sexta-feira, março 26, 2010

Treta da semana: A saúde pública da cama dos outros.

O João Silveira, discípulo amado segundo o próprio, escreveu que «Gostava de ver o Ludwig escrever uma treta» sobre «o problema de alguém ter comportamentos homossexuais», alegando que «no mínimo é um problema de saúde pública»(1). Referiu, em apoio da tese, estatísticas recentes do CDC sobre a incidência de sífilis e HIV entre homossexuais. O pedido surgiu no debate acerca da estratégia da Igreja Católica para combater os abusos sexuais de menores, estratégia essa que consiste em gritar “olhem ali!” enquanto apontam para outra coisa qualquer. Como na declaração da Santa Sé ao Conselho para os Direitos Humanos, na ONU:

«Enquanto muitos falam de abuso de crianças, i.e. pedofilia […] 80 a 90% [dos casos foram] com rapazes adolescentes entre os 11 e os 17 anos [… E]ntre 1.5% e 5% do clero católico esteve envolvido em casos de abuso sexual [mas] a maioria das igrejas Americanas atingidas por alegações de abuso sexual de crianças é Protestante. […] Cerca de 85% dos abusadores de crianças são membros da família, vizinhos ou conhecidos [… e ...] o abuso físico de alunos em escolas é provavelmente 100 maior que o abuso por padres»(2).

Não destoando, o João Silveira defende que o problema é a homossexualidade. Propõe até que «quem defende a homossexualidade como natural, muito dificilmente lhe faz confusão a pedofilia». É um disparate. É como dizer que a um heterossexual dificilmente fará confusão o que aquela dúzia de imbecis fez à miúda de 12 anos nos Açores (3). A revolta que sentimos não tem nada que ver com a orientação sexual. O que está em causa aqui não é se gostam deste sexo, do outro ou sequer se ficam excitados com os desenhos animados japoneses. O problema é violarem crianças. Espero que esta confusão que tentam fazer entre violação e homossexualidade seja mera desonestidade. Porque se for sincera é ainda mais preocupante.

Mas adiante. O João Silveira queria que eu abordasse o perigo da homossexualidade na saúde pública. Nos EUA, a incidência de infecções por HIV em homens que têm sexo com homens é quarenta vezes maior que nos heterossexuais(4). Com a sífilis a diferença ainda é mais acentuada. Porque são doenças raras; a incidência estimada nestes homossexuais é de 0.5% para o HIV e 0.1% para a sífilis, estatísticas que teriam sido úteis para os enviados da Santa Sé à ONU. Podiam ter acrescentado que a percentagem de abusadores de crianças entre os padres católicos é poucas dezenas de vezes maior que a taxa de sífilis entre os homossexuais*.

Mas mesmo com uma incidência baixa partilho a preocupação do João, porque qualquer caso de HIV e sífilis é um caso a mais. É um problema de saúde. E, como tal, tem causas e soluções complexas. O alcoolismo, os acidentes rodoviários, o cancro do pulmão, o contágio por seringas e a asma também são problemas de saúde pública. E não se resolvem proibindo o álcool, acabando com os automóveis, criminalizando o tabaco, tirando as seringas aos médicos e aos diabéticos e matando tudo o que produza pólen. Nestes casos procuramos isolar os aspectos problemáticos e resolver o problema sem eliminar o que as pessoas desejam. Conduzir com segurança, fumar onde não afecte os outros, usar seringas esterilizadas, inaladores anti-histamínicos e assim por diante. Não despejamos o bebé com a água do banho.

Nas relações sexuais este cuidado é ainda mais importante porque, se consensuais e entre adultos, são do foro privado. São algo íntimo que não compete à sociedade julgar nem regular. Por isso devemos atacar os aspectos públicos do problema. E nisto nota-se a inconsistência de quem prega empoleirado no caixote da religião.

O sexo anal aumenta o risco de infecção pelo HIV. Por isso é pecado e não se pode fazer. Mas o sexo oral tem um risco reduzido, mesmo em relação à penetração vaginal. Se este fosse o factor relevante – se da taxa de contágio se inferisse o desígnio divino – então os religiosos deviam defender a homossexualidade feminina, a masturbação e o sexo oral como formas eficazes de promover a saúde pública. Não o fazem, obviamente, porque o risco de infecção é apenas uma desculpa escolhida por se alinhar com os seus preconceitos. O resto não lhes interessa.

Esta atitude contribui para agravar o problema, que não está na orientação sexual nem no que fazem na cama mas sim nos comportamentos sociais de risco, como a promiscuidade e o sexo sem protecção. E em vez de encorajar o uso de preservativos e as relações duradouras, os discípulos amados condenam o látex, opõem-se à legalização do casamento entre pessoas do mesmo sexo e perpetuam, pelo seu preconceito bacoco, a marginalização que encoraja os comportamentos de risco.

Aceitar que pessoas se amem seja qual for o seu sexo não eliminava o problema mas ajudava a reduzir os comportamentos de risco. E não exigiria sacrifícios a ninguém. Seria um passo gratuito na direcção certa. Um passo que só não damos porque muita gente se convenceu que há um homofóbico invisível no céu que nos obriga a estigmatizar os homossexuais e a empurrá-los para os becos e as casas de banho dos bares.

Esse disparate é que me parece um problema grave de saúde pública.

* OK, prometo que foi a última acerca disto dos padres. Por hoje...

Adenda, 29-3-2010: Por sugestão do João Silveira, quero aqui salientar que a taxa de incidência citada é para novos casos (ver o artigo referido) e que a minha recomendação aos enviados da Santa Sé à ONU é que mencionem apenas a sífilis e não o HIV. Dependendo das estimativas do número de homossexuais nos EUA, a taxa de infecção do HIV neste grupo, desde o início da epidemia, pode até ultrapassar a percentagem de padres católicos suspeitos de crimes de abuso de menores nesse país. Além disso, não convém à Igreja Católica chamar mais atenção para o seu papel no combate pela SIDA nos países em desenvolvimento. Obrigado ao João Silveira pelos cálculos nos comentários.


1- Comentário em Consentimento
2- IHEU, HOLY SEE, RIGHT OF REPLY – CHILD ABUSE
3- Açores: 10 homens condenados por violarem menina
4- CDC, CDC Analysis Provides New Look at Disproportionate Impact of HIV and Syphilis Among U.S. Gay and Bisexual Men

142 comentários:

  1. « E em vez de encorajar o uso de preservativos e as relações duradouras, »

    Aqui discordo.

    De facto, a apologia das relações duradouras é feita constantemente, a propósito de todas essas críticas disparatadas ao latex, e a tudo isso.

    ResponderEliminar
  2. João Vasco,

    «De facto, a apologia das relações duradouras é feita constantemente, a propósito de todas essas críticas disparatadas ao latex, e a tudo isso.»

    Não no caso dos homossexuais, que é precisamente o que o João Silveira aponta como o problema de saúde pública. Essa mentalidade da maioria das religiões é um factor que dificulta a estabilidade dos casais homossexuais.

    ResponderEliminar
  3. Estou abismada com esta tentativa nojenta de ligar a pedofilia aos homossexuais. Quererá isto dizer que os ilustres do tipo Mats e Silveira consideram que o abuso de meninas por parte dos padres (e são mais do que muitas), não conta? Ou serão os homossexuais a tentar disfarçar?

    ResponderEliminar
  4. Cristy

    o problema deles é que acham que há mais casos com meninos, e que sendo com meninos deixa de ser abuso e passa a ser homossexualidade.

    ResponderEliminar
  5. Ludwig:

    Não no caso dos homossexuais, é feita a apologia de que não o são, e que deviam ter relações duradouras sim, mas com membros dos sexo oposto.

    ResponderEliminar
  6. A eterna mania da ICAR dar opiniões sobre a vida íntima das pessoas

    ResponderEliminar
  7. Ludwig Krippahl

    por aquilo que vi num programa sobre o tema, a homossexualidade feminina não é proibida em Israel, sendo aceite até pelos rabis, que aposto passarem horas a ver vídeos de duvidosa realidade para se inteirarem totalmente sobre os misteriosos desígnios do senhor

    ResponderEliminar
  8. Nuvens,
    eu desconfio que esse é apenas um dos problemas deles ;-)

    ResponderEliminar
  9. Cristy

    é mesmo muito estranha a forma de pensar das pessoas que cristalizam o pensamento.

    ResponderEliminar
  10. João Vasco,

    «Não no caso dos homossexuais, é feita a apologia de que não o são, e que deviam ter relações duradouras sim, mas com membros dos sexo oposto.»

    Exacto. E esse estigma da homossexualidade, a premissa que os homossexuais são doentes, anormais, deviam ter vergonha e assim, dificulta que casais homossexuais mantenham uma relação estável e fomenta relações esporádicas, às escondidas, e promíscuas.

    Não é o único factor. Talvez até não seja o mais importante. Mas é completamente desnecessário.

    ResponderEliminar
  11. Nuvens,

    «por aquilo que vi num programa sobre o tema, a homossexualidade feminina não é proibida em Israel,»

    A Bíblia não diz nada contra. Na visão mais tradicional, o sexo é uma coisa que os homens fazem, de preferência a mulheres.

    ResponderEliminar
  12. «dificulta que casais homossexuais mantenham uma relação estável e fomenta relações esporádicas, às escondidas, e promíscuas.»

    Sim, tens razão.
    Eles discordarão, mas creio que tudo indica que tens razão neste ponto.

    ResponderEliminar
  13. Ludwig,

    «Espero que esta confusão que tentam fazer entre violação e homossexualidade seja mera desonestidade. Porque se for sincera é ainda mais preocupante.»

    Não sei se concordo. É que há pessoas bem intencionadas, e apontando o erro de generalização ou post hoc há quem, sendo sincero, reconheça o erro e mude a sua posição.

    Os desonestos, por outro lado, confundem propositadamente as pessoas. Distorcem a realidade conscientemente da mentira que estão a divulgar, por vezes com consequências graves (e.g., a epidemia da SIDA nalguns países africanos). E isso não é só preocupante no caso de pessoas com posições de relevo na sociedade como é pura e simplesmente baixo.

    ResponderEliminar
  14. "quem defende a homossexualidade como natural, muito dificilmente lhe faz confusão a pedofilia».

    "É um disparate."

    Não é.

    Luiz Mott, o maior especialista brasileiro em homossexualidade segundo a imprensa do seu país, activista gay, pessoa respeitadíssima, conselheiro do ministério da Saúde e da Justiça. Principal mentor da célebre proposta do Projeto de Lei 122/2006, a chamada Lei Anti-Homofobia; um ataque à liberdade de expressão dos brasileiros.
    É também um homossexual confesso, claro, para além de pedófilo (também assumido e orgulhoso dessa condição), utilizando argumentos parecidos com os que já li por aqui, para que o "amor" entre jovens adolescentes e adultos não seja criminalizado ou considerado imoral à partida.

    Para o movimento gay a pedofilia "não é bem assim". Crianças muito pequenas e violadas, claro que ninguém aprova, contam-nos eles; mas na Grécia Antiga, ou em Roma, eram toleradas as relações sexuais entre adolescentes e adultos. É tudo uma questão de não ter pensamento a preto e branco, dizem-nos.

    Chamar Mal ao Bem e Bem ao Mal, sempre foi a táctica dos mentirosos.

    Em Portugal também são conhecidas intervenções públicas de homossexuais famosos, a propósito de processos como o da Casa Pia, opinando "as coisas não são bem assim, há miúdos que também gostavam e sabiam ao que iam".
    "Violar uma criança de cinco, seis, sete, oito, nove, dez, onze, doze anos, isso não se faz", conta-nos outro. Mas a contagem parou pelos doze e condena expressamente apenas a "violação".

    Claro que na ideologia gayzista uma relação pedófila entre um adolescente de 15/16 anos e um adulto de 30, 40 ou 50 nunca será publicamente condenada ou definida como um abuso. E, na prática, embora eles nem sempre o digam, é claro que abaixo dos 15 anos também não haverá problema algum, em princípio. Depende do miúdo e tal, há alguns que chegam à puberdade mais cedo, se não for de forma forçada e sejam eles também a querer e o camandro. Na Antiga Grécia era normal e mais não sei quê.

    ResponderEliminar
  15. Francisco,

    «Não sei se concordo. É que há pessoas bem intencionadas, e apontando o erro de generalização ou post hoc há quem, sendo sincero, reconheça o erro e mude a sua posição.»

    É discutível, admito. Mas pensa nos zecas portugas, jairos e afins. Ou no Mats e no Jónatas, com as suas teorias da moral divina.

    Parece-me preferível que estejam a defender essas coisas como truque retórico, por pegar em alguns círculos. Porque assim que deixar de pegar facilmente mudam para outro truque.

    Mas se pensam sinceramente que um tipo merece uma eternidade de sofrimento só por se sentir atraído por homens, ou que essa atracção é o mesmo que violar crianças, parece-me que vai ser mais difícil ter uma sociedade melhor...

    ResponderEliminar
  16. O grupo de maior risco de contrair doenças, independentemente da orientação sexual, são os idosos. Não produzem e insistem na sua ideologia de não morrer, para grande prejuízo do sistema nacional de saúde. Pela mesma lógica da critica à homossexualidade deveriam ser admoestado, com toda a caridade mas firmemente, para deixarem tal ideologia e pararem, imediatamente de envelhecer.

    Penso eu de que assim como o homossexualismo o envelhecimismo é um perigo para a pátria, a família e , o que é bem pior, o Deus de Israel que se amofina particularmente contra estes comportamentos.

    Acresce que com a profusão de Viagras e sucedâneos nada nos garante que os adeptos do envelhecionismo não desatem a violar crianças e, pior do que isso, nós mesmos!

    Lutemos pela invulnerabilidade dos nossos, e vossos, esfincteres.

    ResponderEliminar
  17. Se acham que a introdução do pénis no oríficio anal é algo que faz bem à saúde, estão doidos, completamente doidos, lamento informá-los.

    Podem parar de choramingar com a mentira de que alguém se quer "meter na cama dos outros." Façam o que quiserem nas vossas camas e casas.

    Sei que vos custa muito ouvir dizer que sexo oral e anal é uma javardice nojenta. Azar, existe liberdade de expressão.
    Quem trouxe o tema para discussão pública foram os movimentos gays ( defensores e tolerantes com a pedofilia, como já expliquei), não se quiserem resumir a vivenciar a nojice dentro de suas casas, quiseram fazer dela "característica identitária" e promover junto dos jovens que a cópula oral ou intestinal é a coisa mais saudável que pode haver; agora têm de ouvir a verdade.

    Podem acusar-me de querer matar, prender, torturar, policiar, insultar e ostracizar os homossexuais. Continuarei a rir-me com a choraminguice, mentira descarada, de quem já não tem argumentos senão a demagogia.

    Por último, colaram o meu nome ao do Zeca Portuga, já não é a primeira vez que o fazem. Não concordando com tudo o que ele diz, agradeço-vos: é uma honra!

    ResponderEliminar
  18. Ludwig:

    Creio que estas a reduzir tudo ao nivel da lógica e do bom senso quando a realidade tem vários niveis de imbecilidade.

    Enquanto não te batizares pelo Terceiro incluido estarás condenado a um nivel de lucidez incompativel com a contradição inexistente.

    Lamentável. Há que combater as ligações duradoiras entre gays. Senão um dia ainda se querem casar. E não pensas em todos os que vêm niveis insuportaveis de tolerancia nisso. Lamentável.

    ResponderEliminar
  19. "Se acham que a introdução do pénis no oríficio anal é algo que faz bem à saúde, estão doidos, completamente doidos, lamento informá-los."

    Com todo o respeito, creio que esta errado. A introdução de um penis no orificio anal (ou outros artefactos mais adequados, para machos que sejam adversos a interacção com seres do mesmo genero) estimula a próstata, o que não só produz prazer sexual (explosivo... pelo que ouço a alguns homens heterosexuais... muito heterosexuais, que usufruem de estimulação da prostata com as suas companheiras) mas contribiu para a proteger de doenças. Nao há razao nenhuma, a nao ser o preconceito, para um macho nao usufruir da estimulação da prostata enquanto não houver razoes médicas que o impeçam... sugiro que experimente, Sr. Entrecosto, talvez descubra algo sobre si proprio que o surpreenda...
    Por outro lado, em muitas culturas a homoxexualidade é reverenciada. Por exemplo os nativos americanos consideravam que os homosexuais eram de dois espiritos e eram tidos em grande estima. Antropologicamente, nao faz sentido um heterosexual sentir-se ameaçado por um homosexual uma vez que este se remove voluntariamente da competição por parceiros.

    ResponderEliminar
  20. "Sei que vos custa muito ouvir dizer que sexo oral e anal é uma javardice nojenta"

    Este desabafo é apenas uma projeção cultural... os ingleses dizem EXACTAMENTE o mesmo sobre comer polvo, ou orelhas de porco ou a cabeça de peixe. Uma javardice nojenta.

    ResponderEliminar
  21. "sugiro que experimente, Sr. Entrecosto, talvez descubra algo sobre si proprio que o surpreenda..."

    Cala-te puta! Só estou a comentar o artigo.

    ResponderEliminar
  22. "sugiro que experimente, Sr. Entrecosto, talvez descubra algo sobre si proprio que o surpreenda..."

    Cala-te puta! Só estou a comentar o artigo.

    Ai Ai Ai !

    Estamos ressabiadas? Cala-te louca!

    Ou estás excitadita ?

    ResponderEliminar
  23. Nina,

    O Jairo fica algo melindrado com estas conversas. Não vou especular porquê, não lhe vá saltar uma veia, mas é assim...

    O que é pena porque eu gostava que ele explicasse que mal é que o sexo oral faz à saúde. A menos que assuma a inveja como doença, não vejo o que possa ser.

    ResponderEliminar
  24. Ludwig,

    "O Jairo fica algo melindrado com estas conversas. Não vou especular porquê, não lhe vá saltar uma veia, mas é assim."

    Fico melindrado quando desconhecidos anónimos me mandam ser alvo de sodomia, sem eu lhes ter dito coisa alguma. Sem dúvida!

    O" que é pena porque eu gostava que ele explicasse que mal é que o sexo oral faz à saúde."

    Eu disse que é uma javardice nojenta. Espero que não penses que lamber e chupar a genitália, por onde sai urina e sangue, seja um hábito que faz bem à saúde.

    "A menos que assuma a inveja como doença, não vejo o que possa ser."

    Se gostas de ingerir esperma,é lá contigo, mas não te invejo o gosto. Seguramente.

    ResponderEliminar
  25. "Ai Ai Ai !
    Estamos ressabiadas? Cala-te louca!
    Ou estás excitadita ?"

    Tens de falar com o Ludwig para te aliviares. Pelos vistos ele é que aprecia a sodomia.

    ResponderEliminar
  26. Jairo,

    «Fico melindrado quando desconhecidos anónimos me mandam ser alvo de sodomia, sem eu lhes ter dito coisa alguma. Sem dúvida!»

    E ganhas o quê com isso?...

    ResponderEliminar
  27. "E ganhas o quê com isso?..."

    O que ganhas quando uma gaja qualquer te ofende gratuitamente e ficas calado ou respondes como se estivesses a falar com alguém educado?

    ResponderEliminar
  28. Jairo,

    «O que ganhas quando uma gaja qualquer te ofende gratuitamente e ficas calado ou respondes como se estivesses a falar com alguém educado?»

    Evito fazer a triste figura de quem fica ofendido por tudo e por nada e perde a capacidade de falar como se fosse alguém educado. Podes não achar que é grande coisa mas eu dou algum valor a isso.

    O que não me parece ter utilidade é essa mariquice de ficar ofendido. Nunca percebi para que é que isso serve. Faz-me lembrar as damas de sombrinha e vestido de folhos a levar a mão à testa e desmaiar...

    ResponderEliminar
  29. Ludwig,

    deve ter alguma utilidade, senão ninguém dava troco.

    ResponderEliminar
  30. Já acompanho o blog há muito tempo, embora nunca tenha comentado. Não quer dizer que concorde com tudo o que aqui é escrito, mas pelo menos nota-se vontade (e capacidade)por parte do Ludwig em estimular o espírito crítico (é possível, ao contrário do santo) dos seus leitores.

    Seja como for, uma coisa é certa: os comentários do Jónatas, Jairo, Miguel Panão e outros (perdoem-me não ser capaz de me lembrar de todos) tornaram-se indissociáveis do Que Treta. São, de facto, excelentes humoristas, não só em termos de conteúdo, como de comportamento.

    ResponderEliminar
  31. Antes puta que idiota chapado, armado em moralista de merda.

    Agora que já estamos ao nível do Jairo Alimento-imundo-segundo-judeus-e-adventistas, continuemos.

    A nina não disse mentira nenhuma e até fez uma proposta educada de mudança. Uma proposta válida que faz as maravilhas de uma boa parte da população (homo e hetero).

    Pela lógica do entrecosto o toque rectal é um exame completamente nojento que todo o macho decente deve recusar. É que há sempre o risco de uma erecção marota.

    Na adolescência elas apareciam perante atributos femininos, agora na meia idade acontecer por causa de um dedo enluvado bem lubrificado deve ser algo difícil de digerir. Será que lhes assalta um sentimento de culpa?

    A questão da nojice é ridícula, a menos que se seja um javardo que não pratique uma higiene intima.
    O grupo mais porcalhão é, sem dúvida alguma, a dos homens heterossexuais, alguns são piores de treinar que os animais domésticos. Por isso não me admira que javardos chamem javardice aquilo que são incapazes de limpar decentemente, com a frequência necessária.

    ResponderEliminar
  32. "Cala-te puta! Só estou a comentar o artigo."
    Hahahahahaha... carissimo Sr. Entrecosto, nao me surpreende que gozando do beneficio da duvida sobre se é um implacavel idiota tenha vindo voluntariamente fesfazer essa duvida...
    A linguagem vernacula, dirigida a uma mulher que nao conhece de lado nenhum e que se limitou a oferecer-lhe dados validos, revela muito do seu caracter.
    Por outro lado, nao é preciso ter muitos conhecimentos de Psicologia para perceber o que o grau de ofensa que verbalizou revela conflitos internos, expressao de uma sexualidade mal resolvida(?)... uhhhhhhh!...
    Ja agora, para que nao leve as coisas tao a peito, uma das pessoas que aconselha o uso recreacional da prostata é o geneticista de renome (e oncologista, e heterosexual) que dirige o Laboratorio de Genetica e Epigenetica do Cancer Research UK e que tenho o prazer de contar entre os meus amigos.
    Cptos

    ResponderEliminar
  33. Vá lá pessoal. Olhem que o Jairo ainda tem um colapso.

    ResponderEliminar
  34. http://www.youtube.com/watch?v=VEsPtmrJjm0

    ResponderEliminar
  35. "O que ganhas quando uma gaja qualquer te ofende gratuitamente..."

    Ohhhhh, coitadinho do Sr Entrecosto... a ofender-se por eu o ter chamado normal. Delicioso!... tudo o que eu disse foi que se o Sr. Entrecosto usufruir de estimulação prostatica, tal como qualquer outro homem normal e saudavel, sentirá o que é normal sentir... desculpe la se toquei algum nervo sensivel. Longe de mim querer ofende-lo... a ideia de nao usufruir dos deliciosos disparates que normalmente partilha neste forum é-me insuportavel.

    "Espero que não penses que lamber e chupar a genitália, por onde sai urina e sangue, seja um hábito que faz bem à saúde"

    Se os participantes na pratica forem saudaveis, nao há qualquer perigo para a saude de qualquer um deles. Se souber de algum Ensaio clinico relevante que diga o contrario, sinta-se livre para partilhar...

    ResponderEliminar
  36. É nojento usar uma escova-de-dentes alheia. Os linguados e beijos na boca são nojentos. Respiração boca-a-boca é nojenta. Tocar no pénis para urinar é nojento. É nojento colocar o pénis num espaço apertado cheio de fluidos de onde sai sangue. Ginecologia, urologia e proctologia são nonjentos. Meter a boca na pele, por onde sai suor, é nojento. Engolir o nosso cuspo é nojento. Limpar o rabo com papel é nojento. Limpar os ouvidos e o nariz é nojento. Soltar gases é nojento. É nojento comer intestinos de porco com carne crua. Os caracóis são nojentos. Os polvos e as lulas são nojentos. Produtos fermentados por bactérias que soltam gases são nojentos. Especialmente se foram pisados.

    * Gynecologists convention
    * Unite

    ResponderEliminar
  37. O argumento batido:
    “na Grécia Antiga, ou em Roma, eram toleradas as relações sexuais entre adolescentes e adultos”,
    usado para associar homossexualidade e pedofilia é um disparate pegado e não é menos disparate quando alguns homossexuais o usam também para apelar à nostalgia por uma dignidade que lhes teria sido roubada depois, com o cristianismo. E é um disparate porque nada do que se possa ir buscar ao passado para justificar, legalizar ou dignificar éticas presentes faz sentido. Não faz sentido invocar o Antigo Testamento como fundamento ético e não faz sentido invocar a homossexualidade grega como fundamento ético. A ética evolui à medida do progresso do conhecimento científico e do acumular de reflexões sobre a sociedade. O que está para trás serve para explicar essa evolução e para apontar caminhos de futuro e não para alimentar fundamentações disparatadas, quer elas sejam usadas a favor ou contra uma coisa.

    ResponderEliminar
  38. “na Grécia Antiga, ou em Roma, eram toleradas as relações sexuais entre adolescentes e adultos”, esse argumento é de um palerma que por aqui anda chamado "Nuvens de Fumo" e do próprio movimento gay.

    ResponderEliminar
  39. Ludwig, tem cuidado com a tua claque. Parece que ficou chocada e ofendida com aquilo que eu disse a uma porca que por aí anda. Não vão eles desmaiar e deixar cair a sombrinha, tem lá cuidado com isso...

    ResponderEliminar
  40. Não percebo a associação entre homossexualidade e pedofilia que o Jairo está sempre a mencionar.

    Estás mesmo a sugerir que todos os homossexuais toleram pedofilia? Tens dados que comprovem isso?

    ResponderEliminar
  41. Cristy,m
    Quem faz a ligação entre a pedofilia e a homossexualidade são os próprios homossexuais, Procura por NAMBLA,


    Ludwig,
    O sexo anal aumenta o risco de infecção pelo HIV. Por isso é pecado e não se pode fazer. Mas o sexo oral tem um risco reduzido, mesmo em relação à penetração vaginal. Se este fosse o factor relevante – se da taxa de contágio se inferisse o desígnio divino – então os religiosos deviam defender a homossexualidade feminina, a masturbação e o sexo oral como formas eficazes de promover a saúde pública. Não o fazem, obviamente, porque o risco de infecção é apenas uma desculpa escolhida por se alinhar com os seus preconceitos. O resto não lhes interessa.

    Mas Ludwig, a questão da saúde pública é UM DOS argumentos contra a normalização da homossexualidade. Porque é que tu transformas UM DOS argumentos que é usado pelos críticos do comportamento homossexual em "o único" argumento?
    Tal como já disse várias vezes, tu tens o hábito de criar argumentos de palha e refutares o argumento que tu próprio criaste.

    É sempre mais fácil.

    ResponderEliminar
  42. Jairo, tinha vergonha de me chamar cristão se fosse como você.
    Insultar gratuitamente uma senhora... onde é que ficou o 'dar a outra face' seu hipócrita. Dá-me vómitos ao ler os seus comentários desonestos seu moralista da treta.

    ResponderEliminar
  43. Nina,
    o Jairo histérico é ainda mais delicioso do que o Jairo no seu costumado disparate. Agradeço a barrigada de riso que me proporcionou a reacção ao teu comentário.

    ResponderEliminar
  44. "Another relatively unknown fact: the blood of male homosexuals tends to be so contaminated with various viruses and bacteria that all male homosexuals who have been sexually active since 1977 are barred from donating blood."


    * On The Unhealthy Homosexual Lifestyle

    Se isto é verdade, então os EUA estão cheios de homofóbicos.

    ResponderEliminar
  45. "Jairo, tinha vergonha de me chamar cristão se fosse como você."

    Os cristãos também teriam vergonha se eu fosse cristão. Sou um péssimo exemplo. E isso vem ao caso, porquê?

    "Insultar gratuitamente uma senhora... onde é que ficou o 'dar a outra face' seu hipócrita."

    Não insultei gratuitamente uma senhora. Insultei justificadamente uma puta porca e reles. O "dar a outra face" fica no Sermão da Montanha, no Novo Testamento. Hipócrita és tu, cabrão imbecil, que queres que eu cumpra uma coisa que não tu não queres cumprir.

    "Dá-me vómitos ao ler os seus comentários desonestos seu moralista da treta."

    Vomita-te à vontade. Mas se queres ser cristão, começa por sê-lo antes de pregares a tua interpretação do cristianismo aos outros.

    Para umas coisas o cristianismo é abominável,mas para apelar a que não vos respondam com as mesmas armas,quando ofendem, humilham e atacam, já apelam a que os outros sejam cristãos e que vos ofereçam a outra face.

    Moralistas hipócritas e desonestos são vocês, dementes neoateuzinhos!

    ResponderEliminar
  46. "Estás mesmo a sugerir que todos os homossexuais toleram pedofilia? Tens dados que comprovem isso?"

    Estou a AFIRMAR que os simpatizantes da ideologia gayzista toleram a pedofilia, o que não é o mesmo que dizer todos os homossexuais, pois há heterossexuais que também simpatizam com essa MENTIRA ( a agenda política gay) e, por outro lado, há homossexuais que assumem ter um problema, não chamando Bem ao Mal, e não promovem, incentivam ou mentem sobre o que é a homossexualidade.

    Para todos os que mentem sobre a homossexualidade, dizendo que é a mesma coisa que heterossexualidade, como se as duas coisas fossem duas faces da mesma moeda; é claro que a pedofilia é aceitável. Isso ficou demonstrado na explicação que fiz no meu comentário ( antes de uma porca aparecer a ofender-me) e nos comentários anteriores de outras caixas de comentários por parte, por exemplo, do Nuvens de Fumo, utilizando argumentos para relativizar a pedofilia, os mesmos que os movimentos gays usam,com os quais nenhuma dos outros simpatizantes do movimento gay aqui presentes, obviamente, discordou.

    ResponderEliminar
  47. Wikipedia:

    «The case of International Lesbian and Gay Association (ILGA) illustrates this opposition. In 1993, ILGA, of which NAMBLA had been a member for a decade, achieved United Nations consultative status. NAMBLA's association with ILGA drew heavy criticism, and many gay organizations called for the ILGA to dissolve ties with NAMBLA.»

    «In 1994 the Gay & Lesbian Alliance Against Defamation (GLAAD) adopted a "Position Statement Regarding NAMBLA" saying GLAAD "deplores the North American Man Boy Love Association's (NAMBLA) goals, which include advocacy for sex between adult men and boys and the removal of legal protections for children. These goals constitute a form of child abuse and are repugnant to GLAAD.»

    «Almost all gay rights groups are opposed to NAMBLA and contend that their reason for disavowing NAMBLA has always been their sharing of the general public's disdain for pedophilia and child sexual abuse (as expressed in issues statements).»

    O próprio site do KKK associa o cristianismo ao racismo, tal como outros grupos terroristas como a Christian Identity. Pela lógica de certas pessoas, os cristãos apoiam o racismo e o terrorismo. Bravo! E os rabis que usam a Torah para defender casamentos e actos sexuais com meninas de menos 3 anos? Os judeus são pedófilos?

    Já agora o que são: lolitas, "barely legals", "rorikon" e "enjo-kōsai"? Existe até um canal chamado alt.sex.pedophilia.girls . Existem sociedades onde homens adultos casam e têm relações sexuais com raparigas de 12 anos...

    ResponderEliminar
  48. http://psychology.ucdavis.edu/rainbow/HTML/facts_molestation.html
    «Members of disliked minority groups are often stereotyped as representing a danger to the majority's most vulnerable members. For example, Jews in the Middle Ages were accused of murdering Christian babies in ritual sacrifices. Black men in the United States were often lynched after being falsely accused of raping White women. In a similar fashion, gay people have often been portrayed as a threat to children.» (...)
    «In recent years, antigay activists have routinely asserted that gay people are child molesters.» (...)
    «It has also been raised in connection with scandals about the Catholic church's attempts to cover up the abuse of young males by priests. Indeed, the Vatican's early response to the 2002 revelations of widespread Church cover-ups of sexual abuse by priests was to declare that gay men should not be ordained.» (...)
    «The distinction between a victim's gender and a perpetrator's sexual orientation is important because many child molesters don't really have an adult sexual orientation. They have never developed the capacity for mature sexual relationships with other adults, either men or women. Instead, their sexual attractions focus on children – boys, girls, or children of both sexes

    http://www.internationalorder.org/scandal_response.html
    «In addition to these claims, a number of conservative Christians have employed a version of the “slippery slope” argument, charging that the gay rights movement inevitably leads to tolerance for pedophilia by eroding all traditional norms of sexual behavior.» (...)
    «There are, however, two major problems with these claims which try to link homosexuality with pedophilia. First, the statistical data that has been cited is based upon a serious distortion of reputable scientists’ studies on child molestation. The scientists who authored the studies made no such claim about homosexuals posing a greater threat to children, and in fact in many cases explicitly argued the opposite. These scientists have concluded that pedophilia is a separate orientation from homosexuality and that the vast majority of molesters who target boys have either no interest in mature males or are heterosexual men who are attracted to the feminine characteristics of young boys.» (...)
    «Second, the “slippery slope” argument is based on the false premise that the protection of children from sexual activity is a long-standing part of the Judeo-Christian ethic, which has only recently come under assault as a result of the gay rights movement. In fact, throughout most of history, the Judeo-Christian tradition tolerated and even approved of sexual relations between adult males and girls of twelve years of age or even younger

    ResponderEliminar
  49. "uma puta porca e reles"...

    Uhhhhh... os meus atributos estao a aumentar e o nivel do nosso querido Sr. Entrecosto a revelar-se. Sr. Entrecosto, voce é absolutamente adoravel!

    ResponderEliminar
  50. Jairo

    Já não é a primeira vez que te armas em forte contra mulheres. Freud explica isso tudo, como já deves ter ouvido falar.

    Tu és realmente um desequilibrado, e não me admirava nada tivesses como ídolo aquela pessoa extremamente dotada intelectualmente chamada Mário Machado. Esse mesmo lagarto parolo amante de armas, já que elas têm buraco, não refilam e movem-se menos que as ovelhas.

    http://fc05.deviantart.net/fs40/f/2009/015/c/8/Follow_Your_Leader_by_Esonax.jpg

    Era um favor que fazias à sociedade, pois não passas de um verme mal abortado.

    ResponderEliminar
  51. http://www.allaboutcounseling.com/sexual_abuse.htm#sa7
    «Statistics only come from reporting, so we don’t have accurate, objective numbers. But based on the reports we have, it’s believed that 1 in 3 girls is sexually abused, and a general consensus of 1 in 5 to 1 in 7 boys is sexually abused.»

    http://www.mental-health-matters.com/index.php?option=com_content&view=article&id=519
    «Feels more comfortable with children than adults. Is mainly attracted to prepubescent boys and girls. Can be heterosexual, homosexual, or bisexual.»
    «Are primarily (but not always) male, masculine, better-educated, more religious than average, in their thirties, and choose jobs allowing them greater access to children.»

    http://www.minddisorders.com/Ob-Ps/Pedophilia.html
    «Pedophilia is more common among males than among females. In addition, the rate of recidivism for persons with a pedophilic preference for males is approximately twice that of pedophiles who prefer females.»

    http://www.ipce.info/ipceweb/Library/97-048_article.html
    «The Adult Heterosexual Interest and Female Pedophilic Interest subscales of the Laws (1986) Sexual Interest Card Sort had Cronbach's lphas of .91 and .95, respectively. The Cronbach's alphas for the Adult Heterosexual Activity and Female Pedophilic Activity were .71 and .72, respectively.» (...) «Seventy-nine of the 80 subjects indicated at least some sexual interest in adult women, and all 80 subjects reported that they had engaged in sexual acts with adult women (mean number of acts =3D 9.44, SD =3D 1.61).» (...) «Adult heterosexual interest was correlated .36 with adult heterosexual acts. Heterosexual pedophilic interest was correlated .42 with heterosexual pedophilic acts. Adult heterosexual interest was correlated .19 with heterosexual pedophilic interest.»

    http://www.victimsofviolence.on.ca/rev2/index.php?option=com_content&task=view&id=356&Itemid=46
    «They maintain that pedophilia (or as NAMBLA calls it, inter-generational sex) is a sexual orientation or preference just like homosexuality or heterosexuality.» (lembra-me o Jónatas Machado...)
    The Rene Guyon Society «According to them, men should be able to have sex with girls as young as 10.»

    ResponderEliminar
  52. A Xangrylah prova que utilizar calão e ofender-vos pessoalmente é justificado. Ela traduz tudo aquilo que vocês pensam sobre quem não engole a treta da agenda gay: é nazi, odeia homossexuais, quer matá-los.

    Daí que depois, por eu chamar "puta" a uma desconhecida que me aconselhou a ser sodomizado sem eu lhe perguntar nada, já seja razão para me desejarem a morte, desejo que, permitam-me a suspeição, não vos deve chocar muito.

    ResponderEliminar
  53. E portanto, respondendo agora à puta que veio em socorro da sua colega:

    "Era um favor que fazias à sociedade, pois não passas de um verme mal abortado."

    Em resposta a isto só lhe tenho a dizer que não faço favores a "sociedades" que toleram a pedofilia, como é o caso deste blogue, da autoria e frequentado por pessoas que dizem ser um direito de expressão os pedófilos lutarem pela legalização das suas intenções diabólicas.

    ResponderEliminar
  54. Offtopic mas não tanto:

    Alguém sabe como é que se editam scripts no Mac para instalar no Chrome?

    ResponderEliminar
  55. Foste o primeiro a ser ordinário, pois só uma mente doentia se sentiria ofendido em tão alto grau com o que a nina falou. Agora ficas todo amofinado quando alguém te fala ao mesmo nível... hipócrita.
    Antes ser puta que ser filho de uma.

    ResponderEliminar
  56. Mats,

    «a questão da saúde pública é UM DOS argumentos contra a normalização da homossexualidade.»

    Pode ser. O que aponto não é que só tenhas um argumento mas que sejas inconsistente na sua aplicação.

    Nota que dizes que o problema da saúde é um argumento contra a prática do sexo anal mas não admites que a mesma questão será um argumento a favor da prática do sexo oral.

    Ou dizes que a saúde pública é um argumento a favor das pessoas se casarem antes de iniciar a vida sexual e terem sexo apenas dentro do casamento mas não admites que esse argumento se aplica igualmente, ou mais ainda, ao casamento homossexual.

    É por estas inconsistências que eu concluo que estás a apresentar como argumento em favor da tua posição algo que não tem nada que ver com a razão que te leva a defendê-la: puro preconceito religioso.

    ResponderEliminar
  57. Jairo,

    «Ludwig, tem cuidado com a tua claque.»

    Tenho sempre cuidado com quem comenta aqui. Tenho o cuidado de não debitar insultos infantis, não gritar que me ferem a honra e não descer ao nível de quem o faz.

    Evito assim ser alvo da chacota de pessoas inteligentes. E a dos outros pouco me importa.

    Espero que este comentário não te ofenda ou, se ofender, que pelo menos percebas porquê.

    ResponderEliminar
  58. "Antes ser puta que ser filho de uma."

    Desculpa esfarrapada. Não tens culpa daquilo que a tua mãe fazia, mas já tens culpa do que andas a fazer. Essa é que é essa, desculpa lá se as verdades magoam.

    ResponderEliminar
  59. Francisco,

    Não tenho Mac, por isso não sei se funciona, mas aqui tens umas dicas para instalar o greasemonkey.

    Editar o js em si é trivial, com qualquer editor de texto.

    ResponderEliminar
  60. "Espero que este comentário não te ofenda ou, se ofender, que pelo menos percebas porquê."

    Não percebi. Era para ofender em que sentido?

    ResponderEliminar
  61. Ludwig,
    Nota que dizes que o problema da saúde é um argumento contra a prática do sexo anal mas não admites que a mesma questão será um argumento a favor da prática do sexo oral.


    Achas?

    According to the American Cancer Society, 34,000 people a year are diagnosed with oral cancer, and 7,500 die from it. Only half of those diagnosed survive five years. While oral cancers, along
    with cancers of the larynx, are strongly tied to smoking, the newest shocking revelation is that more and more cases of oral cancer are now linked to oral sex.


    http://www.edwatch.org/pdfs/040308-cancerw.pdf

    "Today, oral cancer is another by-product of promiscuity and society’s acceptance of oral sodomy as simply another choice in a sexual repertoire."

    The American Journal of Epidemiology (F.N. Judson vol. 112, p 836-43) reports, “Studies have also indicated that the body’s natural immune system is broken down by repeated exposure to sperm during anal (and oral) intercourse

    De acordo com as evidências médicas, o sexo oral não é benéfico.

    ResponderEliminar
  62. "De acordo com as evidências médicas, o sexo oral não é benéfico."

    Obviamente.
    E como se o puro bom-senso já não fosse suficiente para chegar a essa conclusão.

    ResponderEliminar
  63. "Desculpa esfarrapada. Não tens culpa daquilo que a tua mãe fazia, mas já tens culpa do que andas a fazer. Essa é que é essa, desculpa lá se as verdades magoam."

    Hahahahahah!!!!!... boa Sr. Entrecosto, cada vez mais delicioso! Eu nao percebo é como consegue aferir a profissao das pessoas apenas por elas discordarem de si... ou se era para ofender as mulheres, deveria ter escolhido uma profissao diferente... antropologicamente, a prostutuição é uma profissao muito conceituada em muitas sociedades humanas. Para a proxima escolha "advogada" ou uma cena nojenta assim!... ui!,isso é que ia ser uma guerra!...

    ResponderEliminar
  64. "Não percebi. Era para ofender em que sentido?"

    Nao vale a pena, Ludwig, ele nao percebe mesmo!...pessoalmente acho que vou deixar de o tourear... pelo menos neste post. Ja esta a começar a repetir-se e a tornar-se monotono. mas anseio por novos disparates para dar umas risadas...

    ResponderEliminar
  65. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  66. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  67. Mats,
    Esqueceu-se do resto do estudo:

    The May 10, 2007 New England Journal of Medicine reported a study by scientists that analyzed throat swabs from 100 patients who had oropharyngal cancer, and 200 people without the disease.
    The results showed, “The cancer patients were 12 times as likely as the others to have an active HPV infection….HPV-16 DNA showed up in 72 percent of the throat cancers.” This is the strain considered most likely to cause cancer. HPV-16 can transform normal cells in the mucous
    membranes—like those lining both the cervix and oral cavity—into cancerous squamous cells.

    Qual é a novidade? Mucosas sao mucosas e o virus nao é esquisito. O mesmo virus é responsavel pelo cancro do colo do utero... usando o seu raciocinio, podemos concluir que:

    O coito vaginal não é benéfico... ups!

    ResponderEliminar
  68. Nina,
    Mas a referência que pus não era em relação ao virus ser "esquisito" mas sim aos malefícios médicos do sexo oral. Segundo os dados médicos, cada vez mais casos de cancro oral estão ligado ao sexo oral.

    "Studies have also indicated that the body’s natural immune system is broken down by repeated exposure to sperm during anal (and oral) intercourse"

    Sinceramente, não entendo o porquê da resistência dos ateus em relação ao que os dados médicos mostram em relação a certas práticas sexuais.

    Eu assumo que vocês concordem que existem práticas sexuais que são más para o corpo humano, certo? Ou será que vocês condicionam a interpretação à luz da ideologia ateísta?

    ResponderEliminar
  69. A nina confessa que teve a intenção de me "tourear" e que chamar-lhe prostituta não a ofende porque considera o ofício uma profissão digna.(não lhe gabo o estado de saúde mental)

    Para quê tanta baba e ranha por eu ter usado calão?

    ResponderEliminar
  70. Mats,

    "Eu assumo que vocês concordem que existem práticas sexuais que são más para o corpo humano, certo?"

    Claro que não. Dá prazer a alguém, em algum parte do mundo,logo é saudável.
    Repare-se que a ordinária nina, em resposta a eu ter comentado a badalhoquice que são certas práticas, responde-me que elas dão prazer.

    É isto que os tipos querem ensinar na escola pública, metendo-se na cama dos outros a propósito da saúde pública. Que bela ironia, Ludwig.

    ResponderEliminar
  71. Comer doces não é benéfico. Toca a encerrar pastelarias e a condenar quem expõe os filhos a sumos naturais. Mete até nojo ver meter açúcar na bica.

    Usar o computador não é benéfico. As lesões no pulso aumentaram, crianças muito novas começam a ter problemas de acomodação visual, já para não falar no aumento da obesidade devido ao sedentarismo.

    A gravidez não é benéfica. O parto continua a ser uma das principais causas de morte entre as mulheres. As lesões pélvicas devido a partos sucessivos são autênticas violências ao nosso corpo.

    A vida não é benéfica. A probabilidade de se acabar morto é enorme!

    ResponderEliminar
  72. Mats,
    Evidentemente ha praticas qua sao "más" para o corpo humano... sexo (coportamentos de risco) é apenas uma delas. Posso enumerar centenas de praticas que colocam o risco o corpo humano. Neste contexto, sexo oral nao é pior do que fumar, e nao é por isso que fumar é um comportamento socialmente reprovavel. Conduzir uma viatura é provavelmente uma das praticas piores para o corpo humano... mas nao é por isso que as pessoas consideram conduzir (ou no caso de Portugal, ignorar as boas praticas de condução) um comportamento a combater.

    ResponderEliminar
  73. http://www.youtube.com/watch?v=nULKw8s061E

    ResponderEliminar
  74. "que chamar-lhe prostituta não a ofende porque considera o ofício uma profissão digna.(não lhe gabo o estado de saúde mental)"

    Querido Sr. Entrecosto, nao me ofende porque voce nao me conhece e o insulto, vindo de "such lowlife" e sendo competamente infundado, nao me atinge minimamente. Voce pode atirar-me com os insultos que quiser, meu querido, serao totalmente irrelevantes e completamente ignorados... tal como voce, ignorante e irrelevante...sorry!
    Mas se tiver um pouco de espirito e de letras para me fazer tirar do serio, esteja à vontade... embora me pareça que pelos exemplos que tem dado, de espirito nao tem nem um átomo e de letras, tem apenas as que soletram as palavraS IDIOTA CHAPADO. Mas nao se sinta vencido... tal nao é imoral, pecaminoso ou reprovavel. Apenas lamentavel...

    ResponderEliminar
  75. LOL @ Xangrylah, muito bom. Era merecido xD

    ResponderEliminar
  76. Nina,
    Neste contexto, sexo oral nao é pior do que fumar

    Ser comido por um leão provavelmente não é pior que ser comido por um tubarão, mas ambas são horríveis. Tu estás a comparar o mau com o menos mau. Mas isto não é uma discussão entre o mau e o menos mau, mas sim entre o bom e o mau. De acordo com a Medicina, o SO (sexo oral) não é bom. Que seja menos mau que fumar é irrelevante.
    e nao é por isso que fumar é um comportamento socialmente reprovavel.

    O ser "socialmente aceite" não é um bom argumento. Durante os anos 30 era "socialmente aceite" ser-se preconceituoso contra os judeus, mas isso está errado, como deves concordar.

    Conduzir uma viatura é provavelmente uma das praticas piores para o corpo humano...

    Não é a condução que é má, mas a má condução.

    Repito: quando comparas o SO com outras coisas más, não refutas o que eu disse. O que importa é que o SO é clinicamente mau.

    ResponderEliminar
  77. Mats,

    Pelo que vi nas referências que deste, o cancro do colo do útero é cerca de dez vezes mais frequente (16 em 100,000) que o da garganta (1-2 em 100,000), e isto inclui o cancro da garganta causado pelo tabaco. Ainda assim o risco do sexo vaginal é maior que o oral.

    Mas pode-se sempre usar as mãos. Não conheço casos de cancro na palma das mãos por HPV. És a favor da masturbação como substituto do sexo para prevenção de DSTs?

    ResponderEliminar
  78. Às tantas, na canção de ódio que alguém postou aqui, é dito "O teu ponto de vista é medieval."

    Só mesmo estúpidos ignorantes pensam que chamar alguém medieval é um insulto, não fosse a Idade Média um dos períodos mais importantes e prósperos da História.

    Eu não odeio homossexuais. Até porque não conheço nenhum, logo, será díficil odiar quem não conheço.

    O pessoal da agenda gay é que me incomoda, porque só dizem mentiras e e são um antro de fanáticos, antissociais, revolucionários e até pedófilos.

    ResponderEliminar
  79. Mats,

    «Eu assumo que vocês concordem que existem práticas sexuais que são más para o corpo humano, certo?»

    Não disputo isso. O problema é a ordem dos riscos. O sexo anal é mais arriscado, seguido do sexo vaginal, depois o oral e por fim a masturbação (desde que evitando aparelhos a 220V).

    Pelo argumento da saúde pública e privada, devias advogar a masturbação acima de tudo, e sexo oral se tivesse mesmo de ser.

    Ou estás a defender que o coito vaginal é o mais seguro de todos? É que para isso não parece haver evidências nenhumas...

    Já agora, até a dar um beijo podes apanhar herpes labial. Ou uma gripe num aperto de mão.

    ResponderEliminar
  80. Xangrylah,

    «Comer doces não é benéfico.»

    Mau... Sexo anal, pedofilia e assim tudo bem. Não tenho muitos tabus. Mas já estou a ver a conversa a chegar muito perto dos chocolates. Vamos lá a ter cuidadinho com o que criticamos...

    ;-)

    ResponderEliminar
  81. Mats,

    «Ser comido por um leão provavelmente não é pior que ser comido por um tubarão, mas ambas são horríveis.»

    Quando se fala de sexo oral tem-se por implícito que não é com um leão nem com um tubarão. Mas, se era essa a confusão, já percebo as tuas objecções...

    ResponderEliminar
  82. Mats,
    Tem razao, nao me fiz entender bem. No entanto o Ludwig completou o meu raciocinio perfeitamente por isso nao o vou repetir. :-)

    ResponderEliminar
  83. Jairo:

    "Só mesmo estúpidos ignorantes pensam que chamar alguém medieval é um insulto, não fosse a Idade Média um dos períodos mais importantes e prósperos da História."

    Assim é que é. Bem dito. Logo a seguir à pré-história está logo ali nas épocas mais prosperas. Há, belos tempos em que mandavam ateus e bruxas prá fogueira, hã?

    ResponderEliminar
  84. Ludwig,
    Pelo que vi nas referências que deste, o cancro do colo do útero é cerca de dez vezes mais frequente (16 em 100,000) que o da garganta (1-2 em 100,000), e isto inclui o cancro da garganta causado pelo tabaco. Ainda assim o risco do sexo vaginal é maior que o oral.<

    Não sei onde viste esse dados no artigo que eu dei, mas vamos aceitar como verdade. Dito isto, é fácil de ver o porque de haver mais pessoas com doenças relativas ao SV (sexo vaginal) do que o SO. Existem mais mulheres a praticar o primeiro do que o segundo.
    Semelhantemente, há mais mortes nas estradas de Lisboa do que nas estradas de (por exemplo) Caxias. Isto não quer dizer que os condutores em Caxias são muito bons, mas apenas e só que há mais pessoas a conduzir em Lisboa.

    Segundo, os problemas que ocorrem no SV não devido a natureza do mesmo, mas às doenças que as pessoas já tem, independentemente de como fazem o acto sexual. No caso do SO, o problema é mesmo a natureza do acto

    És a favor da masturbação como substituto do sexo para prevenção de DSTs?

    Não.
    A tua pergunta assume outra vez que a única razão segundo a qual eu sou contra algumas práticas é a razão de saúde. Ela é uma, mas há mais.


    O problema é a ordem dos riscos. O sexo anal é mais arriscado, seguido do sexo vaginal, depois o oral e por fim a masturbação (desde que evitando aparelhos a 220V).

    Acho que inverteste o SO com o SV. O primeiro é clinicamente mais prejudicial.

    Ou estás a defender que o coito vaginal é o mais seguro de todos? É que para isso não parece haver evidências nenhumas.

    Quando comparado com os efeitos de outras formas. o SV é o normal:

    "The vagina has natural lubricants and is supported by a network of muscles. It is composed of a mucus membrane with a multi-layer stratified squamous epithelium that allows it to endure friction without damage and to resist the immunological actions caused by semen and sperm." JOHN R. DIGGS, JR., M.D.

    Quando se fala de sexo oral tem-se por implícito que não é com um leão nem com um tubarão. Mas, se era essa a confusão, já percebo as tuas objecções..


    Engraçadinho.

    ResponderEliminar
  85. Mandar-te para a fogueira acho um desperdício. Mas para uma escola como deve ser talvez não fosse má ideia...

    Vai estudar, e não me aborreças. Estás à procura do quê, ao acusares-me de ser apreciador de mortes na fogueira?

    ResponderEliminar
  86. João,
    Não sei quem foi que disse isso sobre a Idade Média, mas quem o disse foi factual. Ao contrário do que nos foi "ensinado"/indoutrinado, a Idade Média foi de facto um era que teve muitos e significativos avanços científicos e tecnológicos.

    Para além da cosmovisão certa como pano de fundo, foi o conhecimento acumulado desses anos que permitiu que a Europa cristão pudesse ser palco da Revolução científica.

    Claro, houve erros (e não poucos) mas não podes negar a História como forma de avançares com o teu ateísmo.

    ResponderEliminar
  87. Mats,

    «Segundo, os problemas que ocorrem no SV não devido a natureza do mesmo, mas às doenças que as pessoas já tem, independentemente de como fazem o acto sexual. No caso do SO, o problema é mesmo a natureza do acto»

    Errado. Duas pessoas sem doenças não podem contagiar-se uma à outra façam sexo onde fizerem.

    «A tua pergunta assume outra vez que a única razão segundo a qual eu sou contra algumas práticas é a razão de saúde. Ela é uma, mas há mais.»

    Não é questão de haver mais. A questão é que essa outra é a determinante.

    Se a tua religião diz que é pecado pôr a pilinha ali, então se faz mal tu dizes que faz mal, mas se não faz dizes ah, não é por isso. Mais vale seres honesto e admitires logo à partida que é como a tua religião mandar e o resto é conversa.

    ResponderEliminar
  88. Mats:

    "ensinado"/indoutrinado, a Idade Média foi de facto um era que teve muitos e significativos avanços científicos e tecnológicos."

    Sim, no mundo islamico e no oriente longinquo. (Onde ja não havia dragões a sério).

    ResponderEliminar
  89. Ludwig,
    «Segundo, os problemas que ocorrem no SV não devido a natureza do mesmo, mas às doenças que as pessoas já tem, independentemente de como fazem o acto sexual. No caso do SO, o problema é mesmo a natureza do acto»

    Errado. Duas pessoas sem doenças não podem contagiar-se uma à outra façam sexo onde fizerem.


    Dois homossexuais sem doenças podem causar problemas físicos um no outro se persistirem no sexo anal (SA). O nosso corpo está constantemente a ser atacado por viroses , e a actividade homossexual abre portas a esses virus. É mesma coisa que construíres a tua casa sobre uma rocha ou sobre areia. A chuva cai nas duas, mas a casa na rocha fica firme porque tem bons fundamentos, mas a segunda é destruída.

    «A tua pergunta assume outra vez que a única razão segundo a qual eu sou contra algumas práticas é a razão de saúde. Ela é uma, mas há mais.»

    Não é questão de haver mais. A questão é que essa outra é a determinante.

    Se a tua religião diz que é pecado pôr a pilinha ali, então se faz mal tu dizes que faz mal, mas se não faz dizes ah, não é por isso.


    Eu estou a usar argumentos que tu e os outros ateus dizem aceitar, nomeadamente, científicos/médicos. Quao eficaz eu seria para ti e para os outros se eu apenas chegasse aqui e dissesse que quem faz esses actos peca gravemente contra o Criador, e se morre nesse pecado vai para o inferno?
    Tu estás a cometer a falácia genética. Não interessam quais são as causas do meu argumento. O que nós temos que ver se o que eu disse (que nem são coisas inventadas por mim, mas coisas descritas por médicos, etc) é verdade ou não. Até agora, não tenho razões para duvidar do que os médicos citados disseram.

    Mais vale seres honesto e admitires logo à partida que é como a tua religião mandar e o resto é conversa.

    Eu posso formular as minhas respostas da forma que eu vir que é mais eficiente.

    ResponderEliminar
  90. João,

    "ensinado"/indoutrinado, a Idade Média foi de facto um era que teve muitos e significativos avanços científicos e tecnológicos."

    Sim, no mundo islamico e no oriente longinquo. (Onde ja não havia dragões a sério).


    Curioso, então, que a Revolução Científica não tenha acontecido lá.

    ResponderEliminar
  91. Jairo:

    Estás à procura do quê, ao acusares-me de ser apreciador de mortes na fogueira?

    Ficaste aborrecido? Tu é que disseste:

    "não fosse a Idade Média um dos períodos mais importantes e prósperos da História."

    Naõ havia liberdade individual, a maior parte da população trabalhava para outrem a troco de ter o que comer, o Igreja cobrava indulgencias, o regime politico era ditatorial, o conhecimento era reduzido ao que não contrariasse aristoteles, a literatura produziu quase sempre a mesma coisa. A musica era monofonica. As artes plasticas eram inferiores à grega e romana e as pessoas faziam as nessecidades á porta de casa. Havia tanta falta de higiene e saneamento básico que as pulgas com origem nos ratos quase mataram com peste negra toda a população europeia, naquilo que foi o primeiro episodeo de guerra biologica conhecido - foram os turcos que atiraram os primeiros cadaveres infectados.

    Ateus e cientistas eram queimados na fogueira ou enclausurados. Os prisioneiros de guerra eram torturados e os crimes tinham muitas vezes pena de morte em praça publica.

    Mas se queres que vá estudar ainda te arranjo mais coisas para mostrar a dimensão do disparate que disseste.

    Há, e aquela porcaria durou 10 seculos. Mil anos. Mil anos de atrocidades foi o que a moral absoluta deu à humanidade.

    ResponderEliminar
  92. Mats:

    Pois é. A ciencia começou no mundo arabe. Se não sabias devias ir estudar porque é muito interessante. Caso queiras saber...

    Foi preciso acabar a idade média para que aqueles principios pudessem ser aplicados ca.

    O Pedro Couto tem umas coisas no blogue dele se quiseres procurar.

    ResponderEliminar
  93. "Ficaste aborrecido? Tu é que disseste:"

    "não fosse a Idade Média um dos períodos mais importantes e prósperos da História."

    Disse e repito! Onde é que está a aí a dizer que gosto de queimar pessoas em fogueiras?!

    Palhaço.

    ResponderEliminar
  94. E esqueci-me de uma coisa muito importante. Não havia medicina. A esperança media de vida era abaixo de sessenta (ser-se sexagenário era o topo da carreira para os sortudos - comparem com hoje).

    Não havia meios de comunicação, não havia literacia. As pessoas pensavam que a terra era plana e que girava à volta do sol.

    O conhecimento dos povos antigos perdeu-se ou foi destruido, incluindo (mas não só) engenharia romana que só viria a ter equivalente no ultimo periodo mediaval ou idade media tardia.

    A unica coisa boa que a idade média teve foi a explisão de alivio que sucedeu a sua queda.

    ResponderEliminar
  95. "As pessoas pensavam que a terra era plana e que girava à volta do sol."

    E o Galileu foi queimado na fogueira, e o Giordano Bruno era um cientista.

    Paciência.

    ResponderEliminar
  96. ""Disse e repito! Onde é que está a aí a dizer que gosto de queimar pessoas em fogueiras?!

    Palhaço."

    Pois não te parece boa ideia? Perfeitamente de acordo. Deves estar de acordo que uma epoca em que isso era feito em nome de deus era uma má epoca - um sinal fortissimo de imoralidade - uma vez que eram condenadas pelo que diziam e não pelo que faziam.

    Mas como disseste que essa era uma epoca prospera, a não ser que estivesses a falar do ponto de vistas das pulgas e dos ratos, penso que não estas a fazer muita lógica. E aproveitei para gozar contigo.

    Não andas de qq modo com um comportamento muito pacifico. Se achas que dizer que uma epoca rainha em atrocidades foi boa te da uma aura de boa moral, não dá. Eu não votava em ti nem que me pagassem.

    Joao

    ResponderEliminar
  97. ""E o Galileu foi queimado na fogueira, e o Giordano Bruno era um cientista."

    Não, deram-lhes uma casa no campo com todas as mordomias. Giordano bruno era um pensador livre, mas se tu achas que a fogueira lhe acenta porque ele não era cientista...

    ResponderEliminar
  98. Podias ter ao menos corrigido quem girava à volta de quem, que eu aceitava sem reservas. Afinal nem deus é perfeito não +e?

    ResponderEliminar
  99. Uma época que se dissesses que nºao eras religioso - como ja disseste - acabavas no churrasco.

    Ficava o entrecosto esturradito.

    ResponderEliminar
  100. Mats: «Curioso, então, que a Revolução Científica não tenha acontecido lá.»

    http://www.aina.org/books/hgsptta.htm

    http://www.columbia.edu/~gas1/project/visions/case1/sci.1.html

    http://en.wikipedia.org/wiki/Scientific_method#Introduction_to_scientific_method

    http://en.wikipedia.org/wiki/Ibn_al-Haytham

    http://en.wikipedia.org/wiki/History_of_science#Science_in_the_Islamic_world


    http://www.1001inventions.com/index.cfm?fuseaction=main.viewSection&intSectionID=309

    http://crerparaver.blogspot.com/2008/12/hbito-de-usarem-evidncias-cientficas.html

    O que não é curioso é a presunção dos que se dizem humildes. Que eu saiba foi um muçulmano que inventou o método científico (Alhazen) e foram os muçulmanos que conservaram o que os cristãos destruíram, inventaram a farmácia, o hospital, a quarentena, a lei da gravidade, etc. Talvez se não existissem os cruzados, seria um muçulmano a falar em Revolução Científica e sobre um muçulmano que disse «o Corão mostra como se vai para o céu, e não como vai o céu».

    ResponderEliminar
  101. "What we call science arose as a result of new methods of experiment, observation, and measurement, which were introduced into Europe by the Arabs. [...] Science is the most momentous contribution of Arab civilization to the modern world, but its fruits were slow in ripening. [...] The debt of our science to that of the Arabs does not consist in startling discoveries or revolutionary theories; science owes a great deal more to Arab culture, it owes its existence....The ancient world was, as we saw, pre-scientific. [...] The Greeks systematized, generalized and theorized, but the patient ways of investigations, the accumulation of positive knowledge, the minute methods of science, detailed and prolonged observation and experimental inquiry were altogether alien to the Greek temperament.

    ^ a b Robert Briffault (1928). The Making of Humanity, p. 190-202. G. Allen & Unwin Ltd.

    ResponderEliminar
  102. Pedro:

    Como é que eles se podem dizer humildes? Eles acham que isto tudo existe por causa deles.

    ResponderEliminar
  103. João,

    A ciencia de certo que não começou no "mundo árabe" (lol), e a revolução científica deu-se na europa.

    Isto nao é difícil de entender, João, embora seja dificil de harmonizar com a crença e que o cristianismo é contra a ciência.

    A Revolução cientíica não aconteceu na europa cristã por acaso.

    ResponderEliminar
  104. Jairo Entrefolh... ai, Entrecosto.

    "Só mesmo estúpidos ignorantes pensam que chamar alguém medieval é um insulto, não fosse a Idade Média um dos períodos mais importantes e prósperos da História."

    Faz sentido. Daí que esse período seja também chamado idade das trevas. Isso deve ser um daqueles fenómenos metafísicos tipo a trindade que é só um, ou a transubstanciação em que nada muda.

    ResponderEliminar
  105. Faz sentido. Daí que esse período seja também chamado idade das trevas. Isso deve ser um daqueles fenómenos metafísicos tipo a trindade que é só um, ou a transubstanciação em que nada muda.


    Da vossa Wikipedia:

    These advances, however, were suddenly interrupted by the Black Plague and are virtually unknown to the lay public of today, partly because most theories advanced in medieval science are today obsolete, and partly because of the stereotype of Middle Ages as supposedly "Dark Ages".


    http://en.wikipedia.org/wiki/Science_in_the_Middle_Ages

    ResponderEliminar
  106. Mats,

    também na mesma página:

    «Whereas the ancient cultures of the world (i.e. those prior to the fall of Rome and the dawn of Islam) had developed many of the foundations of science, it was during the Middle Ages that the scientific method was born and science became a formal discipline separate from philosophy. There were scientific discoveries throughout the world, as in the Islamic world, in the Mediterranean basin, China and India, while from the 12th century onwards, the scientific development in Western Europe began to catch up again.» (...)

    «As Roman imperial authority effectively ended in the West during the 5th century, Western Europe entered the Middle Ages with great difficulties that affected the continent's intellectual production dramatically. Most classical scientific treatises of classical antiquity written in Greek were unavailable, leaving only simplified summaries and compilations. Notwithstanding, with the beginning of the Renaissance of the 12th century, interest in natural investigation was renewed.» (...) «Until the late Middle Ages and the Renaissance, Western Europe, except Spain, would lag far behind the scientific knowledge of the Eastern Roman, or Byzantine Empire and the Muslim empires.» (...)

    «Because of the decline of the Byzantine Empire and the medieval Muslim empires much of the scientific progress of the medieval period slowed significantly during the late Middle Ages. Progress was finally re-ignited by the European Scientific Revolution which followed its Renaissance period

    «The rediscovery of the works of Aristotle, alongside the works of medieval Islamic and Jewish philosophers (such as Avicenna, Averroes and Maimonides) allowed the full development of the new Christian philosophy and the method of scholasticism.»

    «The cultural scenario started to change after the Reconquista and during the Crusades, as interaction with the Arabs brought Europeans into contact with ancient Greek, Roman/Byzantine and Arabic manuscripts

    «In earlier Islamic versions of the scientific method, ethics played an important role. Islamic scholars used previous work in medicine, astronomy and mathematics as bedrock to develop new fields such as algebra, chemistry, clinical pharmacology, experimental physics, sociology, and spherical trigonometry.» (...) «Muslim scientists placed far greater emphasis on experiment than had the Greeks. This led to the scientific method being developed in the Muslim world» (...) «The most important development of the scientific method was the use of experiments to distinguish between competing scientific theories set within a generally empirical orientation, which began among Muslim scientists.» (...) «Some have also described Ibn al-Haytham as the "first scientist" for his development of the scientific method.»

    ResponderEliminar
  107. João,
    Deixa-me recapitular:

    1. O Jairo disse que a Idade Média foi uma época de avanços tecnológicos.

    2. Tu dizes que não, não foi.

    3. Eu disse-te que sim, foi sim senhor, e que foi o conhecimento acumulado desses anos que permitiu que a Europa cristão pudesse ser o palco da Revolução científica.

    4. Tu dizes que, bem, se calhar até foi, mas só no oriente e só nas zonas muçulmanas.

    5. Eu digo-te que a revolução científica ocorreu na europa cristã e não nas zonas muçulmanas por alguma razão.

    6. Tu dizes que ocorreu na europa graças ao conhecimento dos muçulmanos e apontas para os links do PAC.

    7. O PAC fornece-nos links que mostram que o conhecimento da Idade Média era de facto avançado, tal como o Jairo disse inicialmente, e que tu contestaste.

    Estás pronto a concordar com o Jairo, e admitir que o conhecimento científico foi substancial durante a Idade Média (não só na europa, mas especialmente na europa), ou vais continuar a pensar que é graças ao (des)Iluminismo que nós hoje sabemos descascar maçãs?

    ResponderEliminar
  108. João,

    Como é que eles se podem dizer humildes? Eles acham que isto tudo existe por causa deles.


    Dizer que a Revolução científica aconteceu na Europa não quer dizer que nós pensemos que tudo o que existe seja por nossa causa.

    Além disso, do ponto de vista ateu, a humildade é uma coisa relativa. Ser-se ou não humilde tem o mesmo valor.

    ResponderEliminar
  109. Também na Wikipedia:
    http://en.wikipedia.org/wiki/Islam_and_science

    «Unlike the other Abrahamic monotheistic religions, Judaism and Christianity, the Islamic view of science and nature is continuous with that of religion and God. This link implies a sacred aspect to the pursuit of scientific knowledge by Muslims, as nature itself is viewed in the Qur’an as a compilation of signs pointing to the Divine» (...) «According to most historians, the modern scientific method was first developed by Islamic scientists, pioneered by Ibn Al-Haytham, known to the west as “Alhazen» (...) «A number of modern scholars such as Fielding H. Garrison, Bertrand Russell, Abdus Salam and Hossein Nasr consider modern science and the scientific method to have been greatly inspired by Muslim scientists who introduced a modern empirical, experimental and quantitative approach to scientific inquiry.» (...) «It is believed that it was the empirical attitude of the Qur'an and Sunnah which inspired medieval Muslim scientists, in particular Alhazen (965-1037),to develop the scientific method. It is also known that certain advances made by medieval Muslim astronomers, geographers and mathematicians was motivated by problems presented in Islamic scripture, such as Al-Khwarizmi's» (...)
    etc, etc, etc

    http://en.wikipedia.org/wiki/Islamic_Golden_Age

    ResponderEliminar
  110. Mats: «O PAC fornece-nos links que mostram que o conhecimento da Idade Média era de facto avançado, tal como o Jairo disse inicialmente, e que tu contestaste.»

    O João tinha escrito: «Sim, no mundo islamico e no oriente longinquo. (Onde ja não havia dragões a sério).»
    O Mats respondeu: «Curioso, então, que a Revolução Científica não tenha acontecido lá»

    Nos links que colocaste é dito que os muçulmanos e os povos com maior influência dos muçulmanos, como a Espanha, é que tinham conhecimento e culturas avançadas durante a Idade Média. Só depois do século XII, no Renascimento, é que o resto da Europa acompanhou o progresso científico e cultural, por influência dos muçulmanos e das obras clássicas (helénicas e latinas) que conservaram. No século XV começou a haver um declínio entre os árabes.

    O problema do termo "Idade das Trevas" é na conotação popular: a ideia de que houve um colapso económico e nenhuma inovação artística e popular durante toda a Idade Média, o que não é verdade. Mas é verdade que deixou de haver, por exemplo, uso da canalização na Europa (que foi inventada pelos gregos e expandida pelos romanos) e existem poucos registos artísticos e literários comparados com o período clássico e renascentista. Na maioria da Europa! Na Arábia, China e Índia não.

    Portanto, o que o Mats disse é uma meia-verdade, com o seu preconceito em relação aos muçulmanos e faccionismo e apoio exclusivo dos cristãos.

    ResponderEliminar
  111. Mats: «Além disso, do ponto de vista ateu, a humildade é uma coisa relativa. Ser-se ou não humilde tem o mesmo valor.»

    Demonstre lá como chegas a essa pérola de sabedoria em vez de fazer uma mera asserção.

    ResponderEliminar
  112. Mats já tinha usado essa página que é simplesmente uma carta de um cristão à Hewlett Packard Corporation, mais especificamente a Carly Fiorina, que tinha escrito: «Concern for the security of our employees who are of Middle Eastern descent or who practice the Muslim religion here in the US and abroad.» (...) «The technology industry would not exist without the contributions of Arab mathematicians. Sufi poet-philosophers like Rumi challenged our notions of self and truth. Leaders like Suleiman contributed to our notions of tolerance and civic leadership.»

    A autoridade e conhecimento desse cristão fundamenta-se nisto:
    «As an Assyrian, a non-Arab, Christian native of the Middle East, whose ancestors reach back to 5000 B.C., I wish to clarify some points you made in this little story, and to alert you to the dangers of unwittingly being drawn into the Arabist/Islamist ideology, which seeks to assimilate all cultures and religions into the Arab/Islamic fold.»

    Se puderem ler as Mil e Uma Noites, verão contos com cristãos (chamados nazarenos) que contam histórias a muçulmanos. Na Turquia, igrejas têm documentos de protectorado de muçulmanos. Sabemos romanos também impunham impostos, como todos os impérios e governos, e receberam influências de outros povos, como os gregos, etruscos e egípcios - o que mostra a irrelevância do texto que Mats coloca para o que ele alegou. Ele é que diz que os seres e ideias surgem espontaneamente, ex nihilo.

    No entanto os países com maioria cristã conquistados por muçulmanos era governados por reis cristãos. Nós aprendemos que assim eram na Espanha (que incluia o actual território português). O próprio Corão diz que cristãos e judeus podem ser salvos se cumprirem as suas próprias regras - aliás, segundo o Corão, todos irão ao Céu, mesmo que tenham de ser punidos no Inferno. O muçulmano era obrigado a tolerar e a respeitar cristãos e judeus, excepto em legítima defesa. Havia até árabes que criticavam livremente o Corão e o islamismo, sem sofrerem punições.

    ResponderEliminar
  113. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  114. Mats, já agora cita Estaline para convencer outros ateus de algum ponto em que tu e ele tenham em comum. O artigo que indicas começa com: «Today Islamic countries are the most backward countries in the world.» A maioria desses países é teocrática. A Turquia é uma das excepções.

    Zakariya ar Razi estudou medicina com o muçulmano Abu al-Hasan Ali ibn Sahl Rabban al-Tabari, no califado de Al-Mu'tasim. Ele um crítico das religiões, especialmente as que se baseiam nas profecias. Era um teísta anti-religioso.

    Al-Ma‘arri também era anti-religioso. Escreveu vários poemas que criticavam as religiões (exemplo trduzido em inglês: «They all err - Muslims, Christians, Jews, and Magians: Two make Humanity's universal sect: One man intelligent without religion, And, one religious without intellect»)

    Como eu tinha dito: «Havia até árabes que criticavam livremente o Corão e o islamismo, sem sofrerem punições.» Pelos vistos confirma-se. Mas no texto do ateu existem referência a religiosos muçulmanos.

    Avicena (Ibn Sina) era um muçulmano universalista e um teólogo islâmico, que dizia que os profetas islâmicos deviam ser considerados superiores aos filósofos e escreveu várias obras que apoiam o islamismo e o Corão.

    Abū ibn Rushd (Averroes) era um muçulmano espanhol que escreveu obras sobre teologia islâmica.

    No texto do tal ateu não existem referências a muitos outros muçulmanos: al-Khwārizmī (muçulmano ortodoxo), Banu Musa (sabiano), Abu Arrayhan Muhammad ibn Ahmad al-Biruni, Alhacen (muçulmano suni ou shia), Naṣīr al-Dīn al-Ṭūsī (ismaelita, shia persa - facção muçulmana), Mu’ayyad al-Din al-’Urdi, Ulugh Beg (até construiu uma madrassa), Ibn al-Shatir, Qutb al-Din al-Shiraz (muçulmano sufi).

    ResponderEliminar
  115. Mats:

    "1. O Jairo disse que a Idade Média foi uma época de avanços tecnológicos."

    Começas logo mal. O Jairo disse que "a Idade Média um dos períodos mais importantes e prósperos da História." o que é muito mais abrangente.

    "2. Tu dizes que não, não foi." - certo, e deixei um longo texto a falar de vários factores.

    3. Eu disse-te que sim, foi sim senhor, e que foi o conhecimento acumulado desses anos que permitiu que a Europa cristão pudesse ser o palco da Revolução científica."

    E eu disse-te que a revolução cientifica que se deu no seculo XvII beneficiou muito mais das invenções do mundo arabe. Não devendo nada à idade média a não ser o atraso em aparecer.

    "5. Eu digo-te que a revolução científica ocorreu na europa cristã e não nas zonas muçulmanas por alguma razão."

    Sim, eles começaram a ser cada vez mais religiosos. É um dado historico aceite. Porque o Islamismo antigo estimulava a pesquisa e perdeu essa caracteristica com a fundamentalização das ideias. Aliás como aconteceu na idade média com a filosofia. EXistem academicos islâmicos que querem reverter isso. Mas têm muitas dificuldades até para se assumirem...

    "6. Tu dizes que ocorreu na europa graças ao conhecimento dos muçulmanos e apontas para os links do PAC."

    Sim, eles ajudam quem quiser aprender. Foi o que te propuz.

    "7. O PAC fornece-nos links que mostram que o conhecimento da Idade Média era de facto avançado, tal como o Jairo disse inicialmente, e que tu contestaste."

    Mostram que era avançado em relação a que epoca? So à pré-história.

    " Estás pronto a concordar com o Jairo, e admitir que o conhecimento científico foi substancial durante a Idade Média (não só na europa, mas especialmente na europa), ou vais continuar a pensar que é graças ao (des)Iluminismo que nós hoje sabemos descascar maçãs?"

    Não Mats. Penso que tu nunca vais acumular mais conhecimento do que descascar maçãs se não fores capaz de tentar perceber as coisas DEPOIS de contactar com elas do que ANTES de as analizares.

    Mas já te tiha dito isto antes. E não se aplica so a este caso.

    ResponderEliminar
  116. Mats:

    "Dizer que a Revolução científica aconteceu na Europa não quer dizer que nós pensemos que tudo o que existe seja por nossa causa."

    O que eu queria dizer é que voces se consideram importantes ao ponto de achar que deus se rala com o que voces fazem. Não era so por causa da revolução cientifica. Voces nem sabem o que é ciencia.

    "Além disso, do ponto de vista ateu, a humildade é uma coisa relativa. Ser-se ou não humilde tem o mesmo valor."

    Olha, eu sou ateu e digo te ja que o que é relativo existe como relativo e esse valor é valido para essas condiçoes relativas. Podes dizer o que é melhor ou pior. Por exemplo.

    Eu acho que não sou o centro das atenções de uma omnipotencia consciente.

    Tu achas que és o centro das preocupações ) de uma omnipotencia consciente. (e tudo o resto que vem no pacote, numa explosão catita de antropocentrismo ingénuo)

    Qual de nos tem o ego mais inchado é óbvio.

    Que essa falta de humildade te leva a mais erros de avaliação e limites de discernimento também é óbvio. O criacionista não sou eu. Nem o adorador da idade das trevas.

    Mas a questão não era o valor da humildade para mim ou para os ateus. Isso é um assunto paralelo. Estava em questão o que significa para ti, pois usaste isso como atributo prejurativo.

    Apenas mostrei que tu tens muito menos humildade do que quem se curva perante o universo para saber o que é verdade ou não em vez de achar que tem a palavra de deus porque sim e porque sabe reconhecer a palavra de deus quando a ve.

    Mas a tua negação destes factos e o enviesamento da tua argumentação, como mostrado acima, mostra o grau de cegueira a que te estás disposto a submeter para não veres mais longe e poderes manter o ego inchado e a posição moral elevada que pretendes plasticamente manter e agitar como bandeira a todo o custo. Mesmo da descredibilização total por falta de argumentos.

    É como o famoso rei que vai nu continuar a passear-se teimosamente enquanto todos gozam com a sua pequena pilinha.

    Como queiras.

    ResponderEliminar
  117. João,
    "1. O Jairo disse que a Idade Média foi uma época de avanços tecnológicos."

    Começas logo mal. O Jairo disse que "a Idade Média um dos períodos mais importantes e prósperos da História." o que é muito mais abrangente.


    Mas é mentira que a Idade Média, erradamente conhecida como "Idade da Trevas", foi um dos períodos mais importantes e prósperos da História?

    "2. Tu dizes que não, não foi." - certo, e deixei um longo texto a falar de vários factores.

    Aparentemente houve um grande leque de descobertas e avanços médicos durante a Idade Média, e isto não só na Europa.

    3. Eu disse-te que sim, foi sim senhor, e que foi o conhecimento acumulado desses anos que permitiu que a Europa cristão pudesse ser o palco da Revolução científica."

    E eu disse-te que a revolução cientifica que se deu no seculo XvII beneficiou muito mais das invenções do mundo arabe.



    Mas eu não disse que o acumular do conhecimento foi só do conhecimento europeu. Eu disse o conhecimento acumulado foi uma das razões que proporcionou a Revolução Científica na Europa cristã. Ou não?

    Não devendo nada à idade média a não ser o atraso em aparecer.

    Nada nada nada mesmo?

    "5. Eu digo-te que a revolução científica ocorreu na europa cristã e não nas zonas muçulmanas por alguma razão."

    Sim, eles começaram a ser cada vez mais religiosos.



    Eles sempre foram religiosos.

    Porque o Islamismo antigo estimulava a pesquisa e perdeu essa caracteristica com a fundamentalização das ideias.


    O "islão antigo" nunca estimulou a "pesquisa". Isso é um mito cuidadosamente propagado pelos seculares ocidentais.

    Aliás como aconteceu na idade média com a filosofia. EXistem academicos islâmicos que querem reverter isso. Mas têm muitas dificuldades até para se assumirem...


    Eles gostam de manter a sua cabeça colada ao corpo, pelos vistos.

    "6. Tu dizes que ocorreu na europa graças ao conhecimento dos muçulmanos e apontas para os links do PAC."

    Sim, eles ajudam quem quiser aprender. Foi o que te propuz.


    Mas não contradizem o que eu disse: 1) a Idade Média foi uma época de muitos avanços técnicos e 2) a revolução científica ocorreu na europa e não no mundo muçulmano. Situação curiosa, nomeadamente se pensarmos que, de acordo contigo, eles já tinham consigo tudo o que causou a tal revoluçao científica. (Bem, pelos vistos não tinham tudo.)

    "7. O PAC fornece-nos links que mostram que o conhecimento da Idade Média era de facto avançado, tal como o Jairo disse inicialmente, e que tu contestaste."

    Mostram que era avançado em relação a que epoca? So à pré-história.



    Ou seja, evidências para quê? Nós somos avançados em relação ao quê?

    " Estás pronto a concordar com o Jairo, e admitir que o conhecimento científico foi substancial durante a Idade Média (não só na europa, mas especialmente na europa), ou vais continuar a pensar que é graças ao (des)Iluminismo que nós hoje sabemos descascar maçãs?"

    Não Mats. Penso que tu nunca vais acumular mais conhecimento do que descascar maçãs se não fores capaz de tentar perceber as coisas DEPOIS de contactar com elas do que ANTES de as analizares.

    Mas já te tiha dito isto antes. E não se aplica so a este caso.



    Portanto, mantens que a Idade Média foi mesmo uma perda de tempo total, só comparada com a imaginada "pré-história"?

    ResponderEliminar
  118. João,

    "Dizer que a Revolução científica aconteceu na Europa não quer dizer que nós pensemos que tudo o que existe seja por nossa causa."

    O que eu queria dizer é que voces se consideram importantes ao ponto de achar que deus se rala com o que voces fazem.


    Nós sabemos que Deus "se rala" com a humanidade, até contigo, como vais descobrir um dia.

    Não era so por causa da revolução cientifica. Voces nem sabem o que é ciencia.


    Depende da tua definição de "ciência".


    "Além disso, do ponto de vista ateu, a humildade é uma coisa relativa. Ser-se ou não humilde tem o mesmo valor."

    Olha, eu sou ateu e digo te ja que o que é relativo existe como relativo e esse valor é valido para essas condiçoes relativas. Podes dizer o que é melhor ou pior. Por exemplo.

    Eu acho que não sou o centro das atenções de uma omnipotencia consciente.

    Tu achas que és o centro das preocupações ) de uma omnipotencia consciente. (e tudo o resto que vem no pacote, numa explosão catita de antropocentrismo ingénuo)


    Ingénuo, se o que tu acreditas está certo.

    Qual de nos tem o ego mais inchado é óbvio.


    Sim, também acho.

    Que essa falta de humildade te leva a mais erros de avaliação e limites de discernimento também é óbvio.


    Como por exemplo?

    O criacionista não sou eu.

    Não faz mal. Eu não vou usar isso contra ti.

    Nem o adorador da idade das trevas.


    Não sei o que é um "adorador da idade das trevas".


    Mas a questão não era o valor da humildade para mim ou para os ateus. Isso é um assunto paralelo. Estava em questão o que significa para ti, pois usaste isso como atributo prejurativo.



    Por acaso não usei isso como "atributo prejurativo".

    Apenas mostrei que tu tens muito menos humildade do que quem se curva perante o universo para saber o que é verdade ou não em vez de achar que tem a palavra de deus porque sim e porque sabe reconhecer a palavra de deus quando a ve.


    Tentar conhecer o Universo e saber que a Bíblia é a Palavra do Criador não são posições mutuamente exclusivas.


    Mas a tua negação destes factos e o enviesamento da tua argumentação, como mostrado acima, mostra o grau de cegueira a que te estás disposto a submeter para não veres mais longe e poderes manter o ego inchado e a posição moral elevada que pretendes plasticamente manter e agitar como bandeira a todo o custo.



    Não sou eu que mantenho a "posição moral elevada" ao manter que quase 1000 anos da Historia humana são nada em termos científicos. Tudo o que os grandes pensadores da Idade Média fizeram na europa não conta nada para ti.

    E dizes que eu é que mantenho a "posição moral elevada"?

    ResponderEliminar
  119. "Não devendo nada à idade média a não ser o atraso em aparecer.

    Nada nada nada mesmo?"

    Não, nada mesmo não. Mas ridiculamente pouco comparando com outras epocas.

    Como ja vi que insistes que aquilo foi uma epoca prospera e não avanças argumentos, não vale a pena.

    valeu pelo:

    "O criacionista não sou eu.

    Não faz mal. Eu não vou usar isso contra ti."

    Ainda me estou a rir. Foi o bom a sério. Ja tinha achado piada quando me pareceu que era "vou usar isso contra ti". Mas depois do copy paste vi que tinha lido mal e ainda é melhor. Não uses MAts. Por amor de deus.

    ResponderEliminar
  120. "E dizes que eu é que mantenho a "posição moral elevada"?"

    Não, digo que a pretendes manter. Até és capaz de dizer q para os ateus não há valores de moral porque não faz diferença ser mais ou menos moral.

    Negas isto? Era um avanço...

    ResponderEliminar
  121. Ficamos a conhecer outra diferença entre teistas-teimosos e ateus.

    Os primeiros consideram que a idade média foi uma das epocas mais prosperas.

    Os últimos consideram que foi uma época pouco prospera, provavelmente a menos prospera. Ou há para aí ateus ou agnósticos que considerem aquilo uma época prospera? Prospera como em "a mais prospera"?

    ResponderEliminar
  122. Diz o MAts:

    "Mas é mentira que a Idade Média, erradamente conhecida como "Idade da Trevas", foi um dos períodos mais importantes e prósperos da História? "

    diz o Jairo:

    "a Idade Média um dos períodos mais importantes e prósperos da História."

    ResponderEliminar
  123. Sim, digo eu. PAra os inquisidores, pulgas, ratos baterias e ditadores. Para esses foi um sucesso.

    mil anos de sucesso e crescimento rato-pulgal.

    ResponderEliminar
  124. Mats,

    vou explicar como deves responder ao João:

    diz em que medida houve progressos na Idade Média na Europa. Quais foram as descobertas, invenções, contributos artísticos e avanços culturais?
    (Idade Média - de 476 d.C até 1453-1517 d.C. ; "Idade das Trevas" - de 476 d.C. até ao século X)

    Se tiveres a engonhar com «Depende da tua definição de "ciência"» e «Ingénuo, se o que tu acreditas está certo», certamente que não o respondes, acho eu de que...

    ResponderEliminar
  125. Ludwig,

    “Porque são doenças raras; a incidência estimada nestes homossexuais é de 0.5% para o HIV e 0.1% para a sífilis, estatísticas que teriam sido úteis para os enviados da Santa Sé à ONU. Podiam ter acrescentado que a percentagem de abusadores de crianças entre os padres católicos é poucas dezenas de vezes maior que a taxa de sífilis entre os homossexuais*.”

    Como é que chegou a essas belas percentagens? Já fui aqui acusado de não saber fazer contas, mas vamos lá a ver se não me engano:

    - população dos estados unidos = 309 milhoes
    - percentagem de homossexuais = 2%
    - pessoas com sida dos estados unidos = 1 milhão
    - percentagem de pessoas que foram infectadas por causa de actos homossexuais = 50%

    Isto a mim, que não sei fazer contas, dá cerca de 8,1% de homossexuais infectados, a si quanto é que dá? Se continuar a dar 0,5%, peço imensa desculpa. Caso contrário, seria de bom tom que refizesse o post, de modo estar de acordo com a realidade.

    “O alcoolismo, os acidentes rodoviários, o cancro do pulmão (...) são problemas de saúde pública. E não se resolvem proibindo o álcool, acabando com os automóveis, criminalizando o tabaco”

    Pois não, mas pode-se atenuar o número de casos através da sensibilização pública. O Estado não diz que é indiferente ser alcoolico ou não ser, não diz que é indiferente existirem acidentes de carro ou não existirem, pois não? Mas em relação ao sexo, o Estado, como educador, diz que é completamente indiferente o que fazes e com quem. Basta ver os manuais de (des)educação sexual.

    Achei piada ao título “A saúde pública da cama dos outros”. Mas quando a questão de saúde pública implica entrar no meu carro e obrigar-me, mesmo contra a minha vontade, a usar cinto de segurança, aí já ninguém acha um abuso. Ou obrigarem-me a andar de capacete quando ando de mota. Mas o que seria o Estado “entrar” na cama de alguém, não isso não, que horror. Nem estou a sugerir que seja ilegal ter relações homossexuais, mas ao menos que o Estado, como faz em tudo o resto, alerte para os perigos desse tipo de relações, e não assobie para o lado como se tudo fosse normal, porque não é.

    Gostei da parte do texto a apelar à lágrima, em que os pobres “homossexuais” são empurrados para os vãos de escada (onde é que já ouvi isto) e para as casas de banho dos bares para praticarem a sodomia. Há limites para a demagogia, por favor.

    ResponderEliminar
  126. Os mesmo moralistas que neste blog e pelo mundo fora vocifram contra os padres, são os mesmos que exigem a libertação do Roman Polanski, e que há 30 anos andavam a fazer abaixo-assinados a favor da pedófilia. Para esses ficam esta palavras:

    “Todo aquele amontoado de gente e de instituições, de governos e legisladores, que há décadas reivindicava a pedofilia e a pederastia como iniciações saudáveis e recomendáveis, e que contribuíram ao longo dos anos para baixar a idade do consentimento nas legislações, no que diz respeito às “relações” sexuais, e que persistem em poluir e derrancar a infância e a juventude através da introdução da “educação” sexual nas escolas, da imoralidade impudica e obscena na comunicação social, em particular nas televisões, da pornografia na Internet e da sua venda pública em tudo quanto é quiosque, é essa mesma turba que agora se levanta com ar acusador e de punho ameaçador invectivando e lapidando o Santo Padre e a Igreja, por alguns dos seus membros terem praticado aquilo que eles mesmos insistentemente aconselharam, contra a doutrina da mesma Igreja, baluarte da verdade.

    A mesma malta que fornica, comete adultério, sodomiza inumeráveis jovens, se divorcia, deixando traumas permanentes na progenitura, é polígama em série, copula com animais, mata a seus filhos com a “contracepção” química, hormonal e mecânica, os esventra e decapita com o aborto cirúrgico, é essa mesma súcia que se amanta com uma toga, franze o sobrolho, pigarreia, bate com o martelo e profere a sentença: a Igreja é uma sentina, o Clero um esgoto nauseabundo e o Papa um promotor de imundícies tenebrosas. Salvemos a humanidade exterminando a besta infame!” - http://jesus-logos.blogspot.com/2010/03/delirios-alucinantes.html

    ResponderEliminar
  127. João Silveira,

    Baseei-me nos dados no artigo que enviou:

    «The range was 522-989 cases of new HIV diagnoses per 100,000 MSM vs. 12 per 100,000 other men and 13 per 100,000 women.»

    Quanto à comparação com os 4% dos padres, há de notar que mencionei a sífilis e não o HIV.

    Mas vou acrescentar uma nota ao post a chamar a atenção para estes problemas, obrigado pela sugestão.

    ResponderEliminar
  128. João Silveira,

    «Achei piada ao título “A saúde pública da cama dos outros”. Mas quando a questão de saúde pública implica entrar no meu carro e obrigar-me, mesmo contra a minha vontade, a usar cinto de segurança, aí já ninguém acha um abuso.»

    Se estiveres com o teu carro na tua quinta privada a dar umas voltinhas julgo que ninguém te irá entrar pela propriedade adentro e multar por não teres cinto. É se conduzes na via pública, onde os outros condutores podem ser responsabilizados pelos teus ferimentos se baterem -- mesmo que acidentalmente -- no teu carro, é aí que tens de usar o cinto.

    E penso que não te escandaliza se for proibido o sexo anal ao condutor de um automóvel enquanto circula na via pública, certo?

    ResponderEliminar
  129. A mesma malta que fornica, comete adultério, sodomiza inumeráveis jovens, se divorcia, deixando traumas permanentes na progenitura, é polígama em série, copula com animais, mata a seus filhos com a “contracepção” química, hormonal e mecânica, os esventra e decapita com o aborto cirúrgico, é essa mesma súcia que se amanta com uma toga, franze o sobrolho, pigarreia, bate com o martelo e profere a sentença: a Igreja é uma sentina, o Clero um esgoto nauseabundo e o Papa um promotor de imundícies tenebrosas.

    Concordo, mais com a última parte.
    Gostei do sexo com animais e desde que experimentei fêmeas da espécie humana tenho gostado QB. Antes usava apenas a mão a e a imaginação, mas com os animais foi mais completo.

    A sodomização de jovens e tendo em conta que jovens hoje em dia são até aos 35 anos ( crédito jovem, renda jovem , etc ) tb pelo anterior ponto concordo inteiramente L:)=

    Resumindo, concordo com tudo.

    que belo início de semana :)

    ResponderEliminar
  130. deixando traumas permanentes na progenitura

    Esta parte é que não entendi

    ResponderEliminar
  131. "Salvemos a humanidade exterminando a besta infame!"

    Credo, nem o Bento merece isso ... :-)

    ResponderEliminar
  132. Cristy

    Cuidado que a besta está onde menos se espera.

    ResponderEliminar
  133. Nuvens;

    "Gostei do sexo com animais e desde que experimentei fêmeas da espécie humana tenho gostado QB. "

    lol

    "

    ResponderEliminar
  134. João

    Pois que é que uma pessoa pode dizer perante estes disparates todos. Há dias em que me chateio com esta verborreia toda, outros como hoje , em vésperas de tirar uns dias de férias que estou a borrifar-me.

    O que mais me fascina são as acusações de poligamia em série, supondo eu que seja a pessoa ter inúmeros parceiros ao longo da vida. De facto que coisa tão má.
    É só tolices

    ResponderEliminar
  135. Nina

    Obrigado pelas gargalhadas iniciais... Antropologicamente falando.

    ResponderEliminar
  136. Pelos comentários das bichas e putas que vejo aqui, Portugal também está virando um puteiro asqueroso, como, de resto, já se tornou o resto d’Europa. Contamos co’a imigração islâmica para limpar o Velho Continente!

    ResponderEliminar
  137. Em tempo: se o Sancto Padre for preso em Anglaterra, hei-de aplaudir cada atentado que ceife a vida daquela gente imunda que, desde que, preterindo o Λόγος, aceitou como Supreme Head of the Church a figura hedionda dum assassino de mulheres e de homens santos, caiu cada vez mais fundo no Mal. Avante, al-Qāʿidah!

    ResponderEliminar

Se quiser filtrar algum ou alguns comentadores consulte este post.