sábado, outubro 11, 2008

Treta da Semana: «A Ciência confirma a Bíblia».

É o título de um post do Rodrigo Bento no seu blog «Sal da Terra». Começa assim:

«Tendo em mente que a Bíblia foi escrita há milhares de anos, por dezenas de pessoas diferentes, num período de 1500 anos, considere:
A Bíblia: A Terra é uma esfera. (Isaías 40:22)
A Ciência Hoje: A Terra é uma esfera.
A Ciência Então: A Terra é plana.»
(1)

Isaías 40:22 usa o termo hebraico «chuwg», literalmente círculo ou compasso (2). Isto está de acordo com a mitologia hebraica, que imaginava a Terra como um círculo plano. Jó 38:12-14 diz «Desde que começaram os teus dias, deste tu ordem à madrugada, ou mostraste à alva o seu lugar, para que agarrasse nas extremidades da Terra, e os ímpios fossem sacudidos dela? A Terra se transforma como o barro sob o selo». Nem a esfera tem extremidades para agarrar nem o barro sob o selo fica esférico. Em Mateus 4 o diabo leva Jesus a uma montanha alta de onde se podem ver todos os reinos da Terra, e Daniel 4 relata uma visão de uma árvore tão alta que dela se podia ver o fim de toda a Terra.

Por outro lado, séculos antes do cristianismo já os gregos tinham demonstrado que a Terra era esférica, e a partir daí foram raras as pessoas cultas que julgavam a Terra plana. Era uma crença comum entre os mais ignorantes, e entre os que levavam a Bíblia demasiado à letra, mas não era o que dizia a ciência da altura (3).

O Rodrigo estica metáforas escolhidas a dedo, afirma-as de acordo com a ciência moderna, inventa uma “ciência antiga” e esquece-se que a Bíblia foi a origem de muitos desses erros. Noutro exemplo, o Rodrigo diz que a Bíblia e a ciência moderna recomendam que «[q]uando se lida com doenças, as mãos devem ser lavadas em água a correr». Mas o que a ciência recomenda é um bactericida eficaz. E a Bíblia diz que as doenças são castigo divino. Não é a lavar as mãos que alguém se safa disso.

Que há uns séculos tentassem pôr a Bíblia e a ciência ao mesmo nível ainda se desculpava. Mas fazê-lo hoje é de uma miopia atroz. O Rodrigo troca a exploração sistemática do universo pela aceitação passiva de um dogma, faz de conta que o conhecimento que acumulámos se resume a um livro de poesia religiosa e prescinde por completo de qualquer explicação. Diz ser «impossível naquela altura ter-se este tipo de conhecimento, a menos que se fosse inspirado por quem de facto soubesse.» Mas que conhecimento?

A ciência diz para usarmos bactericida, e isso é conhecimento porque inclui a explicação que as mãos têm bactérias, que as bactérias se propagam, que a sua propagação causa doenças e até quais bactérias causam quais doenças. Essa rede de hipóteses interligadas e justificadas é conhecimento. A Bíblia não tem nada disso. O Rodrigo refere Levítico 15:13, «Quando, pois, o que tiver o fluxo e ficar limpo do seu fluxo, contará para si sete dias para a sua purificação, lavará as suas vestes, banhará o seu corpo em águas vivas, e será limpo.» Isto não é conhecimento nenhum. É um ritual religioso. Não explica, não informa, não diz por quê nem para que fim.

Não sei se há muitas pessoas como o Rodrigo Bento e outros que por aqui passam. Se calhar este blog atrai uma amostra não representativa da população. Mas, mesmo que sejam poucos isto preocupa-me porque é uma ameaça à sociedade moderna. A nossa compreensão da natureza, o nosso conforto e segurança, os princípios de igualdade e justiça que nos regem, praticamente tudo o que conquistámos nos últimos séculos depende de perceber que o conhecimento e a razão exigem muito mais que estas tretas.

A ciência não confirma a Bíblia. A ciência explica uma data de coisas e a Bíblia afirma uma data de coisas. Estranho seria se nem uma das últimas se parecesse a alguma das primeiras.

1- Rodrigo Bento, A Ciência confirma a Bíblia.
2- Strong’s Hebrew dictionary, chuwg.
3- Wikipedia, Flat Earth mythology.

51 comentários:

  1. antónio parente11/10/08, 22:45

    Hoje o Expresso dedica uma página ao ensino da teoria da evolução nas escolas.

    Numa pequena caixa foram entrevistados o padre jesuíta Luís Archer e o porta-voz da Conferência Episcopal Portuguesa que deram as suas opiniões sobre o criacionismo. Aqui fica a transcrição:

    PADRE LUÍS ARCHER

    “Criacionismo é uma grande tolice”

    Não há “incompatibilidade nenhuma entre a religião e a ciência, porque a primeira procura o porquê e a segunda o como”, considera o padre jesuíta e cientista Luís Archer, acrescentando que “o criacionismo é uma tolice de todo o tamanho”. Os criacionistas defendem que a vida na Terra e as espécies foram criadas por Deus, tal como é relatado na Bíblia, e não que evoluíram em resultado de um processo de selecção natural. Luís Archer, 82 anos, doutorado em Genética Molecular e ex-presidente do Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida, insiste que “é um disparate as pessoas pensarem que a Bíblia é um livro de ciência” e argumenta que “Deus não é necessário para explicar a origem da vida e a origem do Homem”.

    O padre Manuel Morujão, porta-voz da Conferência Episcopal Portuguesa, assinala também que “o verdadeiro debate não se situa entre criacionismo e evolucionismo, mas sim entre fixismo e evolucionismo, como se falava até Darwin, e continua em aberto”. E a pergunta que se coloca é: “Terá Deus criado o universo de modo evolucionista ou fixista (havendo apenas a multiplicação de indivíduos dentro da mesma espécie fixa, desde o início)?” Quanto ao resto, “as primeiras páginas do livro do Génesis não são uma lição de ciência, mas uma catequese sobre Deus”. Em suma, “a religião não deve tornar-se ciência e a ciência não deve fazer-se religião”.

    ResponderEliminar
  2. Entre os Gregos era sabido que a terra era redonda. Mas no tempo e na sociedade em que os escritos de Isaías foram escritos que conceitos exisitiam sobre a forma da terra?

    Se a Biblia diz que a terra é redonda, a ciencia comprova, qual é o problema? Não terá a Bíblia certa?

    Segundo a Associação Americana de Profissionais de Controle de Infecção e Epidemologia diz que pelo menos 80 % dessas doenças são transmitidas pelas mãos, não pelo ar. Lavar as mãos é considerado o método mais importante para se pervenir a transmissão de doenças. Se os israelitas o faziam, na considera que para a altura era um acto muito sábio de quem seguia o conselho da Lei em Levítico?

    ResponderEliminar
  3. Ah, bom... Este comentário explica muita coisa...

    ResponderEliminar
  4. Anónimo das 3:45,

    «Se a Biblia diz que a terra é redonda, a ciencia comprova, qual é o problema?»

    "Redonda" tanto é a Terra como uma pizza. A diferença é entre circular, como diz no levítico, ou esférica, como diz a ciência. Os hebreus pensavam que a Terra era um circulo assente nos pilares do mundo e com a abóbada dos céus por cima. Esse verso do levítico até menciona Deus a presidir lá em cima, sobre a Terra. Ora isso não faz sentido na cosmologia moderna -- não há acima nem abaixo da Terra.

    « Lavar as mãos é considerado o método mais importante para se pervenir a transmissão de doenças.»

    Certo. Mas tem que se usar algum detergente, água só não adianta. E é para prevenir doenças. O versículo que o Rodrigo Bento citou, do levítico, é um ritual religioso para fazer depois de se ter recuperado de uma infecção e que se destina a tornar a pessoa novamente "pura", ou seja, autorizada a participar nas celebrações religiosas. Não tem o propósito de prevenir doenças nem muito menos eficácia para tal.

    ResponderEliminar
  5. Se a biblia afirma-se que a terra têm forma triangular, parecia mais desarazoado, mas como diz circular, o ludwing acha que é errado à mesma. boa lógica...até faz sentido, claro, aliás a biblia está errada pq a ciência diz que a terra é forma elipsóidal (achatada aos pólos). até já advinho o seu próximo post, a biblia menciona ou descreve que existia um homem gordo, ludwing virá logo em defesa lógica tosca em dizer - não é gordo, o termo ciêntifico é pimelose, logo não faz sentido na ciência médica. Parabens...

    "Mas tem que se usar algum detergente, água só não adianta."

    agora sim, detergente, pois é, eram mesmo porcos e com o hipermercado mesmo ali ao perto, sugeria o Detol, pq se usarem outro a biblia está errada...
    Neste capitulo de Levítico o tema é sobre fluxo de semen, com aguinha tudo passa...

    ResponderEliminar
  6. O xadrez ganha o prémio do tótó do ano. Parabéns. Leia de novo o post, cresça e apareça. Quando tiver 15 anos volte e dê dicas.

    ResponderEliminar
  7. Mário Miguel12/10/08, 13:39

    Caro Anónimo das 3:45, e particularmente, caro Xadrez,

    Vejo que vocês, lamentavelmente, confundem circunferência com esfera.

    Não se consegue jogar futebol com uma circunferência, mas com uma
    espera já é possível (mesmo que achatada nos pólos de forma quase imperceptível, como no caso da terra). Não sei que conseguem entender porque. Mas como eu quero que lhes fique absolutamente claro a diferença, que parece a todo o custo vocês teimam em não entender, cliquem nas seguintes ligações (escrito em português) para ver as diferenças:

    Circunferencia: figura geométrica com, unicamente, duas dimensões.

    Esfera: figura geométrica com três dimensões, uma a mais do que a circunferência.

    Se ainda assim vocês insistem e dizer que uma circunferência é representativa da terra (que para todos os efeitos é uma esfera, pois o achatamento nos pólos é ridiculamente pequeno - um astronauta do espaço não consegue ver esse achatamento), então, lamento a vossa desonestidade argumentativa.

    ResponderEliminar
  8. Mário Miguel12/10/08, 13:43

    Barba,

    Eu até estava a pensar explicar com bananas tomates e laranjas para se entender melhor... Mas como tu disseste no outro post, acho que perco o meu tempo:)

    ResponderEliminar
  9. como disse se a biblia menciona-se que a terra é quadrada ou sem forma, ainda percebia o erro, mas os senhores preferem ser tacanhos por considerarem questões semânticas...enfim.
    William Shakespeare, disse:
    "Aquilo a que chamamos rosa, mesmo com outro nome, cheiraria igualmente bem."
    A palavra cão não morde, morder-nos realmente, poderá fazê-lo um quadrúpe concreto, rafeiro, Serra da Estrela...a que damos o nome genérico de cão.
    As palavras não são as pessoas, as coisas, os factos, as ideias, sentimentos, sinais ou simbolos. A linguagem verbal ou escrita é uma representação simbólica do mundo, é um instrumento intermediário ou mediador com que os humanos referem as coisas, os seres...a terra. Muito bem representado na biblia a terra. Será que existiu cintistas que consideravam a terra com outra forma que não "redonda".
    A "desonestidade argumentativa" como diz vem de se ter a capacidade de saber ler um dicionário com por exemplo o Houassis e perceber que existe outras modos de entender a palavra esfera ou circunfrência. Talvez lhes falte essa competência, a leitura em papel.

    O que é uma bola? Será que só existe a de futebol???

    seria engraçado ler a vossa intrepretação da poesia de fernando Pessoa ou outro qualquer...

    ResponderEliminar
  10. Xadrez,

    «William Shakespeare, disse:
    "Aquilo a que chamamos rosa, mesmo com outro nome, cheiraria igualmente bem."»


    Tem razão. Mas se me mostrar uma rosa e eu lhe disser que é uma galinha, não é razoável eu defender que tenho razão no que afirmo e que qualquer objecção é só implicar com a semântica.

    Seja como for, no caso da bíblia não é só "semântica" (se bem que sem o significado das palavras não nos entendemos). Há muitos exemplos bíblicos que mencionam Deus por cima da Terra e que indicam que se consegue ver toda a Terra ao mesmo tempo se estivermos suficientemente alto. Isto é inconsistente com a cosmologia moderna e indica que a bíblia segue a cosmologia hebraica com um esquema como pode ver aqui.

    ResponderEliminar
  11. Xadrez,

    Cuidado com a argumentação, pode virar-se contra nós.

    "No princípio era o verbo"

    Não é com algo assim que a bíblia começa?! Ou seja, Deus é a palavra, e agora vem-me dizer que as palavras não são assim tão importantes na bíblia?! Ó Xadrez, por amor de xxx (substituir xxx pelo que quiserem!)

    ResponderEliminar
  12. Caros comentadores,

    Acho que ninguém percebeu a real intenção do Xadrez. Não percebem que ele só pode estar na tanga? O nick dele é um jogo onde é necessária alguma inteligência. Logo, os comentários que faz só podem ser a brincar! Xadrez, acertei ou não?

    ResponderEliminar
  13. Mário Miguel12/10/08, 19:06

    Caro Xadrez,


    «como disse se a bíblia menciona-se que a terra é quadrada ou sem forma, ainda percebia o erro, mas os senhores preferem ser tacanhos por considerarem questões semânticas...enfim.»

    Sim, tenho sido tacanho devido ainda estar a responder as suas "pérolas". Mea culpa.


    «Isaías 40:22 usa o termo hebraico «chuwg», literalmente círculo ou compasso (2). Isto está de acordo com a mitologia hebraica, que imaginava a Terra como um círculo plano. Jó 38:12-14 diz «Desde que começaram os teus dias, deste tu ordem à madrugada, ou mostraste à alva o seu lugar, para que agarrasse nas extremidades da Terra, e os ímpios fossem sacudidos dela? A Terra se transforma como o barro sob o selo». Nem a esfera tem extremidades para agarrar nem o barro sob o selo fica esférico. Em Mateus 4 o diabo leva Jesus a uma montanha alta de onde se podem ver todos os reinos da Terra, e Daniel 4 relata uma visão de uma árvore tão alta que dela se podia ver o fim de toda a Terra.»

    Aqui, repare bem, NÃO HÁ espaço para a desculpa da semântica. Entendeu ou necessita de um desenho? Diga, há algo que não entenda? É que a descrição até é detalhada.


    «As palavras não são as pessoas, as coisas, os factos, as ideias, sentimentos, sinais ou símbolos. A linguagem verbal ou escrita é uma representação simbólica do mundo, é um instrumento intermediário ou mediador com que os humanos referem as coisas, os seres...a terra. Muito bem representado na bíblia a terra.»

    Ou seja: com isto quer referir-se à ambiguidade que você quer que exista nas palavras e descrições de que a terra para a bíblia era esférica e não circular (quer ter essa margem de manobra, atirando areia para os olhos do leitor), se é assim tão simbólico para si estas passagens que são bem calaras, tendo até exemplos a sustentar as afirmações, então, você terá que aceitar NECESSÁRIAMNETE que circular poderá ser esférica, da mesma forma que poderá ser exactamente o que refere: circular! Para si é tudo tão enigmático e poético que só lhe resta ficar preso na dúvida, porque assim fosse o diz!!! Mas olhe que circular leva vantagem, pois é a que é referida explicitamente.


    «O que é uma bola? Será que só existe a de futebol???»

    Por favor, podia ser claro nesta pergunta (pergunta de retórica?), porque se for só o que ela aparentemente é, é demasiado ridícula para ser verdade...

    ResponderEliminar
  14. Mário Miguel12/10/08, 19:14

    Caro Xadrez, (continuação)...

    «A "desonestidade argumentativa" como diz vem de se ter a capacidade de saber ler um dicionário com por exemplo o Houassis e perceber que existe outras modos de entender a palavra esfera ou circunfrência.»

    Pois bem, eu tenho o Dicionário electrónico Houaiss versão 2.0a (português Europeu e português do Brasil)e vou colocar TODO o seu conteúdo aqui, e diga-me onde há "outros modos de entender a palavra esfera ou circunferência" que o levem a dizer que circunferência é uma esfera?

    circunferência:

    substantivo feminino

    1 - Rubrica: geometria.
    linha curva fechada, regular ou não, que limita um círculo
    Ex.: a c. de um prato

    2 - Derivação: por extensão de sentido.
    medida linear dessa circunferência
    Ex.: a c. do crânio, dos quadris

    3 - Derivação: por analogia.
    perímetro de uma área; contorno, circuito
    Ex.: a c. da ilha é quase totalmente ocupada por praias

    4 - Derivação: por extensão de sentido.
    a parte externa de alguma coisa em relação ao centro; periferia, circunvizinhança
    Ex.: os fugitivos foram presos na c. da cidade

    Locuções:

    c. à altura do peito
    Rubrica: botânica.
    medida da circunferência do tronco de uma árvore, feita à altura de aproximadamente 1,5 m do solo [sigla C.A.P.]

    c. osculatriz
    Rubrica: geometria.
    m.q. círculo osculador


    Etimologia:

    lat.imp. circumferentìa,ae 'id.', tradução do gr. periféreia 'id.'; ver -fer-; f.hist. sXV circonferença, sXV circunferencia, sXV circunferençia


    ------------------------------


    Esfera:

    1 - Rubrica: geometria.
    sólido limitado por uma superfície esférica fechada e que tem todos os seus pontos à mesma distância de um ponto em seu interior

    2 - corpo sólido completamente redondo em toda a sua extensão; bola, globo

    3 - Rubrica: astronomia.
    o globo terrestre

    4 - meio, círculo, ambiente
    Ex.: conhecia bem sua e. de relações

    5 - setor em que se exerce ou se difunde determinada atividade (intelectual ou física); área
    Ex.: exerceu grande influência na e. da literatura

    6 - campo em que se expande um poder, uma autoridade, um talento etc.
    Ex.: era muito reduzida a sua e. de influência

    7 - antiga moeda portuguesa de ouro dos sXV-XVI em que havia gravada uma esfera armilar

    8 - Rubrica: futebol.
    m.q. 1bola

    Locuções:

    e. armilar
    Rubrica: astronomia.
    antigo instrumento astronômico em cuja constituição entram anéis metálicos que representam círculos da esfera celeste

    e. celeste
    Rubrica: astronomia.
    esfera imaginária que tem por centro o olho do observador e serve para definir a direção dos astros

    e. oblíqua
    Rubrica: astronomia.
    aspecto da esfera celeste quando observada de um ponto situado entre o equador e os pólos

    e. paralela
    Rubrica: astronomia.
    aspecto da esfera celeste para um observador que se coloca em um dos pólos

    e. reta
    Rubrica: astronomia.
    aspecto da esfera celeste quando o observador encontra-se em um ponto do equador terrestre

    e. terrestre
    a Terra

    Sinónimos/Variantes:

    ver sinonímia de classe

    Etimologia:

    gr. sphaîra,as 'todo corpo redondo; bola para jogar; geom esfera; objetos diversos em forma redonda; globo terrestre, celeste etc.', pelo lat. sphaera,ae 'esfera, globo; bola para jogar'; ver esfer(i/o)-; f.hist. sXV esfera, sXV espera, sXV spera, 1572 esphera


    Peço desculpa pela extensão do texto, mas não havia maneira de colocar isto aqui com ligações (links).

    ResponderEliminar
  15. Mário Miguel12/10/08, 19:19

    Caro Xadrez, (continuação da continuação).


    Consulte estas ligações por favor.

    Visão Bíblica do Universo

    As tangas da Bíblia

    ResponderEliminar
  16. Outra coisa para o Xadrez considerar:

    Se a Bíblia afirmasse que a terra é cúbica, estaria mais próxima da realidade que afirmando que a terra é um círculo achatado.

    ResponderEliminar
  17. Sou pela tolerância para com os crédulos.
    Considero, porém, insuportáveis os prosélitos das muitas tretas antigas e modernas, principalmente aqueles que não escondem o seu fanatismo.
    Por isso é obrigação moral dos que podem desmontar essas patranhas avisar os primeiros e combater, sem tréguas, os segundos.

    Lino S

    ResponderEliminar
  18. http://www.evo.bio.br/dhuava

    ResponderEliminar
  19. Engano no link do comentário anterior.

    http://www.evo.bio.br/

    ResponderEliminar
  20. Ó Ludwig, a usar argumento pré-fabricados de sites ateus? Pensei que você não entrava nesses esquemas e que quando falava da bíblia, fazia a mínima ideia daquilo que estava a dizer.

    Sobre a Bíblia, factos científicos e a Terra plana (Resposta a um ateu)

    ResponderEliminar
  21. Para quem me mandou para um site creacionista queando lhe fiz uma pergutna honesta, tens muito pouca moral para falar Sabino!

    ResponderEliminar
  22. Mário Miguel13/10/08, 12:19

    Para o Marcos Sabino.

    Dizes várias mentiras no teu post!

    Uma delas e que não há palavra hebraica para esfera! Aldrabão!!!!

    Vê aqui!

    A Bíblia crê numa Terra plana e fixa, num Universo Geocêntrico e num céu sólido.

    ResponderEliminar
  23. Marcos Sabino,

    Numa altura em que não havia a ciencia para contrariar a estupidez humana, lembre-me lá como é que foi feita a divisão do mundo entre Portugueses e Castelhanos, no tratado de Tordesilhas? E porque é que Colombo teve tanta dificuldade em obter apoio para a sua expedição?
    Pois é, os governantes da altura achavam que a terra era plana, com base na única fonte de informação "fidedigna" que consideravam existir. A mesma fonte que dizia ser a terra o centro do universo. Já para não falar dos engenhos ridiculos que usavam para tentar explicar o movimento celeste dos planetas...

    Admiro é que passados todos estes séculos, já admitam que é redonda e tentem esconder o passado que também consideram triste.
    Estranhamente há uns meses ví um artigo sobre como há alguns extremistas a tentar afirmar o contrário, e outros a tentar defender que a terra é o centro do universo, novamente.

    ResponderEliminar
  24. Marcos Sabino,

    «a usar argumento pré-fabricados de sites ateus?»

    Se queres dizer que isto já não é novidade, concordo. Se queres dizer que plagiei alguém, discordo. Mais uma vez pecas pela ambiguidade...

    «No post “Treta da Semana: A Ciência confirma a Bíblia” do blogue “Que Treta”, o autor diz que em Isaías 40:22 a Bíblia afirma que a Terra é um círculo plano e achatado.
    [...]
    No hebraico, a palavra “círculo” é chuwg e também significa “circuito” ou “compasso”, dependendo do contexto. É uma palavra que indica algo circular, redondo e não algo achatado ou quadrangular»


    Quadrangular? De onde é que veio isso?

    Um circulo é uma figura geométrica bidimensional. É achatada sim senhor. E o que desenhas com um compasso é igualmente achatado. E o versículo de Isaias fala de Deus no seu trono por cima do círculo da Terra e estendendo os ceus como uma tenda. Isto não é compatível com uma esfera a flutuar no espaço em relação à qual não há acima nem abaixo.

    ResponderEliminar
  25. Já agora, Marcos, se for para usar algo pré fabricado basta-me deixar o link. Como este, que ilustra bem o contorcionismo dos literalistas bíblicos. Gosto especialmente da explicação que todos no mundo verão a vinda de Jesus porque todos terão CNN.

    A tua também não é nada má: «A resposta parece óbvia: Através do sobrenatural.» Dá um jeitão, esse sobrenatural.

    ResponderEliminar
  26. António,

    «Numa altura em que não havia a ciencia para contrariar a estupidez humana, lembre-me lá como é que foi feita a divisão do mundo entre Portugueses e Castelhanos, no tratado de Tordesilhas? E porque é que Colombo teve tanta dificuldade em obter apoio para a sua expedição?»

    Não sei se os governantes eram suficientemente cultos para o saber. Afinal eram monarquias; desde que mexesse e fosse filho do seu pai podia ser governante. Mas os conselheiros e cartógrafos penso que sabiam bem que a Terra era esférica.

    O problema do Colombo foi que ele pensava que a Terra tinha metade do tamanho. Os outros estavam mais perto da estimativa certa e sabiam que o tipo nunca ia conseguir chegar à índia por aquele lado (e isso era verdade, mas não sabiam que havia uma data de terras pelo caminho).

    aqui, por exemplo.

    ResponderEliminar
  27. Ludwig,

    Acho indecente teres-me aviado com um "argumento pré-fabricado"!!! :-)

    A questão que o "rumor" levanta é que alguém tem de acreditar nisso para o afirmar, e se não eram os marinheiros, era quem o relatou...

    ResponderEliminar
  28. Ludwig,
    "Noutro exemplo, o Rodrigo diz que a Bíblia e a ciência moderna recomendam que «[q]uando se lida com doenças, as mãos devem ser lavadas em água a correr»"
    E o que Jesus disse sobre o assunto? LOL Parece-me que até as termas e esgotos no ocidente foram destruídos na Idade Média...

    Anónimo,
    «Mas no tempo e na sociedade em que os escritos de Isaías foram escritos que conceitos exisitiam sobre a forma da terra?»
    Circular, como podes facilmente ver pelos mapas egípcios e babilónicos:
    * Mapa babilónico
    * Mapa egípcio

    Há uma coisa que nunca vai ser apagado: segundo a Bíblia a Terra é como um cilindro de barro com quatro colunas e o céu é como uma tenda a cobri-la - tal como se acreditava desde os primórdios da cultura egípcia.
    1 , 2, 3

    Segundo muçulmanos há ciência no Corão que provam a sua origem divina (até recebi spam com um texto enorme sobre isso)... achas que fico convencido com o que dizem?

    ResponderEliminar
  29. antonio, o teu exemplo do Colombo é erradíssimo. Os Portugueses tinham na altura os melhores matemáticos do mundo e sabiam perfeitamente o tamanho real da esfera planetária. Quando o Colombo chegou à corte portuguesa com os seus cálculos, ele pressupunha um diâmetro da Terra que para os portugueses era tópico de comédia. Foi alvo de chicota não pela idiotice alheia, mas pela própria tolice do Colombo, que acreditou tanto na sua tolice que quando encontrou a américa pensou tratar-se da índia...

    ResponderEliminar
  30. Barba Rija,

    Está confirmado o erro, e assimilado.

    ResponderEliminar
  31. antonio,

    "Pois é, os governantes da altura achavam que a terra era plana, com base na única fonte de informação "fidedigna" que consideravam existir. A mesma fonte que dizia ser a terra o centro do universo."

    É mentira a biblia dizer que a terra está no centro do universo.

    Who invented the flat earth?

    ResponderEliminar
  32. Ludwig,

    "Se queres dizer que isto já não é novidade, concordo. Se queres dizer que plagiei alguém, discordo. Mais uma vez pecas pela ambiguidade..."

    Os argumentos pré-fabricados são, nomeadamente, os de daniel e de Job. Usar isaías 40:22 para sugerir que a biblia diz que a terra é plana ainda vá lá que não vá. Agora, usar um texto que é claramente poético e usar um sonho para dizer que a biblia afirma que a terra é plana... por amor dEle...

    "Quadrangular? De onde é que veio isso?"

    Não do seu post. De outros textos que tenho lido de cépticos. Assim ficam todos englobados.

    "E o versículo de Isaias fala de Deus no seu trono por cima do círculo da Terra e estendendo os ceus como uma tenda."

    Quanto ao círculo, já explanei o assunto. E citou bem: "Estende os céus como cortina. Aprendi que a isto se chama uma comparação, que é um recurso estilístico. E não, não é rotular as passagens de acordo com as minhas necessidades. É percebê-las tendo em conta o estilo literário utilizado.

    "A tua também não é nada má: «A resposta parece óbvia: Através do sobrenatural.» Dá um jeitão, esse sobrenatural."

    Eu não confiaria a minha vida a alguém que não fosse sobrenatural. Acha que ia dedicar a minha vida, tendo em vista a eternidade, a uma pessoa que fosse normal? De carne e osso como eu? Se quer utilizar passagens bíblicas tem de ter em conta que o sobrenatural pode estar presente, que é o que acontece nesta passagem. Se não acredita aí já é problema seu.

    Querer tirar o "sobrenatural" ao relato bíblico era o mesmo que eu dizer que na defesa da sua teoria de evolução, você não poderia utilizar as "mutações", para a explicar.

    ResponderEliminar
  33. Sabino,
    «É mentira a biblia dizer que a terra está no centro do universo.»

    Uau! Mas que site espectacular: "Creation Ministries". O título até inspira confiança. Agora sabemos que tens toda a razão. Apagou-se na minha memória o que Galileu teve de admitir e as citações bíblicas feitas, e os sites que defendem o geocentrismo contra os "copernicanos" porque a Bíblia não pode estar errada contra ele com essa fonte idónea. Obrigado! És mesmo sabino!

    ResponderEliminar
  34. Sabino,
    «Agora, usar um texto que é claramente poético e usar um sonho para dizer que a biblia afirma que a terra é plana... por amor dEle...»
    Tens toda a razão. A visão de Daniel é só uma distorção da Terra no sono. E Jesus esteve drogado no monte onde se vêem todos os reinos. Senão como se explica ter sido testado pelo Adversário?

    «De outros textos que tenho lido de cépticos»
    Estás a falar das quatro colunas que sustentam a Terra? Se sim, então parabéns: cometeste a falácia do homem-palha. E se ninguém falou nisso, para quê usar como argumento? Precisas de recorrer à falácia da culpa?
    Sim, sou um céptico e tu és um dogmático.

    «"Estende os céus como cortina.Aprendi que a isto se chama uma comparação, que é um recurso estilístico. E não, não é rotular as passagens de acordo com as minhas necessidades.»
    Parece que deves voltar à escola. No secundário fui obrigado a explicar os recursos estilísticos nos testes... Explica-me então o significado da passagem através do recurso estilístico. Ou estás a "rotular as passagens de acordo" com as suas "necessidades"?

    «Eu não confiaria a minha vida a alguém que não fosse sobrenatural.»
    Então estás a dizer que nem confiarias num médica ou bombeiro. Uau!
    Sobrenatural é o que não existe, o que não pode ser observado ou testado ou o que não existe no Universo.

    « você não poderia utilizar as "mutações", para a explicar.»
    Isso eu sei: Explaining Evolution to a Creationist. Também não ia consegui-lo com a minha gata. E seria igualmente difícil explicar-te a Teoria da Relatividade e até mesmo a Física Clássica. Até arrisco a dizer que tens pouca educação académica que leva-te a usar a falácia de incredulidade e que nunca usaste um laboratório para realizar experiências e relatórios. Não me digas que acertei?

    ResponderEliminar
  35. Pedro Ferreira13/10/08, 19:38

    Marco Sabino,

    Parabéns pelo comentário:

    "E não, não é rotular as passagens de acordo com as minhas necessidades. É percebê-las tendo em conta o estilo literário utilizado."

    Este foi sem dúvida o melhor que já li. A partir de agora, TUDO pode ser corroborado de duas formas:

    - ou está o que está escrito está de acordo com o que percepcionamos como correcto, logo, está tudo dito (p.ex., fazer uma cirurgia com as mãos todas sujas é pior que fazê-la com as mãos lavadas);

    - o que está escrito não está de acordo com o que percepcionamos. Aí, fica explicado pelo estilo literário utilizado, que, de tão poético, diz o contrário do que percepcionamos.

    Bom argumento. Boa lógica. Perfeito.

    ResponderEliminar
  36. Pedro Ferreira,

    dizer que o céu foi estendido como uma cortina não quer dizer que está relacionado com o movimento de alguém a estender uma cortina, e espalhar os céus como uma tenda não quer dizer . Temos de inventar desculpas. Nisso Sabino é genial.

    Por exemplo, se disser: "os olhos são escuros como ébano", não estou a relacionar a cor dos olhos à cor do ébano. Temos de inventar. Os olhos são claros como... ups, ia metendo água. Eu tinha escrito num poema para uma colega de secundária: "Finos cabelos d'oiro, que são tão ondulados Tão ondulados como mares em Sol raiado". Não estou a relacionar a forma do cabelo dela com as ondas do mar. Como podem ver pelo que escrevi, ela tinha cabelo liso.

    Que eu saiba as tendas cobrem apenas a parte superior do solo, como nesta ilustração bíblica. Como isto: 1 (C. 1504-10, BOSCH, Hieronymus). Ou isto: 2 (1372, em 'Bible Historiale', de Petrus Comestor). Que, como podem ver, é muito diferente disto: 3. Ou disto: 4. Ou disto 5. Ou disto: 6. Ou disto: 7. Ou disto: 8. Ou disto: 8. LOL Esses antigos eram uns imbecis, especialmente os índios que usavam o tipi (tenda) para representar o Universo! Haha. Mas eles não tinham o privilégio da Palavra de Deus para saber como é a forma da Terra e do céu.

    Logo conclui-se que não é como uma tenda... apesar de dizer que é como uma tenda. De qualquer modo conclui-se que não se deve "rotular as passagens de acordo com as" nossas "necessidades".

    ResponderEliminar
  37. errata: «e espalhar os céus como uma tenda não quer dizer » que se diga que o céu é semelhante a uma tenda, ou que o movimento para criar o céu lembre uma tenda

    Como podem ver Sabino tem toda a razão. Amén!

    ResponderEliminar
  38. Pedro Ferreira13/10/08, 21:34

    Pedro Amaral Couto,

    Se há algo que me deixa fora de mim, é a tentativa de distorcer a realidade se está não corrobora os nossos preconceitos. Isso é pura teimosia.

    O meu pai é assim. Se, por engano, diz que o céu é verde, mesmo dando-se conta da patetice que disse, só para não dar o braço a torcer, entra em grandes divagações filosóficas sobre o que é verde, que pode até estar tudo enganado, etc.

    O comentário do sabino fez-me lembrar essa "teimosia". Contra isso, só mesmo o sarcasmo. :)

    ResponderEliminar
  39. Pedro Couto,

    "Uau! Mas que site espectacular: "Creation Ministries". O título até inspira confiança."

    eheh... argumento do "É religioso, não serve!". Sendo assim, também vou deixar de atentar para os comentários dos ateus, já que não são neutros, também

    "E Jesus esteve drogado no monte onde se vêem todos os reinos. Senão como se explica ter sido testado pelo Adversário?"

    lol

    "Estás a falar das quatro colunas que sustentam a Terra?"

    E ler a bíblia sem isolar os versículos? Ah pois, eu é que sou dogmático :o

    "Parece que deves voltar à escola. No secundário fui obrigado a explicar os recursos estilísticos nos testes... Explica-me então o significado da passagem através do recurso estilístico. Ou estás a "rotular as passagens de acordo" com as suas "necessidades"?"

    Parece-me bem. Estender o céu como cortinas pode ser uma referência à expansão do Universo. Céptico como és, vais dizer que estou a inventar ou que estou a querer mais ciência na bíblia, mas uma coisa é certa... se esta referência não viesse na bíblia, tal explicação seria aceite sem problema : )

    "Então estás a dizer que nem confiarias num médica ou bombeiro. Uau!"

    Sim, eu já tinha reparas nas coisas com atenção. Eis o que lhe escapou: "Acha que ia dedicar a minha vida, tendo em vista a eternidade, a uma pessoa que fosse normal?"

    Bom vídeo... Agora tenho de ir dar de comer ao celacanto que tenho no aquário...

    ResponderEliminar
  40. Errata: "Eu já tinha notado que não reparas nas coisas com atenção"

    ResponderEliminar
  41. Desculpem lá qualquer coisinha...
    Mas a bíblia, que em princípio terá inspiração divina, foi feita de forma tão imbecil, que só me resta dizer o seguinte: O Divino conseguiu inspirar esta bela trampa de forma a que os beatos não a entendem, originando multimas interpretações, que belo trabalho o do Divino. E mesmo constatando isso, há beatos que a interpretam de forma literal. Há cada totó.

    ResponderEliminar
  42. «eheh... argumento do "É religioso, não serve!".»
    Eh, eh, não. É o argumento contra o argumento do apelo à autoridade e que se ignore dados ou argumentos. Se tivesses um pingo de inteligência e honestidade repararias que se disser que a Bíblia (ou qualquer outro livro) diz algo, então cita-se a própria Bíblia (ou qualquer livro em questão) para mostrar o que é dito. Depois disso feito, e ainda por cima com a História a corroborá-lo, um site com objectivo apologético - seja de que natureza for - não demonstra o contrário.

    Se eu quiser saber o que um religioso disse, não vou simplesmente confiar num site de ateísmo, que seria igualmente criticável. Vou procurar cópias dos documentos (se não tenho possibilidades de encontrar os originais) ou informações de historiadores que analisam os documentos (que como são especialistas que são escrutinados, presume-se grandes chances de serem expostos se tentarem enganar ou se cometerem erros). Se os sites ateus ou religiosos tiverem boas referências, esse trabalho é facilitado.

    Ou seja, focaste numa crítica que seria legítima se fosse feito usando um site de ateísmo, e ignoraste o resto que foi dito. E repara nas referências da página que são colocadas: «Boorstin acknowledges in his book that by the time of Columbus, most educated Europeans believed in a spherical Earth.» e compara com o que é dito neste artigo:
    «Por outro lado, séculos antes do cristianismo já os gregos tinham demonstrado que a Terra era esférica, e a partir daí foram raras as pessoas cultas que julgavam a Terra plana. Era uma crença comum entre os mais ignorantes, e entre os que levavam a Bíblia demasiado à letra, mas não era o que dizia a ciência da altura»
    E Ludwig corrigiu António: «Não sei se os governantes eram suficientemente cultos para o saber. Afinal eram monarquias; desde que mexesse e fosse filho do seu pai podia ser governante. Mas os conselheiros e cartógrafos penso que sabiam bem que a Terra era esférica
    Cinco comentários depois, aparece o teu com o tal link.

    E podes ver o mesmo em http://www.ethicalatheist.com/docs/flat_earth_myth.html onde estão 120 referências, como o "De Genesi ad litteram libri duodecim" de St. Agostinho, que defende que as Escrituras não devem ser consideradas como tendo conteúdo científico o que foi usado como referência por Galileu na sua defesa.

    Portanto, fugiste à questão (Red Herring), para além de ninguém ter dito que a ideia da Terra plana não foi inventada com a Bíblia: demonstrei que foi muito antes, tendo os Babilónios e Egípcios adoptado a imagem da Terra circular. A questão é que a Bíblia descreve uma Terra plana.

    Ou seja: tu é que cometeste falácias.
    No extracto da "confissão" de Galileu (citado em "As Grandes Ideias Que Moldaram O Nosso Mundo"):
    «Que a Terra não é o centro do Universo, nem imóvel, mas que se movimenta, mesmo com um movimento diurno, é igualmente uma afirmação absurda e falsa em filosofia, e considerada, pela teologia, errónea na fé»
    (Penso que todos conhecemos a lenda em que ele disse entredentes "No entanto move-se")

    Cópias de documentos do julgamento de Galileu - incluindo do site do Vaticano (vatican.va) -, sites Católicos que admitem que a Bíblia descreve uma Terra imóvel no centro do Universo e uma lista de citações bíblicas usadas durante o julgamento de Galileu:
    1, 2, 3, 4, 5, 6, 7

    Organizações (ou sites) que defendem o geocentrismo:
    * Official Geocentricity Website, Association for Biblical Astronomy
    * The Fair Education Foundation, Inc.
    * Moving-Earth Deception
    * Catholic Apologetics International

    ResponderEliminar
  43. Sabino,
    «E ler a bíblia sem isolar os versículos? Ah pois, eu é que sou dogmático :o»
    Então admites que a Bíblia descreve a Terra como tendo quatro colunas? É que eu nem sequer indiquei versículos, por isso com a sua resposta podes então mostrar que versículos sãos esses.

    (Podias ao menos pensar um bocadinho antes de dizer o que os outros fazem.)

    «Estender o céu como cortinas pode ser uma referência à expansão do Universo.»
    AHAH! E tu isolas pequenos pedaços de versículos.

    Avé Maria:
    «Aquele que deseja esculpir uma imagem, escolhe madeira que não apodrece; põe-se à procura de um operário hábil, a fim de assentar uma estátua que não oscile. Não o sabíeis? Não o aprendestes? Não vos ensinaram desde a origem? Não compreendestes nada da fundação da terra?» [referência ao primeiro capítulo do Génesis] «Aquele que domina acima do disco terrestre, cujos habitantes vê como se fossem gafanhotos, aquele que estende os céus [vide link] como um véu de gaze, e como tenda os desdobra para aí se abrigar»

    Almeida:
    «O empobrecido, que não pode oferecer tanto, escolhe madeira que não apodrece; procura para si um artífice perito, para gravar uma imagem que não se pode mover.» ["mowt": abanar, escorregar, cair] «Porventura não sabeis? porventura não ouvis? ou desde o princípio não se vos notificou isso mesmo? ou não tendes entendido desde a fundação da terra? E ele o que está assentado sobre o círculo da terra, cujos moradores são para ele como gafanhotos; é ele o que estende os céus como cortina, e o desenrola como tenda para nela habitar

    King James
    «He that [is] so impoverished that he hath no oblation chooseth a tree [that] will not rot; he seeketh unto him a cunning workman to prepare a graven image, [that] shall not be moved. Have ye not known? have ye not heard? hath it not been told you from the beginning? have ye not understood from the foundations of the earth? [It is] he that sitteth upon the circle of the earth, and the inhabitants thereof [are] as grasshoppers; that stretcheth out the heavens as a curtain, and spreadeth them out as a tent to dwell in: That bringeth the princes to nothing; he maketh the judges of the earth as vanity.»

    O Universo deve ser mais pequeno do que pensava. LOL Sim, amiguinho, és dogmático. Ou estás a querer-me dizer que tens dúvidas em relação à Bíblia e que pode ser contestada?

    ResponderEliminar
  44. «Errata: "Eu já tinha notado que não reparas nas coisas com atenção"»

    Sim, o problema é meu. Afinal de contas, tu é que és o sabido.

    ResponderEliminar
  45. Descobri que sobre céus e firmamento há muito melhor (o termo usado para "céus" em hebreu é "shamayim")...
    * http://en.wikipedia.org/wiki/Shamayim
    * Jewish Encyclopedia - Heavens
    * Ancient Hebrew Research Center - Biblical Hebrew E-Magazine - Word of the Month - שמים Heaven
    * Yahoo!Answers - What does L'Shem Shamayim mean?
    * http://en.wikipedia.org/wiki/Biblical_cosmology#Firmament

    Volto a repetir: o Universo deve ser muito pequeno e pelos vistos sou eu que não tenho atenção às coisas.

    ResponderEliminar
  46. E o meu celacanto não mereceu link? :(

    ResponderEliminar
  47. Sabino,
    vamos lá ver se eu percebi: fizeste um comentário estúpido que podia servir para baratas, escorpiões e límulos, e estás a fazer questão que façam caso como alguém que pergunta a razão de ainda haver macacos. Eu tenho uma bonita foto de um celacanto vivo no livro "A Vida na Terra" de David Attenborough sobre a evolução. Infelizmente não posso passear um Tiktaalik, e a mim parece que vou morrer sem a oportunidade de ver alguma experiência realizada por criacionistas (afinal de contas, não vale a pena arriscar). Gostaste?

    Parece-me é que não vais perder tempo a falar sobre o tema do artigo (Red Herring - desviar do tema para não falar dele, geralmente porque não tem resposta a dar; num Tribunal o juiz avisa contra essa atitude e pode penalizar os advogados pela persistência - até nos filmes mostra-se muito isso).

    Uma nota (não é errata) ao Sabino:
    a palavra "errata" é usada para indicar erros encontrados. Por exemplo, pode-se descobrir erros em livros com imensas cópias. Seria custoso comprar uma nova edição só por causa disso ou um desperdício não vender o que falta, então junta-se um papelinho com o título "errata" e uma lista de erros encontrados. Coloca-se normalmente em livros técnicos e científicos, mais raramente em romances com várias referências factuais. Seria curioso ver um criacionista admitir que cometeu um erro, como um que usou o termo sem saber o que significa.

    ResponderEliminar
  48. O livro de Jó (26:7) ensina que a Terra está suspensa no espaço, sendo a comparação com a esfericidade do Sol e da Lua óbvia.

    De resto, qualquer navegador que fosse da Palestina a uma terra tão próxima como Chipre logo deixava de ver a Terra no horizonte. Nem por isso ele temia chegar ao fim do mundo e cair, antes concluía imediatamente que a Terra era redonda.

    A observação da sombra nos eclipses também permitia chegar rapidamente a essa conclusão.

    Os judeus utilizavam a mesma palavra "chuwg",para designar um círculo e uma esfera, dependendo do contexto.

    Quando Jesus fala acerca da sua segunda vinda, em Lucas 17 31-34, ele dá como adquirido que a Terra é redonda, ao dizer ao falar do que sucede nesse dia(31) e nessa noite(34). Ou seja, enquanto que para uns será dia, para outros será noite.

    Os gregos tinham também plena consciência da esfericidade da terra, tendo calculado o seu diâmetro.

    Contra o que erroneamente se ensina, a esfericidade da Terra era uma concepção muito comum na antiguidade.

    Os maiores problemas estão claramente do lado de Darwin.

    O problema de Charles Darwin é que as mutações aleatórias e a selecção natural destroem a quantidade e a qualidade da informação genética disponível, não podendo explicar a criação de informação genética nova, codificadora de estruturas e funções inovadoras e mais complexas.

    Informação e código são grandezas imateriais, cuja origem requer uma fonte imaterial. A molécula de DNA é uma grandeza material. Mas o código e a informação codificada nela contida são grandezas imateriais, cuja origem só pode estar em Deus.


    De resto, já o próprio Karl Popper sentia que algo estava muito mal contado na história darwiniana.

    ‘What makes the origin of life and of the genetic code a disturbing riddle is this: the genetic code is without any biological function unless it is translated; that is, unless it leads to the synthesis of the proteins whose structure is laid down by the code. But … the machinery by which the cell (at least the non-primitive cell, which is the only one we know) translates the code consists of at least fifty macromolecular components which are themselves coded in the DNA.

    Thus the code can not be translated except by using certain products of its translation.

    This constitutes a baffling circle; a really vicious circle, it seems, for any attempt to form a model or theory of the genesis of the genetic code.


    ‘Thus we may be faced with the possibility that the origin of life (like the origin of physics) becomes an impenetrable barrier to science, and a residue to all attempts to reduce biology to chemistry and physics".


    Popper, K.R., ‘Scientific reduction and the essential incompleteness of all science’; in Ayala, F. and Dobzhansky, T., (Eds.)., Studies in the Philosophy of Biology, University of California Press, Berkeley, p. 270, 1974

    ResponderEliminar
  49. É sempre bom recordar a qualidade dos argumentos do Ludwig Krippahl nesta matéria:



    1) Defendeu que a mitose e a meiose são modos de criação naturalística de DNA.

    Na verdade apenas se trata aí de processos de cópia da informação genética pré-existente no DNA quando da divisão das células.

    Por sinal, trata-se de uma cópia extremamente rigorosa, equivalente a 282 copistas copiarem sucessivamente toda a Bíblia e enganarem-se apenas numa letra.

    De resto, o processo de meiose corrobora a verdade bíblica de que todas as criaturas se reproduzem de acordo com a sua espécies, tal como Génesis 1 ensina.

    A mitose e a meiose não criam informação nova, capaz de criar estruturas e funções inovadoras.

    Ela limita-se a recombinar informação genética pré-existente. A meiose e a mitose existem porque o DNA as torna possíveis.


    Por explicar fica a origem naturalística do DNA, enquanto sistema mais eficiente de armazenamento de informação que se conhece, e da informação codificada nele contida.

    2) Defendeu a evolução comparando a hereditariedade das moscas (que se reproduzem de acordo com a sua espécie) com a hereditariedade da língua (cuja evolução é totalmente dependente da inteligência e da racionalidade.)

    Em ambos os casos não se vê que é que isso possa ter que ver com a hipotética evolução de partículas para pessoas, já que em ambos os casos não se explica a origem de informação genética por processos naturalísticos.

    3) Defendeu que todo o conhecimento científico é empírico.

    No entanto, fê-lo sem apresentar qualquer experiência científica que lhe permitisse fundamentar essa afirmação.

    Assim sendo, tal afirmação não se baseia no conhecimento, segundo os critérios definidos pelo próprio Ludwig, sendo, quando muito, uma profissão de fé.

    Na verdade, não existe qualquer experiência ou observação científica que permita explicar a causa do hipotético Big Bang ou demonstrar a origem acidental da vida a partir de químicos inorgânicos.

    Ora, fé por fé, os criacionistas já têm a sua fé: na primazia da revelação de Deus.

    Se o naturalismo se baseia na premissa de que todo o conhecimento é empírico e se essa premissa não consegue satisfazer o critério de validade que ela mesma estabelece para o conhecimento, vê-se bem que o naturalismo não se baseia no conhecimento, mas sim na ignorância.

    4) Defendeu a incompetência do designer argumentando com o sistema digestivo das vacas e os seus excrementos.

    Esquece porém que esse argumento, levado às últimas consequências, nos obrigaria a comparar o cérebro do Ludwig com o sistema digestivo das vacas e os pensamentos do Ludwig com os excrementos das vacas.

    E poderíamos ter dúvidas sobre qual funciona melhor, já que para o Ludwig todos seriam um resultado de processos cegos e destituídos de inteligência.

    Apesar de tudo os criacionistas têm uma visão mais benigna do cérebro do Ludwig e dos seus pensamentos.

    As premissas criacionistas partem do princípio de que o Ludwig é um ser racional porque foi criado à imagem e semelhança de um Deus racional.

    As premissas criacionistas afirmam que a vida do Ludwig tem um valor inestimável, porque o Criador morreu na cruz para salvar o Ludwig do castigo do pecado.

    Segundo a Bíblia, todos pecámos e estamos separados da glória de Deus, podendo obter vida eterna mediante um dom gratuito de Jesus Cristo.

    5) Defendeu que a síntese de betalactamase, uma enzima que ataca a penicilina destruindo o anel de beta-lactam, é uma evidência de evolução.

    No entanto, nese caso o antibiótico deixa de ser funcional, pelo que os microorganismos que sintetizam betalactamase passam a ser resistentes a todos os antibióticos.

    A betalactamase é fabricada por um conjunto de genes chamados plasmidos R (resistência) que podem ser transmitidos a outras bactérias.

    Em 1982 mais de 90% de todas as infecções clínicas de staphylococcus eram resistentes à penicilina, contra perto de 0% em 1952.

    Este aumento de resistência ficou-se a dever, em boa parte, à rápida transferência por conjugação do plasmido da betalactamase.

    Como se pode ver, neste exemplo está-se perante síntese de uma enzima de banda larga com perda de especificidade e, consequentemente, com perda de informação.

    A rápida obtenção de resistência conseguiu-se por circulação de informação.

    Em caso algum estamos perante a criação de informação genética nova, codificadora de novas estruturas e funções.

    Na verdade, na generalidade dos casos conhecidos em que uma bactéria desenvolve resistência a antibióticos acontece uma de três coisas: 1) a resistência já existe nos genes e acaba por triunfar por selecção natural, embora não se crie informação genética nova; 2) a resistência é conseguida através de uma mutação que destrói a funcionalidade de um gene de controlo ou reduz a especificidade (e a informação) das enzimas ou proteínas; 3) a resistência é adquirida mediante a transferência de informação genética pré-existente entre bactérias, sem que se crie informação genética nova (o que sucedeu no exemplo do Ludwig).

    Nenhuma destas hipóteses corrobora a criação naturalista da informação codificada necessária à transformação de partículas em pessoas.

    6) Defendeu que o código do DNA, afinal, não codifica nada.

    Isto, apesar de o mesmo conter sequências precisas de nucleótidos com as instruções necessárias para a construção de aminoácidos, cujas sequências, por sua vez, conduzirão ao fabrico de cerca de 100 000 proteínas diferentes, com funções bem definidas para o fabrico, sobrevivência e reprodução dos diferentes seres vivos.

    Existem 2000 aminoácidos diferentes e o DNA só codifica os 20 necessários à vida.

    O DNA contém um programa com informação passível de ser precisamente transcrita, traduzida, executada e copiada com sucesso para o fabrico de coisas totalmente diferentes dos nucleótidos e representadas através deles.

    Curiosamente, já antes dos trabalhos de Crick e Watson, já Gamow, por sinal o mesmo cientista que fez previsões acerca da radiação cósmica de fundo, previu que o DNA continha informação codificada e armazenada.

    E acertou.

    De resto, é universalmente reconhecido que o DNA contém informação codificada.

    O Ludwig, por ter percebido que não existe código sem inteligência, viu-se forçado a sustentar que o DNA não contém nenhum código, apesar de ser óbvio que contém. Para ele, tudo não passa de uma metáfora.

    O problema para o argumento do Ludwig é que mesmo aqueles cientistas, citados no KTreta, que sustentam que só metaforicamente se pode falar em código a propósito do DNA, afirmam que melhor se faria em falar em cifra, isto, é, em linguagem cifrada e em decifração do DNA.

    Só que, longe de refutar o argumento criacionista sobre a origem inteligente da informação, estes cientistas acabam por corroborá-lo inteiramente, na medida em que sustentam que se está aí diante de informação encriptada.

    Refira-se que, em sentido não técnico, uma cifra é um verdadeiro código.

    Também aí tanto a informação, como a cifra (ou o código) usada para a sua transmissão, têm que ter uma origem inteligente.

    Recorde-se que o código Morse é, em sentido técnico, uma cifra, i.e., linguagem cifrada.

    Ora, o código Morse e a informação que ele pode conter nunca poderiam existir sem inteligência.

    Como demonstra a teoria da informação, e como o Ludwig reconhece, não existe informação codificada ou cifrada (como se quiser) sem uma origem inteligente.

    Daí que, tanto a origem acidental da vida, como a evolução de partículas para pessoas por processos meramente naturalísticos sejam uma impossibilidade científica. A abiogénese e a evolução nunca aconteceram.

    Assim se compreende que a origem acidental da vida nunca tenha sido demonstrada (violando inclusivamente a lei científica da biogénese) e que mesmo os evolucionistas reconheçam que o registo fóssil não contém evidências de evolução gradual.

    Por outras palavras, a partir da linguagem codificada ou cifrada do DNA, as conclusões são óbvias: o Big Bang é impossível, na medida em que a matéria e a energia não criam informação codificada; a origem casual da vida e a evolução de espécies menos complexas para mais complexas são impossíveis, na medida em que dependem intensivamente de informação codificada ou cifrada e esta depende sempre de uma origem inteligente.

    A esta luz, as mutações e a selecção natural diminuem a quantidade e a qualidade da informação genética pré-existente, pelo que nada têm que ver com a hipotética evolução de partículas para pessoas.

    Tudo isto pode ser empiricamente corroborado.

    Basta olhar para o mundo real do DNA, das mutações e da selecção natural.


    7) Defendeu que a ciência evolui como os organismos vivos supostamente evoluem.

    Sucede que a ciência evolui graças à inteligência dos cientistas e à informação por eles armazenada, sendo que nem aquela inteligência nem esta informação conseguem abarcar e compreender a quantidade e a qualidade de informação codificada contida nos organismos vivos, sendo que estes só podem existir e reproduzir-se se a informação necessária para os especificar existir antes deles e codificada dentro deles.

    A ciência e a tecnologia são um domínio por excelência do design inteligente, onde as experiências e os mecanismos são desenvolvidos com um fim preciso em vista, por cientistas inteligentes e com base em informação acumulada ao longo de séculos.

    Os cientistas não deixam os seus departamentos ao acaso, nem deixam que as experiências científicas sejam conduzidas por pessoas sem a mínima preparação.

    A produção de milhões de espécies altamente complexas e especificadas, funcionalmente integradas, num sistema solar e num universo sintonizados para o efeito, corrobora a presença de uma quantidade incompreensível de inteligência e poder.

    No registo fóssil não existe nenhuma evidência de que as espécies realmente evoluíram gradualmente.

    Nem se vê como as mutações aleatórias poderiam criar quantidades inabarcáveis de informação codificada altamente complexa. Nunca tal foi observado nem explicado por ninguém.


    8) Autodefiniu-se como “macaco tagarela”.

    Para os criacionistas, o Ludwig é simplesmente um tagarela. Mas, por mais que lhe custe, não é um macaco.

    ResponderEliminar
  50. Ó Pedro,

    E não foi erro, zé? Disse isto: "Sim, eu já tinha reparas nas coisas com atenção. ", quando queria dizer isto: "Eu já tinha notado que não reparas nas coisas com atenção"

    mete aí um link a refutar isso =\

    Ya, cometi um erro de digitação... daí a errata... que zé

    ahh... não tens tiktaalik, mas podes passear um esturjão... não sei é se gostas de peixes com 250 milhões de anos... podem não estar lá muito frescos

    ResponderEliminar
  51. Sabino, no caso do erro de digitação, peço desculpa. Nesse caso os criacionistas podem seguir o exemplo de um ateu que tem uma errata.

    Se a única coisa que tens é gozar com o acto de apresentar traduções em inglês de documentos escritos por Galileu e pelos que julgaram e cópias dos documentos no site do Vaticano (podes encontrar versões digitalizadas de cartas de Galileu; infelizmente não conheço imagens do processo em si), de uma obra de St. Agostinho (mesmo em latim), de organizações cristãs que defendem o geocentrismo (e a Terra Plana) de acordo com a Bíblia, mapas anteriores ou contemporâneos aos hebreus e textos de judeus que entendem hebraico sobre o significado de "shamayim" (inclusivamente de uma enciclopédia judaica e uma organização de Arqueologia especializada na História Hebraica), então presumo que o assunto está resolvido entre nós. Eu tenho isso tudo como referência ao que escrevi, e tu tens um site criacionista.

    Tens alguma resposta ao assunto do artigo? Aprendi bem com o Mats, que tenta sempre fugir ao assunto e depois queixa-se dos textos grandes.

    Ou respondes ao assunto colocado no artigo, ou o assunto está resolvido. Fazeres de palhaço não acrescentada nada, a não ser informar-nos sobre a sua atitude em relação a uma argumentação sólida, o que só tem interesse para a minha colecção de atitudes de palhaços. Então, o assunto está resolvido?

    ResponderEliminar

Se quiser filtrar algum ou alguns comentadores consulte este post.