domingo, junho 10, 2012

Treta da semana: as cobaias.

Há dias que oiço falar das crianças da Casa Pia que foram cobaias numa experiência sobre a toxicidade do mercúrio, arriscando problemas mentais e outras coisas terríveis. Hoje decidi ver a reportagem da RTP que ressuscitou esta história, que pouca atenção teve quando saiu no Público em 2003 (1). Fiquei na dúvida se o problema é os jornalistas não perceberam os temas que abordam, se é não terem incentivos para relatar os factos quando teorias da conspiração vendem melhor, ou se é uma mistura das duas. O que ficou claro é que a reportagem é uma treta.

O “chumbo” dos dentes contém mercúrio e o mercúrio é muito tóxico. Mas isto é como dizer que o sal de mesa contém cloro e o cloro é mortífero e foi usado como arma química. A toxicidade não depende do elemento em si mas da forma em que se encontra e como se liberta. A amálgama de mercúrio é usada por dentistas há mais de 150 anos, já foi sujeita a vários estudos clínicos e não há evidências de que liberte mercúrio em quantidades suficientes para ser perigosa. Por isso, até recentemente foi o material mais usado para preencher cavidades nos dentes. Hoje é menos usada porque há alternativas, como resinas sintéticas e porcelanas, porque há quem seja alérgico ao mercúrio, porque é um risco para os dentistas que lidam todos os dias com a amálgama e pelo impacto ambiental da cremação de cadáveres com amálgama (2). Mas, em 1997, a amálgama era o material mais comum para tratar cavidades nos dentes.

Por isso, os tratamentos dentários aplicados às crianças no tal estudo da Casa Pia foram os mesmos que seriam aplicados a quaisquer crianças que fossem ao dentista. A única coisa especial no estudo era que umas crianças só seriam tratadas com amálgama e as outras só com resina composta para se medir as diferenças entre estes grupos. O objectivo era comparar a exposição ao mercúrio, medindo o mercúrio na urina, e determinar se havia algum efeito no desenvolvimento neurológico testando regularmente a memória, a coordenação, a concentração e a velocidade dos impulsos nervosos das crianças ao longo de sete anos. A nenhuma criança foi aplicado qualquer tratamento experimental e o resultado foi que, apesar das crianças tratadas com amálgama terem mais mercúrio na urina, as concentrações eram baixas (3) e não havia diferenças detectáveis a nível neurológico (4).

A reportagem da RTP transmite o oposto, assentando em duas ideias assustadoras: que a experiência era expor as crianças ao mercúrio e que o mercúrio da amálgama é muito perigoso e tóxico. Começa com música de conspiração, letras a vermelho a dizer “venenoso” e uma pessoa desfocada com voz disfarçada, mas aparentemente de bata, a dizer que a maioria dos dentistas que conhece ficaram chocados com este estudo. Depois, a jornalista diz que “descobriram” na ficha oficial americana que o estudo foi feito em crianças por serem «a população mais susceptível de revelar qualquer efeito na saúde». Se tivessem lido o artigo até tinham a explicação para isto: «A hipótese foi que crianças expostas a baixos níveis de mercúrio da amálgama poderiam ter resultados de saúde e desenvolvimento menos favoráveis do que crianças que recebessem tratamento dentário semelhante sem exposição à amálgama.» Mas dizendo que descobriram parece mais conspiresco do que referir o artigo. Uma entrevista a um paciente incógnito que diz que lhe recomendaram chumbar os dentes porque tinha cáries remata, de forma ironicamente ridícula, a teoria da conspiração. Chumbar os dentes por ter cáries. Claramente, estavam a tramar alguma.

E assim continua até ao fim. O desfocado de bata aparece várias vezes. Diz que é «incompreensível testar mercúrio em crianças», quando ninguém estava a testar isso, e que é um metal que «toda a gente sabe que é tóxico». Toda a gente que, provavelmente, tem dentes chumbados. Dedicam também muito tempo a duas activistas americanas que andam em cruzada contra a amálgama. Uma tinha tido um linfoma e, como não tinha seguro de saúde, tentou tratar-se com medicinas alternativas. Eventualmente tirou a amálgama dos dentes e declarou-se absolutamente convencida de que a amálgama era a culpada. É este o nível de evidências científicas apresentado na reportagem. Isto, as alegações de um dentista brasileiro que sempre foi contra a amálgama e um pediatra que explica os perigos genéricos de expor crianças ao mercúrio mas sem apresentar quaisquer evidências de que isso tenha que ver com a amálgama.

Toda a reportagem é sensacionalista e enganadora. Admitem que a amálgama está a ser menos usada pelos problemas ambientais «mas não pelo mal que faz», dando a impressão de que há evidências desse tal mal. Apontam que os médicos recomendam a grávidas e crianças que não comam peixes com mercúrio, tal é o perigo, mas sem referir que 100g de peixe espada tem dezenas de vezes mais mercúrio do que a amálgama liberta por dia (5). E nunca referem que o peso das evidências é de que a amálgama, usada há mais de 150 anos, não tem riscos relevantes para a generalidade das pessoas. Em vez disso focam incógnitos, activistas e casos pontuais não documentados, e alegam que testaram mercúrio nas crianças.

Esta reportagem é um nojo. Já me custa que façam disto nas televisões privadas, onde o objectivo é declaradamente vender os anúncios no intervalo seja porque meios for. Mas na televisão pública deviam ter um pouco mais de respeito pela realidade. Talvez estejam já a preparar a privatização...



1- Público, Reportagem da RTP reacende polémica sobre estudo com crianças da Casa Pia
2- Wikipedia, Dental amalgam controversy
3- Três micrograma por litro, o que é um décimo do limite aceitável, segundo recomendações da UE (ver SCOEL/SUM/84).
4- DeRouen et al, 2006, Neurobehavioral Effects of Dental Amalgam in Children, JAMA. 2006;295(15):1784-1792
5- Wikipedia, Mercury in fish

17 comentários:

  1. Creio que a "experiência" foi feita na casa Pia pelo simples facto de ser mais fácil obter e consolidar os dados do que simplesmente arranjar a autorização de múltiplos pais em variadas condições experimentais.

    O facto de as crianças estarem sobre a tutela do estado ou da instituição, facilitando a autorização do uso dos seus dados médicos e de terem, relativamente, as mesmas condições ambientais permite fazer estas experiências de comparação.

    Críticável seria se tivessem um grupo de controle a quem não dessem nenhum tratamento...

    Os verdadeiros monstros são os jornalistas portugueses. Ignorantes, lambe-botas, manipuladores e abusadores do poder que detêm.

    ResponderEliminar
  2. Se no mínimo é um risco para os dentistas e para o ambiente e se já há alternativas porque é que ainda se usa a amálgama? Só motivos económicos muito fortes se podem sobrepor a tais riscos. Quem é que lucra com isto?

    ResponderEliminar
  3. Helder,

    Há várias razões para usar a amálgama. Uma delas é económica, é verdade, porque a amálgama sai mais barata ao paciente do que as alternativas, e faz diferença para muitas pessoas (as cáries também têm riscos, se não forem tratadas). Outra é que a amálgama dura mais e é mais resistente do que as alternativas. Outra ainda é que a amálgama tem 150 anos de uso, o que nos dá uma base sólida para estimar os riscos, enquanto que as alternativas (excepto o ouro, que é caro) são muito recentes, e não é claro que os compostos que usam na resina, por exemplo, sejam menos prejudiciais.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E O Arsénio até engorda, não é?
      A cocaína usa-se há mil e quinhentos anos.
      A resina é cancerígena obviamente e o ouro com a gatunagem alemã que há em Odin a Velas, bolas pá...

      Eliminar
  4. Off topic interessante: como evolucionistas e criacionistas bíblicos interpretam os mesmos dados de forma diferente:

    Um estudo recente foram identificadas moléculas fundamentais para a visão e outras funções cerebrais.


    1) Os evolucionistas especulam como tudo isso seria o resultado de mutações aos longo de milhões de anos, embora nunca tenham observado a origem acidental da vida, a evolução de um olho ou de um cérebro ou uma espécie a transformar-se noutra diferente e mais complexa.

    2) Os criacionistas consideram que isso corrobora a criação inteligente e intencional da vida, já que as estruturas e funções dependem da integração complexa e especificada de milhões de partes componentes cada uma com a sua função específica e em muitos casos essencial.

    Duas visões do mundo, duas maneiras diferentes de interpretar a mesma evidência.

    ResponderEliminar
  5. Off topic interessante:

    De uma assentada confirmamos o que a Bíblia diz sobre criação e corrupção da natureza humana já que que o DNA tem informação codificada(evidência de design inteligente) e as mutações são ruído que tende a criar doenças e morte (evidência de corrupção)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, senhor Doutor Grosa Castro?
      Largo do Caldas e amigos, compreendemos perfeitamente que "chumbar" miúdos ou putos e putas, tanto faz, já com buracos abertos noutras cavidades e acrescentar-lhes umas 16 (cavidades subentende-se)extras nos dentes, é um procedimento médico normal, pois lá em casa deste alemão Neo-Mengelista (Vulgo Krippahlis pal is Lineu 1758)
      fazem o mesmo aos filhos da criada brasileira (ver os meninos do Brasil em Od i Velas).
      Logo se os pequerruchos nem apresentam mais problemas mentais, comparativamente com os filhos do tal alemão, é porque o mercúrio afinal nem sequer é bioacumulável, nem tem efeitos de bioamplificação nos tecidos neuronais.
      A ciência mostra, que o nosso cérebro(,) ado(p)ta naturalmente um procedimento semelhante para realizar as diferentes tarefas, mas quando está cheio de mercúrio, funciona como o dos alemães e chapeleiros loucos em países das maravilhas.

      Faz todo o sentido...e obviamente bocejam
      virtualmente pois têm a mioleira em merda

      Eliminar
  6. Ludwig,

    Gostava de comentar o post mas não consigo encontrar palavras para exprimir o que penso da TV neste momento.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. porque há quem seja alérgico ao mercúrio...mas também há quem tenha tanto na mioleira que nem consegue cu mentar

      Peguemos num puto da Casa Pia, chamemos-lhe Zé Lito
      apanhamo-lo aos 12 escaranfunchamos com uma agulha de dissecação nos dentes e descobrimos 10 ou 12 cavidades nunca antes vistas

      Depois é só brocar para ver se achamos pitroilo e enchemos com a mal Gama ia aos hindus
      e às vezes vinha-se...

      agora imaginemos que o zé lito era um dos filhos in cognitus
      de cry pal e ia fazer ós hermanitos (hermanitos josés von Krippahl e tal) as bene fi cia sões que que lhe fizeram na dentadura
      ainda bem que me puseram mercúrio em vez de ouro
      com esta crise já não tinha dentes

      Eliminar
  7. Offtopic interessante:

    A Bíblia ensina que Deus, quando criou racionalmente o Universo, a vida e o homem, dividiu o processo mais longo de criação em segmentos distintos e mais curtos para os executar de forma sistemática, concatenada, sequencial e integrada.

    A ciência mostra que o nosso cérebro adopta naturalmente um procedimento semelhante para realizar as diferentes tarefas

    Faz todo o sentido...

    ResponderEliminar
  8. Pois, senhor Doutor Castro Caldas e amigos, compreendemos perfeitamente que "chumbar" miúdos já com buracos abertos noutras cavidades e acrescentar-lhes umas 16 extras nos dentes, é um procedimento médico normal, pois lá em casa deste alemão Neo-Mengelista fazem o mesmo aos filhos da criada brasileira.
    Logo se os pequerruchos nem apresentam mais problemas mentais, comparativamente com os filhos do tal alemão, é porque o mercúrio afinal nem sequer é bioacumulável, nem tem efeitos de bioamplificação nos tecidos neuronais.
    A ciência mostra, que o nosso cérebro(,) ado(p)ta naturalmente um procedimento semelhante para realizar as diferentes tarefas, mas quando está cheio de mercúrio, funciona como o dos alemães e chapeleiros loucos em países das maravilhas.

    Faz todo o sentido...

    ResponderEliminar
  9. Yes they are better, they don't express very well and are morons, (amerikan moronic style) but is because of the gold rush and methoxyethylmercury and arylmercury compounds in the food chain i s'pose they become megalo.... megalomania is a american hobby i s'pose they're better than most, it's normal is a
    psycho-pathological condition characterized by delusional fantasies of power, relevance, or omnipotence.
    American's can't be better is a organization characterized by an inflated sense of self-esteem and overestimation
    America release mercuric ions and they act like inorganic compounds
    methyl-morons and moronicethylmercury have a firm bond, or grasp over the whole country (U.S of A ..or us of A ...megalo you see?
    The whole American soil is a compound toxic

    Bind with –Cys and –SH, block enzymes, destroy haematoencephalic (blood-brain) barrier, increase permeability in very very small doses of krippahlidade

    Don't have corrosive effect on krippahl babies mucosas
    In krippahlic blood transported bound to krippahlithrocytes

    They have high affinity to neural tissue but not in krippahl's they don't have any

    Cummulate also in liver and kid ney matogrosso
    Cross the krippahl placenta and have fetotoxic effect in krias krippahlicas
    Excretion to faeces, urine, milk, sweat, saliva.....linguados e afins

    Deposition in hair the opera rock you see ...and in krippahlóide skin, excretion very very very light slow.....dance?

    ResponderEliminar
  10. Pobreza maior ,não é a pobreza matéria,l é a de espírito.Nunca vimos tanta presunção e arrogância partindo de quem que não sabe o que está dizendo,baseados em pressupostos e interesses mercadológicos .Se se tem dois motores em uma mesma função ,podem ser colocado neles correias diferentes para função idêntica e observar o desgaste e comparar e fazer relatório da observação.Similarmente pode ter sido usado o material restaurador da capela Sixtina ,de origem e composição diversos e fazer a escolha mais adequada.Por que com os matérias dentário ou médicos seria diferente¿ Tal procedimento é feito desde 1870 e está comprovadamente aceito como o melhor material restaurador ,a única contra indicação se estabelece por conta da cor,unicamente,sendo indicado pois para dentes posteriores.Agora os “advogados” da celeuma,baseados em pressupostos falsos e comprometidos vociferam como se tivessem descoberto a Roda.É tudo tão tolo e arrogante tais argumentos falaciosos e tendenciosos,que qualquer um, com mais de dois neurônios, pode estabelecer a origem da tal discussão.

    Daqui a pouco os fabricantes de chapéus ,por não estarem a vender seu produto,dirão que todos os que não usam tais coberturas são pedófilos .... todos os demais que não se enquadre em tais postulados,usos e costumes serão inicialmente aconselhado a usarem, se não houver nenhum protesto,se tornará de uso compulsório...
    É preciso saber a quem interessa tais pressupostos .Uma vez que se estabelece essa conclusão,veremos que tudo não passa de um jogo cruel e maldito de interesse mercantilista do capitalismo selvagem.

    ResponderEliminar
  11. A bem da verdade não foi feito nenhuma experiência,trata-se simplesmente de um comparativo entre dois materiais.Tal procedimento, o profissional dessa em questão, ou de qualquer outra área seja de engenharia ou cosmetologia ou outras pode fazer idêntico comparativo, sem utilizar a ninguém como cobaia .Essa é uma atitude míope de quem além de não conhecer os materiais em questão,também é desprovido de senso crítico para análise tão primária.A quem interessa a alteração na inserção dos novos materiais¿.Essa é a pergunta que deve ser feita ,antes de partir para histeria coletiva de agressão ao metodologia de avaliação,seja em crianças seja em quer que seja.Não altera absolutamente nada.
    JATeixeira

    ResponderEliminar
  12. Não Treta nem Hoax ,nem Boato É um cavalo de tróia plantado ,para saber da reação das pessoas diantes de tais ações persecutórias e atentatórias ao bom senso .Se a população acha que de fato é veradeiro tal procedimento por lavagem cerebral e mensagens subliminares eles partem para o segundo passo.Caso idêntico foi relativo ao CFC que disseram que estava abrindo uma brecha na camada de ozônio,todos os paises foram signatários e adotaram tal gás,passados 20 anos prescreveu a reserva de mercado de direitos sobre a patente.Canadá,Estados Unidos e França que vendiam o CFC a 20 USD ,dizem que aquele gás já não serve e vão lançar um outro mais potente.Unicamente porque a China,hoje,vende o GAS CFC a 2,0
    USD.O Sr Algore foi até agraciado com títulos e benemerência desse treta do aquecimento Global e se se vai falar em multi-culturalismo e politicamente estúpido,quero dizer correto(¿) que leva a uma quadro de tensão em todo o mundo com essa pretensão dos muslim.
    “Esta marcado para os dias 04 e 05 de novembro, em Brasília, a reunião nacional do Programa Mundial de Treinamento para Remoção Segura do Amálgama Dentário, promovido pela Academia Internacional de Medicina Oral e Toxicologia (IAOMT).
    No Brasil o programa conta com o apoio de diversas entidades de Odontologia, entre elas o CFO e os Conselhos Regionais de Odontologia, face à grande discussão que vem acontecendo em todo o mundo sobre os problemas de saúde causados pelo uso do mercúrio.
    A reunião acontecerá na sede da Associação Médica de Brasília, situada na SCES Trecho 03 Conjunto 06, Brasília. Para maiores informações, ligue: (61) 2195-9797 / 2195-9757.”
    Vejam ,os frutos do alarmismo está fazendo efeito.,em 150 anos de uso,só agora depois de matérias similares como concorrência é que se constata que o HG é prejudicial,acredite se quiser.
    JATeixeira

    ResponderEliminar

Se quiser filtrar algum ou alguns comentadores consulte este post.