segunda-feira, fevereiro 12, 2007

A Fúria do Pouco-Poderoso.

OK, mesmo sendo ateu admito que o sismo logo a seguir ao referendo pode não ser coincidência. Mas 5.8 na escala de Richter? O que virá a seguir? Meia dúzia de gafanhotos? Os filhos primogénitos ficarem ligeiramente indispostos?

20 comentários:

  1. e o todo-poderoso dono do blog poderia considerar voltar ao formato gráfico antigo? este não é tão user-friendly... just an opinion...

    ResponderEliminar
  2. Não sei... depende da diferença. Tive que mudar para a versão 2 do blogger, e isso é irreversível. Mas de resto só alterei as cores e assim. Acho que para os comentários está na mesma (ou não? para mim está, mas esta versão trata os autores com mais regalias).

    Em suma, preciso de uma queixa mais específica para ver o que posso fazer :)

    ResponderEliminar
  3. pois não sei, se calhar o problema é do meu safari. os comentários estão exactamente na mesma, mas o formato principal do blog está diferente: as letras do texto estão muito maiores, e o texto de lado aparece numa formatação também diferente da anterior com letras muito grandes. bom, mas isso é só a minha opinião, óbvio --- se calhar é porque já' estava habituado ao formato antigo! :-)

    ResponderEliminar
  4. Ah, isso pode ser. Aumentei um pouco o tamanho das letras (20%) porque me pareciam muito pequenas. E mudei a fonte para uma sem serif...

    Com o Opera e o IE, a 1024x768 parecem-me bem.

    No teu, o texto deste post (sem contar o titulo) tem 4 linhas ou tem mais?

    ResponderEliminar
  5. (o post mesmo, não o comentário)

    ResponderEliminar
  6. Eu uyilizo o FireFox e parece-me tudo óptimo, melhor do que anteriormente.

    Este artigo aparece-me em 4 linhas.

    ResponderEliminar
  7. sim, o post aparece em quatro linhas. então é mesmo só uma questão de estética! :-) hei de me habituar ao formato novo :-)

    ResponderEliminar
  8. Então está tudo resolvodo :)

    Quero ainda ver se estreito a barra da direita. E alguém sabe como tirar aquilo das "postagens"? Não encontro esse texto no template, temo que seja algo do blogger...

    ResponderEliminar
  9. Bem, lá se foram os melhoramentos! Isto num monitor wide é muito complicado de ler.

    Resta-me a esperança que estejas apenas a realizar algumas experiências... ;)

    ResponderEliminar
  10. Um passo à frente, outro atrás :)

    Qual é o problema nos wide? Sai o texto para os lados? Ou fica grande demais?

    ResponderEliminar
  11. E assim? Está melhor ou é a mesma treta?

    Já agora, por favor sejam mais específicos nas queixas. Isto do quente/frio funciona melhor ao vivo que online :)

    ResponderEliminar
  12. Pode ser que seja desta: largura máxima de 900 pixels para aqueles com uma visão mais alargada :)

    ResponderEliminar
  13. o que vejo neste momento (não sei quanto flutuou nas últimas horas) parece-me bem melhor do que da última vez que tinha visto. para mim é um bom "ponto fixo" :-)

    ResponderEliminar
  14. Proooonto! Não mexe mais. Está óptimo assim! ;)

    ResponderEliminar
  15. OK. Obrigado a todos pela ajuda. Assim ficará até eu ter tempo para começar a brincar com CSS (aí é que vai ser bonito ;)

    ResponderEliminar
  16. Vem mesmo a calhar....

    Richard Dawkins em "The God Delusion" (2006). Excerto maior aqui.

    "Constructing models is something the human brain is very good at. When we are asleep it is called dreaming; when we are awake we call it imagination or, when it is exceptionally vivid, hallucination. Children who have imaginary friends sometimes see them clearly, exactly as if they were real. If we are gullible, we don’t recognise hallucination or lucid dreaming for what it is and we claim to have seen or heard a ghost; or an angel; or God; or — especially if we happen to be young, female and Catholic — the Virgin Mary. Such visions and manifestations are certainly not good grounds for believing that ghosts or angels, gods or virgins, are actually there.

    On the face of it mass visions, such as the report that 70,000 pilgrims at Fatima in Portugal in 1917 saw the sun “tear itself from the heavens and come crashing down upon the multitude”, are harder to write off.

    It is not easy to explain how 70,000 people could share the same hallucination. But it is even harder to accept that it really happened without the rest of the world, outside Fatima, seeing it too — and not just seeing it, but feeling it as the catastrophic destruction of the solar system, including acceleration forces sufficient to hurl everybody into space. David Hume’s pithy test for a miracle comes irresistibly to mind: “No testimony is sufficient to establish a miracle, unless the testimony be of such a kind, that its falsehood would be more miraculous than the fact which it endeavours to establish.” It may seem improbable that 70,000 people could simultaneously be deluded, or could simultaneously collude in a mass lie. Or that history is mistaken in recording that 70,000 people claimed to see the sun dance. Or that they all simultaneously saw a mirage (they had been persuaded to stare at the sun, which can’t have done much for their eyesight). But any of those apparent improbabilities is far more probable than the alternative: that the Earth was suddenly yanked sideways in its orbit, and the solar system destroyed, with nobody outside Fatima noticing. I mean, Portugal is not that isolated (although admittedly my wife’s parents once stayed in a Paris hotel called the Hotel de l’Univers et du Portugal)."

    Tirado do
    http://abaheisenberg.blogspot.com/2007/02/blog-post.html

    ResponderEliminar

Se quiser filtrar algum ou alguns comentadores consulte este post.