sábado, março 07, 2009

Treta da Semana: O ADN telepata.

ADN
Dupla hélice de ADN. As duas moléculas de ADN estão representadas com cores diferentes. Fonte: Wikimedia Commons.

O Jónatas Machado relatou, com típica contenção e ponderação, «ÚLTIMA HORA! PROPRIEDADES “TELEPÁTICAS” DESCOBERTAS NO DNA!» (1). Segundo o Jónatas, «As últimas descobertas científicas mostram que o DNA tem capacidades “telepáticas” consideradas cientificamente impossíveis e inexplicáveis. [...] Esta descoberta acerca das capacidades de leitura à distância do DNA foi recentemente publicada no ACS’ Journal of Physical Chemistry B. Os autores do estudo foram os cientistas Geoff S. Baldwin, Sergey Leikin, John M. Seddon, Alexei A. Kornyshev ».

Este artigo foi publicado em Janeiro de 2008 (2). Num contexto bíblico pode ser “recentemente” mas, em ciência, é mais “só agora é que repararam?” E isso do cientificamente impossível e inexplicável nem sequer é exagero. É treta.

Cada molécula de ADN tem uma cadeia de açucares fosfatados à qual se ligam bases que interagem com as bases da outra molécula de ADN na dupla hélice (ver figura). A elucidação desta estrutura, por Watson e Crick, revelou como uma molécula de ADN pode reconhecer a sua parceira em função das sequências de bases. Também se sabe que uma molécula de ADN sozinha pode encaixar no sulco que se forma onde as bases da hélice dupla emparelham. Como as bases de uma molécula podem interagir com as bases do par já formado, percebe-se que esta interacção também depende da sequência de bases. A novidade no artigo de Baldwin et al foi comprovar experimentalmente que a interacção de dois pares de moléculas de ADN também tem alguma especificidade. Esta situação é diferente porque entre duas hélices duplas as bases não podem interagir.

Em solução, as cadeias duplas de ADN encostam-se formando esferas de cristal liquido, estruturas organizadas mas fluidas. Os autores prepararam uma mistura de cadeias duplas de ADN com duas sequências diferentes, cada uma marcada com um corante fluorescente diferente. Quando se agregavam, as cadeias duplas do mesmo tipo segregavam-se espontaneamente na estrutura do cristal líquido. Em vez de uma mistura das duas cores viram os corantes separados em regiões diferentes (3). Ou seja, mesmo emparelhadas numa hélice dupla, as moléculas de ADN interagem preferencialmente com outros pares da mesma sequência.

Mas esta descoberta não foi “cientificamente impossível e inexplicável”. Como os autores explicam na introdução, esta selectividade já tinha sido sugerida por estudos teóricos «prevendo que a dependência entre a estrutura da cadeia principal do ADN e a sua sequência pode afectar as interacções ADN-ADN e até resultar em reconhecimento de sequências homólogas sem abrir a hélice dupla»(3). Já desde 1998 (4) que se sabe que a sequência de bases afecta a estrutura da cadeia de açucares fosfatados. A experiência que o Jónatas mencionou como mostrando um mistério inexplicável foi a confirmação de uma hipótese com mais de uma década.

Tanto cientistas como criacionistas gostam de resultados intrigantes, mas a semelhança acaba aí. Para os cientistas, um dado inesperado é uma oportunidade para melhorar explicações e encontrar novas pistas acerca do funcionamento do universo. Para os criacionistas, um mistério é um buraco escuro onde podem guardar o seu deus. Rezam para que se mantenha misterioso e maldizem quem acender a luz.

«The most exciting phrase to hear in science, the one that heralds new discoveries, is not ‘Eureka!’ but ‘That’s funny …» Isaac Asimov.

1- Comentário em Darwin na FCT.
2- ACS News Service Weekly PressPac, January 23, 2008.
3- Geoff S. Baldwin, Nicholas J. Brooks, Rebecca E. Robson, Aaron Wynveen, Arach Goldar, Sergey Leikin, John M. Seddon, and Alexei A. Kornyshev, DNA Double Helices Recognize Mutual Sequence Homology in a Protein Free Environment, J. Phys. Chem. B, 2008, 112 (4), pp 1060–1064.
4- Olson WK, Gorin AA, Lu XJ, Hock LM, Zhurkin VB, DNA sequence-dependent deformability deduced from protein-DNA crystal complexes. Proc Natl Acad Sci U S A. 1998 Sep 15;95(19):11163-8.

76 comentários:

  1. O que é que tu foste fazer? Lá vamos nós aturar as resmas de disparates do costume ;-)
    Cristy

    ResponderEliminar
  2. DNA Molecules Display Telepathy-like Quality

    By Charles Q. Choi, Special to LiveScience

    posted: 24 January 2008 08:18 am ET

    DNA molecules can display what almost seems like telepathy, research now reveals.

    Double helixes of DNA can recognize matching molecules from a distance and then gather together, all seemingly without help from any other molecules, scientists find. Previously, under the classic understanding of DNA, scientists had no reason to suspect that double helixes of the molecule could sort themselves by type, let alone seek each other out.

    The spiraling structure of DNA includes strings of molecules called bases. Each of its four bases, commonly known by the letters A, T, C and G, is chemically attracted to a specific partner — A likes binding to T, and C to G. The scheme binds paired strands of DNA into the double helix the molecule is famous for.

    Scientists investigated double-stranded DNA tagged with fluorescent compounds. These molecules were placed in saltwater that contained no proteins or other material that could interfere with the experiment or help the DNA molecules communicate.

    Curiously, DNA with identical sequences of bases were roughly twice as likely to gather together as DNA molecules with different sequences.

    The known interactions that draw the bases together are not the factor bringing these double helixes close. Double helixes of DNA keep their bases on their insides. On their outsides, they have highly electrically charged chains of sugars and phosphates, which obscure the forces that pull bases together.

    Although it looks as if spooky action or telepathic recognition is going on, DNA operates under the laws of physics, not the supernatural.

    To understand what researchers conjecture is really happening, think of double helixes of DNA as corkscrews. The bases that make up a strand of DNA each cause the corkscrew to bend one way or the other. Double-stranded DNA with identical sequences each result in corkscrews "whose ridges and grooves match up," said researcher Sergey Leikin, a physical biochemist at the National Institute of Child Health and Human Development in Bethesda, Md.

    The electrically charged chains of sugars and phosphates of double helixes of DNA cause the molecules to repel each other. However, identical DNA double helixes have matching curves, meaning they repel each other the least, Leikin explained.

    The scientists conjecture such "telepathy" might help DNA molecules line up properly before they get shuffled around. This could help avoid errors in how DNA combines, errors that underpin cancer, aging and other health problems. Also, the proper shuffling of DNA is essential to sexual reproduction, as it helps ensure genetic diversity among offspring, Leikin added.

    Leikin and his colleagues will detail their findings in the Jan. 31 issue of the Journal of Physical Chemistry B.

    http://www.livescience.com/health/080124-dna-telepathy.html

    O artigo científico pode ser lido no The Journal of Physical Chemistry B:

    DNA Double Helices Recognize Mutual Sequence Homology in a Protein Free Environment

    http://pubs.acs.org/doi/full/10.1021/jp7112297

    ResponderEliminar
  3. Um possível diálogo:
    Joao: Vamos dar uma volta?
    Ludwig: Vamos, vamos.
    J: Conheço um bar porreiro.
    L: Optimo, mas não te esqueças que as religiões impõem normas.
    J: Não percebi...
    L: De vez em quando é bom lembrar.
    J: Sim, mas isso vem a que propósito?
    L: Anda muita gente enganada.
    J: E?
    L: E a religião impõe normas aos crentes.
    J: Eu concordo contigo...vá vamos la dar uma volta
    L: Sim vamos, tive uma semana cheia, mas não te esqueças que a religião impoe normas aos crentes.
    J: Epa caga nas religiões.
    L: A religião impõe normas aos crentes, A religião impõe normas aos crentes, A religião impõe normas aos crentes, A religião impõe normas aos crentes, A religião impõe normas aos crentes, A religião impõe normas aos crentes, A religião impõe normas aos crentes, A religião impõe normas aos crentes
    (...) no seguinte à pergunta ao ludwig sobre como tinha sido o fim-de-semana, ele responde: "anda muita gente enganada!"
    Abraços a todos

    ResponderEliminar
  4. lol lol lol lol

    ResponderEliminar
  5. Luis,

    Não sei se reparou no cabeçalho do blog, para os visitantes saberem o que aqui faço:

    «Há tretas que me incomodam. É aqui que desabafo.»

    Mas concordo que se fosse "É aqui que relato as conversas que tenho quando vou ao café com os amigos" o Luís teria razão...

    ResponderEliminar
  6. Toda esta maravilha do ADN nasceu do verdadeiro acaso, afirmam os limitados ateus, e incapazes de pensar mas além do a (miope) vista alcança.

    Mas, fazendo um exercicio de "explicação reversa", começam sempre por citar o propfeta Dawkins. Porém, chegam a um ponto em que nada explicam, a não ser mascar a patilha do "acaso", da "coincidencia", do "mais provável". Ora isto nada tem de certeza, de racional, nem de cientifico.

    Quem criou o ADN? - o acaso!

    ResponderEliminar
  7. Zeca,
    tenho de fazer uma confissão: não somos realmente ateus. Só fingimos sermos míopes. O acaso é um Deus inteligente. Nunca ouviste falar em coincidências, ou nunca reparaste em algumas acontecerem? É o Deus acaso a interferir no mundo. Quando alguém reza para saír o totoloto ou curar uma doença, na realidade reza para o grande Deus acaso. Duas bolhas na superfície são atraídas e juntam-se - por acaso. Átomos de oxigénio e de hidrogénio colidem por acaso, e eis que é criada a água. O nosso livro sagrado chama-se Dungeons and Dragons, e os grandes dados mostram a vontade de Deus.

    ResponderEliminar
  8. Ao lado de minha casa, algo assim:
    "O mundo fala em crise. Todo o mundo diga: Jesus é o Senhor."

    À entrada da estação de comboios:
    - O jovem gosta de ler? Não gostaria que as guerras terminassem e vivêssemos num Paraíso? Já ouviu falar no Reino dos Céus.
    No comboio

    No comboio, uma mulher ajoelha-se para agradecer o Senhor e fala sobre o Juízo Final. No metro uma outra mulher com uma imagem religiosa no peito grita repetidamente sobre Jesus.

    No trabalho, uma colega de trabalho fala de astrologia, de Deus e de Jesus à hora de almoço. Ao ir de boleia de regresso a casa, o carro pifa e uma outra colega de trabalho diz para todos rezarem mesmo que não acreditem em Deus.

    No café com um conhecido, ele pergunta se acredito em Deus e depois diz que quem não acredita é triste, que quem acredita tem sortes na vida e depois fala de algo parecido com o Herbalife.

    No dia seguinte ao casamento da minha prima, um primo pergunta-me se acredito na vida após a morte, sem saber que sou ateu, nem que eu tenha falado sequer algo sobre o assunto.

    Alguém a fazer sexo: Ai, meu Deus! Ai, meu Deus! Alguém depois de evacuar: Obrigado, Senhor!

    Verificação de palavras: pridget
    Parece que é um apelido. Obrigado, Deus do acaso.

    ResponderEliminar
  9. Mário Miguel08/03/09, 18:38

    Um possível diálogo:
    João: Vamos dar uma volta?
    Luis: Vamos, vamos.
    J: Conheço um bar porreiro.
    L: Óptimo, que o Ludwig diz para que não te esqueças que as religiões impõem normas.
    J: Não percebi...
    L: Eu lembro-te que o Ludwig diz que: de vez em quando é bom lembrar.
    J: Sim, mas isso vem a que propósito?
    L: Claro que vem a propósito, pois o Ludwig diz que: anda muita gente enganada.
    J: E?
    L: Ele diz que: e a religião impõe normas aos crentes.
    J: Eu concordo contigo...vá vamos la dar uma volta
    L: Sim vamos, tive uma semana cheia, mas não te esqueças que o Ludwig diz que a religião impõe normas aos crentes.
    J: Epa caga no que o Ludwig diz, se achas que é treta inócua porque é que estás em cima do que o Ludwig diz, nomeadamente sobre as religiões.
    L: Mas lembra-te que o Ludwig diz que: a religião impõe normas aos crentes, A religião impõe normas aos crentes, A religião impõe normas aos crentes, A religião impõe normas aos crentes, A religião impõe normas aos crentes, A religião impõe normas aos crentes, A religião impõe normas aos crentes, A religião impõe normas aos crentes
    (...) no seguinte à pergunta ao Luís sobre como tinha sido o fim-de-semana, ele responde: "anda muita gente enganada com o que o Ludwig diz!" até me dei ao trabalho de relatar o dialogo e para que comproveis
    Abraços a todos

    ResponderEliminar
  10. Mário Miguel08/03/09, 18:39

    lol lol lol lol

    ResponderEliminar
  11. Mário Miguel08/03/09, 18:41

    E desculpa eu não ser anónimo e assim estragar a cópia...

    ResponderEliminar
  12. Mário Miguel08/03/09, 18:43

    PAC,

    A ligação para o vídeo "Teach the Controversy" do teu comentário em "08-03-2009 11:57", está marado.

    ResponderEliminar
  13. Mario Miguel,
    ta giro, ta giro

    ResponderEliminar
  14. O Mário Miguel não é anónimo? lol lol lol lol lol lol lol lol lol

    ResponderEliminar
  15. Mário Miguel08/03/09, 21:21

    Luís,

    Tá giro não está?! Ainda bem que achas.

    Pelo menos o meu nick é estável, com podes procurar nete blog, pelo menos à 2 anos...

    Mesmo que o meu nick fosse indiferente e volátil o suficiente para estar ao nível de anónimo (que não é), dai não segue que tu ao debitares o que debitaste a coberto do anonimato não preenchas um critério que não te é abonatório.

    Mais ainda, com o facto de tu apontares, de forma depreciativa e implícita, que eu de alguma forma não seria diferenciável de anónimo, ou seja: tu próprio defines isso como coisa pouco abonatória. RE-LOL

    ResponderEliminar
  16. A propósito de anónimo:

    Dei uma vista de olhos pelos comentários de um Post (já não sei bem qual foi!), e vi o seguinte:

    Algum comentador anónimo usou a palavra “paneleiro” (ou paneleirice).

    Imediatamente alguém tentou dizer que era eu.

    È triste e indecente que vocês (os visados no acto) ainda não saibam que eu não me escondo. Para dizer que um gajo qualquer é paneleiro, se ele o for, não tenho problemas nenhuns em fazê-lo aqui, no Rossio, no tribunal, na Assembleia da República, na ONU, numa conferência, ou em qualquer lugar, e directamente seja a quem for.
    (Aliás, já o fez em alguns destes lugares)

    Muito menos, teria que me mudar de nick para dizer que os ateístas é uma cáfila de paneleirada (ou “acto” ou em “potência”, como se dizia na Grécia Antiga).

    Isto para que conste que, na verdade, não fui eu, e não tenho por hábito mudar de nick.

    OK, Paneleirada!

    ResponderEliminar
  17. Isso foi no artigo anterior. E foi a Cristy que escreveu o comentário (está assinado). Parece-me que estava apenas fê-lo com ironia, para humor («afinal é o Zéquinha»). Como resposta, eu disse: «Foi o que pensei logo quando comecei a ler paneleirices nos comentários.»

    Falando a sério: de tanto usares esse tipo de palavreado, se encontrar um comentário assim, associo-o a ti. É como encontrar um comentário enorme começando com um título em letras maiúsculas como se fosse propaganda. Quem é que nos iria lembrar?

    --- Curiosidade, para os outros
    Encontrei esta série da BBC: God on Trial

    ResponderEliminar
  18. Gosto de visitar este blog.

    O autor, por norma, usa uma linguagem clara e escorreita. Aborrece-o as tretas que andam por aí(coisas que são porque são, não precisam de comprovação e, mais grave, tem valor de mercado para os incautos).
    Aplaude a ciência como forma de abordar a realidade que somos e o cosmo em que nos inserimos.

    Eu não gosto de verdades absolutas. Prefiro modelos que tenham alguma comprovação e expliquem as coisas o melhor possível. E claro, sempre disponiveis para serem substituídos ou melhorados.

    É verdade que tem especial atenção às tretas da religião. Não me parece, por isso que seja intolerante com as crenças de cada um. Na verdade, quando as religiões instituidas se põem a prometer coisas como a vida eterna e outras que tais, temos meio caminho andado para todos os "mamadus" que proliferam por aí.

    Temos o dever de ser tolerantes com as crenças alheias mas temos, também, o direito de afirmarmos o que pensamos delas. E, quanto às religiões, é preciso estarmos atentos. Quando conseguem o monopólio nas sociedades, tornam-se não só intolerantes como opressivas.

    Gosto de visitar este blog.

    P.S.(Admiro também a sua paciência para suportar as "chagas" que aparecem por cá)

    Lino S.

    ResponderEliminar
  19. Lino:

    "E, quanto às religiões, é preciso estarmos atentos. Quando conseguem o monopólio nas sociedades, tornam-se não só intolerantes como opressivas."

    As religiões são espaços de liberdade.
    Ao contrário, o actual ateísmo está a tomar as vezes do fundamentalismo dos Talibãs (que não são uma religião, mas uma seita), e tornar-e bem mais perigoso do que muitas pessoas pensam.

    Por essa razão, a "inteligencia" de muitos países, mantém os seus movimentos de baixo de olho... (isto não devia dizer-se, mas...)

    ResponderEliminar
  20. Zeca Portuga:

    Sim estou a ver esses espaços de liberdade.
    Basta-me lembrar a minha experiência religiosa na meninice, por meados do século passado, numa aldeia de Portugal.
    E isto no seio da "tolerante" e Santa Igreja Católica Apostólica Romana.

    Tem o direito de pensar o que quiser mas, por aquilo que demonstra, tem dificuldade em se libertar de alguma intolerância.

    Lino S.

    ResponderEliminar
  21. ÚLTIMA HORA!

    DOIS ATEUS E UM EX-ATEU SEPULTAM O ATEÍSMO SEM A AJUDA DOS CRIACIONISTAS!

    1) O Ludwig Krippah afirmou que um código é sempre uma criação inteligente.

    2) O Richard Dawkins afirmou que o DNA tem um código quaternário, com as unidades de informação ATGC, codificando quantidades inabarcáveis de informação.

    3) Anthony Flew, o ateu mais experimentado e inteligente dos três, resolveu juntar 1) e 2) e concluir que o DNA só pode ter tido origem inteligente.

    Ao fazê-lo, tornou-se teísta. Mas não precisou da ajuda dos criacionistas para isso.

    Bastou-lhe usar os factos observáveis e a razão.

    Qualquer ateu pode fazer o mesmo.

    Só tem que concordar com o Ludwig em 1) e com o Dawkins em 2).

    ResponderEliminar
  22. Liberdade...

    Uma menina de nove anos foi violada pelo padrasto. A menina ficou grávida de dois gémeos. Teve essa liberdade: abortar ou morrer com os gémeos. Com a mãe e os médicos, a gravidez foi abortada. A mãe e os médicos foram excomungados pela Igreja.

    Liberdade...

    Estive agora a ver um filme. Um judeu no campo de concentração contou que os seus filhos foram levados por nazis. O pai pedia que deixassem os seus filhos. Um nazi perguntou quais deles eram os seus filhos. O pai apontou para três crianças. O nazi disse que podia escolher um - os outros iriam morrer. Depois de contar isso, um nazi entra e diz que os judeus têm duas escolhas: trabalhar ou morrer.

    Liberdade...

    ResponderEliminar
  23. NOTÍCIA DE ÚLTIMA HORA

    O perspectiva não respondeu ao artigo, decidindo copiar novamente um comentário que tem sido copiado, com um estilo próprio de propaganda, e discutido uma imensidão de vezes.

    O perspectiva também não respondeu a isto. Está confirmado: é um mentiroso e foi apanhado em flagrante.

    Ah, desculpem-me: afinal não é uma notícia.

    ResponderEliminar
  24. ÚLTIMA HORA:

    NOVO SITE CRIACIONISTA!

    www.creation.com

    Vejam quanto antes. Promete.

    Concedendo muitos benefícios aos evolucionistas, a probabilidade da origem acidental da vida é aí estimada assim:

    20 aminoácidos

    387 proteinas para a forma de vida o mais simples possível

    10 aminoácidos conservados em média

    ∴ probabilidade é 20^–3870 = 10^–3870.log20 = 10^–5035

    Isso seria uma probabilidade em 1 seguido de 5000 zeros.

    Seria mais difícil do que alguém advinhar um PIN de 5000 dígitos à primeira tentativa!


    Estes e outros cálculos e muita mais informação pode ver-se em

    www.creation.com

    Não percam!

    ResponderEliminar
  25. O Pedro Amaral Couto cita várias passagens bíblicas.

    Os criacionistas terão todo o gosto em esclarecê-lo sobre o seu conteúdo.

    Como deve calcular, elas são conhecidas há uns bons milhares de anos, tendo sido muito estudadas.

    Por razões de eficácia, poderá citar uma de cada vez aqui no KTreta.

    Quanto ao post do Ludwig, os ateus Ludwig, Dawkins e Flew encarregam-se de lhe dar resposta.

    A resposta está definitivamente dada pelos três, não sendo necessário acrescentar mais nada.

    ResponderEliminar
  26. Pedro Amaral Couto:

    No seu artigo Etica, Absolutismo e Divino, quando se fala em "violações" há um link para o episódio de Juizes 21, qu só se compreende por remissão para Juízes 19 e ss.

    ResponderEliminar
  27. THAT'S FUNNY!

    TRÊS ATEUS MENOS UM É IGUAL A DOIS!

    1) Ludwig: "That's funny! Os códigos têm sempre origem inteligente"!

    2) Dawkins: "That´s funny! O DNA tem um código quaternário que codifica informação como se fosse um computador!"

    3) Flew: "That's funny! Isso sifgnifica que o ateísmo está errado e que andei enganado e a enganar os outros durante 60 anos. Bye Fellas!"

    ResponderEliminar
  28. Perspectiva,
    se quiseres que dizer escrevi algo, coloca um link a apontar para onde escrevi tais coisas. Duvido muito que a Bíblia tenha alguma vez sido estudada por alguém como o perspectiva, mas enfim...

    Flew não é ateu - é deísta. Poderias voltar a colocar a citação de Dawkins em inglês (original)?

    Também deixo dois sites criacionistas:
    http://www.theflatearthsociety.org
    http://www.fixedearth.com

    ResponderEliminar
  29. Jónatas,

    Chiça! Porra! E é em respeito pelo estaminé do Ludwig que não levo mais longe o vernáculo.

    Tudo o que é demais cansa. A estupidez, de que o mundo sofre de um previsível superavit, cansa! E o seu avatar, conhecido como Perspectiva, já faz mais do que cansar: só como exemplo, agredi hoje duas testemunhas de Jeová, em vez de me limitar a mandá-las à fava.

    Jónatas, em nome do que quiser, da santa paz do senhor, dos seus sagrados mandamentos, ou das meras regras do são convívio social, fica aqui o meu pedido; regresse para dentro da mítica baleia, e pare de fazer barulho.

    Note por favor que isto não é uma postura decorrente de qualquer filiação ideológica; é meramente uma reacção fisiológica, e uma que considero inteiramente justificada.

    ResponderEliminar
  30. O Richard Dawkins diz que o universo, a vida e o homem são o produto de processos irracionais.

    Os criacionistas acreditam que o Universo, a vida e o homem foram criados racionalmente por um Criador racional.

    E o mais incrível é que Dawkins diz que os criacionistas é que são os inimigos da razão!

    É uma afirmação irracional de alguém que tem na irracionalidade de todas as coisas a base para a sua "razão".

    ResponderEliminar
  31. Richard Dawkins diz:

    “[T]here is enough information capacity in a single human cell to store the Encyclopaedia Britannica, all 30 volumes of it, three or four times over.” [The Blind Watchmaker,

    P.S.

    Como dissemos, Flew foi um dos mais sofisticados filósofos ateus do século XX, até perceber que no DNA existe informação codificada

    ResponderEliminar
  32. Quando alguém diz que X disse Y, deve indicar uma fonte para que possamos verificá-la e decidir se esse alguém disse a verdade ou não. Acho que já mostrei um exemplo que prova essa necessidade. Repare que coloco links e citações verbatim. Tenho lá comentários, mas nenhum é de vossa excelência para defender a sua honra ou mostrar que estou errado. Por cada vez que não indica as fontes para as podermos verificá-las, considero que mente.

    E que eu saiba, o artigo é dirigido ao perspectiva, mas ele não está a respondê-lo. Porquê?

    ResponderEliminar
  33. mama eu quero09/03/09, 01:04

    Jónatas,

    ninguém come essa treta das probabilidades.

    É como dizer que a água é um milagre!
    Qual a probabilidade de todos os átomos de hidrogénio se juntarem aos de oxigénio quando a pressão e temperatura são X?
    100%!
    Mas se não ligar nenhuma aos electrões de fuga (como faz sempre que manda uma dessas postas de pescada) então a probabilidade disso acontecer deve ser coisa milagrosa. Tipo 1x10^-100000000000 ou assim.

    Desculpe mas isso já nem é má fé. É má formação.
    Cada vez que manda uma dessas mostra quão pouca formação tem nesta área.
    Mais, mostra mesmo uma ignorância confrangedora.

    ResponderEliminar
  34. "Life is just bytes and bytes and bytes of digital information,"

    Richard Dawkins, A River Out of Eden

    ResponderEliminar
  35. Perspectiva: «No seu artigo Etica, Absolutismo e Divino, quando se fala em "violações" há um link para o episódio de Juizes 21, qu só se compreende por remissão para Juízes 19 e ss.»

    Escreve isso aqui. Aí tenho um parágrafo que começa com: «Também disse que segundo a Bíblia, Iavé ordenou, entre outras coisas, rapto de virgens e violações em "Ética - absolutismo e divino"».

    ResponderEliminar
  36. Mama eu quero

    Antony Flew, o ex-ateu, concluiu que:

    1) as leis naturais corroboram a criação racional do Universo

    2) a sintonia do Universo para a vida corrobora a criação racional do Universo

    3) a informação codificada no DNA corrobora a criação racional do Universo

    O ateísmo é uma crença irracional no poder criador da irracionalidade

    ResponderEliminar
  37. Pedro Amaral Couto

    Os criacionistas terão todo o gosto em mostrar que estás errado, como o fizeram com o Ludwig, o qual, juntamente com Dawkins e Flew, acabou por sepultar o ateísmo sem querer.

    O mesmo sucederá contigo.

    Vamos discutir, um texto de cada vez. Não irás sem resposta.

    No entanto, irá acontecer contigo o que aconteceu com o Ludwig.


    Quem avisa, amigo é. O Luwig, ao princípio, também pensou que ia longe.

    Mas a sua discussão com os criacionistas acabou.

    Só temos que citar o Ludwig, o Dawkins e o Flew

    ResponderEliminar
  38. PONTO ALTO DA SESSÃO!

    THAT'S FUNNY!

    TRÊS ATEUS MENOS UM É IGUAL A DOIS!

    1) Ludwig: "That's funny! Os códigos têm sempre origem inteligente"!

    2) Dawkins: "That´s funny! O DNA tem um código quaternário que codifica informação como se fosse um computador!"

    3) Flew: "That's funny! Isso sifgnifica que o ateísmo está errado e que andei enganado e a enganar os outros durante 60 anos. Bye Fellas!"


    Eram três, sobraram dois. O mais experiente e inteligente dos três decidiu abandonar a sua fé de 6 décadas. Só mostrou inteligência e mente aberta.


    P.S. Nos próximos dias iremos proceder à revisão da matéria.

    ResponderEliminar
  39. mama eu quero09/03/09, 01:21

    Jónatas,

    em vez de responder com citações de outros tente responder com idéias suas.

    Exemplo: estude um pouco de química. Compre uns livros do 11º e 12º ano. Não precisa de mais. Vai perceber que usar o argumento das probabilidades é confrangedor.
    Depois virá a vergonha.

    Entretanto ouça umas musicas de Abba, verá que lhe fará bem.

    ResponderEliminar
  40. Pedro Ferreira09/03/09, 05:19

    mama eu quero,

    "Cada vez que manda uma dessas mostra quão pouca formação tem nesta área [probabilidades]. Mais, mostra mesmo uma ignorância confrangedora."

    Não, mama eu quero. Mostra que é um burro chapado!

    ResponderEliminar
  41. Pedro Ferreira09/03/09, 05:31

    perspectiva,

    "ÚLTIMA HORA:

    NOVO SITE CRIACIONISTA!

    www.creation.com

    Vejam quanto antes. Promete."


    Os seus comentários tornaram-se spams: estão ao nível dos que vedem Viagra ou dos que vedem métodos para aumentar o pénis. Com a diferença de estes últimos serem mais úteis...

    ResponderEliminar
  42. Pedro Ferreira09/03/09, 06:57

    perspectiva,

    "probabilidade da origem acidental da vida é aí estimada assim:

    20 aminoácidos

    387 proteinas para a forma de vida o mais simples possível

    10 aminoácidos conservados em média

    ∴ probabilidade é 20^–3870 = 10^–3870.log20 = 10^–5035"


    Perspectiva: você é burro!!!

    Não só não percebe patavina dos cálculos que acabou de copiar para aqui, como, pior ainda, não percebe o que significa, num contexto probabilístico, a palavra "acidental". O mesmo se aplica à inteligência suprema de quem escreveu o artigo que você tão euforicamente citou.

    PS: Pode mandar o link da página onde estão feitos estes cálculos? Obrigado

    ResponderEliminar
  43. Pedro,
    tentar explicar ironia aos Zéquinhas deste mundo é a mesma coisa que tentar ter uma conversa inteligente com o Perspectiva.
    Mas admiro-te por nunca desistires - sem ironias.
    Cristy

    ResponderEliminar
  44. NÃO PERCAM MAIS TEMPO!

    O ATEÍSMO JÁ FOI SEPULTADO PELOS PRÓPRIOS ATEUS!

    1) Ludwig Krippahl diz que um código tem sempre origem inteligente.

    2) Richard Dawkins afirma que no DNA existe um código quaternário, com os símbolos ATGC, que codifica grandes quantidades de informação como um computador.

    3) Por concordar com o Ludwig em 1) e Dawkins em 2), o ex-ateu Anthony Flew, ao fim de 60 anos a dizer o contrário, concluiu que então o código do DNA só pode ter tido origem inteligente, abandonando assim o seu ateísmo.

    Teve assim lugar o funeral do ateísmo.

    Os ateus Ludwig Krippahl e Richard Dawkins carregaram a urna e abriram a cova.


    Anthony Flew enterrou-o.

    As exéquias foram celebradas pelos criacionistas.

    Que descanse em paz.

    Ludwig Krippahl e Richard Dawkins permanecem até hoje diante da sepultura do ateísmo, a carpir máguas, a velar o morto, a embalsamá-lo e mumificá-lo, para ele não cheirar mal.

    ResponderEliminar
  45. só como exemplo, agredi hoje duas testemunhas de Jeová, em vez de me limitar a mandá-las à fava.

    O Zeca tem razão. O ateísmo é perigoso.

    ResponderEliminar
  46. Jónatas,

    Se o ateísmo morreu e está enterrado, porque continuam estes seus comentários?

    Será que o Jónatas já notou que código e informação não são sinónimos?

    ResponderEliminar
  47. Pedro Ferreira09/03/09, 09:47

    "Será que o Jónatas já notou que código e informação não são sinónimos?"

    Desde o início... Mas se o admitir fica sem argumentos que fundamentem o livro.

    Uns olham para a realidade e escrevem livros fundamentados, tanto quanto possível, por essa realidade; outros escrevem livros e distorcem a realidade até que esta fundamente o livro.

    Da mesma forma, já percebem também que se fechar dois quarks "up", um "down" e um electrão num recipiente, a probabilidade de aparecer um átomo de hidrogénio não é 1 em 2^4, isto é, 1 em 16. Mas é este raciocínio que ele usa para torcer a realidade até esta encaixar no livro.

    ResponderEliminar
  48. Perspectiva,
    deixe-se de conversa da treta, parece um puto no jardim de infância, ninguém dá o minimo valor aos seus "argumentos".

    O Anthony Flew está velho e acabado. ele mesmo confessa que deixou de conseguir acompanhar a literatura relevante em ciência e teologia, mas mesmo assim consegue ser muito mais racional que o Jónatas.

    ResponderEliminar
  49. Caro perspectiva:

    Imagine um conjunto de 42 aminoacidos, destes , a probabilidade de juntar 10 especificos e numa ordem especifica ( para dar origem a uma qualquer coisa, a vida p ex) é tão pequena que eu nem tenho zeros no teclado que cheguem .
    No entanto estive este fim de semana a jogar à sueca com uns amigos e sempre que dava uma mão lá me saiam 10 aminoacidos numa impossivel ordem probabilistica, quererá isto significar que sou deus ou apenas significa que você não percebe nada de probabilidades?

    atentamente, satanucho

    ResponderEliminar
  50. perspectiva,
    para já convém que o que digas seja verdade. Depois, eu sou um informático e os argumentos com apelo à ignorância, intuição e citações que não posso confirmar o contexto não convessem. Não sou senil, por isso convém esperarem pela minha velhice e por uma doença mental para se aproveitarem de mim. Além disso, já vi que gosta de driblar e fugir às questões, o que não inspira confiança, principalmente tendo em conta que a sua área é advocacia.

    No "River Out of Eden" Dawkins diz que o ADN é um rio - daí o título do livro. A conclusão da secção da citação é: «There is no spirit-driven life force, no throbbing, heaving, pullulating, protoplasmic, mystic jelly.»
    * lnk1
    * lnk2
    * lnk3 - Science and Poetry (encontras lá a citação como exemplo)

    Se é assim que tentas convencer-me de algo, o melhor é esperar sentado.

    ResponderEliminar
  51. "O Zeca tem razão. O ateísmo é perigoso."

    Anónimo,
    não tanto quanto a crendice. Cito-lhe o Público de hoje:

    "... Julho, quando duas pessoas morreram e seis ficaram feridas num serviço religioso da Igreja Unitária Universal do Vale do Tennessee, em Knoxville. O autor dos disparos, Jim Adkinson, disse então à polícia ter atacado a igreja por discordar dos "ensinamentos liberais" que ali eram ministrados."

    isto vem na sequência de uma outra notícia sobre um pastor morto a tiro ontem numa igreja norte-americana. Não se sabe ainda bem porquê, mas é possível que tenha lido as asneiras do Perspectiva.

    Cristy

    ResponderEliminar
  52. correção

    mas é possível que o assassino tenha lido as asneiras do Perspectiva.

    ResponderEliminar
  53. Richard Dawkins diz:

    "There is no spirit-driven life force, no throbbing, heaving, pullulating, protoplasmic..."

    Isso é a sua opinião.

    O facto é que o DNA tem um código e Dawkins reconhece isso.

    Os criacionistas dão valor aos factos referidos por Dawkins, mas não às suas opiniões fantasiosas.

    ResponderEliminar
  54. RICHARD DAWKINS REITERA: O DNA TEM INFORMAÇÃO CODIFICADA


    O Ludwig diz que o DNA não tem informação codificada (ou tem, ou não tem, ou tem, conforme a disposição do Ludwig.)

    Richard Dawkins, no seu livro The Devil’s Chaplain, pags. 27 ss. diz:

    “The genetic code is truly digital in exactly the same sense as computer codes.

    This is not some vague analogy. It is the literal truth”.

    Ou seja, existe efectivamente informação codificada no DNA.

    Daí que possamos com toda a certeza reafirmar:

    1) Sempre que sequências não arbitrárias de símbolos são reconhecidas, como numa linguagem, como representando ideias ou instruções passíveis de serem lidas e executadas, por pessoas ou maquinismos, para a realização de operações específicas orientadas para resultados determinados, estamos perante informação codificada;


    2) Toda a informação codificada tem sempre origem inteligente, não se conhecendo excepções a esta regra;


    3) A vida depende da informação codificada no DNA, que existe em quantidade, qualidade, complexidade e densidade que transcende toda a capacidade tecnológica humana, e que, depois de precisa e sincronizadamente transcrita, traduzida, lida, executada e copiada conduz à produção, sobrevivência, adaptação e reprodução de múltiplos seres vivos altamente complexos, integrados e funcionais.


    4) Logo, a vida só pode ter tido uma origem inteligente, não se conhecendo qualquer explicação naturalista para a sua origem.

    ResponderEliminar
  55. O DNA TEM INFORMAÇÃO CODIFICADA DE ORIGEM INTELIGENTE

    1) Toda a informação codificada tem origem inteligente, não se conhecendo excepções
    2) A vida depende da informação codificada no DNA, que existe em quantidade, qualidade, complexidade e densidade que transcende toda a capacidade humana e que, depois de precisa e sincronizadamente transcrita, traduzida, lida, executada e copiada conduz à produção, sobrevivência, adaptação e reprodução de múltiplos seres vivos complexos, integrados e funcionais.
    3) Logo, a vida só pode ter tido uma origem inteligente, não se conhecendo qualquer explicação naturalista para a sua origem.

    O Ludwig diz que o DNA não tem informação codificada (ou tem, ou não tem, ou tem, conforme a disposição do Ludwig).


    O ateu evolucionista Richard Dawkins também reconhece a existência de informação codificada no DNA. Nas suas palavras,

    “DNA carries information in a very computer-like way, and we can measure the genome's capacity in bits too, if we wish.

    DNA doesn't use a binary code, but a quaternary one.

    Whereas the unit of information in the computer is a 1 or a 0, the unit in DNA can be T, A, C or G.”


    Ou seja, existe efectivamente informação codificada no DNA. Daí que possamos reafirmar:


    1) Toda a informação codificada tem origem inteligente, não se conhecendo excepções


    2) A vida depende da informação codificada no DNA, que existe em quantidade, qualidade, complexidade e densidade que transcende toda a capacidade humana e que, depois de precisa e sincronizadamente transcrita, traduzida, lida, executada e copiada conduz à produção, sobrevivência, adaptação e reprodução de múltiplos seres vivos complexos, integrados e funcionais.


    3) Logo, a vida só pode ter tido uma origem inteligente, não se conhecendo qualquer explicação naturalista para a sua origem.

    ResponderEliminar
  56. Então o que Dawkins diz é mera opinião.
    Mas ele também diz que em vez de usar equações, prefere usar metáforas para explicar ideias em Ciência. O próprio título do livro mostra uma: o ADN como um rio. A citação também encontra-se num livro sobre poesia na descrição de ideias científicas. Vide os links que coloquei! Vide! Também são meras opiniões?

    ResponderEliminar
  57. O Ludwig autodescreve-se como macaco tagarela e tende a pensar cada vez mais como um.

    Vejamos a pergunta:

    "Se o ateísmo morreu e está enterrado, porque continuam estes seus comentários?"

    Continuam e continuarão.


    "Será que o Jónatas já notou que código e informação não são sinónimos?"

    Será que o Ludwig não percebeu que os criacionistas falam em informação codificada?

    O código é dado pelas sequências de nucleótidos.

    A informação são as instruções para a produção de seres vivos que nelas se encontram codificadas.

    Temos dito isso até à exaustão.

    E vamos continuar a repetir até o Ludwig perceber.

    Leia o post seguinte.

    ResponderEliminar
  58. CÓDIGO E INFORMAÇÃO NO DNA

    O Ludwig é um jovem curioso.


    O Ludwig Krippahl tentou dizer que o DNA não contém um código.

    O tiro saiu-lhe pela culátra, porque é impossível alguém no seu perfeito juizo dizer isso.

    Agora vem dizer que o código não se confunde com a informação, como se houvesse algum criacionista que tivesse confusões nessa matéria.

    Acresce que isso é uma tentativa de distrair as pessoas do essencial: Krippahl, Dawkins e Flew enterram juntos o ateísmo.

    O problema para o Ludwig é que a generalidade da comunidade científica, em quem o Ludwig tanto gosta de se basear (incluindo a generalidade dos evolucionistas), reconhece que o DNA contém efectivamente um código.

    O Ludwig diz que um código supõe sempre uma convenção de símbolos. Os criacionistas concordam.

    O Ludwig diz que o código é sempre criado por uma inteligência. Os criacionistas concordam.

    Mas acrescentam que isso se aplica inteiramente ao DNA, que, como afirmam Crick, Watson, Sagan e Dawkins, tem informação codificada.

    O DNA contém uma convenção de símbolos.


    Este código, que se encontra no núcleo de cada célula, contém a informação necessária para especificar todas as diferentes espécies vegetais, animais e humana.

    A estrutura codificada da informação constante do DNA, armazenada da forma mais eficiente, salta à vista nas sequências de nucleótidos (letras), estruturadas em codões (palavras) contidas em genes (frases) que integram cromossomas (capítulos).


    O DNA tem as seguintes dimensões:

    1) estatística (capacidade de armazenamento)

    2) sintaxe (dímbolos ATCG, linguagem)

    3) semântica (codificação através dos símbolos de aminoácidos)

    4) pragmática (produção de proteínas e células)

    4) apobética (produção de seres vivos com características e propriedades inteiramente diferentes das da composição física e química da molécula do DNA).


    Estatística, sintaxe, semântica, pragmática e apobética, estes são os ingredientes contidos em toda e qualquer informação codificada.


    Os mesmos estão inteiramente presentes no DNA.


    A origem da informação contida no DNA é a questão essencial da investigação sobre a da origem da vida.


    O código transmite informação à célula sobre como se reproduzir a ela própria ou fabricar as proteínas necessárias à sobrevivência.

    O código não se confunde com a informação.

    O código armazena e transmite informação.

    Como sucede com qualquer código.

    Os códigos são inteligentemente criados para armazenar e transmitir informação.

    A mesma informação pode ser transmitida com vários códigos.



    A estrutura da molécula de DNA ou a combinação de moléculas de DNA determina a estrutura, a forma e a função dos novos seres que vão surgir do processo de reprodução.

    Tudo isso significa que, dentro de cada espécie, o DNA contém uma mensagem codificada contendo as instruções específicas para a reprodução daquela mesma espécie.


    Esta realidade corrobora o ensino bíblico de que a vida foi criada através da Palavra de Deus (daí o código) e de os diferentes seres vivos se reproduzem de acordo com a sua espécie.

    A questão que se coloca é esta: se o DNA contém mensagens, de onde vieram essas mensagens?

    Quem é o emissor?

    Quem tem o conhecimento de física, química, genética e biologia subjacente a essas mensagens complexas e especificadas?


    O problema é pertinente, se se considerar que a comunidade científica toda junta não consegue fazer algo remotamente semelhante.

    Se um dia o viesse a conseguir, seria certamente graças a muita inteligência, informação e esforço.


    A quantidade e qualidade inabarcável de informação genética armazenada na molécula de DNA, dá-nos boas indicações acerca da inteligência da fonte dessa informação.


    Essa informação é armazenada através do código genético, com o qual não se confunde.

    A mesma informação poderia ser armazenada mediante outro código (mesmo que não fosse executável).

    Informação não biológica também pode ser armazenada no código genético, como se pretende que suceda nos computadores de DNA.

    A verdade é que quem quer que seja a fonte da informação codificada no DNA, ela tem certamente mais conhecimento e informação do que toda a comunidade científica junta.

    A questão que se coloca é: será que estamos dispostos a encarar essa realidade?


    A probabilidade de criação por acaso da primeira proteína de hemoglobina foi estimada em 1 em 1x10^850, um número absolutamente incompreensível se se pensar que o número de átomos contidos no Universo está estimado em 10^80.


    A probabilidade de o código do DNA de um simples micro-organismo adquirir por acaso a sua necessária especificidade foi estimada em 1 em 1x10^78 000.

    E isto é apenas estatística, passando ao lado dos aspectos sintácticos, semânticos, pragmáticos e apobéticos do DNA, que também os tem.

    Um código tem sempre origem inteligente. Dizer o contrário é manifestamente absurdo, visto que a origem não inteligente de um código nunca foi observada.

    O DNA não é estruturalmente diferente de uma linguagem, seja ela o grego, o egípcio cursivo ou egípcio hieroglífico da Pedra de Roseta.

    É interessante que Robert Pollack, um biólogo auto-prolamado ateu (colaborador de James Watson) afirma que, no DNA, a natureza (os criacionistas diriam Deus!) criou um manifesto, um texto multifacetado.

    Para Robert Pollack, os genomas são uma forma de literatura, comparável a uma biblioteca rica em obras clássicas.

    Nas palavras de Pallock, um biólogo evolucionista ateu, o DNA sugere a existência de um padrão de inteligência, apenas comparável às grandes obras clássicas, incluindo a Bíblia.


    A Bíblia afirma que Deus criou a vida pela sua palavra e o DNA, longe de refutar isso, corrobora-o plena e eloquentemente.


    A Bíblia diz que Deus, auto-revelado como LOGOS, criou a vida. Para a Bíblia, “no princípio era o VERBO” (João 1:1).

    (o filósofo Heraclito usava o LOGOS, para descrever o princípio que estruturava todo o Universo).


    Deus é Palavra. A Vida é Código.

    A correspondência não podia ser mais perfeita.

    Neste contexto, a utilização comum de expressões, a propósito do DNA, como “código”, “informação”, “linguagem”, “transcrição”, “tradução”, “leitura”, “descodificação”, “execução”, “cópia”, não poderia ser mais apropriada.


    São exactamente esses os termos usados para descrever uma obra literária ou um programa de computador ou os planos para o fabrico de uma máquina.


    No princípio existia o conceito, na mente de Deus, que foi depois executado na Criação das espécies e vertido em informação codificada no respectivo núcleo para assegurar a sua reprodução.

    A criação da vida requer a existência de Deus.

    ResponderEliminar
  59. O PROJECTO ENCODE AFIRMA: O DNA TEM INFORMAÇÃO CODIFICADA


    O Ludwig afirma que o DNA não tem informação codificada (ou tem, ou não tem, ou tem, ou volta a não ter, conforme a imprevisível e instável disposição do Ludwig)

    No entanto, o Projecto ENCODE, que foi construído sobre premissas evolucionistas, admite que a sequência do genoma humano codifica as instruções para a fisiologia humana.

    Na apresentação do projecto afirma-se:

    “The sequence of the human genome encodes the genetic instructions for human physiology”

    Ou seja, existe mesmo informação codificada no genoma.

    Isto é facto observável.

    Não existe confusão entre código e informação.

    Código: sequências de nucleótidos.

    Informação: instruções genéticas da fisiologia humana


    Daí que possamos reafirmar:


    1) Sempre que sequências não arbitrárias de símbolos são reconhecidas, como numa linguagem, como representando ideias ou instruções passíveis de serem lidas e executadas, por pessoas ou maquinismos, para a realização de operações específicas orientadas para resultados determinados, estamos perante informação codificada;


    2) Toda a informação codificada tem sempre origem inteligente, não se conhecendo excepções a esta regra;


    3) A vida depende da informação codificada no DNA, que existe em quantidade, qualidade, complexidade e densidade que transcende toda a capacidade tecnológica humana, e que, depois de precisa e sincronizadamente transcrita, traduzida, lida, executada e copiada conduz à produção, sobrevivência, adaptação e reprodução de múltiplos seres vivos altamente complexos, integrados e funcionais.


    4) Logo, a vida só pode ter tido uma origem inteligente, não se conhecendo qualquer explicação naturalista para a sua origem.

    ResponderEliminar
  60. Pedro Ferreira09/03/09, 15:25

    PAC,

    O perspectiva entrou em curto-circuito. Fala aos berros sozinho e não responde a ninguém. Entrou mesmo num estado de esquizofrenia.

    Faz lembrar aqueles que infelizmente entram num estado de demência e a partir daí repetem sempre a mesma coisa e não respondem a estímulos externos. Tipo: "Eles vêm aí! Eles vêm aí! Eles vêm aí! Eles vêm aí!".

    Coitado...

    ResponderEliminar
  61. Pedro Ferreira09/03/09, 15:27

    perspectiva,

    "A probabilidade de ..."

    Burro!!!

    ResponderEliminar
  62. Oscar Pereira09/03/09, 15:33

    Creio que este pequeno extracto de um comentário do perspectiva mostra bem o que é (tentar) discutir com ele:

    Vejamos a pergunta:

    "Se o ateísmo morreu e está enterrado, porque continuam estes seus comentários?"

    Continuam e continuarão.

    [ e segue para a próxima pergunta ]


    "Esqueceu-se" foi de responder ao porquê...

    É como se costuma dizer: nunca discutas com um idiota, porque ele primeiro arrasta-te para o nível dele, e depois ganha-te em experiência...

    ResponderEliminar
  63. Pedro Ferreira09/03/09, 16:02

    Oscar Pereira,

    O tipo de discurso do perspectiva adequa-se bem ao seu perfil.

    "Mas porque razão o Sol nasce?"

    Ao qual responde:

    "Misteriosos são os caminhos do Senhor..."

    E continua com o tema seguinte...

    (Tenho para mim que o perspectiva entrou mesmo num estado esquizofrénico...)

    ResponderEliminar
  64. O Jonatas enlouqueceu de vez.

    Também já era de esperar ...

    Coitados dos alunos dele ..

    ResponderEliminar
  65. Apresento-vos o "irmão" brasileiro do perspectiva, com a diferença de que este diz que não vai na onda dos criacionistas bíblicos:

    Desafiando a Nomenklatura Científica

    http://pos-darwinista.blogspot.com/

    Nome:
    Enézio E. de Almeida Filho
    Local:
    Campinas, SP, Brazil

    «Por que sou ‘pós-darwinista’? Porque já fui evolucionista de carteirinha. Hoje, sou cético da teoria macroevolutiva como verdade científica. Contudo, meu ceticismo ao ‘dogma central’ darwinista não é baseado em relatos da criação de textos sagrados. Foi a séria e conflituosa consideração do debate que ocorre intramuros e nas publicações científicas há muitos anos sobre a insuficiência epistêmica da teoria geral da evolução. Eu fui ateu marxista-leninista. Hoje, não tenho mais fé cega no ateísmo.»

    ResponderEliminar
  66. Pedro:

    "(Tenho para mim que o perspectiva entrou mesmo num estado esquizofrénico...)"

    O que eu vejo é uma alucinação colectiva dos evolucionistas, que, não tarda nada, se converte em esquizofrenia.

    ...

    Aproveitem e façam alguma coisa de decente - participem na 1ª convenção do "Portugal pro-Vida".

    ResponderEliminar
  67. N era suposto este Zetuga desaparecer de vez? Nem é suficientemente "homem" para cumprir as suas promessas.

    ResponderEliminar
  68. O perspectiva pensa mesmo que nós ainda lemos as postas dele?!? Não acredito!?!?

    ResponderEliminar
  69. "Tanto cientistas como criacionistas gostam de resultados intrigantes"

    Bonita contraposição entre "cientistas" e "criacionistas", como se um homem/mulher não pudesse ser ambos.

    ResponderEliminar
  70. Barbas:

    "Vosselência" ainda não percebeu que eu estou aqui para pra me divertir com as vossa palhaçadas?

    Se rir faz bem à saúde e tenho palhaços com actuação gratuita, porque me "houvera de ir embora"?

    Tendo em atenção o carácter artistico deste local (e só palhaçadas ateistas), percebe-se a birra do LK com os "direitos de autor" - a vosselências também ninguém paga... e o trabalho artistico é de muito bom nível!

    Bem... o do Barbas é um bocado atabalhoado, mas...

    ResponderEliminar
  71. "Vosselência" ainda não percebeu que eu estou aqui para pra me divertir com as vossa palhaçadas?

    O prazer é mútuo, zé.

    ResponderEliminar
  72. Bonita contraposição entre "cientistas" e "criacionistas", como se um homem/mulher não pudesse ser ambos.

    Em termos lógicos, tens toda a razão. Em termos práticos e na actualidade, não :).

    ResponderEliminar
  73. "como se um homem/mulher não pudesse ser ambos."


    Não entendi. Pode explicar?

    ResponderEliminar
  74. Zeca:

    Promete que não volta, mas afinal volta???? Troca tintas. Cumpra lá o que prometeu e assim não fique como mentiroso, alem de chato que nem uma carraça. Que grande chato essa melga que da pelo nome de Zeca.

    ResponderEliminar

Se quiser filtrar algum ou alguns comentadores consulte este post.