terça-feira, setembro 02, 2008

Google Chrome

é o novo browser da Google. É open source, gratuito e tem uma data de coisas porreiras. Por exemplo, separa cada página num processo independente, o que evita bloquear o browser todo só por causa de uma página que cause um erro imprevisto, impede pop ups quando estamos a ver outras coisas e não permite que o código numa página ande a bisbilhotar o que fazemos noutras. É leve, rápido e tem bom aspecto. Infelizmente, ainda não deixa navegar só com o teclado, como o Opera. Mas como o Chrome foi concebido a pensar também nos programadores que o queiram modificar, em breve vai haver extras para todos os gostos.

Mais informação nesta banda desenhada da Google e discussão fresca no Downloadsquad. (Fica aqui um link mais permanente)

E aqui o site de onde descarregar o Chrome.

40 comentários:

  1. Boa, mais um browser pra f**er a vida aos web designers. Mais um pra ter que testar e hackar e martelar até á exaustaão pro site ficar como deve ser. Fonix...

    ResponderEliminar
  2. Tanto quanto sei, a Google coloca este browser gratuitamente à disposição, porque a empresa arrecada os seus lucros fabulosos com publicidade. O browser «personalizado», que dizer, que regista o hábitos do utente, não será mais uma forma de exploração para fins de publicidade? E se sim, como é que alguém que, comme moi, por exemplo, não entende pevas de computadores, vai poder evitar isso?
    Cristy

    ResponderEliminar
  3. Ainda não saiu para Linux (nem Mac), quando sair experimento.

    Já mais do que uma vez senti a necessidade de poder "matar" uma só tab e deixar as outras continuarem com a vida delas, é claramente, para mim, a feature essencial do Google Chrome.

    @Krippmeister: Aquilo é um Mozilla Firefox [todo kitado] com o render das páginas feitas pelo webkit, o render do Safari.

    BL

    ResponderEliminar
  4. Tou pra ver se intrepreta o css como mandam as especificações. todos os browsers têm manias (tirando o explorer que é maniaco-depressivo). Este não deve ser excepção.

    ResponderEliminar
  5. O meu Chrome acabou de crashar numa aplicação Java e mandou todas as janelas abaixo. Lá se foi a publicidade...

    ResponderEliminar
  6. Cristy,

    «O browser «personalizado», que dizer, que regista o hábitos do utente, não será mais uma forma de exploração para fins de publicidade?»

    Isso não é o browser que faz. São os cookies, pequenos ficheiros que qualquer browser pode guardar que identificam o utilizador quando volta a um site. O Chrome até tem uma opção "incognito" que não guarda cookies nem qualquer registo de páginas visitadas.

    Mas é verdade que a Google faz isto porque lhe interessa, só que é o contrário do que dizes. O IE é que começa a ser cada vez mais virado para a Microsoft (por exemplo, sempre que escreves um endereço inválido o IE vai parar ao search da Microsoft em vez de te dar só uma mensagem de erro).

    Para a Google é importante aumentar o número de pessoas a usar browsers neutros, e lançar um open source é boa ideia. Quanto melhor a web funcionar mais dinheiro eles ganham...

    Mas o que eles registam acerca de ti não tem a ver com o browser. Isso é feito nos servidores que tu contactas cada vez que fazes uma pesquisa ou segues um link nos resultados.

    ResponderEliminar
  7. Fui um dos primeiros primeirinhos a downloadá-lo

    10x mais rápido q os restantes em Java?

    Mto fixe. Mas ainda precisa de uns retoques.

    E nem é tão bonito como o Safari.

    ResponderEliminar
  8. Fui um dos primeiros primeirinhos a downloadá-lo

    10x mais rápido q os restantes em Java?

    Mto fixe. Mas ainda precisa de uns retoques.

    E nem é tão bonito como o Safari.

    Mas o que me atrai nele é a guerra implícita. Tem ramificações extraordinárias.

    Um dia, o windows será obsoleto e desnecessário. Tudo através de browsers, os novos "OS". Razões para a mudança? Interoperabilidade infinita, low cost extraordinário. MS = soooo fucked.

    ResponderEliminar
  9. «Boa, mais um browser pra f**er a vida aos web designers.»
    O IE é que costuma dar enormes dores de cabeça. Não me lembro de fazer um ficheiro em CSS pensando que vai fazer alguma coisa, e entre o Ópera e o Firefox as caixas saltarem de um lado para o outro. Com o IE6 é preciso um ficheiro à parte ou aqueles sinais para hacks enquanto são feitas contas pelos dedos (o designer prefere usar as tabelas para não haver problemas). No Javascript testa-se se é IE ou não. Com os PNGs é preciso uns hacks. Depois aparece um problema no Google Maps que se incluiu que surge no IE6 mas não no IE7, e depois de semanas de pesquisa, a solução é encontrada numa lista de bugs no IE. NÃÃÃOO!

    Não acho que venham surgir esses problemas no Google Chrome. Cá para mim algumas regras não vão estar implementadas e vão haver algumas diferenças de estética, especialmente nos formulários, entre os outros browsers excepto os IEs. Mas ver para crer. E vou esperar para quando sair para Linux :-p

    ResponderEliminar
  10. «O browser «personalizado», que dizer, que regista o hábitos do utente, não será mais uma forma de exploração para fins de publicidade?»
    Quando se fala em "browser personalizado" a ideia é outra: permite mudar a "pele" da aplicação gráfica, extensões que permitem mais funcionalidades, etc. Como no Firefox.

    Pode haver um formulário na aplicação onde escreves os teus dados, e assim preenche automaticamente os formulários nas páginas Web. Mas se for open-source, não precisas de recear, porque programadores interessados em aprender com códigos alheios vão vasculhar o código do browser, e provavelmente vão fazer patches para versões alternativas (forks) e vão escrever artigos sobre o funcionamento interno do browser. Seria uma grande burrice fazer Spyware em open-source... por isso as dúvidas são maiores nos produtos da Microsoft.

    Se ao acederes ao Blogger, ao YouTube, etc. sem seres obrigada a autenticares, parabéns: tens um ficheiro com um código gravado, que está associado a registos de sessão no servidor, que permite aceder aos teus dados na base-de-dados. Se esses sites tiverem erros de palmatória (como a famosa "SQL injection"), é possível aceder a contas alheias ou dar cabo da base-de-dados.

    Os browsers costumam ter uma opção para desactivar a criação de cookies ou forçar um tempo de vida máximo (melhor: assim as páginas que requerem cookies funciona - por exemplo, para guardar as páginas por onde passaste e assim o fluxo do programa funcionar). De qualquer modo para teres determinadas funcionalidades é preciso gravar dados pessoais em bases-de-dados, como por exemplo em sites de comércio-electrónico.

    A meu ver, deixar de usar o IE evita-se muitas maleitas. É possível fazer sites onde é possível apagar ficheiros se for usado IE...

    ResponderEliminar
  11. Mário Miguel03/09/08, 20:16

    Por enquanto, a montanha pariu um rato.

    ResponderEliminar
  12. Eu sei que o IE dá dpres de cabeça... olá se sei. Consta que o IE oito já vai respeitar melhor as especificações da W3C.

    Como web designer estou práqui á espera do belo dia em que os browsers suportem todos png-24 sem ser preciso fazer um número de circo informático.

    ResponderEliminar
  13. Eu já ficava feliz se respeitar os standards mais básicos.
    Numa companhia onde trabalhei durante vários anos, o IE dava sempre bronca a abrir as applets de Java, porque os senhores da MS eram como o Ludwig :-), também achavam que isso de patentes que se £0&@, e implementavam a JVM com acessos directos ao kernel, com comandos proprios, que impedia quase todo o software que usasse o standard de Java de executar, tanto que as nossas aplicações não executavam no IE, mas, corriam em qualquer outro.
    Nada que um processo judicial não tivesse resolvido, como resolveu, pois a patente é da Sun, e se lhe querem chamar Java têm que alinhar! É a velha técnica de olaria :-) chamada "Atirar o barro à parede"... Sem patentes, qualquer Micropacóvio diz que tem uma JVM, e quem quiser tem que fazero código à maneira MS.
    Venha o open source pago com publicidade, venham as patentes e a protecção de standards. Num mundo sem patentes, já não havia standard de Java, nem nenhum outro e hoje eramos mais explorados pela MS do que já somos.

    Lud, já estava com saudades de te contrariar um bocadito... :-)

    ResponderEliminar
  14. António,

    « porque os senhores da MS eram como o Ludwig :-), também achavam que isso de patentes que se £0&@,»

    OK, está lá o sorrizinho, mas Hei!, é o contrário.

    Não precisas de patentes para ter um open standard. Vê o exemplo do HTML, ou da notação matemática para integrais ou da gramática portuguesa.

    Precisas de patentes é se queres impedir os outros de usar uma coisa e assim torná-la fechada, exclusiva, e obrigar cada um a fazer a sua.

    Já agora, o que achas disto?

    Kodak And Sun Settle Java Patent Suit

    «Sem patentes, qualquer Micropacóvio diz que tem uma JVM, e quem quiser tem que fazero código à maneira MS.»

    Ainda bem que patentearam a o vocabolário português, a forma de escrever os números, o XML, o ASCII e UTFs, etc. Senão cada um usava o seu e ninguém se entendia... :P

    Sem patentes, qualquer microparvo pode fazer como quiser. Incluindo fazer o mesmo que os outros e dessa forma ser tudo compatível.

    Com patentes qualquer microparvo pode fazer como quiser excepto fazer da mesma maneira que os outros. Isso precisa de autorização e senão a tiver lá se vai a compatibilidade.

    ResponderEliminar
  15. Ludwig,

    Não posso deixar de concordar com o pagamento. Creio é que o 1.xx mil milhões de dolares seria desajustado, pois era uma estimativa errada da influencia do Java no negócio da Sun. A Sun não vende servidores por desenvolver o Java e respectivas especificações.
    Por outro lado... E cá vamos nós de novo, :-) a MS, tentou alterar os standard de código, para obrigar a que o código Java só executasse correctamente numa única plataforma. Como é obvio, a opção dos programadores seria programar para a maioria, ou seja o IE. Quando não há protecção de direitos, manda o mais forte, mesmo quando é pior e prejudicial à maioria, como teria sido esse caso da JVM do MS IE. As tentativas de diferenciação ainda se mantêm em pequenas coisas, mas, a compatibilidade manteve-se.
    O fim da protecção seria o paraiso dos monopólios. A concorrencia só seria efectiva até à extinção de todos menos o concorrente mais forte, que depois faria o que lhe apetecesse do mercado, em claro prejuizo da generalidade da população. Garanto-te que sem a Sun, a vida informática seria pior que má, e sem o standard Java actual, a segurança da navegação na internet seria muito pior.

    ResponderEliminar
  16. António,

    Acho que estás baralhado.

    «a MS, tentou alterar os standard de código, para obrigar a que o código Java só executasse correctamente numa única plataforma»

    A Sun processou a MS por violação de leis antitrust. É verdade que como parte da queixa incluiram uma violação de copyright (não de patentes!) pela distribuição não autorizada de um JRE, mas isso é irrelevante para nós. Para toda a gente excepto a Sun é irrelevante se a Ms tem que pagar licença para distribuir uma JRE. O que importava é que a Ms não possa usar a sua posição dominante de mercado para impedir a distribuição e uso de aplicações concorrentes. E isso é *o contrário* das patentes e do copyright.

    A patente não nos protege de monopólios porque é a concessão de um monopólio. Protege o monopólio.

    ResponderEliminar
  17. E acho que não leste (António) o link que eu dei. Não era da Sun contra a Ms mas contra a Kodak. A Kodak processou a Sun porque a Kodak tem patentes sobre «integration of data between object managers, and between data managers, and to the integration of different programs that were manipulating data of different types», o que é ridículo. Estas coisas não protegem ninguém de monopólios...

    ResponderEliminar
  18. Ludwig,

    Li sim... Eu sei que é a Sun que teve de pagar à KODAK pela utilização das patentes!
    Mas, também sei qual a motivação da Sun contra a JVM da Microsoft. A portabilidade por detrás da filosofia do Java estava completamente posta de lado na ideia da MS. O objectivo era forçar o Java a seguir o caminho de um controlo ActiveX vulgar, e mexer de forma individualizada nos sistemas, e isso, não é portável. Ou seja, era uma tentativa de tornar o Java dentro da JVM da Microsoft diferente e impedir a portabilidade, obrigando a utilização do IE para aceder a sites cujo "Java" não correria em mais nenhuma plataforma.
    E vivam as patentes da Sun por nos salvarem do monopólio da MS. Essa tua ideia de a patente apenas defender os monopólios é um bocado arcaica. :-) Neste e em muitos outros casos, evita que o monopólio abuse do seu poder e economia de escala para tramar o pequeno, ou não tão grande se preferires, criador.

    ResponderEliminar
  19. António,

    O litígio da Sun com a Microsoft não foi por causa de patentes.

    «Sun Microsystems' action is a private antitrust suit filed under the antitrust laws of the United States as well as the laws of the State of California. Sun is the plaintiff; Microsoft Corporation is the defendant.

    Sun's suit seeks to restrain anticompetitive conduct by Microsoft and to remedy the damage suffered by Sun as a result of Microsoft's illegal efforts to maintain and expand its monopoly power. No damage amounts have been specified.»


    Nota que a patente é em si uma forma legal de monopólio. Estás a ver isto ao contrário.

    No texto integral da queixa há uma parte sobre copyright, mas é uma perte insignificante do processo e diz respeito apenas a isto:

    «Microsoft developed the Microsoft Virtual Machine for Java using copyrighted source
    code from Sun's Java Development Kit ("JDK") [...]
    Because Microsoft is neither distributing the Microsoft Virtual Machine for Java in a commercial product identified in Exhibit D of the Settlement Agreement, nor distributing it in a successor version of such products, Microsoft's distribution is outside the scope of the limited license.»


    Isto não tem nada a ver com patentes mas com o copy-paste do source code. E isso, por sua vez, não tem nada a ver com o problema que tu apontas de uma empresa usar uma posição dominante para eliminar a concorrência. A Ms safava-se disto facilmente rescrevendo o código do seu JRE.

    O problema que levou a este litígio foi que a Ms estava a dificultar a distribuição do JRE da Sun e a tentar forçar uma implementação incompatível para eliminar a concorrência da Sun. Isso não é punido por patentes (que são uma forma legal de eliminar a concorrência) nem por copyright (que é outra) mas por estas antitrust laws que fazerm precisamente o contrário.

    Lê o resumo aqui e podes ir buscar o resto dos documentos aqui. Cita-me lá a parte que diz que isto é sobre patentes...

    ResponderEliminar
  20. Ludwig,

    Impedir a modificação de código para utilizações diferentes daqueles a que se destina o original é copyright. O copy-paste neste caso até seria legal, desde que não lhe tentassem mudar o nome, ou modificar a funcionalidade. A minha empresa não teria interessade no processo, se a JVM executasse o nosso código da mesma maneira que a JRE da Sun, de onde a JVM foi derivada.
    Já devias ter aprendido um pouco de politica para ler nas entrelinhas de uma queixa, e de uma sentença. :-) Por exemplo, se quiseres chamar cobarde a alguém que fugiu de uma responsabilidade, podes fazer um louvor público à sua participação quando o objecto de responsabilidade está concluido ou cumprido por outros.
    Quando alguém modifica o JRE e lhe chama JVM, alegando ser uma implementação de java, mas, que é incompatível com o JRE em termos de execução do mesmo código, não estás a tentar criar nada de novo, nem a desrespeitar licença nenhuma. O que estás é a passar a mensagem aos programadores que se programarem para o JRE, não vão conseguir executar em JVM, que tem uma fatia de 80% de mercado, e como tal, estão a rejeitar 80% do mercado. Resultado... Deixa de se programar Java como ele existe, e a Sun perde quota de mercado, e o Java fica condenado, e quem quiser programar, tem de o fazer em tecnologias proprietárias de cada marca e adivinha quem benificia?

    E já agora... desculpa lá estar a entrar via uma proxy anónima, mas, a proxy aqui do serviço bloqueia quase tudo, inclusivé o Blogspot.

    ResponderEliminar
  21. Mano,
    é claro que me sentiria muito mais tranquila se tivesse a menos ideia do que é o IE :-)

    Pedro:
    vou estudar a tua explicação e calculo que lá para o ano 2040 tenha entendido pelo menos metade. Mas obrigada pela boa-vontade.

    Cristy

    ResponderEliminar
  22. A maior piada é quando a Microsoft usa código de open-source e depois tenta processar quem implementa ou usa extensões da MS. Embrace, extend, and exterminate. Exterminate! Exterminate! Exterminate! ... Agora é que se lembraram que open-source é bom. Ei, com isso a Id Software ganha uns trocos com livros sobre o desenvolvimento do Quake.

    ResponderEliminar
  23. Mário Miguel04/09/08, 17:42

    Ludwig,

    Pois... Não-há-almoços-grátis.

    A Google queria, e quer, SEMPRE, açambarcar toda a informação possível. E parece que o Chrome queria ser recordista nisso. O contrário que parecias quer fazer passar com aquilo dos dois processos e a privacidade.

    Google vai alterar licença do Chrome

    Pois, mas a colecta dos dados não irá acabar.

    Falha de Segurança Descoberta no Google Chrome

    E vai uma!

    ResponderEliminar
  24. Cristy isso eu sei, isso eu sei!

    ( o resto é chines)

    IE = Internet explorer.

    Beeijos

    ResponderEliminar
  25. Mário Miguel04/09/08, 17:48

    António,

    De facto, é constrangedor, como de forma infantil se contorna um esquema de protecção implementada a custo numa empresa... E nem é necessário instalar nada. Terão eles que bloquear todos os Proxys e Webproxys:)

    ResponderEliminar
  26. Cristy,

    a questão é que do mesmo modo que para teres a certeza de que não apanhas vírus precisas de desligar o acesso à Net, para teres a certeza que não vão usar os teus dados pessoais deves fazer a mesma coisa. Basta caíres num truque como o "fishing" (que é basicamente como as aldrabices que fazem nos multi-bancos para obter cartões e senhas correspondentes) para alguém conseguir fazer transferências da tua conta bancária. Pode até ser feito um site onde crias uma conta, os dados são gravados no servidor como escreveste e quem tiver acesso à base-de-dados pode experimentar os mesmos dados de autenticação em sites conhecidos (por isso tenho duas senhas ;-p). O que podes fazer é minorar os riscos, como no mundo real.

    ResponderEliminar
  27. Mário Miguel,

    Eles deixam abertas portas legais que se exploram na medida do possível. E convém não esquecer que não é por medida de segurança que fazem isso, é antes um "pissing contest". :-) Micromanagement levado ao máximo, porque, a mesma firewall, para outros colaboradores da mesma origem acede a tudo sem restrições, por isso não é uma questão de segurança.

    ResponderEliminar
  28. Mário Miguel04/09/08, 18:18

    Sim António,

    Tens razão, eu usei abusivamente a palavra "protecção", e em rigor, nem
    é "pissing contest", mas sim, querer que o pessoal tenha palas como os burros para optimizar o tempo que se passa na empresa... Bom, também algumas questões associada a tráfego, leia-se: filmes e fotos sobre a anatomia de certos mamíferos bípedes:)

    ResponderEliminar
  29. António,

    «Quando alguém modifica o JRE e lhe chama JVM, alegando ser uma implementação de java, mas, que é incompatível com o JRE em termos de execução do mesmo código, não estás a tentar criar nada de novo, nem a desrespeitar licença nenhuma. O que estás é a passar a mensagem aos programadores que se programarem para o JRE, não vão conseguir executar em JVM»

    Nisso estamos de acordo. O meu ponto é que esse problema não tem nada a ver com copyright ou patentes.

    A microsoft pode criar um interpretador de Java que funciona com algumas diferenças e seja incompatível com o Java da Sun. Não há copyright ou patente que proiba isto, desde que não usem o mesmo source code.

    E nem o copyright nem as patentes proibe a Microsoft the pre-instalar a sua JVM com o Windows, ou fornecê-lo com o IE, ou até impedir que o IE aceda às páginas de downloa da Sun. O copyright e as patentes não têm nada a ver com isso.

    O que interveio aqui foi a lei de antitrust. A mesma que já lixou a Ms uma data de vezes porque eles estão sempre a abusar destas coisas (exigir exclusividade aos vendedores de hardware, misturar o IE com o sistema operativo, etc).

    Eu não tenho nada contra leis que impeçam monopólios. Pelo contrário. E é uma razão para ser contra muitas patentes e copyrights.

    ResponderEliminar
  30. Mário,

    «Não-há-almoços-grátis.»

    Até há... não esperes é que sejam as grandes companhias a dá-los :)

    «A Google queria, e quer, SEMPRE, açambarcar toda a informação possível.»

    Claro que sim. Fazem isto no interesse deles. O que não quer dizer que não aproveitemos aquilo que for no nosso interesse também.

    Infelizmente, o pessoal anda mais preocupado em proteger as vendas de CDs dp que com o poder todo que as grandes empresas arrecadam em monopólios, legislação e lobbies, e informação acerca de nós.

    ResponderEliminar
  31. Mário Miguel04/09/08, 22:39

    Ludwig,


    «Até há... não esperes é que sejam as grandes companhias a dá-los :)»

    Nunca há, alguém terá que pagar.

    «Claro que sim. Fazem isto no interesse deles. O que não quer dizer que não aproveitemos aquilo que for no nosso interesse também.»

    Nem for alongar-me... Basta ver o desconforto que houve.

    «Infelizmente, o pessoal anda mais preocupado em proteger as vendas de CDs dp que com o poder todo que as grandes empresas arrecadam em monopólios, legislação e lobbies, e informação acerca de nós.»

    Uma coisa parece não ser empecilho da outra. O burburinho sobre Chrome parece indiciar que as coisas não estão tão adormecidas para esses lados da "informação arrecadada".

    ResponderEliminar
  32. Ludwig,

    Estou a responder-te do meu Chrome, em casa, e digo-te que não estou nada fascinado. A coisa é rápida em algumas tarefas, mas, plug-ins como o flash e afins que são grande parte do conteúdo da net são tão ou mais lentos que o IE.
    A separação de threads sofre de um problema, que não pode ser ultrapassado. Continuam a depender da thread pai para controlo, e essa quando empanca é para todos. É democrática portanto. :-)
    No entanto é nas features Google que mais gosto deste browser. O corrector ortográfico, a pesquisa e auto complete integrados, e a eficiência do gestor de links.

    Dá para todos os gostos...

    Sobre o processo da Sun. Anti trust é efectivamente o que se pretendia com a acção, mas, foi graças ao copyright que a MS foi obrigada a recuar na tentativa de abafar o java, para nos impingir as extensões de .NET, que era o grande desejo. Agora até têm de criar extensões para compatibilizar o .NET com outros sistemas operativos para não ficarem para trás à medida que o Linux lhes vai retirando algum mercado.

    ResponderEliminar
  33. Joaninha,
    já sabes mais do que eu - mas isso não é muito difícil :-)
    Beijos
    Cristy

    ResponderEliminar
  34. Pedro,
    contra coisas como o pishing e afins posso proteger-me com um pouco de sensatez. Contra a acumulação e a avaliação de dados por programas inseridos em browsers é que já não. Não sei até que ponto eles são capazes de detectar preferências, de registar o que eu compro online, o que eu leio, onde eu vivo e qual é a cor dos meus olhos. Reconheço que posso estar a ser paranóica. Mas parece-me que uma empresa como a google que ganha o seu dinheirito (e não é pouco) com publicidade, tem uma motivação mais forte para chegar a estes dados relevantes para quem paga a publicidade, do que uma empresa que ganha o dinheiro sobretudo vendendo os seus programas.
    Para que não haja dúvidas: uso o firefox e não tenho acções da microsoft :-)
    Cristy

    ResponderEliminar
  35. Desculpem a intromissão, mas após uma tão acesa troca de ideias nesta caixa de comentários, seria eu o único que aguardava ansiosamente uma intervenção do Perspectiva dizendo que o browser mais original e mais perfeito era a Bíblia, que contém a palavra do Senhor?
    Que o ambiente de Java mais perfeito havia sido criado há 6000 anos?
    Que o Internet Explorer, Firefox, Opera, Safari, Google Chrome são resultado do pecado original (bem, o IE quase que me convence...)?

    ResponderEliminar
  36. Sgt Hartman.
    o Perspectiva? Mas o Chrome também dá gaivotas?
    Cristy

    ResponderEliminar
  37. Cristy,

    nenhum dos browsers dá gaivotas, mas o IExplorer é a maior prova que refuta o criacionismo.

    Aquilo não pode ter sido criado por nenhum ser inteligente!

    ResponderEliminar
  38. Mário Miguel08/09/08, 10:02

    Ludwig,

    «Até há... não esperes é que sejam as grandes companhias a dá-los :)»


    Tipo Google?:)

    ResponderEliminar
  39. Mário Miguel,

    «Tipo Google?:)»

    Exacto. Alguém vai pagar.

    Mas neste caso penso que o visado é principalmente a Microsoft.

    ResponderEliminar
  40. Mário Miguel08/09/08, 19:49

    Ludwig,

    Engano teu... No fim, é sempre o mexilhão a pagar a conta.

    ResponderEliminar

Se quiser filtrar algum ou alguns comentadores consulte este post.