sábado, fevereiro 09, 2008

Treta da Semana: O efeito de Marte.

Nos anos 50 o psicólogo Francês Michel Gauquelin publicou uma análise estatística da posição do planeta Marte no nascimento de atletas Franceses «de sucesso». Afirmava ter encontrado uma correlação muito forte entre a capacidade atlética e Marte estar a nascer ou a meio do céu no nascimento de cada indivíduo. A correlação era modesta, 22% dos casos em vez dos 17% esperados pelo acaso, mas mesmo assim estatisticamente significativa, e ainda hoje é apregoada como fundamento científico para a astrologia (1).

Na verdade, este tipo de estudo é muito susceptível a falsos positivos devido à selecção tendenciosa dos dados. O erro tornou-se evidente quando Gauquelin se ofereceu para corrigir as datas de nascimento recolhidas pelo Comité Français pour l'Etude des Phénomènes Paranormaux (CFEPP), que em 1982 tentava reproduzir os resultados de Gauquelin.

Havia 132 atletas cuja data de nascimento na lista do CFEPP diferia da data na lista de Gauquelin. Vinte estavam na lista de Gauquelin como tendo nascido quando Marte estava num dos sectores críticos mas na lista do CFEPP como tendo nascido fora dos sectores críticos. Gauquelin mencionou todos estes vinte ao CFEPP. Dezassete estavam na situação contrária, marcados pelo CFEPP como estando em sectores críticos mas não por Gauquelin. Destes dezassete Gauquelin não mencionou um único. A probabilidade disto ter ocorrido por acaso é ridiculamente pequena.

Outros factores revelam selecção tendenciosa. Gauquelin considerou atletas como sendo «de sucesso» se tivessem pelo menos uma medalha em competições internacionais para atletas de desportos individuais, dez internacionalizações se jogadores de andebol ou apenas uma internacionalização se jogadores de futebol. A possibilidade de ajustar critérios diferentes para grupos diferentes permite escolher a amostra que mostra o efeito desejado. Também era revelador que a percentagem de nascimentos em sectores críticos era substancialmente maior entre os atletas cuja data de nascimento tinha sido «difícil de encontrar». A necessidade de procurar alguma informação em registos locais abria a possibilidade de seleccionar alguns que interessavam mais que outros.

É de notar que Gauquelin nunca tentou ocultar os seus dados ou a sua metodologia, tendo sempre colaborado com os seus críticos nisto. É por isso improvável que a selecção tendenciosa dos dados tenha sido deliberada ou desonesta. No entanto, é evidente que o pequeno efeito medido se deveu apenas a erros de selecção. A replicação do estudo com uma amostragem mais cuidadosa revelou não haver efeito nenhum.

Mais detalhes sobre o caso neste artigo de Jan Willem Nienhuys, The Mars Effect in Retrospect. Obrigado ao Mário Miguel pela sugestão e pela ligação ao site do Mauro Silva.

1- Mauro Silva, A Pesquisa de Michel Gauquelin

7 comentários:

  1. Benvindo

    Admito que seja por estares combalido, mas tenho que to dizer frontalmente: a minha é maior que a tua. Senão repara:

    http://aboborapequenina.blogspot.com/2008/02/o-bispo-rowan-williams-ter-que-encarar.html

    ResponderEliminar
  2. José Raeiro10/02/08, 18:52

    Na realidade de admirar seria se ao procurar correlações não se encontrassem algumas. Procurando correlações elas aparecem sempre. Além disso, correlação e causalidade são coisas completamente diferentes.

    ResponderEliminar
  3. Referia-me à minha treta, naturalmente.

    ResponderEliminar
  4. Bem vindo de volta ao mundo dos desinfestados.
    Já estavamos o saudades das tretas.

    ResponderEliminar
  5. Mário Miguel10/02/08, 22:03

    Ludwig,

    O José Raeiro disse algo que já´tinha referido (mais ou menos), é que um dado grupo não deverá ser "aleatório puro", e devidos à vários padrões, podará haver reflexos, mínimos, nos nascimentos, se ocorrer, é necessário é ver as causas.

    ResponderEliminar
  6. Mário Miguel10/02/08, 22:15

    E agora, algo completamente diferente, no que diz respeito ao assunto deste óptimo post!

    Ferramenta para saber a importância de dada figura na Internet.

    Ver aqui o Top 100. Clicando na figura, vê-se gráficos de tendências, bem como outras informações.

    Neste Top 100 não está Jesus Cristo, mas numa procura na página principal, ele ocupa a 2ª posição; pois é: George Bush supera Cristo.
    Richard Dawkins (em oposição a Jesus Cristo) aparece, mas numa posição modesta.

    A página principal desta ferramenta está aqui, onde há várias opções de pesquisa, podendo-se consultar uma lista superior a 100 individualidades.

    ResponderEliminar
  7. Mário Miguel13/02/08, 23:33

    Mais uma banhada...

    Soldado fantasma filmado por grupo de cineastas amadores. Ver
    aqui.

    ResponderEliminar

Se quiser filtrar algum ou alguns comentadores consulte este post.