segunda-feira, janeiro 28, 2008

Criacionismo já é ciência.

A equipa de Hamilton Smith (1) sintetizou o genoma completo do Mycoplasma genitalium, uma bactéria simples com cerca de 400 genes e um genoma de meio milhão de pares de bases. Isto é muito menos que os três mil milhões de pares de bases do genoma humano, mas é um feito considerável tendo em conta que foi tudo sintetizado a partir dos nucleótidos. A síntese química de sequências de ADN permite criar trechos de cerca 100 bases. Estes depois foram reunidos em sequências cada vez maiores num longo processo de manipulação e correcção de erros.

Foram anos de trabalho e milhões de dólares, mas a técnica certamente se tornará mais barata e mais simples quanto mais for usada. E, pela primeira vez, o genoma de um ser vivo foi criado artificialmente por um ser inteligente. Agora os criacionistas já podem dizer que o criacionismo é ciência. Só precisam deitar fora essas tretas de deuses e milagres.

Via SciGuy
1 Prémio Nobel da medicina 1978

7 comentários:

  1. Disseste tudo. Muito bom!
    É verdade, há uns anos criámos um cromossoma artificial, agora chegou a vez do genoma pequeno. Já reparaste, à medida que a ciência cresce deus decresce. A maçã cai porque foi deus que a fez caír. Quando Newton desvendou a gravitação a maçã já caía por força da gravidade. Menos um "deus" na vida de cada um e mais uma explicação racional.

    ResponderEliminar
  2. Já estava na hora desse tal Deus ser devidamente apertado pelo "genitalium".

    :-)

    ResponderEliminar
  3. Realmente, podiam ter dado outro nome ao raio do bicho!

    Pior que isso só o "pirococcus furiosus". Ou a "crepídula fornicata" (que é uma colónia de conchas, antes que pensem porcarias).

    Estás a ver que esse criacionistas sempre tinham razão?

    ResponderEliminar
  4. GOD = Generator, Operator, Destroyer!

    Belo acrónimo, o nome inglês para Deus Criador!

    Mas aí nada se criou nem destruiu, apenas se transformou, de acordo com o conhecido princípio da conservação da massa, enunciado por Lavoisier: "Na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma".

    Bem, isto até tem implicações científicas muitíssimo interessantes, já que a ser verdade, então a soma total de energia e massa no universo deve ser zero, isto se ele proveio do nada anterior à expansão do espaço-tempo. Ora o interessante deste raciocínio é que ele é eminentemente teísta... ou será melhor taoísta?! ;)

    Ou budista e hinduísta, nesse sublime prodígio intelectual que é a excelsa concepção de "Maya", na irrealidade fenomenal pois só a vera Ideia é real!

    Nada existe, Nada é... e só do Nada tudo proveio até!!!

    Mas especulação à parte, é óbvio que nada de novo foi criado nessa experiência de Hamilton Smith e seus pares. Tal como os artistas secundários que copiam obras originais e cujas falsificações nada valem, a mera reprodução daquilo que já existe há infindáveis milhões de anos pode sem dúvida ter valor científico, claro, mas é uma inteira nulidade criativa.

    A questão primordial permanece desde sempre intocada: como é que se gerou ao longo da evolução ou criação... whatever!... esse conjunto de genes e antes ainda os nucleótidos que os integram e, sempre recuando, os compostos químicos sucessivamente mais simples até chegarmos às meras moléculas e átomos e particulas elementares... how did it all came forth?!

    Meaning: é toda esta evolução sequencial um mero resultado aleatório de infinitas combinações possíveis, ao longo de um tempo também quase infinito, ou sempre foi logo à partida determinada... criada!... pela consciência primordial existente na mais ínfima onda-partícula que compõem este universo material?!

    Consciência que, obviamente, sempre foi omnipresente e actuante, o que significa que no mínimo é contemporânea do Big-Bang ou "instanton" e "flutuação quântica" ou qualquer outro princípio que a ciência estabeleça para o surgimento do universo, não importa. Provavelmente, essa consciência é mesmo anterior ao binómio espaço-tempo, mas podemos até esquecer tal especulação metafísica.

    The question remais the same: quando é que as leis da física incluirão a consciência omnipresente... quando?! Até então, será puramente ilusório pretender elaborar teoria alguma da unificação, pois de que forma poderá ela deixar de fora o elemento primordial a partir do qual tudo surgiu, afinal?! O Nada é... e no Vazio a Consciência está de pé!!! :)

    É por isso que o alicerce que os construtores da ciência já rejeitaram, desde Laplace ou antes ainda, se tornará de novo a pedra angular, pois sempre o foi e sempre o é e sempre o será... as I AM and WE ALL ARE!!!

    Assim, a única fé é mesmo a de quem ingenuamente concebe que é o caos aleatório o gerador de todas as miríades formas de vida que aqui vemos. Pois o Nada de onde elas surgiram é o Tudo que cada vez mais plenamente a suprema inteligência humana manifesta... divinos criadores que também somos na cósmica festa! :)

    Logo, Hamilton recriou... mas quem o modelo original assim pensou?!

    Porque só a pura Ideia existe...

    Rui leprechaun

    (...gerando a ilusão que subsiste! :))

    ResponderEliminar
  5. "E, pela primeira vez, o genoma de um ser vivo foi criado artificialmente por um ser inteligente."


    Precisamente!

    ResponderEliminar

Se quiser filtrar algum ou alguns comentadores consulte este post.