domingo, julho 18, 2010

Treta da semana: droga digital.

A guerra contra as drogas tem sido um grande sucesso. Tem enfiado muitos jovens na cadeia, aumentado o preço e os lucros dos vendedores, até impedido que se plante cânhamo. E tudo isto sem afectar o consumo. Agora abre-se uma nova frente de batalha, prenhe de possibilidades para mais sucessos assim e sem sequer precisar de droga a sério. As drogas digitais.

Desde o final do século XIX que se sabe enganar o cérebro dando a cada ouvido um som diferente. Controlando o tempo e intensidade a que o som chega a cada ouvido podemos criar uma ilusão de direcção (1). E se um ouvido recebe um som de frequência ligeiramente diferente da frequência do som que chega ao outro o cérebro inventa uma batida onde nenhuma existe (2). E enquanto o primeiro efeito é bom para filmes e jogos, o segundo dá para sacar dinheiro dos mais crédulos, com alegados efeitos desde “focar energia” a “projecção astral”, tudo isso por ouvir um som monótono e irritante durante uma hora. E depois de pagar $39.95, claro (3). Mas, ao que parece, o problema não é a aldrabice. É o alegado perigo para os jovens, aliciados a drogar-se com estes sons que os podem desencaminhar, levando-os a drogas mais fortes.

Eu admito que também ficava preocupado se um dos meus filhos se metesse nisto das drogas digitais. Não por medo que ficasse pedrado ou viciado, mas por demonstrar ter ficado parvo. Supostamente, o som que se segue deve ser ouvido com auscultadores para fazer efeito. Mas, pelo que tive paciência de experimentar, vai dar ao mesmo...



Infelizmente, não são só os miúdos que enfiam o barrete. São os pais, os professores e os jornalistas:



A propósito de notícias como esta:




Threat Level, Report: Teens Using Digital Drugs to Get High, Via o FriendFeed do Marcos Marado.

1- Um exemplo é o Virtual Barber Shop. Devem ouvir com auscultadores; ao contrário da treta das drogas digitais, este funciona.
2- Wikipedia, Binaural beats.
3- Musicmefree.com

15 comentários:

  1. chegámos ao ponto, a internet pelo seu efeito visual,é extremamente viciante e apelativo,mesmo que nada de interesse se passe,passam imagens de dedos.
    (também estou com vontade de apagar os comentários indecifráveis, mas ainda estou com esperança que a pessoa que criou uma data de contas no blogger só para encher isto com lixo se comece a conter um pouco)
    a pessoa em causa só fez isso porque foi alvo de uma intrusão,há 40 dias por parte de um dos seus comentadores.
    Queria descobrir quem era, agora já não interessa.
    Depois fui ficando, porque me lembravam o meu avô e o seu grupo, nos anos 60 sentavam-se no jardim, com a bíblia, o livro cristo nunca existiu (biblioteca de educação nacional edição de 1907 creio
    ou os livros anti e pró-fátima, havia vários
    inclusive a cova dos leões
    depois tinham discussões infindáveis.
    Havia um inspector da PIDE do lado ateísta que quando as coisas azedavam, dizia...na hora da verdade os ateístas tornam-se crentes e até os mais crentes descreem...se há mártires nunca os vi.
    é só os vossos ideogramas chineses também são obscuros
    pode ser que façam sentido num tradutor
    mas não o fazem num macaísta
    e as caixas de correio não são todas minhas
    nem da família, pedi empréstimos
    tenho pouca paciência para isto

    ResponderEliminar
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  3. Experimentei ouvir um bocadito com auscultadores... parece-me ser um som irritante e nada mais.

    Os miúdos já há muito tempo que se "viciam" em "drogas auditivas". Com o passar dos anos o fenómeno diminui e/ou refina-se. Chama-se música! Antes de haver internet os adolescentes gastavam fortunas para comprar novas doses em rodelas de plástico. Agora pagam mais para irem a concertos onde ouvem com maior intensidade, dançam e pulam em conjunto. Acompanhado frequentemente de consumo de álcool e (outras) drogas leves. É um fenómeno social muito preocupante! :)

    ResponderEliminar
  4. Sobre as drogas leves serem uma "entrada" para drogas mais pesadas, parti-me a rir com este vídeo:
    http://www.youtube.com/watch?v=SY0TQ1uOn3k

    ResponderEliminar
  5. Isso funciona a alguém? Se confiarmos nos testemunhos, parece que sim. Pelos vistos sou imune a drogas, mas tens de avisar que aquilo é muito alto. Mesmo a 1/3 do volume é muito alto.

    ResponderEliminar
  6. Parece que já existe um novo Monty Pyhton. «This just came in: President W. Bush can't open the door

    Sabiam que o Ronaldo arranjou uma madrasta para o filho dele? E que portugueses foram os vencedores de dois concursos mundiais de robótica (Robocup e Rescue B)? O segundo é usado para investigação para resgates através de robôs... não é nada de importante.

    ResponderEliminar
  7. "E se um ouvido recebe um som de frequência ligeiramente diferente da frequência do som que chega ao outro o cérebro inventa uma batida onde nenhuma existe"

    Isto é uma questão de semântica, bem sei, mas não posso concordar com esta tua frase: pela definião que *eu* tenho de batida[1] - que provavelmente será diferente da tua, ao teres duas frequências ligeiramente diferentes passas a ter batida. O teu link para a wikipédia explica bem o fenómeno, e daí eu ter a certeza que a questão é de simples definição de "batida"...

    [1] O DLPO parece não ter nenhuma definição de batida relacionada com ritmo...

    ResponderEliminar
  8. Por falar em droga digital, mudei do GNOME para XFCE e estou completamente agarrado.

    ResponderEliminar
  9. Droga digital é o que mais há na internet :-)

    ResponderEliminar
  10. Marcos,

    Pelo que percebi, a batida neste caso não vem da interferência das duas frequências, como acontece se as misturares no ar, mas de uma ilusão criada no cérebro porque os sons não interferem fisicamente, apenas as suas representações neurológicas é que interagem.

    ResponderEliminar
  11. Eu já entrei em tratamento , não aguento, é todo o dia agarrado aos phones, já tentei curtir uma moca de vuvuzela mas não é a mesma coisa.

    ya, sound rules, coollll

    ResponderEliminar
  12. aqui revelada a vera natura...geração raska anos 90 logo 30 e tantos
    subidinhos
    já me custaste 10 euros, paciência....

    Eu já entrei em tratamento , não aguento, é todo o dia agarrado aos phones, já tentei curtir uma moca de vuvuzela mas não é a mesma coisa.

    ya, sound rules, coollll ...gesendet

    ResponderEliminar
  13. Where Everything Is Music

    Don't worry about saving these songs!
    And if one of our instruments breaks,
    it doesn't matter.

    We have fallen into the place
    where everything is music.

    The strumming and the flute notes
    rise into the atmosphere,
    and even if the whole world's harps
    should burn up,
    there will still be
    hidden instruments playing
    .

    So the candle flickers and goes out.
    We have a piece of flint, and a spark.

    This singing art is sea foam.
    The graceful movements come from a pearl
    somewhere on the ocean floor.

    Poems reach up like spindrift and the edge
    of driftwood along the beach, wanting!

    They derive
    from a slow and powerful root
    that we can't see
    .

    Stop the words now.
    Open the window in the centre of your chest,
    and let the spirits fly in and out.

    Rumi - Selected Poems


    Such a wonderful Soul drug...

    Rui leprechaun

    (...the inner Sound I dearly hug! :))

    ResponderEliminar

Se quiser filtrar algum ou alguns comentadores consulte este post.