domingo, novembro 18, 2012

Treta da semana: Biomusicologia®.

O “Instituto de Ciências do Som e Bioterapias” oferece consultas de Biomusicologia®. Atribuindo a Leonardo Coimbra a afirmação de que «a evolução biológica é a construção progressiva que a direção e a herança tenham feito num tempo determinado pelo conjunto das noções geológicas, físicas e químicas», explica a página no instituto que a Biomusicologia® Terapeutica é «Uma Terapia harmoniosa que permite o funcionamento total de um organismo vivo.»(1) Não percebi o que uma coisa tem que ver com a outra. Nem sequer percebi ao certo o que isto quer dizer. E se bem que o funcionamento total do organismo me pareça uma coisa boa, o vídeo deixou-me na dúvida.



Como qualquer pessoa que tem crianças pequenas a acordar todas as noites, percebo o apelo de fazer barulho enquanto alguém tenta dormir numa cama cheia de cordas e tambores. É uma forma de restabelecer um pouco de justiça ao universo, seguindo o princípio milenar do “lixa os outros como te lixaram a ti”. A dúvida é se é o paciente quem tenta dormir enquanto o terapeuta faz barulhos irritantes. Com o que tenho dormido ultimamente, temo que uma sessão destas acabasse com o terapeuta a engolir os instrumentos da terapia.

Além disso, há aspectos destas ciências do som e quejandos que me deixam preocupado. Por exemplo, que «Somos constituídos por um corpo físico, feito de matéria e por uma aura, mais súbtil, ou seja anti-matéria, que é o que reveste os nossos campos de energia.» Espero que se tenham enganado nisto. Não sei o que é um campo de energia, mas se está revestido de anti-matéria quero-o bem longe de mim. Com E=mc2 não se brinca.

No que toca ao espiritual e transcendente, a Biomusicologia® caracteriza-se pela «experiência de ser agarrado, ou levado por uma outra dimensão da realidade, que está para além da materialidade do ambiente que nos rodeia, e mais relacionada com a ambiente último que é infinito no seu desígnio e inesgotável no seu mistério.»

Peço desculpa. A citação anterior é do Miguel Panão, acerca da religião católica (2). A Biomusicologia® é «apreender a transpessoalidade implicada no sentido da existência. É reconhecer o poder de transformar a consciência que adoeceu ao longo do tempo através do despertar consciênte da imortalidade da alma.»(3) Por alguma razão estranha, às vezes confundo estas coisas.

A Biomusicologia® é tão especial, tal com uma data de outras crendices, porque não se sujeita a testes empíricos e porque ninguém pode provar que é falsa. Por exemplo, «A ciência oculta ensina na sua 3ª Lei A LEI DA VIBRAÇÃO, que a vida é movimento e o movimento é a essência da própria matéria. Tudo é incessante vibração. A substância são modos de movimento, distinguindo-se por diferentes velocidades de vibração.»(4) Esta lei da vibração não é como as teorias da física ou da biologia. Não é para se por à prova ou confrontar com observações. Estas “leis” brotam da contemplação de gurus iluminados cujos umbigos são verdadeiras janelas para os maiores mistérios do universo. Basta um olhar de relance e surgem umas dúzias de terapias, bruxarias e seitas. Para os iniciados, afirmações que ninguém pode verificar mas que ninguém consegue refutar são exemplo de conhecimento, sabedoria e até de Verdade, maiúscula e infalível. Eu chamo-lhes tretas a todas, mas deve ser mania minha.

1- Instituto de Ciências do Som e Bioterapias, Biomusicologia® Terapeutica
2- Miguel Panão, A religião é boa
3- Instituto de Ciências do Som e Bioterapias, Biomusicologia® Regressiva
4- Instituto de Ciências do Som e Bioterapias, Biomusicologia®

129 comentários:

  1. Que coisa mais estranha... Será que eles querem dizer que essa "terapia" faz evoluir as pessoas?? É deveras estranho que metam a evolução biológica ao barulho (bem, tudo é estranho, mas essa parte é a mais estranha).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se de facto é o que os responsáveis querem dizer necessitam de uma avaliação psicológica/psiquiátrica.

      Eliminar
    2. nem por isso a teoria da harmonia também existe in the super string theory
      Confirmed by explicit calculation through L = 5.
      Confirmed by Howe and Stelle using N = 4 harmonic superspace.
      Through L = 6 agrees with Berkovits, Green and Vanhove, who use
      low-energy limit of open string in Berkovits’ pure spinor formal

      or Merav Hadad



      Ram Brustein, M.H. 0903.0823

      Eliminar
  2. Estudos científicos recentes e as suas implicações:

    O projecto ENCODE veio mostrar que todo o genoma está activo no cumprimento de funções regulatórias da expressão genética o que mostra que não se trata de vestígios inúteis da evolução mas de um verdadeiro sistema operativo, o que corrobora inteiramente o que a Bíblia diz sobre a omnisciência e a omnipotência de Deus.

    Os chimpanzés e os seres humanos têm semelhanças genéticas importantes, mas têm sistemas de regulação da expressão genética muito diferentes o que corrobora a ideia bíblica de que têm um Criador comum que os criou como géneros distintos...


    Afinal o genoma é ainda mais complexo do que se pensava, o que corrobora inteiramente o que a Bíblia ensina sobre a sua criação inteligente


    Tem sido sucessivamente confirmada a existência de tecidos moles, proteínas e até possivelmente DNA em material não fossilizado de dinossauros, o que corrobora inteiramente o que a Bíblia diz acerca da sua idade recente.

    Longe de refutar a existência de Deus, o Large Hadron Collider tem refutado o modelo standard da física e o modelo da supersimentria que o pretende substituir, mostrando que também na física há que ter em conta a extrema complexidade que só um Deus omnisciente e omnipotente consegue produzir.


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. há macro e microfísica ó boleto de deus e nenhuma arranja onisciência na omnipotentia impotente

      Gravity field equations
      can be derived from
      the thermodynamic relation

      for any metric theory of gravity
      Raychauduri equation
      Einstein equations can be derived from the thermodynamic relation (Jacobson,’95)

      the equation of motion can be derived from the thermodynamic relation if the entropy is
      a Noether charge entropy.

      Elizalde & Cavaco Silva, 2008

      Are all the gravitation equations
      actually a macroscopic description of an underlying microscopic dynamical system, or not......not....veersteenden sië

      nein?

      ok fala com o nazi de serviço

      morte aos alemães entre nós

      desnazifiquem portugal

      vão-se com a merckel...seus lud's wig's

      The entropy in generalized theories of gravity with bifurcate Killing horizon

      Eliminar
  3. Respostas
    1. "Notícia sobre mais um achado em Jerusalém muito interessante do ponto de vista da arqueologia bíblica." Como se issotivesse alguma coisa a ver com o texto. O perspectiva faz-me lembrar uma personagem de um certo programa infantil: o palhaço companhia, que fazia exactamente o que faz o perpectiva - interrompia o programa para fazer observações estúpidamente cómicas e descabidas como "hoje vou casar com a portinha" ou então disfarçava-se qualquer coisa, negando ser ele próprio.

      Eliminar
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar
    3. Mas no fundo, gerar confusão era o objectivo. Será que se passa algo semelhante com o perspectiva? Ou será que quer tão desesperadamente fazer os outros engolir os seus mitos criacionistas que acaba por dar a aparência de procurar confusão (leia-se criação x evolução)onde ela não existe?

      Eliminar
  4. Deixo duas notas apenas, em jeito de desabafo.
    Uma, para dizer que tudo e nada faz evoluir. Evolui-se. Tudo é evolução. Mesmo quem faz tudo e não faz nada para evoluir, evolui. E, quanto mais se aplicar a não evoluir, provavelmente, mais evolui. É como o destino. Tentar fugir-lhe é a ainda uma forma, senão a melhor, de o cumprir. A evolução resolve todos os problemas antes de eles surgirem.
    Não há panaceia, nem biomusicologia, nem medicina quântica, ou astrologia, que lhe leve a palma.
    Evolução, começa por ser uma palavra mas, para algumas inteligências, é uma negação da esperança e da virtude e dos valores e do mérito e da religião cristã.
    A talho de foice, é um erro grosseiro misturar a doutrina cristã com filosofias ou práticas hedonistas. Ela é "demasiado" desconfortável para quem só busca panaceias na vida, porque tem exigências de virtude que poucos ou nenhuns satisfazem. Mas é luminosa para quem deseja e precisa de viver em partilha e doação aos outros, num espírito construtivo com os seres, os ecosistemas, para quem acredita que "evolução" pode ter um sentido de edificação. Partilha e doação! Não há que enganar. Quem está interessado?

    ResponderEliminar
  5. Terá algo a ver com a teoria das cordas?

    ResponderEliminar
  6. Carlos Soares,

    Penso que o que a Maria Madalena Teodosio refere como sendo confusão é aplicar o conceito biológico de evolução a organismos. A evolução, no sentido que a biologia dá ao termo, é um processo que ocorrem em populações. Um organismo nasce, desenvolve-se e morre, mas nunca evolui, porque a evolução é o que ocorre quando organismos de uma geração vão sendo substituidos por organismos das gerações seguintes, normalmente com características diferentes.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. pois... a evolução biológica ocorre ao longo de gerações em populações. Um individuo não evolui, desenvolve-se psicológicamente e fisiológicamente, o que nada tem a ver com evolução biológica. Por isso achei estranho meterem ao barulho a evolução biológica.

      Eliminar
    2. Pois. O Ludwig já deu aqui muitos exemplos dessa "evolução". Os seus exemplos foram:

      1) moscas dão… moscas!

      2) morcegos dão… morcegos!

      3) gaivotas dão… gaivotas!

      4) bactérias dão… bactérias!

      5) escaravelhos dão… escaravelhos!

      6) tentilhões dão… tentilhões!

      7) celecantos dão… celecantos (mesmo durante supostos milhões de anos)!

      8) guppies dão… guppies!

      9) lagartos dão… lagartos!

      10) pelicanos dão… pelicanos (mesmo durante supostos 30 milhões de anos)!

      11) grilos dão… grilos (mesmo durante supostos 100 milhões de anos)!

      Eliminar
    3. não se cansa de repetir sempre a mesma coisa (que ainda por cima demonstra que nada percebe de biologia)?
      Ao que parece já largou a treta do código genético(que nem existe na célula mas sim na cabeça dos cientistas), mas ainda não largou a dos grilos e da gaivotas...

      Eliminar
  7. Patrícia,

    Eu acho que campos de energia revestidos de anti-matéria, sendo tudo vibração, tem mais que ver com a prática do disparate do que com a teoria seja do que for :)

    ResponderEliminar
  8. Carlos Soares,

    «é um erro grosseiro misturar a doutrina cristã com filosofias ou práticas hedonistas.»

    E, no entanto, a verborreia acaba por ser aproximadamente a mesma: palavras caras para dizer coisas sem sentido concreto, apresentadas como conhecimento sólido quando são especulações infundadas que nem se pode testar...

    ResponderEliminar
  9. Ludwig,

    não te fizeste entender, ou é mesmo isso, precisas de testar a doutrina cristã?
    Ou as filosofias e práticas hedonistas?
    Quanto às palavras caras...estranho muito esta tua observação. A crise parece andar a deixar-te sem mais palavras. O caro e o barato, o frio e o quente são conceitos relativos que não passam de sensações e não contribuem para esclarecer, senão para desmerecer.

    ResponderEliminar
  10. Ludwig,

    «Um organismo nasce, desenvolve-se e morre, mas nunca evolui».

    Queres dizer que nasce evoluído. Ou, por outra, as populações de organismos é que nascem evoluídas. Mas isto, que não me parece fazer sentido, põe em causa o que eu disse?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Carlos, se não consegue apreender conceitos tão simples como este da evolução de populações, é preferível meditar mais um pouco antes de dar respostas como a anterior.

      Eliminar
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar
    3. Diletante,

      Não me interessam comentários estúpidos. Perdeste uma oportunidade para explicar o que é tão simples que até tu percebes sem pensar. Vês como é?

      Eliminar
  11. CINCO OBSERVAÇÕES CIENTÍFICAS RECENTES QUE CORROBORAM O CRIACIONISMO BÍBLICO:

    1) Um estudo acabado de publicar mostra que o cérebro humano, a internet e a cosmologia obedecem às mesmas leis, o que corrobora a ideia de que o Universo e o homem foram criados por um Deus racional, omnisciente, omnipotente e comunicativo que criou o homem à sua imagem, com capacidade criativa, racional e comunicativa.


    2) O projecto ENCODE veio mostrar que todo o genoma está activo no cumprimento de funções regulatórias da expressão genética o que mostra que não se trata de vestígios inúteis da evolução mas de um TEXTverdadeiro sistema operativo com milhões de interruptores o que corrobora inteiramente o que a Bíblia diz sobre a omnisciência e a omnipotência de Deus e a criação inteligente da vida.


    3) Estudos recentes vieram demonstrar que chimpanzés e os seres humanos têm semelhanças genéticas importantes, embora tenham sistemas de regulação da expressão genética muito diferentes , e disponham de cérebros que se desenvolvem de forma muito diferente o que corrobora a ideia bíblica de que têm um Criador comum que os criou como géneros distintos...


    4) Tem sido sucessivamente confirmada a existência de tecidos moles, proteínas e até possivelmente DNA em material não fossilizado de dinossauros, o que corrobora inteiramente o que a Bíblia diz acerca da sua idade recente.


    5) Longe de refutar a existência de Deus, o Large Hadron Collider tem refutado o modelo standard da física e o modelo da supersimetria que o pretende substituir, mostrando que também na física há que ter em conta a extrema complexidade que só um Deus omnisciente e omnipotente consegue produzir.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. 'não fossilizado'? Diga-me lá o que entende por não fossilizado? É que se é o que eu estou a pensar é melhor alguém aí chamar o 112 porque está a precisar de um médico...

      Eliminar
    2. Não se precipite!

      Uma das notícias, relativas ao um esqueleto de um T. rex, encontrado em Montana, nos Estados Unidos, em 1990, menciona que quando o mesmo foi trazido para o laboratório da Montana State University verificou-se que (sic:

      ‘some parts deep inside the long bone of the leg had not completely fossilized.’


      Sobre isto pode ler sobre isso num artigo que se refere a esse achado

      Mas há mais notícias sobre tecidos moles de dinossauros como esta ou esta


      Eliminar
  12. Carlos,

    «precisas de testar a doutrina cristã?»

    Algumas partes, sim. Por exemplo, se um cristão acha que só deve casar com pessoas do sexo oposto, não há nada a testar. Mas se afirma que isso é assim porque um deus criou todo o universo e mandou que a lei natural proibisse casamentos homossexuais, então é preciso testar essa premissa e também a sua relevância para o juízo de valor que pretende suportar.

    «Queres dizer que nasce evoluído. Ou, por outra, as populações de organismos é que nascem evoluídas. Mas isto, que não me parece fazer sentido, põe em causa o que eu disse?»

    Sim:

    «Evolui-se. Tudo é evolução. Mesmo quem faz tudo e não faz nada para evoluir, evolui. »

    Ninguém evolui e nem tudo é evolução. A evolução é a variação de características hereditárias numa população ao longo das gerações. Se numa população de coelhos 28% são cinzentos e dez anos mais tarde 32% são cinzentos, isso é evolução.

    Tu, faças o que fizeres, não podes evoluir no sentido biológico porque o conceito não se aplica a ti enquanto indivíduo. Nem essa noção do "evoluído" tem o sentido que coloquialmente se lhe dá. Podemos dizer que a tua linhagem teve mais 70 milhões de anos de evolução do que a linhagem dos últimos dinossauros, mas podemos dizer o mesmo dos celacantos, dos piolhos, do bolor do pão e dos peixes cegos das cavernas, todos igualmente "evoluídos".

    ResponderEliminar
  13. RESPOSTA AO LUDWIG

    A ideia de que Deus criou o Universo e a vida de forma (super-)inteligente não pode ser testada em laboratório no terreno porque se trata de um facto passado único e irrepetível.

    Mas também é impossível testar a origem de tudo a partir do nada por acaso ou a evolução de partículas para pessoas.


    Quando muito, podemos observar aqui e agora que tudo está naturalmente programado para as crianças nascerem e desenvolverem-se, no contexto de relacionamentos de amor, felicidade e complementaridade de género em que é claro que o amor da mãe é importante para a criança e que o amor do pai é igualmente importante para o saudável desenvolvimento da criança. O género humano está pensado para se reproduzir assim.


    Também podemos observar que o cérebro humano, a internet e o Cosmos obedecem às mesmas leis, o que corrobora a criação do Universo e do homem por um Criador comum estruturalmente comunicativo (porque Logos e trinitário).

    Também podemos observar que o genoma humano é um sistema operativo extremamente complexo, transcendendo toda a capacidade científica e tecnológica humana, o que também corrobora a criação super-inteligente da vida.

    Também podemos observar que as homologias genéticas entre chimpanzés e seres humanos coexistem com grandes diferenças nos respectivos sistemas regulatórios epigenéticos, o que corrobora um Criador comum que os criou em géneros diferentes...

    Também podemos observar que a variação de características hereditárias dentro de uma população nunca transforma um ser vivo noutro género diferente e mais complexo, por mais tempo que supostamente tenha passado.

    Também podemos observar a presença de tecidos moles, proteínas e até DNA em ossos não fossilizados de dinossauro, o que corrobora inteiramente o que a Bíblia ensina sobre a criação e a morte recente dos dinossauros...


    Tudo o que realmente podemos observar corrobora inteiramente o que a Bíblia ensina. Só as especulações infundadas de alguns cientistas evolucionistas e naturalistas é que contrariam a Bíblia.

    A evolução de partículas para pessoas, essa é impossível de comprovar em laboratório ou no terreno.

    Em laboratório apenas vemos moscas da fruta a "evoluirem" para... moscas da fruta [1] e bactérias E.Coli a "evoluirem" para... bactérias E.Coli(!).

    No campo só vemos tentilhões a "evoluirem" para... tentilhões (!) ou coelhos a "evoluirem" para... coelhos(!).


    A evolução de bactérias para bacteriologistas só existe realmente na imaginação do Ludwig e os demais evolucionistas.

    Como podem ver, o Ludwig já percebeu que é impossível provar a evolução, pelo que se limita a afirmar, sem prova, a sua ocorrência...




    ResponderEliminar
  14. Mas por que retorcida razão é que os comentários neste blogue vêm sempre ter ao «perspectiva» e aos argumentos que ele repete ad nauseam? Completamente a despropósito, neste caso, como em muitos outros.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. simples: o perspectiva anda há anos a tentar que lhe dêem um exemplo de uma mosca a parir um elefante e está mesmo desesperado por ver uma coisa dessas.

      Eliminar
  15. Estimado Nan

    Foi o Ludwig que começou a criticar o criacionismo. Eu apenas me limitei a responder-lhe a todos os argumentos e a deixá-lo sem resposta...

    Como podem ver, não tive grande dificuldade nisso, apesar de ele ser um cientista, evolucionista e especialista em pensamento crítico... apesar de se autodescrever como"macaco tagarela" (sic)..

    Além disso, não se trata de repetição de argumentos, mas de mostrar as notícias mais recentes à medida em que são publicadas...

    Um exemplo é o caso Tda nanotecnologia inspirada no design do olfacto dos cães, que corrobora a ideia de que vale a pena imitar os designs do Criador...

    Na verdade, é irónico terem que ser os criacionistas bíblicos a fazerem divulgação científica neste blogue...


    Estimada Maria Madalena

    Fico contente por não conseguir apontar nenhum erro lógico ou empírico na minha argumentação.

    A minha pergunta para si é: se é impossível observar as partículas se transformam em pessoas, agora ou ao longo de milhões de anos, como é que a Maria Madalena sabe que isso aconteceu?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Fico contente por não conseguir apontar nenhum erro lógico ou empírico na minha argumentação." Argumentação do tipo: "O Ludwig diz que gaivotas dão gaivotas e grilos dão grilos"? Isso nem é argumentação é estupidez pura e simples. O resto é totalmente irrelevante.

      Eliminar
    2. Não é argumentação estúpida. É realidade!

      O que o Ludwig vê são coelhos a "evoluir" para... coelhos!

      O que Darwin viu foi tentilhões a "evoluir" para... tentilhões!

      Esses são os factos!

      A evolução de partículas para pessoas tem que ser imaginada.

      É interessante notar que o Ludwig, que tanto insiste na observação, em vez de se limitar ao que realmente se observa tem que imaginar milhões de anos de fantasias inobservadas...

      Eliminar
    3. Estimada Maria Madalena

      Continuo satisfeito por ver que não consegue apresentar nenhum argumento lógico ou empírico...

      Provavelmente para si a "prova" da evolução é a sua intuição feminina...

      Entretanto pode ver como as últimas investigações sobre o genoma dos Neandertais corroboram que se tratava de um verdadeiro ser humano, plenamente dentro da variabilidade genética da espécie...

      Eliminar
    4. Provas da evolução é o que não falta por aqui nos posts e comentários. Estude. Talvez os caloiros de biologia mais próximos estejam disponíveis para lhe dar explicações.

      Eliminar
    5. É interessante que não apresenta nenhuma... o Ludwig bem tentou...

      Eu recordo-lhe as "provas" que ele apresentou aqui neste blogue:

      1) moscas dão… moscas!

      2) morcegos dão… morcegos!

      3) gaivotas dão… gaivotas!

      4) bactérias dão… bactérias!

      5) escaravelhos dão… escaravelhos!

      6) tentilhões dão… tentilhões!

      7) celecantos dão… celecantos (mesmo durante supostos milhões de anos)!

      8) guppies dão… guppies!

      9) lagartos dão… lagartos!

      10) pelicanos dão… pelicanos (mesmo durante supostos 30 milhões de anos)!

      11) grilos dão… grilos (mesmo durante supostos 100 milhões de anos)!

      12) coelhos dão... coelhos!

      Do ponto de vista bíblico, isso equivale a dizer que os seres vivos reproduzem-se de acordo com o seu género...




      Eliminar
    6. "É interessante que não apresenta nenhuma..." A sua memória é curta.

      Eliminar
    7. Além disso, especiação é evolução. Na realidade, visto este termo agradar tanto aos criacionistas, pode-se dizer macro-evolução.

      Eliminar
    8. Especiação nada tem que ver com evolução de partículas para pessoas.


      Os criacionistas não negam a especiação.

      Antes pelo contrário, a especiação é uma parte significativa do modelo criacionista, bem como as mutações genéticas e a selecção natural.

      Todavia, a especiação não cria informação nova no genoma, isto é, não aumenta a complexidade integrada do genoma.

      Ela não transforma as espécies existentes em espécies diferentes e mais complexas, dotadas de estruturas e funções inovadoras.

      Tal nunca foi visto.

      A especiação elimina, duplica ou recombina informação. Ela não cria informação pré-existente.

      De um modo geral as novas espécies têm menos informação genética do que as anteriores, de cujo potencial genómico dependem.

      Por exemplo, dentro da categoria Cannis Familiaris existem 400 subespécies de caninos, embora todos eles com menos informação genética do que os seus ascendentes.

      Em todo o caso, trata-se de espécies do mesmo género canino.

      Tal como a Bíblia ensina!

      Eliminar
    9. "...evolução de partículas para pessoas" - o que é que para si são particulas e evolução de particulas para pessoas? É que isso soa a Nonsense + Red Herring e isto também: "espécies diferentes e mais complexas". Essa coisa das espécies mais complexas é estranha. Quanto a inovações estruturais, mutações fazem isso e novos genes aparecem por duplicação e mutação (assim se constituem as famílias de genes. E é a ultima vez que digo isto, tenho dito e pronto.

      Eliminar
  16. Estimada Maria Madelena

    Pelo sim pelo não fui ver os estudos científicos mais recentes sobre especiação.

    Eles corroboram o que a Bíblia diz acerca da criação recente dos géneros e da diversificação pós-diluviana recente.

    Também corroboram o que a Bíblia diz sobre a corrupção que afecta toda a vida na Terra.

    Vejamos.

    Um estudo científico recente mostra que a especiação é um processo rápido, que depende da informação pré-existente no género em causa, não dando lugar a espécies diferentes e mais complexas...

    Uma outra notícia científica mostra que a especiação das aves ocorre dentro do mesmo género e de acordo com o respectivo potencial genético...


    Na verdade, tudo indica que a especiação e diversificação das aves é rápida e recente corroborando a rápida dispersão e diversificação dos géneros depois do dilúvio...

    Na verdade, também, a genética mostra a especiação a ocorrer em pouco tempo dentro de cada género, mas sem criar estruturas e funções inovadoras e mais complexas...

    Se realmente existe alguma "evolução" ela vai no sentido inverso ao esperado, ou seja, no sentido da perda e degradação sucessiva de informação, o que é mais propriamente designado por corrupção.

    Ora, não é com perdas sucessivas de informação genética que se transforma partículas em pessoas...

    ResponderEliminar
  17. A Maria Madalena ao menos come e cala...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. nem come nem cala, apenas constata o óbvio: Red Hering + Nonsense

      Eliminar
    2. Ela come e cala... não tem argumentos... tem apenas a sua "intuição" feminina...

      Ela parece raciocinar assim:

      "sou mulher, logo a evolução irracional e aleatória só pode ser verdade"!

      Eliminar
    3. Ridículo. Faça um pequeno exercício e pesquise sobre famílias de genes (e proteínas), mutações e sobre variação genética em populações e especiação, que eu já estou farta.

      Eliminar
    4. A Maria Madalena está à beira de um ataque de nervos ou de um enfarte...

      Penso que deveria ler urgentemente este estudo que muito a pode ajudar

      As melhoras!

      Eliminar
  18. Respostas
    1. E porque é que o facto de uma proteína bem adaptada ser sensível a mutações apoia o criacionismo e refuta a TE? Não tem nada a ver para o caso. Deve-se consulte o artigo original, pois mesmo que se consiga aceder apenas ao resumo, pelo menos não está tudo 'aldrabado'.

      Eliminar
    2. É simples:

      1) Se a evolução necessita de milhões de mutações aleatórias, e

      2) Se as proteínas têm regiões específicas precisamente estruturadas que não toleram as mais pequenas mutações, sob pena de perderem a sua função,

      3) Logo, as proteínas são incompatíveis com a evolução aleatória.


      Mas houve uma outra notícia científica que eu referi e cujas implicações devem ser consideradas.

      Os criacionistas têm vindo a alertar para o facto de que as mutações e a selecção natural tendem a degradar e reduzir os genomas, pelo que a evolução de partículas para pessoas é simplesmente impossível.

      Eu já digo isto aqui há alguns anos...

      Nenhum comerciante pode perder dinheiro em todas as transacções e depois esperar ter lucro ao fim do ano...

      Curiosamente, confrontados com essa evidência, um estudo divulgado em Abril de 2012 mostra que os evolucionistas começam a compreender que o que observamos na natureza é efectivamente a degradação e a redução sucessiva dos genomas, com perdas sucessivas de genes e da respectiva informação codificada...

      E o que é que os evolucionistas dizem sobre isso?

      Concluem que possivelmente a evolução ocorreu através de perdas sucessivas de informação...

      Ou seja, acham que as partículas se transformaram em pessoas ao longo de milhões de anos perdendo genes e informação genética no processo...

      Mas como é que isso é possível? Como é possível transformar partículas em pessoas com milhões de anos de perdas de genes e informação genética?

      E como poderiam as partículas iniciais ter mais genes, mais complexidade e mais informação do que as pessoas em que supostamente se transformaram milhões de anos depois?

      E de onde veio toda essa complexidade e informação codificada inicial?

      A explicação bíblica faz mais sentido.

      Deus criou a vida recentemente, dotando-a de quantidades inabarcáveis de informação codificada, que ordenou em géneros distintos.

      A partir desse géneros, e do respectivo potencial genómico, diferentes espécies surgiram por especiação e selecção natural, processo que utilizou, especializou, degradou e eliminou informação genética pré-existente.

      Nada se criou nada de realmente novo, porque tudo já tinha sido criado no início...

      Eliminar
    3. "2) Se as proteínas têm regiões específicas precisamente estruturadas que não toleram as mais pequenas mutações, sob pena de perderem a sua função..." Isso é por já estarem bem adaptadas e por isso no contexto actual podem perder a função (e até ganhar outra). Nada tem a ver com criacionismo.

      "Concluem que possivelmente a evolução ocorreu através de perdas sucessivas de informação..." Há casos e casos - este é um bom ponto de vista para estudar parasitas e vírus (assistir a umas aulas seria bom para si).

      "quantidades inabarcáveis de informação codificada" Outra vez a treta do código? pensei que já tinha acabado com isso de vez.

      Eliminar
    4. Além disso, o que quer dizer com "perdas sucessivas informação"?

      Eliminar
    5. O problema é que as proteínas só funcionam se estiverem bem estruturadas.

      Meia proteína ou mesmo uma proteína inteira mal dobrada simplesmente não funciona.

      Pelo contrário, uma pequena desordem numa proteína pode espalhar uma doença a todo o corpo

      As proteínas são irredutivelmente complexas. Elas são uma maravilha de nano-design extramente preciso e integrado...

      Os parasistas e virus nada têm que ver com a evolução de partículas para pessoas e muito menos se perdem genes sucessivamente.

      Os vírus são em larga medida evidência de corrupção, podendo gerar doenças, sofrimento e morte.

      Não há como transformar vírus em virulogistas...

      Na verdade, além de não se conhecer a sua história evolutiva, não se percebe bem como trocam e recombinam informação genética entre si

      Não podemos esquecer o código, porque o código é essencial ao sistema operativo do genoma.

      Dizer que o código genético é um treta é muito mais estúpido do que dizer que o software de um smartphone é uma treta...

      Se o código é uma treta, certamente acha uma treta que se mobilize milhões de dólares, milhares de cientistas e milhares de computadores a estudar o código genético. Acha mesmo isso?

      É assim tão hostil à ciência?


      P.S. Se os genes têm informação genética codificada, perder genes é perder informação genética codificada. É só lógico.


      Eliminar
    6. "É assim tão hostil à ciência?" Não. Na realidade eu estudo ciências, incluindo bioquimica e genética e por isso sei que não há nenhum código no DNA, que não há letrinhas no DNA. O DNA é um polímero de nucleótidos e não um texto com letrinhas.

      Eliminar
    7. Curiosamente o Projecto ENCODE baseia-se na noção oposta à sua:

      Na apresentação do projecto afirma-se:

      “The sequence of the human genome encodes the genetic instructions for human physiology”

      Então, se não existe um código genético, certamente que acha que é um erro gastar milhões de dólares a estudar o código genético porque não faz sentido estudar o que não existe...

      E muito menos, em seu entender, fará sentido construir uma enciclopédica com base num código que não existe...

      É mesmo essa a sua opinião?



      Eliminar
    8. Os cientistas chamam-lhe código, mas apenas para descrever reacções que ocorrem nas células. São moléculas que reagem com moléculas. E essa 'cooperação' entre ácidos nucleicos e proteínas adveio das propriedades destes, com já lhe tem sido dito. Já chega.

      Eliminar
    9. Um bom exercício para si: represente a molécula de DNA (ou a de RNA) - e não é com letrinhas é com as representações dos constituintes da macromolécula.

      Eliminar
    10. Os cientistas chamam-lhe código porque é um código, ou seja, trata-se de sequências de nucleótidos que codificam instruções precisas para a produção se seres vivos, que podem ser lidas e executadas por máquinas moleculares programadas para o efeito....

      Se isso corrobora inteiramente a crença num Deus Criador da vida que se revela como LOGOS, não tenho culpa...

      Já existem representações muito boas sobre a molécula de DNA e a informação codificada nele existente...


      Eliminar
    11. A teoria da informação dedica-se ao estudo das linguagens e dos códigos...

      Daí que ela seja importante para o estudo da linguística..

      Compreende-se isso muito bem.

      Ora, como o DNA contém um verdadeiro código, criado por um Deus que se revela como Logos (Verbo), compreende-se igualmente muito bem que a a teoria da informação seja importante para estudar o DNA

      Pelo menos os criacionistas bíblicos compreendem...

      Eliminar
    12. Como já lhe tem sido explicado, o código de que fala adveio das propriedades das moléculas e ponto final. Volto a repetir: represente a molécula de DNA ou de RNA (sequência á escolha) como deve ser, representando bem os seus constituintes e as ligações fosfodiéster entre os nucleótidos. Vai ver que não há letrinhas nenhumas e que no fundo é apenas quimica.

      Eliminar
    13. Os criacionistas bíblicos não percebem é nada de nada (se forem todos como o perspectiva). Não tenho culpa que várias investigações científicas apontem na direcção de que o código genético é uma ocorrência natural.

      Eliminar
    14. Claro que o código genético é uma occorrência natural. Ainda ontem, descendo a avenida da liberdade, dei um pontapé numa pedra. "Ui!", ouvi eu. "Quem és tu? Não vejo aqui ninguém!", perguntei eu. "Sou o código genético da pedra. Atingiste-me na parte baixa do código.", disse a pedra com uma voz sumida.

      Daí vem a expressão: "encontram-se, naturalmente, códigos genéticos por aí aos pontapés".

      Sublinho o "naturalmente", que corrobora a sua teoria.

      Eliminar
    15. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar
    16. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar
    17. Tenha juízo. Se quer ver algum estudo para corroborar o que eu disse vá aos comentários a posts anteriores.

      Eliminar
    18. Não preciso ver estudo nenhum. Eu corroborei, empiricamente, o que a Maria Madalena (bonito nome bíblico) escreveu. Eu sou da turminha dos bons, estou do seu lado.

      Eliminar
    19. Está demonstrado que não é por falta de evidência que as pessoas não crêem em Deus.

      A sua descrença leva-as a negarem a evidência que está diante dos seus olhos.

      O autorizado GENETICS HOME REFERENCE refere-se expressamente a existência, no DNA, de um código estruturalmente idêntico à linguagem.

      Aí se diz:

      “The information in DNA is stored as a code made up of four chemical bases: adenine (A), guanine (G), cytosine (C), and thymine (T). Human DNA consists of about 3 billion bases, and more than 99 percent of those bases are the same in all people.

      The order, or sequence, of these bases determines the information available for building and maintaining an organism, similar to the way in which letters of the alphabet appear in a certain order to form words and sentences.”

      http://ghr.nlm.nih.gov/handbook/basics/dna

      É por isso ser um código com informação codificada que tem sentido recorrer à teoria da informação para estudar as quantidades inabarcáveis de informação armazenada no DNA no núcleo das células.

      Isso tem sido feito, permitindo construir uma enciclopédia com o significado operativo e funcional das diferentes sequências.

      Os códigos e a informação codificada são realidades imateriais que sempre têm uma causa inteligente, sendo evidência por excelência de racionalidade, inteligência e capacidade comunicativa.

      Não admira, pois, que tudo isso corrobore o que a Bíblia diz, nas primeiras linhas do Evangelho de João:

      "No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus.Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez."
      (João 1:1-3)

      Eliminar
    20. Vejamos o que diz o Dr. Uri Alon, Weizman Institute, de Israel, sobre o Código Genético.


      “Research, shows that the genetic code -- used by organisms as diverse as reef coral, termites, and humans -- is nearly optimal for encoding signals of any length in parallel to sequences that code for proteins.”


      Eliminar
    21. A Maria Madalena diz:

      "...o código de que fala adveio das propriedades das moléculas e ponto final."

      O físico ateu Paul Davies responde:

      ‘We now know that the secret of life lies not with the chemical ingredients as such, but with the logical structure and organisational arrangement of the molecules.

      … Like a supercomputer, life is an information processing system. …

      It is the software of the living cell that is the real mystery, not the hardware.’

      ‘How did stupid atoms spontaneously write their own software? … Nobody knows …"

      A Bíblia tem a resposta. Ela identifica o autor do "software" da vida.

      Eliminar
    22. Já chega de tanta estupidez. O código genético é uma ocorrência natural.
      http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3376031/

      http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed?term=The%20Plausibility%20of%20RNA-Templated

      e há-de haver mais, é só dar uma vista de olhos no NCBI (pubmed)

      Eliminar
    23. Trata-se aí da chamadahipótese do mundo RNA que não passa de uma hipótese, por sinal cheia de problemas e dificuldades...

      Por causa disso, essa teoria é justamente considerada a pior teoria que existe sobre a origem e evolução da vida, com excepção de todas as outras

      E o problema fundamental e insuperável das teorias naturalistas sobre a origem da vida é que não existe nenhum processo físico ou lei natural que permita atribuir um significado determinado e preciso a uma dada sequência de nucleótidos, com instruções para criar proteínas, células, músculos, nervos, corações, pulmões, cérebros, olhos, ouvidos, etc., tudo nas quantidades precisas e necessárias...

      Em todos os casos que conhecemos, códigos e informação codificada têm sempre origem inteligente.

      A vida depende da informação codificada no DNA, que existe em quantidade, qualidade, complexidade e densidade que transcende toda a capacidade humana e que, depois de precisa e sincronizadamente transcrita, traduzida, lida, executada e copiada conduz à produção, sobrevivência, adaptação e reprodução de múltiplos seres vivos complexos, integrados e funcionais;

      Logo, a vida só pode ter tido uma origem inteligente, não se conhecendo qualquer explicação naturalista para a sua origem.

      Isso corrobora inteiramente o que a Bíblia diz: a vida foi Criada por Deus.











      Eliminar
    24. Como mostrou acima, os evolucionistas mais bem informados são os primeiros a reconhecer que a hipótese do mundo RNA é má e realmente não funciona, embora se mantenham agarrados a ela porque não têm nada melhor.

      Quando se procura substituir a acção inteligente de Deus por processos irracionais e aleatórios, o melhor resultado só pode ser uma má teoria.

      Quem quiser pode ler a avaliação criacionista da hipótese do mundo RNA, que, em boa medida, se limita a catalogar as críticas que a comunidade científica lhe tem dirigido, não deixando de comentar também outras variações dessa hipótese ou conjectura.

      Eliminar
    25. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar
    26. "the RNA world hypothesis, although far from perfect or complete, is the best we currently have to help understand the backstory to contemporary biology", do artigo que referênciou. Quer uma teoria ou um hipótes perfeita e completa? Isso não existe, o conhecimento humano tem os seus limites, no entanto teorias e hipótese que se podem aproximar do que realmente ocorreu podem ser elaboradas com base em evidências quer experimentais, quer provenientes da observação mundo natural. Estas vão sendo modificadas, completadas ou descartadas, o que ainda não aconteceu com a do RNA World (que ainda o ano passado estava a ser apresentada aos caloiro na aula de biologia celular).
      Confira o próprio artigo que mencionou: http://www.biology-direct.com/content/7/1/23 (ao que parece não leu com atenção)

      Eliminar
    27. Além disso não há códigos no DNA, o código é apenas uma descrição (simplificada) das reacções que ocorrem nas células. E aquilo a que se chama código genético adveio das propriedades das moléculas. Quem pensa que os cientistas trabalham com hipóteses 'perfeitas' e completas não tem a mínima noção do que é trabalhar em ciência. Mas outra coisa não seria de esperar de alguém que considera que o mito da riação relatado na Bíblia é para ser interpretado literalmente.

      Eliminar
    28. Muito bem. Mas como bem reconhece, trata-se apenas de uma hipótese e por sinal, imperfeita e incompleta...

      Basta confrontá-la com a realidade que ela logo se esfuma...

      Acha mesmo que eu iria deixar a minha fé no Criador da vida, e na Sua revelação, com base numa hipótese imperfeita e incompleta que se esfuma quando confrontada com a realidade?

      Eliminar
    29. Em primeiro lugar, não demonstra que a Criação bíblica é um mito. Dá como demonstrado o que tem que demonstrar.

      Em segundo lugar, argumenta apenas com hipóteses incompletas e imperfeitas, essas sim mitológicas, sendo que as várias teorias naturalistas sobre a origem da vida se refutam umas às outras...

      Eis aqui um vídeo para ver, ouvir e meditar sobre 12 problemas com o mundo RNA que os ateus não gostam de discutir...

      Eliminar
    30. Aquilo que me indicou só confirma que a vida teve origem natural.
      A teoria da co-evolução de RNA e proteínas pode explicar coisas que a do RNA world não explica, assim como a teoria da co-evolução do código genético pode completar ou fazer com que se altere a teoria do código esterioquimico, mas os dados que apoiam a sua origem natural encontram-se disponíveis nos artigos que referenciei.

      Eliminar
    31. Maria Madalena diz:

      "Além disso não há códigos no DNA, o código é apenas uma descrição (simplificada) das reacções que ocorrem nas células."

      Errado!

      O código dirige as reacções que ocorrem nas células, permitindo a formação e reprodução dos seres vivos das diferentes espécies e dos respectivos órgãos...

      O Projecto do Genoma Humano, esclarece-a, na sua apresentação, quando diz:

      "A genome is all the DNA in an organism, including its genes. Genes carry information for making all the proteins required by all organisms.

      These proteins determine, among other things, how the organism looks, how well its body metabolizes food or fights infection, and sometimes even how it behaves.

      DNA is made up of four similar chemicals (called bases and abbreviated A, T, C, and G) that are repeated millions or billions of times throughout a genome.

      The human genome, for example, has 3 billion pairs of bases.

      The particular order of As, Ts, Cs, and Gs is extremely important.

      The order underlies all of life's diversity, even dictating whether an organism is human or another species such as yeast, rice, or fruit fly, all of which have their own genomes and are themselves the focus of genome projects."

      Eliminar
    32. "Aquilo que me indicou só confirma que a vida teve origem natural."

      Errado! A presença de um suporte natural para o código não é prova de uma origem natural.

      Todos os códigos necessitam de um suporte natural para operar (v.g. ondas de som, electricidade, electromagnetismo, fumo, papel, tinta).

      O mesmo sucede com o código genético.

      Um computador é constituído por matéria e energia e obedece a todas as leis da física.

      Mas a matéria e a energia e as leis da física, por si sós, nunca conseguiriam explicar a origem de o funcionamento e um computador.

      Desde logo, porque o computador depende de informação codificada para funcionar que só uma inteligência poderia criar.

      A informação não é matéria nem energia.

      O mesmo se passa com a vida, embora ela transcenda em complexidade todos os computadores.

      Estima-se que a complexidade do cérebro humano é maior do que a de todos os computadores existentes na Terra

      Eliminar
    33. Apontar lacunas numa hipótese ou teoria não vai fazer desaparecer as evidências de que a vida surgiu naturalmente (bem como o dito código genético). Dizer que deus fez porque uma teoria ou hipótese não é capaz de explicar todo o processo é recorre ao argumento da ignorância em vez de apresentar provas da criação divina.

      Eliminar
    34. "A presença de um suporte natural para o código não é prova de uma origem natural." Leia os estudos que lhe tenho apresentado (não só agora, mas também há um certo tempo atrás). Há evidências da origem natural do código genético.

      E se ler bem com atenção eu não me referi particularmente ao código genético, mas á vida. "Aquilo que me indicou só confirma que a vida teve origem natural." Aprenda a ler (e não faça mais espantalhos).

      "Além disso não há códigos no DNA, o código é apenas uma descrição (simplificada) das reacções que ocorrem nas células."
      Certo. Certíssimo. Pode continuar a enviar citações que usem analogias e que incluem a expressão 'código' á vontade. Contra factos não há argumentos.



      Eliminar
    35. «Apontar lacunas numa hipótese ou teoria não vai fazer desaparecer as evidências de que a vida surgiu naturalmente»

      Exatamente.

      A gravidade também esta cheia de problemas. Nós não sabemos exatamente o que causa a gravidade.

      No entanto, depois de Newton, ninguém mais associa a nenhum deus, mesmo depois que Einstein reescreveu a teoria.

      :-)

      Eliminar
    36. O pior é que os criacionistas não querem admitir que o facto das teorias científicas terem lacunas (ou não)não apoia o criacionismo. Quanto muito é um pretexto para estes fazerem uso do argumento da ignorância mais conhecido por deus das lacunas. Mas eu acho que bem lá no fundo eles sabem que não têm razão.

      Eliminar
    37. Que as teorias têm lacunas é uma evidência que não me canso de repetir. O mesmo se passa com o seu pensamento. Primeiro tentar negar a existência do código genético, quando ele aí está.

      Depois tenta mobilizar a teoria do Mundo RNA, que os próprios evolucionistas reconhecem que é a pior teoria que existe sobre a origem da vida (com excepção de todas as outras) para tentar refutar a criação inteligente da vida e do código de que ela depende.

      Mas não é com uma teoria que simplmente não funciona que vai a algum lado. Na verdade, até os defensores da teoria reconhecem que só por milagre é que ela poderia funcionar.

      Para os criacionistas a coisa é simples. A teoria do mundo RNA e as demais alternativas não funcionam porque foi Deus, e não processos naturais e aleatórios, que criou a vida.

      Eliminar
    38. Maria Madalena diz:

      "Pode continuar a enviar citações que usem analogias e que incluem a expressão 'código' á vontade. Contra factos não há argumentos."

      Todos falam do código genético. Porque será? Porque se trata de um código!

      É um conjunto vastíssimo de nucleótidos cujas sequências codificam instruções que podem ser lidas e executadas com precisão...

      O código contém informação. A informação consiste nas instruções necessárias à produção e reprodução de seres vivos extremamente complexos e funcionais.


      E por sinal é um código mais sofisticado, denso e miniaturizado do que aqueles que a comunidade científica consegue fazer...

      O que corrobora a origem super-inteligente da vida.


      Toda a gente vê o código genético. Só a Madalena é que insiste em não ver o que está à vista de toda a gente.

      Eliminar
    39. Ícarus diz:

      "A gravidade também esta cheia de problemas. Nós não sabemos exatamente o que causa a gravidade."

      Podemos não saber como funciona.

      Mas podemos saber quem a criou.

      A Bíblia, o livro mais importante da história Universal, diz que o Criador de Einstein e de Newton também criou a gravidade.

      Sabemos isso pela fé. Mas não é uma fé cega.

      Podemos hoje corroborar isso, porque também aqui a evidência sugere que as leis que regem o cérebro de Newton e Einstein também regem o funcionamento do Cosmos

      Eliminar
    40. perspectiva.

      Substitua na sua frase as palavras:

      Bíblia -> Mahabharata
      Criador -> Brahma

      e veja que resultado interessante :-)

      Eliminar
    41. "Primeiro tentar negar a existência do código genético, quando ele aí está." Falso. Como eu já expliquei o código genético é apenas uma descrição para uma ocorrência natural. Não há verdadeiros códigos no DNA (como 'um' corresponde a 1 porque os humanos inteligentes assim o quiseram), mas sim moléculas que vão reagir com outras moléculas.

      "Depois tenta mobilizar a teoria do Mundo RNA, que os próprios evolucionistas reconhecem que é a pior teoria que existe sobre a origem da vida" Eu forneci estudos que evidenciavam a origem natural do código genético, que estavam também em concordância com a teoria do RNA world. Não usei a teoria do RNA world para refutar coisa nenhuma. Chega de espantalhos.

      Eliminar
    42. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar
    43. Perspectiva, já fez o exercício que eu recomendei sobre a estrutura e composição do DNA e do RNA? Se já fez, não deu resultado. Se não fez, devia fazer.

      Eliminar
    44. Aqui está uma interessante representação animada do DNA em 3D, do Projecto do Genoma Humano, que recomendo à Maria Madalena e a quem, como ela, nunca tiver reparado que o DNA contém códigos e informação codificada.

      Se a Maria Madalena não conseguir ver qualquer evidência da existência do código genético nesta apresentação deve consultar urgentemente o seu médico.

      Eliminar
    45. Uma segunda oportunidade para a Maria Madalena tentar encontrar o código genético através de outra animação do DNA.

      Para facilitar a sua atenção, concentre-se e tente encontrar os seguintes termos:

      linguagem, letras, código, informação, mensagem, cópia, instruções, transcrição, tradução, fluxo de informação, arranjo sequencial, etc.

      Acha que consegue?

      Eliminar
    46. Tenha juizo na cabeça. Eu não preciso disso. Felizmente já alguém me passou exercicios de representação de DNA, RNA e péptidos e já estudei genética o suficiente para perceber como as coisas funcionam. E quando falo em representar DNA ou estudá-lo não me refiro a esse tipo de representação com letrinhas, mas a desenhar moléculas. Faça uma pesquisa sobre a estrutura dos constituintes do DNA e sobre o tipo de ligação entre nucleótidos. Tente desenhar a molécula - talvez se engane, mas uma tentativa já lhe daria uma noção de como as coisas são. Estou a falar a sério. Faça isso. Mal não pode fazer.

      Eliminar
  19. Para elevar o discurso acima das meras intuições femininas, nada como um estudo recente que mostra que mostra a singularidade dos sistemas genéticos e neuronais responsáveis pela distinta capacidade intelectual do ser humano...

    Curiosamente, apesar de o estudo mostrar singularidades genéticas e neurológicas humanas no confronto com os macacos, a verdade é que o editor mostrou uma fotografia de um chimpanzé a ilustrar o estudo!!.

    É talvez uma tentativa encapuçada de "provar" a evolução através de um estudo que mostra a singularidade do ser humano, corroborando o que a Bíblia ensina.





    ResponderEliminar
  20. Meus Caros,

    Como médico, se é que a minha formação interessa para alguma coisa; aquilo que posso dizer é o que o ICSB, Instituto de Ciências do Som e Bioterapias é uma entidade sem fins lucrativos certificada oficialmente. Possui um vasto trabalho de reconhecido e meritório apoio social. Não quero mal entendidos, não pertenço a esta instituição, não sou nem nunca fui aluno da mesma,no entanto como médico conheço e posso atestar o trabalho que desenvolvem, que espantem-se os senhores é de caractér cinetífico, pois estudam os efeitos biológicos dos sons...
    Acredito que devido à grande panóplia de "coisas" que grassa nos nossos dias tenha existido alguma confusão, mas garanto-vos que esta instituição não faz parte desse grupo. Os seus alunos saem com cédula profissional e com licença ao abrigo de decreto-lei e têm sido convidados a estagiar em diversos hospitais.
    Por vezes falar daquilo que não se conheçe, dá azo a lançar-se lixo em cima daqueles que fazem um excelente trabalho como é o caso.
    Mais uma vez afirmo não tenho nada a vêr com o supra-citado instituto, a não ser como médico vêr e admirar o trabalho de campo que fazem.

    ResponderEliminar
  21. Quem diria?, muito interessante.

    ResponderEliminar
  22. nada disto faz sentido, mas encontrar sentido para as coisas é um pouco compulsivo...

    então vamos encontrar sentidos para as coisas...

    ResponderEliminar
  23. Talvez se possa analisar o impacto do som nos doentes graves à luz dos parâmetros da Organização Mundial de Saúde...

    ResponderEliminar
  24. que silêncio...

    (isto está a ficar um pouco embaraçoso)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. bolas pá ouvias alguma coisa era?

      ou tou surdo ou bocês oubem bozes.....

      o vasco num tinha quinado com o Paulo que tamém gama?

      Eliminar
  25. Penso que pode haver um sentido muito positivo na biomusicolologia, do ponto de vista físico e espiritual.

    Está demonstrado que a música ajuda a relaxar os seres humanos e a evitar a rejeição de órgãos (biológicos, neste caso)...

    Também se sabe que que a música alivia a ansiedade dos doentes de cancro

    Do mesmo modo, estudos recentes mostraram que a música ajuda na reabilitação de pessoas com ataques cardíacos e AVC's...

    A música está presente desde os mais altos céus, até até às profundezas do mar.

    A música é da maior importância na Bíblia.

    A música foi sempre importante pare David, quando era pastor, quando servia o rei Saúl, quando se alegrava em Deus ou quando eram celebradas as suas vitórias enquanto Rei de Israel.

    A música desempenhava um lugar central no Templo de Salomão e no louvor a Deus.

    A música celebrou o nascimento de Jesus.

    A música celebrou o regresso do filho pródigo.

    A música será uma presença constante na restauração de toda a Criação.

    Por isso a Bíblia nos incentiva à música, ao canto e à dança:

    "Louvai ao SENHOR com harpa, cantai a ele com o saltério e um instrumento de dez cordas." (Salmo 33:2)

    "Cantai louvores ao SENHOR com a harpa; com a harpa e a voz do canto." (Salmo 98:5)

    "Cantai ao SENHOR em acção de graças; cantai louvores ao nosso Deus sobre a harpa" (Salmo 147:7)

    "Louvem o seu nome com danças; cantem-lhe o seu louvor com tamborim e harpa." (Salmo 149:3)








    ResponderEliminar
  26. Andre Biaggi,

    Reconheço, com preocupação, que a lei permite muitas destas coisas. Permite que se venda "medicamentos" homeopáticos em farmácias, mesmo sabendo que não fazem nada, ou que se dê consultas de reiki. Permite a certificação de superstições disparatadas ou que alguém esteja na televisão a dar consultas de tarot, fingindo que as cartas revelam o futuro das pessoas. É triste que assim seja, mas concordo que, de facto, assim é.

    No entanto, afirmações como «Somos constituídos por um corpo físico, feito de matéria e por uma aura, mais súbtil, ou seja anti-matéria, que é o que reveste os nossos campos de energia» são disparates, independentemente dos vícios ou virtudes das pessoas que as proferem.

    «o trabalho que desenvolvem, que espantem-se os senhores é de caractér cinetífico, pois estudam os efeitos biológicos dos sons...»

    Se tiver disponibilidade, gostava que me explicasse o fundamento centífico da biomusicologia de regressão às vidas passadas, por exemplo.

    «Os seus alunos saem com cédula profissional e com licença ao abrigo de decreto-lei e têm sido convidados a estagiar em diversos hospitais.»

    Isto é muito interessante. Pode dar-me exemplos concretos? Se algum hospital está a dar estágios a biomusicólogos com base nessa formação, gostava de saber mais sobre o assunto.

    Obrigado, desde já.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Embora como Cristão seja contra as superstições, incluindo as superstições evolucionistas, não defendo de modo algum a caça às bruxas, aos cartomantes ou aos evolucionistas.

      Reconheço que estudos científicos recentes têm chamado a atenção para o facto de que as coisas não são tão simples como muitos vinham pensando.

      Por exemplo, os cientistas começam a levar a sério a relação entre espiritualidade e medicina, muitas vezes desvalorizada...

      Também começam a enfatizar a importância da meditaçãono combate às doenças cardíacas, na luta contra o stress e a ansiedade e também no desenvolvimento da criatividade.

      Também reconhecem que a meditação produz alterações profundas e duradouras no processamento emocional do cérebro

      Num post acima, pudemos ver como a música é importante para o espírito e para o corpo humano, tendo destacado a sua importância na Bíblia.

      Resta agora sublinhar que a meditação, que a ciência moderna está a redescobrir, é também central na Bíblia.

      Há muitos versos bíblicos sobre a importância da meditação.

      Como dizia o Salmista David,

      "A minha boca falará de sabedoria, e a meditação do meu coração será de entendimento."

      (Salmo 49:3)






      Eliminar
  27. Maria Madalena diz:

    "Tenha juízo na cabeça. Eu não preciso disso."

    Está a ficar nervosa. Será que não precisa?

    Pois eu aconselho vivamente que consulte o seu médico se não conseguir encontrar evidência de códigos e informação codificada ao ver esta representação do DNA feita pelo Human Genome Project...


    "Felizmente já alguém me passou exercícios de representação de DNA, RNA e péptidos e já estudei genética o suficiente para perceber como as coisas funcionam."

    Todos sabemos como funcionam. Sabemos que codificam informação com instruções para a produção e reprodução de seres vivos que pode ser lida, traduzida e executada por máquinas moleculares programadas para descodificar o código...

    "E quando falo em representar DNA ou estudá-lo não me refiro a esse tipo de representação com letrinhas, mas a desenhar moléculas. Faça uma pesquisa sobre a estrutura dos constituintes do DNA e sobre o tipo de ligação entre nucleótidos."

    Todos conhecemos esses constituintes. A verdade é que a informação está contida nas sequências dos nucleótidos e não na sua constituição física em si mesma.


    "Tente desenhar a molécula - talvez se engane, mas uma tentativa já lhe daria uma noção de como as coisas são. Estou a falar a sério. Faça isso. Mal não pode fazer."

    Não compreendo aonde quer chegar.

    Se as melhores representações computorizadas da molécula do DNA, produzidas pela comunidade científica, são suficientes para corroborar o que os criacionistas dizem sobre o código, o que é que pode interessar o meu desenho de uma molécula?

    Do mesmo modo, que interesse teria um desenho meu de um Smartphone Samsung Galaxy para a questão de saber se ele depende, ou não, de informação codificada para funcionar?

    Sinceramente não percebo esta mulher...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Todos conhecemos esses constituintes." Bem, o perspectiva não perecia conhecer a constituição do DNA (pelo menos há uns tempos atrás) ao enumerar os seus constituintes. corrigio-o pelo menos 2 vezes ( se não estou em erro)

      "A verdade é que a informação está contida nas sequências dos nucleótidos e não na sua constituição física em si mesma." Pois... se diz que o DNA tem informação, então também também tem que admitir que um cubo de gêlo e um floco de neve, por exemplo, têm informação. Mas a ideia que eu tinha em sugerir-lhe desenhar a molécula de DNA não tinha a ver com isso, era para aprender que a sua analogia com textos e letras era falsa.

      "Se as melhores representações computorizadas da molécula do DNA, produzidas pela comunidade científica, são suficientes para corroborar o que os criacionistas dizem sobre o código, o que é que pode interessar o meu desenho de uma molécula?" Professor Jónatas Machado, o que é que eu já lhe tinha dito sobre representações com letrinhas? Vê? É por esta confusão entre uma representação de uma molécula e uma representação com textos e letras que eu continuo a insistir.

      Enquanto não (tentar) representar uma molécula de DNA ou de RNA não me volte a dirigir a palavra, visto que só continua a insistir na analogia das letrinhas.

      Eliminar
  28. Estimada Maria Madalena:

    Não me diga que já está a amuar como o Ludwig e o Pedro Amaral Couto. O que é que se passa convosco?

    Os constituintes do DNA demonstram a existência de um código, em que instruções estão codificados em sequências de nucleótidos. Só assim se compreende todo o projeco ENCODE e GENCODE.

    Eu não falei em letrinhas, embora muitos cientistas o façam e com toda a razão.

    Para armazenar informação não precisamos de letras, mas sim símbolos (v.g. nucleótidos, letras, notas musicais, barras, nuvens de fumo, pontos e traços, zeros e uns, electricidade)e de um código que atribua significado às sequências.

    Mesmo o ateu evolucionista Richard Dawkins reconhece a existência de códigos e informação codificada no DNA. Nas suas palavras,

    “DNA carries information in a very computer-like way, and we can measure the genome's capacity in bits too, if we wish.

    DNA doesn't use a binary code, but a quaternary one. Whereas the unit of information in the computer is a 1 or a 0, the unit in DNA can be T, A, C or G.”

    É exactamente isso que toda a gente (menos a Maria Madalena) diz:


    No caso dos cubos de gelo e dos flocos de neve, trata-se de uma realidade termodinamicamente irrelevante quando se trata da origem da vida.

    Nem os cubos de gelo nem os flocos de neve codificam informação que possa ser lida, transcrita e traduzida para produzir outros seres extremamente complexos que não sejam simples cubos de gelo ou flocos de neve...

    Se partirmos um cubo de gelo, ficamos com dois cubos de gelo.

    Diferentemente, se partirmos a molécula de uma proteína biológica (v.g. insulina) não obtemos insulina em quantidades mais reduzidas.

    Deixamos de ter insulina porque destruímos a informação contendo as
    sequências especificamente codificadoras da insulina.

    A vida é irredutivelmente complexa, dependendo de múltiplos níveis de informação e meta-informação.

    Daí que só possa ter tido uma origem sobrenatural, instantânea e inteligente.

    Tal como a Bíblia ensina.

    ResponderEliminar
  29. Estimada Maria Madalena

    Envio-lhe um vídeo muito interessante sobre DNA, códigos, informação, teoria da informação, programação e vida que a ajudará a nunca mais confundir cubos de gelo ou flocos de neve com a molécula de DNA...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar
    3. Que lindo espantalho... (E sim, pode-se medir a informação de flocos de neve e cubos de gêlo e não só).
      Não falou em letrinhas? Mas o video que indicou falava.
      Mais uma vez: abstenha-se de me dirigir a palavra enquanto não se esforçar por compreender o que os outros dizem (e deixar de fazer espantalhos). Fazer o trabalhinho de casa que eu sugeri seria um começo. Até lá, não me dirija a palavra.

      Eliminar
  30. O problema é que os cubos de gelo e os flocos de neve serão sempre cubos de gelo e flocos de neve (até derreterem)...

    Eles não contêm sequências de símbolos codificação milhões de instruções que possam ser lidas por máquinas moleculares para construir seres vivos diferentes e funcionais, capazes de se adaptarem a diferentes meios...

    Eles são exemplo de estrutura e ordem, mas não de informação codificada...

    É por essa diferença fundamental que temos os Projecos ENCODE e GENCODE,
    com quantidades maciças de informação codificada mas não temos qualquer projecto de sequenciação de cubos de gelo ou flocos de neve...

    Mas a Maria Madalena pode criar os projectos "ICECUBE CODE" ou "SNOW FLAKE CODE"....

    Porque será que ninguém se lembrou disso antes?

    Será que a Maria Madalena vai ganhar o prémio Nobel da Química à conta desta ideia?

    ResponderEliminar
  31. Um vídeo interessante sobre DNA, vida, códigos, informação, teoria da informação que ajuda a compreender o que distingue a vida de cubos de gelo ou flocos de neve...

    ResponderEliminar
  32. Alguém aqui tem sempre imenso trabalho a construir espantalhos para depois os espancar.

    ResponderEliminar
  33. Parece é que a espantei a si... ...fico à espera dos seus argumentos.

    Entretanto, falando do código genético, os cientistas acabaram de sequenciar as instruções que codificam uma melancia...

    Descobriram que a mesma tem 23 440 genes, mais ou menos a mesma quantidade existente no seres humanos.

    É claro que sabemos que o que o que diferencia os diferentes géneros de seres vivos são os códigos epigenéticos e os sistemas de regulação da expressão genética.

    Ficamos a saber que existem 400 variedades dentro do género melancia e que esta ajuda no combate ao cancro.

    Entretanto, os modelos de evolução saltacionista, gradualista e mosaico continuam a cancelar-se uns aos outros na maior desordem intelectual.




    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu disse-lhe que não me dirigisse mais a palavra até mudar de atitude e comportamento.

      Eliminar
    2. Sra. Maria Madalena Teodosio "Don't feed the Trolls".

      Eliminar
    3. O que eu estou a tentar fazer é que o perspectiva pare de fazer espantalhos e deixe de me dirigir a palavra (pelo menos até mudar).

      Eliminar
    4. Mas provavelmente tem razão. A melhor maneira de fazer isso acontecer é ignorar.

      Eliminar
    5. Sonas

      "Sra. Maria Madalena Teodosio "Don't feed the Trolls".

      Foi o Ludwig, neste seu blogue, que começou o ataque ao criacionismo.

      Apenas nos limitámos a responder aos seus argumentos com factos e lógica.

      Apesar de o Ludwig ser um cientista, evolucionista militante e "especialista em pensamento crítico" nunca sentimos qualquer dificuldade em responder aos seus argumentos...

      Com a Maria Madalena foi a mesma coisa. Ela disse que o DNA não codifica nada. Nós apenas mostrámos que codifica.

      Ela colocou a molécula do DNA no mesmo saco dos cubos de gelo e dos flocos de neve. Nós apenas mostrámos que isso é um disparate...

      Quando vos convém, criticam os criacionistas. Quando eles respondem aos vossos argumentos e vos deixam sem resposta dizem que são Trolls...

      Muito conveniente...

      Eliminar
  34. A Maria Madalena amuou, definitivamente. Coitada...

    Devia pensar duas vezes antes de pensar que os criacionistas não conheciam os seus argumentos e não tinham resposta para eles...

    Esse foi o erro do Ludwig, que também amuou...

    Ela devia ter em conta o que Richard Dawkins diz, no seu livro The Devil’s Chaplain, pags. 27 ss., sobre o código genético existente no DNA:


    “The genetic code is truly digital in exactly the same sense as computer codes. This is not some vague analogy. It is the literal truth”.



    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estimada Maria Madalena

      Como efectivamente existe literalmente um código com informação codificada no DNA, não espanta esta notícia de que os cientistas descodificaram o código genético do trigo de pão.

      Eis alguns extractos, para a Maria Madalena (que nega a existência de um código) ponderar:

      "...have unlocked key components of the genetic code of one of the world's most important crops"

      "...identification of around 96,000 wheat genes, and insights into the links between them"

      "...vast amounts of DNA sequence data, effectively translating the sequence into something that scientists and plant breeders can use effectively"

      Então Maria Madalena. Continua a pôr o código genético, cubos de gelo e flocos de neve no mesmo saco?


      No mundo real, códigos e informação codificada são a evidência, por excelência, de racionalidade, inteligência, pensamento abstracto e capacidade linguística.

      Cabe aos evolucionistas mostrar que existe um mecanismo natural que atribui significados operativos a sequências de símbolos e programa máquinas moleculares com capacidade para o transcreverem, traduzirem, descodificarem, lerem e executarem...

      Até agora não conseguiram.

      Nunca conseguirão, porque sendo os códigos e a informação realidades imateriais e intelectuais, não podem ter uma causa material e física...

      Eliminar
  35. Uma notícia científica recente sobre a origem recente das mutações do genoma humano e do seu carácter deletério, totalmente em linha com a criação recente do homem, a dispersão e aumento da população também recente e a corrupção que afecta o genoma, tal como se explica nos primeiros capítulos de Génesis...

    ResponderEliminar

Se quiser filtrar algum ou alguns comentadores consulte este post.