sexta-feira, março 20, 2009

Treta da semana: a avaliação das escolas.

Recebi ontem um folheto do Ministério da Educação (ME) a anunciar a avaliação “externa” da escola dos meus filhos (1). Bem, recebi uma fotocopia do folheto. Não devia haver para todos. Na rubrica intitulada “Objectivos” não fica claro se vão avaliar o cumprimento dos objectivos ou se são os objectivos da avaliação. Mas, com os objectivos que apresentam, pouca diferença faz.

O primeiro é «Fomentar nas escolas uma interpelação sistemática sobre a qualidade das suas práticas e dos seus resultados». Admito que valha a pena interpelarem-se acerca disto. Mas a interpelação é um meio de atingir o objectivo: boas práticas e bons resultados. Não faz sentido que o meio seja o objectivo porque, assim, cumprem o objectivo ficando-se pelo interpelanço e sem contribuir nada para os bons resultados. E nem sequer a isso chegam. Pelo que descrevem, satisfaz-lhes o mero fomento à interpelação.

O segundo objectivo é «Articular os contributos da avaliação externa com a cultura e os dispositivos da auto-avaliação da escola.» Ou seja, querem que a avaliação sirva para alguma coisa. É um bom princípio mas preocupa-me que julguem necessário afirmá-lo explicitamente. E com tanto palavredo. Preocupa-me porque assim fico sem saber o que deduzir da ausência de objectivos como “não desperdiçar o dinheiro do contribuinte” ou “deixar-se de tretas e fazer alguma coisa de jeito”.

O terceiro objectivo é demasiado modesto. «Reforçar a capacidade das escolas para desenvolverem a sua autonomia». Percebo a autonomia como um objectivo. Não sei se é bom ou não, mas pelo menos é um objectivo que se sabe quando se atinge. Desenvolver a autonomia é um objectivo mais fraquito mas, pelo menos, sempre exige que a autonomia aumente. Por pouco que seja. Mas a capacidade para desenvolver autonomia não é um objectivo. É mais um subjectivo porque, quer se desenvolva quer fique na mesma, podem sempre dizer que a capacidade está lá. E o que se propõem fazer é apenas reforçar essa capacidade. Parece-me que basta não pegar fogo à escola para cumprir este “objectivo”.

Depois, «Concorrer para a regulação do funcionamento do sistema educativo». É genial. “Contribuir para” é útil, por ser vago, quando não se quer dizer nada de concreto. Mas vago é coisa de amadores. O perito em eduquês é mais exigente. Neste contexto, “concorrer para” consegue ser vago e ambíguo ao mesmo tempo. Além de o podemos interpretar de várias maneiras, nenhuma delas diz ao certo o que se propõem fazer. Querem competir com outros a ver se regulam o funcionamento? Partilham a regulação? Contribuem para que se regule? Mas que raio vão regular e como?

Finalmente, propõem «Contribuir para um melhor conhecimento das escolas e do serviço público de educação, fomentando a participação social na vida das escolas». Mais uma vez, o objectivo fica-se por contribuir e fomentar em vez de visar aquilo que querem fomentar ou para o qual vão contribuir. E ficamos sem saber se vão contribuir para um melhor conhecimento com o objectivo de fomentar a participação social se, pelo contrário, o objectivo é contribuir para o conhecimento e fomentar a participação é uma forma de o conseguir. Mas suspeito que a diferença seja pequena.

Penso que isto mostra bem o que se passa no ME. As ideias, em traços gerais, não são más. Avaliar as escolas é bom, mesmo que chamar-lhe “avaliação externa” quando é o ME a fazê-la não seja muito correcto*. Mas enrolam as coisas em tanta verborreia que nasce tudo mumificado. Isto era treta se fosse de borla. Com o dinheiro que gastam nestas coisas já merecia um termo mais forte.

* Errata, 22-3-09. Informou-me a Maria C. nos comentários que a avaliação é mesmo externa, feita por inspectores e avaliadores independentes do ME. Obrigado pela informação.

1- Avaliação Externa das Escolas 2008-2009, Ministério da Educação, IGE. Folheto em pdf

7 comentários:

  1. Faltou problematizar pá. Problematizar e conceptualizar.

    ResponderEliminar
  2. O problema é que esta cultura minou as escolas durante anos, materializando-se ao nível do ensino no "eduquês" que nada diz, além de uma embalagem bonita de palavras. Os Projectos Educativos, os planos anuais de actividades estão cheios de objectivos deste tipo.
    É dramático, que mesmo um governo que tentou trazer a avaliação para o sistema educativo, de uma forma trapalhona é certo, não consiga ter técnicos no ME, com capacidade de fazer um documento objectivo.
    Uma avaliação deve ser o mais objectiva possível, o que naturalmente é impossível se logo ao nível mais básico, da definição de objectivos e metas, temos uma treta destas.

    ResponderEliminar
  3. mama eu quero21/03/09, 10:10

    Confesso que não fazia ideia que as avaliações nas escolas tinham critérios deste tipo!

    Claro que isto não faz sentido nenhum!

    ResponderEliminar
  4. As avaliações externas são feitas por um avaliador de uma instituição (por exemplo um professor do superior especialista em avaliação) e pelos inspectores. Estes são um corpo independente do ministério. Esses objectivos podem parecer espalhafatosos mas na prática eles vão aos pormenores, onde dói mais. Vêem tudo, e sabem muito bem avaliar a dinâmica das escolas. Este ano estou a sofrer uma na minha escola. Vamos ver como acaba...

    ResponderEliminar
  5. Mas o folheto tem um excelente aspecto gráfico! Bem, não sei se a tua fotocópia tem...

    ResponderEliminar
  6. Maria C.

    «As avaliações externas são feitas por um avaliador de uma instituição (por exemplo um professor do superior especialista em avaliação) e pelos inspectores. Estes são um corpo independente do ministério. »

    Obrigado pela informação. Na verdade, assim já faz sentido chamar-lhes externas.

    E não duvido que haja gente competente a fazer estas coisas. O que me preocupa é que, se os objectivos já são assim tão intragáveis e vagos, como será o relatório final. Porque se for escrito desta forma não vai servir para nada, que ninguém vai poder espremer de lá algum sumo que se aproveite...

    ResponderEliminar
  7. Tendo em conta as perguntas que fizeram parece-me que o relatório final será bem objectivo. mas ainda não sei. vou esperar pelo fim do ano para saber.

    ResponderEliminar

Se quiser filtrar algum ou alguns comentadores consulte este post.