sábado, fevereiro 16, 2008

Treta da Semana: International Academy of Consciousness.

Waldo Vieira é um dentista brasileiro nascido em 1932 e «Pós-graduado em Plástica e Cosmética, em Tóquio (Japão)»(1). Em 1981 fundou o Centro de Consciência Contínua, em 1988 o Instituto Internacional de Projecciologia, mais tarde Instituto Internacional de Projecciologia e Conscienciologia. Em 1995 fundou o Centro de Altos Estudos da Consciência e «em Outubro de 2000, um grupo de voluntários do IIPC fundou a International Academy of Consciousness (IAC) em Portugal, com o intuito de incrementar a pesquisa em Conscienciologia e Projecciologia, assim como proporcionar instalações e oportunidades semelhantes às oferecidas pelo CEAC no Brasil.»(2)

O curso principal é o Curso de Desenvolvimento da Consciência, «com principal enfoque na experiência fora-do-corpo (EFC). A EFC é uma ferramenta de desenvolvimento pessoal, já que permite uma experiência directa com outras dimensões invisíveis não-físicas [...] A EFC é substancialmente diferente de um sonho, no sentido de que nela viajamos para outras dimensões.»(2)

O que é pena. A experiência fora-do-corpo em que o paciente anestesiado se vê a flutuar por cima dos médicos, em que a consciência sai mas fica nas dimensões físicas e visíveis, seria mais útil. Um curso disso ia revolucionar as tácticas militares, as operações de salvamento, as forças de segurança, a espionagem e, é claro, dava para ir espreitar a vizinha boazona a tomar duche. Esse curso eu pagava. Mas para que raio quero eu viajar por dimensões invisíveis não-físicas? Mais vale dormir. Pode ser que sonhe com a vizinha boazona a tomar duche.

Também ensinam «autodefesa energética». Não sei bem o que será, mas pode dar jeito aos electricistas.

Outro projecto importante é a Enciclopédia da Conscienciologia: «A enciclopédia da Conscienciologia é um marco importante na continuação do entendimento da ciência Conscienciologia que incluirá o registo das ideias e conclusões resultantes da análise dos “factos do universo” sob o ponto de vista conscienciológico.» (4) Gostei das aspas. Factos são coisas reais. “Factos” são tretas.

E o método de trabalho é fascinante. A enciclopédia está a ser desenvolvida no Holociclo, «uma extensa e única área, que inclui uma superfície de trabalho em mármore com 21 metros, permitindo aos investigadores e escritores o trabalho em conjunto, utilizando um banco de dados que inclui mais de 2 500 dicionários temáticos como fontes de referência. Este banco de dados é exibido horizontalmente, permitindo assim um fácil acesso a todo o material, disposto de maneira contínua sobre mais de 305 mesas [...]. Pilhas de papel em branco estão espalhadas por toda a área de trabalho para que qualquer ideia ou conceito se possa registar facilmente e em qualquer momento, minimizando o risco de perda.» Quando a minha mulher me chamar desarrumado digo não, estou a escrever uma enciclopédia. Aardvark (5).

Muito importante também é o «Cosmograma, um método especial de investigação concebido e desenvolvido pelo Dr. Vieira. O Cosmograma é uma técnica que estimula um maior aprofundamento da associação de ideias e o desenvolvimento de conceitos originais, através da análise da informação veiculada diariamente nos meios de comunicação». Até têm um edifício especial onde vão todos ler o jornal durante três horas e trinta minutos (6).

Há muito mais para contar, mas já é treta que chegue para esta semana. Talvez volte cá para vos falar de Cosmoética, Despertologia, Mentalsomática ou Pensenologia. Hoje concluo com a técnica de Tenepes, que primeiro pensei ser um parente dos percebes (ou dos gambozinos). Afinal «consiste na transmissão diária de energia com finalidades assistenciais, com horário bem definido, em conjunto com uma equipe de amparadores técnicos». Mas fica o aviso. Não se indica «para mulheres que utilizam DIU, conforme orientação de praticantes veteranos da tenepes, pois os processos energéticos intensos durante a tenepes podem ocasionar alguma alteração.»

Obrigado, Abobrinha, por este filão de treta concentrada. Sugiro que assistas ao curso. Não pela cosmotreta, mas um destes amparadores técnicos que até deslocam o DIU talvez seja interessante.

1- Wikipedia, Waldo Vieira
2- International Academy of Consciousness, International Academy of Consciousness
3- IAC, Curso de Desenvolvimento da Consciência
4- IAC, A Enciclopédia da Conscienciologia
5- Ink and Incapability.
6- CEAEC, Laboratório do Cosmograma.

18 comentários:

  1. Por falar em tretas aqui vai:

    "A entrada principal da casa é indicada sempre pelo norte. Se isto não for possível, coloque ao norte uma imagem do Arcanjo Mikael, o protetor dos lares contra assaltos, energias negativas e outros males, ou uma imagem de um Buda de costas para a porta , ou ainda de um elefante de presas viradas para cima de costas para a porta."

    Mais preciosidades em http://portal.portugalmistico.com/content/view/46/1/

    ResponderEliminar
  2. Ai o que eu me ri com este post. :-)

    O que é um banco de dados contendo dicionários, exibido horizontalmente? São uma data de dicionários abertos em cima da mesa que - ora aí está - encontra-se na horizontal?

    ResponderEliminar
  3. Ludwig

    C'os diabos! Repito: c'os diabos! Nem eu me tinha dado conta que a treta era tanta! Mas isso é porque sou superficial: adorei os nomes!

    Eu bem me parecia que tinha razões para não achar o DIU um método contraceptivo em condições! Agora já tenho mais um motivo. Tenho mesmo que ligar para lá a saber o preço! Se não for muito caro e não tiver mais que fazer, sou capaz de ir. Já fiz pior: fiz o nível I de Reiki e fui a umas sessões. Quando cheguei à conclusão que aquilo era treta concentrada, perda de tempo e de dinheiro e que era tudo louco e que eu era a única com o juízo todo lá dentro, deixei de ir.

    Não dou o tempo por perdido: tive mente aberta, mas não havia nada a que me abrir. A explicação deles: eu racionalizava demais (quem, eu??? Eu, que às vezes sou a emoção em estado puro?). Não tinha nada que ver com a treta: era eu que era culpada. Ora porra, nem a igreja católica põe ênfase no pecado dessa maneira: vai-o justificando com dados mais ou menos objectivos.

    Além disso fui assediada por uma mulher. E bem gira! Ou seja, foi uma experiência enriquecedora.

    ResponderEliminar
  4. "Além disso fui assediada por uma mulher. E bem gira! Ou seja, foi uma experiência enriquecedora."

    Epá! O Reiki parece-me muito mais interessante que a Mentaloterapia Projecciologista ou lá o que é.

    ResponderEliminar
  5. Herr K

    A minha busca pela treta é mais experimental que a do teu irmão. Eu gosto de meter a mão na massa... ... ooops... aaaaaa... no sentido figurado, estás a ver?

    ResponderEliminar
  6. Mário Miguel17/02/08, 02:45

    Já que é referido neste post a experiência fora-do-corpo...

    Cientistas apresentam uma explicação para a sensação de estar fora do próprio corpo, ver aqui.

    ResponderEliminar
  7. Mário Miguel17/02/08, 02:49

    Mais material de "estudo" aqui.

    ResponderEliminar
  8. E se fizessemos uma vaquinha para oferecer um destes cursos ao Perspectiva? Sempre lhe podia dar algum material novo e nós escusávamos de levar aqui eternamente com os mesmos diparates.
    Cristy

    ResponderEliminar
  9. Mário Miguel17/02/08, 15:47

    Sobre o professor Baltazar, aqui pode ver-se o que o Ludwig descreveu:-) Pena fazer parte de um anúncio.

    Este aqui inclui o genérico.

    Este, era outro da mesma altura.

    ResponderEliminar
  10. Mário Miguel17/02/08, 16:31

    Ops! o que eu coloquei anteriormente dizia respeito ao post "Miscelânea Criacionista: E Deus criou a cebola."

    ResponderEliminar
  11. "é claro, dava para ir espreitar a vizinha boazona a tomar duche. Esse curso eu pagava".

    Está tudo dito.

    ResponderEliminar
  12. Mário

    Obrigada por me relembrares o professor Baltasar! Para só dois canais, tínhamos bonecada de categoria! Mas os putos agora têm ainda melhor (e muito pior). Com a vantagem que também é própria para nosso consumo!

    ResponderEliminar
  13. Agora temos o Hentai! Não tem o mesmo valor nostálgico que o Professor Baltazar ou o Professor Faísca, mas também tam o seu encanto.

    Agora falando a sério. Alguém se lembra duns desenhos animados que era um puto que tinha um fogetão insuflável no quarto, e que ia para outros planetas e voltava atrasado para jantar? Acho que era da altura do Bananaman, mas já não me lembro bem.

    ResponderEliminar
  14. Herr K

    O professor Faísca... ... não me lembro. Também não me lembro do que falaste, mas lembro-me do bananaman e do plasticman.

    O que é o Henai? Eu gosto de uns actuais que têm uma vaca com um úbere enorme e uma galinha com cara de parva. Não consigo é ver um episódio de início a fim. E o samurai JAck, que acho que já não dá. E a Lilo e Stitch (acho que já há um tempo que não dá).

    ResponderEliminar
  15. Ora bem, essa academia eu não conheço... e será que o mereço?! Mas se é sobre o estudo da consciência interessa-me, sim! ;)

    Anyway... queria só referir-me às recentes experiências que simulam, ainda que de forma bastante imperfeita, a sensação da out-of-body experience.

    Aliás, no campo do estudo científico sobre o "misticismo" ou "sobrenatural", chamemos-lhe assim, de há muito se vêm fazendo experiências para tentar reproduzir determinados fenómenos descritos na literatura espiritual, através da estimulação de certas zonas do cérebro, por exemplo, ou da medição da sua actividade em sujeitos dados a essas práticas - tipo meditação e por aí.

    Para abreviar, o ponto fulcral de todas estas questões é invariavelmente o mesmo: o nível de consciência e conhecimento do sujeito observado ou que afirma ter vivenciado determinado estado incomum: out-of-body, near-death and so on.

    Ou seja, explicações que partem do pressuposto que essas ditas "sensações" são auto-ilusórias e podem ser justificadas por mecanismos da fisiologia cerebral - incluindo a anoxia, acção de substâncias químicas, etc. - ou um conflito entre a informação recebida no cérebro pelos vários sentidos e similares, podem até estar correctas em vários casos, mas obviamente são incapazes de fornecer qualquer resposta cabal nos outros casos em que o sujeito que experimenta esse desdobramento dele retira informação adicional, como se estivesse consciente para além das fronteiras do seu próprio corpo inerte.

    Mantendo esta discussão em termos puramente científicos, desde há muitos anos que se vem estudando este fenómeno em pessoas submetidas a operações, e que conseguem relatar os procedimentos cirúrgicos e mesmo as conversas dos médicos, etc. De notar, que tais relatos se têm verificado inclusive em estados de hipotermia induzida, num estado de vida suspensa e SEM actividade cerebral mensurável, essencial para certas operações ao cérebro.

    Um livro notável que inclui um caso destes (Pam Reynolds) é "Light and Death", do cardiologista Dr. Michael Sabom, um estudioso do fenómeno "experiências de quase-morte".

    De facto, hoje em dia isto é de tal modo aceite pela comunidade médica que já se recomenda um cuidado adicional naquilo que é dito durante as operações ou mesmo junto de doentes inconscientes e em estado de coma profundo.

    Por fim, é de notar que o próprio artigo refere que nem todos os casos clínicos de experiências fora do corpo têm necessariamente a mesma causa, claro.

    Antes de sabermos realmente o que é a consciência - e em especial se ela NÃO for de facto um mero epifenómeno da matéria! - não será possível avançar muito mais nestes estudos que, para já, se ficam muito pela rama das meras curiosidades e pouco mais. A questão, como a Psicologia Transpessoal de Grof defende, é saber se o Ser Humano pode mesmo ultrapassar os limites da sua consciência individual e alargá-la até uma "consciência cósmica", tal como é descrito em diversos testemunhos ao longo da História e também contemporâneos.

    Ou ainda, para além do "inconsciente colectivo" e seus arquétipos existirá também a tal Mente Una ou Divina, preclara e prístina?!


    Ilusão ou meta-realidade...

    Rui leprechaun

    (...qual a última verdade?! :))


    Só sei que nada sei, excepto um pouco sobre o Amor.

    Sócrates, homenageando a sua mestra Diotima de Mantinéia

    ResponderEliminar
  16. Uma Abóbora reikiana?!
    Sopa p'ra toda a semana!

    Co'um fiozinho de azeite...
    ...marcha que é um deleite!

    E uma pitada de sal...
    ...que é muito espiritual!

    Ai, tão tenra esta Abobrinha...
    ...mas que rica comidinha!

    E eu saboreio um pitéu...
    ...melhor que o maná do céu!!! :)

    (Tschh... olha o que a outra perdeu...
    ...não se safou como eu! ;))


    Papo cheio, lambo o beiço...

    Rui leprechaun

    (...e quadro como o Aleixo!!! :))


    PS: Somos vegetarianos, não fumadores e temos sobrinhos...

    ...Gnomo e Abóbora: a evolução dos pombinhos!!! :D

    (Ahn... ou patinhos, tanto faz! ;))

    ResponderEliminar
  17. Leprecheun

    O que eu não acho normal é já ser a segunda vez que me dedicam poemas tipo António Aleixo. Não sei que te diga: sou refilona, mas sou tímida! Por isso deixa-me javardar: tu queres é saber como é que fui assediada!

    ResponderEliminar
  18. eu fiz o Curso de desenvolvimento da consciência da IAC ou como lhe chamarem em inglês. Eu fiz o curso basico em 2001. A principio aquilo pareceu-me engraçado e eu fartei-me de dormir durante o curso que me custou naquela altura 250 euros. Na verdade eles fazem aquilo tudo parecer facil, mas na realidade é muito dificil sendo que alguns dos professores tenham de recorrer a metodos violentos para conseguirem fazer a projecção astral.O corpo humano está programado para que a viagem astral não aconteça facilmente.Contudo em 2003, num workshop em Agueda na escola secundaria Adolfo Portela, ao fim de 6 horas a experimentar, eu vi, mas VI mesmo,durante um exercicio, uma barra negra nas mamas da professora, coisa que mais ninguem viu, nem sequer os mais experimentados. E por isso é que eu cheguei a este blog pois eu ando á procura do nome da tecnica na internet, pois já esqueci. A maior parte do pessoal eu não conhecia e eram todos um bocado intimidatorios e tambem algo hipocritas.Portanto eu não estava absolutamente nada á vontade.Depois de uma analise geral dos resultados da tecnica, eu fiquei bastante incomodado com aquilo que vi e custou-me bastante a falar em publico, nas mamas da professora (lol). Mas quanto mais calado eu estava mais ansioso ficava.Até que me aborreci e interrompi a aula e disse o que eu tinha visto. Pois a maior parte do pessoal eram mulheres e estar lá no meio um homem a falar em mamas, era um bocado complicado.Eu podia ser expulso depois de ter pago o workshop.Aquilo era na maior parte senhoras finórias.Eu disse o que vi e esqueci. Pareceu-me que a professora não prestou mais atenção ao que eu disse que vi. Passados uns meses, uma amiga minha que tinha lá estado comigo disse-me que a professora foi ao medico fazer exames e que tinha uma doença qualquer naquela area. Tu tens a liberdade para considerar aquilo trêta, mas apenas porque de facto a IAC é um negocio, não é uma ONG.Portanto mesmo que boas acoisas aconteçam lá dentro, não são ditas cá fora. Eu como sensitivo, sei que aquilo não é trêta mas eu estou á muitos anos mais sensivel ás mudanças que as tecnicas deles provocam, muito mais que as outras pessoas.Não é treta não, é algo dificil, mas não é treta.A projecção astral não é facil mas é possivel. Eu compreendo que eles não se esforcem por passar para fora uma melhor imagem, mas aquilo é um negocio de fazer dinheiro, não interessa agradar a quem não tem dinheiro.

    ResponderEliminar

Se quiser filtrar algum ou alguns comentadores consulte este post.