domingo, abril 15, 2012

Treta da semana: processado.

Em 2007, o Luís Grave Rodrigues escreveu sobre a Farmácia Homeopática de Sta. Justa e a venda de produtos homeopáticos em farmácias, apontando que a homeopatia não funciona e defendendo que devia haver mais fiscalização de farmácias que vendem coisas que não tratam nada (1). Na próxima terça-feira o Luís irá comparecer a tribunal como arguido por difamação, acusado pela dita farmácia de violar o artigo 180º do Código Penal (2). Eu também lá estarei, como testemunha, para tentar explicar porque é que, à luz da bioquímica moderna, a homeopatia é obviamente treta.

A homeopatia foi inventada em 1796, mais de meio século antes de Pasteur e Koch revelarem a importância dos microorganismos, quase um século antes da descoberta dos antibióticos e mais de um século antes de Einstein estabelecer definitivamente a teoria atómica da matéria. Por isso, não é de estranhar que seja o disparate que é.

O primeiro princípio da homeopatia é a “lei dos semelhantes”. Basicamente, diz que uma doença se cura com algo que cause os mesmos sintomas. Por exemplo, se alguém tem uma infecção bacteriana nos pulmões e, por isso, tem tosse e febre, a homeopatia recomenda que em vez de matar as bactérias se agrave a tosse e a febre. Como se os bicharocos se ralassem. Quando esta treta foi inventada não se sabia que microorganismos causavam doenças, mas hoje em dia não há desculpa para aceitar isto como verdade. Não faz sentido nenhum.

O segundo princípio é que só se teste os “medicamentos” em pessoas saudáveis. A ideia, dizem, é perceber os “efeitos puros” da substância. Mas o resultado é que nunca testam o que importa, que é se aquilo cura mesmo. Dão o preparado a um voluntário sem doenças, anotam o que parecem ser os sintomas que o remédio causa e simplesmente assumem, pelo primeiro princípio, que serve para tratar o que provoque sintomas semelhantes.

Finalmente, o terceiro princípio, de que quanto mais se dilui a substância com “sucussão” (abanando) mais “potenciada” ela fica. É importante salientar que esta ideia surgiu antes do trabalho de Dalton sobre a teoria atómica da matéria, e muito antes desta teoria ser consensualmente aceite pela comunidade científica. Quando a homeopatia surgiu, julgava-se ser possível diluir substâncias infinitamente, e a natureza da matéria era um grande mistério. Hoje têm de inventar tretas acerca da memória da água para escapar ao facto inconveniente que, com as diluições que os homeopatas usam, já nada sobra da substância activa.

O consenso da ciência moderna é que a homeopatia não só não funciona como nem tem como funcionar. É o que diz a teoria, é o que se confirma na prática, e é o que exige o Infarmed para o registo de produtos farmacêuticos homeopáticos: «ausência de indicações terapêuticas especiais no rótulo ou em qualquer informação relativa ao produto.»(3)

Sem querer ofender a honra de quem monta uma farmácia para vender coisas que não tratam, baseando-se em ideias disparatadas de 1798, devo dizer que o negócio me parece imoral. Em geral, só vai à farmácia quem quer remédios que curem e não para comprar produtos sem indicações terapêuticas. O boa tarde, senhor farmacêutico, pode-me recomendar alguma coisa que não trate nada, por favor, deve ser muito raro. Por isso, parece-me inevitável que uma farmácia homeopática obtenha boa parte do seu rendimento a vender frasquinhos de muito pouco a quem desconhece que não servem para nada.

1- Random Precision, Sem indicações terapêuticas comprovadas
2- Random Precision, A Garantia da Inocuidade do Produto.
3- Infarmed, Circular Informativa N.º 039 /CA Data: 24/03/2006
Ver também Vemo-nos em tribunal, pelo Marco Filipe, Más amenazas legales de la homeopatía, por Daneel Olivaw, e Democracia, conhecimento e homeopatia, por Nuno Lemos, num blog sobre acupunctura.

76 comentários:

  1. É rídiculo que em pleno séc XXI e na Era das Tecnologias da Informação e Comunicação ainda sejam aceites em tribunal processos de difamação por se dizer a verdade. É a técnica daqueles que vendem gato por lebre, banhas de cobra que a ciência já desmascarou. E são os lucros de determinadas empresas de banha de cobra, é o hiato na lei, é a ignorância geral de quimica, fisica, biologia, é a iliteracia... pensei eu que a justiça estava sobrelotada. Pelos vistos há tempo a perder com parvoíces. Apesar de toda a informação correcta e cientifica que existe. Mas os cientistas é que são uns arrogantes que estão feitos com a big pharma, né? Não são os vendedores da banha de cobra que fazem milhões a enganar pessoas com placebos muito caros.

    É triste. Acima de tudo é muito triste.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A Bíblia ensina que mentir é errado... a teoria da evolução, não.

      Eliminar
  2. Vou acompanhar esse processo com muita curiosidade...

    ResponderEliminar
  3. O Ludwig diz:

    "devo dizer que o negócio (da homeopatia) me parece imoral."

    Vinda do Ludwig, esta frase tem os seguintes problemas:


    1) O Ludwig é naturalista, acreditando que o mundo físico é tudo o que existe. Sendo assim ele tem um problema, porque valores e normas morais não existem no mundo físico.


    2) O Ludwig diz que a observação científica é o único critério válido de conhecimento. Ora, nunca ninguém observou valores e normas morais no campo ou em laboratório.


    3) O Ludwig diz que a moral é subjectiva. Ora, se são os sujeitos que criam valores e normas, eles não estão realmente vinculados por eles, podendo cada um criar valores e normas a seu gosto.


    4) O Ludwig está sempre a dizer aos outros que não devem dizer aos outros o que devem ou não devem fazer. Ou seja, ele faz exactamente o que diz que os outros não devem fazer.


    5) De milhões de anos de processos aleatórios de crueldade, dor, sofrimento e morte não se deduz logicamente qualquer valor intrínseco do ser humano nem qualquer dever moral de fazer isto ou aquilo.


    Como é que o Ludwig justifica, então, o seu juízo moral sobre a homeopatia? Ele é uma afirmação subjectiva e arbitrária?

    ResponderEliminar
  4. A venda de homeopáticos é uma actividade regulada. Se o Ludwig e o Rodrigues têm conhecimento de produtos embalados não cumprindo a legislação vigente, sem a menção "sem indicações terapêuticas comprovadas", devem denunciá-los. Se lançam uma acusação generalizada e em tom jocoso de que a farmácia de Santa Justa não cumpre a legislação, sem ter provas disso, praticam difamação. A discussão científica faz-se nos laboratórios, não nos tribunais.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Com esse processo o que a farmácia vai ganhar um Efeito Streisand.

      Aconteceu o mesmo com a JonasNuts (Maria João Nogueira) escreveu sobre um problema que teve com a Ensitel. A Ensitel processou-a e o que ganhou foi uma reputação arruinada.

      E não se deve esquecer que o 180º artigo existem alíneas:
      "A conduta não é punível quando
      a) A imputação for feita para realizar interesses legítimos; e
      b) O agente provar a verdade da mesma imputação ou tiver tido fundamento sério para, em boa fé, a reputar verdadeira."
      Se tudo o que o Rodrigues disse é verdade, então deve safar-se da acusação.

      Eliminar
    2. Nuno Gaspar,

      Eu não escrevi que o que a farmácia faz é ilegal. Escrevi que o que a farmácia faz é imoral. Quem vai à farmácia vai com a intenção de comprar algo que tenha eficácia terapêutica, pelo que é pouco decente vender-lhe algo que não a tenha.

      Também não li nada no post do Luís a imputar crimes à farmácia.

      Eliminar
    3. "Também não li nada no post do Luís a imputar crimes à farmácia"

      Ah não, Ludwig? Então e o apelo à intervenção da ASAE é para quê? Para aferir a sua moralidade?
      Repara. Não sou, obviamente, entusiasta da homeopatia, nem da disciplina de pensamento crítico, nem do litígio como forma de ganhar a vida. Mas isso não justifica o escárnio permanente a quem faz delas profissão e que reclame por mais fiscalização para essas do que para outras actividades.
      Se queres demonstrar que em centenas de anos de aplicação nenhum benefício terapêutico pode ter sido atribuído ao uso de homeopáticos, directa ou indirectamente, vais mentir e correr o risco de ver descredibilizados os acordãos do tribunal em pretensos proceedings científicos.

      Eliminar
    4. « Então e o apelo à intervenção da ASAE é para quê? Para aferir a sua moralidade?»

      A ASAE não intervém só quando há crimes. Também fiscaliza. Tal como fiscaliza restaurantes, feiras, etc, também pode bem fiscalizar farmácias a ver se as mezinhas que não tratam estão claramente indicadas como tal. Parece-me bem mais preocupante haver pessoas a comprar coisas que não tratam, em farmácias, julgando que são remédios do que pessoas a comprar t-shirts ou DVDs em feiras sem a devida papelada.

      «Mas isso não justifica o escárnio permanente a quem faz delas profissão»

      Eu acho que quem faz profissão de vender produtos sem efeito a pessoas convencidas que aquilo cura merece todo o escárnio que lhe dirigirem.

      «Se queres demonstrar que em centenas de anos de aplicação nenhum benefício terapêutico pode ter sido atribuído»

      Que raio de coisa... Pode muito bem ter acontecido que, ao ir buscar as gotinhas de água, a Dona Maria Isaurinda levantou-se do sofá segundos antes do candelabro cair e, assim, se ter safo de um internamento no hospital por causa do homeopático. É possível. Mas é o consenso científico presente, tal como já há duzentos anos se desconfiava, que a homeopatia não é medicina, não trata nem cura. E é até por isso que os preparados homeopáticos não podem, por lei, ser vendidos com a indicação de terem eficácia terapêutica.

      Eliminar
    5. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar
    6. Segundo o próprio site da ASAE, a entidade não tem apenas uma função repressiva contra crimes, mas também preventiva e de comunicação de riscos, pela fiscalização, através de um Director Científico e da Direcção de Avaliação e Comunicação dos Riscos na Cadeia Alimentar (DACR).

      Eliminar
    7. No site da ASAE:

      "A sua ação de fiscalização centra-se assim nas matérias seguintes:" ... "Oferta de produtos e serviços nos termos legalmente previstos, tendo em vista garantir a segurança e saúde dos consumidores;" ... "Cumprimento das obrigações legais dos agentes económicos;" ... "Todos os locais onde se proceda a qualquer atividade industrial, comercial, " ... "de prestação de serviços, designadamente de produtos acabados e ou intermédios" ...

      (Notificações RAPEX) "Nos termos do artigo 20 do Regulamento (CE) nº765/2008, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 9 de Julho, que estabelece os requisitos de acreditação e fiscalização do mercado relativos à comercialização de produtos, os Estados-Membros devem assegurar a retirada no mercado de produtos que apresentam risco grave e exijam uma intervenção rápida"

      ---

      Comparar com o que Rodrigues disse:
      "É que, enganadas por uma auto-denominada «medicina» que se «credibiliza» unicamente pelo recurso ao adjectivo «alternativa», que agora está na moda, muitas pessoas deixam de receber um tratamento médico verdadeiramente adequado, tantas vezes com consequências bem trágicas para a sua saúde." ...

      "Como posso confiar num organismo estatal que ao mesmo tempo que é responsável pela avaliação dos medicamentos de uso humano, ele próprio «confessa» sem qualquer vergonha no seu site que o é também quanto a essas coisas tão curiosas «à base de plantas» e «homeopáticas» e a que ele próprio tem a desfaçatez de chamar... «medicamentos»?"

      "Ora, e já que não sabemos o que é que aquela gente anda a fazer lá pelo «Infarmed»" ... "assim proporcionando a crescente prosperidade de uma indústria milionária de venda de «banha da cobra», ainda nos resta uma última esperança: É que a actividade destas coisas chamadas «Farmácias Homeopáticas» cabe bem dentro do âmbito das competências de fiscalização da «A.S.A.E.»."

      Noto que Rodrigues é advogado e que o perspectiva também o é, por isso esperava-se que não perdesse a oportunidade de dar a sua opinião sobre o assunto, se estivesse contra, como o fez várias vezes sobre copyright. A única coisa que fez foi escrever sobre outras coisas de forma infantil.

      Eliminar
  5. E a acusação também poderia juntar ao processo os textos, mensagens, desenhos e fotografias relacionados com religião, que o Sr. Robrigues espalha copiados pelos vários blogues em que participa, para dar a conhecer ao juiz o seu conceito de liberdade de expressão.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. OK, já percebi o teu problema. Podes ignorar o meu comentário anterior...

      Eliminar
    2. Acho que os juízes ignoram o que não tem a ver com o caso, mas, no sentido utilitário particular, achava muito bem, porque se é feita essa associação entre a acusação feita pela farmácia e a expressão de opinião de ateus, o desafio que lhe fiz neste blog pode, afinal de contas, ser avaliado. Tal como a sua visão da Lei.

      Noto que discordo com opiniões de Rodrigues ou o modo como são transmitidas nos seus blogs, que são de mau gosto, tal como achei má a sua prestação num programa da Júlia. Mas, pelo que vi há pouco, não considero difamação e por isso teria de me apresentar um caso particular do que chama de "difamação". Se sentem-se ofendidos com conteúdos de certos blogs, não leiam. Se têm algum problema mental que os levam a lê-los, em vez de evitá-los, existem psicólogos para vos ajudar.

      http://www.dgsi.pt/jtrg.nsf/c3fb530030ea1c61802568d9005cd5bb/a8d3d94be14356a380257996004f89ab?OpenDocument
      "o direito penal não se destina a tutelar o eventual excesso de sensibilidade de determinadas pessoas perante afirmações que lhes sejam dirigidas. Antes pretende punir factos que sejam objectivamente graves e geradores de ofensas a bens juridicamente protegidos. A vivência em sociedade traz contrariedades, normais, por todos sentidas, sem que isso seja, todavia, bastante para fundamentar a prática de ilícitos criminais."

      Eliminar
    3. http://www.trp.pt/jurisprudenciacrime/crime_334/08.6gavnf.p1.html
      "O certo é que estamos perante mensagens eivadas de sátira, ironia e sarcasmo.

      Perante uma mensagem, pelo menos em parte, assumidamente humorística.

      O humor é a desconstrução do real através de categorias de refracção do quotidiano que assumidamente o desfiguram.

      É esta a lógica do humor; um humor sensato, rigoroso, previsível, falharia por completo o seu objectivo. Estava condenado ao fracasso.

      O arguido visou, de forma humorística pôr a nu, a sua situação pessoal no quadro da Junta de Freguesia presidida pelo assistente, num exercício metafórico, ao acentuar, exagerando certos traços da realidade.

      O humor constitui uma forma de expressão artística. O humor é o outro lado da consciência, o lado que contesta, denuncia, ridiculariza. O lado que aparentemente não leva a sério, o lado que questiona, que corrói, que desestabiliza." ...
      "A mensagem humorística, em qualquer das suas explicitações artísticas (farsa, sátira, sarcasmo, ironia, caricatura, entre outras) constitui uma vertente fundamental, e portanto imprescindível, da comunicação humana e da convivência cultural."

      "Se nos textos está presente o cariz frívolo, mordaz, galhofeiro, e leviano, aparentemente ofensivo, pois que, aparentemente atingem a susceptibilidade, a honorabilidade, a competência do visado, no entanto, não revelam, concreta aptidão para lesar a reputação e a dignidade que lhe são devidas." ...
      "Na ponderação dos interesses em conflito, os escritos, com factos e com juízos valorativos, rematados de forma irónica, representam um meio razoavelmente proporcionado à prossecução da finalidade legítima visada tendo em conta o interesse da sociedade democrática em assegurar e manter a liberdade de expressão."

      O texto escrito pelo arguido nas janelas do seu carro:
      "C.............. E D.............. GEREM SOZINHOS JUNTA DE FREGUESIA CALOTEIRA DÍVIDA TOTAL EM 31 MAR = 2.105,47 € (A JUNTA NÃO PAGA AO SECRETÁRIO)", nada relatou de falso.

      É certo que, bem como, ao divulgar que "DISCRIMINAÇÃO SEXUAL EM ............... OS FILHOS DO D............ E OS FILHOS DO C............. TÊM DIREITO A AMÊNDOAS. AS FILHAS DO B............... SÓ TERÃO AMÊNDOAS SE O REQUEREREM EM TRIBUNAL! NÃO SEJAM CALOTEIROS! PAGUEM AO SECRETÁRIO IGUAL VALOR AO QUE O TESOUREITO JÁ RECEBEU!"

      Eliminar
  6. Ludwig,

    "A ASAE não intervém só quando há crimes. Também fiscaliza."

    Não disfarces, Ludwig. A ASAE fiscaliza e detecta a prática de crimes. Quem faz um apelo eloquente à intervenção da ASAE num estabelecimento está a querer fazer crer que nesse estabelecimento se pratica um crime. Se conseguirem provar que algum dos produtos comercializados não cumpre a legislação vigente, muito bem. Se não fizerem prova disso, é evidente que há difamação. Até sugiro a sentença: um mês de serviço cívico numa unidade de cuidados continuados, para ter vagar de reflectir na utilidade da razão perante a fragilidade humana.

    ResponderEliminar
  7. Nuno Gaspar:

    Propões que mentiras sejam a solução para a fragilidade humana? Então porque não dizer logo que somos bons e fortes?


    Ou percebi mal ou a coisa está mal parada...

    ResponderEliminar
  8. Ludwig et al,

    Lamento não poder ir, nem me parece que tenha convencido alguém a ir. A hora a que é é tramada.

    Gostaria mesmo de poder ir e tirar notas. Gostaria de saber pormenores depois.

    ResponderEliminar
  9. Nuno Gaspar:

    Só mais uma coisa. Nota que para muita gente "vender-se numa farmácia" é um sinal de confiança e não lêem os rotulos.

    ResponderEliminar
  10. Off topic interessante: como evolucionistas e criacionistas interpretam os mesmos dados


    Um estudo sobre os hábitos de sono (no chão ou nas árvores) dos Chimpanzés actuais é interpretado assim:

    1) os evolucionistas acham que ele ajuda a explicar como é que no passado não observado o homem evoluiu a partir de macacos de árvores.

    2) os criacionistas acham que ele apenas mostra como os chimpanzés dormem aqui e agora.

    Duas visões do mundo, duas interpretações da mesma evidência.

    ResponderEliminar
  11. Off topic interessante: como evolucionistas e criacionistas interpretam os mesmos dados

    Um estudo sobre a extrema precisão da meiose (divisão de células) e produção de 46 (23+23) cromossomas é interpretado assim:

    1) os evolucionistas acham que ele ajuda a explicar o processo de evolução no passado não observado

    2) os criacionistas acham que ele evidencia a precisão do design do corpo humano e da informação de que ele depende, ao mesmo tempo que mostra a capacidade de variação dentro de cada género e a corrupção dos genomas quando ocorrem mutações.

    Duas visões do mundo, duas interpretações da mesma evidência.

    ResponderEliminar
  12. Off topic interessante: como evolucionistas e criacionistas interpretam os mesmos dados

    Um estudo sobre uma pegada encontrada numa rocha é interpretado assim:

    1) Os evolucionistas datam a rocha e a pegada de acordo com a teoria da evolução e com o pressuposto de que os processos observados hoje são os mesmos que ocorriam no passado, embora não tenham certezas sobre a sua origem.

    2) Os criacionistas, que partem do princípio de que no passado recente ocorreu uma grande catástrofe e muitas sequelas locais, acham que se trata provavelmente de uma pegada de um macaco num solo ainda mole quando ela foi feita.

    Duas visões do mundo, duas interpretações da mesma evidência.

    ResponderEliminar
  13. Um off topic interessante: como evolucionistas e criacionistas interpretam os mesmos dados

    Um estudo recente mostra que os macacos babuinos têm capacidade de identificar combinações de letras em palavras e detectar anomalias

    1) os evolucionistas acham que isso ajuda a explicar a evolução da leitura no passado não observado

    2) Os criacionistas acham que isso é apenas (mais) uma habilidade que corrobora a criação inteligente do macaco babuíno, embora notem a capacidade singular do ser humano de criar códigos para exprimir pensamento abstracto

    Duas visões do mundo, duas interpretações da mesma evidência.

    ResponderEliminar
  14. * What's the harm in homeopathy?: "Here are 437 people who were harmed by someone not thinking critically."

    * Death by Homeopathy:
    "No, I am not talking about homeopathic suicide, which is entirely benign (except to the reputation of homeopathy). Rather, every now and then a prominent case pops up in which someone dies of a treatable condition because they chose (or their caregivers chose) to rely exclusively on homeopathy or some other alternative treatment." ... "These cases also occur on a backdrop of inadequate regulation." ...
    "The latest case to come to media attention comes from down under – Penelope Dingle from Perth Australia, according to local news reports, was diagnosed with colon cancer in 2003. Her doctors gave her a good chance of survival with standard therapy" ...

    * A real death by homeopathy:
    "Her father, Thomas Sam, who practised and taught homeopathy, had applied homeopathic remedies to try to cure Gloria's eczema since she was diagnosed with it when aged about four months, he said.

    The inquest, which will examine the role of nutrition in her death, will also examine the actions of her father and mother, Manju Samuel, and advice they received from doctors and homeopaths. Mr Hoy said the inquest would reveal if homeopathy should be better regulated or scrutinised."

    ResponderEliminar
  15. «Vou acompanhar esse processo com muita curiosidade... »

    Parente,

    Não me surpreende... no fundo queres averiguar se hoje ainda é possível forjar as alegadas virtudes de um produto “terapêutico” à força da defesa do bom nome da empresa que o vende.

    E o teu problema é que no mundo jurídico-civilizado acontece precisamente o contrário: a virtude da empresa emana do produto vendido. Que chatice, hã?



    Ludwig,

    Não vou poder assistir. Posso pedir-te que leves uma garrafinha de água para registar os acontecimentos?

    ResponderEliminar
  16. Bruce

    Nada disso. Depois talvez explique...

    ResponderEliminar
  17. O que mais me chateia nos produtos homeopáticos actualmente à venda nem é o não funcionarem de todo: é o facto de em muitos dos casos pertencerem a grupos da indústria química (sim, que também têm indústria farmacêutica nos seus grupos) que viram nisto uma oportunidade de ouro de vender água destilada engarrafada e ganhar balúrdios. Claro que podemos argumentar que os lucros da água destilada engarrafada depois podem ser aplicados à investigação científica em farmácia nas outras empresas do grupo, pois esta é caríssima e os resultados, para serem vendidos, têm de ser a um preço baixo... daí as farmacêuticas gostarem de vender medicamentos que «não fazem quase nada» (mas também não façam mal!) e que sejam baratos de produzir para compensar a falta de lucros em medicamentos caríssimos de produzir que têm de vender abaixo de preço de custo. É um problema complicado. Mesmo assim, acho mal terem a lata de vender água destilada engarrafada. Além disso, claro está, estes medicamentos «homeopáticos» nem sequer são produzidos de acordo com a «fórmula» (se é que lhe podemos chamar tal coisa) de 1796 :-P

    Por exemplo, uma coisa que gostava de ver nas farmácias era a venda de placebos com marcas «sonantes» que pudessem ser receitados por médicos para o tipo de doentes que fica furioso quando não lhes receitam nada — pois parece que os médicos não querem tratá-los. Uma constipação passa ao fim de 3 dias, não é preciso «tomar antibióticos» (até porque as constipações são virais). Mas muitos médicos passam receitas de medicamentos normalmente desnecessários porque os doentes, caso contrário, ficam extremamente frustrados, o que lhes agrava o factor psicossomático, por exemplo, durante uma constipação, e pode fazer com que a constipação leve mais tempo a passar... para além de fazer com que o paciente perca confiança no médico e que depois não volte lá quando tiver algo mais sério, preferindo recorrer a pseudo-medicinas alternativas. Isto é na realidade um problema preocupante.

    Imaginem que alguém tinha uma constipação que o médico sabia perfeitamente que ia passar daí por 3 dias. Em vez de dizer ao doente para ir para casa tomar chá de limão quente, dizia-lhe para ir à farmácia comprar uns comprimidos de NãoFazNadex, de venda livre, muito baratos, e que são extremamente eficazes: ao fim de 3 dias vai ver que a constipação passa! Se não passar, volte cá (pois há de facto alguns casos raríssimos em que pode não ser uma «mera constipação»...) O doente, todo contente por estar a ser bem tratado («os médicos dos meus amigos não percebem puto, pois não receitam nada!»), toma lá uns placebos e fica cheio de confiança na ciência médica!

    Isto resolvia todos os casos que se curam «por si só» e evitava que as pessoas, descontentes com a falta de preocupação da ciência médica com o seu caso específico, procurassem alternativas que depois possam ser nocivas para a sua saúde (ou seja, ganhando confiança na homeopatia, depois acreditam que a água destilada possa também curar o cancro do pâncreas...).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aliás, acho que sou prova viva disso :) Sou muito propenso a doenças psicossomáticas, e já era assim quando era puto. Ao fim de 30 e tal anos, a minha mãe confessou que, quando era puto, tinha muita dificuldade em adormecer. Mas ela não queria dar-me calmantes, e começar logo desde tenra idade a ficar viciado nesse tipo de drogas, e falou com o pediatra sobre o que devia fazer. Este por acaso era investigador, e teve acesso a placebos embalados em blisters usados nos testes farmacêuticos, e portanto indistinguíveis no aspecto e apresentação de comprimidos «a sério». Passei a tomar um antes de me deitar todos os dias e dormia lindamente :) (Tenho pouca memória da minha juventude, mas acredito piamente nesta história, que me parece muito plausível). Décadas mais tarde, quando tive as primeiras crises de ansiedade, e me recusei a tomar opiáceos, o médico lá me deu uns comprimidos de valeriana («isto é um comprimido apenas com o princípio activo da raíz de valeriana»), e o «problema» passou. Na altura não havia Internet, e só muitos anos mais tarde é que li que esse medicamento tinha um efeito pouco acima do placebo. Mas evitou, na altura — pelo facto do médico em questão compreender o efeito psicológico de «tomar alguma coisa» — que eu me metesse em opiáceos e outras coisas mais potentes, e não me deixou «desconfiado» de um médico que «não me queria tratar».

      Hoje em dia tenho obviamente outra atitude: se os médicos não me receitam nada, são bons médicos — sabem que o problema é psicossomático e não vale a pena encharcar-me com medicamentos. Pelo contrário, desconfio sempre dos médicos que me querem impingir tudo e mais alguma coisa! (O que me dá umas «guerras» com a minha médica de família quando eu teimosamente acho que não devo tomar mais nada e ela discorda...) Mas tenho consciência de que a esmagadora maioria das pessoas que vai ao médico tem a atitude contrária: está à espera de levar medicamentos para casa (em Portugal, em que somos todos obcecados com as doenças, isto ainda é mais grave do que noutros países), e se não os receber, vai a outras fontes ditas «alternativas»...

      Eliminar
  18. Off topic interessante: Como evolucionistas e criacionistas interpretam os mesmos dados

    Um estudo científico recente mostra que as mutações aleatórias são cumulativas e degenerativas destruindo os genomas e podendo conduzir à extinção das espécies...

    1) Os evolucionistas procuram conciliar esse estudo com a sua crença na evolução por mutações e selecção natural, salientando as possibilidade de mais rápida adaptação ao meio.

    2) Os criacionistas, embora admitam que algumas mutações podem facilitar a adaptação das espécies ao meio, acham que o estudo corrobora o carácter degenerativo das mutações, geradoras de doenças, deficiências e morte, e a tendência para a corrupção da natureza criada, por causa do pecado.


    Duas visões do mundo, duas maneiras de interpretar a mesma evidência.

    ResponderEliminar
  19. Off topic interessante: como evolucionistas e criacionistas interpretam de forma diferente os mesmos dados

    Um estudo científico recente mostra que a molécula FTIP1 controla o florescimento das plantas, ao passo que uma mutação nesse gene atrasa-o

    1) Os evolucionistas dizem apenas que compreendem melhor o processo de evolução das plantas no passado distante.

    2) Os criacionistas consideram que o estudo demonstra a dependencia das plantas de informação pré-programada nos genes e a tendência das mutações para introduzirem ruído e destruirem informação e as funcionalidades dela dependentes

    Duas visões do mundo, duas maneiras de interpretar a mesma evidencia.

    ResponderEliminar
  20. Off topic interessante: como evolucionistas e criacionistas bíblicos interpretam os mesmos dados de forma diferente:

    Um estudo recente mostrou milhares de fósseis de amonites e de demais moluscos e peixes, claramente diferenciados, muito bem preservados em Montana, Dakota do Sul e Wyoming, no interior dos EUA, acima do nível do mar

    1) Os evolucionistas dizem que isso terá ocorrido como resultado de pouca água ao longo de milhões de anos, ou de uma catástrofe local, especulando como o metano terá ajudado à evolução das amonites.

    2) Os criacionistas acham que esses milhares de moluscos perfeitos e funcionais, depositados no meios de sedimentos e muito bem preservados, são exactamente o que seria de esperar de um dilúvio global.

    Duas visões do mundo, duas maneiras de interpretar a mesma evidencia.

    ResponderEliminar
  21. Mais tolerancia ateísta

    http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=5yVwt9_DgEo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nuno,

      tens um conceito muito estranho de intolerância.

      Aquele muçulmano diz que odeia os ateus. Dawkins diz que não os odeia ("I'm an atheist, I don't hate people").
      Muçulmanos estiveram a protestar a Atheist Convention, na Austrália, com cartazes a dizer que o ateísmo é o câncro e que o islamismo é a cura, que Cristopher Hitchens vai arder no Inferno, de forma imperativa diziam para os infiéis arderem no Inferno, etc.
      Os ateus gozaram: "Where are the women?", "Always look on bright side of life", "Bullshit, bullshit, bullshit", "ZZ Top" (uma banda de barbudos), "Infidels! Infidels! Infidels!" (apontando para si mesmos), "We're lucky we're in Australia. I'm in Australia, I'm not in your country!"

      Lembro uma citação que já coloquei aqui, retirada do site do Tribunal da Relação do Porto:
      "A mensagem humorística, em qualquer das suas explicitações artísticas (farsa, sátira, sarcasmo, ironia, caricatura, entre outras) constitui uma vertente fundamental, e portanto imprescindível, da comunicação humana e da convivência cultural."

      Se estudaste Gil Vicente, deves ter considerado os textos muito intolerantes nas suas críticas em relação ao clero. E deves querer que todas as caricaturas sejam censuradas, porque gozam com pessoas e ideias.

      Eliminar
    2. Além disso o próprio vídeo que apresentas é aquilo que criticas.
      Título: "Richard Chicken Dawkins". Descrição: "The Chicken Atheist Delusion".
      E nos vídeos relacionados? Num deles há o título: "Richard Dawkins Fascist". Isso é difamação?

      William Lane Craig afirmou que ia colocar uma cadeira vazia a representar Dawkins num debate.
      És contra esse tipo de comportamento ou és simplesmente hipócrata?

      Mas o que Dawkins disse no tall Reason Rally:
      "I am often accused of expressing contempt and dispising religious people. I don't dispise people. I dispise for what they stand for. I like to quote the British journalist Johan Hari who said: 'I have no contempt for you', sorry, 'I have so much respect for you, that I cannot respect your ridiculous ideas.'" ...
      "'Are you serious you believe that?! Are you seriously saying that wine turns into blood?' Mock them ridicule them. Don't fall for the convention that we're all too polite too talk about religion. Religion is not off the table, religion is not off limits. Religion makes specific claims about the Universe which need to be substantiated and need to be challenged, and if necessary, need to be ridiculed with contempt."

      Dawkis expõe-se e acho que é cagarolas em não aceitar debates com William Lane Craig, que é muito bom em retórica e debates ao vivo. Dawkins deveria estudar filosofia, retória e como estudar em público (eu próprio estou a ter uma formação com uma psicóloga, por motivos profissionais). Mas cristãos ridicularizam o homem - não as ideias -, e pelo menos um chama-o de facista. Portanto, pergunto se você é hipócrita?

      Rec. Penal nº 334/08.6GAVNF.P1 - 4ª Sec.:
      "No binómio liberdade de expressão - direito à honra, no caso em apreço, o arguido situou-se no âmbito estrito do exercício da liberdade de expressão - com recurso à sátira e ao humor - que reconhecidamente, tem um papel essencial na vida pública num Estado de Direito e numa sociedade democrática e pluralista."

      Eliminar
    3. Se achas que não existem casos de cristãos para criticares do mesmo modo, apresento uma lista de exemplos:
      * William Lane Craig vs. Richard Dawkins (Hitler meme) "Watch his collection of videos on the subject for an overview and, well deserved, mockery."
      (nota que Dawkins é acusado de promover infanticídio)
      * Does An Empty Chair have More Courage Than Richard Dawkins?Bill O'Reilly accuses Richard Dawkins of being a fascist
      * Richard Dawkins and his Darwinists are stupid
      * Why atheist's seem to be stupid and deluded

      E também existem comentadores deste blog que fazem o mesmo, principalmente o perspectiva e o Jairo FIlipe; exemplo: Ludwig " Humpty Dumpty" Krippahl, Ludwig Krippahl, o Genuíno Chico-Espertoe expressões como "Neo-Ateísmo = Neo-Nazismo".
      Repare-se que não é uma mera sátira de ideias. É a própria reputação de pessoas que está a ser enxovalhada.

      São casos de difamação? É isso que o Nuno critica?

      Eliminar
    4. Reason Rally 'Question Silly Beliefs' :
      "Ridicule is one [of the ways to] bring important question into public. Comedians do it all the time, satirists do it all the time. And I think the amazing thing about ridiculing religion is it's seems so shocking. How dare we ridicule religion! But in fact why does religion a special place? Why is it not more subject to ridicule than science, or politics... I think what Richard is suggesting is - and maybe is necessary for some people to do - is to consciousness raise. It's to suggest that nothing is above ridicule at some level. And ridicule is a very effective form of satire at some level. It just points out that beliefs are beliefs, that nothing - forgive the pun - nothing is sacred when it comes to ideas."

      Eliminar
  22. Nuno Gaspar:

    Eu acho mal. Como regra parce-me uma má ideia. Acho que gozar com a religião é uma coisa e gozar com as pessoas que são religiosas é outra.

    Mas tens de ver que isto de qualquer modo nada tem a ver com ateísmo, o Richard Dawkins não é um lider hierarquico que tenha de ser seguido. É apenas uma pessoa que sabe pensar e falar e que está certo na maioria das coisas mas eu posso estar em desacordo noutras e continuar ateu. Afinal o homem não é nenhum enviado de Deus.

    A hierarquia da Igreja não tem espelho no ateismo.

    E isto, por essa razão e por outras não tem importancia como intolerancia de grupo. As pessoas riram-se! Não é um sinal que tenham considerado a coisa com muita seriedade. Algum crente se ri quando o papa diz que o ateísmo é o pior que aconteceu à humanidade? Ou quando é lançada uma fatwa? Ou quando apregoam que somos todos pecadores? E não são estas coisas mais graves ?

    ResponderEliminar
  23. Estás a ver diferença, João? O cardeal patriarca disse que O ateísmo era um dos maiores dramas da humanidade. O Dawkins disse: zombem, façam troça DELES. Pela boca morre o peixe.

    ResponderEliminar
  24. "o Richard Dawkins não é um lider hierarquico que tenha de ser seguido"

    Claro,João. Está-se mesmo a ver que sem Dawkins e Dennet existiriam o Ktreta, o Portal Ateu e afins. Não te iludas. A influência intelectual sobre os seus seguidores é maior nos ateístas do que em muitos religiosos.

    ResponderEliminar
  25. Nuno Gaspar,

    Eu comecei este blog com o copyright.

    E uma coisa é dar ouvidos ao Dawkins porque se concorda com o que ele diz; outra bem diferente seria concordar com o que ele diz só por ser o Dawkins. É essa diferença que me impede de ter Papa ou livros sagrados.

    ResponderEliminar
  26. Miguel

    Não me incomoda que ganhem balúrdios a vender água. Se a Luso conseguir vender água a 50€ a garrafa e ganhar imenso com isso, sorte deles. O problema é vender água alegando ser medicamento.

    «Imaginem que alguém tinha uma constipação que o médico sabia perfeitamente que ia passar daí por 3 dias. Em vez de dizer ao doente para ir para casa tomar chá de limão quente, dizia-lhe para ir à farmácia comprar uns comprimidos de NãoFazNadex, de venda livre, muito baratos»

    Não me parece uma forma eticamente aceitável de aproveitar o efeito placebo.

    ResponderEliminar
  27. João,

    Infelizmente, como testemunha não pude assistir ao julgamento, podendo estar presente apenas durante o meu depoimento. Por isso não te posso resumir grande coisa. Mas penso que a questão da validade da homeopatia ficou resolvida, tendo apenas ficado em aberto a questão da linguagem usada pelo Luís. Mas a sentença ficou marcada para dia 26, só então é que saberemos no que deu.

    ResponderEliminar
  28. Essa coisa foi à porta fechada? A pedido dos veneráveis queixosos?

    ResponderEliminar
  29. Nuno Gaspar:

    "A influência intelectual sobre os seus seguidores é maior nos ateístas do que em muitos religiosos."

    Mesmo que isso fosse verdade não seria um problema para o que fosse para lá da influencia intelectual. Não chega para dar ordens. Influencia intelectual é algo que reconheço a muita gente, mas é só isso. Não é obdiencia, aceitação de regras, etc.

    ResponderEliminar
  30. Nuno Gaspar:

    "Chama-lhe o que quiseres."

    Sim, os nomes não servem mais do que para identificar. O que importa é que não reconhecemos autoridade nem para essas, nem para outras coisas. Ele poder ser lider hierarquico em alguns sitios mas não entre ateistas. E isso não é confundivel com "influencia intelectual", não sem criares um sistema extremamente grosseiro de significados.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "O que importa é que não reconhecemos autoridade nem para essas, nem para outras coisas"

      Com ou sem autoridade e obediência existe muito menos diversidade no neo ateísmo do que, por exemplo, no catolicismo. Quem vê um vê todos.

      Eliminar
  31. Errata:

    "O que importa é que não reconhecemos autoridade nem para essas, nem para outras coisas. Ele poder "

    "O que importa é que não lhe reconhecemos (...)Ele pode(...)"

    ResponderEliminar
  32. Nuno Gaspar:

    Reconheces autoridade moral no Papa? Sim, não é? É essa a diferença. Eu e outros ateístas não reconhecemos autoridade moral no Dawkins, Hitchens, etc.

    A maior parte de nós preocupa-se mais com as consequencias das coisas para a comunidade do que com a opinião de seja quem for. E depois há as leis dos países que são para cumprir, claro, mas isso é outra questão. Também não acaeito o Dawkins como legislador. Surpresa, hã?

    Está mais claro assim? Nota de qualquer modo que tenho uma grande admiração pela coragem, racionalidade e perseverança do homem.

    Por falar em persistencia, aproveito para lembra que sozinha não vale muito. E se não queres saber do pensamento critico (disseste isso ou eu li mal?), o que é que andas aqui a fazer? É mesmo só pela persistencia "à lá perspectiva" que tencionas levar a tua avante?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Eu e outros ateístas não reconhecemos autoridade moral no Dawkins, Hitchens, etc."

      Faz sentido! Se a moral subjectiva ninguém tem autoridade moral...

      Mas se a moral é subjectiva nada impede a um indivíduo reconhecer autoridade moral ao Papa, se isso for a sua opção subjectiva...

      Eliminar
  33. Off topic interessante: como evolucionistas e criacionistas bíblicos interpretam os mesmos dados de forma diferente:

    Um estudo recente especula sobre uma causa geológica para a explosão câmbrica, onde se detecta já múltiplos seres vivos perfeitos, complexos e funcionais

    1) Os evolucionistas pensam que uma causa geológica (uma desconformidade entre rochas vulcânicas e metamórficas) pode explicar a criação de toda a informação genética nova, capaz de criar rapidamente múltiplos seres vivos altamente complexos há 500 milhões de anos atrás.

    2) Para os criacionistas, a extrema complexidade e diversidade dos seres "cambrianos" não pode ter uma causa geológica, porque depende de informação genética codificada, explicando-se antes como o resultado da sua criação recente e sepultamento abrupto recente. O relato do dilúvio global sugere catastrofismo geológico, vulcanismo, transporte e deposição rápidos de sedimentos e fossilização maciça, por causa de muita água em pouco tempo.


    Duas visões do mundo, duas maneiras de interpretar a mesma evidencia.

    ResponderEliminar
  34. Off topic interessante: como evolucionistas e criacionistas bíblicos interpretam os mesmos dados de forma diferente:

    Um estudo recente mostrou uma inesperada ausência de matéria negra perto do Sol, entidade fundamental para a plausibilidade dos modelos dominantes de evolução cósmica e cuja existência era prevista por eles

    1) Os evolucionistas, com uma visão naturalista que postula a evolução cósmica a partir do Big Bang (em que o nada explode e da origem a tudo!), sentem que este mistério obriga a rever toda a cosmologia dominante.

    2) Os criacionistas veem este estudo como mais uma evidência de que as cosmologias naturalistas dominantes, de evolução cósmica, não conseguem explicar um universo que foi inteligente e precisamente criado.

    Duas visões do mundo, duas maneiras de interpretar a mesma evidencia.

    ResponderEliminar
  35. Off topic interessante: como evolucionistas e criacionistas bíblicos interpretam os mesmos dados de forma diferente:

    Um estudo recente mostra como nanoparticulas tendem a acumular lesões nas bases de nucleótidos do genoma, degradando a informação genética nele contida

    1) Os evolucionistas procurarão uma explicação para o facto de a evolução, de espécies menos complexas para outras diferentes e mais complexas, ter ocorrido apesar dessa acumulação de nanopartículas e do seu efeito degenerativo a prazo.

    2) Os criacionistas entendem que isso é mais uma prova de que a tendência geral é no sentido da corrupção da natureza e dos sistemas biológicos, desde que o pecado e a morte entraram no mundo.


    Duas visões do mundo, duas maneiras de interpretar a mesma evidencia.

    ResponderEliminar
  36. Off topic interessante: como evolucionistas e criacionistas bíblicos interpretam os mesmos dados de forma diferente:

    Um estudo recente detectou radiação cósmica de energia ultra-elevada de origem desconhecida à luz dos modelos dominantes

    1) Os evolucionistas, com uma visão naturalista que postula a evolução cósmica a partir do Big Bang (em que o nada explode e da origem a tudo!), compreendem agora que a simples existência de radiação cósmica de fundo não prova o Big Bang, procurando desenvolver novos modelos de astronomia de neutrinos.

    2) Os criacionistas vêem este estudo que é um erro tentar refutar a criação de Deus com base em modelos imperfeitos, provisórios e ultrapassados, e que postulam a priori a inexistência de um Criador sobrenatural e omnipotente.

    Duas visões do mundo, duas maneiras de interpretar a mesma evidencia.

    ResponderEliminar
  37. Off topic interessante: como evolucionistas e criacionistas bíblicos interpretam os mesmos dados de forma diferente:

    Um estudo interessante mostra que não existe uma única área ou "god spot" no cérebro responsável pelos sentimentos religiosos, dependendo este da interacção complexa e integrada de milhares e milhões de neurónios em várias partes do cérebro...

    1) Os evolucionistas concluem que consciência espiritual e moral surgiu por acaso, por mera coincidência, não podendo ser atribuída a um processo evolutivo gradual e muito menos reclamar qualquer valor intrínseco.

    2) Os criacionistas observam que a consciência espiritual e moral é mais um exemplo da complexidade irredutível e especificada que é uma evidência clara de design inteligente, assim se justificando a sua especial dignidade intrínseca.

    Duas visões do mundo, duas maneiras de interpretar a mesma evidência.

    ResponderEliminar
  38. Off topic interessante: como evolucionistas e criacionistas bíblicos interpretam os mesmos dados de forma diferente:

    Um estudo recente revela que o tigre da Tasmânia, ou tilacino, dava mostras de escassa variedade genética antes da sua extinção por acção humana, sugerindo risco idêntico para outras espécies

    1) Os evolucionistas consideram que isso se deve à especiação destes marsupiais e ao seu isolamento geográfico na Austrália.


    2) Os criacionistas consideram que isso corrobora que a especiação, a acumulação de mutações e o isolamento geográfico tendem a diminuir a quantidade e a degradar a qualidade da informação genética pré-existente.

    Duas visões do mundo, duas maneiras de interpretar a mesma evidência.

    ResponderEliminar
  39. Perspectiva:

    "Faz sentido! Se a moral subjectiva ninguém tem autoridade moral...

    Mas se a moral é subjectiva nada impede a um indivíduo reconhecer autoridade moral ao Papa, se isso for a sua opção subjectiva..."

    Para quê? O que importa mais acerca de autoridade não são pessoas singulares a não ser que sejam mensageiros conhecedores e expressem consensos de especialistas.

    E depois a moral é subjectiva porque é referente a sugeitos. Ao ponto de sem sugeitos não teres moral - não existe por si própria, é uma construção dos que vivem.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Essa opinião é subjectiva e aleatória...

      Eliminar
    2. A opinião de Deus é subjectiva e aleatórial.

      Eliminar
  40. Perspectiva (cont)

    Isso não impede que nós, sugeitos, identificando-nos a nós próprios como "o outro" - que somos na proporção de 7 biliões para 1, não possamos chegar a consensos sobre regras e padrões.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os mafiosos também têm regras consensuais...

      Eliminar
  41. Off topic interessante: como evolucionistas e criacionistas bíblicos interpretam os mesmos dados de forma diferente:

    Um estudo recente explora as possibilidades de origem da vida no XNA, HNA e TNA, em alternativa ao DNA ou ao RNA, tentando encontrar uma explicação para a origem de códigos e informação codificada de que a vida depende...

    1) Os evolucionistas olham este estudo com expectativa, na esperança que ele encontre uma solução naturalista para o problema da evolução química, ou seja, da origem da vida a partir de químicos inorgânicos.

    2) Os criacionistas chamam a atenção para o facto de que códigos e informação codificada, apesar de necessitarem de suportes físicos (v.g. tinta, electricidade, magnetismo, nucleótidos), são realidades imateriais cuja origem nunca pode ser material, mas sempre espiritual e racional.

    Duas visões do mundo, duas maneiras de interpretar a mesma evidência.

    ResponderEliminar
  42. Off topic interessante: como evolucionistas e criacionistas bíblicos interpretam os mesmos dados de forma diferente:

    Um estudo recente demonstra que os corvos conseguem memorizar seres conhecidos ou desconhecidos.

    1) Os evolucionistas tentam explicar estas habilidades como produto da evolução, embora tenham dificuldade em perceber como a capacidade de memória se encontra em espécies, como corvos ou vespas tão distantes dos chimpanzés ou dos seres humanos.

    2) Os criacionistas considerem que se trata de mais um exemplo das habilidades dos muitos seres vivos, cuja explicação nada tem a ver com supostas árvores evolutivas ou a maior ou menor proximidade ao homem, mas ao facto de terem sido criados inteligentemente.

    Duas visões do mundo, duas maneiras de interpretar a mesma evidência.

    ResponderEliminar
  43. Perspectiva:

    "Os mafiosos também têm regras consensuais..."

    Sim, entre eles. Mas se fossemos todos mafiosos que resultado dava? Aí tens uma resposta simples que defende um consenso mais alargado.

    E também aqui podes perceber porque é que consensos mais alargados de especialistas são o que se deve ter em conta e não o de grupos ad-hoc que defendem a moral como sendo o seu interesse particular.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pelos vistos eles prescindem de consensos mais alargados... é a opinião deles contra a do João...

      Não havendo critérios objectivos, ambos estão correctos porque defendem os seus interesses...

      Eliminar
  44. P:

    "Essa opinião é subjectiva e aleatória..."

    Subjectiva enquanto referente a pessoas mas clara e funcional. Tens algo que propõem um sistema onde podes criar algo mais e testar hipóteses para ver o que funciona melhor para todos e cada um.

    Mas suponho que testar hipóteses e aceitar resultados seja coisa que não te interesse, caso colida com o teu livro de regras.

    Por outro lado evita o problema de dizer que existe uma moral como se fosse um objecto, independente de mentes cognitivas, alí à espera de ser descoberto em vez de criado.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Para os mafiosos a violência +é mais clara e funcional..

      Funciona melhor para eles...

      Eliminar
  45. Mesmo que criemos um conceito que tenha para cada parte um unico e mesmo significado para cada sugeito, e seja nesse aspecto objectivo, isso não torna de repente esse conceito como sendo uma entidade material, absoluta. Apenas diz que podemos chegar a consensos. Sobre regras, papeis e estatutos. Mas continuam a ser criações humanas com um fim ultimamente subjectivo. Viver melhor. Não esquecendo que cado um de nós é muito mais "o outro".

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É a opinião subjectiva do João... os mafiosos têm outra...

      Para eles é moralmente correcto estarem-se nas tintas para a sua opinião, que qualificam de filosofia barata...

      Do ponto de vista evolutivo, limitam-se a zelar pelos seus interesses...

      Não havendo critérios de moralidade objectivos, nem sequer se pode dizer que estão errados...

      Eliminar
  46. Off topic interessante: como evolucionistas e criacionistas bíblicos interpretam os mesmos dados de forma diferente:

    Uma recente simulação computacional, com "organismos" artificiais e muito simples, veio corroborar que a socialização permite a evolução da inteligência

    1) Para os evolucionistas, essa simulação compensa a ausência de evidências no mundo real e demonstra a evolução do cérebro e da inteligência.

    2) Para os criacionistas trata-se de uma simulação inteligentemente programada, inteiramente consistente com a ideia de que um Deus inteligente e social (trinitário) nos criou à Sua imagem e semelhança, com cérebros extremamente complexos e integrados, programados para a inteligência e a sociabilidade.

    Duas visões do mundo, duas maneiras de interpretar a mesma evidência.

    ResponderEliminar
  47. Off topic interessante: como evolucionistas e criacionistas bíblicos interpretam os mesmos dados de forma diferente:

    Um estudo recente procura identificar as bases neurológicas do sentimento de justiça distintamente humano...

    1) Os evolucionistas interpretam isso como mostrando que a sobrevivência do mais apto é insuficiente e que a evolução aleatória criou em nós, por mero acaso, um sentimento de justiça, tendo sido essas normas acidentais codificadas cultural e juridicamente.

    2) Os criacionistas notam que o estudo não prova a evolução, já que incide sobre seres humanos plenamente formados, corroborando a ideia de que um Deus justo nos dotou de um sentimento de justiça, embora também este sujeito à corrupção que afecta toda a natureza por causa do pecado.

    Duas visões do mundo, duas maneiras de interpretar a mesma evidência.

    ResponderEliminar
  48. Evolucionistas a criticar a falta de conhecimento médico aos defensores da homeopatia sem dúvida que é hilariante.

    Isto vindo dum grupo religioso que acredite (sem qualquer base médica ou científica) que pulmões, sistemas imunitários, aparelho digestivo, sistema de visão e o próprio ADN são o efeito de forças naturais.

    ResponderEliminar
  49. Para mais informação sobe um caso semelhante no UK veja o livro de Ben Goldacre, Bad Science.

    ResponderEliminar

Se quiser filtrar algum ou alguns comentadores consulte este post.