblia e do Alvcorão, bem como o comentário do Barbicha das "18-02-2009 1:01"? Gostava de ter a tua resposta, sem insultos.

    ResponderEliminar
  35. PAC,

    Tinha uma vaga ideia de que havia um fundamento histórico para o Êxodo, escusavas era de me deixar em cuecas com esse preciosismo :)


    Mário M,

    Há pouco instalei e desinstalei em Ubuntu e funcionou. Tens que dar um "apt-get install sword-language-pack-en"

    (caso contrário ficas em árabe, não faço ideia porquê)

    ResponderEliminar
  36. Mário Miguel18/02/09, 16:00

    Bruce,

    Obrigado!

    ResponderEliminar
  37. A Bíblia do Cético Comentada:

    http://www.bibliadocetico.net/home.htm

    "Chamar a Bíblia de livro santo ou de guia moral é uma afronta à decência e a dignidade. Pretender que ela seja a verdade absoluta é subestimar o intelecto humano."

    ResponderEliminar
  38. BPBible Portable

    http://portableapps.com/apps/education/bpbible_portable

    ResponderEliminar
  39. "...penso que estamos de acordo em tudo, menos em classificar o Islão de mais perigoso do que o Cristianismo."

    "É uma tendência que se acentuou desde que os muçulmanos tiveram que substituir os comunistas como os nossos inimigos a abater."

    Tudo bem Cristy, vejo que não te convenço. Compreendo perfeitamente, é uma diferença de pontos de vista.

    Não vês problemas em Talibãs muçulmanos estarem a "invadir" o Paquistão, com a conivência de um governo, que diga-se de passagem, tem em sua posse armas nucleares e atribuis todos estes problemas à "estupidez humana". Provavelmente também pensas que todos os problemas do mundo têm a sua origem no ocidente, e não vou gastar aqui latim para retirar esta culpa tão deslocada mas infelizmente tão generalizada no ocidente. É também uma forma de vaidade encapuçada, que não partilho.

    Em relação ao teu segundo raciocínio, até pode ser verdade, mas sinceramente acho que a "URSS" com a sua ideologia totalitária, um arsenal nuclear e uma détente com os EUA, era um pouco mais assustadora do que a ameaça terrorista islâmica, que só surge na década de 70.

    Para mim, é uma ameaça real e gritante. Um apelo (grito) à intolerância, um fanatismo por uma ideologia "religiosofóbica", misógena, opressora, etc. E eles não pedem tolerância, pedem respeito, mas do tipo Salazariano. Quando um ocidente se atreve a abrir a boca, leva um tiro, queimam bandeiras. Quando um árabe se atreve a abrir a boca, Fatwa com ele.

    E é uma ameaça enquanto na boca dos ocidentais sair a "compreensão", o "nós também fomos assim", o "desculpem lá por alguns de nós vos terem ofendido, têm toda a razão", sem haver um político que ponha os pontos nos iis, e diga com toda a frontalidade que religião sim senhor, mas a Europa é um território onde a liberdade de expressão, o secularismo e a defesa dos direitos humanos são mais importantes do que quaisquer indignações sentimentais por parte dessas pessoas. E que quaisquer atentados às liberdades e vidas destas mesmas pessoas por dizerem o que quiserem é completamente inaceitável, e que a UE fará tudo o que for possível para defender tais pessoas contra semelhantes barbaridades humanas.

    E é a ausência disto que me assusta. Deixo ao leitor a compreensão do porquê.

    ResponderEliminar
  40. "Não estou enervado, embora admita que não goste muito quando nem sequer compreendam o que escrevi"

    Parece-me que também não entendeu aquilo que eu escrevi...No meu primeiro comentário.

    "O Islão é de facto uma religião pior do que o Cristianismo,"

    Os primeiros paragrafos são resposta a esta sua frase.

    De qualuqer forma eu não estava a falar disto.

    "A verdade é que não somos, e o Islão é uma mancha negra na humanidade."

    É perigoso meter todos os gatos no mesmo saco.
    Existem muito muculmanos que dizem exactamente o mesmo do cristianismo....E sabe o que lhes chamam por cá não sabe?

    Fui bem clara quando disse que o problema era cultural e transversal a todas as religiões, exactamente por ser um fenomeno de origem cultural.

    por fim

    "Mas por serem muçulmanos é que estes crimes são muito badalados na imprensa. Quando as mulheres são assassinadas por meros cristãos, a notícia (também nos EUA), é remetida ap canto esquerdo da décima página do jornal regional."

    Era disto que eu estava a falar com a Cristy. Do uso desse defeito, problema o que lhe quizer chamar da cultura do Islão, feito pelos ocidentais para os mais diversos fins, nomeadamente para escamutear as suas próprias faltas.

    ResponderEliminar
  41. Barba Rija,
    o facto de querer perceber o porquê das coisas não implica necessariamente que esteja de acordo com elas. Não sei onde, no meu comentário, lhe dei essa impressão. Acho simplesmente que a sua visão sobre causas e efeitos é um pouco simplista. Os talibã andam a fazer das suas no Paquistão? Não há sombra de dúvida. Por acaso sabe quem são os talibã, como surgiram e quem os financiou? Este é um exemplo entre muitos. Podia-lhe falar também da Hamas e de tantos outrs. Para já não mencionar as «circunstâncias» históricas que nos trouxeram aos presentes problemas. Enfim, a realidade nunca é tão a preto e branco como muitos gostam de pintá-la. E a religião - e não simpatixo pessoalmente com nenhuma - não serve de explicação para tudo.
    Cristy

    ResponderEliminar
  42. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  43. Barbas:

    cansas-te de repetir:
    ”Também a máfia. E?”

    Tu é que sabes!!! De máfia e seus valores, eu não percebo nada!!!
    Sei que são um arruaceiros com vontade de destruir a justiça e são uma ameaça à paz, como tu… mais não sei!
    Tu que a invocas é que sabes!


    “um jornal holandês faz umas caricaturas do profeta - ou seja, resolve enxovalhar os sentimentos religiosos dos árabes. Fazem eles muito bem responder.
    Chega de libertinagem e de tentar gerar a confusão, sobre tudo porque o contrário nunca se passou!

    A liberdade passa pelo respeito dos outros. Se não respeitam, não podem exigir nada!



    ”os ateístas é que mandam os aviões bombardear Gaza, ou são presidentes de mega-potências que invadam países árabes…” - sem qualquer sombra de dúvida, é a máfia do avental que domina os governos e provoca tais incidentes.

    Mário:
    Nada disso que me dizes, e para a época em que foi escrito, é sequer censurável. Pelo contrário, os ateus actuavam de forma muito mais dura e cruel.

    ”que não são claramente explícitos quanto ao facto de implicarem crimes; “ - crime e justiça são duas noções que os ateus confundem, porque será!?
    Ora, na Bíblia a justiça é indispensável, como é em qualquer sociedade.

    Ao contrário de alguns (apenas alguns) ateístas, eu sou pela responsabilização das pessoas no que respeita aos seus actos.
    E, os deveres dos cônjuges no casamento, são um exemplo disso.
    Uma traição tem que ter consequências.

    A justiça de simples palavras tem sido causa da crescente onda de insegurança e desrespeito da nossa sociedade (ocidente).

    Não vês problemas em Talibãs muçulmanos estarem a "invadir" o Paquistão, com a conivência de um governo”

    Ou então podemos perguntar:
    “Ninguém vê problema algum na carnificina que resulta da atitude terrorista dos EUA invadirem o Paquistão e bombardear escolas, hospitais, etc!, com a conivência de quase todo o ocidente.?”

    Ninguém vê nenhum problema nas incursões terroristas dos EUA, com a sua guerra pouco convencional (com armas proibidas), e com o recurso a técnicas de tortura piores do que os talibã?

    Tenho que partir cedo para um lugar onde estarei com vários islâmicos (Kuala Lumpur), não sei se terei oportunidade de comentar (até os ateus dizem: graças a Deus que nos livramos dele!)… e vou dar-me bem com eles, como de costume. Sábado estarei aqui são e salvo, pese embora a vossa visão absurda e completamente atrofiada do Islão.

    ResponderEliminar
  44. Por acaso sabe quem são os talibã, como surgiram e quem os financiou?

    Não me vais dizer que foram os EUA, pois não? Eheh. Os "Freedom Fighters". Bem, bem. Não há limites para a culpabilização do Ocidente? A história é bem mais complexa do que a apregoada. Não concordo com as conclusões a que o jornalista Adam Curtis chega, no que toca à desimportância da ameaça, mas os seus documentários são muito bem feitos na pesquisa, e explicam em termos largos ambos os fenómenos da ameaça terrorista e as reacções despropositadas do ocidente face a estas.

    Em relação ao Hamas e à sua ligação com Israel, etc., bem nem quero entrar por aí. A questão do Médio Oriente dá para livros inteiros que só servirão de introdução ao problema.

    É curioso no entanto que ambos os "hawks" dos dois lados são intolerantes e fanáticos religiosos, muçulmanos ou judaicos. É também curioso que é precisamente a "terra santa" que nunca esteve em paz durante mais de 3 mil anos. Para mim, isto não são coincidências. É que quando um povo se acha um povo escolhido pela entidade máxima (e não falo apenas de Israel), e que aquele terreno ou determinada missão lhe foi dado por essa mesma entidade, que outra coisa esperar do que extremismos, intolerâncias e xenofobias religiosas?

    Repara, um mal nunca desculpabiliza outro. E nem eu disse que a religião é o único problema. O que o post diz e eu concordei é que é um problema real, enorme, e influencia pessoas a um nível que mais nada influencia. A tua reacção foi que nada disso, que a religião não é a causa, etc.

    Neste caso, acho que foi.

    ResponderEliminar
  45. A liberdade passa pelo respeito dos outros. Se não respeitam, não podem exigir nada!

    Pelos outros, não pelas suas crenças ou ideologias. A tua confusão nesta questão é tremenda, e não vejo cura.

    sem qualquer sombra de dúvida, é a máfia do avental que domina os governos e provoca tais incidentes.

    "máfia do avental". Mais uma pérola do Zétuga. Pior é que nem é original. O que se segue? A sugestão de uma "Solução Final"? Não há limites para a tua xenofobia, Zétuga?

    Pelo contrário, os ateus actuavam de forma muito mais dura e cruel.

    Como os gentios? Não há limites para a tua idiotice?

    Uma traição tem que ter consequências.

    Poe's Law. Bolas! E eu que te estava a levar a sério!! Ahah! Boa sátira, sim senhor.


    Ninguém vê nenhum problema nas incursões terroristas dos EUA, com a sua guerra pouco convencional (com armas proibidas), e com o recurso a técnicas de tortura piores do que os talibã?

    Sim porque todos sabem o quão ateu era o presidente dos EUA. E tendo em conta a alta religiosidade de Obama (educado por uma ateia com uma ideologia claramente secular e laica) é compreensível que ele feche Guantanamo...

    Sim senhor, mais tiros no pé?

    Tenho que partir cedo para um lugar onde estarei com vários islâmicos (Kuala Lumpur)

    Boa viagem. Não sei como é que isso nos salva de ti. Não há net na Malásia?

    ResponderEliminar
  46. "A tua reacção foi que nada disso, que a religião não é a causa, etc."

    Barba Rija
    eu compreendo o mal-entendido, muitas vezes, por falta de tempo, também só leio as coisas por alto. Mas se leres os meus comentários com atenção, verás que em lado nenhum disse isso. Logo eu, que gosto tanto de detitar as culpas de tudo para cima das religiões ;-)...
    Cristy

    ResponderEliminar
  47. ...verás que em lado nenhum disse isso.

    Sim, é verdade :)

    ResponderEliminar
  48. Bruce Lóse,

    Em Êxodo 14:3, a minha Bíblia diz o seguinte:

    "Então Faraó dirá dos filhos de Israel: Eles estão embaraçados na terra, o deserto os encerrou."

    De que bíblia do céptico adulterada tiraste esse versículo do êxodo?

    Aguardo Resposta.

    ResponderEliminar
  49. King James Bible:

    Exodus 14:3

    "For Pharaoh will say of the children of Israel, They are entangled in the land, the wilderness hath shut them in."

    Exodus 15:3

    "The LORD is a man of war: the LORD is his name."

    http://kingjbible.com/exodus/14.htm

    http://kingjbible.com/exodus/15.htm


    Bíblia do Céptico (supostamente adulterada!!!!???):

    Êxodo 14:3

    "Então, Faraó dirá dos filhos de Israel: Estão embaraçados na terra, o deserto os encerrou."

    Êxodo 15:3

    "O SENHOR é varão de guerra; SENHOR é o seu nome."

    http://www.bibliadocetico.net/exo/14.htm

    http://www.bibliadocetico.net/exo/15.htm

    Pelos vistos o erro só estava na numeração dos versículos!

    ResponderEliminar
  50. Anónimo,

    tenha calma consigo. Vai a 200 numa estrada onde o maximo legal é 120 :)

    Vou assumir que és o Bruce Lóse. Com a minha intervenção quis mostrar a seriedade do ateu em criticar passagens bíblicas. Nem a referência colocam correcto. Tiram os argumento pré-fabricados de sites ateus que, por sua vez, tiram argumentos pré-fabricados de outros sites... fazem a sua exegese e pronto... ficam intelectualmente realizados.

    Isso sim é um verdadeiro ateu.
    Não sabem o que precede nem o que segue a passagem, mas os versículos que lhes convém sabem de cor e têm-nos ali sempre à mão, no bloco de notas.

    ResponderEliminar
  51. Marcos Sabino,
    disseste claramente que era um versículo adulterado.
    É claro que foi um erro de tipografia no comentário, que referia-se a um site com uma cópia completa de uma tradução da Bíblia, tal como no Skeptic Annotated Bible / Quran / Mormon Book (que usa a KJV), com anotações aos lados, imagens e referências. Também estava a fazer menção de um programa informático com traduções completas da Bíblia para Debian (uma distribuição GNU/Linux)

    Antes do versículo em questão é dito que vai ser feita uma cântiga em louvor a Iavé. Depois do artigo em questão, são dados exemplos da interferência divina em guerras, descrevendo como os inimigos dos hebreus ficaram aterrorizados. O contexto histórico já foi indicado por mim num comentário, que podem ser confirmado em documentos de arqueologia, nomeadamente sobre os achados em Ugarit.

    Verificação de palavras: foodi
    LOL!

    ResponderEliminar
  52. O capítulo 15 do Êxodo no The Skeptic's Annotated Bible: 1.

    Referências sobre o versículo na secção de contradições: 2. Embaixo está uma resposta de LookingUntoJesus.net .

    O mesmo capítulo na Bíblia do Cético Comentada: 3.

    O Marco Sabino entrou nos sites antes de mandar bitaites? Talvez também queira fazer o mesmo com erros ortográficos para concluir algo semelhante.

    ResponderEliminar
  53. Marcos, amigo.

    O Bruce Lóse sempre assina Bruce Lóse. Estou sinceramente agradecido ao "anónimo" que me poupou de instalar novamente o programa para ver o que se passou com o copy/paste do versículo. Se há coisa que eu não quero é trocar o número de um versículo!

    E fica-me uma sensação de que não tens mesmo nada de jeito para dizer sobre o manual de instruções da tua juventude. Espero estar enganado.

    ResponderEliminar
  54. Mário Miguel24/02/09, 15:50

    Zeca,

    «Nada disso que me dizes, e para a época em que foi escrito, é sequer censurável. Pelo contrário, os ateus actuavam de forma muito mais dura e cruel.»

    Por ser ao não ser censurável à época é irrelevante, por, como no caso do Corão, ainda hoje se faz a leitura literal do que lá está escrito, sendo isso absolutamente censurável. E por mais que os ateus na época tivesses sido cruéis, isso não diminui a crueldade dos crentes. Ao fazeres esta falácias - raciocínio aldrabado - fica claro que não tendo mais nada à mão de jeito, tentas a trapaça argumentativa, denunciando que nada tens de jeito sobre esta matéria.


    «crime e justiça são duas noções que os ateus confundem, porque será!?
    Ora, na Bíblia a justiça é indispensável, como é em qualquer sociedade.»


    Sim, mas ma justiça não pode ser injusta! Como por exemplo:

    Levítico 21:9

    «E quando a filha de um sacerdote começar a prostituir-se, profana a seu pai; com fogo será queimada.»

    Isto não é justiça, nem ontem, nem amanhã, NUNCA!


    «E, os deveres dos cônjuges no casamento, são um exemplo disso.
    Uma traição tem que ter consequências.»


    Estas consequências são imbecis! São estupidez, como o corte de cabeças; ou como se pode ler no Corão o seguinte:

    Corão

    4.15

    «Quanto àquelas, dentre vossas mulheres, que tenham incorrido em adultério, apelai para quatro testemunhas, dentre os vossos e, se estas o confirmarem, confinai-as em suas casas, até que lhes chegue a morte ou que Deus lhes trace um novo destino.»


    «“Não vês problemas em Talibãs muçulmanos estarem a "invadir" o Paquistão, com a conivência de um governo”

    Ou então podemos perguntar:
    “Ninguém vê problema algum na carnificina que resulta da atitude terrorista dos EUA invadirem o Paquistão e bombardear escolas, hospitais, etc!, com a conivência de quase todo o ocidente.?”»


    Não é devido aos EUA fazerem "X", que os Talibãs muçulmanos ao fazerem "X", fiquem ilibados dessa conduta, isso é mais uma tentativa de branqueamento, no máximo ambos têm que estar sujeitos à recriminação. Uma não apaga a outra, isso é um argumento de xico-esperto que facilmente é posto a descoberto, o que deixa claro o carácter tendencioso de quem o profere. Mas ainda há mais! O Bush é crente até ao osso. Maior tiro no pé não é possível Zeca. É melhor esconderes-te.


    «Ninguém vê nenhum problema nas incursões terroristas dos EUA, com a sua guerra pouco convencional (com armas proibidas), e com o recurso a técnicas de tortura piores do que os talibã?» A resposta ao ponto anterior aplica-se aqui, com o tiro no pé incluído... Zeca, que grande fora, contra ti escreves.

    ResponderEliminar

Se quiser filtrar algum ou alguns comentadores consulte este post.